História Os Enigmas de Jefferson - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bissexualidade, Drama, Enigmas, Escola, Filmes, Homossexualidade, Livros, Mistério, Romance, Series, Twitter, Whatsapp
Visualizações 3
Palavras 1.019
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 13 - O Maior Erro de Jefferson


O olhar indignado de Jefferson a Laura foi o estopim da aparente hipocrisia dele com ela. Porém, a maior surpresa dele foi o estranho silêncio diante do ocorrido. Graziele, assustada, cobria a boca com as mãos. Roberta, sobressaltada, logo correu para ajudar Jefferson a se levantar.

- Você ajuda esse merda este tempo todo enquanto eu enlouquecia. - disse Laura, com uma careta, como se sentisse nojo de Roberta levantando Jefferson do chão. - Eu detesto vocês.

E então, passando por eles e indo em direção à saída, Laura ouviu algo que não queria ouvir.

- A culpa não é minha se você se importa com os enigmas. - disse Jefferson, com a mão tapando o corte na maçã do rosto que Laura fizera com o golpe.

Laura parou diante da porta, com a respiração quente e os olhos fechados.

No instante seguinte, ela disparou contra Jefferson, enfurecida, mas Roberta segurou Laura antes que outro soco acertasse Jefferson. Talvez coisa pior.

- ME LARGA! - gritou Laura a Roberta, debatendo-se para alcançar Jefferson.

- Você tem que se acalmar. - disse Roberta, segurando os braços de Laura.

Arfando o ar, Laura encarou Jefferson, sério. Roberta soltou os braços de Laura e a garota foi até a estante. Baixou a cabeça, respirou fundo e olhou para as fileiras de DVDs, pensando no caminho dela até ali.

Será que realmente valeu a pena para mim? Ela pensou.

Laura virou para Roberta, Jefferson e Graziele.

- Você. - disse Laura a Jefferson. - Qual foi a grande vantagem de tudo isso?

Os olhos de Laura estavam marejados, mas ela estava pronta para não deixar mais nenhuma lágrima cair por aquele garoto.

- Responda a pergunta. - insistiu Laura.

Jefferson coçou a cabeça com a mão livre, então disse:

- Sim.

Laura deu uma risada abafada, desacreditada.

- Você não me conhecia direito, - disse Jefferson. - então por isso comecei a criar os enigmas. Queria tirar esse sentimento pesado de que uma garota como você nunca acharia alguém, como eu, uma pessoa legal. Eu quis me manifestar. Porém, quando expliquei a Roberta o que eu estava sentindo, ela disse que poderia conversar com você.

Laura olhou para Roberta.

- Por que me induzir a entrar de cabeça nesses enigmas? - Laura perguntou a ela.

- Eu não te induzi. - retrucou Roberta, calma. - Quis colocar na sua cabeça o pensamento que Jefferson queria passar para as pessoas com aqueles enigmas.

- Que seria...?

- Por saber superficialmente sobre alguém, - disse Jefferson. - diz que conhece, mas, na verdade, não significa nada. Conhecer é conviver com alguém e compreender essa pessoa. Ela é quem é por uma razão, e se você não sabe disso, então você não a conhece de fato.

- O que eu vejo, e o que Jefferson também vê, - disse Graziele, recebendo o olhar supreso de todos por enfim se pronunciar. - é que você não deve ficar presa em suas primeiras impressões.

- Exato. - disse Jefferson. - Todo relacionamento, seja de amizade, namoro etc., começa com a conversa. Na conversa, você começa a conhecer outra pessoa. Nem que seja superficialmente no início, mas vocês irão se aprofundar um ao outro quando souberem quem realmente são. - Jefferson tomou fôlego e riu abafado. - O que mais me irrita são essas pessoas que dizem gostar de alguém, mas mal se conhecem de verdade. E foi para me livrar dessa primeira impressão que criei os enigmas, como uma mensagem sobre tudo isso que dissemos aqui. Então, por incrível que pareça, você pareceu correr atrás disso como se sua vida dependesse disso.

- E o que é que tem? - perguntou Laura.

- Que eu criei os enigmas com no mesmo fervor que você estava há uma hora atrás, correndo atrás do tempo para descobrir a verdade do enigmático garoto negro pobre que você parece estar apaixonada.

Laura ergueu as sombrancelhas e ajustou o óculos no rosto corado.

- Mas sabe o que me chateia nesse rolo todo de enigmas? - perguntou Jefferson. - É que por minha mensagem não ter sido interpretada da forma certa, isso não proporcionou que tivéssemos esse esclarecimento muito antes de toda essa confusão de hoje.

Jefferson deu a volta e pegou sua mochila do chão atrás do balcão. Quando se levantou, disse com o olhar baixo:

- Eu não costumo ser pessimista na minha vida. Sou bastante otimista em quase tudo o que acontece ou o que pode acontecer. Porém, sendo realista comigo mesmo, sei que não iremos ficar juntos, Laura.

Jefferson olhou para Laura, séria.

- Porque nós não nos conhecemos de verdade.

Quando ele fez menção de sair, logo voltou e disse a Laura:

- Sabe o que significavam aquelas letras escondidas nos enigmas? DNBHL?

Laura apertou o caderninho com a mão, sentindo o coração saltar.

- Significa Do Not Believe His Lies. - disse Jefferson, e apontou para a estate de DVDs atrás de Laura. - Não Acredite Nas Mentiras Dele.

Laura baixou a cabeça, julgando a si mesma por não ter assimilado a frase com o curso de inglês ou coisas semelhantes.

- Tudo isso foi uma mentira. - disse Jefferson, com o olhar baixo.

Laura olhou para ele, com o cenho franzido.

- Todos esses enigmas não significam nada, nem para mim quanto para você, Laura. - ele olhou para ela. - Mentimos um para o outro sobre tudo. Você sabe que sim. Inclusive eu, por isso pedi para não acreditar mais nas minhas mentiras nesse último enigma. - Jefferson esticou um leve sorriso triste no rosto. - Eu me arrependi.

Ele pendurou a mochila nas costas, foi para a porta e, por mais que esperássemos alguém o impedir de ir, nenhuma das três o fizeram.

Jefferson estava decidido de que seu maior erro foi deixar Laura enlouquecer e ficar obsessiva com seus enigmas. Por mais que fossem difíceis, tinham significado. Só que ela quem não enxergou isso. A paixão nos faz fazer coisas que nunca pensamos em fazer numa ocasião normal, e Jefferson sabia disso. Entretanto, que tipo de ligação era aquela que ambos tinham de correr atrás de alguém que corre atrás de você? Talvez se trombassem alguma hora. Talvez nunca se olhariam nos olhos do outro de novo. E Laura e Jefferson se perguntavam sobre isso. Mas para descobrir, eles teriam que decifrar esse último enigma.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...