História Os Viajantes - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Comedia, Romance, Sexo
Exibições 3
Palavras 1.006
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Ecchi, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Boa noite meus brotinhos
não postei a imagem do personagem de hj por que a criança que eu cuido resolvel pintar ele com macarrão!
então vai ficar para a proxima.
Boa leitura.

ps; essa foi a minha expreção ao ver a sena!

Capítulo 23 - Caçadores


Fanfic / Fanfiction Os Viajantes - Capítulo 23 - Caçadores

Dex

- Onde se encontram os tripulantes da nave de fuga?

- Eles ainda não chegaram aqui senhor. – responde um dos médicos – Estamos esperando ordens para ir ate o setor de embarque.

- Quero dois enfermeiros comigo, aguarde o nosso retorno. – Digo apontando para um casal de enfermeiros ali perto. – Peguem algumas caixas de socorro e me sigam.

Deixo um guarda na sala e vou com o resto para o setor de embarque. Chegando lá, não vejo ninguém, o setor estava vazio. Faço sinal para os guardas se espalharem. Vou pela beirada sul, onde a varias caixas e ouso um burburinho. Me abaixando atrás de uma das caixas espio.

Todos os funcionários daquele setor estavam juntos, envolta de alguma coisa ou alguém. Com dois guardas perto de mim, nos levantamos com as armas apontadas e eu digo.

- Levantem as mãos e afastem se devagar. – eles se movem devagar abrindo espaço. – O que esta acontecendo aqui senhores?

Quando todos me olham vejo seus olhos inchados e vermelhos, boca e nariz saindo espuma azul e seus braços estavam arranhados. Todos vão se espalhando devagar me revelando o que havia no meio deles. Uma Orbitos mordendo o braço de um homem caído no chão.

- Largue o ou de adeus a seu celebro. – digo mirando em sua cabeça.

Ela solta homem e me encara. As Orbitos são espécies de pessoas metade cobras, unhas afiadas e presas venenosas, que ao invés de matarem fazem suas vitimas virarem bonecos lerdos.

- Bussscador!!! Esstava essperando por você – ela faz sinal para que eu me aproxime - Venha ate mim e sserei rápida.

- Never. Não e assim que tratamos nossos anfitriões. – era uma voz de homem.

Ouso chiados, como de eletricidade, e o som de botas pesadas. Um saco cai na nossa frente, no impulso um dos guardas atira nele, que com um rasgo derrama seu conteúdo. Pedras preciosas, e pareciam ser valiosas. Olho para cima e vejo um homem de sobretudo e chapéu escondendo o rosto. Mesmo a essa distancia faço uma analise; porte forte, sem calda então e rápido, sem assas e com altura mediana, com certeza e o superior da Orbitos.

- E uma bela nave a de vocês. Esta cheirando a nova! – ele diz imóvel.

- Quem são vocês e o que querem? – Digo apontando a arma para ele.

A Orbitos sibila para mim, parecendo irritada por ser ignorada. O homem levanta um pouco o chapéu nos permitindo ver parcialmente seu rosto. Pele cinza, com quatro linhas azuis, dentes grandes e afiados, usando luvas e o interior do sobretudo pude ver uma arma.

- Pode me chamar de Brow, o Fatiador. E esse e a minha proposta para o senhor, se juntem a nos e ninguém sairá ferido ou morto. Antes que recuse pense bem, não a motivo para mortes desnecessárias.

- Ainda não me disse quem são e o que querem! – Digo tentando enrolar, pos já apertei o sinal do comunicador para a sala de controle. Assim que o sinto ligado digo; - Vocês são piratas, mercenários ou revoltantes?

- Somos caçadores meu caro. E vocês são as nossas presas. Ou melhor dizer assim; a sua nave e o casal, são nosso objetivo.

Ele recua e vai descendo devagar a pilha de caixas, cada vez mais perto vou descobrindo detalhes. Com a pele cinza, listras azuis passam através dos olhos, suas roupas são de combate, de um material muito resistente e duro, ele carregava armas, facas, machadinho e um martelo na lateral da perna direita. Ao estar no mesmo nível que eu, noto que ele e da minha altura. Um Quartano, por volta dos 40 anos, com porte disciplinado e serio.

- Essa e Never, minha auxiliar. – ele aponta para ela e diz – Never, seja civilizada e os cumprimente direito.

Never sibila para nos aproximando se de Brow, ela se curva um pouco, parecendo querer pular.

- Estou com fome senhor, podemos ir logo ao ponto?! – Never arranha o chão parecendo impaciente.

- Acalme se Never, já conversamos sobre isso. – Brow diz e cruza os braços me encarando. – Vocês tem 10 minutos para saírem da nave, sem confrontos.

- E se não sairmos? Pelo que eu sei a nave e nossa e temos direito de revidar a invasão. – Um dos guardas se pronuncia.

- Se for esse o caso, seremos obrigados a destruir tudo. – Brow diz e monstra um dispositivo de hologramas, ele o liga e vai mostrando varias naves destruídas. – Esses são alguns exemplos de casos que tivemos que sair. Desagradavel.

Desgraçado. Enquanto ele falava as imagens continuavam passando, eram muitas. Brow desliga o aparelho e olha para o próprio pulso, fingindo cronometrar o tempo.

- Nos vamos esperar por 10 minutos, se não saírem não saíram mais. – Brow diz e vai andando para o lado leste do setor. Lá haviam mais 2 Orbites, 1 draconiano e quatro Winders. – Pessoal, deem um incentivo.

Todos estavam segurando armas, e com o comando de Brow começam a atirar. Corremos para fora, mas um guarda foi atingindo no braço. Aperto o comunicador e pergunto.

- Sacha, ouviu isso?

- Sim Dex. Já transmiti para os outros.

- Estou indo com Nick ate Barão, convoque Deryan. Consegue ver o setor de cargas?

- Eles arrancaram todas as câmeras, os comunicadores e os sensores.

- Consegue ativar um dos drones?

- Vou tentar, mas sem uma ativação manual pode demorar uns 3 mins. Tentarei ser rápida.

- Ok. Avise me quando conseguir imagens.

Nos corremos ate a enfermaria e deixamos o guarda lá. Logo após chegarmos ao quarto de Barão, o encontro mexendo em algumas armas. Sem nos olhar ele diz..

- Onde esta Deryan?

- A caminho senhor. Quais são as ordens? – Nick diz.

- Não vou entregar minha nave nem o casal. Alguma objeção?

- Estamos com o senhor Capitão! – Deryan diz entrando no quarto. – Vamos reunir todos na sala de controle, tenho algumas informações a dar.

Deryan paresia tenso, como se estivesse focado com algo. Era raro ele parecer tão nervoso assim, a situação so podia piorar.


Notas Finais


Saibam que amo muito vocês.
não esquesão de comentar, isso me deixa muito feliz.

Beijos mus brotinhos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...