História Ouija: The Game - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Espíritos, Jogo De Tabuleiro, Morte, Ouija, Outro Lado
Exibições 23
Palavras 1.111
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi. Todo Mundo. Voltei novamente com mais um capitulo dessa intrigante história, cheia de surpresas. Como na última atualização me pediram para dar continuação a Rebekah, foquei essa para vocês terem uma melhor noção de tudo. O próximo será uma nova sessão.

Tenho como novidade minhas recentes redes sociais, onde eu desabafo (Twitter) e posto minhas edições (Instagram). Usuários nas Notas Finais.


Sem mais enrolação, já que isso deveria ter sido postado de tarde, vamos para as conclusões e descobertas dos nossos jogadores de Ouija.


Bom Leitura Trevosos

Capítulo 3 - Analisando Fatos


Não é apenas um jogo.



Analisando Fatos



- Okay. Aquilo foi bem tenebroso. Não não não! Aquilo foi macabro. - Jeremy comentou assustado, repassando mentalmente os acontecimentos anteriores. 



- Sim, mas me deixou com certas dúvidas. Não conseguimos ter certeza se aquela silhueta era de alguém real, não pude sentir toques nos objetos, mas o som de seus passos parecia agoniante. E eu não fui capaz de sentir seu cheiro. - Sophie relembrou a noite de dias atrás. Tinha sensos muito apurados, era quase impossível algo passar despercebido pela garota. Isso era um fato intrigante. 



- Muito estranho, Sophie nunca deixa nada passar. Precisamos de análises. - Stephan, presente na sala em pouco tempo, sugere relatarem o que sentiram no dia. Além de pesquisarem um pouco mais sobre Rebekah. 



- Lisa, o que conseguiu achar? - O moreno dos olhos cinza questionou curioso. Diferente da responsável pela procura, que aparentava estar assustada com o que lia.



- H-huum.... Foram poucas coisas, a ordem de investigação do caso foi forçada a ocultar algumas descobertas e talvez pistas. Achei redes sociais, agora, inativas da vitima. Ela parecia ser alguém bem meiga. - Sorriu para a foto na tela de seu celular. A fotografia era simples, a menininha parecia brincar com pequenos animais que perambulavam por lá naquele dia. 



- O que conseguiu saber sobre o pai? - Riker, com sua voz autoritária, cogitou interrogativo. A expressão do grupo era aflita, porém interessada. A sessão anterior, feita à uns oito dias passados, era recordada com batidas de flashes na cabeça de cada um.



- Seu pai morreu por causa natural, infarto. Ele era bom com as filhas e um ótimo marido, diz uma das parentes para o documentário. Pelo que parece, o maior suspeito foi o padrasto de Rebekah, "afastado" do mundo das drogas e álcool. Tinha certos problemas mentais e um deles era dupla personalidade. - A platinada descreveu tudo o que foi possível do artigo, o que achou importante. Mindie se remexeu na cadeira, um pouco incomodada com o assunto. 



- Drogas e álcool..... Dupla personalidade..... Ele pode ter embebedado sua outra identidade, que pelo que Lisa descreveu, parecia ser agressiva. E nessa, como alvo, matou as três. - Concluiu Riker, exibindo seu raciocínio sábio. Obteve confirmação da líder e de Jeremy, que associaram tudo as suas teorias.



- Concordo com o que disse, Riker. Mas além de agressivo, sua "outra metade" não poderia também estar o forçando à esses atos? Estudei um pouco sobre isso e raramente a consciência segue o comando de uma só personalidade. Sua família se encontraria o reprimindo de seus vícios e o lado afetado foi quem cometeu o crime. - Ajeitou seus óculos sobre o nariz e encarou os amigos que pensavam arduamente em suas palavras. Era sim, algo aceitável, todavia ainda não tinham muitas informações sobre o tal sujeito. 




- Cameron Darssiz, ou DarssiMee, chegou a terminar sua faculdade de medicina, mas logo se casou com uma linda mulher. Esta era Marilinda T.Yion, filha de um reconhecido auxiliar da Casa Branca. Não se sabe o porquê de Darssiz ter entrado no mundo decadente de drogas e álcoolismo, mas esse incidente o fez ir direto para o calabouço. Com seus quarenta e sete anos, foi diagnosticado com dupla personalidade, doença de troca de pensamentos, sentimentos e atos repentinos. Sem muitas provas, seu nome foi manchado quando matou sua família no exato dia do aniversário de sua filha mais nova, Rebekah, que completava seus cinco anos na data de cinco de setembro. Declarado como algo brutalmente feito, a causa foi entregue nas mãos da classe americana, logo após descobrirem sobre o escape ilegal do suspeito. Alguns boatos, pelo que se parece, vazados, indicam que sua punição seria a execução privada ou enforcamento no local de seu suposto crime. - O silêncio pairou sobre a pequena sala onde se localizavam os jovens, agora pensativos. Era tanta informação, mas ainda assim não dizia sobre outras possíveis parcerias de ajuda ou até mesmo na elaboração do feito. E foi aí que Sophie despertou, havia tido a breve lembrança de alguém. 



- Lisa, procure sobre Fabrício Darssize. Kim, Jeremy, vão ao meu quarto. Peguem a caixa preta de laço vermelho, sabe exatamente qual é, num é, Lady? - Não era hora para provocações, mas a superior gostava de ser imprevisível. A estrangeira se apavorou, tinha remexido aquilo uma única vez e tudo foi posto no exato lugar o qual se encontrava antes. Mas havia se esquecido que os pertences era de ninguém menos que Sophie Ayato. - Stephan, vá a biblioteca e procure o caderno de análises de 2005 atrás do balcão do fundo, Mindie acompanhe esse mané para que o mesmo não quebre nada. - O ofendido deu língua numa representação de afronta, porém voltou a sua postura quando viu a menina fechar a cara.



- Achei. Fabrício Darssize, um dos foragidos mais trabalhosos dos anos 2000. Deve sua morte em 2004, pouco antes de descobrir que tinha um filho com sua ex-mulher. O resto não tem muita explicação, nada que vá te interessar. - A colega agradeceu e terminou sua escrita no bloco de notas que sempre a acompanhava para lá e para cá, aquilo já era matéria o suficiente para ter certeza de seus argumentos.



- Pode ser considerado uma coincidência, mas os relatos de 2005 foram apagados dos arquivos digitais e escritos do sistema da escola, porém veja isso. - Uma pasta foi jogada na pequena e baixa mesa de madeira de textura escura e lisa. Estampado com um nome, a específica necessidade da mais velha ali. Rebekah T.Yion. 



- Matriculada ano passado, nunca compareceu a uma sequer aula. Pelo que tem aí, tinha como responsáveis sua avó e um meio-irmão. Descrevida como loira, inteligente e quieta. Em seus relatórios colegiais consta que a menina sofria bullying e era ruim em se expressar. Foi flagrada aos 14 anos cortando uma amiga dentro de um banheiro e no ano seguinte foi quando iria dar início aos seus estudos aqui, porém não mais foi vista. Muito menos seus parentes. - Mindie relatou partes decoradas e que a fizeram se arrepiar. Tudo bem que havia sugerido o jogo, mas não pretendia entrar em detalhes da vida de alguém morto. De um espírito que poderia muito bem ser do mal e que pudesse os causar coisas ruins. 



- Chegamos! Ah! Aqui está a caixa. - Novamente ajeitando suas lentes sobre o suporte do corpo, entregou o recipiente particular a dona que murmurou um debochado "enxeridos". 



- Em que conclusão chegamos? - Miguel questiona, organizando sua papelada. Anotava tudo de importância para a presidente do conjunto de adolecentes. 



- Vamos jogar novamente, mas dessa vez com você. Cameron Darssiz.





 






Notas Finais


FIM! E então, ficou convincente? Satisfatório, talvez? Achei que ele ficou um pouco curto e já peço perdão por isso, mas foquei em tentar explicar mais um tiquinho da Rebekah, que pareceu interessar bastante vocês.

Então, uma pequena e rápida divulgação do meu mais recente Twitter (Fuck_YU_bittch) e também meu Instagram (Bláh_Bláh_Bláh). Fiquem à vontade para darem uma passadinha por ambos, ficarei grata.


Foi isso por hoje, peço desculpa pelos possíveis erros, já que mesmo revisado, pode ter algum por aí. Se eu tiver trocado a característica de algum personagem, me desculpem também. É muita gente! Enfim, obrigado por lerem.

Um Breve Logo Logo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...