História OUAT - New Brooke - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 2.794
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Escolar, Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Insinuação de sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, pra quem estiver lendo, recado rápido.
Eu comecei a escrever a história antes de saber que o Henry teria uma filha chamada Lucy na série e que teria uma sétima temporada, aqui na história Lucy é filha da Emma e do Gancho, Henry não teve nenhuma filha.
Aproveitem.

Capítulo 3 - Three


Evil andava pelos corredores do castelo impacientemente, olhava dentro de cada quarto, mas não encontrava quem estava procurando.

Quando entrou em um corredor encontrou Lucy e Jonas conversando.

        — Vocês aí. — Chamou-os.

        — Algum problema Evil? — Lucy perguntou sorrindo.

        — Onde está o Gancho?

        — Saiu com nossa mãe, por quê? — Perguntou Jonas.

Evil bufou irritado.

        — Aconteceu alguma coisa?

        — Eu precisava da ajuda dele, mas ele nunca está por perto quando precisamos.

        — Com o que você quer ajuda? — Lucy perguntou — Talvez nós possamos ajudar você.

        — Não, você não... — Ele parou de falar e olhou Lucy — Você sabe comandar o Jolly Rogers, não é?

        — Meu pai me ensinou um truque ou outro, por quê?

        — E se eu disser que tenho uma proposta para você? — Evil sorriu — Uma que se der certo deixaria o Gancho orgulhoso.

        — O que você tem em mente?

        — Eu preciso de ajuda para chegar a uma ilha, e preciso de um pirata que conheça os mares para me levar até ela.

        — Digamos que eu esteja interessada, como vou saber que não está aprontando mais uma das suas?

        — Não vai. — Respondeu — Mas você é filha de um pirata, não vai recusar isso.

Lucy não disse nada, Jonas ficou calado olhando os dois conversarem.

        — Te vejo no Jolly Rogers. — Evil sorriu e desapareceu.

        — Você vai aceitar? — Jonas perguntou.

        — Não sei.

        — Posso ir com vocês?

Lucy o olhou.

        — Não. — Respondeu e virou de costas.

 

Chloe estava sentada no refeitório lendo um livro de histórias que ganhou de seu sobrinho, ela achava estranho chamar ele assim, só fazia às vezes.

        — Você está bem? — Lucy sentou ao seu lado — O que está lendo?

Chloe fechou o livro e mostrou a capa a amiga.

        — Era Uma Vez. — Lucy leu o titulo — Sobre o que é?

        — Histórias. — Olhou o livro — Histórias antigas.

        — Posso? — Lucy fez menção para pegar o livro, Chloe o entregou.

        — Chloe. — Hector se aproximou da mesa das meninas — eu queria devolver o caderno do seu amigo.

        — Tudo bem. — Chloe sorriu vendo ele tirar o caderno da mochila — Conseguiu entender a letra do Scoth?

        — Sim, ele escreve bem. — Hector sorriu — Só tinha algumas coisas confusas em algumas folhas.

        — Que tipo de coisa? — Perguntou.

        — Em algumas folhas ele parou de escrever sobre o trabalho e escreveu a palavra maldição algumas vezes.

        — Maldição? — Perguntou — Será que você poderia me mostrar onde está essa folha?

        — Claro. — Hector abriu o caderno e folheou um pouco até achar as folhas que havia falado, Chloe olhou admirada — Tirando isso, foi fácil entender o trabalho.

        — Tudo bem, obrigada. — Voltou a olhar a folha.

        — Nos falamos depois. — O garoto ruivo sorriu e saiu andando.

        — Hunter, você lembra. —Chloe sussurrou passando os dedos nas palavras.

        — O que disse? — Perguntou Lucy.

        — Nada. — Respondeu — O que achou do livro?

        — Até que eu gostei, embora pareça que alguns contos estão muito diferentes.

        — Eles ficam melhores assim. — Chloe sorriu — Agora eu tenho que ir.

        — Posso ficar com ele? Depois eu devolvo. — Lucy pediu, segurando o livro.

        — Tá, mas não perde. — Disse e saiu andando.

Lucy ia guardar o livro, mas acabou derrubando-o no chão, ele abriu em uma historia que chamou a atenção da garota.

        — Capitão Gancho. — Leu o titulo — Vilões têm histórias próprias agora? — Perguntou em voz alta e riu. Depois começou a ler a história.

 

Lucy estava na costa esperando Evil há alguns minutos, quando o viu se aproximar com um garoto um pouco mais alto que ele.

        — Achei que não fosse aparecer. — Evil sorriu.

        — Quem é ele? — Perguntou olhando o garoto.

        — Esse é o Scoth, ele já esteve no castelo, lembra?

        — O filho daquele caçador, me lembro de ter passado por ele.

        — Vamos subir a bordo ou você prefere que nossos pais nos achem aqui? — Pergunta Evil.

        — Pra onde vamos? — Lucy foi na frente sendo seguida pelos dois garotos.

        — Uma ilha não muito longe. — Scoth responde — Evil precisa de uma coisa dela pra me ajudar.

        — Ajudar com o que?

        — Coisa de família, problema de saúde.

        — Da pra ir logo, ou está com medo de não saber navegar com esse barco? — Evil deu um sorriso presunçoso.

        — Eu só preciso soltar as...

Evil moveu a mão e soltou todas as cordas que seguravam o navio.

        — Nos coloque no mar.

Os ventos começaram a soprar as velas, que Evil também ajustou com magia, e eles foram em direção ao mar aberto.

        — Pra que lado? — Lucy pergunta do timão.

        — Continue indo em frente. — Evil respondeu depois se virou para Scoth — Você trouxe?

        — É claro. — Scoth sorriu e tirou um feijão do bolso.

Evil andou até a proa do navio e atirou o feijão o mais longe que pôde e poucos segundos depois um redemoinho apareceu no local que o feijão atingiu.

        — Vá naquela direção. — Mandou — E não pensem em nada.

Lucy ajustou o curso e seguiu em direção ao redemoinho, deixando que o navio entrasse nele.

 

Chloe andava pelos corredores olhando dentro de cada sala possível a procura de Scoth, o caderno dele que havia pegado de Hector estava em suas mãos.

Ela estava quase desistindo quando o viu entrar no banheiro masculino, sozinho.

        — Perfeito.

Ela foi atrás dele e sem se importar entrou no banheiro também.

        — Scoth. — Chamou, ele se virou e a olhou surpreso.

        — Chloe? O que faz aqui? — Olhou em volta — É o banheiro masculino, não é?

        — É, mas isso não importa. — levantou o caderno e abriu na pagina que Hector mostrou — O que é isso?

Ele olhou atentamente as duas paginas riscada, pegou o caderno de Chloe e o segurou ainda analisando o que tinha escrito.

        — Eu... Eu não sei. — olhou a garota — Onde você arrumou isso?

        — É o seu caderno. — responde — Por que você escreveu isso?

        — Eu não faço ideia. — disse — Eu... Eu acho que foi um sonho que eu tive, sobre...

        — Uma floresta? — Chloe disse fazendo Scoth olha-la surpreso.

        — Como sabe disso?

        — Chloe? — A garota ouviu uma voz vir da entrada do banheiro, olhou e viu Evil parado — O que faz aqui? Está finalmente se descobrindo? — Ele sorriu.

        — Eu me enganei de porta. — Respondeu e virou-se para Scoth — Eu preciso que você se lembre. — Sussurrou e saiu do banheiro.

        — Estranho, não é? — Evil se aproximou, Scoth estava distraído pensado no que Chloe disse — Você está bem, Hunter?

        — Eu... — Ele começou, mas não disse mais nada.

        — O que você está olhando? — Evil pegou o caderno e olhou as paginas.

        — Então... — Hunter falou olhando a expressão do amigo.

        — Você tem certeza de que está bem? — Evil devolveu o caderno e as paginas estavam em branco, não parecia que alguém escreveu alguma coisa ali, na verdade, parecia que nunca tinham usado o caderno — Seja lá o que você tiver, é melhor ficar bom logo, vamos jogar depois do intervalo. — Disse e foi para um dos box do banheiro.

 

Quando o navio saiu de dentro do portal criado pelo feijão eles ainda estavam secos e em mar aberto.

        — Onde estamos? — Lucy segurou o leme com firmeza para manter o controle.

        — No lugar certo. — Evil sorriu — Vá para aquela ilha. — Mostrou o lugar que não estava muito longe.

Hunter estava olhando o mar quando ouviu um barulho vindo de algumas caixas, ele se aproximou devagar do baú que saiam os sons e o abriu.

        — Quem é você? — Perguntou tirando um garoto de lá.

        — Ei, me solta. — Ele disse se remexendo — Você está no navio do meu pai. — Hunter virou os olhos e soltou o garoto, que caiu sentado.

        — Lucy. — Evil chamou — Parece que o Gancho Junior está aqui?

        — Jonas? — A garota gritou surpresa e zangada — O que você está fazendo aqui?

        — Eu queria vir também. — Respondeu.

        — Eu te disse pra ficar no castelo, e se nossos pais chegarem e não nos encontrarem lá?

        — A Emma vai dar cobertura. — Disse fazendo Evil olhá-lo.

        — Contou a Emma? — Perguntou visivelmente irritado.

Jonas apenas encolheu os ombros assustado.

        — Se acalma. — Hunter segurou os ombros de Evil — Nós já chegamos, não vai adiantar nada ficarmos irritados por isso. — Disse no ouvido dele, Evil respirou fundo e olhou na direção da ilha.

        — Uau. — Jonas disse olhando o lugar — Como vamos até lá? — Perguntou.

Evil balançou a cabeça e moveu a mão levando-os até a areia.

        — Isso é estranho. — Jonas segurou a barriga.

        — Estamos procurando isso. — Evil mostrou o desenho de uma flor azul a Lucy e Jonas — Se encontrarem voltem para o navio e tentem não se perder. — Sorriu debochado.

        — Idiota. — Disse Lucy antes de dar as costas a Evil e começou a andar, Jonas foi atrás da irmã.

Evil e Hunter entraram na mata.

 

Chloe saiu do banheiro com esperança de que Hunter ia se lembrar da Floresta Encantada, ela sabia que Evil havia feito alguma coisa com ele antes de lançar a maldição, ele não está totalmente afetado pela maldição, mas tem alguma coisa o segurando desse jeito e ela precisava ajuda-lo e aos outros.

        — Chloe! — Ouviu a voz de Lucy e se virou, a garota vinha sorrindo com o livro do seu irmão nas mãos.

        — Oi. — Disse sorrindo, ou pelo menos tentando — Está gostando do livro?

        — Na verdade sim, eu estava lendo a história do Capitão Gancho. — A garota respondeu — Você sabia que vilões têm histórias próprias?

Chloe arqueou as sobrancelhas quando ouviu a amiga dizer isso, era um tanto irônico ela chamar o Gancho de vilão.

        — Também fiquei surpresa. — Disse sorrindo.

        — É engraçado ver as coisas pelo ponto de vista dele, até parece que Peter Pan é do mal.

        — Ficaria surpresa. — Chloe falou.

        — Será que você pode me emprestar para eu levar para casa e ler lá? — Lucy pediu — Por favor.

        — Promete tomar conta dele?

        — Prometo que não vou deixar o Jonas pegar nenhuma página para fazer chapéu de papel. — Falou fazendo Chloe rir.

        — Tudo bem, pode levar ele.

Lucy virou e foi andando até seu armário guardar seu livro. Chloe permaneceu no corredor pensando nela com o livro, talvez funcionasse que nem funcionou com sua mãe, talvez se ela continuar lendo as lembranças voltem e Chloe tenha sua melhor amiga de volta para ajuda-la a derrotar Evil e acabar com a maldição.

 

Lucy estava quase desistindo de achar a flor idiota que Evil pediu e voltando para o navio com o irritante do seu irmão mais novo.

        — Quem mandou você entrar naquele baú? — Ela perguntou olhando ele mais uma vez.

        — Eu queria andar no barco do papai também. — Falou.

        — Você não tem idade pra fazer essas coisas.

Jonas abaixou a cabeça e ficou triste.

        — O que o Evil quer com essa flor idiota? — Perguntou chutando uma pedra.

        — Ajudar o amigo dele. — Lucy respondeu.

        — O caçador? — Perguntou, sua irmã confirmou — Se ele tinha um feijão magico por que não usou para vir direto para cá? Por que trazer o barco a essa ilha?

        — Eu não sei Jonas e não me importo. — Falou a ele — Tudo que me interessa é que se conseguirmos ajudar ele nosso pai vai ver que eu não sou uma pirata ruim só por ser garota e vai me deixar navegar mais vezes.

        — Você é uma ótima pirata para mim. — Jonas falou.

        — Obrigada. — Falou causando um pequeno sorriso no irmão — Mas não é de você que eu quero ouvir isso.

Quando finalmente entraram na floresta os irmãos acharam uma trilha e decidiram segui-la para não se perderem.

Alguns minutos de caminhada depois eles chegaram ao que pareceu um acampamento, alguém estava dormindo ali.

Havia algumas camas improvisadas no chão e algumas lanças largadas perto delas, tinha uma fogueira que parecia ter sido apagada há pouco tempo.

        — Olha. — Jonas apontou para uma árvore com uma flor plantada perto da raiz. Uma flor azul.

        — É essa flor. — Disse olhando o desenho que Evil a entregou — Vamos pega-la e ir embora daqui, esse lugar me da arrepios.

Os dois se aproximaram da planta e Jonas se abaixou para pega-la.

        — Até que foi fácil. — Jonas disse cheirando a planta.

Quase que ao mesmo tempo em que disse isso pessoas pularam das árvores cercando os dois.

        — Você tinha que abrir a boca?

        — Desculpa. — Falou olhando as pessoas que estavam ali.

Quando Lucy parou para olhar viu que eram garotos que estavam em volta deles, garotos do tamanho dela e alguns do tamanho do seu irmão.

        — Vocês são crianças. — Disse ela.

        — Você é uma garota. — Um dos meninos disse, como se a palavra por si só já fosse justificar muita coisa.

        — Não queremos problemas. — Ela falou.

        — É verdade, nós só precisamos dessa flor. — Jonas completou.

        — Não vão sair daqui com ela. — Outro menino disse.

        — Não estamos pedindo permissão.

O primeiro menino atacou, Jonas chutou a perna dele e bateu com as duas mãos na cabeça do menino.

        — Ai. — Disse balançando elas.

        — Não deixe que eles pegarem essa flor. — Disse Lucy.

Quando um menino tentou atacar Lucy o chutou na barriga fazendo-o cair, um segundo veio na direção dela, a garota pulou por cima dele, o menino bateu a cabeça na arvore.

        — Vem. — Segurou o pulso de Jonas e correu na direção da praia.

Enquanto corriam sem olhar para trás algumas lanças passavam perto de suas cabeças.

        — Acho que descobri quem são os donos das lanças. — Disse Jonas desviando de uma árvore.

        — Ótima dedução, mais alguma Capitão Obvio?

        — O navio está ali. — Jonas apontou para o barco.

Lucy olhou para a floresta e viu os meninos correndo atrás deles. Ela segurou seu irmão e voltou a correr.

Evil e Hunter estavam na proa do navio olhando a praia.

        — O que é aquilo? — Hunter falou olhando Lucy e Jonas correrem.

        — Droga. — Evil falou olhando eles — Os meninos.

        — Ajude-os.

Evil esticou o braço na direção dos meninos, a areia voou logo atrás de Lucy fazendo muitos dos perseguidores caírem.

Quando os irmãos estavam perto o bastante, Evil os fez aparecerem no navio.

Jonas continuou correndo e bateu no mastro do navio, o que fez Hunter segurar o riso.

        — Vocês conseguiram? — Perguntou olhando Lucy correr até o timão.

        — Estamos bem, obrigada por perguntar. — Falou girando tudo a estibordo.

        — Trouxeram a flor ou não?

        — Está aqui. — Jonas mostrou a ele.

        — Pode nos tirar daqui agora? — Lucy o olhou.

Evil fez os ventos mudarem e eles começaram e se afastar da ilha. Ele voltou até a proa onde Hunter olhava a ilha se afastar.

        — Você gostou? — Evil perguntou.

        — Claro. — Hunter sorriu — Mas eu queria ter visto mais além da praia.

        — Eu já me arrisquei muito vindo até aqui. Não podia passar da praia sem ver Ele.

        — Eu sei, mas é que... — Parou olhando mais uma vez o pedaço de terra — Desde criança eu sonho em conhecer a Terra do Nunca, mas disseram que ela havia sido destruída.

        — Não acredite em tudo o que ouve. — Evil falou sorrindo — Por dentro é muito diferente do que imaginam.

        — Vai me trazer aqui de novo um dia? — Hunter o olhou.

        — Quem sabe. — Respondeu, o garoto de olhos castanhos sorriu.

        — Ei. — Lucy chamou — Não vai abrir o portal?

Evil virou os olhos e pegou o feijão com Hunter. Andou até o outro lado do navio e o arremeçou. Um portal se abriu no oceano.

        — Feijão mágico. — Jonas falou impressionado — Onde você conseguiu?

        — Isso é segredo.

Algum tempo depois estavam atracando no porto e saindo do navio.

        — Muito obrigado. — Evil pegou a flor de Jonas — E boa sorte.

        — Com o que? — Lucy o olhou sem entender.

        — Graças a Deus. — Os corações dos irmãos gelaram ao ouvir a voz da mãe deles — Onde vocês estavam? — Se aproximou deles.

Junto com Emma estavam Killian, Regina e Branca, a mãe de Evil segurava uma blusa de Lucy, provavelmente fez um feitiço de localização.

        — Evil. — Sua mãe chamou.

        — Eu tenho que ir. — Olhou ela.

        — Não se atreva...

Antes que ela terminasse Evil tirou ele e Hunter dali.

        — Droga. — Disse Regina.

        — Onde vocês estavam? — Gancho os olhou.

Lucy e Jonas se olharam e engoliram em seco.

 

Lucy estava sentada no sofá da sua casa lendo o livro de Chloe, seu pai ainda não havia chegado da delegacia e seu irmão estava no quarto dele assistindo Piratas do Caribe, pelo centésima vez.

        — Lucy! — Jonas gritou.

        — Que? — Gritou em resposta.

        — Faz pipoca pra mim? — Perguntou.

        — Faz você seu folgado. — Respondeu.

        — Por favor. — Seu irmão apareceu na sala de estar.

        — Você não me deixa em paz um minuto. — Ela largou o livro e andou até a cozinha.

        — O que você está lendo? — Jonas olhou o livro que sua irmã havia deixado aberto no sofá.

        — É um livro da Chloe, não toca nele se não você vai estragar.

        — Eu nunca faria isso. — Jonas pegou o livro e começou a folhear ele.

Ele foi passando as paginas e algumas palavras começaram a chamar sua atenção.

 

Capitão Gancho, Terra do Nunca, Pan... Crocodilo.

 

Quando viu a ultima varias imagens começaram a passar por sua cabeça, toda a sua vida na Floresta Encantada voltou para ele.

Ele se levantou assustado.

        — O que você tem? — Sua irmã perguntou com um pote de pipoca na mão.

Jonas se concentrou e organizou as memorias na sua cabeça.

        — Evil. — Disse irritado e surpreso, Lucy olhou sem entender.


Notas Finais


Então? Gostaram.
Desculpa demorar tanto pra atualizar, muita coisa acontecendo.
Desculpem qualquer erro.
Votem&Comentem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...