História Our Cold Kiss (Kris Wu) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kris Wu
Tags Deus Da Morte, Exo, Kris Wu
Visualizações 14
Palavras 2.394
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Fantasia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hellooo, mais um cap. Espero que gostem. Até as notas finais.

Capítulo 3 - Our Cold Relationship


Fanfic / Fanfiction Our Cold Kiss (Kris Wu) - Capítulo 3 - Our Cold Relationship

— Por que realmente tenho que ir embora do nosso dormitório? — Se queixou a garota balançando seu cabelo azul de lá para cá enquanto preparava uma mala gigantesca. Atirou a última peça e fechou. Precisaria de alguma ajuda com aquilo, pois pelo visto simplesmente não queria se fechar. Sentou em cima fazendo algum barulho.

— Ruby, porque está levando todo o nosso quarto embora?

— Não faça gracinha, o assunto é realmente sério. Venha cá me ajudar a fechar isto YangMi.

— O que quer que eu faça?

— Apenas puxe o zíper.

— Sabe que a culpa de tudo isto estar assim é sua não é?

— Eu deveria levar menos coisas mesmo, mas...

— Não estou falando disto. Estou falando sobre este reality e sobre o dorama.

— Como assim a culpa é minha? Eu estava defendendo vocês.

— YangMi tem razão. — Somi, uma garota alta de cabelos lisos castanho claro se encostou a porta do quarto para depois se dirigir a cama se deitando com as pernas para o ar. —  Mais uma vez você se envolveu em confusão Ruby, mas... Ah queria eu ter feito o mesmo para ficar perto daquele Deus grego. Ahhhhh. — Ela soltou um gritinho histérico

— Eu realmente perdi o jeito com vocês não é?

— Somi é a fã número um do Kris Wu.

— Somi, pare de me desapontar.

— Somi tem um pôster dele que ela esconde embaixo da cama.

— O que? — A garota abriu a boca e fúria surgiu em seus olhos. Se moveu rapidamente para o outro cômodo, atrás dela vinham as outras duas garotas. Somi se atirou em cima do próprio colchão, mas não tinha jeito. Ruby se esgueirou embaixo da cama e agarrou um pedaço grande de papel que dava metade do seu tamanho. O rosto de Wu sorria para si como se ele realmente estivesse debochando. Moveu suas mãos para rasgar. Ele realmente era bastante abusado.

— Não Ruby, você não tem esse direito.

— Eu não tenho? Sabe o que ele falou sobre nós? Sabe realmente? Ele nos chamou de sem talento e tentou acabar com nossa imagem para o CEO. É desta pessoa que você gosta? Por que se for, é realmente melhor você melhorar.  Por enquanto eu apenas irei confiscar isto aqui, pois tenho certeza que se eu rasgar é perigoso você colar de novo. Depois me desfaço disto. — Dobrou a grande folha em vários quadrados voltando ao seu dormitório e enfiou dentro da mala por cima das roupas terminando de fechá-la.

— Por que você é sempre assim? — Berrou Somi logo as suas costas e então saiu com as mãos em punho. Ela era jovem demais, a maknae do grupo, era óbvio que jamais compreenderia. — Eu te odeio! — A última frase realmente fez seu corpo todo estremecer por um momento até mesmo YangMi estava fitando tudo com os lábios entreabertos e Park Bom, outra integrante tinha acabado de despertar de seu sono, na cama ao lado.

— Eu só estou tentando cuidar de vocês. — Falou antes de se sentar na cama. Estava exausta, e neste momento queria chorar, mas não podia faze-lo. Era ela uma má líder? Sunligth simplesmente tinha feito seu pior comeback da história e por mais que estivesse se esforçando para colocar as coisas nos eixos, realmente nada parecia funcionar. Agora se envolvendo em um escanda-lo sentia que em breve se não desse um jeito as promoções do grupo iriam ter um fim mais cedo do que o devido e isto era realmente injusto. Era apenas como andar em direção a um grande precipício. — Eu realmente preciso fazer isto. — Se levantou puxando a mala de rodinhas rumo ao chão e a deslizando. — Por favor, tomem conta umas das outras.

Quando ergueu os olhos retirando um pouco os óculos de sol do rosto e deixando a claridade solar atingir suas vistas pode ver um imenso hotel residencial, piscou algumas vezes sentindo um leve incomodo em sua visão e tornou a colocar os óculos fungando o nariz. Já tinha estado em lugares melhores em sua vida, mas aquilo parecia suficiente pelo momento. Sentiu um empurrão em suas costas que fez seu corpo se projetar para frente quase caindo. Um homem magro pediu desculpas enquanto carregava caixas e caixas empilhadas sendo seguido por outros homens com malas e mais malas.

— Acaso uma rainha vai se hospedar aqui? — Disse com petulância cruzando os braços na frente do peito. Tinha o ombro dolorido agora graças ao homenzinho.

— São todas as coisas do senhor Yifan. — Respondeu uma pessoa que levava alguns embrulhos sem lhe dar maior atenção como se simplesmente não lhe reconhecesse, mas de verdade estava aliviada que ao menos não houvesse uma corja de fãs ali, pois no momento parecia que todos a odiavam por motivos fora do imaginável. Tudo graças a Kris Wu!

— Onde estão aqueles câmeras? — Se supõe que eles deveriam estar ali antes dela não é? Para assim conseguirem filmar sua entrada.  Adentrou o saguão espaçoso do hotel puxando sua mala de rodinhas onde alguns funcionários já a esperavam. — Onde estão todos? — Entregou a mala a alguém olhando ao redor e retirando as luvas brancas que usava. Chanyeol apareceu correndo com seu telefone celular nas mãos, parecia estar no meio de alguma chamada. Seus passos se detiveram bruscamente quando viu Ruby parada como uma estátua o fitando com seus braços cruzados na frente do peito.

— Ruby! Um momento. — Pediu ele se virando para ela. — Estou falando agora com o pessoal da filmagem, eles estão presos em um engarrafamento e chegarão em alguns minutos.

— Eu atravessei o outro lado da cidade e não estive em nenhum engarrafamento.

— Eu sei baby, essas pessoas são tão irresponsáveis. — Soou sua voz amorosa. — Eu juro que se não estiverem aqui em até cinco minutos podem esquecer esse contrato. — Gritou ao telefone o desligando tornando suas feições severas.

— Pode levar minha mala, eu não confio em outras pessoas. — Resmungou ela e ele não tardou em tomar a mala das mãos do funcionário que lhe fez uma careta mostrando a língua assim que os dois lhe deram as costas.

— Odeio celebridades. — Murmurou o funcionário.

A residência não era nem um pouco ruim. A cozinha era grande de modo que poderia se perder ali dentro, a sala tinha uma vista excepcional na sacada direto para um dos maiores e mais iluminados prédios da Coréia e se sentia que poderia tocar o céu tão alto que era. Tudo já estava mobiliado de um modo bastante minimalista com poucos moveis em tons branco e preto que particularmente apreciava bastante. Assim que Chanyeol saiu da habitação gritando ao celular sentiu todo o peso do cansaço atingir seu corpo, se moveu até o quarto vendo um closet que dava pelo menos três do que tinha em seu alojamento e que sempre tinha que dividir com as outras meninas. Parecia realmente um sonho. Se jogou na cama de lençóis claros fechando os olhos com um longo suspiro. Realmente precisava dormir um pouco.

Vozes iam e vinham em sua cabeça, de tons mais baixos como sussurros a tons mais altos como gritos angustiados. Toda a noite tinha sido o mesmo, seus ouvidos não eram abandonados nem por um segundo. Todos aqueles sons repetiam o seu nome como um mantra estranho:

— Yifan... Yifan... Deus da morte... — Seu corpo estava tão cansado que apenas se deixou deitar na cama e fechou os olhos, e ainda que não dormisse não se moveu durante toda a madrugada como uma pedra intocável. Não poderia entender o que ocorria, mas a verdade é que jamais antes havia se sentido tão mal em sua longa vida.

— Acorde, acorde... — Escutou uma nova voz e seus olhos com muita relutância se abriram. A luz do sol penetrou para dentro de suas pupilas causando incomodo pungente. — Oh meu Deus, graças a Deus que acordou. Estávamos a ponto de chamar uma ambulância. — A senhora Sook se sentou um pouco na beirada da cama respirando fundo e fechando os olhos em alivio. Parecia realmente ter sofrido muito nos últimos instantes. Logo próximo a porta estava um funcionário do hotel onde morada com as mãos cruzadas na frente do corpo. — Como está se sentindo? Devemos ir ao médico o quanto antes. — Ela esticou a mão como que a fim de tocar sua testa, mas Kris apenas se afastou ao seu toque fazendo uma careta desgostosa. Sua testa estava coberta de um suor pesado e todo o lençol de sua cama parecia encharcado. Forçou a se levantar. Assim que tocou os pés ao chão sua vista escureceu e seu corpo cambaleou um pouco para frente. Droga! Respirou fundo apoiando-se a uma escrivaninha logo ao seu lado. — Senhor Yifan!

— Fique onde está! Estou bem. Temos compromissos hoje, certo? Poderia ver a minha agenda?

— Mas...

— Não tem mais. Vamos, veja isto ou eu terei de ver por conta?

— Sim, senhor.  — Poderia pela primeira vez estar doente? O pensamento cruzou sua mente deixando algum gosto estranho em seus lábios. Como um Deus poderia ficar enfermo? Talvez o contato recorrente com aqueles humanos o estivesse envenenando de modo que o Deus do destino o estivesse tomando por um mortal. Que tamanha blasfêmia. Assim que retornasse ao reino dos mortos trataria de descobrir que absurdo era aquele... Não, não retornaria a reino algum. Aquelas almas deveriam aprender a se gerenciar sozinhas sem uma babá a lhes tomar conta todo o tempo. Isto já não era sua responsabilidade, agora tinha outros interesses.

Sentiu algo quente em seu rosto e quando tornou a abrir os olhos ainda que relutante pode ver lindos lábios avermelhados a sua frente. Deveria estar mesmo em um sonho. Ruby suspirou esticando levemente a mão quando finalmente seus olhos focaram corretamente na face a sua frente.

— Poderia se levantar da minha cama e sair do meu quarto? — Com os dentes cerrados e um sorriso a criatura disse. As suas costas estava a equipe de filmagem. Droga, deveria estar um desastre agora com o rosto inchado e o cabelo bagunçado, se encolheu um pouco envolvendo as pernas com os braços. Yifan continuava muito perto de si como um lobo a pulverizando com os olhos escuros e assustadores, este homem realmente não tinha limites. Deveria de fato ensina-lo, afinal quem mais poderia fazê-lo?  Sabia cuidar bem de tipos como ele.

— Não vou me levantar daqui, pois este é o meu quarto e esta a minha habitação. — Retrucou baixinho de modo que só ele lhe escutasse. Sorriu para a câmera acenando com a mão pequena. — Eu realmente estava cansada e peguei no sono, me desculpem.  

— Pobre Ruby, sua cabeça não tem estado muito bem ultimamente e ela confundiu as habitações. — Wu fez uma cara alegre olhando para as duas câmeras que estavam atrás. — Será que vocês poderiam dar licença um momento? — Ele sinalizou aos câmeras porém eles não se moveram, sua cara antes doce e gentil se tornou em uma careta. — Agora! — Grunhiu esperando-os saírem embora estivessem bastante relutantes e murmurando coisas sem sentido. A porta fechou atrás de si.

— O que está fazendo? Está tentando ficar sozinho comigo em um quarto? O que os fãs vão pensar quando virem as gravações? Quem diria que Wu está interessado em mim? Isto realmente justifica porque está sendo tão incomodo. Garotos incomodam garotas de que gostam não é? — Deitou-se de barriga para baixo apoiando o queixo nas mãos divertidamente, mas ele não parecia compartilhar de seu humor com suas expressões carregadas.

— Saia.

— Por que eu sairia se este é meu quarto?

— Realmente não vai? — Questionou seriamente dando passos lentos a frente, mas ela apenas balançou a cabeça negativamente sentando-se parecendo muito com uma criança. Ele fez um movimento tão rápido que ela simplesmente não pode esperar. Seu corpo caiu para trás batendo as costas no colchão com algum tipo de barulho abafado. O rosto dele estava tão próximo do seu agora que poderia sentir sua respiração quente contra sua pele. O que estava acontecendo? O que aquele homem asqueroso pretendia? — Talvez tenha razão, talvez eu esteja apenas pretendendo ficar sozinho em um quarto com você. — O olhar dele realmente não parecia humano, era como se pudesse congelar a sua alma dentro do corpo. Uma mecha escura de cabelo dele saiu do lugar pairando sobre eles. Olhou para os lados vendo suas mãos pesadas com veias saltadas.

— Porque você faria isto? — Balbuciou um pouco desconcertada, seu rosto tomando uma coloração rosácea que não poderia controlar, sequer conseguia se mover como que tomada por uma paralisia temporária.

— Está com medo? — Questionou se afastando com um sorriso vitorioso. — Não tem que se preocupar Ruby, realmente acha que alguém como eu dirigiria sua atenção para alguém como você? — Gargalhou ao final com maldade, sabia bem da vaidade absurda da garota a sua frente. Todo o corpo dela se tornou quente, como lava dentro de suas veias. Saltou da cama pulando sobre ele com os punhos fechados desferindo golpes em seu peito e costelas, realmente deveria admitir que havia sido pego de surpresa pela fúria daquela criatura estranha. Tratou de agarrar seus punhos a impedindo de se movimentar. De repente o mal-estar lhe veio tornando suas vidas escuras, seu aperto perdeu força e cambaleou para trás levemente.

— O que? O que? — Ela o olhou assustada.

— Não, não me toqu... — Iria adverti-la, porém antes que pudesse concluir sua frase ela já tinha colocado sua pequena mão gelada em sua testa fazendo uma onda de energia se alastrar em seu organismo. Sua boca se entreabriu enquanto ela se aproximava mais com curiosidade. Tocou suas bochechas lhe causando mais incomodo. Se afastou dando passos atrás. — O que está faz...

— Você está com febre. Parece que dá para fritar um ovo em sua testa, é como se estivesse com 70 graus, isto é...

— Exatamente, loucura. Não faz qualquer sentido uma coisa destas. Deixe de imaginar coisas.

— Se está doente, não deveria trabalhar hoje. Podemos cancelar as grav...

— Ruby, Ruby... Não precisar demonstrar falsa preocupação, isto não faz qualquer diferença para mim. Aqui não há câmeras. — A porta de abriu subitamente e de lá surgiu a senhora Sook, toda alarmada.

— Senhor Yifan, não deveria fazer isto. Ficar fechado em uma habitação com uma senhorita durante tanto tempo, ainda mais com Ruby, a mídia pode saber e começar a falar.

— E quem acreditaria? Estou muito cansado, preciso de um tempo para descansar. — Cruzando os braços na frente do peito ele deu um longo suspiro fechando os olhos.

— Eu não sairei daqui! — Ruby agarrou uma almofada branca em cima da cama. Aquela mulher realmente não perdoaria nem alguém doente?

 


Notas Finais


Só queria dizer que Yifan e Ruby colocam banca, por dentro eles são uns amorzinhos, só por dentro. kkk Espero que tenham gostado do cap., nos vemos nos próximos. Comentem para que eu saiba o que estão pensando e bye. Kisses, kisses.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...