História Our First Novel - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias O Incrível Mundo de Gumball
Personagens Darwin Watterson, Gumball Watterson, Personagens Originais
Tags Alcoolismo, O Incrível Mundo De Gumball, Romance, Yaoi
Exibições 44
Palavras 2.919
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Opan faz mt tempo que eu não posto caps né? Psé mals ae, ainda estudo então mt coisa pra fazer, espero que gostem, eu caprichei pq faz mt tempo que não envio

Capítulo 4 - Primeiro e Único Beijo


Fanfic / Fanfiction Our First Novel - Capítulo 4 - Primeiro e Único Beijo

Povs Gumball

Mano o que deu em mim! Sério eu não acredito que dei um beijo nele, tipo, HELLO ele é meu irmão, melhor amigo, parça pra todas as horas pra gente falar das meninas - sendo que depois desse beijo eu pareci um gay então o que importa mesmo, nem de meninas a gente vai falar mais – Mas mesmo assim o que deu na minha maldita cabeça!! Eu gostei: sim, Adorei: Sim, Deu tesão: Muita, mas eu nem devia ter beijado ele, mas agora já foi né, pior vai ser o que aconteceu depois do beijo.

Povs off

Os meninos param o beijo e se olham por uns 2 minutos, depois Darwin se levanta, pega seu casaco e diz:

Darwin: Vou caminhar um pouco, a gente se vê na festa.
Gumball: posso ir com você?
Darwin: Não, vou pensar um pouco...Tchau a gente se vê lá
Gumball: Eu insisto em ir com você, vai que acontece algo, você ainda é meu irmão mais novo, em todo caso sou o responsável essa noite...
Darwin: Não quero que vá atrás de mim, vou pra o parquinho, daqui pro parquinho são 10 minutos, e do parquinho a casa Tina são 20...Não se preocupe, eu chego na hora, até mais...
Gumball: Tudo bem...Nos vemos lá...

Narradora

Darwin sai pela porta e começa a andar, ele numa hora olha para o chão, depois para seus lados e para trás, olha para a frente e depois para o chão, e repete esse ato muitas vezes até chegar no parquinho, ao sentar em um dos bancos...Olha para o céu, fecha seus olhos e pensa

Povs Darwin

Poxa, isso não é normal, por que ele me beijou? E por que eu to assim, esse beijo não deveria significa nada pra mim, mas... Eu senti algo quente dentro de mim... Meio que não importa se foi um acidente, mas eu vou admitir que beija-lo não foi um dos piores acidentes que me aconteceu, eu não consigo mais olha-lo na cara, sinto vergonha por ter deixado... Isso é algo que eu vou esquecer, ou pelos menos tentar.

Povs off

Darwin fica uns 15 minutos sozinho pensando e vai andando em direção a casa de Tina, na esperança de Gumball estar lá para eles conversarem, então andava depressa, enquanto isso na casa deles:

Gumball: Perdi a vontade de ir pra essa festa, mas se eu não for acho que o Darwin vai ficar sozinho... É melhor eu me apressar *pega seu casaco e sai pela porta apressado...*

Povs Gumball

Estou totalmente sem vontade de ir a essa festa... Eu estou confuso sobre gostar dele... Eu achava que era amor um de irmão, mas... Esse beijo inesperado e ele me corresponder talvez seja um sinal, que ele goste de mim... Ou talvez não seja nada... Só o que eu consigo pensar é que entre vários vícios que o mundo nos dá escolha de ter eu escolhi o pior não por prejudicar mais o meu corpo, ou meu cérebro, mas sim por ser o mais temido entre os seres humanos que habitam a Terra, o vício que eu escolhi é o mais perigoso... É o vício do amor, o vício de estar o amando está começando a corromper tudo dentro de mim, o vácuo que havia dentro de mim estava sendo preenchido pelo amor? Esse vício não e igual a fuma, a beber, a usar outros tipos de drogas ou ver pornografias nem nada desse tipo, meu vício não causa doenças no pulmão, na respiração, no fígado, no cérebro ou na minha integridade, a única coisa que meu vício causa, é partir um coração... O meu coração... Pois eu acho que no fundo... Ele nunca vai me amar... Embora eu fique muito triste em saber... Eu preciso me livrar desse sentimento, nunca vai ser correspondido...

Eu já estava chegando a casa da tina quando encontrei o João banana na rua, fiquei preocupado, ele andava muito devagar, estava um clima de como se fosse chover e as nuvens pareciam estar preparadas para derrubar a sua água, ele estava de cabeça baixa e não me parecia muito feliz então eu andei em direção dele e perguntei oque o afligia

Gumball: Vai para a festa da Tina?
João: Vou sim...Por que?
Gumball: Ta tudo bem com você?
João: Eu quem devia perguntar isso pra você, sua cara não é uma das melhores.
Gumball: Eu tive um desentendimento com o meu irmão... Nada que não possa ser resolvido mais tarde... Mas e você? Andar de cabeça baixa como se o mundo fosse acabar com um peteleco não é a sua!
João: Oh! Eu tenho um problema... Muito sério...
Gumball: Conte-me... Enquanto caminhamos você me explica certo? – Eu não sou muito de sorrir, nem mesmo para os meus familiares, mas naquele momento eu estava precisando, e vendo uma pessoa que eu passei a vida inteira admirando pelo fato de estar sempre sorrindo, estar com um sorriso forçado, e com a cabeça baixa por um problema, não podia permitir que essa pessoa passasse a se tornar uma pessoa triste... –
João: Bom, tem uma menina que eu conheci no acampamento do ano passado, ela morava aqui em Elmore até o começo deste ano (estamos no mês de Junho) , e a gente estava se comunicando só que, do nada ela se afastou de mim, mantínhamos um relacionamento quase perfeito, eu queria saber o motivo mas ela não me retorna, não me responde, antes ela dizia “eu te amo” agora ela não responde....
Gumball: Cara, esquece ela
João: Está me pedindo pra esquecer alguém que eu demorei pra amar?
Gumball: Acha que se ela realmente te amasse ela faria isso com você? – posso parecer duro, mas é a verdade, o amor não deve fazer uma pessoa sofrer não é verdade? –
João: Tem certeza? E se eu não encontrar ninguém?
Gumball: Mano, você vai pra uma festa, esquece do amor e curte um pouco, você acha a pessoa certa quando para de procurar.
João: Você já procurou o amor?
Gumball: Eu nunca precisei, sempre fui apaixonado pela mesma garota, mas eu desisti dela, simplesmente de tanto ama-la eu enjoei de ama-la kkk não vai fazer muito sentido pra você *eu coloco as mão no meu bolso e olho para o lado tentando imaginar o por que de eu ter feito isso*
João: Digamos que, você amava ela tanto, e era tão bem correspondido que o amor ficou chato?
Gumball: Sim, mas... Não queria ter terminado com ela daquela forma, não me conformo que as pessoas me achem uma pessoa fria sendo que não me conhecem... Você me achou frio?
João: Nos últimos 15 minutos não kkk mas você me dava um pouco de medo
Gumball: Por que? Cara eu sou um garoto – faço uma cara de lerdo pra fazer ele rir – na moralzinha eu tenho olhos, orelhas, uma cabeça – uma cabeça extremamente grande – eu sou um humano.... Ou um projeto de humano, por que o medo?
João: Por que desde os 14 anos que você se tornou uma pessoa chata
Gumball: Pareço chato pra você?
João: Não!
Gumball: Então pare de me julgar *fala bagunçando o cabelo do João banana – estamos quase chegando a casa da tina –
João: Verdade, seu irmão vai estar lá?
Gumball: Espero que não...
João: Oque aconteceu com vocês dois? *faz uma carinha fofa, como se fosse conseguir algo com aquilo*
Gumball: Er... Olha, chegamos... Vou te deixar falando com uma garotas beleza? Preciso achar meu irmão
João: Ta... Bom...

Povs Darwin

O Gumball esta demorando muito faz mais de 30 minutos que estou nessa festa, este lugar é muito chato, tem tanta gente quase sugando a alma do outro pela boca (se beijando) Também ta um cheiro de álcool, nunca entendi por que adolescente gostam tanto de bebidas alcoólicas, até a Rosally ta bebendo, na verdade, eu só a vi chegando com um vestido super curto, detesto que essa menina me provoque assim, ela sabe que odeio a forma que ela se veste quando vai sair de casa por isso nunca saio com ela, sinceramente não quero que os caras comam minha namorada com os olhos – Vejo o Gumball passando pela porta devagar, como as câmeras lentas dos cinemas, ele passa e vê uma menina com dois copos de... Sei lá oque tinha dentro, ele cumprimenta ela e ela o abraça e ele sorri, e eles vem a minha direção – Na moral eu nunca vi meu irmão sorrir por ninguém, nem mesmo comigo e quem é aquela menina? Pô... Há pouco tempo atrás ele me beija e já está se envolvendo com outra!? Eu nem devia estar assim possesivo de ciúmes, mas é revoltante velo se aproximando de outras garotas, mas eu também não me entendo, em um momento eu sinto ciúmes da Rosally no outro do meu irmão com outras meninas, eu me odeio e odeio sentir ciúmes dos dois, cacete, por que os dois simplesmente não somem!

Povs Gumball

Eu saí procurando o Darwin por toda a festa mas não o vi, então fui ao jardim mas não o achei, só achei uma menina muito linda sentada em um dos balanços que tinha no quintal da casa da tina – ela mora em uma mansão – então eu sentei ao lado dela pra não deixa-la sozinha, ela olhou pra mim com um sorriso muito bonito e eu perguntei a ela:

Gumball: Oque você faz aqui? Está sozinha? Veio com alguém? Aconteceu algo?
Menina: Estou sentada para pegar um ar, na verdade você ta aqui então não estou mais sozinha, eu não vim com ninguém e não aconteceu nada não... *ela abre um sorriso pra ele* Está tudo bem, pode voltar a sua festa *ela abaixa a cabeça e olha pra os seus pés*
Gumball: Ava! Quer que eu acredite que está bem? Moça olha pra você? Você sorri depois olha para o chão como se sua vida não valesse nada *hoje eu to muito poético e caridoso, devo estar doente*
Menina: Moço, oque você ainda faz aqui? Você não sabe nem meu nome
Gumball: Não seja por isso, meu nome é Gumball e... *faço cara de mal* Qual o seu nome? Meu anjo
Lucy: É Lucyana... Mas... Me chame de Lucy
Gumball: E então Lucy, oque anda te afligindo? *faço uma posse e coloco os dedos no rosto e olho pra ela com muita atenção*
Lucy: Kkkk você é engraçado, bom, não houve nada só que eu não queria ter vindo a essa festa, não tem ninguém legal...
Gumball: Opan, eu não sou legal?
Lucy: Moço eu o conheci agora...
Gumball: Foi mal, bom... Não está com sede?
Lucy: Um pouco, quer algo?
Gumball: Se possível algo que não tenha álcool...
Lucy: Você... Espera aqui?
Gumball: Por que não fazemos o seguinte, você pega as bebidas e eu vejo se meu irmão está lá dentro, prometi procura-lo, então... Okay?
Lucy: Sim

Deixei-a entrar primeiro e resolvi procurar por fora primeiro e não achei o Darwin em lugar nenhum, já estava preocupado quando entrei na casa, meu irmão estava sozinho sentado no sofá, a Lucy passou por mim com umas bebidas e ela estava muito feliz, parece que eu consegui alegra-la, ela me abraçou e eu sorri (sei lá, o contato humano não me parece mais tão insignificante e estão me causando coisas mais fortes) então fomos em direção ao Darwin, ele me pareceria irritado com algo então perguntei:

Gumball: Oque houve? Que cara é essa?
Darwin: É a minha, só tenho essa né? *Cruza os braços*
Gumball: Não precisa ser grosso maninho, não te fiz nada, além disso, essa é a Lucy...
Darwin: Prazer em conhecer, por falar em conhecer, quando e onde conheceu essa garota?
Lucy: A gente se conheceu hoje, ele veio me fazer companhia por que eu estava sozinha no parquinho....
Darwin: Então por que você não deixou ela lá e veio sozinho Gumball!
Gumball: Posso saber por que você está tão possesivo, se você não quer falar com ela sai e me deixa com ela pô!
Darwin: O problema é que você não é dela
Gumball: Também não sou seu, além disso, eu nem sou um objeto pra ser de alguém
Lucy: Gente... *fala com um tom doce de criança* me desculpe, só estou causando discórdia, eu não queria me meter na relação de irmão de vocês, se quiserem eu posso ir embora *abaixa a cabeça*
Gumball: Isso mesmo Lucy, vamos embora *puxa ela pelo braço pra fora da casa*
Darwin: VOCÊ VAI ME DEIXAR AQUI SOZINHO!?
Gumball: Solidão é oque você merece! *grita já na porta da casa*

Não sei oque deu em mim pra fazer isso com meu irmão, ainda hoje eu estava sedento de amor por ele e agora eu to assim! Com ódio da pessoa que eu mais amo na Terra, isso é confuso pro meu coração, não entendi oque houve comigo depois daquele beijo eu me sinto diferente, antes eu nem falar com muitas pessoas, mas eu dei um conselho para o João banana, eu nem falo muito com garotas nem tenho um contato com muitas pessoas, mas eu agora tenho uma amiga e uma que me faz sorrir ainda por cima, o jeito meigo dela me lembra do Darwin quando éramos menores, ele era muito inocente e fofo, seu jeito meigo e a forma que falava comigo me encantava muito mais de um tempo pra cá, desde que começou a namorar com a Rosally ele começou a ter uma má influência enorme, agora ele está mais safado e irritante e muito ciumento, bem mais do que antes, agora ele ficou muito mais preocupado com a namorada do que com a família dele e digamos que, pra o “amor” não tem limites nem mesmo nisso, voltando a Lucy, nós estamos andando a muito tempo e ela não dá um piu e eu acho incrível como ela pode ser tão fofa, cabeça baixa e andando devagar parece cenas de animes... Andamos mais um pouco e ela cansou então me pediu pra parar, sentamos em um banco na calçada perto de um poste, mal passava carros e ainda estava com um clima chuvoso até que ela me olhou e perguntou:

Lucy: Por que você fez aquilo?
Gumball: Aquilo oque? – eu nem sabia a que ela se referia, minha noite foi muito louca, eu beijei o meu irmão, aconselhei um amigo, conheci uma garota e tive uma briga com meu irmão, digamos que eu fiquei processando em que ela se referia com o “por que você fez aquilo” –   
Lucy: Brigar com seu irmão... Fez isso por minha causa? Desculpe se por minha culpa vocês vão ficar brigados...
Gumball: Baka *bate na cabeça dela* Você não fez nada, não se preocupe eu convivo com as birras do Darwin há muito tempo e isso foi só um ciúme besta que ele tem...
Lucy: Você gosta dele não é?
Gumball: Cara kkk eu sou obrigado a ama-lo, somos irmão *sorriso* Mas eu odeio as birras sem motivos dele...
Lucy: Quero dizer, você está apaixonado por ele não é?
Gumball: Não, por quê? – fruta que partiu, como essa garota pode supor isso!? Meo deos, não acredito que ela conseguiu chutar bem na trave... –
Lucy: É só a forma que você reage ao vê-lo, notei que algo te afligia quando você sentou ao meu lado, eu senti que dentro de você tinha uma grande preocupada e que essa preocupação envolvia outra pessoa mas, eu não sabia quem até você mencionar o seu irmão, e quando eu abracei você ele me olhou com uma cara de “se você não soltar ele eu vou te fuzilar” e foi exatamente como ele agiu.
Gumball: Não gosto do meu irmão, quer dizer, tenho sentimentos confusos, ao mesmo tempo que tenho interesses por você tenho por ele...
Lucy: P-Por m-m-mim?
Gumball: Sim, você é doce e fofa igual ao meu irmão e isso me atrai.
Lucy: E-eu atraio você?
Gumball: Claro que sim *sorriso* coisas fofas pra mim são perfeitas
Lucy: Você me acha fofa?
Gumball: Claro, esse sorriso, esse cabelo, esses olhos... Tudo é fofo pra mim...
Lucy: Bom... *abaixa a cabeça*
Gumball: Eu te deixei triste?
Lucy: Não, você foi a primeira pessoa que diz isso pra mim *chorando*
Gumball: Eu... *Sem reação* Lucy...
Lucy: *abraça Gumball*
Gumball: Lucy *não retribuiu o abraço, mas, afasta ela e a beija* – Eu acho que vou pro inferno hoje na moral, eu beijei duas pessoas no mesmo dia, caraca mano, eu sempre digo que beijo apega, mas, eu beijei duas pessoas e devo acabar me apegando pelas duas, eu já estava me sentindo mal por confundir o meu irmão pelo beijo de hoje a noite e acabei beijando uma garota que acabei de conhecer, isso além de ser ridículo é incrível, um beijo está mudando tudo o que eu to sentindo e isso é estranho... Eu não devia me preocupar com isso, e ela? E se ela se apaixonar por mim o que eu faço? Eu não quero magoar uma garota que nunca escutou um “você é linda” (sei lá como ela nunca escutou, ela é muito linda mesmo, esse cabelo curto e castanho, olhos azuis e esse sorriso brilhante é encantador e conquistaria a qualquer um, por que ela nunca ouviu isso?) de certa forma, ela tem um beijo muito doce e agradável, o brilho labial tem gosto de morango e isso me faz continuar beijando-a sem me importar quanto tempo eu vou passar em um único beijo, porém eu já estava sem fôlego e ela, ela nem evitava, eu sinto que, foi o seu primeiro e único beijo.


Notas Finais


Opan, gostaram né? Oq acharam da Lucy? Ela é fofa né? :3 agora vocês vão tem que escolher, ou o Gumball fica com o Darwin ou com a Lucy *-* boa sorte e NyeNye *isso significa Tchau*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...