História Os Marotos: A Segunda Geração - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Barão Sangrento, Dominique Weasley, Fred Weasley Ii, Hugo Weasley, Lílian L. Potter, Lorcan Scamander, Louis Weasley, Lucy Weasley, Lysander Scamander, Molly Weasley II, Murta Que Geme, Personagens Originais, Rose Weasley, Roxanne Weasley, Scorpius Malfoy, Ted Lupin, Tiago S. Potter, Victoire Weasley
Tags Corvinal, Grifinória, Harry Potter, Hogwarts, Lufa-lufa, Magia, Marotos, Segunda Geração, Sonserina, Tiago, Trouxas
Exibições 59
Palavras 1.564
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Magia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem, boa leitura

Capítulo 2 - Estação King's Cross


-Nina, meu amor, desce logo, você vai se atrasar!

Nina acordou com o grito de sua mãe. Ela afastou os cabelos loiros que estavam caídos em seu rosto e se sentou. Levou alguns segundos para ela se acostumar com o sol da manhã refletindo em seus olhos castanhos escuros. Ela olhou para o relógio ao seu lado e se deu conta que não acordou com o despertador das 7:30, já eram 8:30, ela ia se atrasar. Ela agarrou a roupa que separou ontem à noite e se vestiu, correu para o banheiro, lavou o rosto e escovou os dentes. Ela queria tomar banho antes de sair, mas não ia dar tempo, seus pais iam deixar sua irmã na sua escola antes de deixá-la na estação de King's Cross. Ela desceu as escadas correndo, sentindo o cheiro de bolo antes mesmo de entrar na cozinha.

-Deixa eu adivinhar, você não acordou. - Sua mãe a lançou um olhar acusativo enquanto enchia sua caneca de leite com achocolatado.

-Desculpa, só acordei quando você me gritou.

-Sinceramente querida, - seu pai começou a falar de boca cheia - não sei como consegue acordar na sua escola.

-Lá é mais fácil, Aline e Chloe me acordam se eu não ouvir o despertador.

-Mãe, cade meu celular? - Pyetra, a mais nova da casa, apareceu na porta da cozinha.

-Eu peguei ele, só vou te dar quando terminar de arrumar. - Sua mãe tirou o celular do bolso e mostrou para a menor. - Você nunca arruma rápido quando fica com ele.

A menina bufou irritada e voltou a subir a escada.

-Nina, você viu isso? - Seu pai mostrou o jornal para ela.

A matéria principal era, como sempre, sobre o mundo bruxo. Desde o ataque ao edifício do A Cidade o mundo inteiro só fala na comunidade bruxa. Já se passaram dois meses e eles ainda não se acostumaram ao fato. O Ministro da Magia aparece todos os dias na televisão ao lado do Ministro Britânico falando sobre a nova lei bruxa que protege mais ainda os trouxas e promove uma convivência aberta. A matéria de hoje fala sobre escolas que foram convidadas a passarem o ano em escolas bruxas.

-Eu soube, a diretora McGonagall falou sobre isso na carta desse ano.

-Que escola deve ser? - Sua mãe comentou enquanto acabava de fazer sua marmita. - Será que foi sorteio?

-Mais ou menos. - Nina falou. - McGonagall escreveu que na Inglaterra foi um sorteio entre as escolas públicas, foi selecionada uma e os estudantes do sexto ano para frente vão estudar lá. Mas não sei como funciona nos outros países.

-Ouvi dizer que a escola Hallyu que foi selecionada. - Pyetra voltou para a cozinha, agora de maquiagem completa.

-Hallyu? Não é a sua escola antiga, Nina?

Nina engoliu em seco. Suas lembranças da escola antes de Hogwarts não eram tão boas assim. Eles riam dela por causa de seu sotaque e seu nome e ela era excluída de todas as rodas de conversa. Seus pais são búlgaros, ela nasceu na Bulgária e búlgaro é sua língua materna. Nina é só um apelido, para diminuir seu nome verdadeiro, Nikolina. Pyetra nasceu quatro anos depois dela, quando eles se mudaram para a Inglaterra por causa do trabalho de sua mãe, Pyetra ainda era muito pequena e não tinha aprendido a falar búlgaro direito, mas para Nina foi difícil se acostumar.

-Bom, isso deve ser bom para aproximar as pessoas normais dos bruxos. - Seu pai vestiu o casaco do terno. - Aposto que eles vão adorar a escola.

-Falando nisso, McGonagall disse que no Natal os pais dos alunos nascidos trouxas podem visitar a escola.

-Sério? Ia ser incrível! - Sua mãe parou sua correria matinal por um momento ao ouvi a notícia.

-Eu posso ir também não é? Por favoooor. - Pyetra fez um beicinho.

-Sim, isso inclui os irmãos também! - Nina empurrou a testa de sua irmã com o dedo indicador.

-Ai meu Deus, olha a hora!

Sua mãe olhou no relógio de pulso, dando pulinhos apressados por toda a casa pegando coisas que ela esqueceu. Já eram 9:30 e eles ainda tinham que deixar Pyetra na sua escola. A mala de Nina já estava no carro então ela agarrou a gaiola de Gyla, sua coruja, e saiu de casa.

Quando Pyetra saiu do carro ela deu um abraço rápido na irmã e entrou no colégio, acenando para eles na porta. A estação de King's Cross era meia hora da escola da menor, eles chegaram la 10 horas em ponto.

-Tem certeza que todos os seus livros estão ai? E calcinha? Tem o suficiente? Se não eu posso mandar mais. Você alimentou a Gyla? São várias horas de viagem, ela tem que viajar de barriga cheia. Assim que chegar la escreva uma carta, ta bom? Promete?

-Sim mãe, meus livros estão aqui, eu tenho muita roupa, eu dei comida pra Gyla e vou te escrever quando chegar la, eu prometo.

A mãe de Nina estava preocupada como todos os dias 1 de Setembro de todos os anos desde que ela estava no primeiro ano de Hogwarts. O pai estava empurrando seu carrinho enquanto observava a estação.

-Meu Deus, olha aquilo.

Nina olhou em volta. Vários repórteres estavam na frente da passagem para a plataforma 9 3/4, entre a plataforma 9 e 10. Aurores, trouxas curiosos e outros irritados insultando todo bruxo que viam também enchiam o lugar. Mais próximo de Nina estava um grupo de trouxas da mesma idade que ela recebendo instruções de um professor também trouxa acompanhado de um auror. A maioria dos alunos não prestavam atenção e riam dos insultos dos outros ou só conversavam animados.

-Gente, aquela não é a cabelo de gema? - Uma menina morena apontou.

Nina sentiu um frio na barriga, como se estivesse caindo de um prédio de quinze andares.

-É ela mesmo. - Uma segunda falou, puxando uma onda de risadas entre o grupo de meninas e mexendo em seu cabelo castanho. - O que ela faz aqui? Veio ver os bruxos? Desculpa querida, mas quem pode entrar são só os bruxos e a gente.

-Sim, daqui a pouco eles vão liberar a passagem para a gente, você pode ficar ai morrendo de inveja.

-Cabelo de gema? - Sua mãe se virou para Nina. - Quem são elas, Nina?

-Ninguém mãe, ninguém mesmo.

Nina fez menção de continuar a andar, mas foi parada por um auror. Ele pediu a passagem do Expresso de Hogwarts. "Medidas de segurança, vários trouxas tentaram passar e acabaram no hospital, desculpa o incômodo".

-Ela está nos ignorando? - A morena deu um passo para frente. - Ainda não aprendeu a falar inglês, burrinha? Não ouviu o que a Haley falou? Você não pode passar, só bruxos e nós.

Elas falavam com orgulho no tom de voz. Por fim Pyetra estava certa, o colégio Hallyu foi escolhido para passar um ano em Hogwarts e assim como grande parte dos colégios britânicos as pessoas quase nunca se mudam de instituição. Claro, tem casos isolados, como Nina que foi para Hogwarts ou sua amiga, Lane, que se mudou de cidade, mas em geral são as mesmas pessoas até se formarem.

Nina sempre foi isolada naquele colégio, mas depois que Alex, um garoto que todas a meninas queriam namorar na época, a defendeu na frente de todo mundo os insultos aumentaram. Foi ai que surgiu o "cabelo de gema", além da cor dele ser loiro uma vez jogaram ovo nela na saída da escola, ai que o apelido pegou. Quando ela se mudou para Hogwarts ela não entrou mais em nenhuma rede social por la não ter acesso a internet, mas quando voltava para casa e via suas mensagens só tinham insultos e piadas, ano após ano, como se ela nunca tivesse saído de la. Sempre que as coisas ficam chatas eles lembram da menina búlgara que não sabia inglês.

-Tudo certo, pode passar. - O auror devolveu a passagem do Expresso de Hogwarts para Nina. - Os senhores não, só ela.

-Não se esqueça da carta. Amamos você. - Sua mãe lhe deu um abraço apertado e longo.

-Adeus amor, até o Natal. Me manda cartas também senão vou ficar com ciúmes. Te amo.

-Também amo vocês, pode deixar que eu entro em contato.

Nina pegou seu carrinho e se distanciou da passagem. Não faz diferença alguma entrar na passagem andando ou correndo, mas Nina gostava de correr, ela gostava de esperar uma batida feia e então não acontecer nada.

-Finalmente entendeu onde é seu lugar, cabelo de gema? - Uma menina de cabelo preto disse, arrancando gargalhadas das outras.

Quando ficou satisfeita com a distância, Nina parou e acenou uma última vez para seus pais. Um segundo antes de começar a corrida até a passagem ela olhou de relance para as meninas que riam dela. "Pelo menos vou ter um gostinho de vingança hoje". E correu. Correu em direção a parede que separa a plataforma 9 da 10, mas quando chegou perto da parede de tijolos ela não parou. Ela não teve medo, tem feito isso desde o seu primeiro ano. Por um momento ela estava cercada pela escuridão, mas no outro segundo ela viu a plataforma 9 3/4 com a fumaça do Expresso de Hogwarts tampando boa parte de sua visão. Ela finalmente estava voltando para a sua segunda casa


Notas Finais


Favoritem e comentem se gostaram, realmente ajuda muito. Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...