História Os Cinco Selos - Capítulo 71


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Anjos, Demonios, Lutas, Magia, Monstros, Rpg, Seres Misticos, Shounen
Exibições 7
Palavras 1.253
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Shounen, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Yoo, estou postando o cap um dia antes, pois não sei se iria dar para postar amnh
Então...

Boa leitura ^^

Capítulo 71 - Teste


Fanfic / Fanfiction Os Cinco Selos - Capítulo 71 - Teste

O sol havia começado a se pôr...

Os selos ficaram se entreolhando confusos, perguntando-se porque deveriam contar os cinquentas anos que passaram na terra, ao invés da Uriel contar o que estava acontecendo no céu. Com receio, Dante tomou a frente e disse:

-Eu fiquei trabalhando em um bar.
-Serio? –Disse Ed um pouco surpreso. –Por quanto tempo?
-Cinquenta anos.

Todos olharam indignados para Dante.

-Você trabalhou no mesmo bar por cinquenta anos? –Perguntaram os quatro.
-Sim, qual é o problema?
-Em cinquenta anos, você não envelheceu nada. Nem mesmo o cabelo ficou maior. Vai me dizer que ninguém notou um cara musculoso que não mudou nada por cinquenta anos?! –Indagou Ed.

Dante pensou em responder, porém, ele parou e ficou refletido. Em seguida, disse:

-Nunca pensei nisso. É verdade.

Todos levaram suas mãos em seus rostos lamentando a idiotice do Dante.

-E você, Pietra? –Perguntou Ed.
-A cada dez anos eu mudava de cidade, sempre procurando emprego. E, nessa última cidade que fiquei, Kalium, fui chefe de uma gangue.
-De uma gangue? –Perguntaram eles.
-Sim –respondeu ela sorrindo.

Edward suspirou.

-Aiken...
-Eu fiquei navegando com a tripulação do Teach até agora. Foi muito louco, mano.

Todos olharam sorrindo para Aiken (exceto Kleist, ainda sempre inexpressivo).

-Eu pensei que você teria os piores cinquenta anos entre a gente –Disseram eles.
-Ei, isso magoa –lamentou Aiken.

Edward olhou para Kleist com um olhar que expressava repugnância, e Kleist devolveu o mesmo olhar.

-Conte-me o seu –disse Ed.
-Assim como Pietra, eu fiquei vagando de cidade em cidade. Um dia, deparei-me com uma mulher... Lucy. Essa mulher era deprimente, sempre sendo diminuída pelas pessoas, por causa disso, ela me deixou furioso. Ajudei a Lucy para largar de ser tão deprimente, até que, por fim, eu acabei ficado com ela. Ela teve uma filha...
-Você tem uma filha?! –Vociferaram eles interrompendo Kleist.
-Não! É de um pai desconhecido. –Kleist fez uma pausa. –Enfim, Lucy morreu quando sua filha, Diana, tinha dez anos. Cuidava dela desde então.

Os quatro ficaram comovidos com a história, e a Lizzie deixou um lágrima escorrer pelo olho.

-O que foi?! –Perguntou Kleist.
-Ninguém imaginava algo fofo vindo de você –respondeu Pietra emocionada.
-Sim, nós pensamos nos cinquenta anos mais repugnantes entre a gente.

Eles assentiram com a cabeça concordando com o Edward, deixando Kleist com raiva.

-Eu realmente estou pensando em matar vocês!
-Pode vir tentar! –Disse Ed.

Os dois estavam começaram a ir de encontro um contra o outro, mas Pietra bateu na cabeça dos dois.

-Parem vocês dois! –Vociferou ela.
-Desculpa –disse eles.

Quando os dois se acalmaram de novo, os selos olharam para Edward e Lizzie.

-Como foram os seus? –Perguntaram.
-Bem, nós continuamos sendo andarilhos. Eu e a Liz ficamos indo de cidade em cidade a procura de demônios....
-Também ficamos à procura de descendentes da ordem dos Mephistos e seus livros –completou Liz.

Os selos se sentiram um pouco culpados, pois enquanto eles viviam uma vida boa com os humanos, os dois ficaram em busca de coisas sérias e complicadas.

Uriel estava começando a ficar desinquieta. Percebendo isso, Edward levantou, foi para perto dela e sussurrou:

-É necessário.

Uriel olhou para Edward e assentiu.

Ela continuava vestida com o sobretudo do Edward. Então ele colocou a mão no bolso do sobretudo, retirou o cordão de cristal e colocou em seu pescoço. Em seguida, retirou um cigarro.

-Não estrague meu sobretudo –advertiu ele.

Ao virar-se, Edward percebeu que os selos olhavam para ele com ódio.

-Você fuma?! –Disseram eles.

Edward suspirou. Ele queimou o cigarro com suas chamas.

-Pelo jeito, não mais. –Ed fez uma pausa. –E o que vocês aprenderam vivendo com os humanos?
-Saber a diferença entre “mas” e “mais” é crucial –falou Pietra.
-Cê descobre a grandeza de um pirata pelo número de pistolas que ele carrega. Isso é maneiro –esclareceu Aiken.
-Que a vida é uma merda –lamentou Kleist.
-Nunca coloque uva passa na comida –disse Dante.
-Eu até que gosto de uva passa na comida –comentou Aiken.

Todos olharam com ódio para o Aiken.

-Você é repugnante –disseram eles.
-Ei, quando cês viram o Edward com o cigarro na mão não olharam com tanto ódio! –Vociferou Aiken. –Porra, mano.

Agora, com um olhar extremamente sério, Edward olhou para eles e disse:

-Respondam sério.
-Eu vi vários humanos na miséria. Vários deles matando sem necessidade alguma... –começou Kleist.
-Porém, eu também vi vários humanos lutando por seus direitos, tentando dar o melhor de si, fazendo o bem. Mas sempre vendo os que queriam ao contrário –completou Pietra.
-Eu já vi grande heróis moveram seu corpo sem hesitar e com todo esforço... –disse Aiken.
-E, se pudessem voltar no tempo, eles fariam tudo de novo –terminou Dante.
-Vocês acham que devemos interferir para ajudar? –Perguntou Ed ainda sério.
-Não –responderam eles igualmente sérios.
-Por que?
-Porque, infelizmente, esse é o equilíbrio deste mundo. Não devemos interferi-lo, e sim, protege-lo –respondeu os quatro.

Edward abriu um sorriso.

–Ainda bem que não terei que matar vocês –sussurrou Ed para si.

Uriel havia escutado o que Edward tinha sussurrado. Enfim, ela percebeu o que Edward queria. Aquilo tudo era um teste. Um teste para saber se os selos estavam com pensamentos iguais ao do Bahamut. E, pelo jeito, eles passaram.

Sabendo que Uriel havia escutado seu sussurro, Edward olhou para ela e deu um pequeno sorriso. Em seguida, ele estendeu seu braço esquerdo.

-Agora você pode nos contar o que está acontecendo no céu, Uriel.

Ela tomou a frente.

-Como vocês já devem suspeitar, a situação no céu está crítica. –Ela fez uma pausa dramática. –Uma guerra foi declarada.

Os cinco ficaram mais nervosos.

-Quem declarou guerra a quem? –Perguntou Edward.
-Logo quando vocês derrotaram Bahamut, anjos destronaram Deus. E, quem não quisesse seguir as ordens do seu novo rei, teria que morrer. Obviamente, a guerra começou por ai.
-Quais foram os anjos que iniciaram isso? –Perguntou Dante.
-De acordo com as informações que recebi, começou com a participação de todos serafins. E dos arcanjos, teve a principal participação do Miguel e Natanael. Quem está no comando, é o líder dos serafins... Ganância.

Os selos começaram a ficar tomados pela fúria.

-Esses malditos serafins deveriam estar defendendo Deus, e não indo contra ele! –Vociferou Ed. –Sabe do porquê deles terem feito isso?!

Lizzie começou a tentar acalmar o Edward.

-Ora, pelo poder, o que mais seria? –Uriel fez uma pausa. –Logo após que vocês saíram do céu para enfrentar Bahamut, Deus criou uma gigantesca porta atrás de seu trono. E disse que haviam coisas imensuráveis atrás daquela porta. Isso pode ter atiçado os serafins.

Eles pensaram um pouco.

-Não acredito que tenha anjos suficientes que aceitaram ir contra Deus –Disse Aiken tomando a frente -, então como eles estão ganhando?
-Os errantes. São criaturas que nunca vi antes. Simplesmente apareceram.
-Eu lutei contra eles. Tem a força de um anjo classe baixa –Observou Ed. –Temos que voltar ao céu imediatamente.

Kleist tentou abrir uma fenda, que nem quando Edward fez ao ir para o céu. Porém, não conseguiu.

-Fomos banidos do céu –determinou Kleist.
-Eu tenho uma amiga, Anne, que é descendente da ordem dos Mephistos. Talvez ela possa nos ajudar.

Eles assentiram com a cabeça.

-Ótimo, temos que ir salvar Deus logo –falou Ed mais calmo.

Uriel ficou com uma expressão de sofrimento, então disse:

-Deus está morto.

Continua <3 :p

Curiosidades:

Kalium: é a cidade onde Dante foi encontrado por Edward, Lizzie e Mikaela.

(Provavelmente não haverá capitulo sexta, mas ainda há chance de ter)


Notas Finais


Mais um final de cap :c
Tivemos grandes revelações da segunda parte....
Obg por terem lido!
Fiquem com Buda e não usem drogas! ;)
Fanfic também postada em: http://onlyanimes.net/fanfics/historia/22332/os-cinco-selos
http://fanfics.com.br/fanfic/52986/os-cinco-selos-rpg
https://fanfiction.com.br/historia/686669/Os_Cinco_Selos/
https://www.wattpad.com/story/71389755-os-cinco-selos/parts


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...