História Our destiny - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Vhope
Exibições 6
Palavras 1.478
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ohayooo! Ta, demorei pra postar, mim desculpem, vou tentar ser mais rapida na próxima, mas sacomé, escola num da aquela reforçada na gente hsuahs
Curtam mais um cap ae

Capítulo 4 - Our first meet


Fanfic / Fanfiction Our destiny - Capítulo 4 - Our first meet

P.o.v Letícia

Ta, ele me viu... isso complica as coisas e muito, não é pouco não.

Eu preciso dar um jeito de conseguir ajudar ele sem que ele me veja, parece que ele é o único dos sete que consegue me ver... eu preciso descobrir o nome dele, ficar chamando ele de ele o tempo inteiro da dor de cabeça.

Assim que eles entraram naquele apartamento, que puta que o pariu, pra eu ter um igual ia precisar vender minha alma pro capeta, mas pera... tecnicamente eu já sou uma alma, ai eu teria que me vender pro capeta... ai o capeta ia abusar de mim... deixa quieto...Não preciso de casa msm, vagar pela rua é bem mais divertido.

-Vocês acham que o Namjoon hyung ta doente? - fui tirada dos meus pensamentos quando uma voz grossa fez essa pergunta, me virei na direção da voz e lá estavam os garotos e o homem mais velho, o que falou era um garoto magro, cabelos loiros... e uma expressão engraçada.

-Não sei Tae, mas o Namjoon deve estar precisando mesmo desse descanso. - falou o homem acompanhando os seis pro elevador.

Só o que me via não estava junto com eles, ou seja, deve ser dele que estão falando e se for, o nome dele é Namjoon, nossa como sou um gênio, ô Newton vem me trazer um prêmio Nobel porque eu mereço essa caralha.

Quando a porta do elevador se fechou fui em direção ao apartamento, que tinha sua porta fechada, mas desde quando portas fechadas são problema pra espíritos? Nunca viu e Invocação do Mal não? Se bem que demônios são bem mais fodas nessas paradas, o que me leva pra teoria de que Deus abre as portas e o demônio fecha, porque olha... os demônios só fecham a porra das portas! Como isso faz sentido? Ah, a menina ta sendo possuída, bam! Porta fecho. Ah, o padre veio exorcizar o demônio, BAM! OUTRA PORTA SE FECHA!

Quer um sistema de segurança impecável? Contrata um demônio que ninguém vai conseguir arrombar as portas da sua casa, nem o Papa vai conseguir!

Voltando... eu atravessei a porta sem problemas, mas aparentemente o apartamento tava vazio, não tinha nenhuma alma viva aqui, mas então eu escutei uns roncos vindo de um corredor, provavelmente onde ficam os quartos.

-Te achei! - disse baixo me dirigindo ao corredor, seguindo o som dos roncos que ficavam cada vez mais próximos e altos. - Mano, tu é um homem ou um trator?

Parei numa porta onde o barulho tinha origem e entrei. Deitado na cama de barriga pra baixo estava o garoto... homem... homem garoto, sei lá, o Namjoon, pronto.

-Meu amigo, se eu dormisse no mesmo quarto que você ia achar que tava tendo terremoto toda noite. - me referi a altura em decibéis desses roncos que nenhum humano tão magro deveria ser capaz de produzir.

Comecei a andar pelo quarto, porque minha curiosidade é algo de outro mundo e o senhor ronco de dinossauro dormia feito pedra, então não acho que ele vá acordar tão cedo.

Dei algumas voltas pelo quarto vendo como ele era, estava bem organizado até, algumas roupas no chão, mas nada muito tenso. Vasculhei algumas gavetas, não tinha nada demais em nenhuma, até que eu achei uma revista pornô ali...

-Safados vocês ein? - disse olhando o Sr. Ronco dormir.

Coloquei a revista onde tava e fechei a gaveta, como não tinha nada mais interessante pra eu fazer resolvi sair do quarto e me esconder em um lugar que Namjoon não me veria.

Era um plano simples, sair do quarto, fechar a porta e sair... mas nada é tão simples assim pra mim, meu pé ficou preso em alguns fios que estavam no chão e, por estarem cobertos de roupas eu não vi.

No momento que me virei pra sair caí no chão fazendo um som absurdamente alto, isso por que eu cai de quatro no chão, imagina se fosse de cabeça, e já doeu o suficiente desse jeito.

Foi ai que me lembrei do Sr. Ronco... lentamente levantei minha cabeça e me deparei com um par de olhos negros me encarando.

-Aaaaaaaah! Sasaeng! - gritou ele.

-Aaaaaaaaaaah! Que... merda é essa? O que é uma sasaeng? - o olhei confusa, desenrolei aqueles fios do meu pé e me sentei encarando ele.

-Eu vou chamar a polícia! - disse ele saindo do quarto correndo e indo pra sala, provavelmente onde tinha um celular, resolvi brotar na sala pra poupar tempo.

-E vai dizer o que? "Oi senhor policial tem um espírito na minha casa, vem prender ela por favor?" - falei engrossando minha voz numa falha tentativa de imitar Namjoon.

Ele me olhou estático, o telefone pendia em sua mão e sua boca estava aberta num perfeito "o".

-E-espírito? - sua cor agora estava semelhante à uma folha de papel, ele iria desmaiar a qualquer momento. - V-você ta mentindo! É só mais uma sasaeng louca que invadiu propriedade privada!

-Se não acredita em mim olha pra trás, vai ver que no espelho só tem uma pessoa. - desafiei cruzando meus braços na frente do peito enquanto ele lentamente virava a cabeça pra encarar o espelho e quando seus olhos fizeram contato com a superfície espelhada e la estava refletida apenas um garoto alto o telefone caiu das suas mãos.

-Q-quem é você?! O que quer de mim?! - ele tinha os dedos indicadores de cada mão formando uma cruz.

-Ixi filho, não sou demônio não ta doidasso? - revirei meus olhos, ele tava tão pálido que parecia um vampiro, não o gay, ou é o vampiro gay... quem sou eu pra julgar né non?

-O que você quer de mim? - perguntou novamente.

-Ai Dels... esse vai dar trabalho. Senta ai, antes que você desmaia. - apontei pro sofá e ele obedientemente foi se sentar. - Bom... do começo...

                            ♤♡♢♧

-Isso é tudo pessoal. - depois de longa meia hora de explicação e perguntas sobre o que eu sou, o que vim fazer e o por quê, finalmente terminei.

-Mas como é que eu consigo ver você se ninguém consegue?! - sua voz subiu uma oitava assim como seu corpo subiu do sofá.

-Nuss, quero ficar surda não tio. - passei a mão na minha orelha. - É o seguinte, como eu já disse, não era pra ninguém me ver, mas você consegue, não sei como, mas consegue, e eu estou aqui pra tirar a escuridão desse coraçãozinho gótico trevoso seu.

-Mas o que... e como vai fazer isso?

-Mano tu é surdo? Porra já disse, sou o espírito protetor da alegria! Poxa, meu ser naturalmente já traz alegria, eu só vou ficar um tempinho do teu lado pra você e seus amigos serem felizes para sempre, final feliz olha que lindo.

-Já te contaram que isso é a vida real né?

-Ixi pessimista, já te contaram que espíritos não existiam e eu to aqui. -disse e mostrei minha língua pra ele.

-Ta, olha, eu não sei o que ta acontecendo aqui, eu estou claramente delirando, tem uma garota muito estranha na minha casa, com um papo mais estranho ainda... É me internem num hospício porque eu não to bem. - ele se jogou no sofá esfregando os olhos em claro sinal de cansaço.

-Olha, sei que é difícil de acreditar em mim, mas você não ta louco, e eu não sou estranha! Só sou diferente. - sorri de uma maneira que era pra ser fofa, mas ele não deu muita atenção.

-Você nem coreana é! Porque diabos um espírito ocidental seria protetor da felicidade na Coréia?! - sua indignação era palpável.

-Primeiramente, eu sou brasileira, nada mais lógico que alguém do Brasil responsável por essa grande responsabilidade. Segundamente, eu não tenho culpa que brotei aqui, reclama com quem me trouxe não comigo.

-Ah claro, pode me passar o número de Deus porque eu acho que ele não ta na lista telefônica!

-Carai mano, só deixa eu fazer meu trabalho okay? Okay! - disse cruzando os braços.

-Isso virou a culpa é das estrelas? - perguntou num tom irônico.

-Ta beleza, você a partir de amanhã vai começar a receber tratamento rigoroso sobre como ser uma pessoa feliz da silva! Tabom!? Tabom!

-Acho que vai ter que ser assim né, como vou me opor à um espírito!? Qual seu nome mesmo?

-Letícia é meu nome e o seu é Namjoon certo?

-Certo... Como vai me ajudar a ser uma pessoa feliz? - perguntou ele ainda cético.
-Paciência jovem gafanhoto, amanhã você vai descobrir. - então eu meio que sumi da frente dele.

Namjoon precisa de um tempo sozinho pra raciocinar tudo o que eu falei pra ele, porque na moralzinha, se fosse comigo, eu ia duvidar um pouco também, então amanhã vou começar minha magia, pra tirar toda a dor e sofrimento daquele jovem coraçãozinho frágil.


Notas Finais


Eu fui notar agr que esqueci o pov do Nam... maaix fica pro próximo beleuza? Amo oceis seus lindu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...