História Our Love Is My Perdition - Capítulo 74


Escrita por: ~

Postado
Categorias Magcon, The Maze Runner
Personagens Alby, Aris, Ava Paige, Ben, Brenda, Cameron Dallas, Chuck, Jack and Jack, Jack Gilinsky, Jack Johnson, Minho, Nash Grier, Newt, Personagens Originais, Sonya, Teresa, Thomas, Winston, Zart
Tags Boyxboy, Cameron Dallas, Cash, Dylan O'brien, Dylmas, Gay, Incesto, Jack And Jack, Jack Gilinsky, Jack Johnson, Jolinsky, Lemon, Nash Grier, Newt, Newtmas, Sasha Pieterse, The Maze Runner, Thomas, Thomas Sangster, Yaoi
Exibições 124
Palavras 2.670
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Lemon, Luta, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI GENTEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE
TUDO BEM COM VOCÊS? Eu to bem
Então né... desculpem pela demora pra postar, mas tá horrível esses dias pra mim, to sem tempo quase pra nada
Mas enfim
MUITO OBRIGADO PELOS COMENTÁRIOS E FAVORITOS SOCRRR
BOA LEITURAAAAAAAAAAAA

Capítulo 74 - Everything Is In Flames Part 3


Fanfic / Fanfiction Our Love Is My Perdition - Capítulo 74 - Everything Is In Flames Part 3

Se eu pudesse me ver no espelho agora eu tinha certeza de que meus olhos estavam apavorados, cada célula do meu corpo parecia reagir ao homem que andava de forma despreocupada parando ao lado da garota com um sorriso amedrontador no rosto, a memoria de seu cinto se chocando contra as minhas costas voltavam como flashes na minha mente e eu quase que sentia a dor me acertando em cheio.

Meu corpo começou a tremer, mesmo enquanto eu tentava me manter corajoso, eu não conseguia, estava apavorado demais para fingir alguma coisa. Thomas o fitava furioso, seus olhos estavam em chamas, assim como metade da quadra neste momento, a fumaça se espalhava cada vez mais, mas nenhum deles parecia estar se importando muito com isso no momento.

O grisalho levantou as duas mãos e começou a bater uma na outra, mantendo seu sorriso.

- Eu devo meus parabéns para vocês. Serio. Conseguiram criar uma vida neste lugar. Isso era algo que eu realmente não esperava. – Janson provavelmente acreditava que para qualquer lugar que fossemos seriamos apontados como aberrações, lá no fundo eu tinha esse pensamento também quando saímos de casa, mas aquilo acabou se tornado algo completamente errado.

- Me impressiona a quantidade de pessoas que consideram vocês, duas aberrações, algo normal. É ridículo, as pessoas de hoje em dia não sabem o real significado da palavra normalidade. – Ele soltou um sorriso irônico e Sasha, ao seu lado, o acompanhou.

- Você já tinha nos banido da sua família, então por que está aqui, Janson? – O olhar mortal de Thomas pousava sobre Janson, deixando Sasha de lado naquele momento, os dois se encaravam desejando a morte um do outro, ou, pelo menos, uma luta. Mas todos sabiam que Janson jamais se arriscaria numa luta corpo a corpo com o moreno. Thomas era forte, Janson perderia rapidamente. O grisalho poderia ter mais anos de experiência do que o moreno, mas isso não o tornava mais forte.

Thomas não era mais aquele garotinho frágil e pequeno que não poderia me defender de Janson, ele havia crescido e junto ao tamanho a sua força também cresceu.

- E é normal para você viver em um casamento em que se trai a própria mulher? Você que é anormal!

- Homens traem! Eles são feitos para isso, homens tem que trair a mulher mesmo e elas têm que ficar calada e de cabeça baixa, foram feitas apenas para nosso uso, apenas para nos satisfazer! – Esbravejou, seu dedo indicador foi até o gatilho da arma, mas ele não a apontou para nós. Ele falava isso agora, mas na frente de sua mulher ele não havia falado nada desse tipo.

- Isso não é atitude de homem, Janson, é uma atitude de moleque! – Thomas gritou também, ele deu um passo para frente, mas eu segurei seu braço o impedindo de prosseguir, sussurrei pedindo para que ele se acalmasse, mas não adiantou de nada. Sua raiva era grande demais para ser contida.

- Você que é um moleque! Acha que o amor existe? Tenho uma péssima noticia para te dar seu merdinha: amor não existe! Você e o Newt podem ficar juntos e felizes por um tempo, mas não vai demorar em você se dar conta de que tudo isso foi um erro! Ficará entediado e, assim como eu, vai sair à noite para transar com vadias, porque essa é a única diversão que nos resta!

- Está errado, Janson, eu nunca trairia o Newt, NUNCA!

- Você beijou o Johnson, Thomas, lembra-se disso? – A garota de olhos verdes entrou na discussão, dizendo algo que fez Janson a encara-la, os lábios da garota ainda se mantinha para cima em seu sorriso, os dois me davam medo.

- Você que o fez me beijar! E sabe muito bem que eu não retribuí!

- Mas também não o impediu.

Mais uma vez ele tentou dar um passo para frente mais uma vez tive que segurar seu braço para impedi-lo, seus olhos vagaram para minha mão que apertava seus bíceps com força, tentando impedi-lo de fazer alguma loucura.

- Thomas, se acalma, por favor. – Implorei, meus olhos estavam suplicantes e eu senti uma lágrima descer pela minha bochecha, me julguei mentalmente por estar sendo tão fraco. Queria ser mais forte e enfrentar isso tudo junto ao moreno ao lado dele e não atrás dele, precisando de sua proteção.

O moreno se virou para mim, passando o dedão pelo minha bochecha e limpando minha lágrima sorrateira, dando um sorriso para mim.

- É incrível, já esta chorando? – A voz de Janson se fez presente novamente e logo um riso saiu de seus lábios. – Você é um viadinho chorão! Um viadinho de merda! Nem para tentar ser forte como seu irmão você consegue!

- Não fala assim com ele, Janson!

- Ou o que?! Você não é nada, Thomas, não pode fazer nada. É um lixo que nem seu irmão!

- Ele não é um lixo, você que é! Se unindo a uma pessoa que fez seu próprio filho ser estuprado, nenhum pai, nenhuma pessoa normal e boa faria isso!

Os dois se olhavam com raiva, um querendo se atirar contra o outro e começarem uma luta sem fim, uma luta que decidiria que iria sobreviver.

- Em minha defesa – Sasha se intrometeu – não fui eu quem planejou isso, eu só fiz acontecer.

- Você pagou pra um cara estupra-lo, Sasha, pare de mentir!

- E realmente fiz isso, mas não fui eu quem teve a ideia.

- Isso não importa! – Janson falou mais alto que os dois, chamando suas atenções. – Não dou a mínima para isso.

- Vou te perguntar mais uma vez, Janson, por que está aqui?

O grisalho olhou para a garota ao seu lado, e soltou um sorriso sacana.

- Vim dar um fim a você, sua aberração.

 - Não somos mais da sua família, não tem motivos para querer nos matar, nos deixe em paz.

- Enquanto carregarem meu sobrenome minha família continuara manchada, não posso permitir isso, apenas a morte dos dois irá salvar o nome da minha família, não há lugar para aberrações nesta família eu vou mata-los, só assim posso me livrar desta vergonha.

- Você tinha nos banido antes, por que está assim agora?

- Sasha abriu meus olhos. – O olhar dele encarou o da garota mais uma vez, antes de voltar a encarar o moreno me minha frente. – Enquanto estiverem vivos eu sempre serei o pai que permitiu que os filhos se tornassem aberrações, não irei permitir isso.

- Eu não sou mais a porra do seu filho! Nós não somos! Agora nos deixe em paz! – O moreno gritou mais uma vez. Seus punhos estavam cerrados com tanta força que me perguntei como suas unhas ainda não tinha cortado a pele de sua mão.

- Se fosse tão fácil assim que iria amar, mas não é.

- Por que você foi até ele, Sasha? Qual a porra do seu problema? – O moreno fitou a loira com fúria nos olhos. Seu maxilar estava cerrado, assim como os punhos.

- O Janson e eu somos... velhos conhecido, por assim dizer.

Demorei um pouco para perceber do que ela estava falando. Meus olhos e estreitaram, Sasha era uma das amantes do meu pai? Era isso? Ela era uma das garotas com quem meu pai transava?

- Eu e seu pai tínhamos um caso.

Ela confirmou o que eu estava pensando. Mas... se ela e ele realmente transavam isso  significava que Janson não era apenas um adultero, mas também era um pedófilo. Meus olhos se arregalaram e eu engoli em seco.

O homem que tanto dizia que somos aberrações, que tanto diz que o nome de sua família não merece ser manchada é um adultero e um pedófilo, um hipócrita de marcar maior. A fúria começou a tomar conta do meu corpo e quando me dei conta já estava gritando com ele.

- Você diz tanto que o nome de sua família não deve ser manchado, mas transou com uma criança! Você é um lixo! Você é a aberração daqui, Janson!

- Olha só, o outro viadinho de merda resolveu falar. Pois fique sabendo que existe uma grande diferença entre o que fiz e o que vocês fazem.

- Sim, tem uma diferença, nós nos amamos, já você fez isso só para trair sua mulher e ter outras experiências! – Thomas gritou ao meu lado. A fumaça se espalhava cada vez mais pelo local, mas nesse momento nenhum de nós estava se importando com isso, nem mesmo eu. Não estava apenas com raiva de Janson por ser um hipócrita, estava revoltado.

- Mas ainda estava transando com uma pessoa do sexo feminino e não do masculino, tem uma diferença.

- Pare de ser um idiota! – Falei, sentindo a raiva dominar cada célula do meu corpo, se o corpo do moreno não estivesse na frente do meu provavelmente eu já estaria indo para cima de Janson, mesmo que soubesse que no final terminaria levando um tiro no peito.

- Vou deixar, vocês resolverem isso em família. – A loira sorriu, orgulhosa por ter conseguido o que realmente queria.

O objetivo dela era que todos acabássemos mortos, ela não se importava com Thomas ou com Janson, ela só queria ganhar o jogo, porque toda essa situação não passava disso para ela, um jogo e nós éramos as peças.

A garota começou a se afastar. Dando passos para trás, preparada para ir embora.

- Você não vai nos matar, Janson, pense bem no que isso pode te causar, você pode ser preso. – Thomas tentou convence-lo, mas o sorriso insano do grisalho deixou bem claro que ele não estava se importando com isso. – Você não teria coragem, Janson. – O moreno disse, mas nós três sabíamos que sim, ele tinha coragem.

- Se eu não tenho... então o que é isso? – Ele virou seu corpo, ficando de costas para nós e levantando a arma, a garota de cabelos loiros se virou para nos encarar novamente e seus olhos se arregalaram quando notaram que a arma estava sendo apontada para si. – Vejam e aprendam. 

E ele puxou o gatilho. Mirando na cabeça da garota. O som de tiro sendo disparado ecoou pelo local e o local em que ele mirava foi acertado com sucesso. O corpo da garota caiu no chão, enquanto o sangue saia de sua cabeça e formava uma poça de sangre ao seu redor.

Minhas mãos foram até a minha boca, a cobrindo, impossibilitando que eu gritasse alto, meus olhos começaram a marejar.

O moreno ao meu lado tinha os olhos arregalados e engolia em seco, acreditando que Janson só a tinha matado porque ele o desafiou, eu quase podia ver a culpa de seus olhos. Em sua cabeça se ele não tivesse dito aquilo o mais velho não teria atirado na garota, mas a verdade é que Janson não deixaria nenhuma ponta solta.

Ele a matou porque ela podia incrimina-lo, mesmo que isso a fosse leva-la para cadeia junto a ele, na cabeça dele ela poderia se arrepender disso em algum momento da vida. E arriscar viver com medo dessa hipótese não era muito bem o jeito dele de viver.

- Tem certeza que eu não teria coragem de matar alguém agora, Thomas? – Seu olhar voltou a pousar sobre nós dois, o moreno se pôs ainda mais na minha frente, cobrindo minha visão, cobrindo a imagem de Janson com seu sorriso maldoso.

- Janson, você está ficando louco. – O moreno tentou dizer de forma calma, mas lá no fundo estava desesperado.

Essa é a segunda vez no mesmo ano que temos uma arma apontada para nossas cabeças. Primeiro Gally, agora nosso próprio pai, o que mais poderia acontecer? Ah, sim, as chamas. Elas se espalhavam cada vez mais rápidas pelo local, e não iria demorar muito para devorarem toda a quadra com nós três juntos.

- Quem eu devo matar primeiro? Você? Ou o Newt? – Escutei a voz da pessoa, que um dia já chamei de pai, perguntar.

Janson nunca foi exatamente um exemplo de pai ou familiar, ele não ligava muito para ninguém além de si mesmo. Ava que cuidava de mim e do Thomas, isso é, só quando estava em casa, na maior parte do tempo eram as empregadas que cuidavam de nós dois e ás vezes nós dois tínhamos que tomar conta um do outro. Mas Janson nunca cuidou.

Me lembro que ele sequer fazia questão de estar em casa para nossos aniversários, nas maioria deles ele estava trabalhando e quando vinha ficava ocupado demais em seu celular, conversando com alguém.

Eu não ligava, antes que ele não me dar atenção do que me bater com seu cinto.

- Você não vai matar o Newtie, eu não vou deixar. – A voz de Thomas deixava evidente que ele estava decidido a me proteger e nessa hora eu me senti um lixo, um lixo porque ele tinha coragem de levar um tiro por mim, mas eu tinha medo de sair de trás do seu corpo de encarar o homem que continha uma arma em mãos, pronto para atirar um de nós dois.

- Eu vou te dar só uma chance, Thomas, largue ele e volte para casa comigo. Eu sei que você gosta de mulheres, esse merdinha que fez sua cabeça, ele nunca passou de uma aberração, não existe salvação para ele, mas existe para você, venha comigo e eu te levo para um prostibulo e pago uma mulher para satisfazer seu prazer, você pode virar homem outra vez. – Ele dizia, enquanto as lágrimas do meu rosto desciam, sem que eu conseguisse conte-las. Eu poderia não estar vendo ele, mas sabia que em seu rosto continha um sorriso, estava dando a opção de Thomas viver e esperava que o moreno fosse aceitar, tudo que ele perderia era a mim.

- Eu amo o Newtie, eu não vou larga-lo. Vai se foder! Você não vai machucá-lo, não vou deixar. – O mais alto falou, decidido, seu punho estava cerrado e ele estava pronto para brigar com Janson em troca de me dar a chance para sair dali ileso. Mas eu não vou.

Arrodeei seu corpo, entrando na sua frente. Os olhos do moreno se arregalaram, quando perceberam que eu estava em sua frente, meus lábios se curvaram para cima, forçando um sorriso.

- Você merece viver. – Eu disse, colei meus lábios aos seus no que achava ser a ultima vez. Foi um beijo que demonstrava tudo que eu sentia, um beijo em que eu passava a ele tudo o que eu sentia.

Assim que nossos lábios se desgrudaram uma lágrima desceu de meus olhos e dei um passo para trás, sua mão segurou meu braço, mas eu consegui me desfazer de seu aperto, indo rapidamente para perto de Janson antes que o moreno tivesse a chance de tentar me impedir outra vez.

Janson estreitou os olhos ao meu ato e levantou a arma a apontando para minha cabeça, enquanto eu segurava suas mãos, colando o objeto frio na minha cabeça. Meus olhos se fecharam e as lágrimas desceram pelos mesmos, enquanto eu esperava que o homem que tanto me odeia desse um fim a minha vida.

Estava dando minha vida em troca da do moreno.

Suspirei e escutei os soluços altos do moreno vindo um pouco distantes de mim. Ele gritava implorando para que Janson não me matasse e que o matasse em meu lugar, não pude conter um soluço também.

- Newt sai dai, por favor. – Ele implorava em meio as lágrimas e a voz embargada, seu sofrimento era tanto que eu sentia em meu próprio coração, era como se uma fenda estivesse separando todas as partes do meu coração que já haviam sido coladas infinitas vezes com a cola que o moreno representava.

Engoli em seco, me controlando para não dar meia volta e correr de volta para os braços do rapaz que me faz feliz.

- Me mate e deixe-o viver, por favor. – Eu pedi a Janson, abrindo os olhos e vendo seu sorriso insano.

- Com todo prazer.


Notas Finais


TAN TAN TAN TAN
Será que o Newt vai morrer? Num sei né, mentira sei sim hehe
Enfim
Comentem e favoritem, please :)
Beijão!
Amo vocês <3
FUI!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...