História Os pervertidos - Capítulo 12


Escrita por: §

Postado
Categorias Bleach, Death Note, Fairy Tail, Gintama, Kuroshitsuji, Naruto, Tokyo Ghoul
Tags Bereu, Comedia, Echi, Hentai, Lemon, Yaoi
Visualizações 605
Palavras 4.253
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Ecchi, Famí­lia, Festa, Harem, Hentai, Lemon, Magia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, desculpem-me pela demora. è.é Além de arrumar vários renders pra fazer, eu tive que ficar mais tempo que o normal com o meu sobrinho, e estava sem muita vontade de escrever. Bom, o capítulo será dividido em duas partes, senão, ficaria com 7/8/9 mil palavras. Pra quem curte NaruHina, nas notas finais terá um link de uma fic que minha amiga e eu estamos escrevendo - na verdade, reescrevemos, pois decidimos voltar a escrevê-la, com o enredo diferente e um pouco mais séria - e claro, com comédia também. Bom, só isso, espero que gostem, o próximo capítulo sairá no máximo no próximo domingo, depois de duas ones que prometi - um lemon de the king of fighters - e uma comédia com Itachi e Sasuke. <3

Capítulo 12 - Primeiro dia de aula - primeira parte


 

— Light...? – senti um enorme calafrio na espinha ao fitar seu olhar maléfico fixado em mim. Vi outro olhar muito mais diabólico, era dele, a criatura mais aterrorizadora que conheço.

He, hehehe – tudo que saiu da boca do Sougo, antes de virar de costas e voltar para o seu lugar. Aquele sorriso que ele deu, conheço muito bem. É o famoso: “se ferrou, piranha!" que ele solta pra mim quando entro em alguma enrascada e ele está enfurecido comigo.

— Sabe... – Light foi se abaixando, deixando seu rosto quase colado com o meu. – Não sei por que, mas me acordei com quinze cédulas de dez reais e uma enorme dor cu – engoli seco. Olhei-o como se eu fosse um animal herbívoro olhando para um carnívoro. – E não sei por que também, quando fui ao banheiro lavar meu rosto, vi que na minha testa tinha escrito dez por um anal com a mesma cor de caneta que eu tenho – arregalei os olhos. – E por coincidência, sumiu sua pulseira que eu tinha pegado – fitou com frieza pra ela que tá no meu pulso direito.

— Desculpa! Desculpa! – comecei a chorar. – Eu não sabia que iriam comer mesmo – aumentei o choro.

— Então foi você mesmo! – empurrou minha cabeça com o pé direito, fazendo-me ficar deitada. Comecei alisar a cabeça por causa da dor. Ele não fez com força, mas seu sapato é um pouco pesado e duro.

— Me desculpa, eu não queria que comecem o seu...!

— Ninguém comeu o meu cu! – interrompeu-me aos gritos. – Só disse isso pra ter a certeza se foi você mesmo, – informou com ira em seu tom de voz e, principalmente, em seu olhar – sua idio... Aaaah! – caiu sobre mim, fazendo meu coração acelerar. – Você! – exclamou ao ver quem era o ser que tinha chutado o seu traseiro.

— Você estava tampando a entrada, seu mané – Sasuke o fitou com a mesma frieza que ele olhou pra mim. – Hum... – me encarou com irritação. Que porra eu fiz dessa vez?! – Vou para o meu lugar – passou por Light sem fitá-lo. Notei que ele estava encarando o Sasuke com muito ódio.

Fui observando o moreno indo até onde estava sua banca. Meu coração gelou na hora ao ver aonde ele se sentou.

— Por que logo ao lado da minha banca?! – pensei, bastante histérica.

— Aquele idiota um dia me paga – tudo que o maldito disse ao sair de cima de mim. Ele caminhou até o fundo da sala, e sentou-se ao lado da parede, junto de L que estava dando um sorriso meio assustador para o lado dele.

Levantei-me para ir direto pra minha cadeira, eu estava com a cabeça baixada e mexendo no meu cabelo, já que ficou um pouco bagunçado. O Sougo estava me encarando com tédio – provavelmente por eu não ter me fodido como ele esperava. Gin estava dormindo e o Hiji estava tão entretido, jogando cartas com um tal de Shikamaru que nem percebeu que sua pobre irmãzinha estava em apuros.

Antes de sentar na minha banca, eu decidi passar um pouco direto, indo até aquele garoto ruivo que está ao lado esquerdo do Sasuke para explicá-lo o porquê de ter dito amor enquanto olhava pra ele. Não quero que ele pense que eu o amo.

Cheguei a sua frente, respirei fundo pra começar a explicar. Notei que ele começou a me observar sem entender bem a minha aproximação e o Sougo, estava com um olhar repleto de ódio pra mim.

Engoli seco e tentei ignorá-lo

— Oi – comecei bem envergonhada. Vi que o Sasuke começou a prestar atenção em nós dois.

— Oi – ele ainda me olhava sem entender o porquê d’eu está a sua frente.

— Quando eu disse a...

— Foi lendo o Kanji em minha testa, correto? – me interrompeu, já deduzindo o que eu ia perguntar.

— Isso mesmo – sorri.

— Ainda bem! – Sougo me encarou, fazendo uma enorme veia aparecer na minha testa.

— Que bom que você entendeu – voltei a sorrir e, logo após, voltei para o meu lugar que é ao lado direito do Sasuke. – Bom dia – sorri para ele. Eu queria ter a certeza se ele estava mesmo com raiva de mim ou não.

— O que tem de bom? – comentou com tom irritado.

— Não tá mais aqui quem falou – comprovei que ele estava. Decidi deixá-lo em paz, não quero me envolver em brigas.

***

Passaram-se alguns minutos e já estavam todos na sala – inclusive o irritante do Ciel.

Todas as bancas estavam ocupadas, menos uma: a do professor.

— Que caralho, porra! – ouvi o berro de Hidan. – Por que esse filho da puta tá demorando tanto? – nossa! Como ele é boca suja. – Acho que esse filho da rapariga foi dar meia hora de cu com o relógio parado – todo mundo começou a rir, inclusive eu. Tá! Foi bem escroto, mas foi bem engraçado.

— Fui dar uma hora, querido – ouvi uma voz bastante familiar.

— Diretor? – olhei-o espantada. O que será que ele veio fazer aqui?

— Eu mesmo – sorriu, indo até o quadro negro.

— Que caralho você veio fazer aqui, seu filho da puta?! – novamente o Hidan com sua boca suja.

— Orochi – estralou os dedos, fazendo a sua cobra aparecer atrás dele. Como ele fez isso? – Pega!

— Ai, filho da puta! – o albino deu um grande grito ao pular depois de Orochi ter mordido sua bunda. – Por que minha bunda está ficando quente...? – sua voz parece um pouco falha. Ele estava abanando-se como se tivesse com bastante calor.

— Orochi tem uma habilidade muito especial – todos ficaram prestando atenção em que o diretor Orochimaru falava, principalmente Hidan. – Ao morder a bunda de um hétero, depois de vinte e quatros horas, se ele não tomar o antídoto, ele começa a ter uma vontade enorme de dar o rabo.

Todos se afastaram assustados de perto da cobra, até mesmo o Grell.

Fiquei com uma enorme gota na cabeça ao ver vários gays passivos com medo de ser picado por uma cobra que pode transformar um hetéro em gay passivo.

— Você está dizendo que daqui a vinte e quatros horas, eu me tornarei naquilo?! – apontou para Grell. Notei que ele ficou irritado com o comentário do Hidan.

Até eu ficaria, ele foi muito indelicado.

— Pior, querida. Pior – sorriu.

— Me dê um antídoto! – pediu, sacudindo-o com muita força.

— Vá ao meu escritório à noite que eu lhe dou – deu um sorriso malicioso.

— Você vai querer que eu coma o teu cu, não é? – sua voz estava muito falha. Parecia que já sabia o horror que vinha pela frente.

— Segredo... – colocou o dedo indicador nos lábios e piscou o olho direito.

— Eu não vou! – exclamou indignado. Também, quem não ficaria. Praticamente isso será um estupro, porém, em vez de estuprar com o pênis, será com o cu.

— Diretor, isso é errado – comentei. Não posso deixá-lo fazer uma barbaridade dessas.

— Veja o que acho sobre o que você acabou de falar – deu três giros, balançando a cabeça. Ao parar, abriu os braços e no meio dele, apareceu um grande foda-se.

Arregalei os olhos. Não sei se estou mais surpresa por um diretor me mandar-me foder ou por ter aparecido esse foda-se cor de rosa entre os braços dele.

— Se o senhor fazer isso – tentei ignorar as risadinhas, principalmente as de Sougo que estavam muito altas –, eu o denunciarei para polícia. Após dizer isso, ele foi se aproximando bastante sério. Agarrei-me no Sasuke, bastante assustada.

— Não encosta! – me empurrou nervoso, fazendo-me cair no chão. Esqueci-me que ele não gosta de ser tocado por mulheres.

— Machista! – ouvi a voz do Ciel junto com mais outras. Arregalei os olhos ao ver que ele, Temari e mais duas garotas estranha se aproximaram do Sasuke já cuspindo.

— Que merda vocês estão fazendo? – o moreno perguntou, tentando se proteger das cuspidas deles.

— Machistas não passarão! – o diretor se uniu a eles e começou a cuspi-lo também.

Pobre do Sasuke.

— Desculpe-me, Sasuke-kun! – Sakura o olhou com os olhinhos tristes e, logo em seguida, começou a cuspi-lo também, junto com a Ino que já se aproximou com os peitos de fora.

— Seus malditos – o moreno saiu correndo. Ele estava todo cuspido.

— Pensei que você não gostava de mim – comentei para Ciel que estava vestindo um lindo vestido azul de babado. É triste ver que um homem se veste melhor do que eu.

— Não gosto de você, ornitorrinco – espremi meus olhos. – Apenas fiz isso, pois adoro um motivo pra poder cuspir em macho.

— Mas você é macho – comentei com os olhos semicerrados.

— Não sou macho, sou um anjo – no mesmo instante as duas garotas estranhas foram para trás dele, balançando cada uma, um braço, como se fosse as asas dele.

Uma enorme gota apareceu em minha testa.

***

Decidi ignorar o que aconteceu agora pouco. O diretor até desistiu de fazer sei lá o quê, que ele iria fazer comigo e nos mandou esperar o Sasuke voltar. Deu sete minutos, e ele voltou junto com o Naruto que o diretor o mandou chamar.

Por que tinha que ser logo ele?

— Sasuke? – fiquei chocada. Ele estava com os cabelos molhados e com mesmo tipo de roupa, sendo que de outra cor. – Você tomou banho?

Faz nem dez minutos que ele saiu da sala e já tá tomado banho e trocado de roupa?

— Não! Apenas suei enquanto corria, e o suor fez minhas roupas mudarem de cor – disse com um tom irônico. Espremi os olhos, demonstrando que fiquei irritada com a resposta dele. – Tomei banho – virou a cabeça de lado e começou a coçar a cabeça. – Eu estava com um enorme fedor de cu e principalmente de porra – disse corado.

— Como você estava fedendo a isso, se apenas cuspiram em você? – questionei curiosa. Estava sem entender o comentário dele.

— Só sei que por causa de mim não foi... – Ciel começou. — As únicas coisas que eu coloquei hoje na boca foi bolo de morango e suco de maracujá.

— Eu chupei um amigo hoje – comentou Ino.

Que amizade é essa que tem até chupada?

— Eu só chupei cinco – dessa vez foi a Sakura, fazendo uma enorme gota aparecer em minha testa.

– A Juvia não chupou nada – comentou uma das garotas que estava fazendo a asa de Ciel.

Afinal, quem essa Juvia?

— Nem eu – a garota de cabelo vermelho afirmou.

— Eu chupei o cu da Ino – comentou Temari, me deixando extremamente corada. Olhei para Ino e parecia que ela não estava nem aí para revelação da outra loira. 

Cada dia eu me surpreendo mais com as pessoas desse internato...

— A próxima vez que me cuspirem – o moreno fez aparecer eletricidade em torno de sua mão direita – farei vocês virarem carvão. – fiquei vermelha na hora. Não percebi que eu estava com os olhos fixados nele até que...

— KYA! – berrei, me levantando, após ser acertada por um estojo preto bastante familiar. – O que deu em você, seu maldito?! – eu estava alisando minha testa e olhando para o Sougo com muito ódio.

— Desculpa, desculpa, errei meu alvo.

— Você está mentin...! – parei de berrar ao ver em que lado o Sasuke estava. Pensando bem, ele tá quase na mesma posição que eu.

Será que o alvo era ele?

— Vamos baixar o cio, pois finalmente começarão as aulas – começou o diretor. – Porém, a aula de hoje será apenas pra nós nos conhecermos.

— Pra que essa viadagem se todos já nos conhecemos? – questionou Hidan.

— Se eu digo que a porra da aula vai ser pra nós nos conhecermos, vai ser pra nós nos conhecermos e foda-se se todos se conhecem ou não! – gritou muito fino, fazendo o albino que tinha se levantado pra berrar, se sentar. – Além domais há quatros novos alunos aqui – ele olhou pra mim, depois para o Sougo e depois, para o Hiji e Gin. – Ei, criatura! – chamou o bebum que ainda estava dormindo. – Criatura! – aumentou o tom de voz ao começar a se aproximar dele. – Criatura! – aumentou mais. – Porco espinho maldito! – deu um enorme berro no ouvido dele.

— Porco espinho maldito se apresentando, senhor! – disse histericamente ao acordar. Gin estava em pé com dificuldade, dava pra notar nitidamente que ele ainda estava com muito sono.

— Sente e preste atenção na aula, você não vai querer me ver nervosa – seu tom de voz estava bastante ameaçador.

— Sim, senhora – se sentou amedrontado.

— Olá, pessoal – ele começou, já com um tom de voz alegre, se esquecendo até a parte que tinha parado. – Como eu disse, o primeiro dia de aula será apenas para nos apresentar, para conhecermos um ao outros.

— Pra que essa viadagem se todos já se conhecem? – o cachaceiro perguntou, após cruzar as pernas. Ele não notou que o Hidan fazia gesto pra ele não completar a pergunta.

— Orochi – o diretor estralou os dedos, fazendo sua cobra branca novamente aparecer atrás dele. O que nos surpreendeu foi o que estava em sua boca. – Quem te deu essa merda?! – indagou revoltado. Vi que, com a pergunta dele, ela olhou nervosa para alguém. Fui ver pra quem era, e vi o Hiji com a cabeça virada para a parede; o estranho é que ele estava suando muito. Será? – Você... – foi rebolando até o meu irmão com o cigarro que tirou da boca de Orochi. – Puta maldita! – apagando-o na cabeça de Sougo que está à frente do Hiji.

— O que eu fiz, Bambi?! – se afastou um pouco para trás, bastante enfurecido. Suas mãos tiravam as cinzas do cigarro que ficou em seu cabelo e, alguns fios d’eles estavam no chão, todo queimado. – Você sabe o quanto eu gasto pra essa porra ficar lindo? – muito bravo por causa do seu cabelo.

Foda-se quanto você gasta! – aumentou o tom de voz. – Isso é para você aprender a não dar cigarros para o meu bebê – aparentando estar muito enfurecido.

— Mas eu...

— Mas eu nada! – cortou-o. Olhei para a cara dele, e ele parece estar se segurando pra não estrangular o diretor. – Agora, se sente, pois vou voltar a brilhar – mandou e, Sougo mesmo não querendo, obedeceu.

— Hum... – tudo que meu mano resmungou ao fitar Hiji com um olhar mortal.

— Bem, agora eu irei chamar um dos professores que irá lecioná-los – comentou, e logo em seguida, olhou para a porta. – Kakashi Hatake – deu um berrinho fino, e começou a balançar o traseiro. – ÃH? – olhou estranhamente para porta ao ver que ele não apareceu. – Kakashinho? – aumentou as balançadas na bunda. – Vamos esperar um pouquinho, acho que ele foi ao banheiro – um pouco envergonhado.

Passaram-se alguns minutos e o professor já estava uma hora atrasado.

— Por que esse filho da puta ainda não chegou?! – perguntou Hidan, aos berros.

Após ele gritar isso, chegou um cara de cabelo grisalho, porém, não é velho, e por sinal, é muito bonito. Ele é magro, alto e muito sexy. O que chamou mais atenção nele foi sua máscara azul escura, que cobre seu rosto do nariz pra baixo e um tipo de bandana, que cobre seu olho esquerdo.

— Só tenho duas coisas pra dizê-lo: Não sou filho da puta, e cheguei atrasado, pois no meio do caminho, eu me perdi na vida.

— O quê? – indagou confuso.

— Nada – coçou a sua cabeça e em seguida foi para o meio do quadro, ficando a nossa frente. – Olá! O meu nome é Kakashi, Kakashi Hatake, e serei o seu novo professor de Português.

— Bom, vou deixá-lo aqui, dando sua aula em paz – avisou o diretor Orochimaru, indo até a porta. – Vou ver como Madarinha está em seu primeiro dia de aula com seus alunos – disse corado, e saiu rebolando seu traseiro.

— Hum... – o professor Kakashi apenas murmurou e encostou-se ao quadro negro. – Bom, hoje por ser o nosso primeiro dia de aula juntos, só irei conhecê-los melhor – informou, fitando-nos. – Irei fazer quatros perguntas para todos, assim, quando eu chamá-lo é só se levantar e respondê-las – cruzou os braços. – Vamos começar com a loirinha – olhou para o lado donde estou. – Qual é o seu nome? O que você mais gosta? O que você mais odeia? E qual é o seu maior sonho?

— Tá... – eu disse, me levantando. – O meu nome é...

— Não, minha jovem! Eu não estou falando contigo e sim, com a loirinha que está atrás de você – avisou com um tom calmo.

Quando ele disse isso, todos caíram na risada, pois a pessoa que estava atrás de mim, era o Deidara.

— Já chega, porra! – o loiro gritou, completamente enfurecido. – Por que quase todo mundo me confundem com uma mulher na primeira vez que me veem?

— Deve ser, porque você parece uma, gostosa! – exclamaram Miky e Shirou, em uníssono.

Que idiotas...

— Calem-se, seus malditos! – berrou o loiro raivoso.

— Calma, pessoal – pediu o professor, encarando-os. – Desculpe-me, rapaz. Agora pode responder-me as perguntas?

— Tá... – murmurou, tentando acalma-se. – Meu nome é Deidara, gosto de explosões, da diva Lady Gaga e de arte. Odeio quando as bombas não explodem e meu maior sonho, é ser um terrorista.

— O seu sonho é maravilhoso – comentou com um tom meigo.

Cara... Não acredito que ele acha mesmo que o sonho do Deidara é maravilhoso. E que danado de sonho é esse?

— Verdade? – questionou com os olhinhos brilhando.

— Claro que não, seu terroristinha de merda! Exploda alguma coisa, e eu te denuncio, caralho! – puta que pariu! Estou chocada com o professor. Não só eu, como todos, inclusive o Deidara que está com a boca aberta. – Agora é a vez da loira que tem cara de burra.

Filho da puta! Desde quando eu tenho cara de burra?!

— Eu não tenho cara de burra! – exclamei, irada.

— Eu falei com aquela ali! – apontou pra Ino. – Mas se a carapuça serviu, então tu tens cara de burra mesmo!

Estou puta com esse professor.

— Desculpa – desculpei-me, bastante zangada. Fiquei mais, ao ouvir a risadinha do Sougo.

— Oh, lerda! Dá pra você começar a falar logo?

— O senhor está falando comigo? – perguntou à burrinha.

— Não, estou falando com a tua mãe.

— Eu não sabia que ela estudava aqui – virou-se de costas para o professor e começou a olhar para todos os cantos da sala. – Mãe, cadê você?

Eu não sabia que a Ino era tão burra.

— Porra! Você não tem só a cara de burra, mas é também.

— Eu não sou burra, e nem pareço – afirmou ela.

— Tá! Esqueça o que eu disse, e diga qual é o seu nome? O que você mais gosta? O que você mais odeia? E qual é o seu maior sonho?

— Meu nome é Ino. Gosto de sair com homens, mas também adoro uma novinha, principalmente se ela for muito macho como a Temari – um enorme coro apareceu nas minhas bochechas. – Odeio pintos pequenos e finos, e meu maior sonho é ser fodida por todos torcedores de um estádio de futebol.

— Você ficou louca, sua imbecil?! – ele berrou. – Tu achas que tua buceta vai ficar como, depois de ter dado para tanto macho?!

— Sei lá! Eu já dei pra tantos e ela continua a mesma porcaria.

— Estou chocado com o quanto você é puta – avisou e, em seguida, me fitou. – Agora é a tua vez.

— Meu nome é Bereunice, mas todo mundo me chamam de Bereu. Gosto de muitas coisas, como assistir animes e hentais. Odeio as idiotices que meus irmãos fazem e meu maior sonho é... – fiquei corada.

— Qual é o seu maior sonho? Fale logo, pois não gosto de “enrolação”.

— Tá... – fiquei mais vermelha do que já estava. – Meu maior sonho é ter um... Harém de emos só pra mim – após minha resposta, ouvi um monte de risadas histéricas. As que estavam mais altas eram a de Gin.

— Sem comentários para o que acabaste de dizer. É a sua vez – apontou para o Naruto.

— Meu nome é Naruto. Gosto muito de lamem e odeio esperar os três minutos que demoram pra ficar pronto – coçou a cabeça. – E meu maior sonho, é virar o presente do Brasil, assim, cantarei o hino nacional – ao falar isso, ele começou a cantar: – Salve o Corinthians, o campeão dos campeões...

— Isso é o Hino do Corinthians, seu animal! – cortou-o, extremamente enfurecido. Estava me segurando pra não rir. – E onde se viu virar presidente pra cantar a porra de um hino? Pegue qualquer livro de uma escola pública e cante, seu idiota – coitado do Naruto. Ele se sentou chocado. – Agora é você – encarou Gaara.

— Meu nome é Gaara. Gosto de nada, odeio nada e o meu maior sonho, é nada.

— Hum... Deixa quieto... – murmurou. – Agora é você, que parece mais lésbica que a outra ali – fitou a Temari, e depois me fitou.

Mas que filho da mãe. Ele disse que pareço lésbica?

— Meu nome é Temari. Gosto de ver yuri, jogar bola, bater nos manos, e odeio hentai. – nossa... Bater nos manos? – E meu maior sonho é ter mais mulheres que o Mr. Catra tem de filhos – encarou-me com um olhar malicioso.

— Sabia que você era lésbica – se gabou, e depois fitou Sasori. – Agora é você.

— Meu nome é Sasori. Gosto de marionetes, odeio ser chamado de marido da Barbie, e meu maior sonho, é destruir a maldita que estragou a minha vida.

— Quem? – olhando-o com curiosidade.

— A Barbie!

Estou confusa. Teve um dia que eu o vi com uma Barbie, como ele estava com uma se a odeia?

— Vou ignorar a tua resposta – comentou e depois fitou um garoto bem gordinho. – Agora é você.

— Meu nome é Chouji. Gosto de comer muito, sinto ódio de quem come o último pedaço do churrasco, e meu maior sonho é comer até estourar – murmurou muito feliz.

— Não se preocupe que seu sonho já está quase se realizando – afirmou. – Agora é você – apontando para Shikamaru.

— Meu nome é Shikamaru. Gosto de dormir, odeio quando alguém me acorda e meu maior sonho, é viver dormindo para o resto da minha vida.

— Pule de um prédio, de pelo menos cinco andares, que você dormirá pra sempre – comentou. Nossa! Ele é muito estressadinho. – Agora é você – apontando para um cara de jaqueta preta.

— Meu nome é Kiba. Gosto de cachorros, odeio gatos, e meu maior sonho é pegar todas as cachorras da cidade.

— Já estou começando achar que todos dessa porra são loucos.

— Espera! Eu não estava falando desses tipos de cacho...

— Agora é você – olhou pra Hidan, ignorando o que Kiba falava.

— Meu nome é Hidan. Gosto de porra nenhuma, odeio a porra toda, e meu sonho não é da tua conta, porra.

Como ele é idiota.

— Não vou perder tempo com você – comunicou. – Agora é você – apontou para Sasuke.

— Meu nome é Sasuke. Eu gosto de quase nada, odeio quase tudo. E meu maior sonho, é confidencial.

— Aprendi muito com você – sendo sarcástico. – Agora é você – apontou para Sakura.

— Meu nome é Sakura. Amo o Sasuke, o Sebastian, o Sasori, o Deidara, o Sai, o...

— Resume que não temos tempo.

 — Resumindo, amo todos os homens.

— Continue.

— Bom... Eu odeio o diretor, pois ele vive me empatando de pegar meus lindões, e vive jogando milho em cima de mim – milho? – E meu maior sonho, é um dia... – olhou corada para o Sasuke. – Sasuke-kun! – começou a balançar o traseiro.

— Vamos! Você – disse o professor, para uma garota de olhos perolados. Parece que ele não está muito bem.

— Meu nome é Hinata. Gosto dos meus amigos, odeio tudo de mau, e meu maior sonho é viver em paz com todos os que eu amo – após ela ter dito isso, beijou um crucifixo e se sentou. O professor sorriu e depois olhou pra Miky.

— Agora é você.

— Meu nome é Miky. Gosto das putas peitudas, porém, eu prefiro as que tenham um bundão, para eu cavalgar em cima, como cavalgam nos cavalos. Odeio o emo baitola – olhou pra Sasuke – e o viado do Shirou, que vive me mandando foto de macho pelado. E meu maior sonho, é ter um puteiro só pra mim.

— Agora é você – fitando Misa.

— Meu nome é Misa. Gosto de rock, do lindo do meu Light e de ver coisas arrepiantes. Odeio aquela boneca de macumba – olhando pra mim. O que eu fiz com ela? –, e meu maior sonho é ser uma cantora da banda Lordi e noiva do meu Lightinho.

— Você sabe cantar?

— Não sei se eu sei – afirmou. – Só sei que, quando eu estou cantando, a minha mãe sempre grita: Filha! Acuda esse animal que está morrendo, por favor.

— Quanto mais corro, mas assombrações aparecem – resmungou e, em seguida, fitou L. – Sua vez.

— Meu nome não importa, mas pode me chamar de L. Gosto de tudo que é doce, e de mulheres, principalmente das peitudas. Odeio comida saudável, e meu maior sonho, é ser sócio do Miky no puteiro.

— Sem comentários – informou. – Agora é você – encarou Natsu.

— Meu nome é Natsu. Amo lutar, comer, dormir e peidar – várias risadas foram ouvidas. – Odeio o Gray – no mesmo instante, eu ouvi um “eu te odeio também” –, e meu maior sonho é ver a cidade pegando fogo – se levantou e começou a dar um sorriso maléfico, junto com o gato azul que saiu de sua mochila.

— Outro retardado – suspirou e alguns alunos começaram a rir. – Agora é você – olhou para uma das garotas estranha que estava fazendo a asa de Ciel.

— O meu nome é Erza, Erza Scarlet. Gosto de ajudar os outros, principalmente os pobres miseráveis que passam fome – comentou, olhando para mim. – Odeio ver os miseráveis passar fome, e meu maior sonho, é matar a fome desses miseráveis – fitando-me novamente.

Por que ela sempre olha pra mim? E pra que usar miseráveis várias vezes? Que coisa!

— Pelas suas roupinhas, você deve ter bastante dinheiro – comentou, olhando-a de baixo pra cima.

— Tenho, professor. Graças a isso, ajudo a matar a fome das pessoas que não tem nada pra comer – encarando-me.

Já estou de saco cheio disso.

— Vamos deixar isso de lado, e vamos continuar – visivelmente irritado. – Agora é você – encarou Sougo. Arrepie-me todinha, já sei que vem merda pela frente...


 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...