História Os opostos se atraem? - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias AOA, B.A.P, Bangtan Boys (BTS), Black Pink, BoA, EXO, Girl's Day, Got7, Hello Venus, IU, Jay Park, Lu Han, Monsta X, Red Velvet, TWICE, VIXX, WINNER
Personagens Alice, Baekhyun, BamBam, Bang Yongguk, BoA Know, Chaeyoung, Chanmi, Chanyeol, Chen, Choa, D.O, Daehyun, Dahyun, Himchan, Hongbin, Hyejeong, Hyeri, Hyuk, Hyung Won, I'M, Irene, Jackson, Jay Park, JB, Jennie, J-hope, Jihyo, Jimin, Jimin, Jin, Jisoo, Jongup, Joo Heon, Joy, JR, Jungkook, Kai, Ken, Ki Hyun, Kris Wu, Lay, Lee Ji-eun "IU", Leo, Lisa, Lu Han, Mark, Min Hyuk, Mina, Mina, Minah, Mino, Momo, N, Nara, Nayeon, Personagens Originais, Rap Monster, Ravi, Rosé, Sana, Sehun, Seolhyun, Seulgi, Show Nu, Sojin, Suga, Suho, Taehyun, Tzuyu, V, Wendy, Won Ho, Xiumin, Yeri, Youngjae, Youngjae, Yugyeom, Yuna, Yura, Zelo
Tags Aoa, Bap, Black Pink, Boa, Bts, Exo, Girl's Day, Got7, Hello Venus, Jay Park, Kpop, Luhan, Monsta X, Red Velvet, Twice, Vixx, Winner
Exibições 12
Palavras 2.426
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Chegay povo meeeu! Tudo bem com vocês? Espero que sim♡
Eu sei gente, sempre demoro, mas a inspiração não aparece do nada :(
SORRY '-'
E boa leitura né? Kkk

☆Música do Capítulo: Tomorrow - BTS☆

Capítulo 4 - Hong Bin


Fanfic / Fanfiction Os opostos se atraem? - Capítulo 4 - Hong Bin

[Hongbin Pov's]
    - Você não vai mais voltar a pisar os pés naquele lugar entendeu? - Meu pai me dava sermão me puxando do carro até a porta principal de casa.


     - Era só um restaurante.


     - ENTENDEU?


    - Sim. - Respondi após ser praticamente jogado no chão.


    - Nem veja mais aquelas pessoas.


    - Mas eles são meus amigos!


    - Não se misture com aquela gente de baixo nível! Nunca! - Um dos empregados abriu a porta e ficou um pouco intimidado com o ato de meu pai, apesar disto fazer parte da rotina.


    - Pra você eles podem ser pessoas de baixo nível, mas pra mim, eles são meus amigos, os únicos que gostam de mim, que posso confiar e contar sempre- - Neste momento, ouvi apenas o estralo da mão do meu pai em meu rosto.


    - Vá para seu quarto e não saia até o fim do dia. - Ele entrou e eu continuei paralisado após aquele tapão, eu já deveria ter me acostumado, essa é uma ação comum dele.


[Flashback On]

• Duas Horas Antes...

    Peguei meu celular e desci até a cozinha.

- Bom dia sr. Lee. - Jinne desejou - me levando um último prato à mesa.

- Desculpe Jinne omma, mas eu já vou sair, tô muito atrasado. - Disse indo à geladeira e pegando um pouco de água.

- Sr. Lee você não pode me chamar assim tão livremente, seu pai pode ouvir.

- Eu não tenho culpa se você é como uma mãe pra mim. - Após o último gole, deixei o copo em cima do balcão e dei um beijo na bochecha de Jinne. - Vou indo omma. - Sorrir e segui ao meu destino.

Jinne é a cozinheira da casa, claramente, apenas para meu pai. Desde meu nascimento ela cuidava de mim, a mesma fazia o tal papel de cozinheira e babá. Sou muito grato a ela, pois se dependesse do meu pai, eu iria parar em um orfanato. Eu nunca conheci minha mãe, parece ser difícil pra mim, mas não, não é. Eu nunca vivênciei nada com ela, não tenho lembranças dela, isso seria impossível, fotos são as únicas coisas que eu tenho em memória.


                          ☆☆☆
- Finalmente! - Hoseok gritou de braços abertos.

- Eu cheguei não cheguei? - Perguntei rindo.

- Onde é esse restaurante? - JB perguntou mexendo no cabelo e colocando um boné aba reta em seguida.

- Vem. - Em imediato, Hobi puxou eu e JB até o estabelecimento. - Rápido não?

- Demos apenas 8 passos. - JB falou confuso.

- Você contou? - Perguntei já sorrindo.

~Que idiota.~

- Não, mas foi quase isso. - Respondeu rindo.

- Vamos. - Segui até uma mesa.


              ☆☆☆
- Apenas um suco de laranja natural, obrigado.

- Hongbin e sua formalidade irritante. - Hoseok comentou. - Sem contar essas dietas sem graça dele. - Acrescentou.

- A formalidade já é costume de ficar naquela prisão e a dieta... Eu tenho que manter meu corpo saudável. - Respondi sem ânimo.

- Que prisão cê tá falando? Da escola ou da sua casa? - JB arqueou a sobrancelha.

- Pode ser as duas. - Hobi disse rindo.

- Arh... Minha casa mesmo. Eu deveria ser acostumado com isso, aliás, já faz 16 anos que isso acontece. Estudar em escola interna é como um milagre pra mim.

- Eu sei, é difícil. Mas olha pelo lado bom, não dizem que quando uma pessoa sofre muito é porque vem algo muito bom pela frente? - Hobi perguntou.

- Não acredito nisto. Eu sou uma pessoa totalmente sem esperança, sonhar é ridículo pra mim.

- Quem falou em sonhar? É a realidade meu amigo! - Hoseok disse em tom alto.

- É. Te garanto, esse ano você não vai ser mais essa pessoa sofrida e triste. - Jaebum disse pra baixo.

- Sofrida e triste? Vocês tão me confundindo? - Debocho.

- Hongbin, nem vem com essa. Nós dois sabemos que você sofre, você pode sorrir por fora, mas por dentro você chora. - JB se manifesta um pouco e eu ignoro.

- ... Tô com fome e vocês? - Fiz bico olhando ao redor.

- Isso... Muda de assunto. - Olho para Hobi e percerbo sua expressão de raiva.

- Não fique com raiva Hobi, eu.. Só não quero tocar no assunto. - Tento fazê - lo pensar bem sobre o caso.

- Eu não quero tocar no assunto, só quero falar sobre. - Ele fez uma expressão do tipo "esperto".

- Você é um idiota Hoseok. - JB disse dando um tapa no braço do outro.

- Aqui estão seus pedidos, bom apetite. - A garçonete desejou colocando nossos pedidos sobre a mesa sorrindo repentinamente para mim. Logo quando afastada, fui motivo de muita atenção.

- Essa dai te deseja. - JB falou rindo.

- Eu pegava. - Hoseok comentou jogando um beijo ao ar.

- Ela tá olhando. - Jaebum deu um gole rápido. - Chama ela pra sair.

- O Hongbin nem é tão bonito assim... Ela só olhou pra ele mesmo? - Hobi perguntou.

- Tu és lindo irmão. - JB disse ironicamente.

- É parça, nossa vida amorosa tá foda. - Hobi e JB fizeram uma batida de mão.

- Pois é, nem minha cama me quer, todos os dias tô acordando no chão. - JB comentou.

- Imagina minha mãe, tava me trocando pelo Mark e tudo. - Hoseok frangi a sobrancelha.

- Claro, quem quer uma peste dessa como filho. - JB riu.

- Rindo muito.

- Eu não quero me prender a ninguém. - Falei aleatoriamente.

- ... Também acho que é cedo demais. - Concorda JB.

- Ninguém sabe se é cedo ou tarde, o amor sempre pega você de surpresa. - Hoseok fala um tanto tímido.

- Hmmm meu moleque tá apaixonado é?! - JB afoitou os cabelos do outro e eu ri da cena.

- Afinal, todos tem que se apaixonar um dia. - Argumentei ainda rindo.

- É, parece que o meu é um tipo de pecado. - Hobi falou com dificuldade por conta da ação de JB.

- Pirralho. - Jaebum brincou ao término do ato.

- Por que você chama isso de pecado? - Perguntei.

- Vocês vão me crucificar sempre, vão ficar me perturbando por eu estar apaixonado. - Hobi fez bico.

- Se depender de mim isso não vai acontecer. - Me coloquei no lugar do outro, pois se eu estivesse apaixonado também não gostaria que todos ficassem me perturbando por isso.

- Eu também, prometo... Que vou te zuar! - Jaebum disse rindo e eu não resisti, fiz o mesmo.

- O que está acontecendo aqui? - Uma voz familiar soou ao meu lado e fez - me arrepiar todo.

~Péssima impressão...~

Virei o rosto lentamente e logo vi o semblante do meu pai não muito agradável.

- Eu fiz uma pergunta Hongbin.

- Eu estou comendo e conversando um pouco com meus amigos. - A expressão que já era ruim piorou.

- Vamos pra casa. - Ele disse apenas isso e foi para fora do restaurante.

- Eu nunca vou me acostumar com a existência do seu pai. - Jaebum falou um tanto assustado.

- Hyung você quer que eu prepare seu funeral todo rosa e com unicórnios voadores? - Hobi brincou com preocupação e JB o olhou irritado. Sorri daquilo tudo.

- Relaxa gente, eu não vou morrer tá? Eu sei que vocês me amam, mas não necessita disso. - Sorrio. - Vou indo. - Me dispenso e vou para fora do estabelecimento.

- FIQUE BEM HYUNG! - Hoseok gritou e eu levantei a mão direita como um "sim" e entrei no carro.

No caminho todo havia um silêncio insuportável.

~O pior é que eu sei que em casa é onde tudo acontece.~


[Flashback Off]

• Neste momento...

    - Sr. Lee? O sr. está-


    - Estou bem, obrigado pela preocupação. - Levantei o rosto rápido e sorri.


    - Cadê minha bebida Wonshin?! - Meu pai gritou sentando - se em uma poltrona que dava impressão de trono.


    - Acho melhor você ir servir o monstro antes que ele te mate. - Sorrir bagunçando um pouco o cabelo do outro.


    - Sim senho-


    - Hyung. Você sabe que pode me chamar assim.


    - E-eu vou servi - lo. - O menor apontou para o appa e foi ao encontro do mesmo sem jeito.


    ~Aliás, existe pessoas em casa que também posso confiar.~


    Sorrir novamente e subi para o meu quarto.


                             ☆☆☆
    Depois de um longo banho, cai na cama e peguei o porta - retrato que fica ao lado da mesma. Pra ser mais mais específico, o retrato de minha mãe.


    - Mãe, como seria se você estivesse aqui? Eu nunca te vi pessoalmente, bem, eu creio que te ver será uma ação impossível né? - Sorrir com minhas próprias palavras. - Era pra você, VOCÊ está aqui, vendo como o mundo é novamente, sentindo o sabor da liberdade e sorrindo sem motivos. Não eu... Me escolher foi um tremendo erro. - Suspirei e coloquei o quadro no lugar.


    Ouvi três batidas na porta e logo a mesma se abre.


    - Sr. Lee?


    - Pode entrar. - Falei com os olhos fixado no teto branco.


    - Hongbin eu trouxe um lanche pra você. - Sorrio.


    ~Conheço essa voz...~


    - Estou sem fome omma. - Falei ainda com os olhos fixos no teto.


    - O Wonshin me disse o que o seu pai fez. - Ela sentou na cama e ficou à me olhar.


    - Fazer o quê? Ele é meu pai. - Sentei frente à frente com Jinne.


    - Hongbin, só coma um pouco, não quero te ver passar mal. - Ela passou a mão na minha cabeça e eu a segurei dando um beijo na mesma.


    - Omma, eu estou bem. Eu comi no restaurante quando sai com os meninos hoje cedo.


    - Tudo bem, acredito em você. - Ela deu um longo sorriso sem mostrar os dentes.


    - Omma, quando eu fazer 19 anos eu vou te tirar deste lugar e te dá tudo o que você precisa e merece. - Disse deitando com a cabeça em seu colo. - Eu não sei se vou conseguir, você merece muito e eu quero retribui tudo o que você fez por mim todos esses anos. Mas eu vou fazer o possível e o impossível, assim como você fez por mim. - Tudo estava muito silencioso, mas quando eu olhei para Jenni entendi o porquê. Seu olhos estavam cheios de lágrimas e encarando a janela. - ... Obrigado por tudo Jenni.


    Ouvimos batidas fortes na porta e rapidamente eu e Jenni desfizemos nossas posição.


    - Sim senhor. - Jenni fingiu uma conversa curvando - se à mim.


    - Jenni, até amanhã você nem ninguém tem permissão para entrar neste quarto. - Meu pai disse de forma rígida. Ela apenas se curvou e saiu do quarto.


    - Pai-


    - Não me chame de pai, você não é nada meu. - Mordi os lábios. - Se vista bem, sairemos às 18hrs.


    - Onde?


    - Só faça o que mando e pare de perguntas, não devo satisfação à ninguém. - Ele foi em direção a porta e parou em frente a mesma. - Muito menos a você. - E saiu sem olhar pra trás.


    ~Poderia ser pior.~


    Dei de ombros e quando deitei na cama, ouvi o som da fechadura sendo trancada, estranhei e fui até a porta. Girando a maçaneta me surpreendi.


    - Que ótimo... - Estava trancada realmente.


    Eu reconheço esse ódio todo do meu pai. Ele me culpa pela morte da mamãe e eu também acredito nisto, também tenho uma grande parte da culpa. Ela morreu durante o parto e sempre que imagino isso, me sinto ainda mais culpado. Jinne me contou que quando isso aconteceu, ele queria me levar para um orfanato, mas ela o enfrentou e disse que cuidaria de mim, ele concordou e argumentou que me trataria como filho bastardo. Isso doeu claro, quem gostaria de ser rejeitado pelo próprio pai? Jinne afirmou que este ato dele foi por pena de mim, mas eu creio que não, ele não tem pena nem dele mesmo. Acredito que foi pela minha mãe. Eu espero que não seja sempre assim, quero que algo mude, mas só depende de mim.


                    ☆☆☆

{18:15 PM}

    - Eles irão deixa tudo para o festival.


    ~Realmente? Eu sou obrigado a ficar aqui?~


    Eu simplesmente odeio quando meu pai me chama para jantares de trabalho dele.


    - Desculpem o atraso. - Um homem chegou junto à uma garota curvando - se. Levantamos e fizemos o mesmo.


    - Sr. Park, por favor. - Alguns presentes se afastaram e o tal sr. Park sentou-se à minha frente junto à outra. Todos sentamos.


    - Podemos? - Meu pai perguntou e o sr. Park afirmou com a cabeça.


    Já tava um tanto incomodado, aquela garota não parava de mim olhar e sorrir.


    - Para o futuro brilhante de nossas empresas que lutou tanto e vem crescendo a cada geração, temos à anunciar uma nova união. - Sr. Park argumentou com um sorriso enorme no rosto.


    ~Eu não tô gostando muito disso...~


    - Lee Hongbin e Park Chaeyoung o futuro, o nosso futuro. - Todos aplaudiram e eu, sem entender nada.


    ~Mai que porra...?~


    - Marcaremos a cerimônia de casamento para o final do ano para não atrapalhar os estudos dos dois.


    ~Casamento?~


    - Claramente sr. Park. - O appa concordou me olhando seriamente, mas logo percebeu minha expressão confusa. - Se me derem licença, irei falar com Hongbin um minuto. - Ele levantou e eu o segui até uma varanda.


                ☆☆☆

    - Para a empresa seguir bem do jeito que está, você irá se casar com a Rosé, filha do sr. Park.


    - O que?! Eu não vou me casar com ninguém!


    - Você vai se casar com ela querendo ou não. Se você fizer besteira, não vai conseguir arcar com as consequências, então preste atenção, - Ele se aproximou de mim e puxou meu paletó. - Vocês estão namorando a partir de hoje. O noivado terá que ocorrer antes das aulas começarem e o casamento... Já está marcado para depois das aulas.


    - Tá tentando me manipular?


    - Não, apenas estou discutindo sobre seu futuro. - Ele soltou meu paletó com brutalidade e estava prestes a sair da varanda.


    - Por que está me forçando a casar com ela já que não sou seu filho? - Ele parou por um instante e seguiu seu rumo.


    ~Sempre assim. - Suspirei. - Minhas perguntas nunca tem respostas, sempre...~


               ☆☆☆

    - Finalmente cheguei na prisão! - Falei caindo só o bagaço na cama depois de um ótimo banho. - Espero que amanhã seja melhor que hoje.


    ~Apesar disto ser meio difícil na vida de Lee Hongbin.~


    Peguei meu celular e coloquei os fones no ouvido.


    - Ouvir Tomorrow* é a única coisa que me resta à fazer hoje.


Notas Finais


Tomorrow / Amanhã - BTS: Esta é a música favorita de Hongbin, por ser uma música de motivação. Veja a tradução, é uma música linda.

Esse capítulo é um pouco triste, mas é a realidade de muitos (principalmente na Coréia [Eu sei, me desculpem, tô assistindo muito dorama]).
Espero que tenha gostado e não desistam de mim please♡ Te amo vocês e até o próximo capítulo ~Vou fazer algo aleatório.~
Bye~~ 🌸


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...