História Os Ursos Negros - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Twenty One Pilots
Personagens Josh Dun, Personagens Originais, Tyler Joseph
Exibições 30
Palavras 1.432
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Festa, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Pansexualidade, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


:D

Capítulo 14 - A conexão.


Os ensaios e os pequenos shows estavam indo a mil para as duas bandas. Tyler e Bear – os devidos líderes – tornavam aquilo só sobre os seus trabalhos do que sobre algo pessoal. O que eles sentiam devia estar em segundo plano, mas agora aparecia nas letras de músicas. Eles pensavam em rejeitar, mas não dava para Bear e, para Tyler, elas nunca terminavam.

Josh estava deitado no chão por motivos de: ninguém sabia. Era frio o chão e as outras pessoas ali pareciam concordar que estava ok Josh estar no chão. Dan deitou ao seu lado e agora eram dois corpos no chão e nenhum ensaio de nenhuma das duas bandas.

Estava tudo bem tirar um descanso, não é mesmo? Eles concordavam que sim.

— Está gostoso o chão? – Jason perguntou aos dois.

— Está duro! – Dan respondeu.

— Um pouco… – Josh se meteu afinal a pergunta também havia sido para ele. — Mas a vista é boa.

— A vista do teto? – Jason uniu as sobrancelhas.

— Não, J, da sua cara feia na frente dele. – foi Dan quem respondeu.

Josh caiu na gargalhada assim como os outros ali. Jason, que estava realmente agachado na frente dos outros, saiu rindo como ser ter caído naquilo não fosse motivo suficiente para ferir seu orgulho. Quando pararam, Ben se aproximou de Jason e cutucou seu braço.

— Ele zombou da sua cara muito bem.

— Vai se catar, Benjamin!

Josh balançava a mão sem parar e Ben entendeu que era um pedido de ajuda para levantar. Levantou o colega e Josh ria porque Ben quase caiu quando foi fazer aquilo. Por incrível que parecia, todos estavam bem e em paz o suficiente para não estragarem um momento descontraído daqueles para eles mesmos.

Ninguém queria ensaiar àquela hora. Todos estavam pensando em como aprontar uns com os outros. Dan continuava no chão, Josh estava sentado num banquinho de bateria, Brian olhava para o namorado e Bear olhava para Brian. Os outros pareciam espalhados sentados no chão frio.

— Vocês não vão tocar? – Bear perguntou aos seus integrantes.

— Cansados! – Ben respondeu. — Estamos cansados!

Bear tacou uma bebida no garoto.

— Estão porra nenhuma!

— Nós podemos tocar? – Josh perguntou. Só havia instrumentos para uma banda ali.

— Vá em frente, garoto! – Bear respondeu com desanimo. — A The Black Bears não funciona hoje.

Tyler se levantou do chão e pegou seu ukelele ao seu lado. Ele estava carregando aquele instrumento para qualquer lugar que fosse. Parou na frente do microfone e estava testando se tudo estava ok e ligado – o que deveria estar porque a The Black Bears tinha avisado que ensaiaria naquele dia – e eles começaram a improvisar alguma coisa.

— Eu não acredito que paguei o estúdio para outra banda tocar. – Bear brincava, mas parecia sério.

— É uma banda boa pelo menos. – Jason rebateu ao comentário de Bear.

Bear concordou com a cabeça e riu.

Os olhos pareciam atentos a Twenty One Pilots despida. Tyler e Josh faziam daquilo um ensaio improvisado cheio de coisas que eles não fariam normalmente. Ao mesmo tempo em que os outros pareciam animados, eles pareciam surpresos. Era a sensação de que duas pessoas podiam combinar muito bem e havia chances de que elas nunca se conhecessem.

A vida era ridiculamente feita de imprevistos.

Havia um integrante no lugar de Brian na The Black Bears, o Prince, mas ele teve problemas maiores e esses problemas maiores o fizeram sair. Bear conheceu Brian e Brian foi sua escolha. E, naquele momento, uma simples escolha tinha mudado a vida de muito mais do que só a The Black Bears. Porque se não fosse Brian…

Se fosse outro cara, não importava quem, as coisas seriam diferentes.

Talvez não para a The Black Bears, mas para Tyler. Brian não veio sozinho, em sua bagagem tinham histórias incríveis e Josh. Mas por que agora eles pensavam sobre tudo isso? Porque os próximos meses eram de escolhas e uma pequena poderia dizer quem seria o vencedor do Festival ou quem seria mais amado pelo público.

O fato de que Tyler e Josh podiam nunca ter se conhecido e nunca descobrirem que eram almas gêmeas musicalmente e amigavelmente falando mostrava para eles agora como todos eram reféns de escolhas. Reféns de coisas que eles nem sabiam que iriam escolher ou fazer. E tudo pareceu pequeno e ao mesmo tempo imensamente assustador.

Quando Tyler e Josh fizeram uma pausa do improviso deles, viram aqueles olhos sobre eles e não entenderam. Todos pareciam chocados, exceto Brian, esse parecia bem feliz de ver que os garotos eram bons até improvisando. Tyler e Josh se olharam e depois falaram, juntos:

— Vocês estão bem?

Foi quando Brian se virou para os outros e viu o que os dois garotos viam. Pessoas chocadas e perdidas no encanto pela Twenty One Pilots e em seus pensamentos. Parecia que ver Tyler e Josh tocando despertava em pessoas sensações diferentes. Talvez porque a The Black Bears era um grupo a tanto tempo que seus cérebros tinham sincronizados também, Brian não sabia, mas era o que parecia.

Ele também havia sentido algo dentro dele vendo aqueles garotos tocando – mesmo um improviso –, foi uma felicidade que ele não podia medir o tamanho. Era como se Tyler e Josh estivesse se conectando com ele e, Brian pensava, deveria ser isso que a maioria das pessoas sentiam quando viam esses garotos nos bares. E seria isso que elas sentiriam ao vê-los no Festival.

Foi Jason quem resolveu que era hora de todos acordarem daqueles pensamentos e os acordou batendo palma. E depois as palmas foram para a Twenty One Pilots, querendo mostrar o quanto ele havia achado aqueles dois garotos incríveis.

— Vocês conseguem acreditar nisso? – Jason gritava. — Nós criamos concorrentes a altura dentro do nosso próprio lar.

Tyler e Josh ficaram vermelhos.

— Não, garotos, isso não é algo ruim. – Jason se virou para os garotos. — Isso é ótimo! Além de excelentes músicos, nós cinco também somos ótimos descobridores de talentos e ótimos professores!

Tyler e Josh ainda estavam vermelhos, mas agora riam. E os outros também estavam rindo.

— Agora temos que tomar cuidado com esses garotos! – Jason voltou a se virar para a própria banda. — Eu já sabia disso, claro!

Todos ali concordavam e sim, já sabiam disso. Todos sabiam que a Twenty One Pilots era boa, mas ali eles perceberam algo que nunca haviam percebido antes. Tinham percebido que haviam juntado a coisa mais conectada e firme do que eles jamais seriam. E isso era incrível e parecia encher o coração de cada um deles… E encher de medo também.

 

Aquele mês parecia uma corrida de shows em bares e casas de festas marcados. Bandas que participariam do Festival procuravam público em qualquer canto, mas os donos dos locais tinham seus preferidos. The Black Bears estava em primeiro, óbvio, enquanto a Twenty One Pilots subia na lista, mas estava longe de alcançar o segundo ou terceiro lugar.

Naquela reta, ouviam alguns não e alguns poucos sim e eram esses que lhes faziam animar para caralho. Qualquer experiência e oportunidade para mostrar trabalho era válida. Mesmo animados, ainda tinham que enfrentar o medo, a angústia e a ansiedade ocupando os seus corpos.

E nos olhos um dos outros é que eles encontravam a saída para tudo, uma válvula de escape. A música era uma, mas a música não era a música deles sem eles. E era isso que estava os tornando cada vez mais unidos e eles tinham a certeza que podiam ser um só cada vez mais.

Isso não dava medo? Em Tyler dava.

Tyler tinha medo que de tanto se tornar parte de Josh e vice-versa, se um dia Josh tivesse que deixá-lo Tyler não conseguisse encontrar uma maneira de voltar a ser ele mesmo. Seja na maneira como ele vivia – enxergava o mundo – ou na maneira como ele tocava.

E Josh segurou sua mão, foi assim que eles entraram no palco.

Tyler não queria dizer o que sentia quanto tocava aquela mão, mais do que emocional, era tudo uma questão de conexão. A conexão existia ali e estava fazendo tremer. Tyler nunca saberia ser forte a tudo isso como sabia que Josh também nunca saberia. Mas era bonito então estava tudo bem.

Tyler não estava falando de seus sentimentos românticos por Josh dessa vez.

E, como era para ser, o show foi incrível. Mesmo que ainda fosse numa casa de shows pequena, com um público minúsculo que estavam mais ali para os DJs do que para eles, o show tinha sido incrível. O que eles passaram estava escrito em cada pessoa e ninguém tiraria deles.

E estava escrito neles, em cada pedaço que formava a Twenty One Pilots.


Notas Finais


Se chegou até aqui, obrigado ><


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...