História Our Love Is Madness - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Mikoto Uchiha, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Drama, Mafias, Naruto, Rivalidade, Romance, Sasusaku, Suspense
Exibições 551
Palavras 8.370
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


- Olá leitores (as) tudo bom?

Como hoje é feriado vou postar três capítulos consecutivos. Mas não se acostumem, rs.

✿ Vou explicar a questão das divisões em caps.

Tenho um problema sério. Eu escrevo demais e só vejo de fato o tamanho que o capítulo ficou quando o termino. Por isso, decidi dividi-los para facilitar a leitura para vocês, tá?
Particularmente, prefiro um capítulo com no máximo oito mil palavras do que um de vinte cinco. Ainda mais quando se lê pelo celular. Mas isso é questão de gosto.
Se alguém achar ruim ou confuso, mande um comentário dizendo que não está bom e tal. Posto os próximos caps inteiros. Mas se não houver alguma manifestação, continuarei a manter a divisão, okay?

Bom isso é tudo.

Boa leitura ;)

Capítulo 2 - Highway To Hell


Fanfic / Fanfiction Our Love Is Madness - Capítulo 2 - Highway To Hell

 C A P Í T U L O 01: 

Highway To Hell 
 

''Acho que a única razão de sermos tão apegados em memórias, é que elas não mudam, mesmo que as pessoas tenham mudado.''

 

— Pretty Little Liars

 


Sasuke abriu os olhos apenas para fechá-los no instante seguinte com a súbita claridade. Sua cabeça doía, mesmo que não conseguisse registrar completamente a quantidade da dor, sabia que ela estava lá.


Havia um peso estranho em seu braço esquerdo. Quando tentou se mexer, todos os músculos de seu corpo enrijeceram e um gemido de dor veio apenas para morrer em sua garganta que doía muito. Um toque suave em sua mão direita lhe alertou de que não estava sozinho, achou tudo bem tentar abrir os olhos agora.
 


Lentamente suas pálpebras piscaram de novo e de novo, para se acostumar com a luz. Olhou para seu reflexo no espelho constatando que é um adolescente de dezessete anos. Seus cabelos negros estavam mais compridos na altura do queixo. Continuavam desalinhados e rebeldes como costumava ser antes do acidente. Rosto angular, queixo forte, nariz fino e pequeno. Maçãs do rosto possuem um ângulo agudo. Seu corpo esguio, musculoso agora eram proporcional a sua altura e idade. Seus olhos negros continuavam o mesmo enigma; atraentes e observadores.


Um teto branco desconhecido estava acima de si, e Sasuke torceu o nariz ao se dar conta de que estava em um hospital. Horas depois, foi com o sol entrando pela janela que ele se mexeu lentamente, não querendo forçar os músculos ainda doloridos do corpo. Deu uma checada no ambiente. Esticando mais os olhos pelo quarto, foi capaz de ver o seu pai largado em uma poltrona no canto. Sir Uchiha estava um pouco mais envelhecido mas nada que não o deixasse atraente. Tem boa forma física e beleza de um astro de Hollywood. Os cabelos negros e lisos estavam compridos até os ombros.


Observou o semblante cansado do pai a dormir, perguntando se ele havia mesmo ficado a noite inteira ao seu lado. Suspirando, Sasuke tentou mover os dedos dos pés e sorriu em alivio com o feito. "Pelo menos não estou paraplégico", pensou ele. 


Havia ainda alguma dor em seu corpo, e o peso do gesso em seu braço esquerdo era realmente incomodo, mas ele podia lidar com aquilo. Agora que estava acordado e realmente desperto, conseguia se lembrar com clareza do acidente que só lhe parecia borrões. Como por exemplo, de seus melhores amigos ao seu lado dizendo para ficar acordado, oferecendo palavras de conforto.


— Como está se sentindo? Muita dor? — perguntou Fugaku com uma voz cansada mas estava aliviado que finalmente depois de dois anos, seu filho havia despertado do coma.


Sasuke encarou o homem ao seu lado, perscrutando a face dele curiosamente. Ele fez uma careta para preocupação que encontrou no rosto do pai e desviou o olhar para a janela.
 


— Estou bem. —  sua voz saiu rouca.


Derrotado, Fugaku suspirou passando as mãos pelo cabelo. Afinal, o que ele esperava? Que Sasuke fosse abraçá-lo, dizer que o perdoava e chorar em seu peito só por que esteve a ponto de morrer? É claro que não. Ele era Uchiha Sasuke. E como todo bom Uchiha, herdou muito bem de seus antepassados o orgulho e a indiferença.
 


— Onde está a mama e o brüder? — perguntou sem rodeios.
 


— Sua mãe deve estar vindo para cá. Dr Hatake vai lhe dar alta. — desviou o olhar do filho para a janela. — Itachi está em coma profundo. Dr tinha nos garantido que no seu caso o coma era intermediário. Isso explica o motivo de você estar respondendo bem aos tratamentos. Diferente do seu brüder que a cada dia que passa, seus batimentos cardíacos e suas funções cerebrais diminuem. Se ele conseguir resistir…Talvez ele consiga entrar em estado vegetativo persistente...


— E se... — fechou os olhos temendo o pior. — E se ele não conseguir?
 


— Ele morre. — completou Fugaku. Ainda que sua postura permanecessem firme, Sasuke pode detectar a mais pura tristeza na voz do patriarca.
 


A visão do rapaz naquele momento ficou ofuscada pelas lágrimas. '' Ele morre.'' As palavras de seu pai ecoavam em sua mente de forma tortuosa. O sentimento de culpa se apossou dele. ''Brüder, mir vergeben.¹'' Queria chorar mas não conseguia. Foi treinado para ser um homem de ferro. O máximo que conseguia esboçar era um olhar perdido.
 


Fugaku abraçou-o de forma protetora.
 


— A culpa não é sua. — sussurrou no ouvido do filho caçula. — A única pessoa que pode se sentir assim sou eu. E eu espero que algum dia você possa me perdoar por tudo que eu te fiz passar.


O rapaz abaixou a cabeça apoiando sua testa no ombro de seu pai. Fechou os olhos com força, mergulhando em suas memórias amaldiçoadas.


 

December, 2007.
 


As crianças brincavam animadamente pelo jardim da mansão Uchiha. O chão estava coberto pela neve fofa. Os muros eram de pedras mistas que rodeavam uma porta de mogno. O corredor com irregulares formatos que marcavam o passo de quem caminhava por este jardim interno. Havia flores de todos os tipos, cores, e estátuas naturalistas espalhadas pelo ambiente. No centro tinha um lago com carpas coberto espelho d'água que pareciam flutuar sobre o lago.


Uma linda garota de cabelos loiros ondulados e olhos lápis lazúli correu tentando alcançar o passarinho.


''O Blue...fugiu.'' – disse ela entre as lágrimas.


''Pare de chorar Ino.'' — resmungou um garoto loiro de olhos azuis celestes que sustentava um sorriso gentil.
 


''O Dobe tem razão. Eu vou traze-lo de volta!'' – prometeu Sasuke confiante.


''Teme eu te desafio! Quem pegar o Blue primeiro vai ganhar uma tigela de lamen.''


''Tsc... como se você fosse achar alguma coisa.''— Sasuke falou saíu correndo, deixando o amigo para trás.


'' Ei! Isso não vale!'' — gritou o garotinho loiro correndo velozmente tentando alcançar o jovem Uchiha.


E assim os três garotos correram, escalaram as árvores e o muro em busca do pequeno rouxinol.


''Sasuke!'' — uma voz grave e autoritária se fez presente, ecoando seu comando por toda parte do jardim.


Fugaku manteve seus olhos duros e ameaçadores na direção do filho. O garoto ficou estático, engoliu profundo e seco. Apesar de seus melhores esforços, ele não pode negar o medo que sentia de seu pai.
 


Naruto desceu rapidamente da árvore de cerejeira com o pássaro nas mãos e gritou de felicidade pois havia ganhado o desafio. Ino se aproximou do amigo pegando o rouxinol das mãos dele, e assim trancafiou a pequena ave em sua gaiola. Os dois amigos se entre olharam e perceberam que o clima entre pai e filho estava tenso, resolveram entrar na mansão.


Quando sir Uchiha se aproximou, Sasuke reprimira seu desejo de diminuir distância. Com a mão calorosa, Fugaku pousou firmemente na parte traseira do pescoço do garoto e apertou com força suficiente para faze-lo estremecer, mas não o suficiente para impedir o instinto de fuga. Inclinou e rosnou no ouvido do filho:


'' Vá para seu quarto estudar!''


''N-não quero. Tudo o que eu tenho feito é estudar. Além do mais estou de férias.'' — respondeu o garoto Uchiha em tom desafiador.


''Não quero ouvir desculpas esfarrapadas. Volte para seu quarto agora!'' — retrucou. O rosto de Fugaku passou cautelosamente de morno para sua habitual frieza.


''Todas as crianças brincam menos eu. E tudo o que eu faço é estudar.'' — sussurrou. Seus olhos implorava para seu pai silenciosamente.


''Porque você não é como as outras crianças.'' — respondeu Fugaku suavemente afrouxando um pouco o aperto na parte traseira do pescoço do caçula.


Sasuke fechou os olhos com força para evitar a ameaça das lágrimas escorrerem pelo rosto ''Eu não vou chorar!'', repetiu mentalmente para si mesmo.


''Não! Não! Não! Eu quero brincar!'' — gritou afastando a mão do pai sobre seu pescoço.


O Uchiha mais velho apertava novamente no mesmo local intensificando a dor. O garoto estremeceu com dor. Tentou lutar, mas Fugaku foi mais rápido. Com a outra mão, socou o rosto do filho.


Sasuke estava acostumado com as surras que seu pai lhe aplicava, pois era seu método de doutrina-lo como ele bem queria. O garoto não se importava quantas vezes fosse apanhar - a regra era clara: nunca baixar a guarda. Obstinado como era; aprendeu a nunca se curvar. Jamais admitir derrota.


''Quantas vezes tenho que repetir?!'' — rosnou com força suficiente para vibrar a cabeça do filho caçula.


O garoto tentou cambalear para longe, mas ele foi mantido firmemente sobre o controle de Fugaku.


''Ihr Saukerl! ²''— gritou. Por fim, cuspiu no rosto do mais velho.


''HUNDE, IHR ScheißKOPF! ³ VOCÊ ESTÁ MUITO ENCRENCADO!''— Fugaku passou a mão rapidamente no rosto limpando-o. Em seguida inclinou seu corpo, jogou seu cotovelo no estômago de Sasuke e colocou-o sobre seu ombro esquerdo. Ignorando os punhos que batiam em suas costas, o patriarca Uchiha entrou na mansão caminhando propositadamente para o banheiro e com força, jogou o garoto no chão. Ignorou completamente os acessos de raiva do caçula. O sir Uchiha continuava a girar o botão para liberar água fria na banheira.


O corpo do garoto sacudiu com a sensação fria da água que encharcou suas roupas, tocando sua pele. Incapaz de resistir e cheio de raiva, Sasuke conseguiu dar um soco no rosto de seu pai se esforçando para sair da banheira. Definitivamente, o garoto havia atiçado ainda mais a fera. Sentiu a mão em punhos de Fugaku em seus cabelos, a dor no couro cabeludo e no pescoço se intensificara quando ele torcera para trás.


''Você é o meu sucessor, será que entende o que isso significa?''— gritou o pai. – ''Não importa sua glória pessoal ou sua honra. Mas sim, o nome da sua família. E  estou aqui para torna-lo o homem que nasceu para ser. Agora fale para mim o que você tem que fazer?''


Medo e tremor se apossavam do garoto. Fugaku enfiou o rosto de Sasuke na banheira cheia d'água. A boca e nariz - encheram-se de água. Ele não pode distinguir as palavras claramente. Só ouvira gritos raivosos de Fugaku.
 

''FLUP! FLUP! FLUP!''


O moreno engasgou. Fugaku soltou-o quando ele foi puxar para cima com os braços lutando para obter e encontrar os ombros de seu pai. Daria qualquer coisa para nunca mais sentir esse medo de novo. Com instinto paterno, sir Uchiha abraçou o garoto. Sasuke lutava contra os braços que tentaram acolhe-lo.


''Tenho que me tornar o melhor. E ser melhor do que qualquer um.''— respondeu o garoto friamente tentando recompor sua compostura. Sasuke não pensava em nada além do pânico de ter sua face mergulhada na água outra vez. E sabia que, seu pai faria novamente, pois ele queria ter certeza de que ele havia entendido o recado. Sasuke havia entendido - da pior maneira. Mas entendeu.


''Se você falhar?'' — Fugaku franziu o cenho encarando-o com a mais pura frieza.Sasuke não pensava no pânico de seus gritos, e diria qualquer coisa só para sair dali.


''Vou ser a desonra da família e não serei mais seu filho.''— respondeu de modo sarcástico com sorriso arrogante em seus lábios.


Dito e feito. Fugaku enfiou o rosto do garoto na banheira e depois de três segundos o levantou.


''Ótimo Hund. Que isso sirva de lição para quando você for pensar na possibilidade de me desobedecer novamente.''— acariciou os cabelos negros do filho rebelde. – ''Calma meu filho. Calma. Respira.''


O moreno trabalhava duramente para fazer o que seu pai pedia. Ele segurava firme o ombro de Fugaku - puxando o máximo de oxigênio para seus pulmões, e assim, tendo sua primeira respiração calma.

''EU TE ODEIO!''


Saiu de seus pensamentos quando ouviu três batidas na porta. Não era ninguém menos do que sua mãe, Uchiha Mikoto. Ela não havia mudado quase nada, continuava mais bela do que nunca. Seus cabelos negros e lisos continuavam estendendo até sua cintura fina, o corpo pequeno e esguio, mas curvilíneo. Olhos castanho-claros continuavam com aquele mesmo brilho que transmitia amor e segurança. A única diferença que Sasuke havia notado que sua mãe havia feito uma franja de lado que emoldurava perfeitamente o rosto quadrado com feições muito delicadas.


Ela entrou chorando dando vários beijos no rosto do filho. Ele por sua vez, levantou o tronco para poder abraça-la.


— Ohne dich kann ich nicht leben!⁴ — disse a mãe entre as lágrimas enquanto acariciava os cabelos negros de Sasuke.


— Ich auch!⁵ — ele respondeu. Apertou a cintura de Mikoto com força, mas sem machuca-la. Só queria sentir o calor, o cheiro, e os braços de sua mãe em volta si.


Fugaku olhou sua esposa com um olhar cúmplice. Então, ele se juntou ao abraço. Sasuke estranhou um pouco mas não reclamou. Pela primeira vez, sentia todo carinho e amor de seus pais. Não sabia descrever o que estava sentindo. Mas era um sentimento bom.


Ouviram algumas batidas na porta interrompendo aquele momento entre pais e filho que olhavam em direção a porta. Mikoto deu a permissão para que entrasse.
Era uma enfermeira avisando que estava no horário de Sasuke fazer um último check up e uma tomografia computadorizada de corpo inteiro. E aí estaria livre para seguir sua vida. Fugaku apertou o ombro do filho então levantou-se parando em frente a porta. Mikoto depositou um beijo demorado na testa do rapaz e seguiu o marido saindo do quarto.
 

[…]


Divertida assim foi a manhã ensolarada de um sábado. Porém não para Haruno Sakura, ela sabia que aquele não seria um dia comum. Quando acordou, teve a impressão de que sua vida tomaria um rumo diferente de tudo que já viveu. Sua família havia se mudado para o interior da Inglaterra por conta de sua irmã mais velha que tinha conseguido uma vaga para estudar em Oxford.


York era uma cidade ao norte da Inglaterra pertencente ao condado de Yorkshire. Não é uma cidade muito grande. Preserva muito o passado ao mesmo tempo é plenamente adaptada aos tempos atuais, oferecendo uma mistura ideal de tradição e conveniências modernas.


A garota observava a vizinhança da janela.


Sakura era uma garota de dezessete anos. Seus cabelos são cor de rosa e lisos que chegavam em sua cintura. A pele translúcida ressalta seus belos olhos verdes. Queixo e testa larga, maçãs do rosto provenientes, nariz afinado, lábios cheios e rosto oval. É esguia mas não musculosa. Linda, porem nunca se viu dessa forma.


— Então garotos gostaram da cidade? — indagou a mulher de cabelos ruivos enquanto tirava da caixa os utensílios de cozinha.


Sua mãe Kushina Haruno possui os cabelos ruivos brilhantes que se estendiam em sua cintura. Usava uma falsa franja que era presa por uma presilha, dando a ela um ar mais jovial. Rosto em formato de coração e traços bem femininos. Pele clara e olhos verdes. Atraente de um jeito naturalista,sua aparência era apenas uma pequena parte do seu charme. Era uma mulher que sempre trabalhou para manter sua família.


— Parece bacana, mas nada se compara a Campbel Town. — respondeu a garota de cabelos cor de rosa.



Apressadamente desceu as escadas um garoto que aparentava ter seus dezessete anos. Seus cabelos eram ruivos e retos vivos como fogo. Corpo esguio com músculos bem definidos, olhos verdes que destacavam-se mais do que seus cabelos. Gaara era seu nome, ele era irmão gêmeo de Sakura.



— Não seja tão chorona! — rebateu o irmão. — Onde está a Tema Kushina?



— Com seu pai olhando a universidade. E pare de me chamar de Kushina! Para você é mamãe, entendeu? M-A-M-Ã-E!


— Não seja ridícula mulher. Eu já tenho dezessete anos, então pare de tratar feito um moleque, falou?


Sakura percebeu que sua mãe estava prestes a jogar o rolo de macarrão na direção do irmão. De imediato, ela o empurrou em direção a porta da sala. Era sempre assim, Kushina e Gaara viviam feito cão e gato mas nunca conseguiam ficar longe um do outro.


— Maninho o que você acha de dar um rolê com seu skate pela cidade hein? — a rosada sugeriu entregando ao irmão o boné inseparável do seu time de coração o Chelsea.


— Já é! — depositou um beijo na bochecha da irmã gêmea e saiu para explorar o bairro.


— Quer ajuda mamãe? — gritou da porta.


— Ah não querida, você me ajudou muito. Por que você não vai dar uma voltinha como o atrevido do seu irmão? — incentivou-a. — Não me olhe com essa carinha de cachorro abandonado minha filha. Está na hora de você ser mais ativa e parar de ter medo de mudanças sabia?


— Você fala isso por que já morou aqui! — respondeu enquanto fazia caretas de desgosto. — E mudanças geralmente são péssimas. Se tudo esta caminhando nos devidos lugares, então pra que dificultar?


— Ah minha bela garotinha...Eu já tive a sua idade e sei das inseguranças que todo adolescente passa. Mudanças são necessárias e elas sempre vem acompanhadas de coisas maravilhosas. — riu. — Escute sua mãe dê uma brecha. Sua vida vai se tornar mais divertida sem essa mesmice.


— Você é inacreditável! — respondeu ela divertida. Kushina beijou o topo da cabeça da filha enquanto Sakura sorria. A relação das duas era aberta e não havia segredos entre elas.


Devido a insistência por parte de sua mãe, Sakura resolveu sair de casa. Ela andava pelos arredores admirada com a cidadezinha. É tudo tão rústico mas ao mesmo tempo sofisticada.O ar tranquilo e interiorano de York não mudava muito de sua cidade natal na Escócia.


A garota avistou a pracinha onde crianças brincavam de esconde-esconde. Idosos reunidos faziam pique-nique, e casais apaixonados faziam juras de amor. Voltou sua atenção para o horizonte reluzente e ficou maravilhada. A visão de uma alvorada de verdade era impressionante. Uma faixa de tons de laranja e amarelo incendiava o céu, magnífica e surpreendente, espetacular como fogos de artifício; só que mudando num ritmo imponente quase imperceptível. Estava percebendo como eram as coisas na natureza. Perigosas ou lindas. Ou ambas as coisas.


''Um ambiente tranquilo e agradável,'' pensou consigo mesma  enquanto pisava no gramado verde. Sentou-se no banco fechando os olhos, sentindo o calor do sol e a brisa fresca batendo em seu rosto.


''Talvez mamãe tenha razão...Talvez.''
 

[…]



— Lord Sasuke seja bem-vindo! — disse a governanta pegando a mala da mão do rapaz.


— É bom estar de volta Charlie. — o moreno abraçou-a.


Charlotte era uma senhora de meia idade. Seus cabelos eram grisalhos e usava óculos fundo de garrafa. Olhos azuis, pele clara e maçãs do rosto salientes que sempre estavam levemente coradas. Trabalhava para os Uchihas desde seus vinte anos.


— Eu preparei Käsespätzle e Kartoffelpuffer. E...é claro, sua sobremesa favorita... Rote Grütze.


— Huuuum! Você sempre me paparicando né? — disse sorrindo levemente pois aqueles eram seus pratos favoritos.


— Você merece meu filho. — Mikoto disse enquanto descia as escadas.
 


— É melhor você ir tomar um banho. — falou Fugaku enquanto fechava a porta da mansão.


— Tem razão. Não aguento mais esse cheiro de hospital. — Sasuke fez uma careta de desgosto concordando com o pai.


Então resolveu subir as escadas. 


Quando chegou no terceiro andar parou em frente a uma porta branca com uma placa enorme escrita'' não perturbe''. Era o quarto de Itachi.  Suspirando fundo, ele entrou em seu quarto que ficava ao lado.


O piso era escuro. No canto havia uma cama de casal king size, também uma extensa cômoda na parede que fazia frente a cama, nela havia uma coleção de CDs de bandas de rock, garrafas de bebidas fechadas guardadas num compartimento de porta de vidro, além dos mais modernos aparelhos eletrônicos, vídeo game, DVD e aparelho de som. Mas o impressionante mesmo estava guardado, em cima dessa extensa cômoda de madeira escura e cara. Na parede, havia um compartimento com grandes portas pintadas da mesma cor branca do quarto e que quando abertas revelavam um imenso televisor home theater. — coleção de bonecos do universo de Star Wars ficavam de maneira paralela em cima da cômoda. Ou, melhor ainda, o plano de fundo que alternava no moderno notebook da Apple em cima de uma mesa com cadeira giratória próxima a cama que mostrava a cada novo um segundo uma nova foto, variando desde fotos de Sasuke ainda criança com sua família ou com seus melhores amigos. Encostado no closet estava o violão preto que havia ganhado do irmão mais velho.


Sua mãe havia mudado seu quarto completamente. Dando um ar mais adolescente. Ele sorriu de lado, havia gostado da mudança.


Jogou-se na cama e se pôs a lembrar do momento que tinha passado com seu irmão mais velho.


" Brüder!" – um Sasuke de seis anos desceu as escadas tão depressa. Era evidente, o garotinho esteve com as sobrancelhas arqueadas - um brilho no olhar, lábios entortados e um semblante de poucos amigos. Sua voz soou completamente irritada.



" Sasuke o que faz acordado tão cedo? " – O caçula olhou o irmão mais velho com raiva mas com pequeno vestígio de felicidade por Itachi estar voltando para casa. Como de costume, o Uchiha mais velho passou as mãos nos cabelos negros de Sasuke desarrumando-o.



" Você é um péssimo brüder sabia disso? Você prometeu me levaria pra praia..." – o garotinho cruzou os braços e bateu o pé direito no chão.



" Desculpa Töricht kleinen brüder. " – respondeu Itachi sincero e com um olhar visivelmente cansado.



" Hm. Você sempre diz isso." – resmungou o garotinho mostrando a língua para o irmão mais velho.



" Sabe que quase nunca tenho folga…Graças ao nosso pai. " – argumentou o mais velho tentando convence-lo de que não havia feito por mal. Ele suspirou algumas vezes antes de dar seu "famoso" peteleco na testa de seu irmão caçula.



" Será que nosso pai vai ter orgulho de mim? " – perguntou Sasuke sentando no sofá.
 


" É claro que sim. Desde que você seja você mesmo. " – Itachi sorriu abertamente pegando sua xícara de café e assoprando o conteúdo.


Voltando a realidade, Sasuke se levantou e foi direção ao chuveiro. Apertou o botão onde saia água quente. Uma emoção poderosa varreu por ele. Finalmente deixou-se chorar. Estava feliz que o vapor do chuveiro e o som da água batendo contra as paredes escondessem tudo. A água descia pelo seu corpo e se misturava as lágrimas que caíam pelo seu rosto. Ele não sabia como seria sua vida a partir daquele momento e o que faria para não se sentir culpado pelo acidente.

[…]


— Acorda Cherry… Ou vai se atrasar para seu primeiro dia de aula. — disse uma voz num tom gentil. — Vou deixar seu uniforme encima do criado mudo.


O uniforme feminino era composto por uma saia de prega cor vinho, blusa de linho branco com uma pequena gravata borboleta verde.


Temari era a irmã mais velha e a jovem universitária de Oxford. Ela possui os cabelos louro-acinzentado lisos e curvas perfeitas,fazendo o gênero gostosa.Olhos verde oliva, rosto quadrado, nariz levemente arrebitado e como sempre, carregava a expressão de seriedade.

 


A rosada deu um salto caindo da cama o que ocasionou uma crise de riso em Gaara.



— Ridícula! HA!HA!HA! — provocou o irmão gêmeo.

 


— Sua calça está do avesso e suas meias estão de pares diferentes. — a primogênita disse com sorriso zombeteiro e bagunçou o cabelo do irmão caçula. Como se quisesse dizer '' antes de rir dos outros olhe para seu próprio umbigo.''


 Já o uniforme masculino era composto por calça preta social, blusa de linho branco e o terno, com o emblema da escola.


Os gêmeos se apressaram. Fizeram a higiene matinal, tomaram café da manhã bem reforçado, e por fim, checaram os materiais e o uniforme.
 


— Prontos? Não posso chegar tarde no meu primeiro dia na facu! — a loira gritou já fora de casa.



— Crianças estão esquecendo suas marmitas! — Kushina correu entregando-as ao filho ruivo. — Qualquer problema é só meter porrada meu filho!


— Kushina! — repreendeu o marido escorando-se na porta aberta de madeira.


Orochimaru Haruno é um homem magro de pele pálida. Seu nariz adunco e dentes desiguais e amarelos. Cabelos oleosos que chegam nos ombros emoldurando seu rosto fino. Olhos negros como a noite muito penetrantes. Não é um particularmente alto mas tem uma presença forte e autoritária. Era um homem muito trabalhador, fazia sempre das tripas e coração,bmas nunca deixava faltar nada para sua família. Quando os filhos precisavam de algo, o sir Haruno avaliava rigorosamente, colocando em prós e contras tal necessidade.


— Eu não criei esse garoto para ser um bunda mole! Além do mais, ele tem uma irmã para cuidar. Não deixe nenhum vagabundo se engraçar com Sakura, ouviu?


— Tá! tá! Estamos atrasados, mãe. Tchau! — disse acenando.



— Esperem! Cadê o meu beijo de despedida? — o trio deixou os pertences no New Beetle azul celeste de Temari e correram para beijar e abraçar a ruiva.

 


— Amamos você! — disse a loira entre o abraço coletivo.
 


Os irmãos voltaram para o carro. Temari deu a partida mas antes de sair, acenou para os pais.

 


— Tenham um bom dia meus amores! — gritou Kushina chorosa enquanto observava o New beetle sumir de vista.
 


— Por que está chorando? — indagou o marido franzindo o cenho, perscrutando a face chorosa da esposa.

 


— Porque eles estão crescendo. Não vou suportar a ideia deles me trocarem...Só de pensar que eu terei uma nora...

 


— Kushina os gêmeos só tem dezessete anos. E Temari já é dona do próprio nariz. Assim como você fez sua vida, eles também tem o direito de fazer seus próprios caminhos. E não se esqueça, você tem a mim! — disse Orochimaru. A ruiva apoiou a cabeça no ombro do marido observando a nova vizinhança.


Algum tempo depois - Temari parou o carro em frente a porta do colégio, virou sua cabeça para trás encarando os gêmeos. Deu várias recomendações e alertas. A rosada ao descer do carro conferiu novamente seus materiais assim como de Gaara por precaução.


— Boa sorte meninos! — gritou a irmã dentro do New Beetle com o vidro da janela abaixado. Os gêmeos acenaram para ela. Assim que Temari saiu, os garotos pararam em frente as escadas da escola cada um mergulhado em seus próprios pensamentos. Gaara percebendo que a rosada estava nervosa pegou a mão dela e segurou firmemente.


— Vamos! — ele encorajou-a com um sorrisinho entre os lábios avermelhados.


— Sim! — respondeu tentando manter a confiança.


Konoha School mais antigo colégio, requisitado e rico de York. É bem conhecido por sua ênfase no desenvolvimento de toda mente, corpo e espírito. Oferecendo educação desde o ensino fundamental – a Escola Júnior (3-12 anos) até o ensino médio – Escola Sénior (com 13-17 anos). Definida em oitenta e cinco hectares de terreno arborizado. A única escola que aceita bolsistas. Estudar lá era garantir passagem para Oxford, Cambridge, College London e Edimburgo.


Sakura e Gaara tentavam não se abalar com aquela recepção ''calorosa'' por parte dos alunos. Todos no corredor dirigiam a eles um olhar hostil e caretas de nojo, indicando que eles eram pessoa non grata naquele lugar.

 


O ruivo segurava firme a mão de Sakura querendo passar para ela toda a segurança possível. Ele lembrou-se do antigo colégio onde as garotas faziam piadinhas a respeito da cor do cabelo dela. Em todas às vezes, Gaara esteve presente comprando briga com quem quer que fosse, defendendo a Haruno com unhas e dentes! E sua atitude não seria diferente em Konoha.


Assim que guardaram seus pertences no armário, pegando somente os materiais necessários, Sakura disse:


— Vamos dar uma volta até o sinal tocar?


— Eu não sei por que você está agindo feito uma boba alegre?! É só um colégio como qualquer outro. Tem banheiros, cantina, biblioteca, pátio, jardim, quadra de esporte e salas de aula.


— Ai Gaara como você é sem graça! Não esta vendo? Estamos estudando na Konoha School. Vamos lá maninho... Desperte sua curiosidade por mim. — alargou o sorriso com uma expressão pidona.


— Tá legal. Vamos logo, antes que eu mude de ideia! — fingiu estar irritado, mas na verdade, adorava a companhia da irmã.


— Olha isso Gaara! — apontou em direção aos alunos que passavam no corredor. — Quantas marcas famosas... Afinal, estamos mesmo dentro de uma escola ou nossa mãe se confundiu e viemos parar num terrível desfile de moda?


— Isso não é nada comparado com as Ferrari, Porsches e Mercedes... — rebateu num tom desejoso. Querendo algum dia possuir algum daqueles carros.


Sakura parou de falar quando ouviu um Skyline azul entrar no estacionamento como se estivesse fazendo algumas manobras à la Velozes e Furiosos. Assim que o garoto loiro com a pele bronzeada - parecia macia e lisa, de olhos azuis celestes saiu do carro, ela pode constatar do por que todas as garotas estarem suspirando apaixonadamente. Ele era musculoso como um levantador de peso profissional. Absolutamente sensual. E tem o rosto muito bonito como um modelo de loção pós barba. Mas o que chamou e prendeu sua atenção foi o garoto que estava com as mãos metidas nos bolsos da calça jeans encostado em sua Harley Davidson. Ele era muito alto, olhos negros como a noite, de pele translúcida, esguio e forte, cabelos escuros arrepiados dando um ar de rebeldia.



— Sasuke voltou! — gritou escandalosamente uma garota ruiva que estava ao lado esquerdo da Haruno.


— Ouvi dizer que ele estava fazendo um intercâmbio na China. — respondeu uma garota loira quase pálida ao lado da garota ruiva escandalosa.
 


Sakura não pode deixar de ouvir a conversa daquelas duas garotas, tão pouco deixar de admirar o tal moreno chamado Sasuke. Suspirou, passando a ponta dos dedos em seus lábios imaginando como seria beijar os lábios daquele garoto moreno que parecia ser uma escultura perfeita de Michelangelo.



Por fim, uma garota se juntou aos dois garotos. Ela era alta e maravilhosa. Tinha uma silhueta linda, do tipo que se vê na capa da Vogue, e daquelas que fazem as outras garotas se sentirem mal consigo mesma só por estar na mesma sala. Seus cabelos loiros ondulados gentilmente balançavam até o meio das costas. Seus olhos azuis como lápis lazúli eram muito sedutores. A pele era clara como alabastro, suave e sem falhas.


Sakura não pode evitar e soltou um suspiro cansado sentindo inveja da garota Barbie como havia apelidado em sua cabeça só por estar do lado de Sasuke. Para seu desgosto, ele tinha exibido um sorriso de lado para ela. ''Desista Sakura. Garotos como ele servem para alimentar suspiros e sonhos de uma paixão platônica,'' ela tentou se convencer.
 


Quando o trio entraram no corredor, todos davam passagem saldando-os como se eles fossem parte da monarquia britânica. Eles não encaravam os Haruno como a maior parte dos outros alunos, então era seguro observa-los sem ter medo de encontrar um par de olhos excessivamente interessado.


— Ei maninho… Aquele garoto moreno da moto que acabou de passar com os dois amigos loiros é o Sasuke? — perguntou quase num sussurro para o irmão gêmeo que estava com os olhos fincados na Barbie assim como o resto dos garotos.
 


— Ah...É sim. — respondeu saindo do transe. — Ouvi dizer por conta da posição da sua família, o colégio recebe doações dos pais dele. Por isso que os professores o temem e concordaram em deixa-lo fazer tudo o que ele quiser. Sabe como são esses riquinhos. — o ruivo não gostou nada da expressão abobada no rosto da irmã.  Principalmente o olhar dela. 
 


Nunca a vira olhar alguém daquela maneira. ''Talvez ela esteja impressionada porque ele é um playboyzinho, '' ele pensou. Não pode deixar de rir do pensamento pois ele estava fazendo o mesmo, só que em relação a bela loira.



— E os outros dois? — Sakura desviou o olhar do trio para o irmão que digitava algo em seu celular.


— Os loiros são Uzumaki Naruto e Yamanaka Ino. Bom, Naruto é o capitão do time de futebol e nem preciso comentar que ele é o pegador do colégio. E Ino é a gosto... desculpa. — ele rolou os olhos e prosseguiu. — Em fim, é a garota mais bonita. Ah! Ela é conhecida por ser a rainha do colégio por causa daqueles bailes idiotas. E parece que ganhou quatro vezes seguidas o título.


'' Eles são... lindos.''

 
Sakura mordeu o lábio para esconder um sorriso, e então olhou para Sasuke novamente. Seu rosto estava virado para o outro lado, parecia pelos músculos do rosto que ele sorria também.


''Minha nossa Sakura… Foco. Você veio aqui para estudar e não para babar por um garoto problema.''
 


— Como você sabe tudo isso? É nosso primeiro dia e...



Gaara interrompeu a irmã e respondeu bocejando:


— Sabia que tem uma biografia deles no wikipédia?


— Ah! claro...  — murmurou a rosada como resposta virando-se na direção do ruivo e encarou diretamente. — Gaara por favor aconteça o que acontecer, siga as regras da escola à risca. Se mantermos o máximo de descrição ninguém vai nos notar.


— Você fala como se eu arrumasse encrencas. — resmungou o ruivo ajeitando a alça da mochila em seu ombro direito.



Sakura sorriu e perguntou:

— Precisamos saber informações. Onde será a sala do diretor Uzumaki? — Gaara apontou para a porta branca onde havia uma pequena placa que dizia ''secretaria''.



A rosada respirou fundo e bateu na porta de vidro. Ouviu uma voz autorizando a entrada. Lá dentro estava iluminada e bem mais quente do que imaginavam. A secretaria era do tamanho razoável, com cadeiras dobráveis, carpete preto, fotos de todos eventos da escola grudadas em um mural e troféus enfileirados em um enorme armário marrom e um grande e ruidoso relógio no centro da parede. A sala era dividida ao meio por um grande balcão, cheia de cestas de arame repletas de papéis e anúncios coloridos colados na parte da frente. Havia três mesas atrás do balcão, uma delas ocupada por uma mulher ruiva e grande e a outra por um homem de óculos, cabelos loiros e olhos azuis celestes. Sakura lembrou-se imediatamente de Naruto. A familiaridade entre eles eram muito grande. A mulher ruiva levantou-se e olhou para eles. Ela vestia um blazer e uma calça preta justa em sua cintura.
 


— Posso ajuda-los?
 


— Somos Sakura e Gaara Haruno. — informou a rosada. Gaara viu nos olhos castanhos da ruiva demonstrarem reconhecimento imediato.



A mulher percorreu ao armário ao lado da mesa do diretor onde estava todos os documentos dos alunos arquivados. Ele olhou os dois garotos por cima dos óculos.


— O horário de vocês estão aqui e também um mapa da escola. — ela trouxe várias folhas até o balcão para mostrar à eles. Ditou todas as aulas, mostrando para os garotos no mapa a melhor maneira de chegar até elas, e deu um papel para que todos os professores assinassem, e trouxessem de volta no fim do dia.
Ela sorriu para os garotos e desejou como Kushina que gostassem de York. Sorriram de volta da maneira mais convincente possível.
 


— Somos da sala três. — disse o ruivo fechando a porta e pegando os papéis das mãos da irmã. — Mas que sorte nós temos.
 


— Sorte ? — repetiu Sakura.
 


— Estamos na mesma turma Três é demais. — ironizou. Sakura não disse nada apenas camuflou um sorriso que insistia aparecer em seu rosto.
 


Os garotos subiram as escadas.


A turma do terceiro ano do colegial ficava no quinto andar do prédio. A Haruno sentia sua respiração acelerar cada vez mais que se aproximava da porta. O sinal tocou e todos os alunos foram para suas respectivas salas de aula.


A sala de aula era grande. A turma estava espalhada. Cada um com sua panelinha. Algumas garotas sentavam-se em cima da mesa do professor, outras desenhavam no quadro negro. Os garotos ficavam no fundo da sala fumando, alguns jogavam bolas de papeis uns nos outros e conversavam alguma futilidade.
Assim que os Harunos colocaram os pés na sala, novamente, a atenção de todos voltaram-se para eles. Gaara caminhou normalmente como se ninguém estivesse lhe observando. Avistou duas mesas, pegou na mão da irmã e foram para fundo.


Três mesas ao lado esquerdo no fundo da sala estava quem Sakura desejava ver: Uchiha Sasuke.


Ele encarava a janela observando o céu límpido. A rosada olhou mais uma vez para Sasuke. Ele tirou os óculos ray ban e os guardou dentro da jaqueta e então se virou para olhar na direção dela. Seus olhares se encontraram, e Sakura prendeu a respiração. Ela percebeu que ainda estavam se encarando quando o Uchiha sorriu. Uma onda de calor se espalhou pelo seu corpo, ela precisou se segurar na cadeira para não cambalear. A Haruno sentiu seus lábios se curvando para sorrir de volta para ele, mas então Sasuke ergueu uma das mãos, levantou o dedo médio para ela. Ele viu os olhos verdes dela se arregalarem e depois rapidamente se estreitaram como o que parecia estar surpresa. Então ela percebeu que aquele ''comprimento'' não era dirigido para ela, tão pouco o sorriso. Surgiu um garoto de cabelos loiros quase brancos acompanhado de Naruto, que foi ao encontro de Sasuke. Ao lado direito do moreno estava Ino.


''Droga! Essa garota não desgruda dele nem por um segundo?' ''


A loira Barbie encontrou o olhar da rosada sobre o amigo e sorriu acenando para ela. Sakura corou e sorriu timidamente desviando seu olhar.


Gaara ajeitou rapidamente seus materiais debruçou-se sobre a mesa com os braços servindo de apoio para sua cabeça, pois estava com muito sono e sem saco para encarar aqueles olhares. A rosada ia protestar, mas achou que era melhor deixa-lo dormir. Afinal não era só ela que estava se sentindo incomodada com todos aqueles olhares curiosos e desagradáveis.


— Com licença, posso me sentar aqui? — perguntou uma garota de cabelos castanho claro lisos como uma cascata, com a pele de porcelana. Sua voz era tímida.


— É claro.


— Muito prazer, Miranda Williams. — ela estendeu a mão em direção a rosada que piscou por alguns segundos. — Fico aliviada por não ser a única bolsista.


— Haruno Sakura. — apertou a mão da garota. — Este preguiçoso atrás de mim é meu irmão. Gaara.


— Gêmeos? — perguntou Miranda com um sorriso.
 


— Bivitelinos. — respondeu a Haruno animada por estar falando com alguém que não a olhasse com desprezo.
 


Foram interrompidas com a entrada do professor que disse :


— Bom dia turma!


— Bom dia professor! — repetiram os alunos em uníssono.


— Para quem não me conhece sou Iruka Umino, professor de Biologia. —  apresentou-se entusiasmado. — Novatos, quero que venham aqui e se apresentem para seus colegas.


Iruka é um homem de estatura média. Cabelo castanho amarrado em um rabo de cavalo baixo. Olhos escuros e uma cicatriz que atravessa a ponte de seu nariz. Carrega consigo um sorriso gentil. É um professor muito querido e respeitados por todos os alunos.


— Acorda Gaara! — a rosada deu alguns empurrões no braço do ruivo.
 


— Ah... Só mais cinco minutos. — suplicou o garoto mau humorado.


— Acorda!!! — Sakura gritou bem alto na orelha direita do irmão. O ruivo por sua vez, deu um pulo ficando rapidamente de pé deixando sua cadeira cair no chão.Todos voltaram sua atenção para rosada que corou instantaneamente. Miranda soltou uma risadinha baixa.


— Anda logo Gaara todos estão esperando! — ordenou a rosada furiosa com a sobrancelha arqueada.


— Já ouvi cavalona! — resmungou em resposta afastando a mão da irmã bruscamente.


— Gentalha e barraqueira. — disse uma garota de cabelos ruivos com uma voz melosa que ajeitava o óculos no rosto observando os irmãos Haruno com afinco.


Uzumaki Karin era a prima de Naruto e rival de Ino. Assim como o trio, ela também costuma ser o centro das atenções. Ainda mais por que seu pai é o diretor do colégio. Seus cabelos eram ruivos escuros e repicados chegavam na altura de seus ombros. De altura mediana, suas medidas eram perfeitas como de um manequim. Olhos âmbar e usa seu inseparável óculos de grau da Channel.


Ao seu lado estavam suas fiéis escudeiras: Matsuri e Shion. Ambas concordaram com comentário feito pela Uzumaki.


— Darling porquê seu pai deixa o nível do colégio decair tanto aceitado esse tipo de gente? — perguntou Shion com risadinha cínica.


Karin franziu o cenho não acreditando que amiga estava lhe fazendo uma pergunta tão estúpida.


Miko Shion era filha de um agente da Marinha e uma requisitada designer de moda. Cabelos louro platinado que chegavam na cintura, pele bronzeada beijadas pelo sol e olhos que lembravam a pedra ágata roxa. Conhecida por ser a fofoqueira da escola.


— Você acha que eu não sei? — respondeu entre dentes. — Até parece que não conhece o discurso do meu pai?! Temos que dar oportunidade para os necessitados e blá...blá...blá... — a ruiva gesticulava com as mãos, enquanto engrossava a voz imitando o diretor Uzumaki sem tirar os olhos dos Haruno.


— Até que ele é bonitinho. — Matsuri comentou se referindo a Gaara, e acabou interrompendo as amigas que conversavam qualquer coisa.


Sabaku Matsuri enrolava de forma distraída a ponta dos seus cabelos castanhos que eram cacheados por natureza.Os olhos grandes cor de mel, nariz pequeno e a pele clara. Era baixinha, e sua aparência lembrava muito a uma ninfa.

 


— Eca! — disse a Uzumaki torcendo o nariz.


— Desde quando você curte garotos POBRES? — desdenhou Shion que passou a observar o ruivo da cabeça aos pés.


— Só foi um comentário gente… Não me crucifiquem! — retrucou a Sabaku.


Naruto estava com os pés na mesa; a cadeira encostada na parede e as mãos atrás da cabeça observava os novos alunos com um sorriso. Ao seu lado estavam Sasuke e Ino. O moreno mau prestava a atenção na apresentação dos novatos. Como se aquilo fosse entediante demais. Diferente dele, a Yamanaka estava atenta. Ela gostava muito de se enturmar com as pessoas, sejam elas bolsistas ou não.


— Ela me parece divertida. Não acha Sasuke? — questionou a melhor amiga se referindo à Haruno.


— Hm. — murmurou apenas para fugir daquele assunto. Até que seu olhos escuros se dirigiram aos verdes de Sakura.


Ele desviou o olhar para a janela rapidamente numa fração de segundos. A rosada sentiu suas bochechas esquentarem, e assim, abaixou um pouco o olhar. Naquele pequeno instante, seu rosto não aparentou interesse. Era como se tivesse chamado o nome dele, e ele olhou numa resposta involuntária, já tendo decidido que não ia responder.


Assim que Iruka mandou os novatos sentarem-se em seus devidos lugares, ele iniciou a explicação do tema da aula.


Darwinismo.


Era um dos temas que a rosada mais gostava. Ela fazia várias anotações em seu fichário. Seus olhos brilhavam a cada palavra dita pelo professor. Estava tão concentrada que mal ligava para os comentários maldosos por parte das garotas ao redor. Tinha posto em sua cabeça que estava ali para estudar e conseguir realizar seu sonho - cursar medicina em Oxford e ser pediatra em St Mary.Diferente dela, Miranda se sentia incomodada com os olhares e comentários.


O sinal tocou encerrando a aula.


— Finalmente a melhor aula de todas! — falou Gaara entusiasmado.


— Nossa! Seu irmão mudou de humor completamente. — comentou Miranda olhando para o ruivo que esperava por elas de fora da sala.


— A razão disso se chama Educação física. — bufou. — Apesar de ser  um belo preguiçoso, Gaara é um bom aluno. Nunca estuda para as provas e sempre tira notas excelentes.


— Ei vocês! A turma já foi caso não tenham percebido. — Gaara cortou a conversa delas com sorriso de deboche.


Sakura arrastou Miranda consigo e seguiram o ruivo que estava com mapa.


— Eu vou memorizar os lugares assim que eu chegar em casa. — o garoto resmungava consigo mesmo. — Até parece que vou ficar com isso enfiando de baixo do nariz. — Os três garotos correram o mais rápido possível para alcançar a turma, pois estavam para trás.


— Chegamos! — disse Miranda engolindo golfadas de ar apontando na direção da fila de alunos. 


Finalmente entraram na fila.


O campo era gigantesco, com dois gols em cada canto. Cercado com cerca elétrica e uma enorme arquibancada que era utilizada nos dias de jogos. Todos seguiam o professor que encaminhava os alunos para a quadra. Sakura suspirou cansada ao ver as bolas de basquete espalhadas pela quadra. Todos sentaram-se no chão. Conforme Sarutobi chamava seus nomes, os alunos se levantavam.


 Sarutobi Asuma é um excelente professor e todos amavam suas aulas. Ele possui os olhos castanhos, nariz adunco, cabelos escuros e curtos. Altura mediana e uma barba a fazer. Tinha um hábito de fumar dois maços de cigarro antes e depois das aulas.


Assim que trocaram o uniforme para as roupas de ginástica, Asuma esperava-os no centro da quadra com um apito na boca. Fizeram um pequeno aquecimento e por fim ele olhou para os garotos e disse:


— Rock e Hozuki escolham o time.


Os dois garotos se levantaram.


Um era moreno de cabelos bem lisinhos em um corte tigela. Seu corpo era musculoso e usava uma faixa na testa. Parecia o lutador Bruce Lee. Já o outro garoto era muito alto, parecia filho de gigantes. Tinha os cabelos louros platinados, quase brancos com um tom azulado nas pontas. Seus olhos se destacavam pois eram roxos tão vivos como ametista.


Sakura notou que aquele garoto era o mesmo que estava sentado com Sasuke e Naruto antes de começar a aula de Iruka.

 


— Diferente, mas gatinho. — comentou Miranda observando o garoto de cabelos platinados, chamando atenção da Haruno.


— E esnobe como todos os outros. — retrucou o Haruno entrando na conversa de supetão.


— Gaara! — Sakura repreendeu o irmão rolando os olhos.


Os três pararam de cochichar quando o garoto loiro havia chamado o nome do Haruno. Sakura bufou irritada. Estava separada de seu irmão. Não gostava de esportes e tão pouco de ter que interagir com os outros alunos que ainda insistiam em encara-la. Seu único consolo era Miranda estar em seu time.


Quando iniciou a partida, os garotos jogavam como se aquela partida decidisse o futuro de suas vidas. Miranda e Sakura e as outras garotas de seu time agradeciam aos seus colegas que aprenderam a não passar a bola para elas, a não ser que fosse necessário.


— Tubarão aqui! — gritou o Uzumaki para Suigetsu.


— E aí Dobe? Preparado para perder? — provocou Sasuke cobrindo o amigo.


— E você Teme está? — rebateu Naruto com um sorriso debochado.


Suigetsu olhou rapidamente procurando alguém para passar a bola. Kiba, o moreno com os dentes caninos bem afiados que lembrava a um cachorro estava sendo marcado por Lee. Naruto estava marcado pelo Uchiha e os outros garotos não eram bons. Até que viu Gaara livre, resolveu arriscar e passar a bola para ele.


O ruivo aproveitou a oportunidade para fazer o que ele sabia fazer de melhor. Era muito veloz e habilidoso.Sua mira era incrível e acabou fazendo 3 pontos por estar atrás da linha.


Sakura bateu palmas e todos do seu time fuzilaram com o olhar.

A sua esquerda, um garoto ruivo entrou na sua frente para pegar a bola e passar para algum dos garotos que estavam perto da cesta. Ele era de estatura mediana, magro, cabelos ruivos acobreado e repicado. Olhos verdes. Seus lábios eram cheios. Diferente das outras pessoas, quando esse garoto se virou para olhá-la, encarou fixamente seus olhos e não se moveu. Ele a contemplou, parado como uma escultura, fazendo Sakura congelar também. Ela prendeu a respiração. Aqueles olhos eram intensos, sedutores, mas ainda assim, não eram intenso e misterioso como de Sasuke.


Com um pigarros, Miranda interrompeu a troca de olhares. O garoto correu para frente e Sakura corou fingiu estar muito ocupada coçando a cabeça.


— Hm…Então você gosta de garotos como Akasuna? — perguntou a colega com um sorriso malicioso.


— Ele é bonito sim mas não faz o meu tipo. — respondeu ela sem parar de observar Sasuke.


— Não me diga que você também é caidinha pelo Uchiha? — perguntou a morena frustrada seguindo a direção do olhar da rosada.


— Qual é o problema em gostar de garotos como ele? Sasuke é lindo e misterioso. Os olhos dele... tem um ''tchan'' que não sei explicar. Eles expressão tantas coisas e ao mesmo tempo parecem vazios. — Sakura soltou um risinho nervoso. — E você, qual é o seu tipo?


— O Uzumaki é muito gostoso. — confessou passando a língua pelo lábio superior. — Não ligaria de perder a virgindade com ele ou com seu irmão.


— Aí que hor...


Sakura mal conseguiu terminar de falar pois acertaram a bola com muita força em sua cabeça. Ela caiu no chão com o impacto. Miranda segurava uma das mãos da Haruno que insistia em dizer que estava bem só para não virar o centro das atenções. Gaara correu em direção a irmã juntamente com Asuma que se ofereceu para leva-la para enfermaria.


— Vamos! — disse o ruivo estendendo a mão para irmã.


— Eu vou com ela... Não estou fazendo nada mesmo. — prontificou-se Miranda.


— Ela é minha irmã e tenho a obrigação de cuidar dela.


— Tem razão. Mas ela também tem uma amiga que pode ajuda-la sempre que precisar.  — respondeu com um sorriso convincente. Gaara não pode argumentar contra o que Miranda tinha dito e sorriu satisfeito. Estava feliz pela irmã ter feito uma amiga. Assim, ela não precisaria ficar tão dependente dele.


— Você vai então Williams? — Asuma dirigiu um olhar de suplica a garota.


— Sim. 


— Não se preocupe maninho estou bem. — Sakura acariciou a bochecha dele. — Te vejo no almoço.


Gaara observou a irmã sair da quadra com braço direito apoiado nos ombros de Miranda.


— Continuem. — gritou o professor.


— Aqui Fósforo. — berrou o Uzumaki tirando Gaara de seus pensamentos.


''Do que aquele moleque me chamou?'' ''


 O garoto não teve tempo para processar o pensamento quando Sasuke veio em sua direção tentando impedi-lo. O moreno era esperto e tinha sacado as táticas do ruivo. Mas Gaara não entregaria o jogo facilmente para aquele Uchiha. Conseguiu com uma tacada de mestre despistar o moreno e passou a bola para o Uzumaki que marcou a cesta e assim encerraram o jogo. Sasuke encarou o Haruno por breves segundos e então saiu em direção ao vestiário.


— Você é rápido. Devia entrar para o nosso time não acha Naruto? —  sugeriu Hozuki.


— Precisamos de um artilheiro. Não quer tentar Fósforo?


— Ah eu não sei… — falou Gaara com dúvida.


— É só um teste. Se você passar vai nos ajudar a ganhar o campeonato que está sendo patrocinado pela universidade de Cambridge. Sabe o que isso significa? — perguntou Naruto de forma convencida. — Significa que vamos terminar o ano com a garantia de estudar em uma das melhores universidades. E aí, o que me diz?


— Fechou.


— É assim que se fala brother. — o garoto loiro colocou a mão no ombro de Gaara em apoio. Sorriu deixando seus dentes brancos e alinhados a mostra. — A propósito, sou Naruto. E esse aqui é o Suigetsu, conhecido carinhosamente como Tubarão.


— Foi você que colocou esse apelido nele? — perguntou o Haruno curioso.

 


— Foi. — respondeu Hozuki num tom reclamão.


— Porquê?


Suigetsu sorriu para o ruivo então ele entendeu. Os dentes branquinhos do loiro eram afiados e cerrados como do peixe cartilaginoso.

 


— Então fica combinado amanhã depois da aula. Apareça no campo. — disse Naruto animado.


O ruivo assentiu com a cabeça e despediu.


Notas Finais


✿ Explicações e afins na segunda parte do capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...