História Os Deuses Olimpianos e a História do Mar de Monstros - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Charles "Charlie" Beckendorf, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Dionísio, Grover Underwood, Hades, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Katie Gardner, Luke Castellan, Nico di Angelo, Percy Jackson, Personagens Originais, Poseidon, Rachel Elizabeth Dare, Silena Beauregard, Thalia Grace, Travis Stoll, Zeus
Exibições 175
Palavras 5.136
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoal, tudo bem?

Mil desculpas pela demora, porém minhas aulas acabaram na terça feira e amanhã eu vou viajar, sendo assim estava arrumando as malas, só consegui terminar hoje o capítulo.

Espero que gostem...

Boa Leitura!!!

Capítulo 2 - Os Canibais Jogam Queimada.


Fanfic / Fanfiction Os Deuses Olimpianos e a História do Mar de Monstros - Capítulo 2 - Os Canibais Jogam Queimada.

- Capítulo 2 – Jogo Queimada com Canibais. – Atena leu surpresa.

- Por que nada pode ser normal com você? – Poseidon/passado perguntou pesaroso.

- Por que não seria o Percy se a vida dele fosse normal. – Thalia falou.

- Eu vou começar a ler. – Atena falou.

Meu dia começou normal. Ou tão normal quanto pode ser no colégio Meriwether. Veja bem, é um colégio "experimental", no centro de Manhattan, o que significa que nos sentamos em pufes, em vez de carteiras, e não recebemos notas, e os professores usam jeans e camisetas de shows de rock no trabalho.

- Isso é uma escola? – Athena e Annabeth perguntaram indignadas.

- Isso é perfeito para o Percy. – Thalia e Clarisse falaram juntas.

Por mim, tudo bem. Tenho transtorno do déficit de atenção e sou disléxico, como a maioria dos meios-sangues, portanto nunca fui lá muito bem nas escolas comuns, mesmo antes de eles me expulsarem. A única coisa ruim em relação ao Meriwether era que os professores sempre viam as coisas pelo lado mais promissor, e a garotada nem sempre era... bem, promissora. Por exemplo, minha primeira aula daquele dia: inglês. Todos os alunos do secundário leram aquele livro chamado O senhor das moscas, em que um monte de garotos é abandonado em uma ilha e fica pirado. Então, no exame final, nossos professores nos mandaram passar uma hora sem supervisão de adultos, no pátio, para verem o que aconteceria.

-Isso é uma prova? - Athena perguntou furiosa, afinal ela era a deusa da sabedoria e ver aquele descaso era revoltante.

Annabeth também estava brava, os outros acharam mais prudente se manterem afastados delas.

O que se deu foi uma guerra generalizada de "cuecão" entre os alunos da sétima e oitava séries, duas guerras de cascalhos e uma partida de basquete sem marcação de faltas. O valentão da escola, Matt Sloan, liderou a maior parte dessas atividades. Sloan não era grande nem forte, mas agia como se fosse.

Clarisse rolou os olhos para o livro, esse cara era um tremendo idiota.

Tinha olhos de pit bull e um cabelo preto desgrenhado, e sempre vestia roupas caras, mas amarfanhadas, como se quisesse que todo o mundo visse como ele se lixava para o dinheiro da família. Tinha um dente da frente lascado, de uma vez em que pegara o Porsche do pai para dar umas voltas e batera numa placa de DEVAGAR – CRIANÇAS BRINCANDO. De qualquer jeito, Sloan estava dando "cuecão" em todo o mundo, até que cometeu o erro de tentar puxar a cueca do meu amigo Tyson.

Os que conheciam Tyson sorriram já imaginando o que aconteceu.

Tyson era o único garoto sem-teto no colégio Meriwether. Até onde minha mãe e eu conseguimos descobrir, ele havia sido abandonado pelos pais quando era muito pequeno, provavelmente por ser tão... diferente.

Poseidon/futuro se sentiu culpado. Já os outros deuses olharam curiosos para o livro.

Tinha um metro e noventa de altura e o físico do Abominável Homem das Neves, mas chorava muito e tinha medo de praticamente tudo, inclusive do próprio reflexo. Seu rosto era meio disforme e abrutalhado. Não sei dizer de que cor eram seus olhos porque nunca consegui ver além de seus dentes tortos.

-Não é possível que a névoa ainda faça efeito em você. - Silena falou surpresa.

Percy deu de ombros.

Sua voz era profunda, mas ele falava de um jeito engraçado, como um menino muito mais jovem – acho que por nunca ter ido a uma escola antes de Meriwether. Usava jeans esfarrapados, tênis imundos tamanho cinquenta e dois e uma camisa de flanela xadrez esburacada. Tinha o cheiro dos becos de Nova York, porque era lá que vivia, em uma caixa de geladeira de papelão, perto da Rua 72. O colégio Meriwether o adotará em virtude de um projeto de serviço comunitário, para que todos os alunos pudessem se sentir bem consigo mesmos. Infelizmente, a maioria deles não suportava Tyson. Depois de descobrirem que apesar de sua incrível força e da aparência assustadora ele era grande e bobo, sentiam prazer em atormentá-lo. Eu era praticamente seu único amigo, o que significava que ele era o meu único amigo.

Percy se sentia um pouco culpado por tudo o que tinha pensado de Tyson, porém nos dias de hoje ele não conseguia se imaginar vivendo sem o grandão.

Minha mãe já reclamara na escola um milhão de vezes, porque eles não estavam fazendo o bastante para ajudá-lo. Ligou para o serviço social, mas aparentemente nada aconteceu. Os assistentes sociais alegaram que Tyson não existia.

Os deuses se entreolharam, poderia ser um monstro, porém ao pensar melhor Poseidon/passado percebeu que na verdade não era um monstro, mas sim um ciclope.

Juraram de pés juntos que tinham visitado o beco que nós descrevemos e não conseguiram encontrá-lo, muito embora eu não entenda como é possível não ver um garoto gigante que mora numa caixa de geladeira. De qualquer modo, Matt Sloan enfiou-se por trás dele e tentou lhe dar um "cuecão" , e Tyson entrou em pânico. Afastou Sloan com um tapa um pouco forte demais. Sloan saiu voando por cinco metros e ficou enroscado no balanço de pneu das crianças pequenas.

Os semideuses não aguentaram e começaram a rir.

– Seu monstrengo! – berrou Sloan. – Por que não volta para sua caixa de papelão?

Tyson começou a soluçar. Sentou-se no trepa-trepa com tanta força que entortou a barra, e enterrou a cabeça nas mãos.

– Retire o que disse, Sloan! – gritei.

Sloan só me lançou uma careta de deboche.

– O que você tem com isso, Jackson? Você poderia ter amigos se não estivesse sempre tomando as dores daquele monstrengo.

Os semideuses que eram mais chegados a Tyson olharam raivosos para o livro.

Fechei os punhos. Esperava que minha cara não estivesse tão vermelha como me parecia.

– Ele não é um monstrengo. É só...

Tentei pensar na coisa certa a dizer, mas Sloan não ouvia. Ele e seus amigos feios e grandalhões estavam muito ocupados rindo. Eu me perguntei se era minha imaginação ou se Sloan tinha mais brutamontes em volta dele que de costume. Estava acostumado a vê-lo com dois ou três, mas naquele dia ele tinha, tipo, mais uma dúzia, e eu tinha certeza absoluta de que nunca os vira antes.

– Espere só até a aula de educação física, Jackson – gritou Sloan. – Você já está muito morto.

Quando terminou o primeiro tempo, nosso professor de inglês, o Sr. De Milo, saiu para avaliar a carnificina. Ele declarou que tínhamos entendido O senhor das moscas perfeitamente.

-Eu vou fazer uma visita a esse idiota. - Atena falou se referindo ao professor.

Todos passamos na matéria dele, e jamais íamos nos tornar pessoas violentas. Matt Sloan assentiu, sério, e depois me lançou um sorriso de dente lascado. Tive de prometer que compraria um sanduíche extra de manteiga de amendoim para Tyson no almoço, para ele parar de soluçar.

– Eu... eu sou um monstrengo? – ele me perguntou.

– Não – assegurei, rilhando os dentes. – Matt Sloan é que é um monstrengo.

Tyson fungou.

– Você é um bom amigo. Vou sentir saudades de você no ano que vem se... se eu não puder...

A voz dele tremeu. Percebi que ele não sabia se no ano seguinte seria novamente convidado para o projeto comunitário. Imaginei se o diretor ao menos teria se dado ao trabalho de conversar com ele sobre isso.

– Não se preocupe, grandão – consegui dizer. – Vai dar tudo certo.

Tyson me lançou um olhar tão agradecido que me senti um grande mentiroso. Como podia prometer a um garoto como ele que alguma coisa daria certo?

-No final acabou dando tudo certo. - Annabeth falou baixinho para Percy.

Nossa próxima prova era de ciências. A Sra. Tesla nos disse que teríamos de misturar substâncias químicas até conseguir fazer alguma coisa explodir.

-Eu quero fazer essa aula. - Connor e Travis falaram juntos.

Tyson era meu parceiro de laboratório. As mãos dele eram grandes demais para os pequeninos frascos que devíamos usar. Ele derrubou sem querer uma bandeja de substâncias do balcão e criou um cogumelo de fumaça alaranjada na lata de lixo. Depois que a Sra. Tesla evacuou o laboratório e convocou o esquadrão de remoção de resíduos perigosos, elogiou Tyson e eu por sermos químicos natos.

-Coloca a gente nessa aula. - Connor e Travis pediram para Hermes fazendo os outros rirem.

Tínhamos sido os primeiros da história a gabaritar sua prova em menos de trinta segundos. Fiquei contente de amanhã ter passado depressa, pois isso me impediu de pensar demais nos meus problemas. Eu não suportava a ideia de que algo pudesse estar errado no acampamento. Pior ainda: não conseguia afastar a lembrança do pesadelo. Tinha a terrível sensação de que Grover estava em perigo.

Grover suspirou.

Em estudos sociais, quando estávamos desenhando mapas de latitude e longitude, abri meu caderno e olhei para a foto lá dentro – minha amiga Annabeth de férias em Washington.

Annabeth olhou surpresa para Percy, porém sorriu.

Ela de jeans e uma jaqueta índigo por cima da camiseta cor de laranja do Acampamento Meio-Sangue. O cabelo loiro estava preso para trás, com uma bandana. Estava em pé na frente do Memorial de Lincoln, com os braços cruzados, parecendo satisfeitíssima consigo mesma, como se ela própria tivesse projetado o lugar.

Atena sorriu para a filha.

Veja bem, Annabeth quer ser arquiteta quando crescer, por isso está sempre visitando monumentos famosos e coisas do tipo. Ela é esquisita assim mesmo.

-Eu não sou esquisita. - Annabeth falou batendo em Percy, o mesmo achou que seria mais inteligente se ficasse em silêncio.

Tinha me mandado a foto por e-mail nas férias da primavera, e de vez em quando eu olhava só para me lembrar de que ela era real e de que o Acampamento Meio-Sangue não tinha sido coisa da minha imaginação. Quis que Annabeth estivesse ali. Ela saberia interpretar meu sonho. Nunca admiti isso para ela, mas era mais esperta do que eu, mesmo que às vezes fosse meio irritante.

-Qualquer um é mais esperto do que você, cabeça de alga. - Thalia falou sarcástica.

-Fica quieta, cara de árvore. - Percy devolveu e Thalia olhou raivosa para o primo.

-Nem comem vocês dois. - Ariane falou em tom de aviso.

Eu já ia fechar meu caderno quando Matt Sloan e arrancou a foto da espiral.

– Ei! – protestei.

Sloan conferiu a foto, e seus olhos se arregalaram.

– Ah! não, Jackson. Quem é essa? Ela não é a sua…

-Se ele ia falar namorada, ele é vidente. - Nico falou rindo, assim como os outros semideuses.

– Devolva! – Senti as orelhas ficando quentes.

Sloan passou a foto para seus colegas feiosos, que deram risadinhas e começaram a rasgá-la para fazer bolinhas de cuspe. Eram alunos novos que deviam estar de visita, porque todos usavam aquelas etiquetas idiotas de "OI! MEU NOME É:" entregues na recepção. Também deviam ter um senso de humor meio esquisito, porque todas elas estavam preenchidas com nomes estranhos, como CHUPA-TUTANO, COME-CRÂNIOS E ZÉ-MANÉ. Não existem seres humanos com nomes assim.

-Por que será que eu tenho a impressão de que não são humanos? - Nico perguntou.

-É porque eles não são, eles são monstros. - Clarisse falou irônica.

– Esses caras vão se mudar para cá no ano que vem – alardeou Sloan, como se aquilo devesse me assustar. – Aposto que eles podem pagar a escola, ao contrário do seu amigo retardado.

– Ele não é retardado. – Tive de me conter muito, muito mesmo, para não dar um murro na cara de Sloan.

-Me diz que você fez isso? - todos os semideuses, fora Percy falaram juntos.

– Você é um perdedor, Jackson. Ainda bem que eu vou livrar você do seu sofrimento no próximo período.

Os grandalhões cupinchas dele mascaram minha foto. Queria transformá-los em pó, mas estava sob ordens estritas de Quíron de nunca descontar minha raiva em mortais comuns, não importava quanto eles fossem detestáveis.

-Não se preocupe, você sempre pode fazer isso e não contar para ninguém. - Clarisse falou friamente, ela não tinha ido com a cara de Sloan.

-Como você sabe disso? - Rachel perguntou curiosa.

Clarisse simplesmente riu.

Tinha de deixar para brigar com os monstros. Ainda assim, parte de mim pensou que se Sloan ao menos soubesse quem eu era realmente... A campainha tocou.

Quando Tyson e eu estávamos saindo da classe, uma voz de menina sussurrou:

– Percy!

Annabeth rolou os olhos, muitas vezes Percy era um lerdo.

Corri os olhos pela área dos vestiários, mas ninguém estava prestando nenhuma atenção a mim. Como se alguma menina em Meriwether fosse um dia chamar meu nome. Antes que eu tivesse tempo de avaliar se estava ou não imaginando coisas, uma multidão de garotos disparou para o ginásio, arrastando-me com ela. Era hora da educação física. O treinador nos prometera um jogo de queimado vale-tudo, e Matt Sloan prometera me matar.

-Tenho certeza de que você está ferrado. - Travis falou rindo.

O uniforme de ginástica de Meriwether é short azul-celeste e camiseta desbotada. Felizmente a maior parte das nossas atividades atléticas era interna, assim não tínhamos de correr pelo bairro de Tribeca parecendo um bando de crianças hippies em treinamento. Troquei de roupa o mais depressa que pude no vestiário, pois não queria ter de lidar com Sloan. Estava quase saindo quando Tyson chamou:

– Percy? – Ele ainda não tinha se trocado. Estava postado junto à porta da sala de musculação, segurando as roupas de ginástica. – Será que você... ahn...

– Ah! sim. – Tentei não parecer aborrecido com aquilo. – Sim, claro, cara.

Tyson esquivou-se para dentro da sala. Fiquei de guarda do lado de fora da porta enquanto ele se trocava. Eu me sentia meio constrangido fazendo aquilo, mas ele me pedia quase todos os dias. Acho que é porque ele é todo peludo e tem umas cicatrizes esquisitas nas costas, sobre as quais eu nunca tive coragem de perguntar.

A maioria dos semideuses rolou os olhos, afinal Percy podia ter percebido tudo bem antes, porém ele era muito lerdo.

De qualquer modo, aprendi pelo método mais difícil que se as pessoas mexessem com Tyson enquanto estivesse se vestindo, ele ficava perturbado e começava a arrancar as portas dos armários. Quando entramos no ginásio, o treinador Nunley estava sentado à sua mesinha lendo a Sports Illustrated. Nunley tinha cerca de um milhão de anos de idade, usava óculos bifocais e não tinha dentes, e tinha um topete grisalho ensebado.

Todos fizeram uma cara de desgosto.

Lembrava o Oráculo do Acampamento Meio-Sangue – que era uma múmia encarquilhada – só que o treinador Nunley se movia muito menos e nunca soltava nuvens de fumaça verde. Bem, ao menos não que eu tivesse observado. Matt Sloan disse:

– Treinador, posso ser o capitão?

– Hã? – o treinador Nunley ergueu os olhos de sua revista. – Sim – murmurou. – Hmm-mrnm.

-Muito útil esse professor. - Silena falou irônica.

Sloan sorriu e se encarregou da escalação. Ele me nomeou capitão do outro time, mas pouco importava quem eu escolhesse, pois todos os atletas e os garotos mais populares passavam para o lado de Sloan. E também o grupo grande de visitantes.

Do meu lado, eu tinha Tyson; Corey Bailer, o nerd de computadores; Raj Mandali, o fenômeno dos cálculos, e meia dúzia de outros que eram sempre atormentados por Sloan e sua gangue. Normalmente, eu me daria bem só com Tyson – ele, sozinho, valia por meio time – mas os visitantes do lado de Sloan eram quase tão altos e fortes quanto Tyson, e havia seis deles. Matt Sloan espalhou um engradado de bolas no meio do ginásio.

– Com medo – murmurou Tyson. – Cheiro gozado.

-Isso deveria bastar para você perceber o que estava acontecendo. - Apolo falou.

Olhei para ele.

– O que tem cheiro gozado? – Não achei que ele estivesse falando de si mesmo.

– Eles. – Tyson apontou para os novos amigos de Sloan. – Eles têm um cheiro gozado.

Os visitantes estavam estalando os dedos e olhando para nós como se fosse a hora do massacre. Não pude deixar de me perguntar de onde eles vinham. De algum lugar onde alimentavam as crianças com carne crua e batiam nelas com paus. Sloan soprou o apito do treinador e o jogo começou. O time de Sloan correu para a linha de centro. Do meu lado, Raj Man-dali gritou alguma coisa em urdu, provavelmente: "Preciso de um penico!", e correu para a saída. Corey Bailer tentou engatinhar para trás da forração da parede e se esconder. O restante do time fez o melhor que pôde para se encolher de medo e não ficar parecendo alvo.

-Covardes. - Clarisse falou.

– Tyson – disse eu. – Vamos...

Uma bola me atingiu violentamente na barriga. Caí sentado no meio do piso do ginásio. O outro time explodiu em gargalhadas. Minha visão ficou turva. Era como se tivesse acabado de receber uma manobra de Heimlich de um gorila. Não pude acreditar que alguém fosse capaz de lançar uma bola com aquela força.

-Um humano não é. - Charlie falou preocupado.

Tyson gritou:

– Percy, abaixe-se!

Rolei enquanto outra bola passava zunindo por meu ouvido, na velocidade do som. Vuuuuuml Ela atingiu a forração da parede, e Corey Bailer ganiu.

– Ei! – gritei para o time de Sloan. – Assim vocês podem matar alguém!

-Essa é a intenção. - Ares falou e recebeu um tapa na cabeça de Hera.

O visitante chamado Zé-Mané sorriu para mim de um jeito perverso. De algum modo, ele parecia muito maior agora... ainda mais alto que Tyson. Seus bíceps se destacavam embaixo da camiseta.

– Assim espero, Perseu Jackson! Assim espero!

-Deixa de ser lerdo e se toque logo. - Hefesto falou.

Percy abaixou a cabeça envergonhado.

O modo como ele disse meu nome me deu um frio na espinha. Ninguém me chamava de Perseu, a não ser aqueles que conheciam minha verdadeira identidade. Amigos... e inimigos. O que Tyson tinha dito? Eles têm um cheiro gozado. Monstros.

-Pelo menos ele percebeu o que são esses Monstros, porém ainda não percebeu quem Tyson é. - Grover falou.

Em volta de Matt Sloan, os visitantes estavam ficando maiores. Não eram mais garotos. Eram gigantes de dois metros e meio de altura, com olhos selvagens, dentes pontudos e braços peludos, tatuados com cobras, dançarinas havaianas e corações. Matt Sloan deixou cair a bola.

– Epa! Vocês não são de Detroit. Quem…

-Idiota. - Nico falou.

Os outros garotos do time começaram a gritar e a recuar para saída, mas o gigante chamado Chupa-Tutano lançou uma bola com pontaria certeira. Ela passou como um raio por Raj Mandali quando ele estava quase saindo e atingiu a porta, fechando-a como num passe de mágica. Raj e alguns dos outros garotos a esmurraram, desesperados, mas ela não cedeu.

– Deixe-os ir! – gritei para os gigantes.

O que se chamava Zé-Mané rosnou para mim. Tinha uma tatuagem no bíceps que dizia: ZM ama Fofinha.

-Muito brega. - Thalia falou e recebeu vários acenos de concordância.

– E perder os nossos petiscos? Não, Filho do Deus do Mar. Nós, lestrigões, não estamos jogando só para matá-lo. Queremos almoçar!

Poseidon/passado lançou um olhar preocupado para o livro.

Ele acenou e um novo lote de bolas de queimado apareceu na linha de centro – mas aquelas não eram feitas de borracha vermelha. Eram de bronze, do tamanho de balas de canhão, perfuradas, com fogo saindo dos buracos. Deviam ser muito quentes, mas os gigantes as pegavam com as mãos nuas.

– Treinador! – gritei.

-Duvido que resolva. - Dionísio falou.

Nunley ergueu os olhos, sonolento, mas, se viu algo de anormal no jogo de queimado, não demonstrou. Esse é o problema com os mortais. Uma força mágica chamada Névoa disfarça a seus olhos a verdadeira aparência dos monstros e dos deuses, e assim eles tendem a ver apenas o que conseguem compreender. Talvez o treinador tivesse visto alguns garotos da oitava série batendo nas crianças menores, como de costume. Talvez os outros garotos vissem os brutamontes de Matt Sloan prestes a lançar por aí coquetéis Molotov (não teria sido a primeira vez). De qualquer modo, eu tinha certeza de que ninguém mais se dava conta de que estávamos lidando com genuínos monstros comedores de gente e sedentos de sangue.

– Sim. Hmm-mmm – resmungou o treinador. – Joguem direito.

Ares riu e os outros rolaram os olhos.

E voltou à sua revista. O gigante chamado Come-Crânios lançou a bola. Mergulhei de lado enquanto o cometa de bronze chamejante passava junto ao meu ombro.

-Por que isso só acontece com você? - Hestia perguntou com um suspiro.

Percy deu de ombros, ele já tinha aceitado há muito tempo que ele sempre seria o mais perseguido por monstros.

– Corey! – gritei. Tyson o puxou de trás da forração da parede bem no momento em que a bola explodiu contra ela, transformando o acolchoado em farrapos fumegantes.

– Corram! – gritei para os meus companheiros de time. – A outra saída!

Eles correram para o vestiário, mas outro aceno da mão de Zé-Mané fez bater aquela porta também.

– Ninguém sai enquanto você não estiver fora! – rugiu Zé-Mané. – E você não vai estar fora enquanto não o comermos!

Muitos fizeram uma careta, a pior coisa que podia acontecer era ter que enfrentar monstros perto de mortais, eles sempre atrapalhavam.

Ele lançou sua bola de fogo. Meus companheiros de time se espalharam enquanto ela abria uma cratera no piso do ginásio. Procurei a Contracorrente, que carregava sempre no bolso, mas então me dei conta de que estava usando meu short de ginástica.

-Isso não pode ser verdade. - Clarisse falou olhando para Percy. - Qual a parte do nunca ande sem sua arma, você não entendeu?

Percy bufou e preferiu ficar em silêncio.

Eu não tinha bolsos. Contracorrente estava enfiada no bolso da calça jeans, dentro do armário no vestiário. E a porta do vestiário estava trancada. Eu estava completamente indefeso. Outra bola de fogo veio como um raio em minha direção. Tyson me empurrou para fora do caminho, mas a explosão ainda me atirou longe. Fiquei esparramado no chão do ginásio, com a vista embaçada pela fumaça, a camiseta desbotada salpicada de buracos chamuscados. Logo depois da linha de centro, dois gigantes famintos me olhavam de cima.

– Carne! – urraram. – Carne de herói para o almoço!

 Os dois fizeram pontaria.

– Percy precisa de ajuda! – gritou Tyson, e pulou na minha frente bem no momento em que eles lançaram suas bolas.

-O que foi sua sorte. - Charlie falou.

– Tyson! – gritei, mas era tarde demais. As duas bolas o atingiram... mas, não... ele as agarrou. De algum modo Tyson, que era tão desajeitado que estava sempre derrubando equipamentos do laboratório e quebrando estruturas do playground, tinha agarrado as duas bolas chamejantes de metal que vinham em sua direção a um zilhão de quilômetros por hora. Ele as atirou de volta para seus donos surpresos, que gritaram "RUIIIIIM!" quando as esferas de bronze explodiram contra seus peitos. Os gigantes se desintegraram em colunas gêmeas de chamas – um sinal seguro de que eram monstros, certo. Monstros não morrem. Simplesmente se dissipam em fumaça e pó, o que poupa aos heróis um bocado de trabalho de limpeza depois de uma luta.

-Verdade. - os semideuses concordaram com a cabeça.

– Meus irmãos! – gemeu Zé-Mané, o Canibal.

Ele contraiu os músculos, e sua tatuagem da Fofinha ondulou.

– Você vai pagar por tê-los destruído!

– Tyson! – disse eu. – Cuidado!

Outro cometa disparou em nossa direção. Tyson só teve tempo de desviá-lo com um tapa. Passou voando por cima da cabeça do treinador Nunley e aterrissou na arquibancada com um imenso CABUUUUM! Crianças corriam de um lado para o outro gritando, tentando evitar as crateras fumegantes no piso. Outras esmurravam a porta, gritando por socorro. O próprio Sloan estava petrificado no meio da quadra, assistindo incrédulo às bolas da morte que voavam em volta dele. O treinador Nunley ainda não via nada.

-Eu acho que o cara morreu e ninguém percebeu. - Lana falou chamando a atenção de todos.

Assim que entenderam o que ela quis dizer eles começaram a rir.

Deu uma batidinha em seu aparelho de surdez, como se as explosões estivessem causando interferência, mas não desviou os olhos da revista. Certamente a escola inteira podia ouvir o barulho. O diretor, a polícia, alguém iria nos ajudar.

-Nunca espere ajuda dos mortais. - Apolo falou.

– A vitória será nossa! – rugiu Zé-Mané, o Canibal. – Vamos nos banquetear com seus ossos!

Quis dizer-lhe que ele estava levando o jogo de queimada muito a sério, mas antes que pudesse fazer isso ele lançou mais uma bola. Os outros três gigantes fizeram o mesmo. Sabia que estávamos mortos. Tyson não poderia desviar todas aquelas bolas ao mesmo tempo. Suas mãos deviam estar com queimaduras sérias por ter bloqueado a primeira saraivada.

Os semideuses rolaram os olhos, afinal os Ciclopes eram imunes ao fogo.

Sem a minha espada... Tive uma ideia maluca. Corri em direção ao vestiário.

– Saiam da frente! – disse a meu time. – Saiam da porta!

Explosões atrás de mim. Tyson rebatera duas das bolas a seus donos e os fizera explodir em cinzas. Restavam dois gigantes em pé. Uma terceira bola veio voando diretamente para mim. Eu me forcei a esperar – um, dois, três – e então me atirei para o lado, enquanto a esfera chamejante demolia a porta do vestiário. Calculei que o gás acumulado na maioria dos armários dos meninos seria suficiente para causar uma explosão, portanto não me surpreendi quando a bola chamejante de queimado provocou um enorme BUUUUUUM! A parede explodiu. Portas de armários, meias, suportes atléticos e vários outros apetrechos pessoais fedorentos choveram por todo o ginásio.

-Nojento. - as meninas e deusas falaram juntas.

Virei-me bem a tempo de ver Tyson dar um soco na cara do Come-Crânios. O gigante desmoronou. Mas o último gigante, Zé-Mané, esperto, continuava segurando sua bola, esperando uma oportunidade. Ele a lançou justamente quando Tyson se virava para ele.

– Não! – gritei.

A bola atingiu Tyson bem no peito. Ele deslizou por toda a extensão da quadra e bateu na parede do fundo, que rachou. Parte desmoronou em cima dele, abrindo um buraco que dava direto para a Rua Church. Não entendia como Tyson ainda podia estar vivo, mas ele parecia apenas atordoado. A bola de bronze fumegava a seus pés. Tyson tentou pegá-la, mas caiu para trás, aturdido, em uma pilha de blocos de concreto.

-A pancada foi forte até mesmo para ele. - Ariane falou preocupada, ela gostava de Tyson.

– Bem! – tripudiou Zé-Mané. – Sou o último de pé! Vou ter carne suficiente para levar uma quentinha para Fofinha!

-É melhor nem perguntar quem é Fofinha. - Silena falou com uma careta.

Ele pegou outra bola e mirou Tyson.

– Pare! – gritei. – É a mim que você quer!

O gigante arreganhou um sorriso.

– Quer morrer primeiro, heroizinho?

Eu precisava fazer alguma coisa. Contracorrente devia estar por ali, em algum lugar. Então avistei meus jeans em uma pilha fumegante de roupas bem aos pés do gigante. Se eu ao menos conseguisse chegar lá... Sabia que era inútil, mas investi. O gigante riu.

-Você não tem nem um pingo de sorte. - Hades falou surpreso com a sorte do menino.

– Meu almoço se aproxima.

Ele ergueu o braço para lançar. Eu me preparei para morrer. De repente o corpo do gigante enrijeceu-se. Sua expressão mudou de triunfante para surpresa. Bem no lugar onde deveria estar seu umbigo, a camiseta se rasgou e surgiu ali algo como um chifre – não, um chifre não: a ponta brilhante de uma lâmina.

-Annabeth? - Athena perguntou surpresa.

– Ui – murmurou ele, e explodiu numa nuvem de chamas verdes, o que, imaginei, iria deixar Fofinha muito aborrecida. Em pé no meio da fumaça estava minha amiga Annabeth.

Athena olhou surpresa para a filha, afinal o que ela estava fazendo ali?

Seu rosto estava sujo e arranhado. Carregava uma mochila esfarrapada pendurada no ombro, o boné de beisebol enfiado no bolso, uma faca de bronze na mão e um olhar selvagem nos olhos cinza-tempestade, como se fantasmas a tivessem perseguido por mil quilômetros.

-Mais ou menos por aí. - Annabeth murmurou.

Matt Sloan, que estivera ali em pé, abobalhado, o tempo todo, afinal caiu na real. Piscou para Annabeth como se a reconhecesse vagamente da foto no meu caderno.

– É a garota... É a garota...

Annabeth deu-lhe um soco no nariz, derrubando-o no chão.

Muitos semideuses comemoraram e deram os parabéns a Annabeth.

– E você – disse ela – deixe meu amigo em paz.

O ginásio estava em chamas. Crianças ainda corriam de um lado para o outro, gritando. Ouvi sirenes que uivavam e uma voz distorcida no alto-falante. Através das janelas de vidro nas portas de saída pude ver o diretor, Sr. Bonsai, brigando com a fechadura, e uma multidão de professores amontoada atrás dele.

-Só agora que eles apareceram? - Hermes perguntou surpreso.

– Annabeth... – gaguejei. – Como você... há quanto tempo você...

– Quase a manhã toda. – Ela embainhou a faca de bronze. – Estava tentando encontrar um bom momento para falar com você, mas você nunca estava sozinho.

– A sombra que eu vi esta manhã... aquilo era... – Meu rosto ficou quente. – Ah, meus deuses, você estava olhando pela janela do meu quarto?

Assim que ouviram isso todos começaram a rir e Annabeth e Percy coraram.

– Não dá tempo de explicar! – disparou com rispidez, embora ela mesma parecesse estar com o rosto um pouco quente. – Mas eu não queria...

– Ali! – berrou uma mulher. As portas se abriram de repente e os adultos se precipitaram para dentro.

– Encontre-me lá fora – disse Annabeth. – E ele. – Apontou para Tyson, que ainda estava sentado encostado na parede, atordoado. Annabeth lançou-lhe um olhar de aversão que não entendi muito bem. – É melhor trazê-lo.

-Pelo menos alguém percebeu. - Clarisse falou.

– O quê?

– Não dá tempo! – disse ela. – Depressa!

Ela colocou o boné de beisebol dos Yankees, que era um presente mágico de sua mãe, e desapareceu na mesma hora. Com isso, fiquei sozinho no meio do ginásio em chamas, quando o diretor investiu para dentro com metade do corpo docente e dois policiais.

– Percy Jackson? – disse o Sr. Bonsai.

– O que... como...

Junto à parede destruída, Tyson gemeu e levantou-se da pilha de blocos de concreto.

– A cabeça dói.

Matt Sloan também se aproximava. Olhou para mim com expressão de terror.

– Foi Percy quem fez isso, Sr. Bonsai. Ele tocou fogo no prédio inteiro. O treinador Nunley vai lhe contar, ele viu tudo!

-Como se a palavra deste treinador valesse para alguma coisa. - Ares falou debochado.

O treinador Nunley estivera lendo com dedicação sua revista, mas, para meu azar, escolheu aquele momento para erguer os olhos, ao ouvir Sloan pronunciar seu nome.

– Hã? Sim. Hmm-mmm.

-Você realmente não tem sorte. - Hefesto falou olhando para Percy.

Os outros adultos viraram na minha direção. Eu sabia que jamais acreditariam em mim, mesmo que eu pudesse contar-lhes a verdade. Arranquei Contracorrente dos meus jeans destruídos, disse a Tyson "Vamos!" e pulei pelo buraco escancarado na lateral do edifício.

-Essa provavelmente não foi sua melhor ideia, porém não tinha outra opção. - Thalia falou.

-Acabou. - Athena falou.

-Eu leio. - Apolo falou.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado...

Ainda nãos sei quando irei postar o próximo.

Beijos....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...