História Os olhos verdes Avada Kedavra. - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Personagens Originais
Tags Dark Harry, Harry/tom, Lord Dark
Exibições 187
Palavras 12.639
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Slash, Violência
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 10 - Sangue e Mágica


Fanfic / Fanfiction Os olhos verdes Avada Kedavra. - Capítulo 10 - Sangue e Mágica

Alvo estava se sentindo velho, ele não conseguia se lembrar da última vez que se sentia assim. Como as coisas tinham ido tão errado? Ele tinha certeza de que a pedra era seguro, mas agora ele se foi e era altamente provável que Voldemort tinha. Só Merlin sabia o que Voldemort seria capaz de fazer com um artefato tão poderoso.

O ano passado não tinha ido como ele esperava. Começando com Harry e terminando com o roubo da Pedra, que não tinha visto nada disso vindo.

Ele sabia que Voldemort queria a pedra, ele sabia que Voldemort estava no castelo, mas durante todo o ano não houve nenhuma tentativa de roubar a pedra. Albus até pensou que Voldemort queria dar-lhes uma falsa sensação de segurança, mas quando a pausa de Natal tinha ido e vindo e ainda havia nada, Albus começou a pensar que talvez ele estava errado.

E não era apenas o fato de que Voldemort não tinha tentado nada contra a pedra, foi também o fato de que ele não tinha tentado nada contra Harry, que o deixou atônito.

Não que ele quisesse Harry prejudicado,mas era algo para o qual ele tinha preparado, no entanto, nada tivesse acontecido. Ele tinha pensado que teria sido impossível para Voldemort para resistir a atacar Harry, mas tanto quanto ele não sabia mesmo um fio de cabelo na cabeça de Harry tinha sido tocado. Claro, ele estava feliz que nada tinha acontecido com Harry, mas ainda era algo que ele não esperava.

Harry, Harry foi outro fator que o surpreendera, ele estava esperando Harry a ser selecionado para a Sonserina, o que ele não esperava era o que Harry tinha feito na Sonserina.

Considerando que muitos dos filhos dos Comensais da Morte estavam na Sonserina e muitos estudantes não acreditavam em ideais de sangue puro, ele estava esperando que Harry seria muito isolado lá. Ele tinha pensado que Harry iria manter a cabeça baixa, tentando não ser notado. Ele tinha sido parcialmente certo, no início Harry foi isolado, falando apenas com o jovem Theodore Nott, e não tinha que em si foi surpreendente? De todos os alunos, Nott não foi o que Albus tinha pensado teria amizade com Harry, considerando as lealdades de seu pai e avô. No entanto, eles haviam se tornado muito próximos e mais tarde Marcus Jugson, que Severus tinha certeza de Harry tinha enviado para a enfermaria com ossos quebrados, juntou-se ao pequeno grupo.

Foi quando ele começou a temer os caminhos que Harry poderia tomar.

Marcus Jugson era um supremacista puro-sangue auto-declarada e Albus estava certo de que Harry desprezado trouxas, que poderia dizer que ele não sente o mesmo por nascidos trouxas?

As preocupações de Albus cresceu após a pausa de Natal. Ele pode não ter sido um Slytherin, mas ele sabia o que um Tribunal foi quando viu um. E no meio, mostrando claramente a sua posição, era Harry.

Albus suposto que ele deveria ter esperado algo assim, e uma parte dele disse a si mesmo que ele não tivesse sido um pouco surpreso, que ele estava esperando por isso, mas a verdade mais pura se que Harry que institui o Tribunal ainda não tinha cruzado a mente dele.

As preocupações de Albus cresceu drasticamente, ele estava esperando estudantes de outras casas para ser atacado, ele estava esperando insultos, ele estava esperando os sonserinos, especialmente os membros do Tribunal, para caminhar ao redor de Hogwarts como se fossem donos do lugar, ele estava esperando muitas coisas. Então, dizendo que ele ficou pasmo quando nada aconteceu foi um eufemismo.

Ao contrário do que ele esperava, os Sonserinos parecia ser mais calma; eles não começar nenhuma briga, eles não fazem o divertimento ou insultar outros estudantes, eles não causam nenhum problema em tudo. Eles pareciam estudantes exemplares. E não era apenas o seu comportamento que tinha mudado, a maioria dos Sonserinos tinham notas mais altas, eles pareciam estar fazendo o seu melhor para obter as melhores notas poderiam.

Albus não tinha ideia do que estava acontecendo, mas ele tinha certeza de que Harry era o responsável, agora ele só precisava de saber o objetivo de Harry era. Se fosse outra situação, ele teria encontrado ridículo pensar que uma criança tinha planos, objetivos. No entanto, desde que ele tinha visto a partir de Harry, pensou que a pergunta certa a fazer era o que esses objectivos foram, não se tinha algum.

Balançando a cabeça ligeiramente, ele olhou para as janelas bem a tempo de ver uma coruja com o Profeta Diário em suas garras voando através. Foi mais tarde que ele tinha pensado se o jornal estava sendo entregue, ele não tinha notado que ele tinha passado tanto tempo ponderando os acontecimentos do último ano escolar. Os professores que estavam no castelo eram mais do que provável que quase terminou com seu pequeno-almoço, que seria melhor se tivesse a sua refeição em seu escritório, ele poderia chamar um elfo doméstico para entregá-lo.

Qualquer pensamento que ele tinha sobre a chamada de um elfo desapareceu de sua mente quando ele viu a cabeça-line do Profeta Diário.

Ele leu a entrevista em um instante e quando ele foi feito, ele só poderia olhar para o jornal, atordoado. Ele supôs que ele deveria ter visto isso vindo, mas apenas como com o Tribunal que ele ainda não tinha pensado sobre a possibilidade, depois de tudo o que ele sabia que deveria ter, mas ele não tinha. Era como jogar xadrez com um adversário que se seguiu um conjunto diferente de regras; você não poderia prever seu próximo movimento, porque você estava jogando dois jogos diferentes, mesmo se o nome do jogo foi o mesmo.

Sua atenção foi tirada do jornal quando ele recebeu uma advertência das enfermarias que ele tinha em torno da entrada para o escritório dele, dizendo-lhe que alguém estava a caminho. Albus iria apostar todos os seus gotas de limão que era Severo.

Alguns segundos depois, ele ouviu uma batida na porta e antes que ele tivesse a chance de dizer ' entrar ' a porta foi aberta e Severus praticamente invadiram, uma cópia do Profeta Diário nas mãos.

Ele não precisa ser um vidente para saber o que Severus queria falar.

"Eu suponho que você leu-o o Profeta?"

A única resposta Albus conseguiu foi um olhar enquanto Severo se sentou na cadeira em frente a ele.

"Eu sabia que o pirralho era exatamente como seu pai. Ele só quer fama e atenção."

Albus levantou uma sobrancelha; de todas as coisas que ele tinha pensado sobre a entrevista, que não tinha sido um deles.

"Você realmente acredita nisso?" ele perguntou ao Mestre de Poções, prestando muita atenção a ele. Severus parecia idade na frente de seus olhos.

"Claro que não, o moleque é completamente diferente de Potter, mas acreditando que é melhor do que a alternativa."

"Que ele está usando a imprensa para promover seus objetivos, embora eu não tenho nenhuma idéia do que esses objectivos são. Ele não perdeu tempo em usar sua posição como o Menino-Que-Sobreviveu para seu próprio ganho." Severo declarou com um sorriso, só porque ele não achava que ele era como seu pai não queria dizer que ele gostou do pirralho.

"Ele nunca pediu para essa posição, que foram os que deram a ele. Nós foram os que criaram o ' Menino-Que-Sobreviveu ". O mundo queria um herói, por isso criou um. Ele é um Slytherin, faz ele realmente surpreendê-lo que ele se aproveitou da situação? "

Severo não respondeu, e Albus sabia que ele não iria. Ambos estavam conscientes de que devem ter pensado na possibilidade de Harry usando sua fama, ele não deveria ter sido tão grande de uma surpresa.

"O que você vai fazer sobre o artigo?" Severus perguntou.

"Fazer? O que quer dizer fazer?"

"Todos no Mundo Mágico vai ler que as vidas Menino-Que-Sobreviveu em um orfanato, estou certo de que mais de uma família vai querer adotá-lo. Talvez seja melhor se nós o levamos para os Dursley."

"Não há nada que eu possa fazer, além de pedir a algumas famílias que são de confiança para tentar adotá-lo. Eu não estou muito preocupado no momento, você sabe que essas coisas levam tempo. Além disso, Harry já é doze, naquele idade pedem ao filho se ele quer ser adotado pela família, eu não acho que Harry vai deixar qualquer um adotá-lo. Fazendo Harry ir para os Dursley seria um dos maiores erros que eu poderia fazer toda a razão para.. ele ter sido enviado para os Dursley, em primeiro lugar foi por causa da proteção do sangue de Lily deu a ele. No entanto, essa proteção é muito longe. Em qualquer caso, você sabe tão bem quanto eu que Harry despreza trouxas, eu nem quer pensar sobre o que ele faria para os Dursley se irritou. "

"Ele iria matá-los." Severus disse a ele com certeza; ele não duvido nem por um segundo a verdade de suas palavras.

"Severo..."

"Você não 'Severus mim. Você sabe tão bem quanto eu o que ele fez naquele orfanato. Que garantia você tem que ele não vai fazer o mesmo aqui? Como você sabe que ele não tenha já feito -lo? Eu sabia que nunca deveria ter trazido o moleque aqui. Ele deveria ter morrido naquele Dia das Bruxas, pelo menos, então não teríamos que lidar com ele! "

Severus quase gritou, surpreendendo Albus. Não importa o quanto Severus odiava James e tudo Potter, não importa quão apreensivo ele era na direção de Harry, ele nunca pensou que ele desejaria Harry morto. E Severo queria que ele não tivesse dito isso apenas para desabafar, foi realmente o que sentia. Ele não conseguia entender como alguém poderia desejar uma criança de um ano de idade, tinha morrido. Decepção encheu seu ser; ele esperava que Severus teria sido capaz de superar sua amargura, aparentemente, que a esperança tinha sido em vão.

"É mesmo? Você quer cuidar dele agora, então? Você quer que eu segurá-lo enquanto você dispara um ' Avada Kedavra ' para ele?" embora seu tom era leve, seus olhos tinham perdido o seu brilho habitual e foram frio como gelo.

"Não olhe para mim desse jeito!" Severus rosnou, "Você sabe que ele torturou as crianças e que o menino eles disseram se matou! Eu sei que foi ele que o matou. Ele deve, no mínimo, estar em Azkaban!"

Albus sabia que o que ele ia dizer a seguir foi um golpe baixo, mas Harry foi seu aluno e enquanto ele era ele iria fazer o seu melhor para protegê-lo.

"O que te faz tão diferente de Harry?"

Severus olhou para ele com os olhos apertados.

"O que você quer dizer?"

"Você torturados e mortos em nome do Dark Lord Voldemort e por sua causa. Você tem uma segunda chance, por que não Harry, uma criança, merecem um?"

Albus viu Severus pálido e algo como traição brilhou em seus olhos. Ele continha um suspiro, ele sabia que era um golpe baixo, ele sabia que Severus lamentou tudo o que ele tinha feito no serviço do Senhor das Trevas, ele sabia que ele passou muitas noites em claro com assombrados por essas memórias, mas Albus não me arrependo do que ele tinha dito. Harry foi seu aluno e ele não permitiria que qualquer um de seus alunos a ser ameaçada. Além disso, Harry era a única esperança contra Voldemort.


"Isso pode ser verdade," Severus respondeu, mal escondendo sua raiva: "Ainda que eu não começar a torturar e matar antes de eu era ainda idade suficiente para vir para Hogwarts. Eu não estabelecer um Tribunal antes mesmo de eu terminar o meu primeiro ano . Eu não me cercar os melhores alunos dentro e fora do meu ano. Eu não dei uma entrevista para influenciar a opinião do público sobre mim. Eu não se comportam como um Dark Lord subindo. " no momento em que Severus alcançou a última frase que ele estava de pé e tinha a manga de seu manto puxado para cima, mostrando a Marca Negra no seu braço. Estava escuro e até mesmo Albus, que estava sentado do outro lado da mesa, podia sentir a magia dele. "Considerando tudo, o que o faz acreditar que ele não vai ter um destes, o que faz você acreditar que Potter não vai se juntar a ele? Ele está de volta, Albus, você sabe que ele é. Nós não podemos lutar contra dois Senhores das Trevas."
 

Albus suspirou, ele próprio tinha feito a mesma pergunta e o único consolo que ele tinha quando ele não conseguiu encontrar uma resposta, foi que Voldemort nunca partilhar o poder, muito menos com Harry Potter; o rapaz que causou sua queda.

"Você realmente acredita que Voldemort jamais iria aceitar o Menino-Que-Sobreviveu em suas fileiras?" ele perguntou, certo de que ele estava certo, "Além disso, há sempre a profecia ..."

"A profecia?" Severus perguntou olhando para ele, incrédula, "Onde, em que a profecia maldita, que diz que aquele que tem o poder de tirar o Senhor do Escuro é a luz? Se, em que a profecia maldita, que diz que ele está indo para matar -lo para nos salvar? tanto quanto sabemos, Potter poderia fazê-lo para tomar seu lugar! e você faz nada enquanto ele cria a sua base de apoio, enquanto ele cresce e se torna mais poderoso, adquirir mais conhecimento. Você deve agir! Agora, quando ainda é possível controlá-lo, mesmo se você tem que quebrá-lo e fazê-lo a arma pequeno perfeito! "

Até o final de que ele estava quase gritando. Ele estava tão fora de si, que ele nem percebeu que o escritório tinha ficado mais frio. Somente quando várias coisas no escritório começou a tremer, fez os dois homens perceber o quanto de magia de Albus estava solto e Alvo se controlou rapidamente. Severus empalideceu um pouco, por um momento, ele tinha esquecido que Albus Dumbledore era o único que podia situação de igualdade com o Lorde das Trevas.

"Você está falando de um ser humano, Severus," Albus acabou dizendo, quando ele teve sua magia sob controle ", uma criança. Uma criança que vai proteger com o melhor de minhas habilidades, assim como eu tento fazer com todo o meu estudantes! "

Depois de alguns segundos, Severus balançou a cabeça.

"Isso ... criança , é o que eu considero pura maldade. Eu só espero que quando você finalmente vê-lo, ele não vai ser tarde demais."

Severus saiu do escritório, sem esperar pela resposta de Albus, deixando o diretor sentir mais velho do que ele era.

Alvo balançou a cabeça, Severus não conseguia entender o quão difícil a situação toda era para ele. Ele não era nem cego nem estúpido. Ele sabia muito bem o que Harry era capaz, mas isso não muda o fato de que ele era uma criança. Uma criança como o seu pequeno Ariana, uma criança como o pequeno Tom Riddle. Ele lhes havia falhado, mas por Merlin que ele ia fazer tudo ao seu alcance para não falhar a criança que Harry era mais do que ele já tinha.

_________________________

Malfoy e Harry estavam tomando café da manhã quando um elfo doméstico apareceu e deu a Lúcio o jornal. Ele não perdeu a forma como os olhos de Harry foram imediatamente atraído para o papel, ou o sorriso pouco malicioso que apareceu em seus lábios. Seu filho notou que Harry estava olhando, e seus olhos se encheram de realização.

Curioso sobre o comportamento dos dois rapazes, Lúcio abriu o jornal e teve que se controlar para não mostrar sua reação à primeira página.

Ele leu o artigo em tempo recorde e, quando ele terminou, ele não podia deixar de olhar para Harry e, quando viu que o sorriso satisfeito que ele sabia que não tinha sido uma coincidência, ele sabia que Rita Skeeter não apenas chocar-se com Harry . Ele havia planejado e ele apostaria que não havia uma única palavra nesse artigo que Harry não queria lá, porque ele sabia que tipo de artigos Rita escreveu e ela nunca teria escrito que determinado artigo na esse ângulo. Ele teria gostado de saber o que Harry tinha feito para torná-la a escrever dessa maneira.

Lucius tinha certeza de que a entrevista serviu a um propósito, Harry não tinha acabado de dar uma entrevista, porque ele sentiu como ele, ele simplesmente não sabia o que Harry queria alcançar com ele.

Ele não tinha nenhum problema em admitir que Harry fascinava; a criança se comportou como um Lorde das Trevas.

Muitas pessoas diriam que ele se comportou como um Slytherin, que era impossível para uma criança a agir como um Lorde das Trevas, mas Lucius não poderia concordar. Sim, Harry foi um perfeito Slytherin, mas pelo que ele tinha visto, especialmente quando seus amigos tinha vindo para o seu aniversário, foi o comportamento de um Lorde das Trevas. Primeiro, ele havia estabelecido sua base, então ele espalhar suas crenças, e, finalmente, ele conseguiu uma posição de poder, esses foram os três primeiros passos de um Lorde das Trevas tinha de tomar, era incrível que Harry já tinha feito aos doze anos. Concedido, foi um pequeno base de poder, apenas alguns alunos, mas isso não importava, ele tinha certeza de que Harry poderia levá-la ainda mais.

As pessoas poderiam considerar os fundamentos para um político, ou para quem aspirava a deter uma posição de influência, e, normalmente, Lucius teria concordado, mas neste caso ele não podia, e não depois de ver as expressões do que ele supunha ser Tribunal de Harry. Aqueles que não eram expressões de ganância ou interesse temporário que desaparecem assim uma melhor oportunidade apareceu. Não, as expressões que ele tinha visto eram as mesmas que as que ele tinha visto em muitos Comensais da Morte do círculo interno, eles podem não ter sido tão intenso, mas eles estavam lá e que o fascinava tanto quanto ele aterrorizava.

Ele fascinou, porque ele realmente acreditava que ele estava testemunhando o surgimento de um Lorde das Trevas.

E isso o aterrorizava, porque ele acreditava que seu filho já tinha escolhido um lado e ele não achava que era o mesmo que ele estava.

Era algo que ele já tinha pensado, mas apenas cerca de duas semanas atrás ela começar a assustá-lo, porque há duas semanas a sua Marca Negra tinha queimado e tinha-se tornado tão escuro como o dia que ele tinha recebido, e ele sabia; seu Senhor estava de volta.

Por vários minutos, ele não tinha sido capaz de fazer qualquer coisa; ele simplesmente olhou com incredulidade em sua marca. Depois de dez anos, ele tinha perdido a esperança de que o seu Senhor jamais iria voltar, mesmo sabendo que o Senhor tinha dito que ele era imortal, esses dez anos sem notícias lhe tinha feito acreditar que o seu Senhor realmente tinha sido destruído, então ele não foi nem um pouco preparada quando o sinal começou a pulsar com magia.

Depois de ficar sobre seu estupor, ele havia se tornado quase histérica. Seu Senhor estava de volta! The Dark não foi perdido! Seu Senhor iria lutar por seus ideais e desta vez que iria ganhar.

Essa sensação de euforia e alívio durou até a hora do almoço.

Quando, durante o almoço, ele viu a cicatriz condenados na testa de Harry, ele havia congelado durante vários segundos.

Como ele poderia ter esquecido que Harry Potter era inimigo do seu Senhor?

É claro que ele não tinha esquecido que era Harry Potter, mas ele era tão diferente do que ele havia imaginado que, por alguns momentos, ele tinha esquecido que o seu Senhor viu Harry Potter como um adversário. Por alguns momentos, ele tinha esquecido que eram inimigos.

Esse foi também o momento em que viu seu filho olhar para Harry e ele sabia, assim como sabia que, após o seu Senhor foi a escolha certa, que Draco tinha escolhido o seu Senhor e não era o mesmo que o seu.

Ele admitiu para si mesmo que só de pensar nisso o aterrorizava, ele nunca iria forçar o filho a seguir seus passos. Não importa o que a Luz disse, seu Senhor nunca marcou qualquer um que não realmente deseja segui-lo e Lucius amava seu filho demais para forçá-lo a ser algo que ele não quer ser.

Ele tinha acabado de nunca pensei que uma situação como a que ele estava em algum dia ocorrer, seu filho e ele estavam em lados opostos e se a guerra fosse para sair ...

Lucius não queria nem pensar nisso. Se ele estava sendo honesto, ele nem sequer sabe como imaginar a situação. Ele só não podia imaginar Harry lutando por Dumbledore, ou por seus ideais, ele não podia ver Harry lutando para a Luz.

Por uma fração de segundo, ele entreteve a idéia de Harry se juntar ao seu Senhor, mas era uma noção tão ridícula que ele teve de conter um suspiro, que a criança não tinha nascido a seguir.

Então, o que seria acabar por ser? A batalha entre dois Senhores das Trevas? Escura contra escuro?

Novamente foi algo que o assustou tanto quanto fascinava, não importava quem ganhou, ele tinha certeza de que ele teria sido um confronto que iria entrar para a história.

A notícia de que o seu Senhor foi novamente teve não só o fez perceber que ele tinha em sua casa um inimigo em potencial, ele também o fez mudar vários dos seus planos.

No início do verão, ele tinha pensado sobre o uso de um determinado diário que seu Senhor tinha deixado com ele para arruinar os Weasleys. No entanto, agora que o seu Senhor estava de volta, ele não acreditava que era uma boa ideia. A melhor opção era para ele esperar por seu Senhor entrar em contato com ele.

"Posso ver o papel, pai?"

A voz de seu filho trouxe de volta ao presente e viu Harry olhando inocentemente para ele e Draco com um pouco de brilho em seus olhos, cheios de antecipação.

Aparentemente, eles estavam esperando a entrevista. Ele teria realmente gostei de saber como Harry tinha planejado tudo sem que ele percebesse.

"Claro." ele respondeu, prestando atenção ao seu filho. Ele não estava nem um pouco surpreso quando viu um sorriso malicioso aparecer em seu rosto.

"Eu não sei se eu quero saber o que você fez com ela para que ela concorda em escrever isto."

Draco disse, com uma voz impressionado. Lucius teve que admitir que ele queria saber a mesma coisa. Rita nunca escreveu nada bom sobre ninguém.

"Draco, se alguém ouve que eles são propensos a acreditar que eu vou ao redor torturar as pessoas à esquerda, direita e centro," Harry respondeu com um sorriso que só foi um pouco sádico, Lucius não tinha certeza se ele queria saber o que se passou naquela mente, "Eu só lhe mostrou o quão insignificante ela era e que havia dezenas de jornalistas que matariam para ter a oportunidade que eu estava tão generosamente lhe dando."

"Eu me pergunto se você mostrou a ela da mesma forma que mostrou Marcus que o sangue não importa, apenas a magia."

Lucius começou a prestar muito mais atenção à conversa, ele nunca tinha ouvido falar que crenças de Harry estavam, talvez eles eram semelhantes aos seus senhores, talvez eles não precisam ser inimigos. Ele não acreditava que nenhum deles iria apresentar para o outro, mas talvez eles pudessem compartilhar.

Lucius teve que conter um bufo. A ideia parecia completamente ridículo, sem a sua autorização uma imagem do seu Senhor e Harry sentado em um escritório beber uma xícara de chá com um mapa do mundo na frente deles, tentando decidir qual deles poderia ter o que, apareceu em sua mente. Ele não sabia o que era mais absurdo; a ideia de que o seu Senhor iria partilhar, ou a ideia de que o seu Senhor iria tratar Harry como um igual.

Balançando a cabeça, ele se concentrou na conversa entre seu filho e Harry.

"Marcus era diferente, ele me irritava, ele fez com que eu tive que mudar meus planos. Rita ... ela era insignificante. Como eu disse, havia dezenas de que poderia ter tomado seu lugar, eu escolhi ela porque ela é uma . dos repórteres mais conhecidos no entanto, considerando a entrevista estava comigo, seria realmente não importa quem o escreveu; o fim dos resultados teria sido o mesmo ".

"Se fosse você irritado, eu não acho que eu nunca quero vê-lo com raiva."

Lucius notou que seu filho arrepio e viu Harry olhar brevemente em sua direção antes de se concentrar em Draco, novamente, que é quando ele percebeu que Harry não estava usando sua máscara como criança na frente dele.

"Voce tem medo de mim?" A voz de Harry era hipnotizante, doce e fria, inocente e escuro, Lucius não sabia como poderia ser tudo o que, ao mesmo tempo, mas foi e seus olhos brilhavam com um fogo que tornava ainda mais cativante do que eles normalmente eram.

"Sim." Draco respondeu sem hesitação, surpreendendo Lucius um pouco; ele estava esperando Draco negar, "Só um tolo não teria medo de vocês. Mas o meu respeito por você é maior do que o meu medo e minha lealdade a você supera o medo."

Harry olhou para Draco por alguns segundos, ele deve ter ficado satisfeito com o que viu, porque ele acenou com a cabeça, voltou para o seu café da manhã e perguntou.

"Você acha que os outros vão gostar?"

"Marcus vai amá-lo;. Surpreende-me que não podemos ouvi-lo cacarejando a partir daqui eu não acho que Theo e Blaise lê-lo, no entanto, eles ainda estão fora do país ..." De repente, Draco virou a seu pai: "pai, você poderia duplicar o papel? Duas vezes? Eu vou enviá-lo para Blaise e Theo, para que eles saibam o que está acontecendo."

Lucius assentiu, pegou sua varinha e lançar o feitiço para copiar o jornal e Draco quase correu para fora da sala com as cópias, deixando Lúcio sozinho com Harry pela primeira vez.

Lucius olhou para ele, tentando ver se ele estava desconfortável ficar sozinha com ele, mas se ele fosse, era impossível dizer. Harry continuou a comer seu café da manhã como se não houvesse nada errado.

"Você tem algo em sua mente, Sr. Malfoy?" Harry perguntou com a voz melódica dele, Lúcio tinha certeza de que, em poucos anos, essa voz seria muito mais eficaz do que Veritaserum.

"Por que você pergunta?"

Ele não podia dizer ao filho que ele tinha centenas de perguntas que ele queria perguntar a ele, ele não poderia dizer-lhe que ele passou horas tentando entendê-lo. Sabendo o que sabia sobre Harry, ele não tinha dúvidas de que Harry seria capaz de usar a informação contra ele.

Quando ele olhou para Harry de novo, os olhos a cor da morte o congelou no lugar e ele era incapaz de desviar o olhar.

"Eu sei que você está me observando," Harry comentou como se ele estivesse falando sobre o tempo, "Diga-me, é algo que você faz com todos os amigos de Draco, ou eu sou um caso especial?"

"Por que você acredita que eu iria observá-lo?" ele perguntou com seu tom superior de costume, tentando não demonstrar o quão surpreso ele era pela direção que a conversa estava tomando.

"Eu não pode atender a todas as expectativas, mas isso não significa que eu não sou o Menino-Que-Sobreviveu, e você ainda é um Morte leal Eater".

"Eu estava sob a ' Imperius '."

Lúcio respondeu quase automaticamente, a resposta de Harry o surpreendeu, e hoje em dia muito poucas pessoas tiveram a coragem de dizer que a sua cara.

Um sorriso apareceu no rosto de Harry e se não fosse por aqueles olhos frios olhando para ele, Lucius teria considerado, um sorriso inocente.

"Sr. Malfoy," Harry começou e Lúcio sentiu um arrepio descer sua coluna, sua voz era suave, se Harry não tinha doze anos ele teria dito que era sedutora mesmo, e charmoso, ele nunca tinha visto esse lado de Harry "você realmente quer que eu acredite que você é tão fraco, que você é tão patético, que você não pode quebrar o ' Imperius '? você realmente quer que eu vê-lo como um homem que tem uma vontade tão fraca que ele se deixa ser controlado por outros? é assim que você quer que eu te ver ? fraco, patético, um fantoche para aqueles que realmente têm o poder ... nada mais do que uma marionete . "

Lucius estava balançando a cabeça sem perceber. Harry vê-lo assim era algo que ele não seria capaz de ficar de pé, parecer fraco na frente de Harry era muito pior do que dizer-lhe que ele era um Comensal da Morte, que ele ainda era leal a seu Senhor. Ele estava abrindo a boca para confirmar que ele tinha sido sempre fiel ao seu Senhor, quando ele se lembrou de como seria estúpido para fazer isso, e é aí que ele percebeu que a magia de Harry foi sutilmente tocando seu, não estava fazendo nada, estava lá. Ele tremia e seus olhos focados em Harry; sua magia era viciante, era o mesmo que o seu Senhor, ele olhou para Harry, tentando parecer o mais intimidante como fez com todos os outros, ele realmente não sabia o que ele estava esperando, mas Harry rir não era isso.

"Isto foi divertido, o Sr. Malfoy. Espero que possamos jogar novamente."

Lucius ficou olhando enquanto Harry saiu da sala de jantar. Quando ele estava sozinho, ele respirou profundamente e balançou a cabeça, ele estava certo de que a criança seria a morte dele.

_______________________

Harry olhou em torno de si quando ele atravessou a barreira em Cruz do rei, não importa o quanto ele gostava de seu tempo com os Malfoy, ele estava feliz por estar voltando para Hogwarts.

Ele não perdeu o fato de que ele estava recebendo muito mais atenção do que a primeira vez que ele tinha tomado a Express, agora todo mundo sabia quem ele era. Ele supôs que a única razão pela qual eles não foram aglomerando-lo era por causa do homem ao seu lado, não importa o que eles disseram sobre ele, Lucius Malfoy era um homem intimidador.

Sentindo os olhos de Malfoy sobre ele, ele olhou para ele, nem mesmo tentando esconder o sorriso que apareceu em seu rosto. As últimas semanas tinham sido divertido, pelo menos para ele; cada vez que ele deixou sua magia solta perto do Malfoy mais velho que ele iria receber um olhar vidrado em seus olhos, quase como se ele estivesse drogado. Harry não tinha idéia que era possível para sua mágica para ter esse efeito em alguém, especialmente quando ele não pedir-lhe para fazer qualquer coisa. Era algo que tinha de experimentar. Embora, desde que ele tinha visto, apenas aqueles que foram mais sensíveis à magia sentiu quando ele apenas deixou sua magia solta.

Sra Malfoy e Draco saiu da barreira seguinte, e Draco se juntou a ele imediatamente. Sra Malfoy tinha chegado da França há duas semanas e que ela era uma pessoa bastante quente e carinho na privacidade de sua casa, em público que ela tinha uma máscara tão perfeito como o seu marido usado.

Harry lembrava claramente do dia em que a conheci. Narcissa Malfoy foi a primeira pessoa a ter alguma vez lhe deu um abraço maternal, certeza de que era mais do que provável que sua mãe tinha feito isso, no entanto, era algo que ele não se lembrava.

Apesar de ter sido algo que o deixou um pouco desconfortável, ele realmente acreditava que a Sra Malfoy poderia ser alguém que ele pudesse aprender a respeitar, considerando que, sob aquele ar maternal era uma bruxa que foi tão mortal como sua irmã infame Bellatrix Lestrange. É claro que ele não tinha visto a Sra Malfoy duelo ou qualquer coisa assim, mas foi a impressão de que ele tinha dela a partir do pouco tempo que tinha passado com ela, só o tempo iria dizer se ele estava certo.

Dizendo adeus para os Malfoy, Harry e Draco entrou no trem, ambos ignorando os olhares dos outros alunos. No entanto, Harry notou uma nova emoção em alguns dos olhos dos alunos; vergonha. Ele teve que conter um sorriso, aparentemente, a entrevista tinha trabalhado melhor do que ele esperava.

Draco e ele foi para o último vagão, onde eles entraram no último compartimento, assim como eles haviam concordado em seu aniversário, e esperou que os outros. O primeiro a chegar foi Marcus, e assim que viu Harry, ele sorriu.

"Harry", disse ele, sentando-se ao lado dele, "Como você está?"

Um pequeno sorriso apareceu no rosto de Harry, Marcus sempre foi tão enérgica.

"Eu estou bem, e você?"

"Eu também. Eu mal posso esperar para chegar em Hogwarts."

"Oh porque?"

"Eu quero ver as reações que as pessoas têm com o artigo," ele respondeu com um sorriso malévolo, "Isso foi uma jogada brilhante."

Draco bufou, "Eu honestamente achei estranho que não podíamos ouvir você gargalhando na Mansão Malfoy manhã, o artigo saiu."

Harry balançou a cabeça e tomou um livro do bolso que cresceu ao seu tamanho normal, automaticamente, quando os dois começaram a brigar uns com os outros, algumas coisas foram capazes de detê-los. Felizmente, eles estavam apenas brincando, caso contrário, Harry estava certo de que não teria havido maldições voadores.

Cinco minutos antes que o trem estava programado para sair, Blaise e Theo apareceram juntos.

"Eu queria saber onde você estava."

Harry observou, olhando para cima de seu livro e parar brigas de Draco e Marcus.

"Tivemos um pequeno revés." Theo respondeu, sentando-se no lado oposto de Harry. Vendo o olhar de Harry, Blaise elaborado.

"Cinco Gryffindors mais velhos foram brincando com a gente."

"E você fugiu?" Marcus perguntou um pouco incrédulo, com certeza eles podem ser os melhores alunos em seu ano, mas foi cinco contra dois, o que em si já era uma desvantagem, para não mencionar o fato de que eles eram contra alunos mais velhos.

"Se não tivesse sido para a ajuda inesperada, não teríamos", Theo respondeu, ficou claro que ele ainda estava atordoado com o que aconteceu, "Você pode não acreditar, mas os gêmeos Weasley surpreendeu-los por trás. Isso distrai os outros três e Blaise e eu fomos capazes de atordoar dois, enquanto um dos gêmeos surpreendeu o último. "

"Os gêmeos Weasley?" Harry não tinha pensado que era possível, mas a incredulidade no rosto de Marcus cresceu, "Os Demônios de Gryffindor? Você está falando sobre esses Weasleys? Tem certeza?"

"Sim Marcus, essas Weasleys." Blaise confirmada, tentando não sorrir. Aparentemente, ele encontrou expressão de Marcus tão engraçado como Harry fez.

"E eles não brincadeira você?"

"Até onde podemos ver, não." Theo lhe disse, ainda parecendo um pouco atordoado, mas nada comparado com o olhar no rosto de Marcus.

"Aparentemente, teremos de manter um olho não só na Pucey e Montague, mas os Weasleys também. Nós nunca sabemos o que podemos ganhar com isso."

Os quatro assentiu, eles perderam nada, se eles observaram-los também.

"Você já decidiu quem vai falar com os primeiros anos?" Blaise perguntou, olhando para Harry. Eles concordaram que um dos membros do Tribunal iria falar com os primeiros anos na primeira noite, dizendo-lhes as regras do Tribunal, foi melhor do que deixar tudo para os prefeitos. Era uma maneira de ver os novos alunos e para deixar os novos alunos vê-los, para que eles não tinham desculpas; como dizer que eles não sabiam que era parte do Tribunal.

"Theo", Harry respondeu, olhando disse menino, "Você é o mais calmo um;. Você está mais relaxada em comparação com o resto de nós Eu acho que você será capaz de dizer-lhes as regras sem assustá-los demais. você já sabe o que dizer a eles, correto? "

Theo assentiu, sorrindo. Ficou claro que ele estava orgulhoso por ter sido escolhido por Harry. Os outros não invejar-lhe isso, eles teriam ficado orgulhoso também, embora eles admitiram que para este trabalho específico, Theo foi o mais adequado para ele.

A viagem passou sem nada de interessante acontecendo, ninguém os perturbou e Harry não foi capaz de parar o sorriso de aparecer em seu rosto quando o trem parou. Ele estava finalmente em casa.

_____________________

Harry estava sentado no que se tornou o seu lugar habitual. Foi uma poltrona por uma lareira na parte de trás da sala comum, havia dois sofás de três lugares cada e mais quatro poltronas em torno dele, havia também uma mesa no centro. His Court estava sentada ao redor dele, e embora houvesse muitos lugares livres, ninguém mais estava sentado lá. Além disso, se alguém entrou na sala comum teriam visto uma separação clara, todos os outros sofás, poltronas e mesas foram ainda mais além do que parte da sala do que o normal, criando uma linha invisível entre o Tribunal e o resto do comum quarto, uma linha que apenas alguns Slytherins poderia cruzar.

Harry ficou confortável em seu assento e continha um suspiro, embora ele sabia que era algo que tinha que fazer, ele estava cansado e queria ir para seu quarto. O passeio de trem tinha sido longo e a festa alto, ele tinha certeza de que, se tivesse durado um pouco mais ele teria tido uma dor de cabeça horrível.

No entanto, isso não importa, no momento, o que importava era o primeiro ano da Sonserina que estavam entrando na sala comum.

Após o quinto ano prefeitos lhes deu um discurso semelhante ao que ele tinha recebido, em vez de enviar os primeiros anos para a cama, eles levaram para o Tribunal. Fizeram-los ficar na frente deles, em uma única linha e eles podiam ver a confusão em seus rostos.

Eles ficaram em silêncio por alguns momentos, até que Harry olhou para Theo e assentiu. Sabendo que Harry queria que ele começar, Theo se levantou de seu assento e foi para ficar na frente do primeiro ano da Sonserina. A diferença de altura entre os alunos do primeiro ano Theo e não era muito, no entanto, a aura em torno Theo fez parecer muito mais intimidante.

"Boa noite, bem-vindo para a Sonserina," Theo começou e ele tinha um pequeno sorriso em seus lábios: "Eu sou Theodore Nott e eu sou parte do Tribunal Slytherin. Considerando as suas expressões, eu posso ver que você não tem idéia o que é isso . Nesse caso, ouvir atentamente, porque eu não vou repetir-me.

O Tribunal é criado por um estudante que é capaz de controlar a casa, por um estudante que faz com que seja impossível para qualquer pessoa na Sonserina para ir contra ele. Realmente não importa como ele alcança-lo, apenas que ele era capaz de fazê-lo. Esse aluno torna-se o rei Slytherin e as pessoas que ele considera digno tornar sua corte. Nossa Tribunal foi criado no ano passado.

As regras Rei da Sonserina e os membros do Tribunal se certificar de que todas as regras do rei são seguidas. As regras devem ser seguidas, não importa o quê. Se não estiverem, as pessoas que não segui-los terá que sofrer as consequências de ir contra o Tribunal. Acredite em mim, isso não é algo que você quer experimentar.

Temos apenas três regras que devem ser seguidas:

A primeira: não se espalham em torno de suas crenças da supremacia puro-sangue. Se você quer defender que a estupidez, fazê-lo na segurança da sala comum. No entanto, se qualquer um de nós ouvi-lo, não tenho dúvida de que você vai sofrer as consequências. Se eu fosse você, eu não teria sequer pensar a palavra "sangue-ruim" fora da sala comum.

A segunda regra: Se você estiver indo para intimidar outros alunos, pelo menos, ser inteligente o suficiente para não ser pego, use glamors ou algo semelhante a se disfarçar. Estamos tentando fazer as pessoas parar de pensar que todos os Slytherin é pura maldade, temos planos e nós não precisamos de alguns brats que acreditam que eles são fortes e poderosos só porque eles intimidado alguns Hufflepuff incapaz de mexer-los.

A terceira regra: Você está indo para escolher uma pessoa do seu ano para falar com a gente, caso haja uma necessidade por qualquer motivo. Essa pessoa, e unicamente essa pessoa, vai ser capaz de chegar e conversar com a gente, se não iniciar a conversa nós mesmos.

Essas são as regras, como você pode ver todas elas são realmente fáceis de seguir.

Alguma pergunta? ", Perguntou Theo, olhando para os alunos.

Todos os membros do Tribunal tinha notado o pirralho que tinha olhado para eles, principalmente para Harry, com desprezo e repugnância, por isso, quando disse moleque abriu a boca; Harry não estava nem um pouco surpreso.

"Por que, em nome de Morgana que devemos seguir suas regras? Você é apenas estudantes do segundo ano," o menino respondeu com desprezo, sem perceber que todos na sala comum estava olhando para ele horrorizada, "Além disso, não vejo por que eu deveria seguir um meio-sangue. Eu nem sei como ... "

O garoto parou de falar abruptamente quando sentiu a ponta de uma varinha para seu pescoço.

Harry sorriu, o pirralho não foi o único surpreendido pelo súbito aparecimento de Blaise atrás dele. Ninguém tinha notado Blaise deixar seu assento, só o Tribunal.

Isso foi o que Blaise era bom; ele poderia passar despercebido até que ele queria ser notado. Harry tinha certeza de que a magia de Blaise ajudou-o, assim como sua própria magia o ajudou em inúmeras situações.

"Como você ousa falar sobre ele nesse tom de voz?" Blaise rosnou, mostrando um lado que muito poucos sabiam, " Adolebit ." Blaise quase sussurrou a palavra, mas o quarto foi tão tranqüila que toda a gente ouviu falar dele.

Um sorriso sádico apareceu no rosto de cada membro do Tribunal, mas a maioria dos estudantes na sala comum, onde parecendo confusa, na medida em que podia ver nada tivesse acontecido.

No entanto, Harry estava prestando muita atenção para o pirralho, todos sabiam que a maldição fez e Harry estava à procura de sinais que mostraram que a maldição estava ativo.

Para sua imensa alegria, viu a criança soltar sua gravata, seu rosto começou a ficar vermelho, e você pode ver o suor começando a aparecer em sua testa.

"Merlin, como você pode suportar este calor!" o rapaz exclamou, olhando para o resto dos alunos.

Marcus começou a rir, os olhos cheios de maldade, os outros alunos olhou para ele e o medo em seus olhos fez Harry rir. Realmente, a noite estava a transformar-se muito mais interessante do que o que ele esperava.

O primeiro ano em que se atreveu a ir contra eles caiu de joelhos e começou a gemer de dor.

Riso cruel de Draco se juntou Marcus e o  menino começou a gritar.

A maldição estava começando a alcançar os estágios mais interessantes. Não era uma maldição bem sabe, Harry tinha encontrado na biblioteca do Malfoy e tinha compartilhado com sua corte. Quanto mais tempo a maldição foi lançada sobre uma pessoa, o mais doloroso que se tornou. Que elevaria a temperatura do corpo a cada dez segundos, e continuou até que a pessoa a maldição foi lançada sobre se sentir como eles estão sendo queimados vivos.

O menino estava agora no chão, rolando para trás e para a frente, sem dúvida, tentando aliviar a dor ou a tentar extinguir um incêndio que não estava lá, gritos agonizantes deixando sua garganta, enquanto a maioria dos Sonserinos olhava, horrorizado com o que eles estavam testemunhando.

"Pare!" gritou um aluno do sexto ano, que Harry só sabia porque Marcus havia dito que ele era um dos alunos melhores Runes em Hogwarts, embora ele nem sequer lembrar seu nome. Se ele não estava enganado, era Jason uma coisa ou outra, ou talvez James, não que realmente importava, no momento, "Por favor, pare!"

O aluno mais velho não estava implorando Blaise, porém, ele estava na frente de Harry, ele tinha ido para baixo em seus joelhos e estava olhando para Harry com lágrimas nos olhos.

Harry só levantou uma sobrancelha.

"Por favor!" implorou da Sonserina novamente: "Ele é meu irmão mais novo. Vou falar com ele, isso não vai acontecer novamente! Por favor!"

Harry olhou para o menino mais velho por alguns momentos, os gritos do irmão do menino no fundo cada vez mais alto e mais áspera, Harry tinha certeza de que ele havia danificado suas cordas vocais. Ele veio para uma decisão e olhou para Blaise, na próxima segunda maldição foi levantada, os gritos pararam e o único som na sala era soluços do pirralho.

"Ele é sua responsabilidade," Harry disse ao estudante mais velho, que ainda estava de joelhos na frente de Harry, "Toda vez que ele cruza a linha, você vai ser o único a sofrer as consequências."

O menino abaixou a cabeça e balançou a cabeça, e só quando Harry disse que ele poderia ir, ele se levantar e mover-se para seu irmão, levantando-o do chão e carregá-lo para o sexto dormitórios ano.

"Você está demitido." Theo disse aos primeiros anos na frente dele, que parecia petrificado com o que haviam testemunhado. No entanto, quando ouviram a fim de que Theo deu-lhes, eles deixaram a sala comum tão rápido que quase parecia que eles tinham aparataram, escuro, risada sinistra de Harry segui-los para seus quartos.

Olhando ao redor e ver os rostos aterrorizados dos outros alunos, Harry sorriu; que tinha sido uma primeira noite muito mais interessante do que ele pensava que seria.

__________________________

Harry se sentou na cama, olhando ao redor de seu quarto; não se parecia muito com o quarto bastante espartano que tinha visto naquela primeira noite que passou em Hogwarts.

O mobiliário ainda estava escuro, no entanto, as paredes eram de um cinza claro e o chão, em vez de a pedra anterior, era de madeira.

Na parede à sua direita havia duas janelas que iam do chão até o teto. Ele tentou fazer com que eles mostraram uma parte específica de terrenos de Hogwarts ", mas ele não tinha sido capaz de fazer. Foi um encantamento bastante complicado, então ele teve que se contentar com janelas que se mostrou apenas se era dia ou da noite; era melhor do que nada.

Além de que, o quarto parecia o mesmo. Harry olhou para cima feitiços para mudar o seu quarto mais, mas a maioria eram demasiado avançado para ele. Embora isso não significava que ele tinha desistido, agora que ele sabia que feitiços eram necessários, era apenas uma questão de praticá-los até que ele pudesse lançá-los com sucesso.

Suspirando, Harry se levantou. Era o último dia de férias de inverno, os alunos estariam voltando, de toda a Sonserina ele era o único que tinha ficado no castelo. Ele havia recebido convites de todos os membros de sua corte para passar as férias com eles, mas ele preferiu ficar em Hogwarts; foi a única vez que ele poderia estar sozinho. Ele pode ter se acostumado a estar com seus amigos, mas ele ainda se a cada oportunidade de estar sozinho.

Os últimos meses tinham se passado de forma relativamente rápida e eles tinham sido muito menos irritante, em seguida, os primeiros meses do ano anterior.

A entrevista teve o efeito que pretendia, os alunos não estavam cochichando sobre ele cada vez que o vi, eles não estavam bisbilhotando sobre ele ser o próximo Lorde das Trevas. A maioria tratou-o da mesma maneira que eles tratavam os outros Sonserinos, com indiferença e desconfiança. No entanto, alguns estudantes, Ravenclaws especialmente, cumprimentou-nos corredores. Considerando o ano anterior, Harry pensou que era uma melhoria enorme.

Os professores não eram indiferentes à entrevista também. A maioria deles tornou-se ainda mais encantado com ele. Maravilharam-se de que ele ainda era um tal tipo e alma inocente, mesmo depois de tudo. Eles ficaram encantados com suas maneiras, impressionado com seu talento, enfeitiçados por seus encantos. Para quase todos os professores, ele foi um exemplo que todos os alunos devem seguir.

Infelizmente, nem todos os professores compartilharam a mesma opinião.

Snape parecia odiá-lo mais do que nunca e Harry estava começando a pensar que ele lhe fez nenhum bem para manter o ar pueril em torno dele. Harry tinha certeza de que o professor não acredita que o máscara. No entanto, ele não podia simplesmente parar, ele iria começar a ser menos como criança ao longo do tempo, de modo que os outros professores que acreditam que a razão pela qual ele estava se comportando de maneira diferente porque ele estava se tornando mais maduro.

Embora, Snape não era o único professor que lhe deu tendências homicidas.

Gilderoy Lockhart, o novo professor de Defesa Contra as Artes das Trevas. Harry realmente acreditava que a cada dia que passava, que Harry não matá-lo, foi um milagre. Ele pensou que ele deve ter recebido algum tipo de prêmio por seu auto-controle impecável, porque se ele não tem essa auto-controle, aquela coisa que se chamou um assistente teria sido morto no primeiro dia em que Harry conheceu. Ele era a pessoa mais insuportável Harry já conheceu e fez-lhe lembrar por que ele geralmente não gosto de pessoas.

Suas aulas de Defesa foram gastos imaginando maneiras de torturar o homem, que conhecia; talvez ele pudesse fazê-las acontecer um dia.

Pelo menos ele tinha parado convidando Harry para jogar fora pedaços de seus livros. Harry não se lembrava de alguma vez ter sido tão grato por ser capaz de controlar sua magia do jeito que ele fez. Embora ele suspeitava que o fato de que Lockhart tinha ainda menos de um backbone de Skeeter, tinha contribuído grandemente para o fato de que ele não tinha que fazer muito para o homem para parar de chamar por ele.

Harry suspirou de novo e começou a se preparar para ir para o Salão Principal; era quase hora para a festa começar e ele tinha certeza de que ia ser uma longa noite.

Assim como haviam combinado, eles estaria falando com Pucey e Montague após a festa.

Eles observaram os dois e Harry encontrou-os bastante interessante, eles eram muito bons alunos e apesar de Montague não pareceu estar aberto à idéia de nascidos trouxas, eles nunca tinha ouvido falar sobre eles em uma luz negativa, ou mesmo olhar para eles com nojo. Ele não deixou suas opiniões mostram e se ele tinha que interagir com uma nascida trouxa ele foi educado, embora um pouco frio.

Então, eles tinham concordado em conversar com Montague; se eles sabiam a razão pela qual ele não tolera nascidos trouxas, talvez eles pudessem encontrar uma solução e o Tribunal poderia ganhar mais de um membro.

Harry sentou-se em seu lugar habitual e esperou para que os alunos chegam, fazendo o seu melhor para ignorar os olhares que Snape lhe deu. Harry teve que parar de se revirando os olhos, era difícil acreditar que o homem era um Slytherin; ele poderia pelo menos fingir que ele não estava olhando para Harry, pelo menos, assim, Harry não teria uma razão de ser prudente.

Vozes provenientes do hall de entrada trouxe Harry de volta de seus pensamentos, ele olhou para a direita e viu vários alunos começam a entrar. Entre a pequena multidão, ele podia ver Marcus e imaginou que os outros três estavam em algum lugar ao redor dele. Era raro que eles não estavam juntos. Não importa se eles estavam estudando, treinamento, ou apenas pendurado para fora. Harry estava muito feliz com isso; eles não só foram leais a ele, mas uns aos outros, bem como, o que poderia parar de muitos conflitos internos no futuro.

"Harry" Marcus cumprimentou, sentando-se sobre o lado esquerdo com um grande sorriso no rosto, os outros três não muito atrás dele.

"Boa noite, como foi a sua pausa?" Harry perguntou, olhando para o Tribunal.

"Foi bom", Marcus ainda respondeu sorrindo: "Eu falei com meu pai sobre a decisão que tomamos, considerando o que vou fazer quando eu terminar este ano. Ele estava realmente surpreso com a minha escolha, mas por outro lado eu não acho que nunca o vi tão feliz. Se não me engano, ele vai ser muito fácil para obter a posição que falamos. "

"Eu não estava esperando que você a obter resultados tão rapidamente." Harry observou, mas o pequeno sorriso que ele tinha mostrou o quão satisfeito ele estava com a notícia.

"Ele é um Jugson," Draco disse, "Jugsons são apenas um pouco menos influente do que os Malfoy."

Theo e Blaise assentiu; de acordo com rumores, os Jugsons estavam envolvidos em quase todas as áreas do Ministério e vários impérios comerciais, bem, foi uma das principais razões por que Marcus tinha sido capaz de ficar no topo da hierarquia por dois anos antes de Harry chegou.

"Ainda estamos indo falar com eles depois da festa?" Blaise perguntou, mudando de assunto; o Salão não era o melhor lugar para ter o tipo de conversa que estavam tendo.

"Depois da festa Marcus vai chamá-los. Podemos falar na sala comum, mesmo que os outros ouvir, não seria um problema. Alguns deles podem até mesmo mudar as suas mentes."

O resto da noite passou rapidamente, e antes que ele percebesse, ele estava sentado em sua poltrona na sala comum.

À medida que o dia seguinte era um sábado, ainda havia muitos estudantes na sala comum, um pouco de conversar com seus amigos sobre a pausa de Inverno, outros fazendo o último pouco de casa que tinham empurrado para a última hora do feriado. Quando ele viu os dois que eles queriam falar com ele, ele acenou para Marcus.

No momento em que Marcus se levantou de seu assento e começou a ir na direção dos outros sonserinos, o clima mudou drasticamente. Antes, os alunos estavam relaxados, aproveitando os últimos momentos de férias que eles haviam deixado. Agora, eles estavam tensos, alguns deles mostrando um pouco de medo em seus olhos, Harry tinha certeza de que alguns deles estavam se perguntando se alguém tinha feito nada para desagradar o Tribunal.

Quando Marcus aproximou Pucey e Montague e lhes disse para segui-lo, Harry viu Montague pálido; sem dúvida, pensou que ele seria punido por sua crença na supremacia dos puro-sangue.

Pucey e Montague apareceu um pouco com medo de cruzar essa linha invisível que separava o Tribunal do resto da sala comum, mas respirou fundo e seguiu Marcus, sentado no sofá que Marcus mostrou que eles, colocando-os bem na frente de Harry.

"Tenho certeza que você está se perguntando por que está aqui," Harry começou, logo que Marcus estava sentado na poltrona ao seu lado. Vendo Pucey aceno de cabeça, um pequeno sorriso apareceu em seus lábios, "Você não precisa ser tão tensa, você não está em apuros. É muito pelo contrário, na verdade."

Harry tentou tranquilizá-los; para o que ele tinha planejado, eles precisavam ser muito mais confortável. Vê-los relaxar, ele continuou.

"Nós estamos assistindo você e ter chegado à conclusão de que ambos seriam bons complementos para o Tribunal," logo que Harry parou de falar, as expressões nos rostos tanto de Slytherin mudado; eles não foram capazes de esconder o choque e emoção que sentiam. Harry deu-lhes alguns momentos e começou novamente, "Como eu disse, temos vindo a assistir-lhe, por isso temos algumas perguntas que gostaríamos de lhe perguntar, especialmente você Montague."

Montague empalideceu um pouco novamente e sentou-se ereta na cadeira, Harry fingiu que não percebeu.

"Eu quero que você seja completamente honesto em suas respostas. Eu não quero que você me diga o que você acha que eu quero ouvir, eu quero a sua opinião honesta, entendeu?"

Vendo ambas aceno, Harry ficou mais confortável em sua poltrona. Ele tinha pensado em várias maneiras em que ele pudesse perguntar o que ele queria, mas descartou todas elas.

Pucey, bem como Montague eram possíveis futuros membros da sua corte, para que ele iria tratá-los como tal; não havia necessidade de jogos de palavras. O que ele queria era verdadeira lealdade e para que eles realmente acreditam em seus ideais, e obter isso, a melhor maneira de ir sobre ele seria a de ser direto.

"Eu gostaria de saber o que você pensa realmente sobre nascidos trouxas e supremacia puro-sangue. Não me diga o que você acha que vai me fazer feliz. Eu garanto que não haverá quaisquer consequências, você pode dizer o que quiser. Eu só quero para saber o que você pensa. "

Houve alguns segundos de silêncio completo, até Pucey respirou fundo e respondeu.

"Minha família sempre considerou nascidos trouxas ser inferior. Fui criado com essa crença, mas quando comecei a Hogwarts da maneira que eu vi as coisas mudaram. Os nascidos trouxas não eram mais fraco;.. Alguns eram muito bom, na verdade, melhor do que muitos purebloods. Ainda sou  orgulhoso da minha família, meu sangue, mas o desdém que eu tinha para nascidos trouxas está desaparecido. Há algumas atitudes que alguns nascidos trouxas têm que eu não gosto, mas fora isso ... Eles são tão mágico como eu sou. "

Quando parecia que Pucey tinha dito tudo o que estava em sua mente, Harry olhou para Montague para ver se ele tinha alguma coisa a acrescentar. Harry podia imaginar o que era que Pucey não gostava, Draco e Blaise havia se queixado sobre a mesma coisa. Embora, depois de Harry falou com eles e explicou algumas coisas, eles se tornaram muito mais tolerantes com toda a situação. Ele estava esperando que seria o mesmo com Pucey.

Vendo que toda a Corte estava olhando para ele, Montague tentou relaxar, embora não aparecem para trabalhar.

"Eles são diferentes", ele deixou escapar, e vendo como ele empalideceu, Harry adivinhou que não era o que ele pretendia dizer. Montague respirou fundo e começou novamente, "Minha linha já existe há gerações, que são tão antigos que nossa linha desenvolvida é magias próprios, mágica família. Essa magia não é sempre ativo, mas ele passa para baixo para descendentes da linha. Nascidos trouxas não tem isso, e isso faz purebloods superior, é impossível para os nascidos trouxas de ter a magia da família. "

Harry estava ciente de que toda a sala comum estava ouvindo a conversa, ele não se importava. Foi uma discussão importante e talvez ele faria alguns dos alunos pensar por si mesmos, em vez de seguir cegamente o que seus pais acreditavam.

Montague continuou a ser um pouco pálido e ele estava tremendo um pouco, mas ele ainda manteve sua convicção em suas crenças e para que Harry tinha que respeitá-lo um pouco.

"Eu vejo", e ele realmente fez, mas Montague estava esquecendo algo realmente importante ", e eu concordo que magias da família são importantes, mas você está esquecendo de algo bastante significativo. Eu não sou um puro-sangue e eu sou o mais poderoso estudante em Hogwarts. Dumbledore, você pode não gostar dele, mas mesmo aqueles que não suporto o homem dizer que ele é um dos mais poderosos feiticeiros desde os fundadores e ele é um meio-sangue. " Harry quase riu quando viu as expressões chocadas sobre a maior parte dos rostos estudantes, muitas pessoas pensavam que Dumbledore era um puro-sangue. Ele próprio só sabia que ele não era porque ele tinha encontrado um livro na biblioteca do Malfoy que tinha árvores genealógicas dos bruxos famosos nele e Dumbledore passou a ser um deles.

"Há sempre excepções." Montague argumentou e foi isso que Harry queria. Ele queria que eles argumentam, queria que eles para defender seu ponto de vista; porque dessa forma, quando ele refutou tudo o que disse, isso teria um impacto maior.

"Sim, isso é verdade. No entanto, se você excluir todos eles imediatamente como você vai saber que as exceções são?"

Montague abriu a boca para responder, mas fechou-a de forma abrupta, sem capacidade para dar uma resposta que iria defender aquilo em que acreditava.

"Nós não." Pucey respondeu após alguns segundos.

"Não, você não." Harry concordou, "Mas isso não é tudo. Tome a linha Black por exemplo, todos sabem eles, o que é o talento mais conhecido que a linha possui? Além de seu talento para as Artes das Trevas."

"Metamorfomago." Montague respondeu quase que automaticamente, fazendo Harry aceno.

"E quando fiz o talento última manifestou-se?"

"Quatro ou cinco gerações atrás." disse Pucey depois de algum tempo.

"Errado", respondeu Harry, surpreendendo a todos, mas sua corte, "Nymphandora Tonks, ela era um estudante do sétimo ano ano passado, de Hufflepuff, filha de Ted Tonks, um assistente nascida trouxa, e Andrômeda Black Tonks, uma bruxa puro-sangue, fazendo-a um meio-sangue. A mais recente metamorfomago da linha Black ".

Mas isso ... isso é ..." Montague não parecia saber como terminar a frase.

A reação agradou Harry, enquanto ele não negou logo de cara, ele mostrou que ele era, pelo menos, dispostos a ouvir, que era mais do que o que Harry estava esperando e um muito bom sinal.

"As magias familiares existissem já no Andromeda, mas eles não eram fortes o suficiente para se manifestar, que precisava da nova magia de Ted Tonks para que pudesse se manifestar em sua filha", vendo que tinha a atenção completa, não somente os dois possíveis futuros membros do Tribunal, mas de todos os Slytherin na sala, ele continuou, "Eu acredito que os bruxos nascidos trouxas e bruxas são necessários. Olhe para Crabbe e Goyle, a obsessão de manter a linhagem pura produziu dois seres que dificilmente pode corda duas frases, e eles são apenas um pouco melhor do que quando se trata de talento mágico. Agora imagine que Parkinson se casa com um deles, apenas para manter a linha pura. A magia que qualquer um de seus futuros filhos herdaria seria, na melhor das hipóteses , extremamente fraco. Se você não infundir nova magia nas linhas antigas, a magia vai começar a diminuir até que ele morre. Agora imagine que Parkinson se casa com Wayne Hopkins, um nascido trouxa que é um prodígio com encantos e é bastante forte mágico sábio. Seus filhos ganharia magias da família de sua mãe e nova magia do pai, dando nova vida à magia de uma linha de idade. "

Discretamente, Harry olhou para os outros sonserinos na sala comum, alguns deles parecia ser cético, mas a maioria parecia estar pensando sobre isso e Harry estava bastante satisfeito com o resultado.

"Enquanto todo mundo estava obcecado com a manutenção de suas linhas puras, eles esqueceram uma verdade fundamental, cada linha que existe originado de uma nascida trouxa, ou pelo menos um meio-sangue."

Vendo os olhares incrédulos em quase todos os alunos presentes, Harry balançou a cabeça. Ele não sabia se eles eram teimosos, ou se era estupidez que tornou impossível para eles a pensar logicamente quando ele pertencia a pureza de sangue. No entanto, considerando que ele teve uma conversa semelhante com sua corte, e todos eles foram muito mais lógico sobre isso, ele estava mais inclinado a pensar que era estupidez.

"Pense nisso logicamente. O primeiro assistente para já nascido tinha que ter pais trouxas, é lógica simples."

Quando viu Pucey aceno, Harry quase suspirou de alívio; pelo menos houve algum progresso.

"Então você acredita que nascidos trouxas nascem para fortalecer as antigas linhas?" Pucey perguntou, e Harry sabia que ele estava tentando entender e analisar o que as crenças de Harry estavam.

"Sim, mas isso não é tudo. Pense nascidos trouxas como bruxas de primeira geração e assistentes. Assistentes que podem levar a novas linhas, que podem desenvolver novos talentos, novas magias da família."

Montague apareceu para ser absorvido em seus próprios pensamentos e Harry ficou feliz ao ver que ele não tinha reagido de forma negativa para o que ele disse. Pucey estava balançando a cabeça, embora ele também estava franzindo a testa; mostrando que algo ainda estava em sua mente.

"Eu acho que é bastante lógico, que seria uma boa explicação de por que as bruxas de primeira geração e assistentes nunca parecem ser magicamente fraco," Harry estava bastante satisfeito com o uso de Pucey do termo "assistente de primeira geração", ele odiava a palavra nascida trouxa, "Mas isso não muda o fato de que há vários que têm atitudes que eu não gosto."

"E quais são essas atitudes?" Harry perguntou, querendo saber se era a mesma coisa que Draco e Blaise havia reclamado.

"Eles não sabem as nossas tradições, eles vêm aqui, eles não respeitam a nossa cultura, e eles se agarram às tradições trouxas Halloween, por exemplo;. Não é uma das nossas tradições, mas para os primeiros bruxos e bruxas geração para se sentir mais confortável, comemoramos o Dia das Bruxas, em vez de Samhain ".

Vários estudantes foram balançando a cabeça e Harry suspirou, era exatamente a mesma coisa que Draco e Blaise havia dito.

"Você já pensou que a razão para que eles se agarram às tradições trouxas, é porque eles são subitamente enviados para um mundo que eles não sabem nada sobre onde eles estão longe de seus amigos e familiares Imagine que era o contrário?; você não iria se agarrar ao que era familiar para você? Será que isso nunca passou pela sua cabeça que eles não celebrar nossas tradições, porque eles não os conhece? "

"Então por que eles não aprendê-las?" murmurou Montague, com vários outros balançando a cabeça. Foi facilmente resolvido em sua opinião; se eles não sabia, eles poderiam aprender. Normalmente, Harry concordaria, mas não neste caso.

"Porque eles não podem."

Esta simples frase chamou a atenção de ambos os rapazes sentados na frente de Harry.

"O que quer dizer, eles não podem?" Pucey perguntou olhando para Harry confuso.

"As coisas não são tão simples como eles aparecem. A verdade é que a maioria dos livros sobre essas tradições pertencem a famílias de sangue puro e estão em suas bibliotecas privadas. Há poucos para venda, aqueles que estão à venda no Ministério controla a quem eles podem ser vendido, porque algumas tradições foram proibidos pelo Ministério. Geralmente, eles só permitem as pessoas a comprá-los se eles estão tomando seu mestrado em História, ou algo similar. E aqueles que não são controlados pelo Ministério, são muito difíceis de encontrar, nem mesmo Hogwarts tem. Levando tudo isso em consideração, como você espera que um assistente de geração de primeira, um onze anos de idade, para obter a informação? "

Vendo que os dois Slytherins foram imersos em seus pensamentos, Harry levantou-se seguido por Theo, Draco e Blaise e partiu para seu quarto, que tinha sido uma longa noite ea melhor coisa que ele poderia fazer agora era deixar os dois rapazes para que eles pudessem acho que tudo acabou.

Marcus ficou, e enquanto Pucey e Montague estava pensando sobre tudo o que tinha ouvido, ele observou o resto da sala comum.

Muitos apareceu para ser absorvido em seus próprios pensamentos, enquanto outros estavam conversando em voz baixa com seus amigos. Ele não tinha nenhuma dúvida de que eles estavam discutindo tudo o que Harry tinha dito.

"É realmente verdade? Sobre as tradições?" Montague perguntou quase num sussurro.

"Isto é." Marcus assegurou-lhe, olhando em seus olhos.

"Eu sempre pensei que não aprender sobre as nossas tradições, porque eles achavam que estavam acima dele."

"Como é que nós nunca notou que não havia livros?" Pucey perguntou, incrédulo.

"Adrian, nós crescemos neste mundo, nunca necessário para procurar essa informação e se não sabe algo que nós poderíamos pedir aos nossos pais. Para nós, é de conhecimento comum."

Ambos os meninos assentiu e Marcus se levantou, ganhando sua atenção.

"Adrian, Graham, pensar sobre o que Harry disse. Se você aceitar o convite, você tem que ter certeza de que você acredita que ele disse. Você tem até segunda-feira para fazer a sua escolha, se você não pensar que você pode seguir suas crenças ou você não quiser seguir suas crenças, então as coisas vão ficar como estão, sem ressentimentos. Harry acha que todo mundo é livre para acreditar no que quiserem, então ele não vai forçá-lo. Tenha uma boa noite. "

Marcus esperava que tanto Adrian Pucey e Graham Montague iria se juntar ao Tribunal. Afinal, ele tinha sido muito mais extrema em sua crença da supremacia puro-sangue e Harry tinha conseguido convencê-lo com muito menos.

 

_________________________

Um mês se passou desde que Harry tinha falado com Adrian e Graham, e ambos tinham aderido ao Tribunal. Harry estava feliz por ver que eles se davam bem com os outros membros.

Durante a primeira semana, eles pareciam um pouco apreensivo cada vez que falei com ele, mas vendo que Harry nunca fez nada para qualquer um deles, eles rapidamente relaxado e começou a tratá-lo como os outros tratados Harry.

Ter dois mais velhos estudantes também ajudou com as sessões de treinamento que eles tinham todas as noites com Marcus, especialmente desde que os seus melhores temas eram diferentes e que eles pudessem ajudar uns aos outros nos campos que conheciam melhor.

Um grito seguido de risos chamou sua atenção e Harry olhou para o meio da sala, onde Theo, Blaise, Draco, Marcus, Adrian, e Graham foram duelo. Theo contra Marcus, Blaise contra Adrian, e Draco contra Graham, os emparelhamentos foram escolhidos aleatoriamente e porque eles não eram um número um foi sempre deixado de fora. Entretanto, apenas porque o que foi deixado de fora não foi o duelo, não significava que ele não tinha nada a fazer; enquanto os outros duelaram aquele que estava fora iria ler, estudar ou praticar com vários feitiços diferentes. Que era o que Harry deveria estar fazendo, mas quando viu Draco ele não pôde conter a risada, agora ele sabia onde o grito tinha vindo.

Eles treinaram todos os dias, por cerca de três a quatro horas após o jantar. Embora quando eles ficaram um pouco mais por uma razão ou outra, havia sempre alguém que sofreu algum tipo de brincadeira. Harry não se importava, eles ainda eram jovens e eles necessário para relaxar e ter um pouco de diversão inofensiva agora e depois. Desta vez, a pobre vítima tinha sido Draco. Seu cabelo era da Grifinória vermelho e ouro, e ele tinha um sinal em volta do pescoço proclamando seu amor eterno para tudo Grifinória. Embora Draco havia superado muitos dos seus rancores infantis, ele ainda não podia suportar Grifinórios em geral, algo que seus amigos não poderia ajudar, mas provocá-lo sobre.

Harry balançou a cabeça e ia voltar a ler seu livro, quando a porta do quarto que ocupavam aberto.

Eles foram imediatamente em estado de alerta, eles estavam usando uma sala de aula abandonada nas masmorras. Foi um pouco longe dos corredores habituais que os alunos utilizados, por isso era improvável que quem quer que fosse tinha encontrado a sala de aula, por engano, o que significa que eles provavelmente estavam procurando especificamente.

Harry estava preparado para muitas coisas, mas ele não teve nenhum problema em admitir que, vendo os gêmeos Weasley entrar e fechar a porta atrás de si não era um deles, e considerando as reações de seus amigos, ele adivinhou que não era o que eles estavam esperando também.

Alguns momentos se passaram onde eles estavam todos em silêncio, apenas olhando para o outro. Quando se tornou evidente que ninguém ia dizer nada, Harry baixou a varinha, colocá-lo fora, e aproximou-se dos gêmeos. Ele sabia que seu Tribunal iria protegê-lo, se necessário.

"Boa noite, a que devemos a honra de receber uma visita dos Demônios da Grifinória?"

Os gêmeos sorriu e curvou-se; quando olhou para Harry de novo, seus olhos estavam brilhando e cheio de malícia.

"É uma honra", um deles começou.

"Para saber que," o outro continuou.

"Rei Slytherin," eles mudaram novamente.

"Prende-nos", e novamente.

"Em tão alta estima." eles terminaram juntos, e Harry estava começando a ficar o início de uma dor de cabeça.

"Rei Sonserina?" Harry perguntou. Ele não ia fingir ser uma criança inocente, mas ele não estava indo para dizer-lhes que eles eram basicamente correcta.

Os gêmeos trocaram um olhar, era como se eles tivessem uma conversa inteira em uma fração de segundo, e um deles balançou a cabeça e olhou para Harry novamente.

"Ao contrário do que a maioria de Hogwarts pensa, não são idiotas." o gêmeo que tinha assentiu disse.

"Exatamente, só porque não está interessado em exames ou notas, não significa que não somos inteligentes ou observador." o outro adicionado.

Aparentemente, eles optaram por não falar da maneira que costumava fazer, algo para o qual Harry estava grato; ele não sabia se ele seria capaz de acompanhar uma conversa com eles, se eles não tinham.

"Desde o ano passado, quando começou a sentar-se no meio da tabela, os Sonserinos foram comportar de maneira diferente. Nós não vê-los intimidando ninguém, nós não ouvi-los falando mal nascidos trouxas, e muitos deles olhar -lo com espanto e medo "

Harry foi bastante impressionado com o que estava ouvindo, e não mais ignorado Slytherin tanto que eles tinham sequer notar a mudança na disposição dos assentos. Bem, isso não era verdade, eles haviam notado, eles simplesmente não analisá-lo da maneira que os gêmeos haviam feito. Para eles, era apenas pessoas mudando onde estavam sentados, nada mais. E se eles notaram que os Sonserinos estavam se comportando de maneira diferente, eles com certeza não tinha feito nada sobre isso. Além disso, Harry tinha certeza de que os alunos que foram mais preconceito contra Slytherin diria que tudo era algum plano maligno e que foi a razão pela qual eles estavam a ser bom ... Bem, tudo bem, Harry admitiu que era uma trama mal, mas ainda assim, não havia nenhuma maneira para que outros possam saber que, por isso era apenas o seu preconceito contra Sonserina que os fez pensar isso.

"Assim?" Harry perguntou levantando uma sobrancelha, "Eu espero que você não pense que eu estou tentando levar os pobres, Sonserina mal compreendidos à luz." acrescentou sarcasticamente.

"Você governa Slytherin; não somos ingênuos o suficiente para acreditar que você seria capaz de fazer isso se você fosse o pequeno órfão inocente que muitos pensam que são, especialmente depois que a entrevista".

Harry acenou com a cabeça, pelo menos, que mostrou que ele não estava lidando com dois seguidores fanáticos de luz que só viam o que queriam para ver sobre o Menino-Que-Sobreviveu. Mas isso não responder à pergunta que ele estava perguntando a si mesmo desde que ele tinha visto que tinha entrado em seu quarto.

"O que você quer?"

Os gêmeos compartilhada outro olhar; tanto balançou a cabeça e deu um pequeno passo para a frente.

"Oi, eu sou Fred Weasley." o gêmeo na direita disse, era a única que tinha falado mais.

"E eu sou George Weasley." acrescentou o gêmeo do lado esquerdo.

Harry balançou suas mãos.

"Eu sou Harry Potter, prazer," isso tornou as coisas muito mais fáceis para ele, que tinham observado os gêmeos e Harry tinha sido bastante intrigado com os demônios de Gryffindor, mas como os dois deles se aproximou ele não tem que vir acima com alguma maneira de convidá-los para se juntar ao Tribunal, "deixe-me apresentá-lo aos meus amigos."

______________________________

Os meses que antecederam as férias de Verão passou em um instante.

Fred e George começou a ir a todas as práticas que tinham. Harry ficou surpreso com a facilidade com que os outros aceitaram. Em pouco menos de um mês, os gêmeos estavam completamente parte do Tribunal; no entanto, era algo que o resto da escola não estava ciente.

Fred e George proclamou que eles eram espiões do Tribunal e eles se divertiram feitiços pesquisando e encantamentos que iria ajudá-los a cumprir suas funções de espionagem.

Harry normalmente os deixou ser porque eles poderiam dar-lhe informações que os outros membros teriam dificuldade em obter.

Os exames foram passando e para surpresa de ninguém primeiros lugares foram ocupados por Harry e seu grupo. Marcus também sentiu que tinha feito bem em sua NEWT de e estava se preparando para começar a trabalhar em poucas semanas depois que se graduou.

Em suma, quando Harry estava tomando um táxi para ir para o orfanato, ele foi bastante satisfeito com o que tinha alcançado em seu tempo em Hogwarts e ele mal podia esperar para as férias ter acabado.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...