História Os 12 Pesadelos - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Cabeças Cortadas, Guerra, Lágrimas, Mais Mortes Ah, Morte, Vforvendeta
Exibições 5
Palavras 1.973
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Saga, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Canibalismo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Uma semana para fazer isso... Sinto muito por ter demorado tanto mas este capítulo aqui teve um pequeno esforço à mais para fazer isso... Eu não estou falando de tempo...

Capítulo 14 - Tenha controle - Capítulo Especial


Fanfic / Fanfiction Os 12 Pesadelos - Capítulo 14 - Tenha controle - Capítulo Especial

Eu estava com a cabeça nas nuvens, minha mente estava quase completamente limpa apenas com um único pensamento que ecoava em minha cabeça. Meu passado me condena, cada erro que cometi em vida voltará algum dia para me assombrar novamente.

Eu gostaria de ter acreditado nas sábias palavras daquela criatura.

 

Sempre tive certeza que meu sofrimento era desnecessário mas agora entendo o motivo.

Me arrependo amargamente de todas as dívidas que criei com o karma naquele dia, nunca soube oque de tão sério que eu fiz para que minha família fosse morta com tanta lentidão e sofrimento.

 

Depois de todo esse tempo ainda me pergunto… “Por que?” Meu primeiro pensamento foi suicídio… Mas então… Tive a sorte e o azar de conhecer “ela”. Ela não quis me deixar aqui para passar a eternidade em uma depressão profunda que nunca iria deixar esse pobre saco de lixo humano que nunca iria dar mais um passo em sua vida.

 

Eu não tinha mais oque fazer nesse mundo, não existia mais o por quê de minha alma estar aqui a não ser o pagamento de dívidas eternas. Eu acredito que a morte é uma libertação desta maldita existência extremamente valorizada… Mas… Eu ainda não sei porque é tão valorizada.

 

Tudo estava indo tão bem, nós acabamos nos apaixonando um pelo outro e o noivado não demorou muito. Tivemos dois filhos, “Sarah e Isaac” Era incrível como eles se amavam, dormiram na mesma cama durante anos. Quando algum deles terminavam um namoro ou algo assim, ambos iriam chorar no ombro do outro. Eu tive uma vida normal por muito tempo, eu amei isso mas… Como eu falei… Deus não iria me deixar em paz.

 

Primeiro foi sarah, ela teve a infelicidade de conhecer o câncer terminal, ela morreu as duas da manhã na primeira noite fora do hospital. A maioria das doenças do mundo tem uma cura extremamente fácil de produzir mas o câncer havia evoluído depois da explosão… Ele se tornou contagioso. A cura para o câncer aprimorado ironicamente acabou sendo o resíduo tóxico das antigas usinas nucleares que foi substituído por algo menos radioativo. Ele se tornou extremamente raro a ponto de ser extremamente caro.

A maioria dele acabou sendo destruído pois a humanidade achou finalmente uma maneira de destruir matéria e quase tudo foi obliterado antes de descobrirem que aquele líquido era extremamente importante.

 

Isaac também foi uma vítima da ira de Deus, um ataque terrorista foi realizado em um país chamado Arstotzka, meu filho estava lá. Com a nova tecnologia nuclear criaram uma bomba capaz de explodir uma pequena área de 4.000.000.000.000 de metros quadrados, Mais ou menos um país inteiro. Que bom que saímos da terra.

 

Minha esposa não estava mais satisfeita com a vida e teve seu suicídio realizado em agosto de 2174.

 

Depois de tudo isso… Como eu ainda estou aqui? Simples, eu não tenho escolha.

Depois de tudo isso… Eu não quero mais sentir… Depois de tudo isso… Eu não posso mais sentir…

 

- Você está bem Hayato? - Diz … retirando-me de meus devaneios - Sim sim, só estou com a cabeça um pouco presa no passado - Disse ainda não estando completamente naquele lugar - Ei Hayato, qual é mesmo a sua arma? - Ela realmente era tão inocente? Eu ainda não sei como ela sobreviveu por dois meses - Ah, somente uma STI .40mm e uma Desert Eagle .50 Além de uma pequena lâmina, nada de mais.

 

- Espera… não movam um músculo… - oque foi isso? - eu não sei - só um segundo eu v… urgh… urr… - Hayato? Você não? - Que momento estranho não é mesmo, meu corpo foi cortado ao meio e muito sangue finalmente teve a oportunidade de emergir para fora deste

 

maldito corpo. Ha, isso é estranho, essa sensação… Eu deveria ficar assustado com isso, quem não tem medo da morte tem um fim bem decepcionante. Mas os outros estão tão assustados, não acho que devo deixar eles não desse jeito. Eu realmente queria lembrar o dia em que eu comecei a me importar com as pessoas… É tão estranha essa sensação,

 

eu estou bem no fim de minha longa vida com uma morte tão terrível e agonizante mas ainda sim não estou assustado, acho que essa sensação foi uma das emoções e conquistas que eu havia conseguido mas acabei esquecendo ao longo dos anos…

A Paz… Mas eles… Eles não merecem morrer agora, não podem morrer agora…

 

Eu tive o prazer de olhar para o paraíso… Mas ele não era exatamente como eu esperava…

Ele foi destruído por demônios, a religião Católica havia errado, não existia nenhum Deus apenas uma geração anterior de Humanos que de acordo com a pequena parcela de informações que conseguimos descobrir eles sempre existiram.

 

Alguns deles eram imortais outros não mas sempre havia sangue. A lei naquele mundo era matar ou morrer, tinha que fazer jorrar no mínimo 20 litros de sangue por dia para poder sobreviver até que um dia um pequeno grupo de pessoas que não desejavam ser assassinos se reuniu e começou a morar no subterrâneo. Eles se tornaram “comunistas” como podemos dizer.

 

Enquanto isso, o povo lutava para sobreviver, apenas o amor de mãe era realmente verdadeiro. Depois de 2 meses, 70% da população da terra naquela época estava na cova.

A parte exterior inteira do mundo foi completamente erradicada em um único mês, bem assustador não é?

 

Os humanos que tinham em seu corpo “humanidade” ficaram séculos no subterrâneo mas um dia o espaço lá acabou. Eles acabaram retornando à Superfície e todos nós sabemos que não irá acabar muito bem. No fim digamos que a humanidade não se preparou psicologicamente para aquilo, homicídios, suicídios, depressão, sociopatia e psicopatia,

tudo isso por causa de alguns milhares de corpos.

 

Então, o mundo foi mais uma vez levado à beira da extinção mas algumas pessoas que respiravam ainda estavam com a mente sã, e a humanidade sobreviveu de novo.

As relações sexuais normais utilizadas no mundo que existe hoje não eram existentes então demorou um pouco para a terra ser repovoada.

 

Os cientistas que descobriram isso só conseguiram descobrir essa parte da história, foram tão burros a ponto de acharem que aquela geração sempre existiu.

 

Vocês deveriam me agradecer, eles matariam vocês de formas muito mais sangrentas.

Sou seu libertador, por que não estão beijando meus pés? - Ele ergueu sua lâmina preparado para matar. Ela estava chorando, eu não consigo mais imaginar como é sentir medo, uma das emoções que perdi ao longo do tempo.

 

- Cara, eu não quase morria a muito tempo, você é bom e eu sou descuidado - Wow, você parece ser bem forte para ainda estar vivo - E você parece bem fraco por não ter me matado ainda - Você iria preferir que estivesse morto!

 

- Então nós começamos um impasse, uma pequena troca de socos e chutes. Consegui desviar de um golpe frontal abaixando-me e realizando um gancho de direita. O impulso fez com que ele estivesse momentaneamente suspenso do chão, então, a única coisa a fazer era chutar-lo para longe.

 

Eu me armei com minha lâmina e saltei em direção do android me tornando a própria personificação da fúria que um assassino utiliza para conseguir fazer sangue jorrar com suas próprias mãos.

 

O interessante daquela cena era que em minha visão, seus olhos estavam brancos, comecei a hesitar e pensar “será que eu devo mesmo desperdiçar uma vida por ódio?

De qualquer forma, nada que me faça não ser quem devo ser em uma situação tão delicada.

 

Primeiramente cortei um fio em sua nuca que conectava a visão do centro de controle.

Depois, cortei seus braços suas pernas e seu tronco, acho que sua namorada iria chorar com essa cena senhor doutor leitor.

 

Ele estava caído, derrotado, praticamente morto, ver um ser “quase” vivo desse jeito me trazia más lembranças. Bem… Já que é algo que quero esquecer… Vamos acabar com os pesadelos…

 

Eu larguei a lâmina e saquei uma Desert Eagle Gold carregada com uma única bala que quando o projétil for lançado causará a mesma radiação que uma bomba atómica.

 

- Fala para aquele maldito desgraçado que eu mandei um “oi” - NÃO! - Urrr... Urgh... - Baseado em sua regeneração tão acelerada que foi revelada durante a luta, me sinto segura o suficiente para utilizar minha habilidade. Um tipo de corrente de ar pode assumir qualquer forma inclusive lâminas. Você perdeu, lamento - Minha vida foi vazia, pálida, não havia as melhores cores que as “melhores vidas” poderiam proporcionar. É muito bom, sentir algo novamente, obrigado Downishin… - Ele desmaiou? - Downishin falou com um pouco de medo por achar ter me matado - Isso é meio óbvio, ele gastou quase toda a energia por causa do conflito - Eu realmente não previ que aquele garoto era tão racional.

 

- Ãh... Oque…? Oque é isso? - Ah, você acordou - Por quanto tempo eu dormi? - Dois dias - Está bem, por que estou amarrado? - Nós ficamos com medo de você perder o controle de novo - É de se esperar - Concordo plenamente - Assim que terminou de falar, desviei minha atenção para visualizar oque estava ao meu redor e acabei conseguindo ver o android que eu havia destruído - Como vocês conseguiram dormir de noite com essa coisa deste jeito? - Turnos de vigia - Tudo bem, quando vocês planejam me soltar? - Agora - Oque? Como assim? - Nós só tínhamos medo que quando você despertasse, ainda estivesse em modo louco de pedra - Certo…

 

- Ah, Hayato você acordou! Como se sente? - Com fome, há algo para comer? - O Ray conseguiu uma onça parquegueta - Estou orgulhoso - Obrigado - Ray responde com uma cara bem fofinha - Eu quero o coração e o peito - Eu quero tudo que estiver na cabeça - Até o cérebro? - Sim - Que nojo - Cada um tem sua opinião - Eu vou querer o estômago e coxas - Oque sobrar é meu - Certo - Tudo bem para mim - Esses dois estão se tornando cada vez mais adoráveis.

 

- Estava delicioso - Estupendo! Magnífico! Espetacular! - Eu só sou boa em assar carne, só isso - Claro que não! Isso está maravilhoso! - Obrigada - Não há de quer - Espera, Downishin, qual era sua profissão antes de se tornar mercenária? - Garoto esperto - Bem, eu era 2° melhor Chef do mundo - Eu sabia! Clarice Costa! - É - Eu não acredito, sou seu fã - Eu realmente achei que todos iriam me esquecer depois que eu forjasse minha morte - Claro que não! Mas por que fez isso? Sempre quis saber - Bem… - Oque é aquilo?

- Eu não acredito! - Eu também não… Mais um, dois, três, quatro drones RedAssassin - Droga! - Com certeza, se escondam!...

 

- Eu não posso ser apanhada por esse desgraçado agora! Preciso contornar e flanquea-los!

- Se eu conheço a Down, ela está pensando em um plano agora, com certeza! Espera OQUE? DROGA! - Ela estava com os pés suspensos do ar com um android levantando seu corpo segurando apenas no pescoço - DOWN! - De repente, ela desviou sua atenção diretamente para mim e conseguiu projetar o esboço de um sorriso. Ela levanta a mão por

três segundos… Uma simples e devastadora corrente de ar lança nossos adversários para 127 metros de distância - Isso sempre acontece com você? - Algumas vezes, e com você Ray? - O tempo todo - Como se eu fosse tão burra - Brincadeirinha - Qual sua frase de efeito mesmo Ray? - “Tenho uma bala separada para cada um de vocês” - Muito boa - Obrigado - E Então? - Tenho uma bala separada para cada um de vocês! - Não esperem misericórdia!




 


Notas Finais


Eu avisei...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...