História Our Lives, Our Destiny - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Five Nights at Freddy's
Personagens Balloon Boy, Ballora, Bidybab, Bonnie Hand Puppet (Bonbon), Bonnie the Bunny, Chica the Chicken, Circus Baby, Ennard, Foxy the Pirate, Freddy Fazbear, Fritz Smith, Funtime Foxy, Funtime Freddy, Golden Freddy, Jeremy Fitzgerald, Mangle, Marionette, Michael, Mike Schmidt, Minireena 1, Minireena 2, Nightmare, Nightmare Balloon Boy, Nightmare Bonnie, Nightmare Chica, Nightmare Foxy, Nightmare Freddy, Nightmare Mangle, Phone Guy, Plushtrap, Purple Guy, Sammy, Shadow Bonnie, Shadow Freddy, Springtrap, Toy Bonnie, Toy Chica, Toy Freddy
Tags Ballaby, Bonnica, Ennotic, Frexy, Funtime Frexy, Goldentrap, Mariloon, Nightplush, Purplephone, Shadow Fronnie, Toy Fronnie, Toy Manglico
Visualizações 45
Palavras 2.408
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Festa, Hentai, Lemon, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Yo pessoal!
Nossa há quanto tempo😅
Desculpem pela falta de caps, é que eu estava MUITO desanimada pra escrever... É sério, eu olhava pro bloco de notas e me dava um desânimo mortal
Mas depois de muito sacrifício eu consegui escrever esse cap para entreter vocês por mais um tempo
E eu sei que estou devendo bastantes coisas, como o cap que faltou na semana passada em MP, os especiais das minhas fics, cap de APLEELP e também dessa fic, mas entendam o meu lado por favor... Eu estive muito ocupada mesmo
Eu tinha prova na terça, tive trabalho pra fazer, a professora passou uma apostila de 10 questões com um assunto que não tínhamos trabalhado ainda, tive uma apresentação na quinta e ainda tenho aula no curso... Isso tirou muito do meu tempo e me desanimou muito pra escrever
Mas agora esquecendo os meus problemas(até porque ninguém se interessa por coisas fúteis como essas), podem começar a ler esse cap que acabou de sair do forno :3
Até as notas finais

Capítulo 12 - Acampamento - Final


Fanfic / Fanfiction Our Lives, Our Destiny - Capítulo 12 - Acampamento - Final

- Autora -

Um grito carregado de tristeza e desespero acordou a todos que repousavam em suas tendas. Do lado de fora, Amy estava de joelhos com o celular sendo apertado fortemente por suas mãos. A loira gritava enquanto lágrimas grossas desciam por seu rosto.

Brian correu até a loira e agachou-se á sua frente, vendo o desespero e a tristeza estampados no rosto da garota. Os professores também chegaram ao local por conta dos gritos. Brian tentava fazer com que Amy parasse e dissesse o que estava acontecendo mas era impossível, a garota apenas olhava para o celular antes de começar a chorar novamente.

O arroxeado, então, tirou o celular das mãos de Amy e viu que ela havia recebido uma ligação instantes antes. O número era desconhecido, mas decidiu retornar a ligação pois tinha suspeitas que a tal havia sido a causa de tamanho desespero.

Quando o telefone foi atendido, Brian escutou a voz de uma mulher que parecia estar perto de seus 60 anos. Nessa ligação, foi contado ao arroxeado que os pais de Amy e Carla haviam morrido em um acidente de carro.

O arroxeado ficou estático, agora ele compreendia o porquê de Amy estar daquele jeito. Desligou a chamada e largou o celular, abraçando a garota de maneira reconfortante.

- Calma Amy, eu estou aqui... Você vai ficar bem, não precisa ter medo... -afagou os fios loiros da garota.

Os outros alunos e professores observavam sem entender o que acontecia. Carla logo se afastou da multidão e correu dali. O motivo do desespero de sua irmã era óbvio para ela, não precisava que a contassem.

Um enorme vazio se formava nos corações das duas garotas, agora órfãs. A dor de perder seus pais seria algo que as marcariam para sempre. Um buraco que nunca iria se fechar sozinho... A menos que houvesse ajuda.

Carla correu para a trilha da floresta e se sentou embaixo de uma oliveira, juntou as pernas ao corpo e começou a chorar. Nunca gostou de compartilhar seus sentimentos negativos, preferia mantê-los só pra si, por isso, recusava-se a derramar uma lágrima sequer ao lado de alguém.

Passos surgiram pouco depois, fazendo a rosada se calar e encolher-se. Foram ficando cada vez mais próximos e coisas começaram a passar pela cabeça da rosada.

- "E se for um animal? Eu estou perto da floresta, aqui é perigoso" -pensou assustada.

Mas para seu alívio, era apenas Cherry, que havia visto a rosada correr para este lado.

- Carla! -correu e abraçou a amiga - Sua boba, não me assuste!

- Eu que digo isso! -Carla protestou - Pensei que fosse um animal...

- Eu, um animal? Hahaha... Er.. Hun... Eu sinto muito -Cherry envergonhou-se por ter rido de alguém que havia acabado de perder os pais.

- Não, está tudo bem... Eu estou bem -Carla secou suas lágrimas.

- Carl... Eu... Eu sei como você se sente... -Cherry falou, apertando suas mãos com força - Eu nunca disse isso a ninguém mas... Oliver e eu perdemos nossos pais quando éramos menores, eles ficaram gravemente doentes e logo morreram, depois disso fomos obrigados a viver com nosso tio e depois ele nos deixou sob custódia da Ms. Marionete -contou.

Carla não podia ver por conta do escuro, mas Cherry chorava a medida que contava sua história.

- No começo eu não aceitei, fiz birra, chorei, gritei á plenos pulmões que queria meus pais... Mas todos me diziam que eu não os tinha mais, que eles tinham morrido e não iriam voltar... Também foi difícil pro meu irmão... Ele parou de sorrir, era deprimido a maior parte do tempo, ao menos isso mudou quando Charles apareceu naquele apartamento... Mesmo que eu não queira aceitar, Charles sempre ajudou meu irmão, mesmo que indiretamente... O que eu quero dizer Carla, é que mesmo com a perda dos seus pais, você deve continuar, você vai ficar bem, eu vou estar aqui pra você, eu sempre vou estar... Você sempre vai me ter pro que der e vier -passou os dedos pelo rosto de Carla enquanto sorria.

- Obrigada, Cherry... -uma outra lágrima desceu pelo rosto de Carla, dessa vez, uma de gratidão e felicidade.

[De volta ao acampamento]

Amy havia finalmente se acalmado, Brian a levou para a barraca e a fez se deitar, ficando com a mesma. O restante dos alunos também retornaram ás suas tendas por ordem de seus professores, ficando apenas estes, e as rosadas que ninguém havia visto sair, do lado de fora.

- É uma pena, perder os pais ainda tão cedo... -Fritz comentou.

- De fato, essa noticia a abalou bastante -disse Mike.

- Seria melhor que a levássemos de volta -Scott argumentou.

- Não apenas ela como a irmã -Jeremy apontou.

- Tem razão, é bom que as duas fiquem juntas num momento delicado como esse -Mike concordou - Mas como vamos fazer? A data para retornarmos é somente daqui a uma semana.

- Serão as duas, Mike, não a turma inteira -Michael riu - Eu posso levá-las no meu carro e voltar, simples.

- Duvido que elas queiram entrar em um carro depois de saberem a causa da morte de seus pais -falou Scott.

- Então não tenho idéias -o arroxeado suspirou.

- Não podemos encurtar o prazo de estadia? -Fritz perguntou - Os alunos não iriam se incomodar, afinal, eles já aproveitaram bastante.

- Fritz tem razão -Jeremy concordou.

- T-Tenho? O-obrigado... -um pequeno rubor surgiu nas bochechas do pequeno professor.

- Embora eu ache que muitos alunos serão contra, essa vai ser a melhor opção que temos -disse Scott.

- Certo, amanhã haverá a última prova e então arrumaremos tudo e iremos embora -falou Mike.

Os professores notaram alguém aproximando-se e logo reconheceram.

- Rey, onde estava? -Jeremy perguntou.

- Fui buscar algumas ratinhas -disse a professora, mostrando as duas rosadas ao seu lado.

- Já deviam ter voltado para suas barracas meninas -Michael afirmou.

- Iríamos fazer isso, mas a tia peituda trouxe a gente pra cá -Cherry bufou.

- Mais respeito com os professores, Cherry -Rey a repreendeu.

- Nhé... Que seja, podemos ir agora? -perguntou e a professora suspirou, acenando.

As garotas voltaram para sua barraca e os professores continuaram a conversa sobre o que iriam fazer.

[Dia seguinte]

Todos se levantaram cedo, para que a última prova pudesse ser feita. Os professores explicaram calmamente aos alunos o que haviam decidido : A última prova seria feita, a equipe vencedora seria nomeada e então todos iriam arrumar suas coisas para partirem á noite.

Surpreendentemente, os alunos aceitaram de bom grado a decisão de seus professores. Mas isso não significava que eles não estavam empolgados para participar da última prova. Cherry e Brian decidiram ficar fora para poderem cuidar de Carla e Amy, mesmo estas tendo dito que não era necessário.

- Todos estão aqui? -a professora Rey questionou e os alunos rapidamente afirmaram.

- A última prova será a única que se passará na floresta, o único lugar que nenhum de vocês teve permissão para entrar -disse Mike.

- Na floresta? Mas por que lá? - Henrick perguntou.

- Isso vocês vão descobrir lá -falou Fritz - Vocês deverão cumprir essa prova com sua equipe, ninguém pode estar sozinho!

- Nesta prova, vocês deverão procurar objetos escondidos na floresta, no total eles são seis -disse Scott - Quando encontrarem um dos objetos, devem trazê-los de um em um para nós e um da equipe terá que ficar a medida que os objetos são entregues.

- Se o objeto for entregue por apenas uma pessoa, será negado, toda a equipe deve estar presente na hora que entregar -avisou Michael.

- E como vamos saber que objetos são esses?! -Bianca perguntou.

- Se fosse mais paciente eu teria dito... -Michael cruzou os braços - Os líderes de cada equipe, dêem um passo á frente! -disse e os líderes se aproximaram.

Os professores entregaram uma folha de papel aos líderes e estes observaram a mesma. Na folha havia uma mensagen criptografada e provavelmente ela era uma dica do primeiro objeto.

- A partir de agora, começa a última prova, VÃO!

Os alunos correram e se reuniram, procurando desvendar a mensagem. A E2 mantia-se atrasada em comparação ás outras equipes, pois Yuri e Clara discutiam sobre quem iria decodificar a mensagem.

- Eu faço isso!

- Eu que vou fazer!

- Não! Eu que vou!

- Eu que vou!

- Eu!

- Eu!

- PAREM! -Harry gritou, irritado - Me dêem isso, eu mesmo faço -tomou o papel da mão de Clara.

Os pequenos, indignados com a ação do arroxeado, cruzaram os braços e se sentaram na grama, emburrados.

- E então, Harry? -Oliver perguntou.

- Nós temos números, então vamos tentar substituir eles por letras, de acordo com a ordem -disse Harry.

- Certo, eu sou bom nisso -afirmou Thomas e Oliver concordou.

- Então, sinta-se a vontade -Gabe tirou o papel das mãos de Harry e entregou á Thomas.

O azulado ficou alguns momentos observando a mensagem, até que conseguiu um resultado.

- Muito bem, temos que procurar no chão perto de um raiz -especulou.

- Perto de uma raiz? Por quê? -Kevin perguntou.

- Não é uma simples caça aos objetos, é preciso esperteza também -Thomas explicou - E de acordo com o que está escrito aqui, que são as palavras "Chão" e "Raiz", deve ser algo relacionado a essas duas palavras -concluiu.

- Uau! O tio-mulher tem razão! -Yuri falou, irritando Thomas.

- Não me chame assim! Pirralho insolente!! -deu um cascudo em Yuri.

- Ei! Não bata no meu irmão! -Clara, instintivamente, agarra o braço de Yuri e o puxa, o abraçando como se o protegesse.

Por conta do que sua irmã fez, Yuri adquiriu um rubor em suas bochechas, que lovo dispersou-se.

- M-Me larga, Clara... -fingiu resmungo e afastou-se da irmã - Vamos logo atrás do que o tio do cabelo azul falou -disse, seguindo para a floresta.

O restante do grupo concordou e seguiu o mesmo caminho que Yuri. Já na floresta, a E6 corria de volta para o local inicial pois havia encontrado o primeiro objeto. Mia havia achado uma "raiz" feita de EVA e gesticulou que ela seria o objeto.

Chegando no lugar que os professores estavam, os alunos entregaram a raiz, logo vendo Jeremy entregar-los outro papel.

- Muito bem, acharam o primeiro, agora um de vocês terá que ficar -disse o professor loiro.

- Certo, eu fico, então, afinal eu já achei um objeto -disse Mia e os outros concordaram.

- O que diz no papel? -Ryan perguntou á Rhuan, enquanto voltavam para a floresta.

- Sei lá... Está diferente do outro -disse o albino de mechas róseas.

- Meio óbvio, né, eles não iriam colocar o mesmo modelo para todas as pistas -Wallace provocou - Você tem um cérebro muito limitado pra não pensar nisso.

- Eu vou te mostrar o cérebro limitado -Rhuan apertou o punho.

- Parem os dois! -Rafael exclamou - Temos que nos concentrar na prova! -disse sério, fazendo os dois garotos se calarem - Rhuan, você tem alguma ideia de qual seja esse código? -perguntou, mais calmo.

- Não... Dessa vez são pontos e traços... -comentou.

- Espera, isso é código morse -Igor exclamou.

- Você sabe decifrar isso? -Bianca perguntou e Igor afirmou, começando a analisar o papel.

Enquanto isso, a E4 se mantia na liderança, com três objetos encontrados.

- O que diz aí? - Félix perguntou á Sally, após terem recebido outro papel com dica

- Dessa vez não precisamos decifrar, mas não estou entendendo esse garrancho! -a rosada reclamou.

- Com certeza é a letra do Fritz... -Richard comentou.

- Deixa eu dar uma olhada nisso -Axel tomou o papel da mão da rosada - Meu Deus... Isso 'tá pior que a letra do Lance na primeira série -comparou, deixando o irmão um pouco magoado - Espera... Aquele viado deixou algumas letras de ponta cabeça!! -exclamou.

- Consegue ler? -Lance perguntou.

- Se eu conseguia ler os seus textos quando você era menos eu consigo ler essa coisa -disse o ruivo, sarcasticamente.

- "Francamente... Esse imbecil deve ter PHD em filha da putagem, viu?!" -Richard pensou, incomodado com as atitudes de Axel para com Lance.

Após um tempo o ruivo descobriu o que estava escrito : "Riacho".

- Eu vi um riacho quando estava procurando a última pista -Lance comentou.

- Sabe voltar lá? -Félix perguntou e o loiro assentiu.

- Finalmente vais fazer algo que preste nessa tua vida -Axel falou ironicamente, irritando Richard mais ainda.

A equipe seguiu o loiro até o riacho que o mesmo afirmou ter visto. Quando chegaram neste, avistaram a E3, que foi em direção á uma árvore, pegando algo na copa da mesma.

- Parece que está ali -Sally apontou.

- Vamos rápido, antes que percamos nossa liderança -Richard falou, correndo até a árvore.

Toda a equipe correu até a árvore e então viram que em algumas folhas havia presilhas de cabelo. Sem demora, pegaram uma e correram no caminho da trilha.

- Ai! -Lance acaba tropeçando e cai, o que fez com que ralasse seu joelho.

- Lance! -Richard voltou e ajudou o amigo.

- O que foi agora, pirralho? -Axel rosnou.

- E-Eu acho que tropecei em alguma coisa... -respondeu, olhando para seu joelho esquerdo, que sangrava.

Axel revirou os olhos e foi até o loiro, pegando este nos braços.

- Vamos, você está nos atrasando -reclamou.

Assim que chegaram na área inicial, entregaram o objeto aos professores e deixaram Lance sob os cuidados de Rey.

- Humpf, aquele pirralho só serve pra atrapalhar -Axel resmungou, já na floresta.

- Ele é mais útil do que você -Richard retrucou.

- Repete isso pra você ver o que eu faço com essa tua cara -Axel rosnou, apertando o punho.

- Cai dentro, mané, eu não tenho medo de você! -Richard exclamou.

- Parem os dois! -Félix se pôs entre os dois - Temos uma prova para terminar, não temos tempo para brigas bobas... Entenderam?! -falou, olhando para os dois, principalmente para Axel, que revirou os olhos.

- Okay... -disseram os dois.

- Ótimo, agora vamos de uma vez -falou Sally, apressando o grupo.

[No acampamento]

Enquanto todos estavam em busca dos objetos, Amy cochilava no colo de Brian. Ao lado deles estava Lance, com um curativo no joelho.

- Como ela está? -perguntou ao arroxeado.

- Ainda está abalada, mas ao menos está mais relaxada -respondeu - Perder os pais assim de uma hora para a outra é trágico demais...

- Eu sei disso... -o loiro suspirou - Eu espero que as duas consigam se recuperar... Mesmo tendo perdido os pais elas tem que seguir em frente -concluiu e Brian concordou.

- Por isso eu sempre vou estar ao lado delas pro que precisarem... -falou, afagando o cabelo da garota.

- Amy tem sorte de ter um amigo como você, Brian... Ela deve gostar bastante de você -Lance disse sorrindo - E você deve gostar bastante dela também -co cluiu, deixando o arroxeado levemente corado.

- É... -concordou com um pequeno sorriso - "Eu gosto muito dessa loirinha que adora me contrariar"

"Se você gosta de alguém, corra atrás dessa pessoa antes que seja tarde demais"


Notas Finais


Desculpe por qualquer erro, depois eu vou consertar :')
Vou tentar não demorar pra postar o próximo •-•)b
Beijos~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...