História Os dois lados do espelho - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~Celeste_Myst

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Personagens Originais
Tags Diabolik Lovers, Romance, Suspense, Terror
Exibições 39
Palavras 1.500
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiiiiiie pessoal!!
Oq estão achando da história?
Minhas boas -vindas aos novos leitores!
Boa leitura!

Capítulo 5 - Cão de guarda


Fanfic / Fanfiction Os dois lados do espelho - Capítulo 5 - Cão de guarda

Akane é barrada no corredor por uma menina de cabelos loiros curtos e olhos verdes, que parece ofegante de ter corrido.

- akane né? – pergunta tentando recuperar o fôlego. Akane assente confusa, então a garota prossegue. – sou Lili,a amiga da sua irmã... aiko está... está... – akane logo entende e começa a correr para onde tem uma aglomeração de pessoas, e olha por cima de algumas, tentando desesperadamente achar aiko.

Seu sangue ferve ao ver aiko no chão, e uma garota gritando com a irmã. Seu olhar, que já era assustador, se torna mais ainda, e as pessoas em volta abrem passagem para ela.

- olha... o que temos aqui... por que tem uma vadia gritando com a minha irmã? E porque essa vadia é tão lesada que se acha no direito de gritar com a minha irmã?! Te faltam parafusos nessa sua mente estupidamente pequena?! – akane nem sequer altera o tom de voz, mas faz o ambiente esfriar repentinamente, e não coloca medo apenas na garota de cabelos castanhos, e sim em todas as outras pessoas em volta.

- c-cala a boca sua... sua – ela faz uma longa pausa, e akane abre um sorriso psicótico.

- o que foi ? O gato comeu sua língua? Ou apenas não tem argumentos válidos contra mim, que ao contrário de você , não sou uma puta barata que paga de valentona na frente dos outros por humilhar uma pessoa que não tem chances de se defender...

Aiko olha tudo em pânico, e disfarçadamente, ayato a puxa de lá.

- ora sua! – a garota estende a mão e vai pra cima de akane pronta para dar tapas e unhadas, mas akane desvia de todas facilmente, como se conseguisse prever cada movimento.

Assim que a garota para pra recuperar o fôlego akane se aproxima rapidamente e lhe acerta um soco bem no estômago, tão forte que algumas gotinhas -bem poucas- de sangue voaram pelo ar. A menina caiu, desmaiada.

Laito e kanato olhavam horrorizados, já Shu ria sem parar, e teve que parar algumas vezes pra respirar.

Reiji se aproxima de repente dos irmãos, mas mesmo assim Shu não consegue controlar os risos.

- venha comigo Shu. – ordena reiji, que busca akane pela orelha do meio da multidão.

Leva os dois a uma Sala vazia, e os fuzila com o olhar.

- por obséquio Shu, pare de rir! – ordena reiji, mas é ignorado.

- você é mesmo incrível akane! Precisa me ensinar aquele soco também.... – diz Shu em tom brincalhão e akane ri da expressão boba dele. – não acredito que bateu mesmo na maria- frufru da escola!

- se aproxime de mim e perderá os dentes, se aproxime da aiko e perderá a vida! – disse fazendo uma expressão de valentona.

- posso contar com você para me livrar de umas pessoas também? – pergunta sorrindo descontraído, o que não era de seu feitio.

- depende de quanto vai me pagar pra isso... – diz akane entrando na brincadeira.

A atmosfera ao redor deles estava brilhante e descontraída, o que incomodou reiji.

- vocês dois... PAREM COM ISSO!

Em pouco tempo o clima se foi, e akane voltou o olhar frio e Shu voltou a sua pose antipática de sempre. E então reiji começou seu interminável sermão sobre como bater em alguém era rude.

--

Ayato arrasta aiko para longe da briga, abrindo a porta e empurrando- a para dentro de uma enorme sala. Aiko caiu no chão mais uma vez, mas ao se levantar, viu pequenas ondas cintilantes do teto, e logo percebeu onde estava; a piscina coberta da escola.

- Esta tudo bem? – pergunta franzindo levemente os lábios e então nota a expressão do garoto

Seu rosto esta serio e sua testa esta franzida. Ele aperta os lábios um contra o outro e pelo jeito que ele bate o pe, parece com uma pressa.

- Ayato? Algum problema? O que houve?! – Aiko o encara com uma expressão de preocupação aparente

E então, um sorriso, que ergue somente um dos cantos da sua boca, surge em seu rosto e ele se aproxima rapidamente de Aiko. Ele para a um passo de distância dela e diz

- Estou com fome!

Aiko solta uma risada

- É so isso? Vamos comer! Também estou com um pouco de fome!

- Não! Quero comer você! – ele abre um grande sorriso e mostra (para o espanto total de Aiko) duas, delicadas, afiadas e brilhantes presas

- Q-que? – Aiko se surpreende (N/A Celeste: a sorte, é que ela ainda não tem mente pervertida!)

Quando Aiko ameaça se afastar, ela é segurada nos ombros pelas fortes mãos de Ayato, que a puxa para perto de si, afundando suas presas no pesoço dela.

No momento em que o sangue da menina desce pela garganta de Ayato, imagens surgem na mente dele. Ele esta perdido no meio do escuro e isso faz o coração dele se acelerar. Ele esta com medo. Algo vermelho esparrama pelo chão rapidamente, pintando o cenário fúnebre, e pétalas de rosas caiem junto ao pequeno mar de sangue, e, assim que colidem, fazem um delicado barulho, tingindo as pétalas brancas de negras, imediatamente. Sente algo segurar seu pé, e paralisa. Quem segura não é um humano... muito menos um vampiro... 

No meio do escuro da mente de Aiko, ele tenta desesperadamente procurar a saída, ou pelo o menos o colorido que imaginava ser a mente de Aiko. Ainda procurando a saída, daquele lugar, uma sensação de pavor toma conta de Ayato e ele grita desesperadamente no escuro.

As imagens aterrorizantes tatuavam sua mente com o desespero, fazendo o coração dele bater incontrolavelmente e em um descompasse assustador. O desespero e o horror toma conta dele de uma forma, que nem ele nem seus irmãos conseguiriam imaginar em seu pior pesadelo.

Ayato se afasta do pescoço de Aiko e com o coração ainda acelerado, em um gesto de completo pavor e medo, ele empurra Aiko com força. Aiko cai na água sem entender o que esta acontecendo. Mas quando ela entra em contato com a água, o mesmo desespero que tomou conta de Ayato invade ela e a mesma começa se afogar.

Algo parece.... parace nostálgico....- foram seus últimos pensamentos antes de fechar os olhos que, antes azuis brilhantes, agora cinzas e sem cor.

Ayato na beira da piscina, tenta acalmar o coração e tenta entender o que acabou de acontecer. Como alguém aparentemente doce e gentil, como Aiko pode ter uma mente desse tipo. Não é a mente dela, constata ele após um milésimo de segundo. São suas lembranças.

Como alguém como ela, tem esse tipo de lembrança? – sussurra para si mesmo, antes de seus devaneios serem interrompidos pelo barulho de água.

A água invade o pulmão de Aiko e a mesma começa a se desesperar. Nada passa pela mente dela alem do desespero de estar morrendo. Inconscientemente, Aiko lança os braços para cima e grita em pânico, o nome de Ayato.

E no instante que o nome de Ayato gritado dessa forma chega nos ouvidos dele, ele se lembra da garota, se afogando. Em um reflexo, ele se joga na água, no mesmo momento em que os gritos desesperados de Aiko desaparecem.

A garota já esta quase desmaiando dentro da água, por conta da falta de ar, e seus olhos fecham lentamente. Ayato puxa Aiko pela mão e ao notar os olhos fechados da garota, ele pressiona os seus lábios com os dela

Ele sopra o ar dentro de Aiko e após um tempo os olhos da garota abrem lentamente. Ao ver os olhos dela abertos, o coração de Ayato bate mais devagar, mas ao lembrar da garota, ele começa a sair da água.

Ao saírem da água, os dois sentam no chão enquanto Aiko tenta recuperar o fôlego, respirando fundo. Depois de um tempo, Ayato nota, que Aiko, se agarra firmemente a roupa dele.

- Quem não sabe nadar? – pergunta ele após um tempo.

- E-eu... não me dou... muito bem com a água.

Ele engole em seco, ao se lembrar da própria experiência com água, quando era criança. Ayato de repente, se lembra das lembranças de Aiko, mas quando ele abre a boca para comentar, a fecha em seguida

Após um tempo em silencio, Aiko pergunta

- Voce, é realmente...

- Sim! – diz ele simplesmente

- Hm... – após um tempo ela diz novamente – Não faça mais isso... por favor.

Ele imediatamente se levanta já irritado. Ele ainda esta com fome ,oras.

- Eu faço o que eu quiser

- Por favor... – pede olhando para baixo, enquanto se abraça tentando se esquentar.

Ayato se afasta de Aiko e esta quase saindo do local, quando vê o quanto a menina treme. Ele não entende porque sente que não deveria deixa-la assim. E então, ele desaparece e Aiko se permite passar a mão pelos dois buraquinho em seu pescoço

Ela já esta congelando. Sua roupa gruda em seu corpo e ela esta gelada. Seu cabelo esta bagunçado e o jeito que gruda nela, ela quer rapidamente se secar. E então, ela sente duas mãos colocando uma toalha em seus ombros

Ao se virar para olhar para trás, ela vê Ayato andando rapidamente em direção a saída.



Notas Finais


Bye bye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...