História Os Irmãos Eaton - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Divergente, Shailene Woodley, Theo James
Personagens Beatrice "Tris" Prior, Caleb Prior, Christina, Eric, Ezekiel "Zeke" Pedrad, Jeanine Matthews, Lynn, Marcus Eaton, Personagens Originais, Peter, Shauna, Tobias "Quatro" Eaton, Uriah, Will
Tags Adoção, Amor, Divergente, Família, Fourtris, Irmãos, Romance, Shai Woodley, Theo James
Visualizações 117
Palavras 4.296
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oii, oiiii

Cheguei de surpresa para alguns e normalmente para outros😂

Tudo bem, meus amores?

Gente, eu sei que já havia postado o epílogo, porém... o capítulo do epílogo part 2 que seria o último estava enorme, então decidi dividir, senão eu iria demorar muito para postar o fim e ia ficar chato, então fiquem com a primeira parte do epílogo e depois vou postar a segunda e talvez a terceira parte. Ok?!

Eu espero que gostem, calminha que eu vou responder os comentários, ok?!

Boa Leitura ❤

Capítulo 46 - Epílogo 》part 1


Tobias

- Tris?- pergunto, sentindo o meu coração gritar por uma resposta. Ela está estática. As lágrimas molham suas bochechas, mas os únicos movimentos são de suas mãos trêmulas. Nem piscar ela está piscando.

- Eu aceito, é claro que eu aceito.- ela diz e um alívio corre meu corpo. Meu coração se acalma e se aquece com o abraço que ela me dá.

Me sinto imensamente feliz. Meu coração transborda alegria e felicidade. Abraço-a forte contra mim e respiro fundo em meu pescoço, avaliando aquela tensão que estava sentindo desde antes de ontem, quando eu decidi fazer o pedido.

Sei que não foi grande coisa, como ela merece, mas não vamos nos casar agora, temos muitas coisas para ajeitar, quando tudo estiver em seu lugar resolveremos isso.

- Eu te amo.- ela diz.

- Eu também te amo.

5 anos depois...

Beatrice

- Fique tranquila, querida. Você vai poder engravidar e ter um gestação normal, só terá que ter nosso acompanhamento semanalmente.- diz a doutora.

- Tudo bem.

- Você terá um bebê saudável, terá o acompanhamento necessário e com as dietas que te passaremos tudo vai dar certo para o bebê crescer bem.- ela completa e eu assinto.

- Obrigada.

Depois de mais um tempo de conversa saio do consultório.

Estou tão feliz, finalmente vou poder ter o que perdi há anos atrás.

Não, ainda não estou grávida, mas isso não vai demorar para acontecer, eu garanto.

Chego em casa e o apartamento está silencioso, escuro. Acendo a luz e Tobias está deitado todo torto no sofá.

Sorrio e caminho até ele.

- Tob.- sussurro acariciando seu rosto com cuidado.

- Hum...- ele murmura em resposta e eu não resisto em juntar nossos lábios em um selinho. Ele geme e sorri, ainda inconsciente.

Ele se vira no sofá, mas acaba caindo. Eu rio dele e ele choraminga. Deito a minha cabeça no tapete ainda rindo. Ele deita sua cabeça no meu peito e abraça a minha cintura.

- Para de rir.- ele pede com voz de choro e eu me controlo, afundando o rosto entre meus seios.

Abraço seu pescoço e ele suspira.

- Tob, posso te pedir uma coisa?- pergunto baixinho.

- É óbvio que pode.- ele diz com a voz abafada pelo meu peito esquerto.

- Tem como fazermos a lua de mel antes do casamento?- pergunto.

Ele fica quieto por algum tempo, talvez pensando no que eu falei, ou dormindo.

- Mas isso não faz sentido.- ele diz levantando um pouco a cabeça, confirmando que não dormira enquanto eu estava conversando com ele.

Sorrio pela sua cara ameaçada de sono e dou um beijo no seu nariz.

- Na minha cabeça faz.- respondo.

Meu sonho é me casar grávida, com barrigão mesmo, mas se eu me casar grávida, na lua de mel não vou poder aproveitar algumas coisas, como andar de bug ou coisas que grávidas não podem fazer. Então...

- Mas aí não vai ter aqueles negócios legais de pós-casório, tipo... eu entrar com você no quarto do hotel com vestido de noiva, ou a noite de núpcias.- ele argumenta.

- Temos a noite de núpcias quase todos os dias, Tobias.- digo rindo- E quanto ao entrar no quarto com vestido de noiva, eu não vou no avião, até o hotel de onde quer que iremos com vestido de noiva.

- Não é a mesma coisa.-ele resmunga em tom tristonho.

- E se fizessemos outra viagem, mais curta, depois do casamento?- sugiro.

- Como assim?

- Agora podemos ir para os lugares que queremos, depois podemos escolher um lugar mais tranquilo, só para relaxar mesmo.- explico e ele olha para mim.

- Tem certeza que não tem nada acontecendo, Eaton?- ele me pergunta e eu rio.

- Tenho certeza absoluta, Eaton.- zombo com deboche e ele sorri.

- Por que isso agora, Tris?- ele me pergunta e eu aoenas meneio a cabeça.

- Por favor.-choramingo e ele suspira.

- O que eu não vai por você, hein Tris?!- ele diz baixinho, olhando para os meus lábios e passando o polegar sobre o meu lábio inferior.

Eu sorrio com o seu olhar e sorriso bobo, mas tenho certeza que minha expressão não está muito diferente da sua.

- Tudo bem, vamos escolher alguns lugares para ir. Uma semana em cada?- ele me pergunta e eu assinto com convicção.

Ah! Não acredito que ele aceitou. O que me resta é me divertir e ao fim... engravidar.

Três meses depois...

Minha pré-lua de mal com o Tobias foi incrível, escolhemos nossos destinos rapidamente, no mesmo dia em que conversamos. Nossos destinos foram Punta Cana, Barbados, Seychelles, Debai, Alasca, Montego Bay, Veneza e Paris. Não necessariamente nessa ordem.

Ah... foi incrível! Passeamos tanto, nos amamamos tanto. Tobias estava impossível, como sempre, mas um pouco pior. Transamos em vários lugares, no quarto do hotel, no banheiro de restaurantes e em um almoxarifado... passei vergonha quando quase fomos pegos no meio do ato. Tobias zuou tanto de mim, mas foi tudo muito incrível.

Não tomo anticoncepcionais faz algum tempo, para o meu organismo liberar tudo o que me impede de engravidar e se minhas contas estiverem corretas, logo estarei carregando um pequenino, ou pequenina.

Estou esperando Tobias chegar da empresa. Desde que nos formamos na escola e na faculdade, demos um jeito de abrir nossos negócios, eu na minha área e ele na dele, mas trabalhando juntos, já que em alguns casos, ao terminar meu serviço, transfiro para o andar dele.

Quando nos formamos, Marcus nos deu de presente dois andares do Eaton's Tower, onde é a contabilidade dele e agora meu escritório de arquitetura e o de engenharia do Tobias.

Termino de colocar os pratos na mesa e ouço a porta de entrada abrir. Tobias entra resmungando e eu rio quando ele entra na cozinha, afrouxando a gravata.

- Oi, Pequena. - ele diz me mando um selinho.

- Oi. O que houve?- pergunto apoiando minhas mãos em seu peitoral.

- Problemas com o imposto de renda e algumas declarações. Mas deixa para lá, depois eu resolvo isso. Nem te vi na empresa hoje. Tudo bem?

- Tudo ótimo. - digo dando um beijo em seu pescoço.

- Tris...- ele diz chamando minha atenção e eu sorrio.

- Oi?- sussurro no seu pescoço.

Ele ri e morde a minha bochecha.

Ele se senta em umas das banquetas, enquanto eu pego a tigela com a salada e coloco sobre o balcão de marmore. Ele se levanta e pega o suco de laranja com morango na geladeira e os copos, colocando-os ao lado dos pratos.

- E então? Como foi o seu dia?- ele pergunta parando atrás de mim, inclinando minha cabeça para trás e me mando um selinho de ponta cabeça.

- Cansativo.- digo e ele beija meu nariz. Aproveito a aproximação e beijo seu queixo- Mas produtivo.

- Eu percebi. Recebi várias documentos do seu departamento.- ele diz sorrindo e se sentando- Fico cada vez mais orgulhoso de você.

Fico feliz com sua afirmação.

- E eu de você. - sorrio e ele também.

Nos olhamos por um tempo. Nossos olhares são intensos e a luxúria é palpável ao nosso redor.

- Novidades do casamento?- ele pergunta, mas não deixa de me olhar daquele jeito. Eu sorrio e desvio o olhar. Mesmo depois de tanto tempo, seu olhar às vezes ainda me intimida.

- Nada de mais. A Chris só disse para eu ficar tranquila, não me preocupar que  tudo do casamento ela vai resolver com as meninas.- digo e ele ri.

- Quem não conhece que te compre, Beatrice. Ela acreditou mesmo que você vai deixar ela resolver tudo?!

- Não. - respondo e ele ri de novo.

- Tenta, amor. Deve ser muito estressante, só pede para ela te perguntar as coisas que você prefere, como arranjo, cores, flores e deixa o resto com ela.- ele diz.

- Mas é muita mancada, Tob. É tanta coisa.

- Eu sei, meu anjo. Mas a Chris trabalba com isso. Acha que ela não lida com isso sempre?

Suspiro.

- É...

- Beatrice...- ele chama a minha atenção.

- Tudo bem!- me defendo e ele ri.

[...]

Dois meses depois...

[...]

- É sério? - pergunto pasma.

- Sim, e sério.- ela me responde animada.

- Pode me dar um minuto?-pergunto, ofegando.

- Claro. Fique a vontade.

Vou até o banheiro e fecho a porta. Levanto a minha blusa e olho minha barriga.

Eu consegui. Deu certo, e bate certinho com o fim da lua de mel. Sorrio acariciando minha barriga.

- Oi meu amor, é a mamãe. - sorrio para minha barriga de frente ao espelho e meus olhos borram pelas lágrimas- Agora a mamãe vai cuidar de você direito. Não vou deixar ninguém te tirar de mim. Ninguém!

Seco minhas lágrimas e volto para sala do consultório.

- Está tudo bem?- doutora McClan me pergunta.

- Sim, está sim.- sorrio voltando a me sentar.

- Tudo bem. Bom, Beatrice, como eu havia dito na sua outra consulta, você tem altíssimas chances de ter uma gestação saudável, apenas siga à risca as coisas que eu pedir para você, tudo bem?

- Tudo bem!

- Nada de esforços, levantar peso de jeito nenhum! Impactos ao corpo, como corridas e esse tipo de coisa, despense. Estresse, de jeito nenhum! Ele é um dos maiores inimigos para maioria das mães durante os três primeiros meses, então tome cuidado, por favor. Relações sexuais liberadas desde que não seja com brutalidade, sempre passiva.-sorrio- E siga a dieta, tome as vitaminas naturais que eu estou te receitando.- ela diz enquanto anota as coisas que me fala.

Ainda me sinto submersa. Quando eu perdi meu bebê fiquei mal, muito mal, mesmo sendo a última a saber que eu o tive e o perdi rapidamente, quando eu soube fiquei supresa e chateada por tê-lo perdido. Mas agora farei tudo diferente, farei o possível e o impossível para proteger o pequeno ser. O amarei com todas minhas forças e farei de tudo para ser a mãe que eu não tive.

- Entendeu tudo, Beatrice?- ela me questiona.

- Sim, senhora.- respondo sorrindo.

- Muito bem. Quero que venha de quinze em quinze dias, no máximo. Quero acompanhar de perto a formação do bebê. - ela diz e eu assinto.

- Está bem.- sorrio e me despeço dela saindo do consultório.

O caminho do consultório para casa é traçado com um sorriso gigantesco em meu rosto.

Não quero contar para Tobias agora, quero planejar algo melhor...

Chego em casa e a mesma está silenciosa. Olho em volta e chamo por Tobias, sem obter respostas.

Algo me chama a atenção no chão, próximo ao corredor.

Me aproximo com receio do que vou encontrar e o choque da possibilidade me atinge quando olho as roupas espalhadas pelo corredor, incluindo uma calcinha vermelha.

Sinto vontade de vomitar.

A possibilidade faz minha vista tremer e meu corpo amolecer.

Me aproximo devagar, pronta para correr, sair de casa e ir para casa dos meus pais, quando encosto meu dedo na maçaneta sinto uma mão na minha cintura.

Me assusto e jogo o cotovelo para trás, pegando no estômago de Tobias, que solta um urro de dor. Arregalo meus olhos e me estabano ao tentar me redimir.

- Beatrice, o que é isso?- ele pergunta com a voz presa pela dor, e alarmado pela minha ação.

-Me desculpa, me desculpa.- dou vários beijos no seu rosto enquanto levo a mão ao lugar em que bati- Perdão, eu não queria te machucar.

Tobias respira fundo e se ajeita, voltando a sua posição ereta, mas ainda um pouco curvada.

- O que está acontecendo? O que é isso?- ele pergunta apontando para o chão.

O "caminho" de roupas nos levava ao quarto de hóspedes. Fico com receio de abrir a porta e encontrar alguém transando, mas Tobias, ao contrário de mim, parace não se importar e abre a porta em um baque, fazendo um barulho alto ecoar pelo apertamento e a maçaneta da porta bater contra parede.

- Chris?- pergunto.

- Will?- e Tobias depois de mim.

Eles levam um susto e cobrem os corpos que não estavam muito a mostra.

- O-oi, gente.- a Chris cumprimenta envergonhada.

- Mas que cara de pau, hein dona Christina.- Tobias repreende.

- Qual é, Tobias. Faz anos que não nos víamos, não íamos aguentar chegar em um motel.- Will se pronuncia.

- O carro não serve só para locomoção rápida, meu caro.- Tobias diz apertando a minha bunda e me lembro das várias vezes em que não aguentamos chegar em casa.

- Ok, agora saiam, por favor.- a Chris diz e Tobias dá risada.

- Saia você, mas antes troque os lençóis, não os quero com gozo de ninguém. Recolham as roupas e terminem o serviço em um motel.- Tobias diz e me parecia um pouco bravo, me fazendo rir.

Tobias bate a porta e grita " quinze minutos", tempo que eles tem para sair.

Rio e entro no nosso quarto, desviando das roupas jogadas no corredor.

Tobias faz um som de nojo ao empurrar a cueca do Will mais para longe com seu pé, para fechar a porta do quarto.

- Que cara de pau!- ele exclama irritado.

- Eu fiquei assustada.- digo e ele me encara.

- Eu sei com o que, e eu realmente espero que não tenha pensado besteira, mesmo meu coração gritando, me dizendo que pensou.- ele diz entrando no banheiro e eu suspiro me sentando ma cama.

- Desculpa, mas no meu lugar não te passaria pela cabeça? Em nenhum segundo?

Ele suspira e me lança um sorriso pelo grande espelho do banheiro, se desculpando.

Só foi um susto.

[...]

Três meses depois...

[...]

- Beatrice?- Tobias me chama quando estou ajeitando algumas coisas sobre a comôda branca do quarto, apenas com a lingerie azul bebê e um hobby aberto cobrindo meu corpo.

-Sim?- respondo a Tobias, que estava deitado na cama, me observando.

- Está com lombrigas, amor?- ele me pergunta e eu gargalho, mesmo estremecendo, achando nojento.

- Por que acha isso?- pergunto.

- Sua barriga está grande, mas o resto do seu corpo continua igual.- ele diz tombando a cabeça para o lado e analisando meu corpo de cima a baixo com as sobrancelhas franzidas.

- Igual como?- provoco.

- Gostoso.- ele diz e eu rio- Hein?!

Viro-me em sua direção com um olhar sugestivo e seus olhos se arregalam.

- Não...- ele cantarola sorrindo.

Sorrio para ele também e assinto.

- Você está bebendo, amor?- ele me pergunta e meu sorriso se fecha, dando lugar a uma carranca- Estou brincando, princesa.- ele ri se aproximando.

Sorrio para ele e então percebo que ele estava apenas tentando esconder suas lágrimas.

- Está a chorar?- pergunto e ele sorri.

- Estou muito feliz.- ele diz e funga, rindo de leve em seguida-Você sabe desde quando?

- Faz três meses.- digo ele ri.

- Mas já? Três meses?- ele me pergunta e eu rio.

- Sim.

Suas feições se fecham e ele me encara sério. Um alerta soa internamente e meu corpo fica alerta.

- Por que não me disse antes?- ele me pergunta parecendo irritado, porém sua voz calma me impressiona, mas em seus olhos consigo ver a sua chateação.

- Eu queria que você descobrisse, assim como aconteceu agora.

-Ah, claro. E se eu não descobrisse, o que seria complicado, você só iria me explicar quando nascesse?- ele me pergunta se afastando.

Sabe que as vezes se descontrola quando está com raiva, então sempre se afasta para não me machucar.

- Não, eu iria fazer o ultrassom e saberia o sexo, caso ainda não soubesse eu te diria. Faria uma surpresa.

- Obrigado pelo consolo de saber que faria um ultrassom para vê-lo sem mim.- uma tristeza me bate por saber que já fiz seis deles sem Tobias estar junto.

- Tobias, desculpa. E eu não pensei que ficaria chateado.- ele me encara.

Ele estava do outro lado do quarto, uma mão em sua cintura e a outra em seu queixo. Seu olhar se volta para mim ainda mais escuros do que são e ele sorri.

- Eu, obviamente, ficaria muito feliz, certo?- ele diz com dentes cerrados- Era o que passava por sua cabeça?

- Me desculpe. - peço suspirando.

- Por que não pode ser normal? Como os outros casais? Sabe... você comprar uns testes de farmácia e me mostrar dizendo que o resultado foi positivo e depois íamos juntos ao médico confirmar. Juntos, Beatrice!- ele urra e eu não o encaro. Olho para baixo. Estou chateada, mas a raiva também me sobe a cabeça. Minha necessidade de ser dramática grita antes que eu a detenha.

- Eu não sou normal.- faço aspas com os dedos- Quis fazer algo diferente, que te impressionasse, mas pelo visto não ficou satisfeito, certo?! Queria que fosse normal? Tobias, Deus nos deu a condição de sermos pais novamente e você fica fazendo escândalo porque quis te fazer uma surpresa? Antes essa do que uma surpresa dizendo que...- peço perdão e repreendo em minha mente o que salta da minha boca- fiquei estéril pelo acidente de anos. Mas tudo bem, encontre uma mulher que te dê filhos e o conte sobre eles de forma normal!- grito, pegando um vestido sobre a poltrona e saindo do quarto, batendo a porta do quarto com força.

Jogo o hobby no chão e visto o vestido. Pego minha bolsa que estava pousada sabre a mesa.

- Beatrice!- ouço ele gritar, mas corro para o lado de fora do apartamento.

Aperto o botão chamando o elevador rapidamente e assim que entro a porta do apartamento se abre.

-Beatrice!- ele ruge e eu aperto o botão para as portas se fecharem e assim ele desce.

Coloco a mão na minha barriga e respiro fundo.

- Desculpa, meu amor.

Viro olhando para o espelho e vejo meu rosto pálido, ainda mais que o normal. Não sinto nada, nada de tontura ou enjoos, sinto apenas raiva.

Quando as portas se abrem corro para o meu carro e dou partida, vendo pelo retrovisor Tobias saindo pela porta de outro elevador. Ele grita por mim, mas o carro abafa o som. Antes de sair da garagem do condomínio vejo-o entrar em seu carro.

Acelero em direção a clínica, com medo de que algo aconteça.

Olho pelo retrovisor toda hora para ver se ele me segue, mas ele não conhece o caminho.

Ele me liga várias vezes e eu desligo o celular para ele não rastrear. Respiro fundo tentando me acalmar e coloco uma música calma para tocar.

Me acalmo rapidamente e quando chego na clínica entro depressa procurando a doutora McClan.

Sou direcionada à ela, que me manda para o ultrassom preocupada.

Fazemos o exame e percebo que durante ela suspira várias vezes e assim que termina ela sorri.

- O bebê está bem, graças a Deus. - fecho meus olhos agradecendo e sorrio- Ainda não consegui ver o sexo, suas pernas pequeninas impedem, mas vou te passar algumas comidas que vai deixá-lo agitado e talvez da próxima vez consigas um resultado concreto.- ela diz e eu assinto.

Ela começa a preencher uma ficha e logo começa a escrever a receita.

- Tris, se me permite perguntar, o que houve? Eu fiquei muito preocupada. Você entrou pálida.

- Eu briguei com meu noivo, fiquei muito nervosa, e fiquei com medo de acontecer algo, por isso vim direto para cá.

- Fez bem, querida.- ela sorri amavelmente me confortando.

Depois de pegar a receita saio do consultório e decido não voltar para casa. Não agora.

Guio até o parque um parque ecológico da cidade e caminho, vendo as crianças brincarem, correndo para lá e para cá, rindo ou caindo.

Sorrio olhando em volta e penso que Tobias poderia estar comigo se não fosse tão teimoso.

Pensando agora, sei que errei, mas errei com a melhor das intenções, errei sem saber iria errar, mas isso magoou a pessoa que mais amo. Pedi desculpas, mas ele simplesmente ignorou e continuou gritando comigo.

Respiro fundo e tento esquecer. Me sento em um dos bancos, sob uma árvore florida, linda. A sombra que a árvore faz é fresca e gostosa.  Suspiro e olho em volta. Vejo um pequeno trailer onde vende sorvete, me levanto indo até lá. 

Peço um potinho com sorvete de chocolate, morango, algumas frutas e cobertura. Assim que pago volto ao banquinho e me sento olhando em volta.

Vejo algumas menininhas brincando, sentadas no chão. Uma delas, se levanta olhando para os lados, talvez à procura dos pais. Seus olhos param em mim e os vejo brilhando. Ela corre em minha direção e seus olhos realmente estão marejados.

Ela é linda. Sua pele é morena, quase um chocolate, seu cabelo cacheado estava preso em um rabinho, formando um pequeno pomponzinho, seus olhos eram escuros, quase pretos, e os mesmos brilhavam com as lágrimas que estavam prestes a cair.

- Tia, minha bonequinha quebrou.-ela diz com a voz suave embolada, por ser novinha, apontando a boneca para mim e faz um biquinho, segurando o choro.

Coloco meu potinho de lado.

- Calminha, vou tentar arruma-la. Por favor, não chore.- digo passando minha mão por seu pequeno rosto.

Ela assente e se senta no chão.

- Sente aqui.- digo para ela, que se levanta, sentando ao meu lado.

- Quer sorvete?- ofereço o meu para ela e ele meneia a cabeça sorrindo.

Tento colocar o braço na boneca, mas parece que não quer entrar.

- Onde estão seus pais?- pergunto olhando rapidamente para ela, mas volto a minha atenção para a boneca.

- Eu não sei. Estavam aqui até agora.- ela diz e eu sorrio.

- Vamos achá-los.- prometo sorrindo.

Percebo que ela me encara enquanto tento arrumar a sua pequena boneca.

- Você é bonita.- ela e eu sorrio.

- E você é linda!- digo e ela ri.

- Obrigada.- diz envergonhada.

- Quantos anos tens?

- Eu tenho quatro. E você?

- Eu tenho vinte e um.- respondo sorrindo para ela.

- Nossa! Você já é casada?- ela me pergunta com seus olhinhos curiosos, ela é realmente linda!

- Quase.- rio ao responder e ela sorri.

- Cadê ele?- ela olha para o lados, mas depois volta a sua atenção para mim.

- Não veio.- suspiro ao lembrar de nossa briga.

- Ah. Queria ver como ele é. Tem que ser bonito. Você é bonita. Ele é bonito.- ela diz mexendo as mãozinhas e eu rio, quase não entendendo o que ela diz, por ter dito rápido e embolado.

- Sim, ele é bem bonito.- digo e ela sorri- Quer ver uma foto?- pergunto e ela assente rapidamente.

Ligo meu celular e uma penca de ligações perdidas e mensagens do Tobias preenchem a tela de bloqueio.

Ignoro e desbloqueio o celular entrando na galeria.

Pego a primeira foto minha e do Tobias, mostrando para ela.

- Uau! Ele é muito bonito.- ela diz baixinho e eu rio.

- Sim, ele é sim.- respondo rindo enquanto ela juntas suas mãozinhas e as pousa sobre as pernas magras.

- Graças a Deus.- ouço baixo- Beatrice!- a voz de Uriah me grita escandalosamente.

Rio de como ele anda, como se estivesse bêbado.

- Tobias está louco atrás de você!- ele diz se sentando ao meu lado, ofegante- Hum!

Ele começa a tomar meu sorvete e eu o olho com uma carranca.

- Cara de pau!

- Vamos voltar, louca! Ele está ficando doido.

- Ele já estava quando brigou comigo.- respondo e enfim consigo encaixar a boneca.

- Obrigada, obrigada!- ela diz pulando e me abraçando- Mamã! - ela aponta para uma mulher um pouco afastada da gente. A filha era igualzinha a mãe, só que menor. Sorrio com isso.

Sua mãe acena para mim e eu aceno de volta.

- De nada, meu anjo. Como é o seu nome?

- Mia.- ela me responde com sua voz fininha e eu sorrio.

- Eu gostei de te conhecer, Mia.- eu digo e ela sorri.

- Eu gostei de te conhecer também. Tchau. Obrigada!- ela acena com a mãozinha e eu sorrio tentando imaginar como vai ser o meu bebê. Aceno de volta e ela saltita até sua mãe, que quase grita um "obrigada" e eu somente aceno em resposta.

- Hum, estava uma delícia! - Uriah diz jogando o potinho no lixo.

- Seu cara de pau! Vai comprar outro pra mim.- digo rindo e ele ri se levantando e buscando outro.

Levo um susto quando meu celular começa a tocar no bolso do vestido. Vejo o visor. Tobias.

Suspiro cancelando a chamada e volto a guardar o celular.

- Aqui.- ele diz me entregando.

- Obrigada. - Agradeço rindo.

- Tris, o Tobias está mal. Está desesperado atrás de você.- ele diz e eu suspiro.

- Nós brigamos hoje mais cedo.

- Ele falou. Só não disse o motivo.- ele me olha curioso e eu rio.

- A curiosidade matou o gato.- brinco e ele ri- Eu estou grávida.

- Meu Deus! Sério?- ele pergunta se levantando.

- Sério.

- Parabéns!- ele se senta e me puxa para um abraço de lado e já aproveito e fico ali. Encosto minha cabeça em seu peito e suspiro.

- Obrigada.- sorrio.

- Mas isso é uma ótima notícia! Por que ele estava revoltado?- me questiona.

Eu respiro fundo e o encaro.

- Eu não havia dito a ele. Pensei que seria legal se ele... percebesse.- digo.

- Não entendi.

- Tipo... se ele percebesse pelo aumento da minha barriga.- respondo.

- Ah sim!- ele sorri- E já dá para ver?- ele pergunta.

Passo a mão sobre a o vestido, juntando-o à minha pele, mostrando a pequena elevação, mesmo que já tenha três meses está bem pequena.

- Meu Deus, que gracinha!- ele diz colocando a mão sobre ela.

Sorrio e abaixo a minha cabeça.

- Ele ficou bravo porque não tinha contado antes?- ele pergunta e eu assinto- Sinto muito, Tris. Mas vamos voltar para casa, por favor. Ele não está bem e você também não. Por favor.

Suspiro e me levanto. Uriah levanta também e me leva até o carro.

- Consegue ir só? - ele me pergunta e eu assinto- Tudo bem, não fuja da rota, Beatrice!

Sorrio e entro no carro.

Dirijo até em casa. Estaciono o carro na garagem e subo pelo elevador até o nosso andar.

Pego a chave dentro da bolsa e abro a porta.

Todos estavam lá em casa. Minha mãe, meu pai, Vó Edith, Zeke, Shauna...

- Graças a Deus!- minha mãe vem e me abraça, mas estou bastante ocupada encarando Tobias.

Seus olhos estão vermelhos e seu rosto molhado. Ele funga e passa o dorso da mão pelos olhos. Retribuo o abraço de minha mãe, ainda o encarando e logo ela se afasta.

-Vamos deixar vocês conversarem. - ela diz e abre a porta colocando todos para fora, mas meus olhos continuam nele.

Ouço a porta se fechar e suspiro.

Meu orgulho me impede de pedir mais desculpas do que já foi pedido.


Notas Finais


HAHA, eu dei um sustinho em vocês, não dei? Na parte da Chris e do Will.

😂

Eu espero que tenham gostado do capítulo, não esqueçam de deixar as perguntas para "os personagens te respondem" nos comentários, ok?!

Um beijo, amoreees❤

Obrigada por tudo😍😙😙😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...