História Os quatro reinos: Um amor proibido - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~Camus_Lux

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 7
Palavras 1.037
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Bem foi isso.
(Ps: Aparencia de Camus na caa do cap)

Boa leitura

Capítulo 4 - Aventura nas catacumbas do castelo parte 2 (2-2) (Ft Baile)


Fanfic / Fanfiction Os quatro reinos: Um amor proibido - Capítulo 4 - Aventura nas catacumbas do castelo parte 2 (2-2) (Ft Baile)

Camus Tyrell On:

 

Depois de o holograma sumir, e, a porta trancar-se atrás de nós. Das paredes flechas de fogo começaram a ser lançadas em nossa direção, mas todas eram desviadas pelas caudas bicolores de kitsune da Rainha Amanda.

Ao mesmo tempo em que as flechas eram lançadas, esqueletos enfeitiçados começavam a vir em nossa direção com espadas nas mãos.

Eu lutava contra os esqueletos, Amanda cuidava de desviar as flechas. Estava difícil para ela, afinal, uma das flechas passara de raspão por seu rosto.

̶ Ali! Uma porta, vamos!

Ela apontou uma de suas varias caudas para uma porta negra escrita em vermelho: Sala de treinamento 2.

Corremos ate a porta e a abrimos. O local era iluminado por tochas, as paredes beges, logo mais uma armadilha.

̶ Camus!

Amanda gritou e jogou-me longe com uma de suas caudas, recebendo a flechada por mim. Ela grunhiu de dor, sangue escorria por entre as vestes. Ela caiu de joelhos no chão, mas esforçava-se para ficar consciente.

̶ Amanda!

Corri até ela e outra flecha. Usei meu escudo para proteger nós dois. O escudo dava-me tempo para cuidar do ferimento daquela rainha de outro reino. As flechas aumentavam cada vez mais, e o ferimento de Amanda cicatrizava-se rapidamente. A esfera mística dela brilhava muito e logo o brilho acabou-se.

̶ A-acho que f-foi b-bom t-ter trazido m-minha e-esfera mística...

Ela dizia com um pouco de dificuldade e levantou-se, tirou de sua bainha, uma espada como a minha e juntos fomos desviando as flechas.

A cada porta, era um desafio perigoso: Pedras que podem lhes esmagar, flechas de fogo e com veneno, escorpiões gigantes, guerreiros esqueletos, armadilhas mortais, mil coisas. Passamos ao todo por quatro a cinco portas e nos vemos perto da ultima, esperando que fosse a saída adentramos a mesma. Finalmente o ar puro.

̶ Sente-se bem Amanda?

Perguntei, ela parecia meio cansada, estava pálida, com uma aparência de quem ia desmaiar.

̶ Estou, apenas estou com um pouco de sono, apenas isso.

Ela falou e eu coloquei o braço da rainha em meu ombro e dirigimo-nos para a sala de reuniões. Quem visse a mim juntamente com a rainha Amanda diria que temos um caso, e isso de fato acontecia, o povo de meu reino descobriu a estadia de Amanda no palácio e os boatos se espalharam por todos os outros reinos. O reino vampiro estava para iniciar outra guerra comigo e fazer uma nova guerra contra as Kitsunes. Já o reino dragão, mesmo sendo o reino do agressor de Amanda, ainda era aliado, afinal, agora o trono tinha sido passado a Dylan, e ele é confiável.

(quebra de tempo)

Fazia alguns dias, digamos quase um mês que Amanda estava comigo em meu castelo, não que eu me importasse com isso. Mas, sabia que ela teria de voltar para seu reino.

̶ Amanda, querida amiga... Seu irmão, o príncipe Kaneki veio buscar-lhe.

Falei. Eu sentiria falta dela, muita, ela foi uma boa companhia, na verdade, uma ótima amiga. As canções que ela cantava na calada da noite eram esplendidas, tudo nela era maravilhoso. Um de meus servos, Natan, disse-me que ela poderia, quem sabe, ser minha esposa. Mas neguei tal comentário, afinal, somos bons amigos, e talvez ela nem goste de mim mais que um bom amigo. Mas não posso negar que a amo, um único mês com ela a meu lado pude ver o quão boa ela era no comando, tinha coragem, manejava uma espada sabiamente e velozmente, ela era demais.

̶ Acho que isso é um...

Ela ia falar, mas interrompi-a:

̶ Isso não é um adeus minha querida amiga, digamos que é um ate breve.

Disse e ela sorriu. Abraçamos-nos e então Kaneki adentrou sala do trono onde Amanda e eu estávamos.

̶ Rei Camus...

Reverenciou-me e então se levantou.

̶ Querida irmã, hora de partimos, Viviane sente tua falta.

Kaneki disse e Amanda assentiu. Antes de sair pela porta do cômodo, veio em mim e sussurrou a meu ouvido:

̶ Um presente de despedida querido Rei...

E deu-me um beijo em minha bochecha. E então se foi. E logo após outro de meus servos adentrou dizendo que tinha um mensageiro do reino dos dragões aos portões do castelo querendo falar comigo.

̶ Já irei.

Falei. “Amanda, quando terei a chance de ver-lhe novamente? A chance de lhe falar que durante este mês de sua estadia em meu castelo, apaixonei-me por ti?” pensava.

Camus Tyrell On:

 

Amanda On:

 

̶ Irmã!

Viviane veio abraçando-me. Logo meu pequeno filho também veio a meu encontro.

̶ Querida mãe.

Abraçou-me. O dia foi apenas conversa, meus irmãos e servos contaram-me que Nicolly fora uma ótima rainha o tempo em que estive fora.

̶ O que são catacumbas?

Perguntou-me Viviane. Expliquei a doce garotinha e então fui com Yugi ver seus poemas.

̶ O que acha mamãe?

Perguntou-me. Elogiei cada poema. Mas todos eram voltados ao príncipe Atem, o príncipe mais novo dos dragões. Tenho péssimas lembranças sobre dragões, mas não posso impedir meu filho de apaixonar-se, e afinal, nenhum daqueles dragões fez-me mal, a não ser pelo seu antigo rei, mas esta historia fica no passado...

̶ Vossa alteza, um mensageiro do rei Dylan acaba de chegar com uma carta para senhora.

Uma de minhas serventes falou. Direcionei aos portões e recebi o mensageiro, que trazia um convite para mais um baile daquele reino. Mesmo tendo péssimas lembranças a me assombrar, decidi ir.

̶ Mas Amanda...

Arthur já ia pronunciar-se, mas Pink Pie o impediu.

̶ Se nossa irmã queres tanto ir conosco a este baile, iremos com toda a certeza.

Sorri para Pink Pie.

(Quebra de tempo)

Chegando ao castelo dos dragões. Dylan veio a cumprimentar-nos.

Dançamos, cantamos, mil coisas fizemos naquele baile quando eu o vejo em uma roupa de festa. Camus estava lá. Fui ate ele e o cumprimentei. Quando uma musica lenta começou a tocar, ele me chamou pra dançar e eu aceitei.

̶ Você está linda Amanda.

Falou a meu ouvido.

̶ Você também.

Digo e assim a noite seguiu-se. Reino Kitsune, Reino de Tyrell e Reino dos Dragões unidos, e talvez, corações também...

 

Amanda Off...

 

 

 

 

 

 

Continua...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fiz cap. rapidinho ok gente? Fica o spoiler: No próximo capitulo um casal vai aparecer

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Goodbye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...