História Os Donos da Rua - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Ação, Gaara, Hinata, Ino, Matsuri, Naruto, Neji, Romance, Sai, Sakura, Sasuke, Shikamaru, Temari, Tenten
Exibições 152
Palavras 2.592
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoal, olha eu aqui de volta... Isso mesmo já é o segundo Capítulo da minha nova Fanfic (não é miragem, é o capítulo mesmo)...

Espero que todos gostem do capítulo e até o próximo :D

Boa leitura.

Capítulo 2 - Trabalho de Meio Período


Fanfic / Fanfiction Os Donos da Rua - Capítulo 2 - Trabalho de Meio Período

- Sakura é a sua vez, por favor, não estrague tudo de novo ou então seremos obrigados a despedi-la. – diz, abrindo a porta do quarto onde as dançarinas descansavam.

- Vai com tudo Saky, você sabe como se faz, mostre a eles o seu poder. – tentava animar a colega que na noite anterior havia quebrado um dos clientes na porrada, devido ele ter encostado a mão em sua bunda.

- Obrigada Ino, tentarei me conter hoje, mas se algum engraçadinho encostar um dedo em mim de novo... – murmura, apertando o punho esquerdo com força, enquanto serrava os dentes. – não terei piedade. – sorri macabramente, olhando para a loira na sua frente.

Sakura Pov´s On

Vocês devem estar se perguntando, por que seis mulheres jovens e lindas como nós estão em um quarto fedido e sujo como este; a verdade é que, nós não tivemos outra escolha.

Quando chegamos à Califórnia, a única oportunidade que tivemos de trabalho foi aqui, devido às habilidades que conseguimos com os treinos ao lado de nossos mestres, também nos colocaram para participar de lutas clandestinas, onde teríamos que ferir muitas pessoas para conseguir nosso dinheiro, de inicio nós éramos contra, entretanto, nossos oponentes eram pessoas ruins; pessoas que já haviam matado, roubado, ferido e até mesmo estuprado outras pessoas. Aceitamos a oferta, agora somos conhecidas como: succubus. 

Excitamos os homens e em seguida os deixamos inválidos. Não gostávamos de ser conhecidas por isso, mas não importa. Enquanto ganhássemos dinheiro acabando com a raça de lixos como esses; permaneceremos lutando.

Sakura Pov´s Off

[...]

No subterrâneo de uma conhecida casa de shows noturnos da cidade, muitos poucos sabiam, ou melhor, muitos poucos tinham acesso ao ring. Enquanto a musica e o show rolava solto na parte superior, na parte inferior as pancadarias também comiam soltas. Havia varias formas de se fazer um bom dinheiro, mas nada era comparado que colocar mulheres para lutar contra homens durões na queda, melhor ainda quando elas ganhavam.

Apostas e mais apostas, era assim que o dono do estabelecimento aumentava o seu poder, conhecido apenas por nome e sem nunca ter mostrado o seu rosto para alguém ali, todos o temiam; afinal quem não temeria um homem fantasma que trabalha para a Yakuza.

Enquanto nenhuma dançarina vinha, os clientes bebiam e conversavam papos aleatórios para matar o tempo; entre eles muitos eram casados e trabalhadores, cansados do que tinham em casa e a fim de achar alguma diversão na rua, outros eram magnatas, lideres de gangues e os próprios guardas do dono.

Senhores, desculpem-nos pela demora. Preparem-se, pois irá começar o show da noite e hoje ela é quem vai abrir a passagem. A mulher de cabelos rosa e que é o sonho de todos os masoquistas, entre SAKURA!            - enquanto fala no microfone, os fleches de luz iam girando até parar no centro da porta que abriria em cima da pista de dança.

Todos se esqueciam de suas conversas e começam a levantar, gritando pelo nome da rosada. Assim que eles avistaram no começo do palco o corpo de pele lisinha e bem branquinha, foram à loucura, começavam a babar e a olhar fixos para ela.

Sakura, com um sorriso sínico nos lábios puxou com a mão esquerda a posta do chicote que carregava; olhou para todos e passou a língua bem devagarzinho por cima do lábio superior, deixando bem úmido e fazendo com que o batom vermelho brilhasse com a luz que batia sobre o corpo dela.

- Quanta gente, esses inúteis não tem o que fazer não, tanto faz vou fazer meu trabalho e pronto. – enquanto caminhava pela pista ia pensando, olhando para todos os lados.

Parando no centro da sala, no final da pista, onde os homens estavam mais concentrados. Sakura abaixou o tronco, fincando com sua bunda para o alto, levou a mão esquerda até seus lábios e passou a língua, movimentando rapidamente bem na ponta do dedo, notando alguns homens arregalar os olhos e ficarem mais eufóricos.

Nojentos imundos. – vira de costas caminhando com seu leve rebolado até o pau de pole dance.

Acelerando um pouco os passos, pulou no pau de pole dance com as pernas abertas, imitando um espacate de ballet, girou ate encostar-se ao chão. Segurou o bastão com a mão esquerda e pelo lado direito abaixou seu corpo e fechou as pernas, sentou-se e colocou as pernas esticadas para o mesmo lado que olhava, logo depois deitou no chão e ergueu as pernas, cruzando-as no bastão.

Olhou para o alto e tinham varias luzes apontadas para si. Levou as mãos para trás e começou a empurrar para cima, esfregando o bastão no meio das bandas de sua bunda fazendo a pequena bermudinha jeans entrar um pouco mais, mostrando a cor branca de sua calcinha.

O começo da apresentação já fez com que vários dos clientes, jogassem notas de 100 dólares ao palco. Os olhos esmeraldas da rosada hipnotizavam a todos, ainda mais com aquela pequena roupa que vestia, deixando sua barriga e coxas a mostra. Travou firme às pernas no bastão e suspendeu o corpo, fincando agora numa posição idêntica a de estar sentar, entretanto, estava sentada no ar se sustentando com a sua própria força.

Girando no bastão e pedalando no ar, como se andasse de bicicleta, sorria para todos e dava algumas piscadinhas. Parou olhando para onde estava a grande quantidade dos clientes, abriu bem as pernas e ficou parada por alguns minutos, em seguida se jogou para trás e agarrou firme com as mãos a barra e apoiando os pés ao chão. Recebendo muitos aplausos e assobios, misturados por gritos indecentes como exemplo: “gostosa, que corpo gostos, sua safada delicia”.

Sakura começa a engatinhar pelo chão e vai ate perto de um dos clientes, um dos poucos que valia a pena tentar algo, afinal todos os outros eram velhos ou feios, mas naquele dia o destaque da noite, em sua visão, era aquele moreno de camisa recata e camiseta de botões por cima. Sentou-se de frente para ele e o puxou para perto de si, afundando o rosto dele em meio aos seus seios.

- Não pense nada de errado é apenas o meu serviço. – sussurra ao ouvido do moreno, passando a língua pela bochecha dele.

- Não se preocupe você não tem nenhum jeito de prostituta, na verdade essa sua dança não me impressionou em nada. – também sussurra ao ouvido da rosada, percebendo que a mesma não havia gostado de seu comentário.

Sorrindo cinicamente, Sakura olha nos olhos do rapaz e percebe que o mesmo não estava nenhum pouco se importando com a situação.

- Você é bem durão então não é. Me diga, quais são as mulheres com quem você dorme? – pergunta esperando um responde previsível de qualquer outro homem.

- Com peitos mais macios e com um corpo mais bonito. – diz, sentindo forte tapa em seu rosto.

Ao fundo todos os outros homens gritam animados. Sakura se levanta e começa a caminhar em direção a porta por onde saiu, assim que chegou a ela vira e manda um leve selinho para todos e entra.

Sakura Pov´s On

Você sabe o motivo de muitas mulheres irem para o mundo da prostituição? Às vezes não é apenas pelo dinheiro fácil e rápido, na verdade é e não é ao mesmo tempo. Muitas delas eram como Hinata, Tenten, Ino, Temari e eu. Elas tinham sonhos, tinham uma vida, mas o mundo as traiu e as jogaram na merda sem se importarem com o que aconteceria a elas.

Muitas vezes, quando estamos retornando para casa depois de dançar ou lutar, encontramos com algumas dessas mulheres da noite e temos um rápido dialogo com elas.

Todas as minhas colegas tanto do colégio quanto aqui da boate, dizem que não tem vergonha de fazer o fazem e se fossem mães desesperadas como aquelas mulheres, que vendem o corpo à noite para sustentar seus filhos. Não pensariam duas vezes, antes de se juntarem, assim como eu penso da mesma forma. Entretanto, tivemos oportunidades e as agarramos firmes e não vamos solta-las e é por isso que continuamos lutando, dançando e estudando; nosso sonho é ajudar essas mulheres e seus filhos.

Sakura Pov´s Off

Ofegante e bem cansada por causa de seu show, Sakura se joga em uma das camas do quarto de descanso delas e dorme um pouco, enquanto isso as outras meninas iam para seus shows.

A cada dia da semana, uma menina diferente abria a noite na segunda-feira é a Hinata, na terça-feira a Tenten, na quarta-feira a Ino, na quinta-feira a Temari e na sexta-feira a Sakura. Após a apresentação solo, a garota que abriu a noite tem cerca de quarenta minutos de descanso e em seguida retorna para dançar em meio as argolas.

Todo o dinheiro que os homens jogavam para elas, era recolhido e levado ate a líder; no sábado era feito o levantamento para ver quanto cada uma faturou na semana, fora o valor de entrada, e depois retirava 35% do valor para a dançarina, em outras palavras se na semana elas conseguissem faturar uma quantia equivalente a $1.000,00 receberiam $250,00 de bônus. Entretanto, não tinham seus salários afetados com os bônus, caiam todo mês normalmente e a que mais faturasse ganhava 15% a mais.

Todas elas tinham destinos diferentes para seu salário, já que conseguiam viver quase sempre apenas com os bônus recebidos na semana, havia noites que eram bem produtivas, mas também tinham aquelas que não conseguiam um dólar se quer.

Depois que acabavam as danças, todas eram retiradas do palco e iam para o quarto, lá elas tomavam banho e se vestiam para a luta e para manter suas identidades, devido à faculdade; elas pediram para que pudessem utilizar mascaras.

Já no subsolo elas escolhiam entre si quem lutaria primeiro. Como era livre a escolha, decidiram fazer uma escalação parecida com a que usavam para as danças.

[...]

- Saky quanto acha que conseguiu hoje? – conversa enquanto colocava as ataduras em suas mãos.

- Não tenho ideia Tenten, mas estou bem confiante, os velhos de hoje estavam bem animados então menos de $5.000,00 tenho quase certeza que não foi. – diz, fechando o crepe do tênis botinha everlast jump.

- Tenho certeza que depois dessa semana e com a quantia que já temos no banco, com certeza vamos conseguir comprar aquele apartamento. – comenta animada, dando dois golpes com as mãos em um saco de areia.

- Sim Hinata, tem cerca de 26 mil na nossa conta do banco, se nós conseguirmos mais 3 mil essa semana teremos o dinheiro necessário. – concorda, dando sinal positivo para a morena.

Temari se levanta após fazer seu comentário e vai ate o outro saco de areia, já que todas tinham que aquecer um pouco.

- Precisamos ir à aula amanhã meninas? Estou tão exausta, não quero nem saber de me levantar da cama. – resmunga, enquanto caia com os braços abertos no banco.

Sakura caminha em direção à loira no banco, coloca suas mãos na cintura e olha de cara fechada para a Ino.

- Lembra-se qual foi nossa promessa quando todas aceitaram esse trabalho? – pergunta, agora cruzando os braços abaixo dos seios.

- Eu sei Saky. “Lutar no tatame e lutar na sala de aula, não desistir nunca e parar com os trabalhos quando se sentir cansada de tudo.” Mais Saky é sô um dia. – implora, agarrando as pernas da rosada e ajoelhando no chão.

- Ino pare com já isso, hoje você é a primeira a lutar. – diz Temari, segurando o saco de areia e olhando para a loira. – agora, pare com essa bunda mole e se aqueça. – chama a atenção da loira, logo em seguida voltando ao aquecimento.

- Vocês são muito irritantes sabiam? – pergunta retoricamente, levantando-se do banco e tirando a camiseta.

Todas se olham e sorriem. Momentos harmônicos como este, eram mais fáceis de ver quando estavam em casa. Entretanto, o momento pedia sorrisos todas às horas, finalmente depois de um ano e meio morando ali conseguiriam sair do aluguel e comprar algo próprio delas.

- Ino esta na sua hora, se prepare e entre logo no ring, seu oponente hoje é um cafetão ele apostou 30 mil e disse que se ganhar quer você como prêmio, traduzindo se não quer ser usada ganhe esta luta e fature os 30 mil para nós. – diz seriamente, abrindo apenas um pouco da porta.

- Por que esses estranhos só vem para mim, porra mais que coisa chata. – reclama colocando a mascara em seu rosto. – o que ganho se acabar com esse cara em um único golpe? – pergunta, olhando de canto para a responsável pelas lutas clandestinas.

- Se conseguir uma proeza dessas pela segunda vez consecutiva, então 5 mil vai pra sua conta. Ainda hoje. – responde, acreditando que a loira realmente iria ser capaz do feito, afinal ela derrubou um monstro de dois metros de altura, com uma força brutal, apenas com um golpe.

- Meninas esses 5 mil resolve o nosso problema não é? – pergunta, olhando para as outras e sorrindo de canto.

Todas cruzam os braços e sorriem junto com a loira, erguem suas mãos com os punhos fechados e juntam uns nos outros.

- Acaba com esse cafetão. – diz Sakura.

Todas gritam e jogam as mãos para cima. Ino começa a caminhar em direção ao corredor que daria para o ring, calma como sempre a luz no fim do túnel não lhe incomodou; assim que passou pelas arquibancadas, pode ouvir os gritos de seus fãs.

Tenho a força, tenho a capacidade, não é sô para mim; preciso ganhar por elas também, todas estão torcendo por mim, então preciso ganhar e finalizá-lo com um único golpe. – pensa, olhando pela primeira vez para o seu oponente.

- Esta preparada para ir trabalhar para mim, você não precisa se preocupar já tenho muitos clientes a sua procura. – diz com um sínico sorriso em seus lábios, mostrando o canino superior esquerdo na cor dourada.

- Não sei para quem peso desculpas, se para os seus clientes ou os meus fãs, mas hoje não tenho tempo para brincadeiras estou cansada, com o corpo doendo e para piorar estou de TPM, então se não for pedir muito desista da luta não quero machuca-lo muito. – resmunga enquanto bocejava no final da fala.

- Hora sua vadia, com quem acha que esta falando. – irrita-se com a calma que a loira estava, enquanto o ofendia.

Apertando com força ambos os punhos, o rapaz de corpo pequeno mais bem musculoso foi para cima dela. Ino suspirando abre os olhos, esquiva para a esquerda com a cabeça e logo depois faz um movimento de gangorra com o tronco, passando por baixo do segundo soco do homem. Com a guarda dele completamente aberta, apertou seu punho com força e desferiu um forte gancho de direita no queixo dele, jogando-o para trás de costas no chão.

- Malditos fracos e inúteis, ao invés de vir brigar comigo procure outra coisa para fazer, por exemplo, procure uma perfumaria descente e troque esse perfume de segunda que esta usando, que coisa mais horrível. – reclama, abaixada ao lado do rosto do homem que estava impossibilidade de continuar.

Assim que se levantou a plateia ao seu redor foi à loucura, alguns chapéus passavam e pegavam o dinheiro das apostas, enquanto isso Ino recebia os seus 5 mil dólares a vista e em mãos. Depois de agradecer a sua chefa foi ate suas colegas e se sentou no banco ao lado.

- Por favor, meninas deem um bom show enquanto descanso, serio estou morta. – sussurra já apagando e começando a roncar.


Notas Finais


E então pessoal o que acharam do capítulo de hoje? Espero que tenham gostado, pois eu gostei de escrever :D

Ate o próximo que sai amanhã com 100% de certeza...

Fui... Boa noite a todos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...