História Os Donos da Rua - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Ação, Gaara, Hinata, Ino, Matsuri, Naruto, Neji, Romance, Sai, Sakura, Sasuke, Shikamaru, Temari, Tenten
Exibições 86
Palavras 2.387
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoal, estamos aqui com mais um capítulo. Espero que gostem. :D

Fiquem com o capítulo.

Boa Leitura.

Capítulo 6 - Primeiro Contato com o Alvo


Fanfic / Fanfiction Os Donos da Rua - Capítulo 6 - Primeiro Contato com o Alvo

Estacionando seu carro, cerca de duas quadras antes da boate aonde iria, desceu do carro e ligou o alarme, pegou em seu bolso uma carteira de cigarro e em seguida o seu isqueiro, colocou um palito do cigarro na boca e acendeu o mesmo puxando o primeiro trago. Começou a andar até virar a esquina, mais a frente já conseguia ver o nome da boate, deu a ultima tragada no cigarro e jogou o filtro fora, acendendo um segundo logo em seguida.

Ao chegar à frente da boate deparou com um guarda, os dois se olharam e ele começou a entrar no estabelecimento, no entanto, foi barrado pelo homem.

– Não pode entrar com cigarro acessos aqui dentro. – diz com uma voz grossa e intimidadora, segurando o ruivo pelo ombro.

Olhou para a mão do segurança em seu ombro e em seguida para o rosto do rapaz, levou sua mão até o cigarro em sua boca e segurou o palito com dois dedos, sugou firme dando uma longa tragada até sobrar apenas o filtro, ainda olhando para o homem jogou o filtro fora e assoprou a fumaça para cima.

– Qual cigarro? – pergunta retoricamente, ainda serio e sem muita paciência.

Sem motivos para continuar o barrando na entrada o segurança o solta, após entrar e já perto de chegar ao centro da boate acende outro cigarro e de costas para o guarda ergue a mão até ficar por cima do ombro e dá o dedo do meio para o segurança.

Passando pela segunda porta que separava o corredor de entrada com a sala da boate, ficou impressionado com o local. Uma sala bem ampla com uma pista longa estilo passarela e mais cinco círculos na mesma altura da pista espalhados pelo salão, olhou ao redor de tudo e logo encontrou o bar, com a boca seca devido ao cigarro se direcionou ao bar.

 – Me vê uma dose de whisky. – pedi, escorando o cotovelo no balcão.

– Só um instante senhor. Já levaremos seu pedido. – responde ao ruivo, enquanto ia até o escorredor pegar um copo.

Enquanto aguardava olhava ao redor novamente, as luzes do salão e a musica alta estava agitando a todos, havia vários jovens pelo local e alguns senhores de idade com ternos chiques sentados e conversando, provavelmente fazendo negócios ou apenas se divertindo.

– Pronto gatinho, aqui está seu pedido. – diz a garçonete piscando para o ruivo.

Sem falar nada pegou a dose e virou de uma vez, batendo o fundo do copo no balcão, antes da garçonete sair e levar a garrafa com ela; olhou e pediu para que ela deixasse a bebida ali.

Enchendo novamente o copo, pegou e virou o líquido com tudo, descendo queimando garganta abaixo. Ao seu lado alguns bancos que estavam vazios, começaram a ser preenchidos por outros clientes.

– E ai cara pode dividir esse ai, parece ser da boa. – comenta o jovem ao seu lado, retirando sua jaqueta e colocando em cima do balcão.

– Sirva-se a vontade. – responde, empurrando a garrafa até perto do alcance dele.

Agradecido o rapaz pega um copo no balcão e vira o whisky dentro, ergue o copo brindando a noite e em seguida o vira de uma só vez.

– Porra essa é da boa mesmo, já tem um tempo que não bebo uma dessa. – diz enquanto enche a segunda dose, já enchendo também a terceiro do rapaz ao seu lado. – Vamos brindar. – ergue o corpo novamente. – Pelas grandes corridas que estão por vir nessas ruas maravilhosas. – olha para o rapaz e aguarda o copo dele tocar o seu.

– Bom que seja. – responde pegando seu copo e erguendo também. – Um brinde. – diz tocando um copo com o outro.

Os dois viram ao mesmo tempo as doses na boca e batem em seguida os fundos dos copos no balcão.

– Prazer meu nome é Naruto Uzumaki. – diz levando sua mão na direção do ruivo.

– Prazer, sou o Gaara do Deserto, mas todos me chamam apenas por Gaara. – responde ao cumprimento apertando a mão do loiro.

– Gaara do Deserto, um nome bem peculiar. – comenta sorrindo.

Enquanto os dois continuavam conversando, na pista principal os holofotes foram ao centro, todos tiveram suas atenções centralizadas na pista esperando o que iria vir.

– Boa noite meus queridos, hoje estamos em festa é uma noite especial. – fala ao microfone enquanto caminhava até o centro. – Todos aplaudem e recebam com carinho a nossa nova dançarina. – sorri e aponta sua mão na direção da porta de acesso à pista.

Olhando atentos para o palco os homens ansiavam para ver como é a nova dançarina da boate, ainda no bar Naruto e Gaara também estavam atentos observando, ao lado nos bancos vazios do bar, outros quatro rapazes sentaram e estavam também observando.

Cada um com uma dose na mão assistia ao show das dançarinas, porem Gaara ficou ainda mais ativo ao ver que seu alvo era a nova dançarina, mas não poderia fazer nada ali dentro, então apenas estudaria um pouco mais seu alvo.

– E então Gaara gostou da moreninha ali é, por que não pede um show particular? – pergunta, virando outra dose.

Dando idéia para um assassino, esse cara é idiota ou só se finge? – pensa olhando para o loiro, gostando da idéia que ele o deu.

– E ai, vocês são novatos por aqui também? – pergunta ao lado erguendo um copo como respeito.

– Sim, sim. Bom eu sou pelo menos, vim aqui só pelas corridas e pelas mulheres. – responde com um sorriso no rosto. – Prazer sou Naruto e você é? – pergunta também estendendo a mão para cumprimentar.

– Prazer Naruto, sou o Shikamaru. – responde aceitando o cumprimento. – Mais então já ouviram falar sobre as lutas clandestinas que tem no piso inferior? – diz sorrindo de canto.

– Lutas clandestinas? – pergunta Gaara se interessando no assunto.

– Isso mesmo. Decidi vir aqui hoje por isso. – responde olhando para o ruivo. – Para ficar mais interessante, a luta são com as dançarinas, pelo que parece elas são ótimas lutadoras, nunca perderam uma batalha. – diz, notando o interesse ainda maior do ruivo. – Você é o Gaara né! Escutei enquanto você conversava com o Naruto. – diz erguendo a mão até o ruivo.

– Sim sou o Gaara, prazer em conhecê-lo Shikamaru. – aceita o cumprimento do moreno. – Mais então como faço para entrar em uma dessas lutas? – pergunta, soltando a mão do moreno.

– Se me permite posso responder a essa pergunta. – fala do outro lado, próximo ao Gaara. – Me chamo Sai e estivesse assistindo uma dessas lutas ontem, pelo que consegui entender você faz um desafio a uma das garotas, os lances são a cima de 5mil se ganhar você tem o direito de pedir algo para a sua oponente, se perder paga a quantia que ofereceu pela luta. – diz chamando a atenção dos três rapazes.

– Prazer Sai, sou o Gaara, mas já deve ter ouvido. – diz apertando a mão do moreno. – E então com quem peço para entrar no desafio? – pergunta, esperando a resposta.

– Pode ser para a moça que apresentou a nova dançarina no palco, ou então, para a própria dançarina com quem deseja lutar. Entretanto, as lutas são clandestinas e fazer o desafio na frente desse monte de pessoas pode ser problemático, então a melhor opção é falar com a responsável. – indica ao ruivo, erguendo uma dose e virando.

– Então só preciso desafiá-la sem que ninguém perceba, certo? – diz retoricamente, tomando outra dose e levantando do banco.

Começando a caminhar em direção ao palco principal, ficou olhando para a morena, recebendo de volta o olhar por parte dela. Passou pela linha permitida e subiu no palco, agarrou a morena pela cintura e começou a dançar com ela.

– EI VOCÊ AI! – grita um dos seguranças, começando a ir até o palco.

Antes de chegarem, receberam a ordem de deixar o ruivo quieto, todos assistiam a cena e aplaudiam, assobiando ao mesmo tempo.

– Quem é você? – pergunta para o ruivo, enquanto dançava com ele.

– 10 mil, se eu ganhar você fará o que eu mandar. – sussurra ao ouvido da morena.

– Fez tudo isso pra me desafiar. – responde, também sussurrando ao ouvido dele. – Tudo bem, aceito seu desafio. – concorda com o ruivo.

Parando com a dança os dois se olham. Gaara desce do palco, caminhando novamente até o bar. Sentou-se novamente no seu banco e recebeu os brindes dos três rapazes que conversou, aceitou com bom grado aos brindes e se juntou a eles.

– Você é bem corajoso. – comenta ao lado, se aproximando dos quatro.

– Deixei de sentir medo, depois de tudo que passei na vida. – diz, olhando de canto para o moreno. – Quem é você? – pergunta, vendo a mão do rapaz estendida até ele.

– Sasuke. – responde, sorrindo de canto. – Prazer em conhecer todos vocês, por algum motivo sinto que já os vi em algum lugar, por isso quis vir me apresentar. – diz, recebendo o cumprimento do ruivo e de todos os outros.

– Você não é o único, também tive esta impressão, mas até o momento não sei de onde conheço vocês. – fala ao lado também se juntando com o grupo. – Me chamo Neji e estou aqui de passagem. – se apresenta.

Todos se juntaram e começaram a conversar, é normal em bares ou boates estranhos começarem a conversar, tanto pela bebida que afetava seu jeito normal quanto pela diversão. Assistiam ao show das garotas e cada um começava a se interessar por elas, a sensualidade e a seriedade que elas mostravam em palco chama atenção de todos os homens.

Após algumas horas de apresentação, as meninas foram recolhidas e as musicas eletrônicas começavam a tocar novamente. Ainda no bar, os seis rapazes já secavam a terceira garrafa de whisky seguida, enquanto ainda conversavam alguém se aproximou atrás do ruivo e pigarreou, querendo sua atenção.

– E você é quem? – pergunta, virando-se e dando de frente para uma mulher mascarada, parecida com as dançarinas.

– Por favor, siga-me até os fundos. – diz com um olhar serio. – Esta perto da hora da luta, senhor. – sussurra um pouco mais próxima a ele.

Gaara a olha de cima a baixo e percebe o quanto ela era gostosa, porem nesse momento não podia se distrair com o corpo sensual, sendo exposto por um conjunto de sutiã e calcinha cheia de rendas com uma saia transparentes por cima.

Despedindo-se de seus companheiros de bebida, seguiu a morena até os fundos do estabelecimento. Para que ninguém mais notasse, ela o pegou pela mão e o puxava com um sorriso sapeca, assim todos pensariam que os dois iriam ter uma diversão mais particular, o que era proibido na boate, mas apenas se fossem pecos.

– Posso saber quem é você? – pergunta o ruivo, ainda seguindo a morena.

– Não, não pode saber quem sou. Por isso uso a mascara. – responde, mostrando a língua para o rapaz.

Sorrindo de canto, permaneceu a seguindo, desta vez em silencio. Logo chegaram a um elevador, entraram e ficaram cerca de um minuto até o elevador parar no andar que queriam. Novamente começou a segui-la e logo já podia ouvir os gritos à frente, algumas batidas de barras de ferro nos cercos e pés batendo no chão.

– Está com medo, gatinho? – pergunta, olhando por cima do ombro para o ruivo.

– Não. Estou ansioso. – diz parando logo atrás dela, quando a mesma parou de andar.

– Muito bem, aguarde um pouquinho aqui, logo ela será apresentada e ai você poderá entrar. Alias quanto foi que você apostou na sua luta? – pergunta, virando completamente para ele.

– Foram 10 mil, mas por que o interesse? – responde, com uma pergunta logo em cima da resposta.

– Bom você é bem gatinho, então quando perder a luta me procure, posso te dar um pouco de colo para chorar, vou cuidar direitinho dos seus ferimentos. – sussurra ao ouvido do ruivo, encostando seu corpo no dele, especificamente seus fartos seios, usando de seus dotes para fisgá-lo.

– Vou pensar no seu caso, não se preocupe. Mais não vou perder essa luta, disso tenho certeza. – concorda com a morena, mas ainda confiante em sua vitoria.

– Então se você ganhar venha até mim também, podemos comemorar juntos. Minha casa fica a quatro quadras daqui. – diz sorrindo e beijando o rosto dele.

Com as mãos na cintura dela, aceita ao beijo na bochecha sem reclamar, no mesmo tempo desce as mãos até a bunda dela, aperta com força e ouve o gemido tímido dela em seu ouvido.

– Cuidado seu danadinho, temos regras aqui também, se alguém vir você com a mão ai pode ser um problema. – comenta, mordendo o lábio inferior e com os olhos fechados.

– Da onde eu venho me ensinaram a seguir apenas uma regra na rua... As minhas próprias regras. – diz descendo o rosto até o ombro da moça e a mordendo de leve, tirando alguns suspiros da morena.

– Quatro quadras, segundo prédio no quinto andar, apartamento de numero vinte e dois. – diz entregando ao ruivo uma chave do estabelecimento. – Meu turno termina a uma da madrugada, então pode me esperar lá. – sussurra ao ouvido dele, mordendo sua orelha.

– Confiar a chave de sua casa a alguém que acabou de conhecer, você é muito perigosa ou muito burra. – sussurra também ao ouvido da morena.

– Prefiro perigosa. Não confio em você, apenas sei que não vai fazer nada que possa comprometer seu nome, afinal um membro da Yakuza não iria querer se meter em problemas tão banais assim, não é? – sussurra, lambendo o ouvido do ruivo desta vez.

Gaara arregala os olhos e antes de poder perguntar de onde ela tinha aquela informação, já não estava mais com ela ali, apertou com força seus punhos e olhou para a porta de saída por onde entraria para o ringue.

– Hoje à noite, teremos um desafiante para a mais nova lutadora da casa, ele é bem corajoso e logo de cara a nossa veterana teve um desafio de alto valor, estamos falando de 10 mil dólares, então venha a nossa lutadora. – diz no microfone, apontando para a porta por onde a garota entraria.

Sem medo e confiante em suas habilidades, entra no ringue aguardando seu oponente.

– Do outro lado que entre o desafiante. – fala apontando ao lado oposto.

O ruivo começa a seguir em direção ao ringue, enquanto ia tirando sua jaqueta e ficando apenas com uma camiseta regata preta, ficou parado de frente para a morena e fechou a cara, colocando-se em posição de defesa.

– QUE COMECE A PRIMEIRA LUTA DA NOITE. – grita ao microfone, deixando o ringue e ouvindo a todos que assistiam gritar animados.


Notas Finais


E ai pessoal o que acharam do capítulo de hoje?
Os rapazes se encontraram, mas não sabem que são os mesmos que enfrentaram na corrida, Gaara deu seu lance e agora vai enfrentar a Matsuri em um embate 1 x 1. Agora o mais importante do capítulo, como que a identidade do Gaara foi descoberta sem ele falar nada, alguém se dispõe a falar suas teorias? Se sim deixe ai embaixo que falo se tá certo ou não.

Espero que tenham gostado, até o próximo... :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...