História Os Irmãos Eaton - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Divergente, Shailene Woodley, Theo James
Personagens Beatrice "Tris" Prior, Caleb Prior, Christina, Eric, Ezekiel "Zeke" Pedrad, Jeanine Matthews, Lynn, Marcus Eaton, Personagens Originais, Peter, Shauna, Tobias "Quatro" Eaton, Uriah, Will
Tags Adoção, Amor, Divergente, Família, Fourtris, Irmãos, Romance, Shai Woodley, Theo James
Exibições 281
Palavras 2.526
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, oi amores!

Tudo bem?

Bom, minha avó sempre dizia que não importa a idade, sempre temos uma criança dentro de nós. Então, independente se você é criança, adolescentes( como eu), adulto, ou idoso... FELIZ DIA DAS CRIANÇAS.
Sério, amo esse feriado. HÁ.

Então gente, hoje é quarta, não é dia de postagem, mas eu vou postar, porque sim :D

Enfim, vamos ao capítulo.

Boa Leitura♥

Capítulo 4 - Provações Mínimas


Fanfic / Fanfiction Os Irmãos Eaton - Capítulo 4 - Provações Mínimas

São Paulo; 19:15

P.V Tobias

Depois que eu termino de me arrumar vou até o quarto da Tris para chamá-la.

Bato na porta e poucos segundos depois a mesma é aberta por uma garota linda, atraente e muito, muito gostosa.

Tris usa  uma maquiagem que destaca seus olhos claros, tornando-os mais intensos e chamativos. Seu cheiro suave e doce de melancia me envolve,  fazendo me ter algumas alucinações meio inapropriadas neste momento.

- Uau...

Fico olhando muito e percebo que a Tris acaba corando.

-Você está linda!- digo meio bobo.

- Obrigada.- ela sorri de modo tímido.

Nos despedimos dos meus pais e fomos para balada.

Durante o trajeto fomos conversando sobre diversas coisas. As vezes acho que a Tris não tem noção do quão linda, atraente e fofa ela é.  E o pior é que ela nem se esforça para nada disso.

Ao chegarmos, apresentei ela a meus amigos que gostaram muito dela. Durante a noite bebemos e dançamos muito.

Depois de um tempo conversando com uns amigos me levanto para pegar mais uma bebida.

Eu estava sentado no banco do bar quando a vi dançando na pista de dança.

Beatrice é tão linda, sensual, gostosa, mesmo sem ela mesma perceber... Mas eu não posso. Ela é minha "irmã". Mas eu não posso negar que tenho vontade de dar uns pegas forte nela, mas se meus pais soubessem eles iam acabar me matando.

Deixo a minha bebida no balcão e vou até ela, mas quando estou chegando perto, Benjamin a abraça e ela retribui, Tris não está bêbada. Está bem sóbria por assim dizer.

Eles começam a dançar e Tris passa os braços envolta do pescoço dele. Eles começam a conversar e as vezes riem.

Comecei a reparar que a situação estava ficando crítica quando ele começou a beijar o pescoço dela. Fiquei um tempo olhando para ver o que ela iria fazer, se ela reagiria. Mas para minha surpresa e completa decepção,  ela apenas deitou a cabeça em seu ombro e deixou que ele continuasse com as carícias e beijos. Tudo bem, isso aos olhos de um irmão normal, pode até causar ciúmes,  mas é algo normal na nossa idade. Já na minha situação é diferente. Eu sou considerado o irmão dela, mas me sinto atraido pela mesma. Caramba, isso é mancada,  Deus.

Sem mais aguentar ver aquela ceninha, vou na direção deles e a chamo.

- Mana, vamos? Já está tarde.-digo como quem não quer nada.

-Ahn...-ela olha no relógio e com certeza percebeu que não estava ficando tarde, eram apenas 21:10- Claro...Tchau, Ben.- ela diz.

Quando foi que eles adquiriram essa intimidade toda?

- Tchau, loirinha.- ele diz e dá um beijo no canto da boca dela, que cora na hora.

- Falou, Benjamin.- digo seco.

- Falou, Tobias.- nos cumprimentamos com um aperto de mão, da minha parte um pouco forte demais, e eu e Tris fomos para o carro.

- Tobias, está tudo bem?- ela me pergunta depois de entrarmos na estrada.

-Tudo perfeito, Beatrice.- respondo seco, curto e grosso.

Ela apenas assente lentamente e se vira para janela do carro.

Suspiro e coloco minha mão sobre sua coxa e a acaricio, sinto ela se arrepiar e estremecer pelo meu toque.

Ainda sem olhar para mim, cobre minha mão com a sua e assim ficamos.

A volta para casa foi silenciosa, nem eu, nem ela conversamos, ou abrimos a boca para  absolutamente nada.

Entramos no prédio e cumprimentamos o seu Johnny, logo depois seguimos para o elevador. As portas se fecham e eu me viro para ela.

- Desculpa. Me desculpa por ter sido grosso com você, não queria te magoar, não foi a minha intenção.- digo a abraçando.

-Está tudo bem.- ela diz apenas e eleva a cabeça para, em seguida, me dar um beijo um pouco abaixo da garganta.

Dou um beijo em sua cabeça e logo depois o elevador se abre.

Abro a porta de casa e entramos, encontrando nossos pais assistindo alguma coisa.

- Oi mãe, oi pai.- diz a Tris animada e dá um beijo na bochecha de cada um.

-E aí filhota, como foi lá?- pergunta meu pai.

- Foi bem legal, mas eu descubri que não gosto de muita muvuca, prefiro ficar em casa.- ela diz e minha mãe sorri.

-É melhor mesmo meu anjo.- responde minha mãe e eu concordo P-L-E-N-A-M-E-N-T-E!- Agora os dois para o banho já!- diz minha mãe e eu e a Tris começamos a correr para o quarto e entramos nos nossos quartos quase que ao mesmo tempo, mas antes dela fechar a porta, eu me aproximo e seguro a maçaneta de sua porta.

- Depois que terminar vai lá tá?!- digo a ela.

-Tá bom.-ela sorri envergonhada e eu dou um beijo na sua bochecha e vou para o quarto.

Tomo um banho, me seco, ponho a minha bermuda de moletom cinza da Nike, e fico sem camisa mesmo. Deito na cama e coloco um filme no Netflix.

Fico assistindo até ouvir batidas tímidas na porta. Me levanto e caminho até a mesma, quando a abro dou de cara com uma Beatrice muito fofa. Ela usa um pijaminha de panda, que a blusinha é branca com um panda na frente com orelhinhas de pelúcia para fora, e um shorts todo preto.

- Vem- digo para ela e ela entra, ainda meio acanhada- Vamos assistir um filme?-pergunto e ela aceita.

- Qual?- ela pergunta.

- Livrai-nos do mal.- digo e ela me olha com uma cara de quem não entendeu nada, depois de poucos segundos ela muda sua expressão.

- Terror não, Tobias.- ela fala manhosa, que fofa.

- Relaxa, o melhor irmão do mundo está aqui para te proteger.- digo e ela ri.

- Tá.- ela diz derrotada.

Coloco o filme e nos deitamos na cama. Conforme as cenas iam passando, Tris ia ficando mais amedrontada.

Ela pega a coberta e cobre a cabeça e eu rio.

- Vem cá, Tris- digo para ela que deita no meu peito e esconde seu rosto na curva do meu pescoço.

Abraço ela e continuo a ver o filme, tem horas que ela dá uma espiada, mas se tem cena forte ela volta a se esconder. Depois do filme acabar eu desligo a TV.

- O que achou dos meus amigos?- pergunto com receio que ela cite algo sobre o Benjamin.

- Eu gostei deles. São bem receptivos, e simpáticos e alguns mais engraçados que outros. Gostei.- ela diz e eu sorrio.

- E o Ben?- eu sei que fui trouxa, mas tenho que perguntar isso.

- Ah, nada demais. Só rolou uns beijos na bochecha mesmo. Antes de dançamos já havíamos conversado. Havia dito a ele que sou bv e que quero perder com uma pessoa que eu goste de verdade.- ela responde.

- E quem seria essa pessoa?- pergunto na esperança de ela me dizer que sou eu.

- Ainda não sei. Não gosto de ninguém ainda,  só atração mesmo.

- Hum... por quem? - pergunto curioso.

- Tobias!! Para de ser curioso!- ela diz rindo meio nervosa.

- Tudo bem. Mas um dia você vai me dizer, nem que seja preciso eu tomar providências mais drásticas.

- Ah, é? E quais providências seriam essas?- ela me pergunta arqueando uma sobrancelha.

- Quer mesmo saber?- pergunto arqueando minha sobrancelha também.

Ela me olha com um olhar de desafio.

Ok, então.

Conheço a Tris a pouco tempo, mas já sei de algumas de suas fraquezas,  e uma delas eu li em seu diário e vou usá-la contra ela também. Uma dessas fraquezas são as cócegas.

Vou me aproximando dela e ela recua, mas eu não paro. Continuo a me aproximar, e então ela entende o que eu vou fazer.

- Tobias, não! Por favor. Eu já entendi qual será sua providência. Eu prometo que um dia eu conto.

- Eu queria que fosse agora, mas  como eu não vou te obrigar, você vai ter uma consequência. - digo e ela arregala os olhos e começa a rir.

- Não faz, Tob. Por favor, não f...

Não deixo ela terminar de falar e começo a fazer cócegas nela. E é claro que durante o trajeto passei a mão em lugares que não devia, mas ela nem percebeu,  porquê está muito concentrada tentando se livrar de mim.

- Tobias, eu quero fazer xixi.- ela diz mas eu não dou ouvidos e continuo com o que estava fazendo,  principalmente com mão boba- TOBIAS!!!

Dessa vez ela praticamente gritou, ainda rindo.  Levantos minhas mãos em rendição e ela praticamente voou dos meus braços para o banheiro, assim como uma presa foge do seu predador.

Rio e me deito em minha cama esperando ela voltar.

Ouço um barulho perto do banheiro e olho para origem do som.  Vejo só a cabeça da Tris para fora do batente da porta e rio.

- Não faz mais!- ela diz fingindo chorar, mas ela acaba rindo.

- Não vou fazer, eu prometo!- digo e cruzo meus dedos. Mentira, se eu continuar ela vai acabar passando mal.

- Eu estou com fome.- ela diz.

- Então vamos comer.

Nos levantamos e fomos para cozinha. A essa hora meus pais já devem estar dormindo...

- Eu vou fazer alguma coisa para nós comermos.- digo e ela assente.

Começo a fazer panquecas, vira e mexe a Tris pergunta se eu não quero ajuda, e eu nego.

Tris desce da bancada e pega algumas laranjas para fazer suco.

Ela vem para perto de mim para pegar alguma coisa.

- Tob,  abaixa a cabeça. - ela diz e eu abaixo.

Ela abre o armário acima de mim e tenta pegar o espremedor,  porém não o alcança.

- Vai altona!- digo zombando dela.

- Há há! Tá todo comédia,  só está faltando a graça. Pega para mim, por favor?!- ela me pede.

- Tem que a prender a fazer as coisas sozinha, Pequena.-digo.

Ela olha para mim com uma carranca e assente.

Ela dá impulso e sobe na bancada oposta a que estavamos e logo depois pula para a que eu estou. Ela pega o espremedor,  se agacha para colocá-lo na bancada e fecha o armário, pulando para o chão logo depois.

- Kakam- ela limpa garganta,  como se estivesse se gabando e finge limpar os ombros.

Fico olhando para ela e ela para mim.

- Quem é pequena agora?- ela pergunta.

- Você!- respondo segurando o riso e volto a fazer o que estava fazendo.

Ouço ela bufar atrás de mim e não seguro o riso.

Sem fazer barulho, ando em sua direção e dou um beijo no seu pescoço. Ela se arrepia e me dá um tapa.

- Não faz isso!- ela diz brava e eu rio mais ainda.

Dou um beijo na sua bochecha.

- Parei.

Essa foi a fraqueza que eu li em seu diário. Ela fica excitada com beijos no pescoço. Posso usar isso ao meu favor. Há há há!

Continuo a fazer as nossas coisas enquanto a Tris termina de fazer o suco.

Faço 2 panquecas de presunto e queijo e uma de nutella com morango para cada um. Nos sentamos na bancada da cozinha e comemos conversando.

Depois que comemos eu coloco as louças na lavadora e a ligo. Eu e Tris fomos para o corredor.

- Boa noite Tobias- ela diz sorrindo antes de entrar no seu quarto.

-Boa noite Tris- digo e a puxo para um abraço.

Entramos nos quartos. Vou no banheiro e escovo meus dentes e me deito na cama, logo pego no sono.

***
São Paulo; 04:23

Acordo com o pequeno barulho da minha porta sendo aberta, vejo a sombra de uma figura pequena e vejo o formato de um pomponzinho do pijama de panda no bumbum. Tris.

Me levanto e vou até ela.

- O que houve?- pergunto segurando seu rosto.

-Eu não consigo dormir, estou com medo.- ela diz e me lembro do filme de terror mais cedo.

- Own não precisa, vem cá.- digo e a puxo para cama.

Deito e puxo ela para se deitar do meu lado e assim ela faz.

Abraço ela por trás e ela cobre a cabeça com a coberta, não sei porque, mas quando ela faz isso me vem a imagem de uma criança na cabeça, é tão fofo ela fazendo isso que dá vontade de apertar.

- Vem.- digo estendendo o braço para ela e a mesma deita no meu peito.

Abraço ela de um modo protetor e possessivo.

Ficamos um tempo em silêncio e eu apenas acaricio seus cabelos.

Quando penso que ela pegou no sono...

- Tobias?- ela sussurra. Que fofinha.

- Sim?- respondo.

-Posso te fazer uma pergunta? Mas não pode levar na maldade.- ela diz com a voz sonolenta.

- Claro que pode e eu prometo não levar.

P.V. Tris

- Como é beijar?- pergunto para ele.

-Ah, Tris...Eu não sei. Acho que quando você realmente gosta ou ama a pessoa, deve ser bom. O pai e a mãe sempre falam que quando beijamos quem nós gostamos,  sentimos coisas que não conseguimos explicar. Mas eu nunca senti isso. Acho que toda vez que eu beijava alguma menina era apenas o prazer do momento. E nem era tão prazeroso assim.

- Nunca sentiu nada além de prazer em um beijo?- eu pergunto.

- Não. E para falar a verdade, eu nem sei o que eu deveria sentir.- ele me responde meio distante- Quando eu comecei a namorar a Nita, com todo aquele calor de começo de namoro, eu achava que me sentia como o pai dizia, mas depois de um tempo descubri que as coisas que eu sentia quando eu beijava ela, eram coisas superficiais. Coisas que se eu parava para pensar não me traziam felicidade. Mas e você? - ele me pergunta.

- Tobiaas, eu sou Bv, lembra?!- digo.

-Ah - ele ri- Claro,  claro. É que no calor do momento dramático eu acabei me esquecendo. Mas relaxa, você vai perder. - ele diz.

Ficamos nos olhando por um tempo, quando percebo que seu olhar cai sobre meus lábios.

Me arrepio somente pelo seu olhar. Um olhar de desejo, mas por mais que eu queira isso, não pode rolar.

Tobias leva sua mão ao meu rosto e acaricia,  com o polegar,  a maçã do meu rosto.

Fecho meus olhos diante de suas carícias e desejo mais do que tudo a sua boca colada na minha.

Quando volto a abrir meus olhos seus lábios estão a pouquíssimos centímetros de distância dos meus e eu começo a entrar em desespero.

Beatrice: 1,2,3...
Calma.

Abaixo minha cabeça e abraço sua cintura.

Sinto Tobias suspirar e fecho meus olhos com força.  Isso não pode acontecer.

Tento me distrair fazendo desenhos em seu abdômen nu, o que não é tão difícil assim, afinal,  eu consigo até lavar tapete nesse tanquinho.

Depois de um tempo, o sono me atinge com uma certa força,  e sem me conter acabo soltando um bocejo. 

- Pode durmir meu amor, quando acordar eu estarei aqui, te protegendo.- diz Tobias e me dá um beijo na testa.

Sorrio e deixo um beijo no seu peitoral. Fico sentindo seu cheiro suave de perfume pós-banho e logo pego no sono.


Notas Finais


Hey!!

Gente, tá difícil. Esses dois se querem, mas tem um murinho separando eles. Mas eu vou quebrá-lo. Ah se vou!

Spoiler do próximo capítulo:

" E eu prendo a respiração por um tempo,  tentando me controlar [...]"

" Temos um jantar com a sua família hoje."

" Sinto nossas respirações trocadas [...]"

" - Desculpa pelo meu nervosismo Tris. "

E é isso aí! Tá bom de spoiler. Eu espero que tenham gostado do capítulo.

Bom, um ótimo fim de tarde para vocês. Fiquem com Deus e até amanhã.♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...