História Our Love - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camren, Drama, Gip, Lauren Jauregui, Romance, Sexo
Visualizações 235
Palavras 1.743
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Orange, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey!! Agora sim a verdade, não fiquem tão ansiosos pois não é nada demais.
Enjoy!

Capítulo 8 - A verdade


Fanfic / Fanfiction Our Love - Capítulo 8 - A verdade

Pov Lauren

Quando as pizzas chegaram, nos arrumamos no sofá e ligamos a TV em um filme qualquer, deveria ser alguma comédia romântica já que Camila não desgrudava os olhos da tela e Dinah tinha uma expressão de tédio enquanto olhava para a TV. Peguei meu celular e abri o aplicativo do WhatsApp.

Psiu. − chamei a atenção de Dinah que rapidamente me olhou como se desse graças a Deus por não precisar mais fingir prestar atenção no filme.

Apontei para o seu celular que estava ao lado da caixa de pizza em cima da mesa e ela o pegou, já sabendo qual era minha intenção.

" Eu: Por que você deixou ela escolher o filme?"

" Loira aguada: Foi você que disse que ela poderia encolher."

" Eu: Então por que você não me impediu?"

" Loira aguda: Vai se foder folha A4."

" Eu: Bem que eu queria... mas minha perna ta fodida."

" Loira aguada: E desde quando você é a ativa da relação?"

" Eu: Vai se foder Dinah."

Bufei e bloqueei o celular enquanto Dinah tinha uma crise de risos fazendo com que Camila a olhasse feio e jogasse uma almofada nela.

...

Quando nossa amiga foi embora, Camila começou a limpar as coisa na sala e eu fui pulando igual o saci até chegar em nossa quarto... Eu precisava comprar uma muleta ou seria capaz de cair no chão e acabar quebrando outro osso.

Segui até o guarda-roupas e peguei uma cueca, uma calça de moletom e uma camisa larga. Continuei pulando até chegar no banheiro e o que eu temia aconteceu, pisei no tapete da porta e fui com tudo ao chão, eu não sabia se chorava por estar com dor em todos os lugares possíveis do meu corpo ou se ria pela grande falta de sorte que eu tinha.

 

Pov Camila

Depois de Dinah ter ido pra casa, levantei do sofá e comecei a juntar as coisas sujas de cima da mesinha de centro, antes de sair da sala, pude ver Lauren pulando em direção ao nosso quarto e tive vontade de rir, eu sabia que era errado, mas era engraçado. Levei as caixas de pizza vazias até a lixeira e a louça até a pia, não estava nem um pouco afim de lavar louça hoje, então deixei a cozinha e rumei para o quarto, estava quase entrando quando ouvi um baque alto e uns resmungos, entrei no quarto e procurei Lauren, encontrando-a caída no chão.

− Meu amor, o que aconteceu? − perguntei desesperada ajudando-a a levantar.

− Eu caí Camila, não ta vendo? − perguntou com a cara emburrada.

− Nossa, eu venho aqui com todo o amor do mundo e você me trata assim. − fingi indignação. − Tudo bem, fica ai sozinha. − disse já me virando pra sair de perto dela, mas fui segurada pelo pulso.

− Desculpa amor, é que eu estou com dor e com raiva de ser tão azarada. − justificou com um biquinho fofo nos lábios. − Me ajuda a tomar banho? − perguntou sorrindo inocente.

− Ta legal. − suspirei rendida a sua fofura. − Vem aqui bebezão. − ela sorriu lindamente e eu a ajudei a tirar sua roupa, fazendo um enorme esforço pra não olhar seu corpo com malicia.

Apesar de difícil, consegui dar banho nela sem me aproveitar ou parecer uma pervertida, sequei-a a coloquei sua roupa com cuidado já que além de sentir dor na perna, ela agora sentia dores do quadril pra baixo devido a queda. Guiei ela até a cama, onde ela se deitou e se enrolou com a coberta. Fiquei um tempo a observando e ela percebendo minha provável cara de babaca, sorriu pra mim e ficou um pouco vermelha.

− O que foi? − perguntou tentando disfarçar a vergonha.

− Nada, eu só senti falta de te ver aqui na nossa cama. − respondi e ela suspirou um pouco triste e concordou com um aceno de cabeça. − Eu vou tomar banho, volto logo. − deixei um beijo em sua testa e fui tomar meu banho.

Após meu longo e relaxante banho, voltei para o quarto já devidamente vestida, apaguei a luz e me deitei ao lado de Lauren me aconchegando ao seu corpo e ela logo me apertou em seus braços, fazendo com que eu quase ficasse totalmente por cima dela, tomando cuidado para não machucar sua perna.

− Você já vai dormir? − perguntei enquanto acariciava sua barriga por cima da blusa.

− Não, estou sem sono. − respondeu beijando minha testa. − Você quer dormir?

− Não, acho que eu já dormi bastante hoje. − disse e me soltei de seus braços e sentei ao seu lado de frente pra ela. − Podemos conversar agora? − vi ela soltar um longo suspiro e assentir.

Calmamente ela sentou na cama com as costas apoiadas na cabeceira e ficou um tempo em silencio encarando a porta do banheiro como se buscasse as palavras que deveria falar.

− Você sabe que eu cresci com um pai machista não sabe? − me olhou e eu concordei. − Eu passei toda minha infância e adolescência tentando não ser como ele, mas algumas coisas foram impossíveis de descartar da minha vida. Por eu ter um pênis, ele me tratava como um homem, acho que eu só não via como um garoto porque a minha mãe sempre gostou de me encher de vestidos e coisas rosas. − fez uma careta e eu sorri brevemente lembrando que hoje ela detesta rosa. − Uma das coisas que eu herdei dele foi o fato de querer ser "o homem" da casa, de tomar pra mim e exclusivamente pra mim, a tarefa de sustentar a casa e a família. − vi seus olhos novamente ficarem sem foco e ela desviou e olhou para suas mãos que descansavam em seu colo. − Desde os meus 18 anos eu trabalho, venho me sustentando e consequentemente sustentando você. − ela me olhou e eu pude ver seus olhos marejados. − Mas eu falhei Camz... Eu perdi meu emprego e agora eu não sei mais o que fazer. − as lágrimas começaram a rolar por seu rosto e sua voz ficando cada vez mais embargada. − Eu sou uma inútil.

Shiiu... Não chora meu amor. − me aproximei e abracei ela com força, eu sabia que para qualquer pessoa, aquilo não seria motivo pra tanto desespero e afastamento, mas eu conhecia ela o suficiente pra saber que ela sempre se orgulhou de ser a chefe de família. − Você não é inútil ta me ouvindo? − perguntei afastando um pouco seu rosto do meu pescoço e limpei sua lágrimas com os polegares. − Você é especial, é meu amor, você sempre se esforçou pra que nós tivéssemos tudo. − eu nem havia percebido, mas também chorava, era doloroso ver a pessoa que eu mais amava chorando.

Ficamos um tempo ali abraçadas e depois de alguns minutos ela finalmente se acalmou e parou de chora, encostando as costas novamente na cabeceira da cama e suspirando alto.

− Eu tentei arrumar outro emprego mas eu não consegui. − disse dessa vez mais calma. − Foi por isso que eu precisei ir pra New York, eu tinha um entrevista em uma empresa muito famosa.

− E o que aconteceu? − perguntei depois de alguns minutos de silencio. Ela pareceu desperta de seus pensamentos e voltou a falar.

− Eles estavam felizes em me ter lá, disseram que receberam uma carta de recomendação, mas quando o dono da empresa me viu... − ela sorriu sem humor. − Ele não sabia da minha condição, depois que descobriu que eu tenho um pau, todos os elogios não serviram mais de nada. Ele não queria alguém como eu na empresa dele.

Fiquei chocada com o que ela me disse. Sério que ainda existem pessoas assim? Como ele foi capaz disso? Lauren é com certeza a melhor pessoa desse mundo, ela não merece a sujeira que a cerca.

− Se eu visse esse imbecil na rua eu quebraria a cara dele e depois o mataria, tenho certeza. − disse fechando as mãos em punho.

− Amor. − Lauren riu gostosamente e eu fiquei aliviada por ela estar bem. − Você não mata nem uma barata. − continuo rindo.

− Uma barata voa, ele não, poderia muito bem matar ele. − disse emburrada e ela me abraçou, beijando meu pescoço.

− Eu tenho muita sorte de ter você na minha vida sabia? − me olhou sorrindo. − Eu te amo. − me deu um selinho e eu fiz questão de aprofundar o beijo.

Minha vontade era de jogar nossas roupas pra qualquer lugar e sentir aquele pau dentro da minha intimidade, eu sentia muita falta dela, e pude constatar que ela também, pois era possível sentir sua ereção me tocar suavemente já que eu estava em seu colo, tomando cuidado pra não deixar todo meu peso em cima da sua perna. Rebolei lentamente para sentir melhor sua ereção e Lauren gemeu na minha boca, apertando minha bunda e me fazendo rebolar ainda mais. Eu teria mandado tudo pra casa do caralho e me entregado a ela se não fosse o toque estridente do meu celular, nos afastamos ofegantes e eu sai do seu colo e peguei meu celular, atendendo sem nem olhar quem era.

− Alô. − disse ríspida.

− Ih, parece que alguém precisa dar. − ouvi a voz de Dinah e bufei, voltado a me deitar agarrada em Lauren.

 − O que você quer? − perguntei irritada, eu realmente precisava dar.

− Queria convidar ou melhor exigir a presença de vocês amanhã na minha casa. − eu já ia negar mas ela foi mais rápida. − Não adianta negar, a Normani volta de viagem amanhã e vai ter um churrasco aqui só para os amigos.

− Mas ela não ia voltar só no próximo mês? − franzi o cenho.

− Isso mesmo, e já estamos no "próximo" mês. − ouvi sua risada escandalosa. − Onde você estava com a cabeça? Espera... Eu já sei... No meio das pernas da Lauren. − riu mais alto ainda e eu revirei os olhos... Queria até...

− Vai se foder Dinah. − disse tentando não rir.

− Muita gente me diz isso todo dia, acho que vou seguir o conselho, boa noite pra vocês. − disse e desligou nem me dando chances de retribuir ou de xingá-la mais.

 

 


Notas Finais


E então? Como estamos indo?
Até depois


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...