História Os Desejos Secretos De Yamato - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Digimon
Personagens Cody Hida, Davis Motomiya, Gabumon, Joe Kido, Jun Motomiya, Ken Ichijouji, Koji, Koushiro "Izzy" Izumi, Mimi Tachikawa, Myotismon (Vamdemon), Sora Takenouchi, Taichi "Tai" Kamiya, Takeru "T.K." Takaishi, Takuya Kanbara, Yamato "Matt" Ishida, Yolei Inoue, Zoe Orimoto
Visualizações 14
Palavras 5.386
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Festa, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Obrigado a Todos por continuarem lendo! <3

Tenham uma boa leitura. :*

Capítulo 23 - XXII Keep holding On P-1


 

DIGICAMPUS – DIA

 

 

Gennai, após iniciar a operação Captura, observava o computador, esperando o momento exato que seu ataque começaria.

 

- Eles não vão conseguir nem se quer ver de onde foram atacados, agora sim eu irei ao Digimundo e domarei os dois mundos sendo o rei absoluto! – Falava sozinho sorrindo, então bateram na porta e ele se virou. – Entra! – Falou vendo que era Himekawa e ela se aproximou.

 

- Com licença senhor, aqui estão os relatórios do próximo ataque, tudo começara em quinze minutos.

 

- Perfeito, mas não quero falhas, o ataque tem que ser geral.

 

- Sim senhor, como queira. – Falou entregando os papeis e saindo e na mata, após o café da manhã, Taichi e Yamato conversavam sobre suas vidas na varanda da casa.

 

- Nossa! É tão bom te ter outra vez em meus braços, foi tão horrível passar uma noite sem você, Matt... E eu pensava em como você estava lá preso, nossa... Foi horrível! – Disse e Yamato se aproximou deitando em seu colo.

 

- Eu também senti muito sua falta e fiquei com muito medo de demorar a sair de lá porque não tínhamos as provas.

 

- Pois é, mas o Takeru encontrou o Nishijima justo quando mais precisávamos dele, e... E você está aqui outra vez em meus braços. – Falou e Yamato abriu um sorriso.

 

- Que bom que tudo deu certo, você e meu irmão são as pessoas que mais amo. – Disse e ele se lembrou. – Nossa! Só agora lembrei de uma coisa, Taichi.

 

- E o que foi? – Perguntou curioso.

 

- A Hikari ligou e queria falar com você, quando eu peguei a Sora no banho contigo eu tinha ido dar o recado dela.

 

- Droga! E agora não tem mais como eu ligar, mas era algo grave? – Perguntou ficando preocupado.

 

- Não, ela disse que só queria falar com você, mas aconteceram tantas coisas naquele dia que acabei esquecendo.

 

- Não tem problema, eu vou tentar encontrar uma forma de falar com ela.

 

 Taichi continuava sua conversa com Yamato e Takeru não saía dos braços de Joe.

 

- Como você está hoje, meu amor? – Perguntou abraçando Takeru por trás.

 

- Estou bem, ainda não soube nada da mamãe, mas eu tenho esperança dela estar bem.

 

- Você não vai mesmo contar ao Yamato sobre o sumiço dela?

 

- Acho melhor não, eu vou tentar saber alguma coisa sozinho, deixa isso só entre você, Taichi e eu.

 

- Ok, mas saiba que sempre estarei com você, tá? Te amando, cuidando de você, para que sempre esteja bem e comigo. – Disse e Takeru estava preocupado.

 

- Eu tenho medo Joe, muito medo!

 

- Mas do que? – Perguntou o virando de frente pra ele.

 

- Bom, já nos separaram uma vez e eu tenho medo de que torne a acontecer.

 

- Ah, fica tranqüilo, vai ficar tudo bem, nós venceremos tudo isso, e nos casaremos para ficarmos juntos para sempre.

 

Takeru sorriu e deu um beijo em Joe, e um pouco distante da casa, com muito cuidado, Jun acabava de tomar um banho no rio.

 

- Rápido Zoe, vem logo, é perigoso ficarmos muito tempo aqui!

 

- Eu sei, mas espera só mais um pouco Jun, a água tá tão boa... – Pedia ainda nadando e Jun começou a se vestir.

 

- Tá, eu espero mais um pouco, mas se demorar eu vou embora!

 

- Tá, eu já saio.

 

 Zoe continuava com seu banho e Takuya junto a Shin procuravam frutas pela mata.

 

- Por aqui Shin, ali tem umas bananas e goiabas que são ótimas, é onde eu costumava ir com a Zoe quando estávamos só eu e ela aqui!

 

- Ok, mas você tem certeza que não corremos nenhum risco, não é?

 

- Sim eu tenho, os Heróis nunca vieram nessa área, eu os vigiei por muito tempo, agora deixa de ser medroso e vamos.

 

 

 Falou o puxando pela mão e no ultimo andar da casa na arvore, Nishijima junto a Davis observavam de binóculos o muro do DC.

 

- Pelo que parece, eles não vão atacar hoje.

 

- Assim espero, eles já passaram muito por essa casa, mas nunca a perceberam, mas eu tenho medo que eles decidam procurar por cima das arvores.

 

- Mas antes que eles tenham essa idéia, nós destruímos todos eles. – Falou confiante.

 

- Tomara, tomara.

 

 Falou Davis tornando a olhar pelo binóculos e não muito longe Dalí, alguém chegava a casa de Taichi, então bateu na porta, tocou campainha e nada.

 

- Será que ele não está? – Se perguntou observando a casa, então girou o trinco e viu que a porta estava aberta e entrou. – Maninho, Taichi... Você está aqui? Sou eu Hikari! – Falava observando a casa vazia. – Ele não está! – Concluiu após tanto chamar, então decidiu ir embora, mas ao se virar sentiu a casa tremer e se assustou. – Ah meu Deus, o que é isso? – Se perguntou segurando na parede e varias coisas começaram a cair na casa. Ela correu pra fora e ao abrir a porta ficou em choque com o que viu. – Mas o que é isso?- Perguntou-se ao ver o céu repleto de aviões de onde saltavam pessoas armadas de pára-quedas e ela continuou a observar tudo assustada até que atiraram a duas casas ao lado da Taichi que explodiu imediatamente a jogando no meio da rua, e mesmo se machucando muito, ela se levantou rapidamente, mas não sabia o que fazer, tinham tantos aviões e pessoas saltando pelo céu que mal dava para ver seu azul, e em terra, um grande desespero tomou conta de todos que corriam sem rumo, os carros começaram a bater uns nos outros, e os “Heróis” continuavam a saltar dos aviões e antes mesmo de chegarem ao chão já atiravam em tudo e todos que tentavam fugir fazendo uma completa destruição,e ela em meio aquele desespero, continuava parada sem saber o que fazer até que parou um carro em sua frente.

 

- Rápido, entra! – Gritou e ela se virou sem entender. – Entra logo! – Insistiu a chamando e ela não teve escolhas, já que tinha machucado sua perna, então ela foi até o carro e entrou mesmo assustada.

 

- Quem é você?

 

- Lee, Jenrya Lee! Agora coloca esse cinto e se segura porque nós vamos sair daqui!

 

 

Falou acelerando o carro e seguindo pelas ruas infestadas de capangas do Gennai e pessoas fugindo, e na mata Nishijima e Davis viram tudo.

 

- Não pode ser! – Falou assustado.

 

- O que foi Nishijima, o que aconteceu?

 

- Olha lá Davis, estão atacando a cidade... O céu está repleto de aviões e pessoas saltando deles, e estão armados! – Falou e Davis pegou logo os binóculos.

 

- Não pode ser! Estão vindo pra cá! Rápido desce, desce!

 

 

Gritava nervoso e os dois foram até as escadas e desceram as pressas para avisar os amigos, e Lee continuava a fugir com Hikari que não entendia.

 

- O que é isso?

 

- Não sei, mas temos que sair daqui de qualquer forma! – Ele continuou a dirigir e do nada, um carro pegando fogo apareceu na frente deles os deixando sem saída então o jeito era tentar. - Se segura! – Gritou Lee, acelerando e fechando os olhos. Eles bateram no carro, o jogando de lado o fazendo explodir e uma das peças foi jogada no vidro de trás do carro deles destruindo tudo, mas continuaram com a fuga até que vários Heróis começaram a pousar bem na frente deles atirando contra o carro estourando um dos pneus fazendo o carro capotar por varias vezes com eles dois dentro, até que o carro invadiu uma casa ficando pendurado dentro da parede com os dois dentro, muito machucados e o ataque se aproximava da mata.

 

- Taichi, Yamato! – Gritava Davis nervoso e eles não apareciam. – Pra onde o pessoal foi? – Se perguntou nervoso, e Joe entrou na sala.

 

- O que houve?

 

- Onde estão todos, Joe? – Perguntou Nishijima preocupado.

 

- Bom, a Zoe foi pro rio com a Jun, Takuya e Shin foram pegar frutas, Taichi e Yamato acabaram de sair e o Takeru também, mas porque essas caras, o que está acontecendo? – Perguntou sem entender e logo a árvore balançou os jogando no chão.

 

- Isso está acontecendo, a cidade está sendo atacada e já chegaram aqui! – Falou Davis ainda no Chão se segurando e Joe não quis saber de nada.

 

- Takeru, eu preciso salvar o Takeru! - Falou se levantando as pressas e ele nem desceu a escada foi pelos galhos da arvore e Davis foi atrás dele.

 

- Joe, espera, Joe! – Gritou e Nishijima o segurou.

 

- Calma Davis, não podemos sair!

 

- E o que você quer, que a gente morra aqui dentro? Estão atirando do céu e mesmo que eles não saibam que essa arvore é uma casa eles vão acertar aqui e... Awn!

 

 Gritou Davis, caindo longe com a explosão de uma das bombas que acertou metade da casa e Nishijima afundou junto ao piso em meio às labaredas do fogo, e ainda nas arvores pegando frutas, Takuya também sentiu o chão tremer.

 

- Você sentiu isso, Shin?

 

- Sim! – Falou já com medo olhando pro céu.

 

- O que será que foi? – Perguntou Takuya ainda sem ver nada e Shin o mostrou.

 

- Olha pro céu!

 

 Ao erguer a cabeça, Takuya viu a quantidade de pessoas que desciam de pára-quedas e logo agarrou Shin pelo braço.

 

- Rápido, vem comigo!

 

 Os dois começaram a correr em meio à mata assim como Jun e Zoe que já tinham visto tudo.

 

- Vão nos encontrar Zoe, vão nos encontrar. – Falava Jun assustada escondida dentro de um tronco com Zoe.

 

- Xiiiiiii... Fica calada, por favor, se não seremos pegas!

 

 As duas observavam tudo e viam os Heróis armados vasculhando cada canto da mata.

 

- Aqui está limpo, siga pra próxima área!

 

Falou um dos chefes, apontando as direções para os Heróis, e Jun respirava aliviada com Zoe, e Taichi corria com Yamato.

 

- Aqui, rápido entra aqui! – Gritava Taichi empurrando Yamato em meio um monte de mato e os dois se esconderam entre as folhas.

 

- Meu Deus, o que está acontecendo, Taichi?

 

- É o Gennai, Yamato, é o ataque que o Takuya falou.

 

- Aqui não é seguro, Taichi!

 

- Xiii... Fica calmo, por favor, meu amor, não podemos sair correndo, está cheio de “Heróis” por toda parte e eu não vou permitir que te machuquem, não vou!

 

Falava Taichi o abraçando, e Takeru muito assustado caminhava lentamente por trás das arvores, olhando pra toda parte sem entender nada que estava acontecendo, nem onde estava.

 

- O que é isso, onde eu vim parar? – Ele continuou a olhar por toda parte com muito medo, e quando se virou deu de cara com JP.

 

- Olá Rebelde!

 

 Takeru tentou correr, mas ele o agarrou pelos cabelos o puxando violentamente pra trás derrubando Takeru que ficou desacordado ao bater fortemente a cabeça em uma pedra e Joe, tirou um dos carros da camuflagem.

 

- Eu vou te salvar Takeru, me espere meu amor! – Dizia ligando o carro e logo ele saiu em disparada e na cidade, ainda dentro do carro preso na parede, Hikari acordava aos poucos.

 

- Ai, minha cabeça. – Falou passando a mão na ferida que sangrava e ela percebeu que o caos continuava então ela tentou acordar Lee. - Hey, acorda, rápido acorda! – Falava o sacudindo até que ele abriu os olhos.

 

- O que houve?

 

- Batemos com o carro, estamos presos dentro de uma parede... Temos que sair daqui. – Disse e Lee entrou em desespero.

 

- Ah meu Deus, as portas estão presas, não abrem! – Gritava tentando abri-las e Hikari teve a idéia.

 

- Por trás, vamos sair por trás, o vidro foi estourado! – Os dois pularam os bancos e se dirigiram até a parte de trás na tentativa de sair, mas com o peso, o carro tombou pra trás caindo da parede jogando os dois pra fora no meio da rua e eles não perderam tempo.

 

- A mata, vem, vamos pra, mata!

 

 Gritava Lee a arrastando e os dois seguiram, e na mata após a queda Nishijima continuava agarrado nos galhos da arvore.

 

- Ai meu Deus, eu tenho que sair daqui! – Nishijima estava preso entre os galhos, seu braço direito tinha algumas queimaduras e ele estava todo machucado das pancadas contra os galhos e Davis, continuava tentando sair da casa que estava em chamas. - Como eu saio daqui, como? – Ele observava tudo e via que não tinha saída. – O que faço, o que? – Se perguntava sem rumo, mas ele decidiu. – Eu vou saltar!

 

 Davis deu alguns paços para trás e se preparou, então correu e saltou contra a janela despencando do topo da arvore também se agarrando entre os galhos, e Joe continuava a procurar Takeru correndo feito louco com o carro e nada dele.

 

- Takeru, Takeru, sou eu Joe, onde você está meu amor? – Gritava colocando a cabeça pra fora do carro e nenhum sinal de Takeru, mas quem o ouviu foi Shin que apareceu do meio do mato muito apressados.

 

- Joe, Joe me espera!

 

- Shin! Rápido, vem logo! – Gritava abrindo a porta e ele se jogou dentro do carro.

 

- Onde estão os outros, Joe?

 

- Não sei, a casa foi atacada e a cidade também, eu estou procurando o Takeru.

 

- Eu estava com o Takuya, mas nos perdemos.

 

- Não se preocupe irmão, vamos achar todos agora, se segura! – Joe deu marcha no carro e acelerou por dentro dos matos.

 

Taichi continuava correndo com Yamato até que ouviram o barulho de um tiro e Taichi caiu.

 

- Ahh! – Gritou segurando a perna rolando pelos matos e Yamato se assustou.

 

- Taichi, meu amor o que foi, te acertaram? – Perguntou nervoso e ele tirou a mão da perna mostrando o sangue descendo.

 

- Balearam minha perna!

 

- Ah meu Deus, calma, fica tranqüilo. – Falou tirando a blusa e a rasgando, então amarrou a perna de Taichi prendendo o sangue. – Rápido vem, sobe nas minhas costas. – Falou o levantando e o jogando nas costas e quando eles se viraram Yamato foi acertado por o cabo de uma arma em seu rosto e os dois tornaram a cair e Takeru, após a pancada na cabeça acordava aos poucos e pôde perceber que JP o vigiava e falava no radio, mas ele ainda via embaçado e ouvia as coisas longe, mas foi reagindo cada vez mais e pode perceber a destruição que ainda estava acontecendo, e ao vê-lo se levantando JP se aproximou e deu um chute em seu braço o derrubando outra vez. Ele pôde perceber que Takuya também havia sido capturado e estava jogado a sua frente desacordado e JP amarrava as mãos dele violentamente enquanto Takeru não conseguia conter as lagrimas e o medo e só chorava, e quando JP se virou de costas pra injetar algo no pescoço de Takuya, Takeru pulou em cima dele, o acertando com uma pedra na cabeça e saiu correndo.

 

- Socorro! Por favor, me ajudem! – Gritava correndo pela mata e JP apenas se levantou pegou sua arma e começou a segui-lo e a perseguição não parava, Takeru corria em zig zag na tentativa de se livrar das balas que estavam por toda parte até que JP acertou uma próximo a seu pé o fazendo tropeçar e ele caiu rolando por um grande morro sem conseguir parar, e quando ele chegou em baixo, não teve tempo para a dor, apenas se levantou arrastando a perna e tornou a entrar no mato fechado e JP continuou a segui-lo, ele olhava por toda parte apontando a arma e Takeru atrás de uma árvore observava tudo ainda chorando segurando a perna machucada, e enquanto ele tentava de todas as formas não ser pego, Jun e Zoe continuavam no mesmo local.

 

- Será que acabou? – Perguntava Jun sussurrando.

 

- Não sei, mas... Pelo menos os aviões não estão mais passando.

 

- O que vamos fazer Zoe, sair daqui ou continuar escondidas?

 

- Eu não sei... Nossos amigos estão sendo atacados com certeza, só que não podemos fazer nada desarmadas, e ficar aqui, bem, sabendo que eles podem estar sofrendo me faz sentir que estou traindo eles!

 

- Eu também me sinto assim, se sairmos podemos ser pegas e se ficarmos não teremos feito nada para ajudá-los. – Disse Jun confusa e Zoe decidiu.

 

- Então vamos lutar Jun, vamos ter esperança e fé, e vamos ajudar nossos amigos de alguma forma, você topa? – Perguntou confiante.

 

- Sim, eu topo!

 

- Então vamos, e boa sorte para nós!

 

 As meninas se abraçaram e saíram de seu esconderijo e foram atrás dos amigos na tentativa de ajudá-los e Hikari continuava a correr pela mata com Lee.

 

- Eu não agüento mais, minha perna está doendo muito e sangrando! – Falou Lee parando e Hikari tentava o ajudar.

 

- Não podemos parar agora, ou será tudo perdido, você me ajudou e eu vou te ajudar, vem se apóia em mim. – Falou colocando o braço dele sobre seu ombro e os dois tentavam continuar e logo ouviram barulho de carro se aproximando.

- Ai meu Deus são eles, vão nos pegar! – Disse Lee assustado e Hikari raciocinou.

 

- Não! Eles atacaram pelo céu, talvez seja alguém fugindo como a gente, se agacha e fica quieto! – Falou o sentando então ela foi até a estrada e entrou na frente do carro. - Hey, aqui, parem, por favor, eu tenho um colega ferido! – Gritava na frente do carro.

 

- Hikari? – Se perguntou Joe que era quem vinha no carro. – Shin é a Hikari! – Falou parando e descendo. – Hikari! – Gritou acenando.

 

- Joe- Joe? Joe! – Gritou sorrindo e correu até ele o abraçando. – Joe quanto tempo, que bom te ver!

 

- Também estou feliz em te ver Hikari, mas não temos tempo para nos cumprimentarmos, rápido, entra e vamos tentar sair daqui! – Falou a puxando pro carro.

 

- Não espera, tem uma pessoa comigo, ele me ajudou na cidade e está machucado.

 

- Onde ele está?

 

- Atrás daquele arbusto.

 

- Ok, entra no carro que eu vou pegá-lo! – Hikari entrou e Joe foi até o arbusto onde Lee estava. – Rápido vem comigo! – Ele pegou Lee no colo e o levou até o carro, então entrou e saiu em disparada à procura de seu amado, e Davis, ainda sobre os galhos tentava ajudar Nishijima.

 

- Professor! Se segura, eu vou ajudá-lo! – Gritava se aproximando pelos galhos até que ele conseguiu chegar até ele. - Segure minha mão! – Falou estendendo o braço  e Nishijima segurou sua mão fazendo força com a outra pra subir e Davis não desistia. - Só... Só mais um pouco... Você consegue! – Falava o puxando com todas suas forças e Nishijima também se esforçava ao limite e enfim ele estava sobre o galho junto a Davis que o abraçou aliviado. - Conseguiu! Você conseguiu! – Os dois choravam juntos pela dor e por alivio e Yamato, após ser acertado na cabeça enfrentava a ira de Koji junto a Taichi.

 

- Andem, levantem seus selvagens! – Gritava apontando a arma para os dois que não conseguiam se levantar, Taichi estava com uma bala na perna e Yamato com a testa cortada e Koji insistia. – Eu quero vocês de pé, agora! – Disse e Taichi implorava.

 

- Não consigo me levantar, minha perna está baleada! – Disse e Koji sorria.

 

- Ah é? O que você sente seu maldito ao passar pela mesma sensação que nós quando você matou todas nossas famílias? – Perguntou e ele não entendia.

 

- Do que você tá falando?

 

- Do que falo? Ah por favor, todos te conhecemos no DC Taichi, você é o assassino mais cruel e sem piedade de todos! – Disse e Yamato implorava.

 

- Por favor, você está enganado, colocaram coisas em sua cabeça, nós não somos os vilões!

 

- Ah não?

 

- Não, claro que não! Quem está tentando matar quem aqui? Não somos nós que estamos armados destruindo tudo! – Falava se levantando aos poucos, e Koji continuava apontando a arma.

 

- Não seja sínico e mentiroso, não banque o esperto! Estou aqui em uma missão, e esta missão é matar Taichi, e você irá conosco! – Falou Koji se aproximando de Taichi colocando a arma em sua cabeça.- Adeus assassino! – Quando ele ia apertar o gatilho Yamato saltou em cima dele agarrando seu braço.

 

- Não, não, eu imploro, por favor, entenda que você está enganado colocaram coisas em sua cabeça, mentiras que não tem nada a ver com a realidade, por favor, não faça mal a ele! – Yamato lutava com Koji agarrados com a arma e Taichi agarrou seu amado com medo do pior.

 

- larga Matt, por favor, meu amor... Larga ele!

 

- Me larga seu imundo nojento, eu vou acabar com esse assassino de uma vez!

 

- Não, por favor, não tire ele de mim, acorde pra sua vida real e veja a verdade! – Os dois continuavam lutando pela arma e Taichi agarrado com Yamato, mas em meio aquela agonia dois disparos foram dados e os três pararam, Taichi ficou assustado com os olhos arregalados, Yamato continuava segurando as mãos de Koji, com os olhos cheios de lagrimas, assim como Koji que o observava de boca aberta muito assustado, e após segundos os três se olhando com caras de dor, Yamato soltou as mãos de Koji e caiu por cima de Taichi, porque ele tinha sido baleado.

 

- Yamato? Y- Yamato meu amor, o que foi? – Perguntava Taichi o deitando no chão sem perceber as duas feridas na barriga do seu amado, mas ao levantar a mão e a ver cheia de sangue ele entendeu tudo. – Não... Não Yamato, meu amor, acorda meu amor, por favor... O que você fez seu maldito? – Gritava pra Koji que mesmo cumprindo sua missão não se sentia bem com o que via e Yamato ainda estava acordado.- Yamato meu amor, fala comigo meu amor!

 

- Taichi... Meu amor, por favor, escape, não... Não se deixe ser captu- capturado, seja forte... Continue agüentando e salve nossos amigos.

 

- Não, não me fala isso, nós vamos sair bem daqui, vivos Yamato e vamos vencer tudo isso meu amor e viveremos felizes!

 

- Eu só quero que... Que você saiba que eu jamais te esquecerei Taichi, eu... Eu te amo... – Yamato acariciou o rosto de Taichi e fechou os olhos aos poucos derramando uma lagrima e Taichi enlouqueceu.

 

- Yamato, Matt... Meu amor, fala comigo, Matt? – Falava o sacudindo e ele se desesperou. – Não... Não por favor, o que você fez? – Gritava olhando pra Koji que continuava muito triste com o que tinha acontecido.

 

- Essas balas continham veneno... Elas, eram pra você! Ele... Ele está morto! – Taichi olhou pra Yamato e checou seu pulso as pressas e não pode se conformar.

 

- Nããããããoooo! – Gritou em meio às lagrimas, agarrando o corpo de Yamato. – Não me deixa meu amor, por favor não me abandona, Yamato, yamatoooooooooooooooo!

 

 

YAMATO _ Continue aguentando firme,

 Não desista! Continue a lutar.

As crises e as dores acontecem,

Mas chegará uma hora

Que elas terão seu fim!

 

 

Taichi continuou agarrado com o corpo de Yamato, e ainda no carro Joe continuava a correr pela mata até que chegou aonde não dava pra seguir.

 

- Droga! O carro não passa aqui, e não podemos voltar, vamos descer gente! – Falou saindo do carro, e todos desceram e saltaram a arvore caída.

 

- Rápido, sobe em minhas costas! – Disse Shin carregando Lee, então seguiram pelo caminho estreito e ouviram gritos.

 

- Socorro, me ajudem... Eu estou amarrado! – Gritou e Joe reconheceu a voz.

 

- É o Takuya! Vamos por aqui. – Eles correram por entre os matos tirando os galhos e as folhas até que chegaram a Takuya.

 

- Takuya!

 

- Joe, me ajuda, por favor. – Pediu e ele correu até lá desamarrando suas mãos.

 

- Você tá bem?

 

- Sim estou, mas... Pegaram o Takeru!

 

- O que? – Perguntou desolado.

 

- É... Eu estava com o Shin... Nós nos perdemos um do outro e eu cheguei aqui, o Takeru estava jogado bem ali, e eu tentei ajudar, mas me pegaram!

 

- Não, não... Se acontecer alguma coisa com ele... Eu juro que destruo tudo e todos com minhas próprias mãos! – Gritava Joe andando pra lá e pra cá com as mãos na cabeça e Takuya tentava ajudar.

 

- Mas podemos ajudá-lo Joe, vamos por esse caminho, se vocês vieram pela esquerda ele só pode ter ido pela direita são só dois lados aqui!

 

- Ok, mas vocês não vão!

 

- Eu não vou deixar você ir sozinho, Joe! – Falou Shin ainda com Lee nas costas, e ele foi ate o irmão.

 

- Shin, por favor, ajuda a Hikari e esse garoto que está precisando de você, vão com o Takuya e eu procuro o Takeru... Eu não me perdoaria jamais se pegassem mais um de vocês. – Disse e Takuya o compreendeu.

 

- Ouçam o Joe, vamos procurar algum lugar seguro e ele vai até o Takeru.

 

- Isso! Podem ir e se cuidem, eu ficarei bem, mas quando encontrar o Takeru e isso é algo que eu quero fazer, não vou envolver vocês! – Joe foi até o irmão e o abraçou. - Cuide deles Shin, eu voltarei com o Takeru e todos ficaremos bem, tá? – Ele foi até Hikari. – Você, os guie com sua luz e tenha fé que todos nós ficaremos bem, tá? E você Takuya eu confio que ajudará todos e obrigado por defender o Takeru... Agora sigam que eu vou procurá-lo!

 

 Os meninos saíram por um lado e Joe foi para o outro, e Takeru continuava a fugir de JP que não desistia dele.

 

- Não adianta selvagem, eu vou te pegar e acabarei com você! – Takeru ouvia de onde vinha a voz de JP, mas não conseguia vê-lo e isso o deixava desesperado.

 

- Onde ele está, onde está? – Se perguntava desesperado.

 

- Estou aqui! – Falou JP o agarrando por trás e o jogando no chão. Ele foi pra cima e começou a arrastá-lo pelos cabelos e Joe pôde ouvir os gritos.

 

- Me larga, por favor, me ajudem!

 

- Meu Deus, é ele, é o Takeru! – Disse e ele começou a correr seguindo os gritos e viu JP arrastando Takeru e ele não pensou em nada apenas correu e saltou em cima dele. - Deixe-o em paz seu maldito! – Falou mordendo o pescoço de JP tirando sangue e com a fúria ao sentir aquela dor ele jogou Joe contra uma arvore e pressionava a ferida que não parava de sangrar e Takeru o atacou com um tronco dando varias pancadas em suas costas até que ele caiu desacordado então ele correu até Joe.

 

- Joe, meu amor, Joe, você tá bem?

 

- Estou... Eu estou bem e você?

 

- Eu também. – Falou o abraçando. – Eu tive tanto medo!

 

- Calma, nós vamos ficar bem, vamos encontrar os outros e ficaremos bem!

 

Takeru o levantou e os dois pegaram as armas de JP e seguiram pela mata, e Davis, após tanto tempo escondido entre os galhos com Nishijima estava prestes a ser descoberto.

 

- Vejam! Aqui tem comida e roupas espalhadas com certeza caiu dessa arvore! Subam e verifiquem o que pode ter aí em cima, eu seguirei por essa rota! – Disse Thomas dando a ordem, e logo os “Heróis” começaram a tirar coisas de suas mochilas pra escalarem a arvore e os dois estavam sem saída.

 

- Temos que sair daqui Nishijima!

 

- Pra onde vamos Davis?

 

- Pra outra arvore, os galhos são largos, dá pra caminhar por eles e assim a gente chega à outra arvore e descemos, você ouviu, vão procurar por cima agora, a casa já vai ser descoberta e eles não vão mais ter duvidas de onde nos encontrar.

 

- Tá bom, então vamos, mas com cuidado, o Sol já está quase se pondo, logo a noite vai chegar.

 

- Tá, eu vou na frente, você me segue! – Disse Davis se levantando e seguindo pelo galho a sua frente e Nishijima logo o seguiu. Eles iam lentamente seguindo a direção do galho que dava em outra arvore, enquanto os “Heróis” se aproximavam cada vez mais, e Davis já estava do outro lado e percebeu que Nishijima não tinha o seguido até lá. - O que está fazendo aí? Rápido vem, eles estão se aproximando. – Sussurrava nervoso.

 

- Eu tenho medo de cair... Davis, eu não vou conseguir.

 

- Pelo amor de Deus Nishijima, você consegue, não se entrega agora depois de todo o dia que passamos aqui, por favor tenta! – Pedia e ele tomou uma decisão.

 

- Fuja Davis, fuja e garanta a paz dos outros eu vou distraí-los.

 

- Não, por favor, não! – Implorava a ele que sorriu acenando.

 

- Nunca desista Davis, siga... Eu o encontrarei depois. – Nishijima seguiu do galho até o que restava da casa e se escondeu e Davis do outro lado, observava tudo sem querer deixá-lo e os “Heróis”, já estavam na casa e um deles deu a ordem.

 

- Vão, já sabem o que fazer, tirando os especiais, os que aparecerem acabem com eles! – Ordenou e eles começaram a se espalhar pela casa e Nishijima os observava ainda escondido, e ao ver que tinham ficado apenas dois apareceu empurrando um deles rapidamente que despencou de cima então ele deu um chute na barriga do outro que se curvou e ele chutou sua cara também o derrubando e Davis se animou.

 

- Ele está conseguindo! – Após derrubar os dois ele pegou uma das armas e ficou apontando pra toda parte, e apareceu mais um deles.

 

- Parado rebelde! – Disse e Nishijima rapidamente apontou a arma pra ele.

 

- Parado você ou eu atiro! – Os dois ficaram parados se encarando, um apontando a arma pro outro, e Davis observava tudo muito nervoso.

 

- Atira Nishijima, atira primeiro! – Disse e ele ouviu um disparo do nada, e se esticou tentando ver o que estava acontecendo, mas os dois continuavam de pé do mesmo jeito, até que Nishijima abaixou sua arma primeiro. - Não... O que ele está fazendo? – Se perguntava assustado até que Nishijima olhou pra ele, e Davis viu que ele tinha sido atingido no meio da testa, ele largou a arma e tombou pra trás despencando em meio os galhos e Davis apertou fortemente a boca com as duas mãos tentando prender a dor que ele queria soltar, o choro tomou conta de Davis que não se controlava e os “Heróis” comemoraram.

 

- Peguei um! – Falou no rádio avisando os demais e Davis continuava tentando prender o choro...

 

 

DAIGO- Que vocês tenham força

Para lutar as batalhas que virão.

Que tenham fé

Para vencer.

Que tenham ânimo

Para jamais desistir.

Que tenham esperança

Para que tudo dê certo.

 

Daigo acabava de ser morto na frente de Davis e aquilo o deixou em choque assim como Taichi que com toda sua coragem foi pra cima de Koji.

 

- Eu vou te matar! – Gritou jogando a arma da mão dele e dando um soco em sua cara o derrubando, e ele foi pra cima, mas Koji acertou um chute em sua barriga, e os dois continuaram aos socos, se livrando de um, acertando outro, até que Taichi chutou a perna de Koji o derrubando de joelhos e deu um chute em sua cara o derrubando em cima da arma que ele logo pegou sem que Taichi percebesse, e Shin se aproximava com os outros e Hikari o avistou de primeira.

 

- Maninho! –  Gritou e Takuya tapou logo sua boca.

 

- Xiiii... Não fala alto!

 

 Eles continuaram a observar os dois e Taichi foi pra cima de Koji que se levantou apontando a arma o fazendo parar.

 

- É seu fim Rebelde, sua gangue perderá seu líder agora! – Dizia o encurralando contra o penhasco que tinha bem atrás de Taichi o deixando sem saída. - É o seu fim! –  Falou disparando o tiro que jogou Taichi do penhasco, Koji se aproximou e via a queda animado e Takuya continuava tentando calar Hikari que enlouqueceu em seus braços.

 

- Xiii... Por favor se acalma, não podemos ser vistos, vamos... Vamos embora daqui! – Takuya saiu arrastando Hikari com os outros e Koji sorria após ver que Taichi não tinha boiado desde a queda no rio...

 

 

TAICHI- Se não puder voar, corra.

Se não puder correr, ande.

Se não puder andar, rasteje, mas

Continue em frente de qualquer jeito

Continue aguentando firme!


Notas Finais


LINK da Música Titulo do Capitulo, caso queiram ouvir. <3

https://www.youtube.com/watch?v=_qvdKAM-33c


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...