História Our Love Is Madness - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Mikoto Uchiha, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Drama, Mafias, Naruto, Rivalidade, Romance, Sasusaku, Suspense
Exibições 319
Palavras 3.364
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


✿ Capítulo totalmente Itachi e Sasuke.

✿ MÚSICA DO CAPÍTULO :

Leave Out All The Rest - Linkin Park.

Super recomendo vocês lerem o capítulo ouvindo essa música. Ela se encaixa perfeitamente com esse momento e também por ser linda demais.

Sério, ouçam… Não vão se arrepender ;)

Sem mais blá blá blá - boa leitura.

Capítulo 12 - I Don't Want To Miss A Thing


Fanfic / Fanfiction Our Love Is Madness - Capítulo 12 - I Don't Want To Miss A Thing

C A P Í T U L O 08:

 I Don't Want To Miss A Thing

 


“Não existem pessoas frias, existem pessoas que aprenderam a bloquear seus sentimentos.”


— House


única luz que invadia o cômodo vinha dos fracos raios solares que atravessavam o vidro da grande janela, e o único som realmente notável vinha do monitor de batimentos cardíacos que, a cada segundo, mostrava uma baixa significativa de batimentos.


Na cama como de costume, Itachi repousava em profundo coma. Não era uma novidade, infelizmente. A novidade era que dessa vez ele não estava sozinho. Ao seu lado estava Sasuke, os olhos fechados, a cabeça pousada no peito do irmão e um braço abraçando-o de maneira fraterna pela barriga.



Quem olhasse de longe facilmente julgaria que ambos estavam dormindo, se não soubessem da real situação. Mas eles não estavam. Itachi estava em coma, e Sasuke estava concentrado demais em ouvir o coração do irmão, suplicando mentalmente para que os batimentos dele ficassem mais fortes. Havia apenas a dor. Mais dor. Menos dor. Foi a única constante.


"Eu estou afundando cada vez mais fundo. A tendência é apenas ir para baixo. Para sempre."


"Eu estou chorando? Eu não posso ter certeza. Deve ser porque eu estou queimando. Estou indo para o inferno."


" Uma pessoa pode cometer esse erro e nunca ser perdoada? Onde está a justiça?"


" Eu não quero queimar. Eu não quero cair para sempre, e ser arrastado cada vez mais para baixo."


" Para sempre."


" Tem que haver um fim ao sofrimento. Eu não mereço isso. Não foi minha culpa."


" Perdoe-me Brüder... perdoe."


" Eu estou afundando. Ainda queimando para sempre."


O Uchiha abriu os olhos, desejando internamente que o irmão fizesse o mesmo... Mas ele não fez. E ao notar isso um suspiro baixo escapou pelos lábios do moreno.
Olhou para o monitor de batimentos, a testa se enrugando a medida em que via o quão instável estavam os batimentos dele; mais baixando do que subindo. Desviou o olhar pra face adormecida do irmão. Os cabelos estavam mais longos do que quando fora internado, mas a cor não era mesma. A verdade é que Itachi estava mais pálido do que antes. Estava... morrendo.


— Acorde. — pediu baixinho, fitando o rosto da irmão de cima. Engoliu em seco. — Por favor brüder, acorde.


Mas ele não respondeu a seu pedido, não acordou. Permaneceu imóvel; a respiração sendo regularizada por um aparelho respiratório colocado sob seu nariz e boca. Sasuke fechou os olhos, as mãos cerrando-se em punhos tão firmes que não seria surpresa se as próprias unhas arrancassem sangue das palmas de tão forte que fechava a mão.


Sentiu, de repente, uma vontade que a muito não sentia. Uma vontade que quase nunca se permitiu sentir. A vontade de chorar. Mas como esperado de um Uchiha, ele não o fez. Não, de jeito nenhum. Não iria dar o gosto à seu pai de o julgá-lo fraco por suas lágrimas. Respirou fundo, ajeitando-se melhor na cama de maneira que pudesse encarar o rosto da irmão, enquanto abraçava-o pelos ombros. Fechou os olhos. Estava tão cansado. Cansado de toda aquela merda!


Só queria que as coisas fossem como antes. Queria seu irmão de volta. Queria o vivo. Com certeza, se Itachi estivesse acordado não se sentiria tão perdido em relação a sua vida. Não, de jeito nenhum. O irmão lhe diria o que fazer, o aconselharia ou lhe daria fortes petelecos na testa se preciso, como sempre fez, mas estaria ao seu lado, o ajudando. Ajudando-o como ele não o ajudou.


As lembranças de sua infância tomaram força em sua mente. Fechou os olhos com mais força, querendo esquecer. Mas esquecer mostrava-se cada vez mais impossível, enquanto lembranças e mais lembranças, agradáveis e desagradáveis, invadiam sua mente sem permissão.


“ Töricht kleinen brüder...” – um Itachi de quatorze anos sorridente e brincalhão dizia enquanto acertava a cabeça de Sasuke com uma revista.


Sasuke sorriu com a lembrança, logo após mergulhando em outra.


“O que você acha de ser menos Töricht?” – outrora Itachi lhe perguntara, um sorriso zombeteiro lhe adornando os lábios. Sentado na poltrona vermelha em sua sala, rabiscando qualquer coisa em um caderno velho, Sasuke mostrou o dedo médio.


“Tsc...você brüder é pior irmão que existe.." – disse ele fingindo-se ofendido pela brincadeira negativa brincalhona do irmão mais velho. – "Pois fique sabendo que todos dariam tudo para ter um irmão como eu. Sinceramente, eu deveria ganhar um super prêmio por apenas aguentar você.” – zombou e Itachi jogou as mãos pro alto, rolando os olhos.


“Ernst?” – debochou o Uchiha mais velho, antes de aproximar-se rapidamente de onde o irmão caçula estava e lhe atacar com um sessão tortuosa e hilariante de cócegas; fazendo o garoto espernear e rir enquanto clamava por ajuda.


"Meninos que bagunça é essa? Eu levo uma hora para por essa sala em ordem e vocês destroem ela em questão de segundos! — repreendeu Charlie segurando em uma das mãos uma vassoura. – " Saiam já daqui! " – Os dois garotos começaram a rir da governanta que aplicava vassouradas em seus traseiros.


Lá estava a mente dele mergulhando em outra lembrança.


" Hm… Isso está ficando muito bom. Devia mostrar a nossa mama, você sabe que ela vai ficar orgulhosa por ter um músico na família." – Um Itachi de dezessete anos estava atrás de Sasuke avaliando a composição do irmão.


"Até parece..." – Sasuke zombou o irmão, fechando o caderno.


" Eu acredito que você tem talento. Devia mergulhar seus sentimentos nisso. Você tem jeito." – Itachi puxou uma cadeira e sentara-se de frente para Sasuke. – " Diferente de Naruto,você tem uma boa voz."


" Tem razão. O Dobe não tem noção das coisas." – ambos os garotos riram.


"Eu sei que seu aniversário é só amanhã, mas eu não vou estar aqui…Você sabe, tenho que ir pra Nova York." – suspirou cansado, o irmão mais velho.


"Já saquei...negócios." – respondeu Sasuke automaticamente.


Por fim, Itachi entregara um belo violão preto elétrico Yamaha.


" Eu espero que a partir de agora töricht kleinen brüder, você se concentre nisso. Quero ver suas músicas tocando pelo mundo."


"Brüder… — murmurou Sasuke com sorriso emoldurando seus lábios. "Definitivamente minha primeira música vai ser pra você!"


Como quem despenca do céu diretamente para o inferno, as lembranças boas esvaíram-se completamente da mente de Sasuke, e de repente, estava mergulhado nas lembranças daquela noite. Daquela maldita noite. A noite onde tudo deu errado!


Todos tinham nomes atraentes para chamar atenção e seduzir os clientes, enquanto Sasuke mantinha o maldito apelido; rifiuti.


Objetivo era humilhar e arrasta-lo para um lugar com a finalidade de lembra-lo que ele era tudo; um bichinho de estimação, um objeto. Menos... Um ser humano.


Mas isso não funcionou. Quando Giovanni olhou em seus olhos, o Uchiha recusou a reduzi-los.


Sasuke sabia que estava prestes a ser punido. Ajoelhou-se no chão e não teve medo. Giovanni adorava vence-lo. O Uchiha era um dos seus brinquedos favoritos. O garoto não lutou contra o homem a sua frente. Ele rangeu os dentes quando o homem ordenou que se despisse.


" Moleque insolente, eu não sou a putinha da Anna que tem paciência com suas infantilidades." – ele falara em italiano. – " É pra ser estupro, então?"


O rosto de Sasuke latejava com tapa que tinha recebido, mas ele suportou em silêncio com os punhos cerrados ao lado do corpo.


Os olhos de Giovanni permaneceram venenosos.


Sasuke quase sorriu; ele era um belo garoto.


Outro tapa, o Uchiha fora forçado a desviar o olhar. Mas nunca para o chão.


Havia barulho atrás dele, mas não daria o gosto ao mafioso a satisfação de despertar sua curiosidade. Não importava o mistério iria ser revelado a qualquer instante.


Um espelho.


Um lindo e enorme espelho com armação de ferro. Giovanni colou de frente para Sasuke. Nele, o garoto viu seu porte vacilar. Isso era demais, não poderia assistir a isto. E no entanto, ele se recusou a olhar para o chão.


" Qual é o problema?" – provou o italiano. – " Você não gosta de ver o quanto você é lindo?"


Giovanni ajoelhou-se atrás dele e Sasuke deixou de respirar por alguns segundos.


" Qualquer coisa menos isso! "


Nada. Ninguém podia ouvir seus pensamentos pedindo clemência.
Sasuke apenas fechou os olhos.


" Vou fazer isso pra você nunca mais ter que se sentar." – Giovanni sussurrou friamente no ouvido do garoto.


Sasuke quase choramingou.


O homem levantou o traseiro do Uchiha e cuspiu em suas mãos preparando-se para entrar nele. Não havia nada a se fazer. Era essa humilhação ou a morte.


Sasuke se mexia freneticamente evitando os toques imundos daquele maldito homem. Mas de nada adiantara. Ele puxou o cabelo do garoto com força. Sentia seu couro cabeludo arder. Arrastou-o para mais perto do espelho. O garoto ficara cara a cara com o seu reflexo. O espelho obrigou-o a ver o que ele tentara fingir que não era real. Lá estava ele; amarrado, preso como um animal selvagem. Atrás dele estava Giovanni com um sorriso arrogantemente nos lábios.


" Eu não posso suportar isso. É demais pra mim." – ele abaixara os olhos encarando o chão.


Giovanni queria que Sasuke sentisse cada momento; a vontade lutar, e momentos depois, que ele percebesse que não poderia fazer nada.


Um soluço finalmente rompeu e Sasuke foi forçado a olhar para o garoto do espelho. Ele estava totalmente quebrado!


O Uchiha odiava seu reflexo, odiava sua fraqueza. Num acesso de raiva, ele atacou o espelho com sua testa quebrando-o e derrubando no chão empoeirado. Lançou-se para os cacos de vidro estilhaçados, a fim de cortar a corda em seus braços.


Giovanni riu alto.


Sasuke voou em direção a ele com os dedos sangrando. Mesmo sendo forte, sua força não se comparava a Giovanni. O homem mais velho lançara um chute em seu estômago, fazendo com que cuspisse sangue. Sua respiração ficou presa e a visão turva.


O cafetão desferiu vários chutes pelo corpo do garoto; rosto, peito, barriga, pernas e seu órgão genital.


Sasuke rolou de lado para tentar pegar o pé de Giovanni no ar. Nenhum objetivo foi alcançado e ele desmaiara quando a escuridão invadiu sua volta.
Giovanni revivera ele, jogando água fria em seu rosto.


Quando despertou, expulsou um grito silencioso. Sua pele estava dividida e aberta. Antes que ele soubesse o que estava acontecendo, ele foi atingido. Tentou mover seus membros para correr ou lutar, mas estava amarrado novamente. Fogo dançou ao longo de sua volta e podia ouvir claramente os gritos agoniados de meninos e meninas implorando por suas vidas.


" Vaidade é a praga da sua família. É a razão pela qual vocês acham que podem tudo. Quando na verdade Bichano, vocês merecem nada. A morte é tudo que você e sua raça merecem. Especialmente a puta que te pariu." – as palavras duras de Anna ecoavam na cabeça dele.


Então ele soubera imediatamente que iria morrer naquela noite. O chicote caiu de novo em sua pele, outro rasgo.


Por milagre ou não, seu pai surgira.
Sasuke dirigiu um olhar de: dor, nojo, ódio e vingança. Ansiavam por uma morte.


Enquanto Fugaku ficou de guarda na porta, o garoto atirou diversas vezes até acabar a munição, e matara o homem que tinha o atormentado uma parte de sua vida. O Uchiha ficara sobre o corpo jazido, admirando o trabalho bem feito que tinha feito no rosto desfigurado de Giovanni. Em sua mão, segurava uma magnum 44 prateada que seu pai tinha lhe dado.


O Uchiha voltou-se para aquela sala; ao olhar o corpo do mafioso no chão, sorriu orgulhoso para o filho e disse:

"Bom trabalho Hund."


A arma tinha sido dada a Fugaku por um oficial americano como uma demonstração de gratidão ao Uchiha por salvar sua vida. O Uchiha disse que a arma não era uma magnum e sim; Dirty Thomas. – Sasuke não conhecia esse homem e tão pouco se importava.


A única coisa que ele sabia era que esse maldito objeto tinha feito ele perder todo o espetáculo no rosto de Giovanni. Foi tão rápido que ele não pode contemplar a dor dele por muito tempo. Sim, Sasuke queira aquele homem morto a sua frente tendo um sofrimento sem fim. Ele se lançou para trás, apreciando mais uma vez o dano.


Cuidadosamente, Fugaku envolveu seu filho em um abraço. Sasuke apertou a nuca de seu pai e encostou sua cabeça no ombro direto dele.


" Não precisa se fazer de durão meu filho. Em momentos assim você pode chorar."


Foi o que garoto fez. Chorou...chorou...chorou... Até sua cabeça doer, e seus olhos não aguentarem derramar mais lágrimas e sentir que parte desse pesadelo estava desfeito.


Casa. Era para lá que sempre ansiou voltar.


Algum tempo depois, chegaram ao hotel.


"Cuide de seu irmão. Eu vou terminar de limpar a sujeira por aqui." – Fugaku apertava o ombro do filho caçula e dirigia a Itachi um olhar firme e sua voz soava autoritária. – " Eu deixei no porta luva as passagens de vocês. E Sasuke vá tomar um banho."


" Eu não quero." – ele pediu num sussurro de olhos fechados. Evitando a ameaça das lágrimas.


A mão do patriarca no ombro direto de Sasuke afrouxou.


" Por quê?" – Itachi perguntou gentilmente se aproximando do irmão caçula.


" Eu quero saber que ele está morto. A arma…Tudo foi tão rápido brüder. Entende? Ele merecia sofrer! Eu queria que ele sofresse o dobro que eu senti. Se eu lavar o sangue dele é como se..."


" Como se nunca tivesse acontecido..." – completou Fugaku.


" Sim." – respondeu Sasuke.


" Mas você precisa töricht kleinen brüder. Não podemos viajar com você nesse estado, entende?" – argumentou Itachi dando um de seus petelecos na testa do menor.


" Sua mãe e seus amigos estão esperando por você!"


Sasuke assentiu com a cabeça, mesmo contra gosto.


Ligou o chuveiro na água quente, e deixou-se cair na banheira. Encolheu-se na água para se aquecer o mais rápido possível. Arrastou suas roupas molhadas sobre a cabeça e jogou-as no chão.


Os olhos de Sasuke ardiam com as lágrimas de raiva. Puxou os joelhos perto do queixo, e mordeu a pele, raspando com os dentes. As lágrimas não diminuam. Continuavam a sair de seus olhos mais e mais. Sentia-se fraco e patético.


Queria gritar.


Queria acertas as coisas em sua vida.


Queria matar a única pessoa que restava de seu passado assombroso.


Raspou as unhas ao longo da carne de seus braços, dor e alívio ao mesmo tempo, sentindo sua pele se rompendo e gotas de sangue aparecerem. Repetiu o processo. – mais dor – mais liberação.


Na água, o sangue de Giovanni misturou-se com seu.
Ele não sabia o que sentir ao ver o sangue ao seu redor. O entorpecimento lhe assaltou. Sasuke olhou paralisado o sangue do homem que o torturou por tanto tempo, se dissipando na água.


" Ele está morto. Morto..."


Seus pensamentos voltaram minutos atrás quando tinha levantado a arma no rosto de Giovanni.


Ele perdeu.


Perdeu o momento da morte de Giovanni.


Quando se recompôs, pegou as roupas que estavam em cima da cama e se trocou rapidamente. Era uma camisa de linho Armani e calça jeans. Colou as meias e calçou um tênis Nike preto.


Pegou a chave do carro que estavam em cima do criado mudo e desceu.


'' Itachi? Que merda você está fazendo aqui? '' — gritou Sasuke enraivecido, afundando sua cabeça no banco da Mercedes com força.''


" Eu vou com você. E me perdoe…É meu dever te proteger e eu falhei... " — disse o moreno com voz triste fechando a porta do carro e encarando o irmão caçula com seriedade em seus olhos negros. — "Mas dessa fez eu não vou falhar! Não importa o que diga eu vou tentar salvar você."


Sasuke arregalou os olhos, seu irmão mais velho sempre tinha o poder de deixá-lo sem fala. Passou as mãos pelo cabelo completamente irritado.


" Lieber ein Spatz in der Hand als eine Taube auf dem Dach."



" Em primeiro lugar, não aja como se ninguém se importasse com você. — começou Itachi dando ênfase em suas palavras e encarando o irmão seriamente, cruzando os braços do mesmo modo altivo que ele. — Em segundo, nós passamos esses dois anos te procurando incansavelmente. E jurei para nossa mãe que o traria a salvo."


Sasuke bufou.



" Hunde die bellen, beißen nicht. " — riu.


Itachi rolou os olhos, e era nesse momento em que Sasuke o amaldiçoava por ser um Uchiha tão obstinado quanto ele.


"Para onde quer ir? Eu sei que você sempre quis conhecer a Itália."


"Eu quero ir para qualquer lugar e esquecer tudo que aconteceu durante esse dois malditos anos da merda de vida que eu tenho." — desabafou o irmão caçula.


" Então o que está esperando?" — sorriu Itachi dando um peteleco na testa do irmão mais novo, um hábito que adquiriu desde quando Sasuke começou a falar.



" Tem certeza que você pode conviver com um assassino sob o mesmo teto?" — sussurrou as palavras como se fosse uma pequena tempestade, forte e destruidora.



"Töricht kleinen bruder."— ele o imitou, erguendo-lhe uma sobrancelha. — "Que porra Sasuke, até parece que não me conhece? Eu jamais ficaria apontando seus erros."


" Hm. " — Sasuke murmurou contra gosto, e Itachi sorriu, ao ver o irmão dando a partida.


" Olhe...estamos juntos nisso,falou?" — Itachi disse com um sorriso ao ver o brilho nos olhos do irmão,que suspirava mais tranquilamente. — Die Liebe macht blind.


"Correção: você está nisso por minha causa." — resmungou Sasuke. Itachi limitou-se em apenas rolar os olhos. — "Você é o melhor irmão que existe. Arriscando-se por mim.  Sabe que aquela schwein⁶ e sua corja viram atrás de nós não sabe? 


" Você falando desse jeito me faz parecer o Surperman."— riu. — "Na verdade, sem a ajuda de nosso pai não conseguiria colocar aquele lugar de cima a baixo. — O Uchiha mais velho referiu-se ao prostíbulo. Após a morte de Giovanni, Itachi com ajuda dos seguranças do sir Uchiha retirou as pessoas que estavam lá e por fim, incendiaram o local.."



A face preocupada e agonia de Sasuke relaxou por um minuto, surgindo um sorriso fino e raramente sincero preencheu o canto de sua boca.



"Nossa! Pensei que eu fosse o pior irmão do mundo. — brincou o irmão mais velho lembrando-se de quantas vezes o caçula lhe dissera aquilo. Em sua maioria em brincadeiras ou discussões estúpidas e logo resolvidas.''


Itachi sorriu dócil para o irmão caçula.


Sasuke rolou os olhos a inicio, mas por alguma razão não pode resistir muito mais e abraçou o irmão de volta. Talvez porque algo em seu interior, no interior de ambos na verdade, gritaram que aquele seria o último abraço que dariam.


Sons de buzinas fizeram se separar. Itachi focou na janela enquanto voltava a seu assento. Quando o carro alcançou a rua e tão logo a avenida, Sasuke estava concentrado, como as mãos apertando o volante enquanto dirigia.
 


Num clarão, um Skyline corria em alta velocidade tentando desviar dos carros da polícia. Com a forte trovoada, Itachi ficou assustado arregalando os olhos e soltando inúmeros insultos ao ver um Mazda laranja aproximar-se rapidamente do carro deles. Sasuke girou o volante completamente para o lado, em uma virada brusca que fez o carro virar e cair.


A Mercedes capotou como se tivesse sido empurrada com força. Por algumas vezes rodopiou, fazendo os irmãos se chocarem violentamente entre as poltronas e o teto, até que parou de lado, no meio da estrada deserta devido ao horário do acidente.


Não muito longe, o carro queimava. Chamas dançavam ao seu redor. Sasuke podia sentir o calor do fogo dali de onde se encontrava; apesar da chuva estar começando lentamente a apagá-lo.


" Brüeder!!!"


"Brüder!!!"


Tornou a olhar para o irmão chamando seu nome.



Havia sangue escorrendo da testa dele e, quando ele tocou seu pescoço, a pulsação era tão fraca que ele mal a sentia. Sasuke balançou a cabeça, chamando o nome do irmão mais velho com mais afinco, recusando-se a aceitar que Itachi estava morrendo.



" Porra Itachi você não pode me deixar. "


" ITACHI!!!"


Sasuke voltou ao presente quando sentiu um toque em seu ombro que o fez quase pular para fora da cama. Era apenas a enfermeira. Com sorriso gentil, ela veio lhe avisar que o horário de visitas tinha acabado.


Notas Finais


✿ Link da música :

https://www.youtube.com/watch?v=yZIummTz9mM


✿ Explicação:

01º: Como o capítulo foi para dedicar e explicar os sentimentos do Sasuke em relação ao irmão mais velho, resolvi deixar a imagem dos dois irmãos mesmo ao invés da foto padrão SasuSaku.

02º: Quis trabalhar melhor essa questão. Sasuke estava dirigindo e se culpa pelo estado de Itachi, o que é natural. Seu irmão deu a vida pela dele. E é algo que ele nunca vai se perdoar. E por isso que ele precisa dessa vingança mais do que tudo na vida. Para se vingar e vingar Itachi.

Espero não ter destruído o ♥ de vocês com esse cap, haha.

Ps: Aguardem, pois amanhã postarei õ/

Comentários?

Bjos e até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...