História Os deuses olimpianos e uma nova história. - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Percy Jackson, Personagens Originais, Thalia Grace
Exibições 174
Palavras 4.182
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Incesto, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoal, como estão???

Como o prometido estou aqui postando mais um capitulo...

Espero que gostem....

Boa Leitura!!!

Capítulo 25 - Aulas de Adestramento


Fanfic / Fanfiction Os deuses olimpianos e uma nova história. - Capítulo 25 - Aulas de Adestramento

-Capitulo 18 – Annabeth usa a aula de adestramento. – Travis leu.

-Como assim, aula de adestramento? – Connor perguntou confuso para o irmão.

-É isso o que está escrito aqui. – Travis falou.

-Cérbero. – Ariane e Nico falaram juntos.

Hades olhou confuso para os filhos, afinal ninguém conseguiria utilizar aulas de adestramento em Cérbero. Ao ver que ninguém ia falar mais nada Travis começou a ler.

Estávamos nas sombras da Valência Boulevard, olhando para as letras douradas gravadas no mármore negro: ESTÚDIOS DE GRAVAÇÃO M.A.C.

Embaixo, impresso nas portas de vidro, PROIBIDA A ENTRADA DE ADVOGADOS, VAGABUNDOS E VIVENTES.

Já era quase meia-noite, mas o saguão estava iluminado e cheio de gente. Atrás do balcão da segurança estava sentado um guarda de aparência agressiva, com óculos escuros e um fone de ouvidos.

Virei-me para meus amigos.

– Certo. Vocês se lembram do plano.

– O plano – Grover engoliu seco. – Isso. Adoro o plano.

Annabeth disse:

– O que vai acontecer se o plano não funcionar?

– Sem pensamentos negativos.

– Certo – disse ela. – Estamos entrando na Terra dos Mortos e eu não devo ter pensamentos negativos.

Ariane e Nico apesar de tudo seguravam a risada, ganhando olhares bravos de Annabeth e Grover.

Tirei as pérolas do bolso, as três esferas cor de leite que a nereida me dera em Santa Monica. Elas não pareciam um recurso para o caso de algo dar errado.

Annabeth pôs a mão em meu ombro.

– Desculpe, Percy. Você tem razão, vamos conseguir. Vai dar tudo certo.

Ela deu uma cutucada em Grover.

– Ah, está certo! – concordou ele. – Chegamos até aqui. Vamos encontrar o raio-mestre e salvar sua mãe. Sem problemas.

Olhei para os dois e me senti realmente grato. Alguns minutos antes, eu quase os tinha feito ser esticados até a morte em camas d’água de luxo, e agora eles tentavam bancar os corajosos por minha causa, tentavam fazer com que me sentisse melhor.

Percy, Annabeth e Grover trocaram um sorriso.

Enfiei as pérolas de volta no bolso.

– Vamos chutar alguns traseiros no Mundo Inferior.

Entramos no saguão do M.A.C.

Alto-falantes embutidos tocavam uma música ambiente suave. O carpete e as paredes eram cinza-chumbo. Cactos cresciam nos cantos como mãos de esqueletos. Os móveis eram de couro preto, e todos os assentos estavam ocupados. Havia gente sentada em sofás, gente em pé, gente olhando pela janela ou aguardando o elevador. Ninguém se mexia, nem falava, não faziam nada. Com o canto do olho, eu podia vê-los muito bem, mas, se me concentrasse em qualquer um em particular, eles começavam a parecer... transparentes. Dava para ver através dos seus corpos.

O balcão da segurança ficava em cima de um degrau, portanto tínhamos de olhar para o alto para falar com o guarda.

Ele era alto e elegante, com pele na cor de chocolate e cabelo tingido de loiro, cortado em estilo militar. Usava armação de tartaruga e um terno de seda italiano que combinava com o cabelo. Uma rosa negra estava presa à lapela, embaixo de um crachá de prata.

Li o nome no crachá e olhei para ele perplexo.

– Seu nome é Quíron?

-Droga. – Nico e Ariane falaram juntos já prevento o que ia acontecer.

Os outros olharam curiosos para o livro.

Ele se inclinou por cima da mesa. Não consegui ver nada em seus óculos exceto meu próprio reflexo, mas seu sorriso era doce e frio, como o de uma jiboia exatamente antes de devorar você.

– Que rapaz mais engraçadinho. – Ele tinha um sotaque estranho... inglês, talvez, mas como se tivesse aprendido inglês como segunda língua. – Diga-me, parceiro, eu pareço um centauro?

– N-não.

– Senhor – acrescentou ele suavemente.

– Senhor – falei.

Ele segurou o crachá e correu o dedo embaixo das letras.

– Consegue ler isto, parceiro? Aqui diz C-A-R-O-N-T-E. Diga comigo: CA-RON-TE.

– Caronte.

– Fantástico! Agora: senhor Caronte.

– Senhor Caronte – disse eu.

– Muito bem. – Ele se recostou. – Detesto ser confundido com aquele homem-cavalo. E agora, como posso ajudá-los, pequenos defuntos?

A pergunta dele me acertou o estômago como uma bola de beisebol. Olhei para Annabeth em busca de ajuda.

– Queremos ir para o Mundo Inferior – disse ela.

A boca de Caronte repuxou-se.

– Bem, isso é revigorante.

– É mesmo? – perguntou ela.

– Direto e honesto. Sem gritos. Sem "Deve haver algum engano, Sr. Caronte". – Ele nos olhou de cima a baixo. – Então, como vocês morreram?

Cutuquei Grover.

– Ah – disse ele. – Ahn... afogados... na banheira.

Ariane, Nico e Hades bateram com a mão na testa, enquanto os outros começaram a rir.

– Os três? – perguntou Caronte.

Nós assentimos.

– Que banheira grande.

-Também acho. – Ariane falou divertida e Grover abaixou a cabeça envergonhado, assim como Annabeth e Percy, já os outros estavam rindo.

– Caronte pareceu levemente impressionado. – Suponho que vocês não têm moedas para passagem. Com adultos, vocês sabem, eu poderia debitar no cartão de crédito, ou acrescentar o preço da travessia na sua última conta de telefone. Mas com crianças... infelizmente, vocês nunca morrem preparadas. Acho que terão de ficar sentados por alguns séculos.

– Ah, mas nós temos moedas. – Pus três dracmas de ouro sobre o balcão, parte da provisão que eu encontrara na mesa do escritório de Crosta.

– Ora vejam... – Caronte umedeceu os lábios. – Dracmas de verdade. Não vejo uma dessas faz...

Seus dedos pairaram avidamente sobre as moedas. Estávamos muito perto.

Então Caronte me olhou. O olhar frio atrás dos óculos pareceu abrir um buraco em meu peito.

– Mas você não conseguiu ler meu nome direito. Você é disléxico, rapaz?

– Não. Sou um morto.

Ariane e Nico riram de novo. Hades olhava para o sobrinho divertido.

Caronte inclinou-se para a frente e deu uma cheirada.

– Você não está morto. Eu devia saber. É um filhote de deus.

– Temos de chegar ao Mundo Inferior – insisti.

Caronte rosnou no fundo da garganta.

No mesmo instante, todas as pessoas na sala de espera se levantaram e começaram a andar de um lado para outro, agitadas, acendendo cigarros, passando as mãos pelos cabelos ou olhando para os relógios de pulso.

– Vão embora enquanto podem – disse-nos Caronte. – Vou ficar com estas moedas e esquecer que os vi.

Ele começou a esticar a mão para as moedas, mas eu as puxei de volta.

– Sem serviço, sem gorjeta. – Tentei parecer mais valente do que me sentia. Caronte rosnou de novo – um som profundo, de gelar sangue. Os espíritos dos mortos começaram a bater nas portas do elevador.

– É uma pena – suspirei. – Tínhamos mais para oferecer.

Ergui a sacola inteira com o tesouro de Crosta. Tirei um punhado de dracmas e deixei as moedas escorregarem entre os dedos. O rosnado de Caronte se transformou em algo mais parecido com um ronronar de leão.

-Pronto, já o tem nas mãos. – Ariane falou divertida e Hades bufou ao ouvir a fala da filha.

– Acha que pode me comprar, filhote de deus? Ahn... curiosidade, quanto você tem aí?

– Muito – falei. – Aposto que Hades não lhe paga o bastante por um trabalho tão duro.

– Ah, você não sabe nem da metade. Iria gostar de ser babá desses espíritos o dia inteiro? Sempre com "Por favor, não me deixe ficar morto" ou "Por favor, deixe-me atravessar de graça”. Não tenho um aumento há três mil anos. Acha que ternos como este custam barato?

-Ele só sabe reclamar. – Hades falou bravo.

Ariane e Nico rolaram os olhos enquanto os outros se afastavam levemente de Hades.

– Você merece coisa melhor – concordei. – Algum reconhecimento. Respeito. Bom salário.

A cada palavra, eu empilhava outra moeda de ouro no balcão. Caronte baixou os olhos para o paletó de seda italiana, como se estivesse se imaginando com algo ainda melhor.

– Devo dizer, rapaz, que a gente está começando a falar a mesma língua. Um pouco.

Empilhei mais algumas moedas.

– Eu poderia mencionar um aumento de salário quando estiver falando com Hades.

Ele suspirou.

– Bem, o barco já está quase cheio. Poderia muito bem encaixar vocês três e zarpar.

Ele se pôs de pé, pegou nosso dinheiro e disse:

– Venham comigo.

Abrimos caminho entre a multidão de espíritos que aguardavam, os quais começaram a puxar nossas roupas como o vento, as vozes sussurrando coisas que eu não podia distinguir. Caronte empurrou-os do caminho, resmungando:

– Parasitas.

Ele nos escoltou até o elevador, que já estava apinhado de algumas dos mortos, todos segurando um cartão de embarque verde. Caronte agarrou dois espíritos que tentavam entrar conosco e os empurrou de volta para o saguão.

– Muito bem. Agora, ninguém comece a ter ideias enquanto eu estiver fora – anunciou ele para a sala de espera. – E se alguém tirar minha estação de música de sintonia novamente, farei vocês ficarem aqui por outro milênio. Entendido?

Ele fechou as portas. Enfiou um cartão-chave em uma fenda no painel do elevador e começamos a descer.

– O que acontece com os espíritos que ficam esperando no saguão? – perguntou Annabeth.

– Nada – disse Caronte.

– Por quanto tempo?

– Para sempre, ou até eu me sentir generoso.

– Ah – disse ela. – Isso é... justo.

Caronte ergueu uma sobrancelha.

– Quem disse que a morte era justa, mocinha? Espere até chegar a sua vez. Você vai morrer em pouco tempo, no lugar está indo.

– Vamos sair vivos – falei.

– Ah.

Tive de repente uma sensação de vertigem. Não estávamos mais indo para baixo, mas para a frente. O ar ficou enevoado. Os espíritos à minha volta começaram a mudar de forma. Suas roupas modernas tremiam e se transformavam em mantos cinzentos com capuz. O piso do elevador começou a oscilar.

Pisquei com força. Quando abri os olhos, o terno creme italiano de Caronte fora substituído por um longo manto negro. Seus óculos de tartaruga haviam desaparecido. Onde deviam estar os olhos havia órbitas vazias – como os olhos de Ares, só que os de Caronte eram totalmente escuros, repletos de noite, trevas e desespero. Ele me viu olhando e disse:

– O quê?

– Nada – consegui dizer.

Achei que ele estivesse sorrindo, mas não era isso. A pele de seu rosto estava ficando transparente, deixando que eu visse até o crânio.

O chão continuou oscilando.

Grover disse:

– Acho que estou ficando enjoado.

Quando pisquei de novo, o elevador não era mais um elevador. Estávamos dentro de uma barcaça de madeira. Caronte usava uma vara para nos mover ao longo de um rio escuro, cheio de óleo, com ossos, peixes mortos e outras coisas estranhas girando na superfície... bonecas de plástico, cravos esmagados, diplomas encharcados com bordas douradas.

Ariane, Nico e Hades fizeram uma careta.

– O rio Estige – murmurou Annabeth. – É tão...

– Poluído – disse Caronte. – Há milhares de anos vocês, seres humanos, quando o atravessam, jogam tudo nele... esperanças, sonhos, desejos que jamais se tornam realidade. Um modo irresponsável de tratar seu lixo, se querem saber.

-Com toda certeza. – Ariane falou e Hades bufou, ele já tinha muita coisa para fazer, além de se preocupar com o rio.

A névoa subia em espirais da água imunda. Acima de nós, quase perdido nas sombras, havia um teto de estalactites. A frente, a costa distante brilhava com uma luz esverdeada, a cor do veneno.

O pânico obstruiu minha garganta. O que eu estava fazendo ali? Aquelas pessoas ao meu redor... estavam mortas.

Annabeth agarrou minha mão. Em circunstâncias normais, isso teria me embaraçado, mas entendi como ela se sentia. Queria se assegurar de que mais alguém estava vivo naquele barco.

Percebi que eu murmurava uma oração, embora não soubesse bem para quem estava rezando. Ali embaixo só um deus importava, e era ele que eu fora confrontar.

Ariane e Nico olharam pesarosos para Percy, até mesmo eles que eram filhos de Hades, a primeira vez que foram ao submundo foi horrível e para Ariane foi ainda pior já que a garota cresceu ali.

A praia do Mundo Inferior surgiu à vista. Rochas escarpadas e areia vulcânica negra se estendiam terra adentro por cerca de cem metros até um muro alto de pedra, que se prolongava para os lados até onde a vista podia alcançar. De algum lugar por perto nas sombras verdes, veio um som, reverberando nas pedras – o uivo de um grande animal.

– O velho Três-Caras está com fome – disse Caronte. Seu sorriso se tornou esquelético à luz esverdeada. – Má sorte para vocês, filhotes de deuses.

O fundo do nosso barco deslizou sobre a areia preta. Os mortos começaram a desembarcar. Uma mulher segurando a mão de uma menininha. Um casal de idosos capengando lentamente, de braços. Um menino que não era mais velho que eu arrastava os pés em silêncio em seu manto cinzento.

Caronte disse:

– Eu lhe desejaria sorte, parceiro, mas isso não existe por aqui. Lembre-se, não deixe de mencionar meu aumento de salário.

Ele contou nossas moedas de ouro em sua bolsa, depois a vara. Gorjeou algo que parecia uma canção de Barry Manilow enquanto empurrava a barcaça de volta através do rio.

Seguimos os espíritos por um caminho já muito percorrido.

Não sei muito bem o que estava esperando – os Portões do Céu, uma ponte levadiça grande e escura ou coisa assim. Mas a entrada para o Mundo Inferior parecia uma mistura de segurança de aeroporto com a autoestrada de New Jersey.

Hades e seus filhos rolaram os olhos.

Havia três entradas separadas embaixo de um enorme arco negro que dizia VOCÊ ESTÁ ENTRANDO EM ÉREBO. Em cada entrada havia um detector de metais com câmeras de segurança instaladas no alto. Depois disso, havia cabines de pedágio operadas por espíritos como Caronte.

Os uivos de animal faminto eram agora muito altos, mas eu não conseguia ver de onde vinham. O cão de três cabeças, Cérbero, que deveria guardar a porta do Hades, não estava em lugar nenhum.

Os mortos formaram três filas, duas identificadas como ATENDENTE DE SERVIÇO e uma como MORTE ESPRESSA. A fila MORTE EXPRESSA estava avançando sem parar. As outras duas se arrastavam.

– O que você imagina? – perguntei a Annabeth.

– A fila rápida deve ir diretamente para os Campos Asfódelos – disse ela. – Sem contestação. Eles não querem se arriscar ao julgamento do tribunal, porque pode ir contra eles.

– Existe um tribunal para gente morta?

– Sim. Três juízes. Eles se revezam na magistratura. O rei Minos, Thomas Jefferson, Shakespeare... pessoas assim. Às vezes olham para uma vida e concluem que aquela pessoa precisa de uma recompensa especial: os Campos Elísios. Às vezes decidem por um castigo. Mas a maioria das pessoas, bem, elas apenas viveram. Nada de especial, nem bom nem mau. Então vão para os Campos Asfódelos.

– E fazem o quê?

Grover disse:

– Imagine-se em um campo de trigo no Kansas. Para sempre.

– Dureza – disse eu.

– Não tanto quanto aquilo – murmurou Grover. – Olhe.

Uma dupla de vultos de mantos negros havia puxado um espírito para o lado e o estava revistando junto à mesa da segurança. O rosto do morto parecia vagamente familiar.

– Ele é o pregador que saiu no noticiário, está lembrado? – perguntou Grover.

– Ah, sim – eu lembrava. Nós o tínhamos visto na tevê uma ou duas vezes no dormitório da Academia Yancy. Era um tele-evangelista chato do norte do estado de Nova York que arrecadara milhões de dólares para orfanatos e depois foi pego gastando o dinheiro em artigos para a sua mansão, como assentos de privada folheados a ouro e um campo de minigolfe. Morrera numa perseguição da polícia quando seu "Lamborghini abençoado" despencou de um penhasco.

– O que estão fazendo com ele? – perguntei.

– O castigo especial de Hades – adivinhou Grover. – As pessoas realmente más recebem atenção particular dele quando chegam. As Fúr... as Benevolentes vão preparar uma tortura para ele.

Pensar nas Fúrias me fez estremecer. Percebi que naquele momento estava no território delas. A velha Sra. Dodds devia estar lambendo os beiços de expectativa.

– Mas se ele é um pregador – falei – e acredita em um inferno diferente...

Grover encolheu os ombros.

– Quem disse que ele está vendo este lugar do mesmo modo que nós? Os seres humanos veem o que querem ver. Vocês são muito teimosos... ahn, persistentes, nisso.

-Percy, cada pessoa vê o submundo de seu jeito, seja ele qual for, o submundo nunca é igual para os mortais. – Ariane explicou.

Chegamos mais perto dos portões. Os uivos ali eram tão altos que sacudiam o chão embaixo de meus pés, mas ainda assim eu não conseguia perceber de onde vinham. Então, cerca de quinze metros à nossa frente, a névoa verde tremulou. Exatamente no lugar onde o caminho se dividia em três estava um monstro enorme e indistinto.

Eu não o tinha visto antes porque ele era meio transparente, como os mortos. Até se mexer, sua imagem se fundia com o quer que estivesse atrás dele. Somente os olhos e os dentes pareciam sólidos. Ele estava me encarando.

Meu queixo caiu. Tudo o que pude pensar em dizer foi:

– É um rottweiler.

-Por aí. – Ariane e Nico falaram juntos.

Sempre imaginara Cérbero como um grande mastim preto. Mas ele era obviamente um rottweiler de raça pura, a não ser, é claro, por ter duas vezes o tamanho de um mamute, ser quase invisível e ter três cabeças.

Os mortos andavam na direção dele – sem nenhum medo. As filas das placas ATENDENTE EM SERVIÇO se separavam, cada uma para um lado do monstro. Os espíritos de MORTE EXPRESSA caminhavam direto por entre as patas da frente e por baixo da barriga, o que podiam fazer sem sequer se abaixar.

– Estou começando a vê-lo melhor – murmurei. – Por que será?

– Acho... – Annabeth umedeceu os lábios. – Sinto muito, mas acho que é porque estamos mais perto de ser pessoas mortas.

A cabeça do meio do cão se esticou em nossa direção. Ele farejou o ar e rosnou.

– Ele consegue farejar os vivos – falei.

– Mas está tudo bem – disse Grover, trêmulo ao meu lado. Porque temos um plano.

– Certo – disse Annabeth. Nunca tinha ouvido a voz dela soar tão baixa. – Um plano.

Avançamos na direção do monstro. A cabeça do meio rosnou para nós, depois latiu tão alto que minhas pupilas chacoalharam.

– Você consegue entender? – perguntei a Grover.

– Ah, sim – disse ele. – Eu consigo entender.

– O que ele está dizendo?

– Não acredito que os seres humanos possuam um palavrão tão grande assim.

Ariane, Nico e Hades riram causando surpresa nas pessoas ali presentes.

Peguei um pedaço de madeira que tinha na mochila – um pé de cama que eu tinha arrancado de um modelo em exposição de Crosta, a Safári Deluxe. Segurei-o no alto e tentei canalizar pensamentos caninos felizes para o Cérbero – comerciais de ração, cães engraçadinhos, postes. Tentei sorrir, como se não estivesse prestes a morrer.

-Não vai funcionar. – Ariane falou rindo.

-Por que não? – Charles perguntou curioso.

-Por que Cérbero prefere bolas. – Ariane respondeu.

E para a surpresa das pessoas Annabeth concordou com a cabeça.

– Ei, garotão – gritei. – Aposto que eles não brincam muito com você aqui.

"GRRRRRRRRRAUl"

– Bom menino – falei, fraquejando.

Acenei o bastão. A cabeça do meio do cão acompanhou o movimento. As outras duas fixaram os olhos em mim, ignorando completamente os espíritos. Eu tinha toda a atenção de Cérbero. Não sabia muito bem se isso era bom.

– Vá buscar! – atirei o bastão para as sombras, um lançamento perfeito. Ouvi o tibum! no Estige.

Cérbero me olhou, feroz, nada impressionado. Os olhos eram cheios de ódio e frios. Fim do plano.

O monstro agora produzia um novo tipo de rosnado, mais profundo nas suas três gargantas.

– Ahn – disse Grover. – Percy?

– Sim?

– Apenas achei que você gostaria de saber.

– Sim?

– Cérbero... Ele está dizendo que temos dez segundos para rezar para o deus que escolhermos. Depois disso... bem... ele está com fome.

Ariane riu, pois quando ela morava no mundo inferior ela sempre brincava com Cérbero.

– Espere! – disse Annabeth. Ela começou a revirar sua mochila.

Epa, pensei.

– Cinco segundos – disse Grover. – Corremos agora?

Annabeth surgiu com uma bola de borracha vermelha do tamanho de uma grapefruit. A etiqueta dizia PARQUE AQUÁTICO AQUALÂNDIA – DENVER, COLORADO.

Antes que eu pudesse impedi-a, ergueu a bola e marchou na direção de Cérbero. Ela gritou:

– Está vendo a bola? Quer a bola, Cérbero? Senta!

Cérbero parecia tão perplexo quanto nós.

As três cabeças se inclinaram de lado. Seis narinas se dilataram.

– Senta! – gritou Annabeth outra vez.

Eu tinha certeza de que a qualquer momento ela se transformaria no maior biscoito para cachorro do mundo.

Em vez disso, porém, Cérbero lambeu seus três pares de lábios, sacudiu o traseiro e sentou, esmagando imediatamente uma dúzia de espíritos que passavam por baixo dele na fila MORTE EXPRESSA. Os espíritos produziram um chiado abafado ao se dissipar, como ar escapando de pneus.

– Bom menino! – disse Annabeth.

E atirou a bola para Cérbero. Ele a agarrou com a boca do meio. A bola mal tinha tamanho suficiente para ele morder, e as outras cabeças começaram a avançar na do meio, tentando pegar o novo brinquedo.

– Solta! – ordenou Annabeth.

As cabeças de Cérbero pararam de brigar e olharam para ela. A bola estava presa entre dois dos seus dentes como um pedacinho de chiclete. Ele soltou um lamento alto e assustador, depois largou a bola, gosmenta e quase rasgada no meio, aos pés de Annabeth.

– Bom menino. – Annabeth pegou a bola, ignorando a baba de monstro.

Ela se virou para nós.

– Vão, agora. Fila da MORTE EXPRESSA... essa anda mais rápido.

– Mas... – argumentei.

– Agora! – ordenou ela, no mesmo tom que estava usando com o cão.

Ninguém aguentou e começaram a rir.

Grover e eu avançamos devagarzinho, cautelosos. Cérbero começou a rosnar.

– Fica! – ordenou Annabeth ao monstro. – Se quer a bola, fica!

Cérbero ganiu, mas ficou onde estava.

– E você? – perguntei a Annabeth quando passamos por ela.

– Sei o que estou fazendo, Percy – murmurou ela. – Pelo menos, tenho quase certeza...

Grover e eu seguimos por entre as pernas do monstro.

Por favor, Annabeth, eu rezei. Não o mande sentar de novo.

Novamente ouve risadas.

Conseguimos passar. Cérbero não era menos assustador visto de trás.

– Bom cachorro! – disse Annabeth.

Ela ergueu a bola vermelha esfrangalhada e, provavelmente, chegou à mesma conclusão que eu – se recompensasse Cérebro, não restaria nada para mais um truque.

Assim mesmo, ela jogou a bola. A boca esquerda do monstro a agarrou imediatamente, só para ser atacada pela cabeça do meio enquanto a cabeça da direita gemia em protesto.

Enquanto o monstro estava distraído, Annabeth marchou energicamente por baixo da barriga dele e juntou-se a nós perto do detector de metais.

– Como fez aquilo? – perguntei, admirado.

– Aula de adestramento – disse ela sem fôlego, e fiquei surpreso ao ver que havia lágrimas em seus olhos. – Quando eu era pequena, na casa do meu pai, nós tínhamos um dobermann...

– Não tem importância – disse Grover puxando minha camisa. – Vamos!

Estávamos a ponto de disparar pela fila de MORTE EXPRESSA quando Cérbero gemeu de dar dó, com todas as três bocas. Annabeth parou.

Cérbero arfava ansioso, a pequenina bola vermelha despedaçada em uma lagoa de baba a seus pés.

-Ele gosta que brinquem com ele, porém meu pai não tem tempo, minha madrasta se acha muito importante para chegar perto dele e os outros tem medo, eu era a única que brincava com ele, pelo menos até Nico chegar, porém nem mesmo eu e Nico passamos muito tempo lá em baixo, por isso ele vive carente. – Ariane falou com um meio sorriso triste.

Ela adorava Cérbero, porem quando ia no submundo quase não tinha tempo de ir visitar ele.

– Bom menino – disse Annabeth, mas sua voz pareceu melancólica e insegura.

As cabeças do monstro se inclinaram, como se ele estivesse preocupado com ela.

– Logo vou trazer uma bola nova para você – prometeu Annabeth, insegura. – Você quer?

O monstro choramingou. Eu não precisava falar língua de cachorro para saber que Cérbero ainda estava esperando a bola.

– Bom cachorro. Venho logo visitar você. Eu... eu prometo. – Annabeth virou-se para nós. – Vamos.

-Você pode.... – Annabeth começou a falar olhando para Ariane porem parou.

-Eu levo, assim que saímos daqui, vamos direto para o submundo. – Ariane falou sorrindo e Annabeth sorriu.

-Eu vou junto. – Percy e Nico falaram juntos e as duas concordaram.

Já os outros semideuses e Grover olhavam para os quatro como se eles fossem malucos e Hades estava surpreso, assim como os outros deuses.

Grover e eu passamos pelo detector de metais, que imediatamente soou e disparou a piscar luzes vermelhas.

"Pertences não autorizados! Mágica detectada!"

Cérbero começou a latir.

Nós nos lançamos pelo portão MORTE EXPRESSA, o que disparou ainda mais alarmes, e corremos para dentro do Mundo Inferior. Alguns minutos depois, estávamos nos escondendo, sem fôlego, no tronco apodrecido de uma imensa árvore negra, enquanto os espíritos da segurança passavam correndo, berrando pela ajuda das Fúrias.

Grover murmurou:

– Bem, Percy, o que aprendemos hoje?

– Que cães de três cabeças preferem bolas de borracha a pedaços de pau?

– Não – disse Grover. – Aprendemos que seus planos são muito, muito ruins!

Eu não tinha essa certeza. Talvez fosse o caso de eu e Annabeth termos tido a ideia certa. Mesmo ali, no Mundo Inferior, todo mundo – até mesmo os monstros – precisa de um pouco de atenção de vez em quando.

Todos, fora Percy, Annabeth, Ariane, Nico, Hades e Lana que estava acostumada a visitar o avô lá, estavam surpresos com o que ouviram.

Pensei nisso enquanto esperávamos que os espíritos passassem. Fingi que não vi Annabeth enxugar uma lágrima ao ouvir o lamento triste de Cérbero a distância, sentindo falta da nova amiga.

-Acabou. – Travis falou.

-Quem vai ler o próximo? – Zeus perguntou.

-Eu. – Clarisse falou para a surpresa de todos.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.

Beijos...

P.S.: O próximo capitulo será postado no dia 21 de outubro.

P.S.S.: A partir de hoje as postagens voltam a ser toda sexta feira, essa semana foi mais como um pedido de desculpas pelo tempo em que fiquei sem postar nada por causa das provas e também por que essa semana não tive aulas, assim tive um pouco mais de tempo para escrever, porém as aulas retornam segunda.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...