História OUIJA: A revelação - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 1.913
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


esse vai ser o ultimo capitulo da fanfic, fiz ele assim um pouco pequeno, mas já garanto que terá outra fanfic para explicar alguma coisas que não foram explicadas nessa.

Capítulo 13 - O "fim"


Ao chegarem na imobiliária que havia ali perto, Tyler desceu do carro junto com Josh e entraram dando logo de cara com uma moça ruiva com umas poucas sardas no rosto. –Aqui está a escritura da casa senhor Tyler, obrigado por fazer negocio conosco.

Tyler e Josh ficaram um pouco confusos, mas logo a moça os enxotou do local inexplicavelmente, entraram no carro e seguiram de volta para casa.

Martha estava na casa de Tyler ainda, ela estava deitada na cama conversando com alguns colegas pelo telefone, estava tão distraída que não percebeu uma sombra preta que se amontoava na porta do quarto. Ao perceber a sombra, Martha levantou-se bruscamente ficando sentada na cama, piscou bem os olhos e a sombra sumiu, voltou a deitar-se na cama e conversar bobagens, porém ela sentiu algo subindo pelo seu pé e parando no seu tornozelo, ignorou pensando que fosse seu psicológico lhe pregando uma peça, não devia ter ignorado, num movimento rápido, Martha foi lançada da cama para a parede, isso bastou para aterroriza-la completamente. Lágrimas já começaram a escorrer de seus olhos, ela parou por um momento, mas nada aconteceu, então arrastou-se devagar até a porta, quando chegou próximo a ela, a porta se fechou bruscamente e trancou-se sozinha, novamente Martha foi lançada do chão de onde estava para o teto, caindo no chão logo em seguida.

Martha sentiu uma dor muito forte que fez um som agudo pulsar na sua cabeça, uma tontura subiu a sua cabeça e sua visão ficou totalmente turva, ela levantou o corpo até a parte da cintura e tossiu, seu sangue espalhou-se pelo chão, ela levantou a cabeça com a boca um pouco suja de sangue e viu na sua frente uma figura feminina com roupas de enfermeira. –Olá minha querida – disse a mulher. –Não precisa se preocupar, eu vou cuidar de você. Logo após a fala da mulher, uma risada macabra percorreu todo o quarto apagando a luz que o iluminava, Martha foi jogada de um lado para o outro do quarto, se tivesse alguém fora da casa, escutaria as batidas fortes que pareciam que iam derrubar as paredes do quarto. Martha foi jogada contra a janela do quarto rachando-a, a rachadura se estendeu para as extremidades da janela formando uma cruz invertida.

Martha foi jogada no chão e a luz voltou a acender, ela estava totalmente destruída, seu corpo inteiro doía e seus ossos estavam quase todos fraturados, ela arrastou-se até a parede com as ultima forças que sobraram ficando de pé, ela olhou para a janela e lá estava a mesma figura que ela tinha visto segundos antes de começar a ser arremessada de um lado para o outro do quarto. A figura colocou um de seus dedos na janela, logo aconteceu uma coisa aterrorizante que deu a Martha a força que faltava para destrancar a porta e sair correndo dali de dentro. A cruz invertida começou a sangrar, o sangue desceu pela janela e começou a encharcar o chão, ele borbulhava e esfumaçava como se fosse óleo quente, a luz voltou a piscar novamente, Martha num movimento de pura adrenalina destrancou a porta e correu para a sala caindo ali mesmo no chão devido a dor. Ela virou-se para trás, e o sangue começou a persegui-la.

Sem conseguir se mover bem, Martha tentava se arrastar para longe daquele liquido vermelho borbulhante, porem não foi rápida o bastante, o sangue chegou em suas pernas e ela soltou um grito de dor agonizante, o sangue estava queimando suas pernas, ele ia se espalhando cada vez mais, e ao chegar perto do abdômen de Martha, a porta abriu-se num estrondo, Tyler entrou correndo, tinha ouvido os gritos de Martha do lado de fora, mas a porta não queria abrir de jeito nenhum, só depois de uma oração ela pareceu “destravar” e Tyler então entrou com toda força dentro da sua casa.

Ao entrar, deparou-se com Martha gemendo de dor no chão, suas pernas estavam todas queimadas, ela gritava para tira-la dali e secar o sangue que se espalhava pelo chão, mas Tyler não enxergava nada. Ele aproximou-se e acalmou Martha, chamou Josh para que ele a levasse para o hospital e Josh assim o fez.

Tyler trancou toda a casa depois que Josh saiu com Martha, andou por toda a casa jogando água benta e dizendo orações em latim, ao chegar no quarto em que Martha estava ele sentiu uma energia estranha, uma coisa maligna e forte, entrou e acendeu a luz que estava apagada, olhou para a janela e viu a cruz invertida formada por rachaduras, ela tinha manchas que desciam até o chão, como se estivesse vazando algo dali. Tyler começou a jogar água benta no quarto e fazer orações, a partir da terceira oração a luz começou a piscar, os pingos de água benta evaporavam ao tocar o chão ou qualquer outra superfície do quarto. Ele ficou de costas para a porta e continuou a orar e jogar água benta, em determinado momento sentiu uma presença atrás dele, uma familiar, uma que ele já havia encontrado após o jogo do OUIJA. –Então você quer jogar? – disse Tyler sem se virar para trás. –Vamos jogar.

Tyler foi lançado para frente caindo em cima da cama, ele virou-se com velocidade jogando toda a água benta na direção daquele demônio que avançava contra ele, a bela aparência que tinha a entidade logo se desfez e confirmou a suspeita de Tyler, era o demônio que ele tinha visto no seu banheiro semanas atrás. Aproveitando o retardamento do demônio pela água benta, Tyler levantou sua mão direita proclamando mais orações em latim, aquilo enfureceu a criatura, a janela rachou mais ainda e de dentro das rachaduras começou a sair novamente o sangue, Tyler saiu de cima da cama e foi andando em direção a criatura que se afastava cada vez mais dele, o liquido vermelho borbulhante chegou aos pés de Tyler que começaram a queimar, ele porém, não se distraiu com isso, logo o sangue se espalhou por todo o chão do quarto indo em direção as outras partes da casa, mas agora, por onde Tyler pisava, abria-se uma fenda no sangue afastando-o dos pés dele.

Ao chegar na sala, o demônio estava lá parado, o sangue formava uma substancia gelatinosa que parecia ter vida e grudava na criatura, então silhuetas humanas começaram a subir do chão, ficando ao redor de Tyler, em um ato desesperado ele correu para a mesa subindo em cima dela e abrindo a maleta que tinha recebido do padre Thomson. Dentro dela havia algo como se fosse um kit, um crucifixo com a medalha de são bento, uma garrafa de vidro de um meio litro com água benta, um terço, uma bíblia especial, um pacote de sal grosso, algumas velas, um caderno de anotações e o livro Rituale Romanum, ao ver aquilo, Tyler nem pensou duas vezes, jogou o sal grosso ao seu redor formando um circulo, pegou a garrafa de água benta,  a derramou ao seu redor e bebeu o que sobrou, pegou o crucifixo com a mão direita e o Rituale Romanum com a esquerda, abriu o livro em uma pagina aleatória que coincidentemente era um exorcismo tentou se concentrar e o proclamou. –Exorcizamus te, omnis immundus spiritus...

As silhuetas formadas pelo sangue começaram a retorcer-se e o demônio que as controlava urrava de ódio, ele tentava atacar Tyler, mas a barreira de água benta e sal não permitia. Tyler então continuou o exorcismo.

*

Josh entrou correndo no hospital com Martha, logo uma enfermeira veio busca-la e ele ficou na recepção esperando.

Martha foi colocada na UTI e foi avisada de que o médico de plantão logo viria analisa-la. Passaram-se umas meia hora e uma enfermeira entrou na sala, uma enfermeira que Martha reconheceu novamente, o que fez seu coração quase sair pela sua boca, ela tentou se acalmar e tratar aquilo como uma alucinação, porém lembrou-se do sonho que teve uma vez na sua casa, do hospital que estava, então ai caiu a ficha, não foi um sonho... foi uma premonição.

A enfermeira colocou a mão no pulso de Martha, aproximou-se de seu ouvido e sussurrou. –Agora você finalmente irá se encontrar com seus dois amigos no inferno minha querida. O aparelho que media aos batimentos de Martha apitou, ela teve uma parada cardíaca. Josh entrou correndo no quarto, ao ver a enfermeira ele partiu para cima dela, porem ela virou seu pescoço totalmente para trás e deu um rugido abrindo toda a boca que tinha um interior negro, seus olhos adquiriram uma coloração negra também. Josh foi lançado para trás, bateu com a cabeça na parede e desmaiou.

A mulher voltou-se para Martha novamente e passou a mão pelo seu rosto dando uma risada baixa e pequena. Logo se desfez em uma fumaça negra sumindo do local, após isso os médicos chegaram, mas já era tarde de mais, Martha já havia deixado o nosso mundo.

*

Tyler havia conseguido deter o demônio e bani-lo para o inferno, assim que terminou, deitou-se no sofá e descansou, porém logo Josh bateu a porta, já era noite, Tyler nem havia se lembrado dele e de Martha. Abriu a porta e deparou-se com Josh totalmente acabado, ajudou o amigo a entrar e o sentou no sofá.

Ao ouvir o que tinha acontecido Tyler levantou-se pegou a maleta e puxou Josh. –Nós vamos acabar com isso hoje.

Dirigiu com Josh até a casa do Conde, arrombou a porta e já entrou gritando orações em latim, pegou as velas que estavam na maleta, as acendeu e fez um circulo com elas, jogou sal grosso por toda a sala, deu o terço para Josh que começou a reza-lo e começou o ritual de exorcismo. Três sombras se juntaram ao redor deles, uma delas estava menos densa do que as outras, Tyler então reconheceu todas. A da esquerda era a enfermeira que Martha havia lhe falado, a da direita que era a mais fraca, era a que estava em sua casa, e a do meio que parecia ser a mais forte, era o homem que havia entrado na igreja no dia que eles foram visitar o padre Thomson.

Tyler os olhou sem piscar sequer um olho e apontou o crucifixo na direção deles. –EXORCIZAMUS TE, OMNIS IMMUNDUS SPIRITUS, OMNIS SATANICA POTESTAS, OMNIS INCURSIO INFERNALIS ADVERSARII, OMNIS LEGIO, OMNIS CONGREGATIO ET SECTA DIABOLICA [...] ERGO DRACO MALEDICTE ET OMNIS LEGIO DIABOLICA [...]

A casa começou a tremer e o chão partiu-se ao meio, Josh rezava o terço em voz alta em latim enquanto Tyler proclamava o exorcismo.

 

Dois anos depois.

Tyler acordou-se e foi ao banheiro, tomou um banho e aprontou-se, era o dia em que iria formar-se como investigador paranormal, foi até a sala onde Josh o esperava com o café pronto, os dois comeram e Josh o levou para a faculdade.

Tyler estava pronto para fazer seu discurso, já que era o primeiro da turma, então logo o começou. -Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Efésios 6:12 nos diz isso, vou lhes contar agora uma coisa que aconteceu comigo, e acho que alguns de vocês podem se lembrar, foi assim que a Mansão do Conde foi destruída há dois anos atrás, tudo porque eu e meus amigos tivemos a idiota ideia de jogar um jogo chamado OUIJA.


Notas Finais


é isso, espero que tenham gostado da fanfic, e fiquem atentos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...