História Our Forbidden Love - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Cana Alberona, Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Jellal Fernandes, Juvia Lockser, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Mavis Vermilion, Natsu Dragneel, Personagens Originais, Sting Eucliffe, Yukino Aguria, Zeref
Tags Fairy Tail, Gale, Gruvia, Jerza, Locksterr, Nalu
Exibições 50
Palavras 2.181
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Mistério, Orange, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olha só quem voltou para mais um capitulo?
Locksterr...........
Esse cap era para vir amanha, mas sla quis postar hoje e um dia a mais ou a menos não vai fazer diferença.
Esse cap é narrado pela nossa Juvia e acredite vcs vão sentir dó dela, mas... mas nada, ela sofre muito.

Boa leitura e até as notas finais.
bjsss

Capítulo 2 - Capitulo 2 - Good Girls


Our Forbidden Love

Escrito por Locksterr

Capitulo 2 - Good Girls

 Juvia

 Se Juvia estava arrependida era pouco, eu nunca devia ter falado nada daquilo para Lucy, agora ela deve estar me odiando e não é para menos, eu fiz a coisa que Lucy mais odeia, que é se lembrar do passado dela. Qualquer um que vê a Lucy acha que ela é perfeitinha demais e tem a vida perfeita, mal sabe que Lucy tem um passado mais obscuro, na verdade todas nos temos só que não queremos falar nele e deixamos ele enterrado na nossa memórias para sempre, e Juvia por puro impulso fez Lucy se lembrar de tudo aquilo que ela mais temia, o seu passado, como eu posso ser tão idiota.

 Ouvir todas aquelas palavras de Lucy me mataram por dentro, eu melhor do que ninguém sei o que quanto ela esta arrependida do seu passado, já que fui eu quem a consolei inúmeras vezes, e não só eu, Levy e Erza também, aposto que se a Erza estivesse aqui agora teria me dado um tapa com certeza, pois aquilo era o que eu precisava no momento, somente um tapa, um tapa para a minha idiotice.

 A Lucy sempre foi a minha melhor amiga, desde criança, eu sempre convivi com ela e sei que ela nunca foi daquele jeito, claro que a Lucy de antigamente não era flor que se cheire para ninguém, mas ela havia mudado e eu sabia disso, ela tinha conseguido superar e cicatrizar cada feriada que havia ficado no seu coração do passado, agora eu acho que eu abri essa ferida novamente, e pensar que eu fiz a minha melhor amiga chorar me mata.

 Lucy nunca foi muito de chorar, na verdade era um ato que ela odiava fazer, principalmente na frente dos outros, ela achava que demonstrar o seu choro somente te mostrava o quanto você era fraca, se a Lucy estava se sentindo fraca naquele momento eu estava me sentindo um lixo por fazer isso com a minha amiga.

 Claro que a partir do momento em que Lucy saiu correndo eu já quis ir atrás dela, mas acho que aquilo no momento não seria possível, já que eu sou impedida por Levy que apenas segura o meu braço e me lança um olhar reprovador, nesse momento eu saia que iria levar uma bronca da Levy, mas eu ia escutar tudo calada, já que aquilo era o que eu estava precisando naquele momento uma bronca.

 - Juvia você tem noção do que acabou de dizer para a Lucy? Você sabe muito bem o quanto ela se culpa pelo o seu passado e você faz isso?

 Levy falava para mim nervosa e ela estava mais que certa, eu não tinha por que me defender, tudo que ela falou não era mentira nenhuma, apenas abaixo a minha cabeça e falo:

 - Eu não queria Levy, de verdade, eu não queria ter falado nada daquilo para Lucy mas foi, se eu pudesse voltar no tempo e resolver esse problema eu faria isso, eu sou uma idiota mesmo, você e todo mundo esta certo em me odiar agora, eu me odeio.

 Eu falei aquelas palavras e assim que terminei foi como se eu tivesse levado uma facada no meu coração, eu não queria fazer nada disso e eu tenho que ser castigada, eu tenho que me castigar. Estavam saindo lágrimas do meu olho e aposto que todos da escola estavam olhando para mim nesse momento, Juvia Lockser, uma das garotas mais populares e cobiçadas da escola estava chorando, mas no momento o que os outros iriam pensar de mim era o que menos fazia importância, eu queria mesmo era ir atrás da minha melhor amiga, porque eu me importo com o que ela pensa de mim e não com eles.

 Me afasto de Levy e também saio correndo para algum lugar isolado, um lugar onde somente eu pudesse ficar.

 Eu nunca fui muito forte, sempre fui chorona e sempre tive tudo nas minhas mãos, nunca fui humilde mas respeitava os outros, confesso que de todas nós eu sou a mais mimada e a mais patricinha, mas fazer o que eu sou assim, se bem que Lucy também era, só que diferente de mim ela conseguiu mudar para melhor enquanto eu só fiquei sendo a mesma Juvia de sempre.

 Entro no banheiro feminino e vejo que não tem ninguém nele, o que era melhor para mim eu só queria ficar sozinha naquele momento. Todos da escola acham que a nossa vida é de princesas, que tudo que nós queremos nós temos em nossas mãos e que nosso único problema é a roupa que nós vamos vestir todos os dias.

 Esse é o problema, nós não somos assim, se qualquer pessoa visse eu ou a Lucy chorando acharia que é por uma mero capricho, que é para nós termos o que nós queremos, mas não é assim, todas nós sofremos por causa do nosso passado, eu principalmente.

 Me olho no espelho do banheiro e vejo que meus dois olhos estavam vermelhos, vermelhos por causa de tanto choro, eu estava com uma cara horrível, qualquer uma que me visse me acharia ridícula e era o que eu estava.

 Pego a minha bolsa e abro ela rapidamente, retiro de lá um bolsa bem pequena, que eu sabia muito bem para o que eu usava ela, jogo a mochila de volta no chão e abro a bolsinha e retiro de lá um lâmina. Aposto que se qualquer uma das garotas me visse agora me mataria, mas é o que eu quero no momento, sofrer.

 Isso mesmo, eu sou uma suicida, mesmo achando que tinha largado essa de ficar me mutilando, já que faz anos que não faço isso, mas no fundo eu sabia que nunca ia largar esse lado meu, tanto que eu andava com uma bolsinha cheia de lâminas . Estava com as minhas mãos tremendo, até mesmo pensei em parar e guardar aquilo, mas eu não tinha forças para resistir, não mais.

 É isso que o povo pensa de todos nós, que nós somos boas garotas, que sempre obedecemos os nossos pais e tiramos notas exemplares na escola, mas nós não somos isso. Somos simples adolescentes que apenas querem viver a vida. Eu já estava cansada desse fardo de boa garota, por isso talvez eu queira sofrer, para lembrar que eu sou humana e que tenho que sofrer, mesmo que seja pelas as minhas próprias mãos.

 Pego a lâmina e passo calmamente pelo o meu braço direito, passo a mesma com força e logo vejo o corte profundo que havia ficado por causa disso, muito sangue saia do mesmo e era disso que eu gostava, de ver e sentir o meu sangue. Passo a lamina novamente faço mais inúmeros cortes no meu braço.

 A pia da escola que era branca agora estava totalmente manchada de vermelho, manchada do meu sangue, largo a lamina na pia e passo a minha mão esquerda pelos machucados que haviam ficado, estava doendo? Estava, mas como dizia Jonh Green “A dor precisa ser sentida”, meio ridículo nesse momento eu estar citando A Culpa é das Estrelas, mas essa frase era o que eu estava sentindo nesse momento.

 Ligo a torneira da pia e começo a passar por cima do meus cortes no braços, eu tinha que limpar todo o meu braço e todo o sangue que estava na pia antes que alguém chegasse aqui e visse essa cena patética. Assim que todo o sangue havia saído do meu braço pego um papel toalha e passo por cima dele, mesmo que eu tenha lavado o sangue continuaria a sair, então eu teria que fazer um curativo no mesmo, pego um esparadrapo rapidamente de dentro da minha bolsinha e começo a fazer um curativo sobre todos os cortes que tinha, depois de certificar que não estava vazando mais nenhum sangue, abaixo a manga do meu uniforme e escondo todos os cortes. Jogo todas as coisas no lixo do banheiro mesmo e logo após vejo se não ficou nenhuma coisa que prove o que eu tinha feito aqui.

 Ligo novamente a torneira e lavo o meu rosto afim de tentar esconder que eu estava chorando, pego novamente a minha bolsa e de lá tiro outra bolsinha só que dessa vez era a de maquiagem.

 Faço uma maquiagem perfeita para ninguém notar que eu estava chorando e que estava tudo bem, mas essa era a verdade, nada estava bem naquele momento, mas eu teria que colocar um sorriso na cara e encarar o mundo depois disso.

 Afinal é isso que boas garotas fazem, sorriem e tem a vida perfeita. O que as pessoas mal sabem sobre as boas garotas é que todos elas são más garotas, só que nunca tiveram esse lado descoberto.

 Saio do banheiro apressada e com a cara mais normal do mundo, afinal ninguém poderia desconfiar de que eu estava me mutilando e chorando, eu tenho que manter a minha aparência acima de tudo, mas no momento sinceramente eu estava muito preocupada com a Lucy. Fecho meus olhos com força e de repente sinto alguma força batendo em mim e me jogando para trás, com certeza eu havia batido em alguém e como eu sou muito desastrada é previsível que isso iria acontecer.

 Uma mão é estendida para mim naquele momento, seguro naquela mão sem nem ao menos saber quem era que estava me ajudando, me levanto e limpo a minha roupa com as mãos.

 - Muito obrigada por me...

 - Juvia?

 Ouvir aquela voz faz o meu coração paralisar, somente uma pessoa possuía aquela voz e eu sabia muito bem de quem era, só podia ser dele.

 - Gray?

 Finalmente olho para o rosto da pessoa que havia me ajudado, e vejo que era ele mesmo, eu nunca confundiria, seus cabelos negros estavam do mesmo jeito que eram antigamente incrivelmente bagunçados, ele havia crescido muito agora ele estava mais alto do que eu, ele estava com um uniforme da escola, mas com certeza o que me fez reconhecer ele mesmo foram os seus olhos negros e frios, que estavam por baixo do seu óculos. Essa era uma característica própria do Gray seus olhos frios, que só ficaram assim por culpa minha e da pessoa que eu era no passado.

 - Então você voltou para a escola?

 - É o que parece né? Mas você não esta feliz em me ver minha irmãzinha?

 Aquele irmãzinha ele falou de um jeito vem sarcástico e isso não me agradou muito, Gray continua mais frio que um gelo.

 - Nós não somos irmãos, e nunca vamos ser, nossos pais só são casados e trate de falar isso baixo porque...

 - Porque você não gosta de souberem que somos da mesma família, porque você é uma popular que não pode se misturar com o nerd estranho. Juvia eu finalmente decorei essa regra que você impôs entre nós dois.

 - Gray não é nada disso...

 - Nada disso o que Juvia, você já deixou isso bem claro para mim muitas vezes, muitas mesmo no passado, uma popular não pode se misturar com o nerd não é? Por isso que você nunca disse para ninguém que nós não somos da mesma família, sempre me rejeitou e eu como um idiota fazia tudo por você tudo, mas eu mudei Juvia e hoje eu quero que você vá para o inferno, agora adeus.

 Ele diz tudo aquilo para mim e eu fico realmente sem reação nenhuma para responder ele, o Gray estava mais que certo eu fui errada e eu sou uma pessoa horrível, sempre fui, só que não faz sentido nenhum eu ir para o inferno sendo que eu já vivo nele, minha casa é um inferno, ter minha mãe sempre viajando eu ter que ficar sozinha com o Silver a maior parte do tempo e agora com a volta do Gray tudo piorou.

 Ele vira de costa e começa a andar e me deixa sozinha naquele corredor, eu estou com muita vontade de chorar nesse momento, mas eu não posso como sempre. Suspiro um pouco alto e continuo a andar pelo corredor como se nada tivesse acontecido.

 Agora tenho que me preocupar com a Lucy e com a volta do Gray, eu sei que nunca fui uma boa irmã e sempre excluía e humilhava ele de tudo quando éramos mais novos, só que eu estou arrependida e desde o Gray foi embora eu mudei meu jeito de ser, sabe aquele ditado que fala que a gente só dá valor quando perde? Eu vivi ele e sei o quanto ele é verdade, o Gray sempre foi o meu amor platônico, mesmo eu não querendo aceitar naquela época, mas agora ele me odeia mais que nunca.

 Ouço a sinal da aula bater e me avisar que tinha que voltar para a sala, mesmo eu não tendo me desculpado com a Lucy eu tinha que ir para a aula, com certeza ela estará na sala de aula e lá eu me desculpo melhor com ela.

 Eu só espero que ele não esteja naquela sala também.


Notas Finais


Juvia é sofrida né gente? E ela vai sofrer ainda muito mais, das meninas ela é a que tem a vida mais lascada, daqui a pouco vcs descobrem porque e espero que não me matem.
Tadinha dela e esse fora lindo que ela levou do Gray, todas as garotas tem um passado, isso só vai ser revelando no decorrer da historia mas tipo elas já fizeram muita merda, tipo PLL, só que não é PLL.

Hoje não teve Nalu, mas o próximo cap a narração volta para a Lucy e isso significa NALU!!! Mas não vou dar spoiler!!
O próximo vai sair na próxima semana e bjss
até o próximo

https://spiritfanfics.com/historia/simply-for-everything-7172402
Minha nova one


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...