História Our Magical Life - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Eldarya
Personagens Ezarel, Jamon, Keroshane, Leiftan, Mery, Miiko, Nevra, Personagens Originais, Valkyon
Tags Black-dogs, Daphne, Eldarya, Ezarel, Guerra, Kyara, Lilith, Magia, Miticismo, Nevra, Novela, Romance, Valkyon
Exibições 73
Palavras 8.259
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura a todos e perdoem os erros de português ^3^

Capítulo 3 - Capítulo Três. - Formadas no Desastre.


Fanfic / Fanfiction Our Magical Life - Capítulo 3 - Capítulo Três. - Formadas no Desastre.

 

Daphne estava no salão fazendo o cabelo quando recebeu uma ligação de Lilith em seu celular, esticou a mão para pegar o celular que estava em cima da mesinha perto dela, atendeu a chamada e pôs no viva voz, já que seu cabelo estava banhado de creme.

 

-Lily? - Chamou pela Garota.

 

-Daph, onde você está?

 

-No salão, ué.

 

-Ah sim, já pegou o vestido?

 

-Sim e você?

 

-Eu fiz o meu Bobinha, não lembra? - A Ruiva deu uma fofa risada.

 

-Ah sim, esqueci do seus “dotes”, haha.

 

-Nos encontramos lá? é que eu tenho que terminar algumas coisas aqui.

 

-Sim, nos encontramos lá.


 

(***) - (...)

 

Kyara entrou em seu quarto, era um quartinho pequeno, velho, fedido e sujo, mas que surpreendentemente era o melhor que já teve em toda sua vida.

 

-Inferno… - Ela murmurou fechando a velha porta de cascalho atrás de si, se arrastou até sua “cama” (que na verdade era um sofá velho e rasgado com um lençol fino) - Eu to é morta...e ainda tenho que me arrumar para trabalhar no turno da noite… - A Albina levantou a cabeça apoiando o queixo no estofado do sofá e olhou para a janela quebrada a sua frente vendo que o sol já ia embora. - “Quando que essa merda de vida vai melhorar ou acabar de uma vez por todas?”


 

(***) - (...)

 

O colégio estava lotado, os alunos vestiam suas becas e tinham seus capelos em suas cabeças, eles formavam filas para receber seus diplomas, uma das últimas a pegarem o diploma foi Lily, ela pegou seu diploma depois de Daphne - que corou forte ao ver seu pai assobiando alto e seu tio tirando um monte de fotos dela - mas a vergonha de Daphne era tão desejada por Lilith, assim que ela subiu ao palco com um sorriso animado em seu rosto olhou para a platéia de pessoas sentadas em cadeiras, procurou seu pai por tudo e não o achou, seu sorriso morreu por alguns segundos, mas como tinha a fama de ser a mais otimista  e positiva da escola, sempre sorridente e alegre, tratou logo de esboçar seu melhor sorriso “feliz”, mesmo Daphne sabendo que era totalmente falso.

 

-Oh Lily… - Daphne disse em um sussurro sentindo pena pela amiga, desde que os avós dela se foram ela era totalmente sozinha em questão familiar, sua Madrasta a odiava e seu Pai estava sempre trabalhando, tanto que nem a formatura da filha veio.

 

(...)

 

As homenagens aos formandos acabaram e eles estavam livres, tanto das palestras, discursos e slides sem graça, quanto da escola.

 

Daphne procurava a Amiga Ruiva no meio das pessoas de becas iguais, e andando pelo corredor do colégio a encontrou conversando com mais duas meninas e um menino, ela sorria e parecia estar feliz, mas a Morena sabia da verdade e pensava em um meio de alegrar ela logo, ou senão o pior poderia vir - como uma inundação talvez.

 

-LILY! - Ela gritou estendendo a mão para a amiga que sorriu mais abertamente ao ver ela e apenas deu um aceno de leve com a mão.

 

Daphne andou até lá, já sentindo um incômodo em seu pé causado pela sandália de salto prateada.

 

-Então...formadas né?... - A Menina puxou conversa segurando timidamente o rolo de papel com as duas mãos.

 

-Sim, agora só faltam mais cinco anos e de faculdade e estaremos oficialmente livres. - Daphne riu e comprimentou os amigos que passavam com os pais pelo corredor.

 

-Ou presas a algo que não queremos… - Lilith murmurou baixo.

 

-Disse algo Lily? - Daphne se virou para a menina com uma expressão curiosa e confusa.

 

-Não, nada. - A Ruiva balançou a cabeça.

 

-Aí estão minhas meninas. - Adam disse chegando perto das meninas com os braços abertos e as abraçando fortemente.

 

-Onde vocês se meteram? procuramos vocês por tudo. - Cassandro disse inflando as bochechas com uma cara emburrada.

 

-Não seja tão dramático Cass, apenas fomos até a saída e voltamos, achamos que vocês estavam com os amigos de vocês lá fora. - Adam disse calmo olhando para a porta de saída aberta que estava a metros deles.

 

Lá se podia ver alguns Rapazes Jogadores de Futebol Americano e as Líderes de torcidas, todos em volta de um carro conversando alto.

 

-Ahn… - Lily fez uma leve careta e mostrou a língua.

 

-Não, preferimos a companhia uma da outra hoje. - Daphne disse com um meio sorriso entrelaçando a mão com a da Ruiva que corou mas sorriu também.

 

-Que fofinhas, isso me fez lembrar de algo. - Cassandro disse pegando algo em sua bolsa de couro que tinha com ele, de lá retirou uma câmera instantânea. - Sorriam, Brilhem e Façam Pose. - Ele disse fazendo a câmera focar, as Meninas sorriram timidamente e um flash pode ser visto.

 

(***)

 

A praia estava lotada de Jovens e Adolescentes, a música estava bem alta, a decoração era simples e sofisticada, haviam cadeiras de praias brancas, uma mesa de madeira retangular enorme com muita comida leve, uma fogueira alta com algumas almofadas em volta, tochas de bambu com oléo, incensos e velas perfumadas, e lampiões pendurados em algumas palmeiras próximas, todos do luau vestiam roupas leves e brancas.

 

-TODO MUNDO FAZENDO “HEI” - O Dj disse alto no microfone e todos gritaram, bem, todos menos Lily e Daphne que estavam mais afastadas com uma cara de quem não gostava o que via.

 

-Isso não está certo… - Lily disse suspirando profundamente - Dei tão duro pra isso? - Ela apontou com a mão para a festa.

 

-Calma Lily, a decoração e a comida que você fez ficaram excelentes, eles apenas estragaram tudo com esse tipo de música. - Daphne disse dando um sorriso fraco de canto

 

-Luais não são agitados como uma balada, eles são calmos e tem que ter músicas agradáveis e acústicas. - Ela disse nervosa, mas não estava brava ou irritada, apenas decepcionada. - Logo, logo a polícia vem… - Abriu um pequeno sorriso com sua piada.

 

-Por que vocês não relaxam e curtem ao invés de ficarem reclamando? - Uma voz masculina disse atrás delas, Daphne se virou e abriu um largo e contente sorriso pulando no pescoço do Rapaz.

 

-MICHAEL! - Ela agarrada ao pescoço do Garoto.

 

Ele possuía cabelos loiros, pele bronzeada, olhos azuis escuros, perfil atlético,, vestia uma camisa branca de botões, bermuda jeans branca e chinelas escuras.

 

-Hoho, olá Daph, isso tudo é entusiasmo por me ver? - Ele perguntou sorrindo de canto e virou seu olhar para a Ruiva menor - Olá Lilith, estás linda, as duas estão.

 

Lilith vestia um vestido branco de renda que ia até a metade das coxas, ele tinha a saia estilo godê e não possuía mangas, mas tinha a gola da frente alta e circular que cobria seu colo e deixava a mostra seu pescoço, a parte das costas era aberta, na cintura tinha um fino cinto de pérolas, calçava uma sandália de salto grossa na cor nude, seus cabelos estavam presos a uma trança embutida por trás que ficava quase como um coque prendendo todo seu cabelo e deixando apenas algumas mechas soltas, para complementar o penteado havia uma delicada tiara de pérolas em sua cabeça, sua maquiagem era bem delicada, apenas uma sombra nude nos olhos, delineador gatinho, rímel e batom líquido rosa claro, usava o colar de concha e um de pérolas por cima.

 

Daphne usava um vestido branco longo com uma fenda em ambas as pernas, o decote era em formato coração que deixava parte de seus belos seios amostra, as mangas eram longas mas deixavam uma parte do ombro amostra, a sandália de salto era prateada, usava um colar dourado grosso e duas pulseiras de ouro em cada braço, seus cabelos estavam presos a uma trança despojada jogada para o ombro, em seus olhos havia uma sombra escura esfumada, delineador, rímel e batom vermelho-escuro matte nos lábios.

 

-E-Eu também vim L-Lilith. - Richie disse envergonhado levantando um pouco uma das mãos.

 

-Ah, olá Richie. - Lily o cumprimentou com um sorriso gentil e doce nos lábios.

 

-Bem, vamos festejar! - Michael disse animado passando o braço pelo pescoço de Daphne. - Quero beber todas essa noite.

 

-A meta é qual? se divertir ou esquecer seu próprio nome? - A Morena perguntou com um sorriso debochado nos lábios.

 

-Ambos. - Michael disse rindo também e pegando um copo de cerveja que estava na mesa e entregando a Daphne - E você será minha parceira essa noite, minha parceira das bebidas. - Daphne pegou o copo o olhando um tanto desconfiada - “E de outras coisas também”  - Concluiu em pensamento.

 

-Bem, não quero ficar de vela, acho que vou dançar um pouco. - Lily disse rindo de canto.

 

-Vela? você tem o meu Irmãozinho Richie, qual melhor companhia do que ele? - Michael perguntou em um tom irônico.

 

-Ahh...sim… - Lilith olhou sem jeito para o Rapaz a seu lado, sabia que ele gostava dela, porém ele não fazia muito o seu tipo, na verdade ela nem sabia direito o seu tipo de cara, mas gostava dos românticos, charmosos e originais, e Richie não se enquadrava nisso. - Q-Quer dançar Richie? - Perguntou para não ser grossa e o dispensar ali mesmo, afinal, ela ainda o considerava um grande amigo.

 

O rosto do Rapaz se iluminou e ele abriu um largo sorriso tímido.

 

-S-Sim, seria bom.

 

(***)


 

Em Eldarya mais especificamente no QG de Eel um Homem de pele pálida, cabelos lisos negros como a noite e olhos cinzas-claros observava o pôr-do-sol por uma enorme janela em uma das salas do QG, tinha os olhos perdidos e pensativos, o rosto estava sério e parecia cansado psicologicamente de algo.

 

-Oh, Nevra, você já voltou! - Uma voz afeminada e animada disse atrás dele, assim que se virou deu de cara com uma Garota de olhos verdes e cabelos exóticos (metade preto e metade rosa) presos em duas marias-chiquinhas baixas, ela sorria animada e seus olhos pareciam aliviados em ver Nevra em sua frente.

 

Antes que ele pudesse sequer abrir a boca ela correu até ele e o abraçou fortemente fazendo ele cambalear um pouco para trás.

 

-K-Karenn, como você está menina? - Ele perguntou afagando a cabeça da menina com um sorriso divertido nos lábios

 

-Senti tanta sua falta, Miiko não deveria te mandar para um lugar perigoso daqueles! - Ela disse ignorando a pergunta dele e afundando seu rosto no peito do Moreno.

 

Nevra abaixou o olhar e abraçou a Garota de volta com um certo carinho e suspirou alto.

 

-Não é uma escolha minha Karenn, eu tenho que ir...você sabe disso, sou o Chefe da Guarda, se eu não for terei que mandar um de vocês, e sinceramente eu prefiro me arriscar em uma missão perigosa do que arriscar vocês. - Ele falava de um jeito sério e acolhedor, como se tentasse fazer a Menina entender que aquilo era necessário - Ainda mais com esses ataques dos Black Dogs.

 

-Esses filhas da Mãe… - Ela murmurou baixo com raiva e ele riu de leve.

 

-Sim...eles são mesmo. - Nevra disse desfazendo o abraço. - Ah e trouxe algo para você… - Pôs a mão no bolso e de lá retirou uma pequena bolsinha de seda vermelha e entregou a menina - Passei na cidade no caminho de volta e resolvi comprar uma lembrancinha para a minha Garota Preferida.

Karenn abriu a bolsinha retirando o fio negro que amarrava a bordinha e retirou lá de dentro uma presilha de cabelo prateada com algumas safiras incrustadas, os olhos verdes da Menina brilharam ao ver o acessório.

 

-É lindoo - Ela disse sorrindo encantada.

 

-Se você está assim é porque gostou, espero. - Nevra riu - Agora vá para seu quarto descansar, e espero que já tenhas tomado um banho Mocinha! - Ele disse em um tom mais sério. - Amanhã quem saíra em missão é você junto dos outros, então fique preparada e descansada.

 

-Sim senhor! - A Menina disse sorrindo e correndo para as escadarias do QG, onde ficaria os quartos.

 

Nevra ficou observando por onde a Adolescente havia saído em silêncio por um tempo até que uma voz o tirou do transe.

 

-Que fofo ele dando uma de Mamãe Coruja. - A voz disse em tom debochado e provocativo fazendo ele se virar.

 

-Cale a boca Ezarel. - Nevra disse sério e corado desviando o olhar - Apenas me preocupo e cuido dos membros da minha guarda, bem diferente de você.

 

-Hoho, eu cuido da minha guarda sim viu Vamp?! - Ezarel se defendeu com um sorriso debochado - Se eu os uso em experimentos é raro os casos!

 

-Isso é idiotice. - Nevra rolou os olhos.

 

-As Donzelas já estão brigando? - Um homem alto, moreno e robusto, de olhos dourados e cabelos lisos e brancos, apareceu descendo as escadarias.

 

-Valkyon! - Nevra exclamou contente ao ver o Amigo

 

-Puff, Donzela? só se está falando de você e ele, eu não me enquadro nisso, e se eu me enquadrasse seria a mais bela dos três. - Ezarel disse ainda com o tom debochado enquanto colocava as mãos na cintura e fazia pose.

 

-Você realmente prefere quase perder os dentes do que a perder a piada não é Engraçadinho? - Valkyon perguntou estreitando os olhos para o Azulado.

 

-Você me conhece.

 

-Ok, já chega. - Nevra disse dando um fim a discussão. - Eu acabei de chegar, porque não comemoramos isso em algum lugar legal? - Sugeriu com um sorriso no canto dos lábios e um olhar maldoso enquanto se metia no meio dos dois amigos e passava os braços por volta de seus pescoços, ato que fez Valkyon ter que se abaixar um pouquinho.

 

-Comemorar? hunf, já estava de saída indo encomendar as flores negras para o velório, já que você matou as minhas expectativas de terminar o dia tranquilo e feliz. - Ezarel respondeu sarcástico e sério retirando o braço de Nevra de seu pescoço.

 

-Ahhh vamos lá Ez, não seja o total estraga prazeres que você já é. - Nevra disse ainda sorrindo sugestivamente. - Vamos lá, sei que não vai se arrepender, ouvi dizer que lá tem os melhores pães de mel de toda Eldarya.

 

-Agora a história começou a ficar de meu interesse.

 

-E onde iremos Nevra? - Valkyon perguntou com uma sobrancelha arqueada, quando se tratava de um plano feito por Nevra ou Ezarel era bom sempre desconfiar de algo.

 

-Um local que eu conheci assim que estava voltando da viagem, conheci a Dançarina do local e ela me pediu para aparecer por lá hoje, e como ela era uma Dama muito linda não pude negar o pedido.

 

Ezarel rolou os olhos de leve vendo que era óbvio que o Vampiro não queria comemorar o sucesso de sua missão com os amigos, e sim garantir uma transa com alguma Mulher por aí, Valkyon pensava a mesma coisa já que bufou de leve e pensou em negar o pedido, mas pensou que poderia ser divertido, afinal, estava trabalhando duro essas últimas semanas, merecia um descanso e um tempo pra ele.

 

(***) - (...)

 

Um bom tempo havia se passado, Lilith continuava a dançar com seus amigos na pista de dança, havia se entretido com eles e acabado por deixar Richie de lado sem querer, o mesmo chateado foi para um canto fazer algo que raramente fazia...beber, já Daphne estava em uma mesa com uma expressão entediada enquanto escutava Michael se gabar das conquistas que teve em seus jogos ao longo dos anos para seus amigos.

 

-Eu sei que aquele seu saque foi incrível, mas vocês lembram da vez que o Jone tropeçou e.. - Um dos jogadores começou a relembrar um momento engraçado e todos riram, todos menos Daphne…

 

-Ahn Daph. - Michael a chamou vendo o desconforto da Moça - Venha. - Ele se levantou e começou a caminhar para uma parte mais escura afastada da praia.

 

-O que estamos fazendo aqui? - A Garota perguntou um pouco incomodada - Mich, eu quero vol.. -Nem pode terminar sua frase pois teve seus lábios tomados pelo rapaz que a beijou com violência a surpreendendo, depois de um tempo do beijo não correspondido pela Morena ele desceu os beijos até o pescoço dela - -Michael! - Ela exclamou em um misto de surpresa e choque ao sentir o Loiro lamber seu pescoço até o colo do seio e logo depois a empurrar fazendo ela cair de costas na areia, ele subiu por cima dela e começou a beijar seu pescoço - A-Aqui n-não, por fa-favor! - Ela pediu com lágrimas nos olhos, sentia o cheiro de álcool forte a centímetros de seu nariz.

 

(***)

 

Lilith dançava alegremente com seus amigos na pista de dança, a Menina parecia nunca se cansar de pular e mexer o quadril, nos olhos possuía o brilho de uma criança brincando em um parque de diversões e isso atraía muitos olhares maliciosos a seu redor, porém estava se divertindo tanto que nem notará.

 

-So raise your glass if you are wrong, In all the right ways, All my underdogs, We will never be never be, anything but loud. - Ela cantava enquanto pulava e dançava com Lolla, uma Coreana que era do grupo de estudos no qual Lilith era líder. - Slam slam, oh hot damn, What part of party don't you understand, Wish you'd just.. - A Ruivinha Animada não pode completar a letra da música, já que ela fora bruscamente interrompida.

 

Lilith, assim como outros Jovens, virou-se para o palco onde se encontrava o equipamento do DJ e viu a Garota Negra de cabelos rosas com uma expressão confusa em seu rosto, e na mesa de som junto dela estava Richie, com a blusa aberta revelando o perfil ossudo do rapaz, a gravata estava amarrada ao pulso do Garoto e os óculos redondos estavam tortos, ele tinha uma das mãos ocupadas por uma garrafa de tequila já quase vazia e a outra com o microfone da DJ.

 

-Eu...q-queria fazer um anúncio! - Ele disse com a voz arrastada e embargada pela bebida, era evidente que estava bêbado, o rosto corado, o sorriso idiota do rosto, as cambaleadas indicando que nem mais equilibrio direito ele tinha.

 

-R-Richie… - Lily sussurrou assustada e confusa, tinha os olhos arregalados e os lábios abertos, algo dentro de si já sabia exatamente o que ele iria fazer, mas precisava ser rápida para tirar ele dali.

 

-Eu estou apa...xonado! - Ele disse soluçando e cambaleando pelo palco de madeira escura.

 

Era possível escutar risadas e murmúrios sobre o Rapaz Bêbado, até fotos começaram a tirar com seus celulares.

 

-Ela é a...mais gentil e...lin..da, de t-todas, E NENHUM DE VOCÊS VAI TIRAR ELA DE MIM! - Ele gritou no microfone fazendo todos taparem os ouvidos. - E-Ela é mi..nha! - Richie bateu no próprio peito com certo orgulho.

 

-Richie pare com isso! - Lilith disse já em cima do terceiro degrau do palco olhando com seriedade para o Loiro.

 

-AQUI ESTÁ ELA! - Ele disse apontando para Lily que até então estava escondida discretamente na parte escura, todos olharam curiosos para onde ele apontava, mas virão apenas um borrão de vestido curto branco - VENHA E SUBA, VAMOS DECLARAR NOSSO AMOR AQUI NA FRENTE DE TODO MUNDO! - O Garoto foi até ela e antes que ela pudesse sair dali ou falar algo teve seu pulso puxado com força para cima do palco.

 

-É a Lily?

 

-É a Lily!

 

-Lilith e Richie? ela tá com ele só por pena né?

 

-Acabou com a popularidade da Garota

 

-Ela é boa demais, por isso tá com ele.

 

-Será que já transaram?

 

Os murmúrios eram baixos, mas feitos aos montes era capaz identificar algo, logo uma explosão de risadas e flashs começaram, todos apontavam para o “casal” e cochichavam algo enquanto gravavam a cena.

 

-BEIJA, BEIJA, BEIJA, BEIJA! - Começaram a gritar e a bater palmas.

 

Lilith apenas olhava para a plateia e total choque, seus olhos estavam arregalados e vidrados, seus músculos não se moviam, sua boca entreaberta e sua respiração parada, não acreditava na humilhação que estava passando, sentia seu coração quase sair pela boca de tão forte que batia.


 

Quando se tocou do que estava havendo Richie a puxava pelos braços para um beijo lento, olhou para o Rapaz assustada demais, não queria que seu primeiro beijo fosse com Richie, o Garoto que na oitava série havia espalhado para todos que eles namoravam e que na nona série havia deixado escapar que se masturbava vendo a foto dela vestida de fada na festa de halloween do colégio daquele ano, mas isso tudo foram coisas que ela perdoou por não serem ABSURDAMENTE GRAVES, mas aquilo? aquilo era demais.

 

-Não, não, NÃO! - A Ruiva gritou alto e a última coisa que viram foi Richie voando longe por uma rajada de água forte, todos pararam de rir e gritar na hora e ficaram olhando para a cena surpresos e chocados, Lily permaneceu calada e assustada, sabia que havia cometido um erro, mas não havia como voltar atrás.

 

-O que foi isso?

 

-Isso veio do mar?

 

-É um monstro?    

 

-Não...isso veio da Lilith! - Um Cara de cabelos castanhos disse apontando acusadoramente para a Ruiva. - ELA É O MONSTRO!

 

-N-Não! - Lilith disse em um sussurro de desespero, estava entrando em pânico.

 

-Ela é do mal!

 

-ELA MATOU O  RICHIE!

 

-NÃO, EU NÃO O MATEI! - A Menina disse com os olhos cheios d’água. - Eu...eu não matei ninguém..foi sem querer eu juro! - Ela andou dois passos para a frente no palco e os outros se afastaram.

 

-Ela vai nos matar também! temos que dar um fim nela antes que ela faça conosco! - O mesmo Moreno disse assumindo uma posição de porta-voz.

 

-Ela era boa demais, devia mesmo ter algo errado! - Lola  disse a olhando com raiva - MONSTRO!

 

-MONSTRO!

 

-MONSTRO!

 

-MONSTRO, MONSTRO, MONSTRO, MONSTRO! - Todos começavam a gritar isso a pobre Ruiva que tapou os ouvidos e se encolheu no chão, era como se seu maior pesadelo tivesse se tornado realidade, uma realidade cruel e dura demais.

 

Agora sabia que não seria aceita pela sociedade como alguém normal, agora entendia a preocupação de seu Pai, agora entendia o porque dele agir com negatividade quando ela tentava treinar seus poderes para mostra-los ao mundo, agora entendia tudo.

 

-EU NÃO SOU ISSO! - Ela gritou em meio a um soluço alto - AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHH - Ela berrou alto e atrás de si uma gigantesca onda foi criada assustando a todos.

 

(***)

 

Em Eldarya, mais especificamente no Cabaré, três homens entraram no recinto disfarçados com capas escuras que cobriam uma parte de seus rostos chamando a atenção de todos ali presente, principalmente das Mulheres por serem tão misteriosos, eles pegaram uma mesa mais no meio perto do palco e pediram suas bebidas - e um bolo de chocolate com cobertura de mel para Ezarel.

 

-Você tem razão Nevra...aqui tem belas Mulheres. - Valkyon comentou baixo para o Vampiro que apenas sorriu de canto de modo safado.

 

-Não disse, todas das melhores. - O Vampiro disse olhando para o palco onde uma Bela Morena dançava sensualmente e cantava com um curtíssimo vestido vermelho.

 

Ezarel apenas bufou olhando em volta com total desinteresse.

 

-Hunf, até agora não vi nada demais. - Ele disse sério - Apenas Mulheres vulgares, como se eu não visse isso diariamente.

 

-É claro que não viu nada demais, isso não faz seu requisito, mas se quiseres eu mando chamarem uns Garotos para você. - Nevra disse provocando o Elfo de cabelos azuis.

 

-Quer dizer que você já sabe que existem meninos por aqui além das meninas é? tá bem informado, informado até demais ‘Nevrinha’ - Ezarel retrucou em um tom irônico.

 

-Fêh, cale a boca. - O Moreno de pele pálida disse desviando o olhar.

 

-O que estou querendo dizer é...olhe para essas Mulheres, você se casaria com alguma delas? elas nem são obrigadas a estarem aqui, conheço esse cabaré a tempos, a Dona não obriga ninguém a ficar, elas estão aqui por livre e espontânea vontade. - Ele tentava explicar nervoso enquanto gesticulava com as mãos, porém em umas dessas, acabou por dar uma cotovelada no braço de uma das Garçonetes fazendo ela derrubar a bandeja com pratos de comida fazendo uma barulheira e uma sujeira no chão.

 

-Merda! - A Garçonete disse irritada, e ficou mais furiosa ainda ao ouvir alguém gargalhar de si - Tá rindo de que Babaca? - A Albina disse se virando com um olhar mortal para o encapuzado que se calou ao ver a beleza da Neko.

 

Os olhos diferentes que lhe lembravam uma pedra de citrino e uma de esmeralda, os mais belos que já vira, o longo cabelo branco quase puxado pro prateado fazendo uma combinação fofa com suas orelhas no topo da cabeça e o rabo que agora mexia de um lado para o outro indicando ela estar zangada, a pele clara dava um contraste perfeito com seus olhos, com os cabelos claros, e os lábios naturalmente vermelhos, as bochechas estavam em uma cor escarlate que ele indicou ser pela raiva.

 

Mas foi aí que notou que a Neko não passava de uma reles plebéia e que ela havia o chamado de “Babaca”.

 

-Você me chama de Babaca, mas quem vai ter que limpar isso tudo é você. - Ezarel respondeu com o veneno escorrendo pelos lábios. - Afinal quem é a Empregada aqui?

 

-Grrr… - Ela rosnou baixo rangendo os dentes e olhando para o Rapaz que até então não havia mostrado o rosto ainda, nem ele, nem seus amigos. - Se continuar a falar comigo dessa forma eu.. -  Os olhos da Gata encontraram com os de sua Supervisora, que não estava nada contente. -...Eu… - Ela repetiu perdida sem saber o que fazer, se defendesse seu ego estaria no olho da rua, mas se não falasse nada o cara iria sair por cima da situação, a humilhando daquela forma. -...Eu…

 

Ezarel estalou os dedos chamando a atenção da Gata com uma cara séria de tédio.

 

-Eu sei que sou irresistível, mas seja mais focada...Empregada. - Ele disse com um sarcástico e maldoso sorriso de canto, provocando a Menina.

 

-É a nossa hora. - Um velho gordo disse olhando com maldade para a Gata que estava de costas para eles.

 

Lá estavam eles, os mesmos três caras de mais cedo, eles voltaram em busca da vingança contra a gata, e já sabiam o que fazer.

 

O Gordo passou algo para as mãos do comparsa que parecia ter 40 e poucos anos e possuía cabelos escuros.

 

-Coloque isso no bolso dela, e você - Apontou para o outro - Cuida do resto.

 

Eles assentiram e começaram a pôr o plano em prática, enquanto Ezarel e Kyara trocavam farpas e xingamentos o Moreno passou pela Gata fingindo ir em direção ao banheiro, e muito discretamente colocou algo dentro do bolso de seu vestido de maid.

 

-Argh, quer saber, eu tenho mais o que fazer ok! não posso perder meu tempo com um Cliente Babaca como você. - Ela disse colocando um fim naquilo e se virando voltando para a cozinha.

 

-Precisava disso tudo Ezarel? - Valkyon perguntou cruzando os braços e lançando um olhar repreendedor para o Elfo que apenas riu de canto e deu os ombros.

 

-Fala sério que você vai defender a Empregada? olha eu sei que errei um pouco também, mas se ela não tivesse me chamado de “Babaca” eu não teria me sentido ofendido e obrigado a me defender. - Ele rolou os olhos dando uma garfada em seu bolo, que na opinião dele estava um manjar dos deuses.

 

-Você é impressionante Ezarel… - Nevra comentou sério balançando de leve negativamente a cabeça.

 

-Impressionante, lindo, inteligente, charmoso, modesto. - Ele se gabou fazendo graça.

 

(...)

 

-Kyara, de nada vai adiantar você ficar trancada aí! - Uma Senhora disse batendo na porta da despensa - Você tem pedidos a servir menina.

 

-Não quero! - Ela apenas respondeu sem abrir a porta.

 

-Você sabe que não é uma escolha sua, a tua barra tá bem suja com a Mademe Clemeintin… - Ela tentou convencer a menina.

 

Dentro da despensa Kyara estava sentada no chão frio enquanto abraçava os próprios joelhos e chorava em silêncio, se odiava por não ter atacado o Homem ou ter dito umas poucas e boas na cara dele, se sentia humilhada de uma forma absurda, só de lembrar da maneira como foi tratada.

 

-Vamos menina...você é mais forte que isso. - A voz da senhora disse atrás da porta de madeira.

 

Kyara fungou e limpou um dos olhos com as costas da mão, pensou que a mulher estava mesmo certa, ela era mais que isso, já passou por tanta coisa para estar jogada no chão de uma despensa chorando por causa de um homem que nem conhecia, ela tinha que dar a volta por cima.

 

Se levantou e secou os olhos, tirou a poeira do vestido e ajeitou a tiara preta de babados no cabelo, foi andando determinada até a porta e a abriu.

 

-Qual é a próxima mesa? - Perguntou com um sorriso fechado e confiante nos lábios.

 

(...)

 

Sua próxima mesa era uma mesa quase perto da do Homem Irritante, mas pensava que ele já teria ido embora com seus amigos, e se ele estivesse lá, iria apenas ignora-lo - assim como aconselhou Nona, sua amiga do Cabaré, a senhora que lhe animou.

 

Pegou a bandeja com uma porção de algas-verdes fritas e foi andando até a mesa, os Rapazes não foram embora e pareciam não ir tão cedo, mas nada disso importava para ela, sentiu olhos lhe fuzilarem pelas costas mas ignorou, ao chegar na mesa do pedido seu sorriso confiante murchou ao ver que era.

 

-Argh, vocês de novo. - Ela disse baixinho fazendo uma careta.

 

-Sim Querida, e apenas queremos comer, então não dê mais um de seus shows hoje ok? - O Gordo respondeu sarcasticamente.

 

-Hunf, como querem. - Ela disse fingindo não se importar e colocando os pedidos na mesa, mas assim que deu meia volta só pode escutar um ranger de cadeira e alguém se levantar com pressa.

 

-O QUE É AQUILO NO BOLSO DELA? - Um dos Capangas perguntou alto apontando para o bolso da menina.

 

Naquele momento todos pararam o que faziam para observar a cena curiosos, o Capanga de cabelos castanhos se levantou e foi até Kyara colocando a mão em seu bolso e de lá puxando um pequeno cristal azul.

 

-O-O que? - Ela murmurou confusa olhando para o cristal nas mãos do homem, não tinha ideia de como aquilo foi parar ali. - O que é isso? uma brincadeira?

 

-ELA É UMA LADRA! CHAMEM OS GUARDAS DE EEL! - O Gordão disse se levantando.

 

Dois caras se aproximaram da Garota mas ela recuou na defensiva e mostrou as garras.

 

-N-Não se aproximem! - Ela disse nervosa, um homem tentou ser rápido e pega-la, mas ela o arranhou no rosto e chutou sua barriga fazendo ele voar e cair em uma mesa a quebrando.

 

Naquele momento, já cientes da situação, Nevra, Valkyon e Ezarel se levantaram de suas mesas e se aproximaram da Garota.

 

-Chamem os Guardas de Eel!

 

-Não será preciso chamar os soldados, pois os Líderes das Guardas já estão aqui. - Valkyon respondeu com sua calma e seriedade de sempre enquanto retirava o capuz do rosto fazendo todos ficarem surpresos.

 

-E-Eu n-não roubei na-nada! - Kyara se defendia enquanto recuava para trás, porém bateu de costas e alguém, e essa pessoa lhe segurou pelos ombros, assim que levantou a cabeça viu que se tratava do homem que a humilhou mais cedo, ela franziu as sobrancelhas. - M-Me largue! -  Pediu começando a se debater.

 

-Não se preocupem. - Nevra disse retirando o capuz junto de Ezarel - Iremos levar a Ladra para a prisão de Eel!

 

Ezarel passou a Garota para Valkyon que a pegou no colo, e como se ela fosse um saco de batatas a jogou em seu ombro.

 

-M-ME SOLTE, EU JURO QUE NÃO FIZ NADA! - Ela gritou desesperada enquanto se debatia em um ataque de pânico - NONA! - A Menina esticou a mão para a Senhora que apenas a olhou com decepção e tristeza enquanto abaixava a cabeça para não olhar a menina nos olhos.

 

-KYARA VOCÊ ESTÁ DESPEDIDA! - A Madame Anã gritou furiosa com a Neko enquanto ela era levada por Valkyon e os outros dois.

 

-POR FAVOR ME SOLTE! - Ela pediu se debatendo e tentando arranhar a pele do Moreno, mas não parecia nem fazer cócegas.

 

Levantou a cabeça olhando para a lua e lutando contra as lágrimas.

 

(***)

 

Michael estava por cima de Daphne, ele a beijava em um ato desesperado e com muita luxúria, a Morena apenas mantinha os olhos arregalados enquanto tentava acompanhar o ritmo do Rapaz, ele passou as mãos pela barriga dela até chegar a um de seus seios onde deu uma apertada forte fazendo ela gemer de dor.

 

-Para Michael! aqui não… - Ela pediu tentando se livrar dele inutilmente mais uma vez, porém ele prosseguiu.

 

Antes que ele começasse a tirar o vestido da Morena uma gritaria foi escutada seguido por um alto som, o mesmo som que as ondas fazem quando quebram na maré, a única coisa que Daphne pensou ao escutar aquilo foi em Lilith, algo dentro de si dizia que a amiga tinha algo haver com a gritaria, ela empurrou Michael com força para o lado aproveitando seu estado de distração, se levantou e correu apressada de volta ao luau que estava um pouco longe de onde a Garota se encontrava, ela corria muito porém suas sandálias lhe incomodavam na corrida, então ela as retirou ainda em parar de correr e as segurou com uma mão enquanto a outra segurava a barra do vestido.

 

Assim que chegou no local onde deveria ser o luau apenas viu um lugar destruído e molhado, as pessoas estavam no chão, algumas desmaiadas e outras afogadas, a única que estava seca e em pé era uma certa Ruiva em cima do palco.

 

-LILITH! - Daphne gritou chamando a Ruiva que estava de costas para o palco, correu até a Menina não se importando se iria pisar em algum caco de vidro ou algo que a pudesse machucar, apenas queria chegar até a Amiga e a reconfortar. - Lilith...o que houve aqui? - Chamou novamente a menina, seu tom de voz era confuso e amistoso, tinha que fazer ela se sentir calma.

 

Lily abraçava o próprio corpo enquanto soluçava alto, seu corpo inteiro tremia.

 

-E-Eu...e-eles não...eles… - Ela tentava dizer algo, mas não conseguia montar frases inteiras - O-O R-Richie…á-água… - Ela logo começou a chorar mais alto colocando as mãos nos olhos - E-Eu não que-quero ver o que fiz Daph, eu machuquei as pessoas…

-Lily… - Daphne também estava assustada, mas tinha que ajudar a Garota a sair dessa e arrumar uma solução para seu problema o mais rápido possível. - Vem, vamos sair daqui, está tudo bem agora. - Ela disse calma pegando com delicadeza no braço da Amiga.

 

-A-Alo? é da Polícia? - Uma voz ecoou pela praia, Lilith e Daphne se viraram com os olhos arregalados vendo uma Garota encharcada com uma expressão assustada e fraca, ela tinha o telefone nas mãos e se segurava em uma tocha de bambu apagada. - U-Uma Garota quase matou eu e meus a-amigos… - Ela disse já chorando e gritou quando seus olhos se encontraram com os de Lily - ELAS ESTÃO ME ENCARANDO, POR FAVOR VENHA RÁPIDO! - A Menina pediu em total desespero.

 

-VAMOS LILY! - Daphne disse pegando o pulso da amiga e correndo para longe do luau com ela.

 

-VAMOS PARA ONDE? - Lily perguntou assustada e em pânico.

 

-PARA BEM LONGE.

 

A Polícia ficava  a poucos metros da praia, então em menos de dois minutos era possível escutar a sirene dos carros em um som estridente e alto. demais, as duas Garotas apressaram o passo até chegar na entrada de uma mata, Daphne olhou séria para Lilith como se dissesse que não havia outro jeito, e então com as mãos ainda unidas elas entraram.

 

(...)

 

-Você sabe onde estamos? - Lily perguntou olhando para a mata escura.

 

-Em uma floresta densa..eu acho… - Daphne respondeu ainda andando com a Garota. - “Inferno, não consigo ver um palmo à minha frente”. - Pensou retirando os cipós que estavam dependurados em alguma árvore e escorriam até o chão.

 

Andaram mais poucos metros até pararem em uma clareira na floresta, lá podiam ver o céu estrelado por um círculo que as árvores faziam, a luz da lua-cheia iluminava um pouco o local, na clareira havia um lago também, ele possuía suas águas verdes e cristalinas, porém as águas dele pareciam brilhar como se alguma substância química e tóxica fosse jogada lá.

 

-Olhe Daphne… - Lily comentou se aproximando do lago, o brilho das águas faziam um reflexo verde em seu rosto o iluminando.

 

-Lily não se aproxime tanto! - A Amiga disse receosa enquanto seguia a Ruiva, mas se surpreendeu ao ver o lago. - Wow… - Disse surpresa com a boca aberta, Lily engoliu seco e se agachou em frente ao lago levando uma das mãos para lentamente tentar tocar nas águas, mas Daphne resolveu parar ela antes. - Lilith não! não sabemos se a água é tóxica ou oque…

 

-Ela não é… - Lily comentou com uma certa segurança no olhar.

 

-C-Como você sabe? - Daphne perguntou tentando fazer a Ruiva parar com aquilo.

 

-...Não sei...só sei que eu sei que não é perigoso… - Ela disse aquela frase confusa de um modo pensativo, e antes que Daphne pudesse dizer qualquer coisas ela mergulhou os dedos na água fazendo movimentos pela água - Viu só?

 

-Tá, tá, só vamos embora logo, temos que fugir para a minha casa, e então entraremos em contato com seu pai e com o meu - Daphne disse suspirando e virando de costas começando a caminhar em direção a saída a clareira sem olhar para trás - Quem sabe precisermos fugir, mas não importa, eu irei com você seja lá para onde você for. - A Morena disse dando um pequeno e fraco sorriso. - Tudo bem Lilith? - Perguntou finalmente olhando para trás, e então quando notou que Lilith não a seguia, pelo contrário ela estava dentro do lago, a água estava rasa e batia um pouco acima do joelho da Ruiva, ela não ia mais para o fundo, parecia hipnotizada ao olhar para algo que estava embaixo d’água pelo visto.

 

-LILY! - Daphne correu até a Amiga e parou na beira do lago. - Volte para cá!

 

-Daphne...entre aqui e olhe… - Lily disse com a voz calma, mas parecia estar admirada e surpresa com algo.

 

-Eu não vou entrar aí. - Daphne se negou batendo o pé - Volte para cá, temos que ir rápido antes que eles nos achem, e sinceramente eu que não quero fugir do FBI toda molhada.

 

Lily sorriu de canto e ergueu a mão fazendo um movimento como se desse um tapa no ar, no mesmo momento que ela fez isso um punhado de água do lago vôou em direção a Daphne como um balão de água a molhando.

 

-Se esse era o problema ele está resolvido. - A Menina disse ainda com o olhar sereno e o sorriso tranquilo na face, Daphne sabia que ela estava tão calma assim pela água, em momentos de pânico era a única coisa que a deixava calma, era como se a água limpasse todas as energias negativas do corpo da Menina e a deixasse purificada, Lily voltou seu rosto para fitar a coisa que estava embaixo d’água.

 

-Argh, eu te odeio viu! - A Morena de olhos escuros disse andando em passos firmes até o lago e parando ao lado de Lilith, porém seu rosto franzido deu lugar a um de surpresa assim que viu do que a Menina falava.

 

Era uma espécie de círculo de cogumelos brilhantes, embaixo d’água, Daphne em todos esses anos que estudou as plantas e fez aulas de Escoteira NUNCA sequer OUVIU FALAR de um círculo de cogumelos azuis e brilhantes.

 

-Mas o que é isso? - Daphne perguntou mais a si mesma do que à Lily.

 

-Eu não sei...mas é lindo… - Lilith comentou encantada e hipnotizada.

 

Estavam tão admiradas pelo círculo de cogumelos que nem notaram a Polícia chegar armada no local com dois cães farejadores.

 

-Meninas eu peço para que vocês se retirem do lago e venham lentamente até nós. - Um dos Policiais disse em uma espécie de Walkie Talkie cinza-escuro que fazia sua voz sair arrastada e mais alta.

 

Lily e Daphne se viraram assustadas e a Ruiva se enganchou no braço da Morena, não sabiam o que fazer, se se rendessem iria dar tudo errado para Lilith, provavelmente iriam prendê-la para fazer testes e descobrir mais sobre seu poder, talvez isso resulte na morte dela...já que é isso que os Humanos fazem quando encontram algo raro, diferente e belo, eles acabam com essa coisa pois acham que ela é um simples brinquedo, ou a matam pelo medo do desconhecido.

 

-D-Daph… - Lilith a chamou com a voz embargada pelo medo e pelo choro.

 

Daphne olhou para o rosto da Ruiva, os olhos cheios de lágrimas e com um brilho de medo, o mesmo olhar que uma criança inocente ou um animal indefeso lhe lança quando sente medo, antes que ela pudesse sequer abrir a boca para lhe dizer que estava tudo bem uma forte luz vinda do céu as chamou atenção fazendo elas olharem para cima e verem um helicóptero com a sua luz nelas.

 

-DAPHNE WILLIANS E LILITH CLARK, SE RENDAM. - Alguém em cima do helicóptero disse em um alto-falante.

 

-I-Isso não pode estar acontecendo… - Lily disse com os olhos arregalados em completo choque.

 

-Não me obriguem a atirar. - Um policial disse se aproximando do lago com uma arma apontada para elas.

 

-FIQUE - Ela ergueu as mãos e jogou rajadas de água no homem que de tão fortes o fez voar para trás, bateu o corpo em uma árvore a quebrando e caindo desacordado. - LONGE!

 

-VAMOS ATIRAR, ELAS SÃO PERIGOSAS! - Um Policial gritou fazendo todos os outros presentes apontaram as armas para elas.

 

-A RUIVA É UMA ABERRAÇÃO, ATIREM NELA!

 

Lilith jogou mais rajadas de água para cima quase acertando o helicóptero que desviou se desequilibrando nos céus e quase caindo.


 

-EU NÃO QUERO MACHUCAR VOCÊS, MAS NÃO SE APROXIMEM DE NÓS! - Ela disse com uma mão levantada, porém seu pulso foi segurado por Daphne que a puxou para trás.


 

-PARE LILY! - Ela gritou já com lágrimas nos olhos, vendo a Amiga ferir as pessoas daquela forma. - Não tem que ser assim...v-você não é uma Aberração…

 

Lilith com os olhos cheios de água recuou andando para trás, porém quando seu pé tocou o centro do círculo de cogumelos vagalumes apareceram misteriosamente em volta dela e eles iam se multiplicando cada segundo mais, Lilith assustada puxou Daphne para si, bem na hora um brilho muito, muito forte as envolveu cegando tanto a elas quanto aos Policiais que assistiam a cena chocados e surpresos, assim que o brilhou sumiu aos poucos eles não encontraram nada, nenhum sinal delas, o lago havia parado de brilhar e os cogumelos estavam em uma coloração acinzentada.

 

(***)

 

-O-O que?... - Daphene murmurou abrindo os olhos com dificuldade e logo em seguida olhando em volta - O-Onde estamos?

 

-Eu não tenho ideia… - Lilith murmurou se juntando mais perto da Amiga. - Mas de certeza não é a floresta.

 

-Isso eu vejo! - Ela disse observando cada detalhe da sala, principalmente o cristal situado no centro da mesma - Isso é um cristal? - Ela apontou para a grande jóia azulada se aproximando mais com os olhos curiosos. - Não parece ser nenhum que eu conheço, Chacantita? Cristal de Clinoclase? Azurita azul? Topázio azul? - Ela se questionava enquanto olhava para o cristal com uma expressão pensativa.

 

-A-Ahn, Daphne vamos sair daqui… - Lily comentou receosa ouvindo passos se aproximarem da grande sala.

 

Antes que Daphne pudesse sequer raciocinar o que a Ruiva havia dito a porta do local foi brutalmente aberta, revelando uma Moça alta. de cabelos negros com as pontas azuladas, olhos azuis, roupas curtas e estranhas em cores quentes, e ela também possuía orelhas e rabo de raposa.

 

-Hei, quem são vocês? e como conseguiram entrar aqui? - Ela perguntou em tom superior enquanto caminhava até as Meninas.

 

Lilith e Daphne olharam para a mulher confusas e logo depois se encararam em silêncio, tentavam buscar uma resposta nos olhos umas das outras.

 

-Eu fiz uma pergunta, fazem parte dos templários ou da maçonaria? - Ela disse em tom superior e autoritário parando em frente a elas com seu cajado.

 

-Maçonaria? templários? - Lilith perguntou confusa.

 

-Não entendemos o que você está falando… - Daphne disse pegando no braço de Lily que se aproximava receosa da Morena sem quebrarem o contato visual com a Kitsune.

 

-RESPONDA! - A Kitsune gritou fazendo a gaiola que estava pendurada ao cajado acender com uma espécie de fogo azulado.

 

-“C-Como ela fez isso?” - Daphne se perguntou mentalmente enquanto engolia seco, sentiu alguém apertar sua cintura e se deparou com uma Ruiva que havia gritado de medo e a abraçado por instinto.

 

-“O que Diabos ela é e onde estamos?” - Lilith se perguntava assustada, escondendo o rosto no peito de Mercy, a Ruiva tremia dos pés a cabeça.

 

-E-Estavamos n-na f-floresta quando.. - Daphne começou a explicar nervosa, mas um forte barulho a interrompeu, Miiko virou rapidamente a cabeça para a porta de saída da sala com uma expressão séria, porém podia ver que ela estava ficando nervosa com tudo aquilo.

 

-O que foi isso? - Miiko perguntou recuando alguns passos para trás com segurança enquanto posicionava o cajado em frente ao peito.

 

-Não sabemos...a-a-acabamos de chegar… - Lilith disse com medo.

 

A Kitsune suspirou alto mantendo sua calma, olhou para as Garotas de cima a baixo as analisando em silêncio e logo depois virou o rosto para uma Besta que estava ali com elas o tempo todo, mas as meninas estavam tão apavoradas que nem virão.

 

-Jamon, cuide delas, você já sabe o procedimento a se seguir. - Ela ordenou começando a andar até a saída, seus passos demonstravam confiança e superioridade, só pelo jeito de andar Daphne deduziu que ela seria uma espécie de “Chefe” de ‘Seja lá onde elas estavam’.

 

-Procedimento? que procedimento? - Daphne perguntou dando um passo para frente tentando chamar a atenção da Kitsune, mas alguém segurou seu braço com certa força. - A-Aii - Ela gemeu olhando para trás e vendo a Besta enorme, de pele escura e com cara de javali.

 

-O-O q-que são v-vocês? - Lily perguntou completamente assustada enquanto recuava para trás, porém Jamon foi mais rápido e pegou em seu braço a puxando também.

 

(...)

 

Eles desceram a enorme escadaria e as Garotas nem tentaram resistir mais, toda vez que resistiam a espécie de Homem-Javali apertava mais ainda seus braços e rosnava de forma intimidadora para elas, então apenas deixaram ser arrastadas até o local onde ele queria levar elas, que pelo que ele disse era para a “Cela” - Afinal, era a única vez que ele falou algo para elas além dos rosnados.

 

Ao chegarem no que parecia ser a prisão elas gelaram, o local escuro e úmido onde haviam algumas espécies de gaiolas que serviam como jaulas penduradas no teto e um lago com uma ponte, parecia mais uma caverna rochosa e onde não havia lago, ou seja no chão de pedra, havia uma enorme cela.

 

Ele abriu a porta da cela e jogou com brutalidade Daphne lá dentro.

 

-Heei, seu Grosso! - Ela disse irritada se apoiando nos cotovelos e encarando Jamon com raiva.

 

Ele jogou Lily em seguida, porém a menina conseguiu se segurar e não cair, ele trancou a porta com força fazendo tudo estremecer.

 

-Vocês ficar aí. - Ele disse em um tom bufante, logo em seguida ele deu meia volta e saiu da prisão.

 

Daphne rosnou e se levantou do chão indo até as grades de ferro da cela em passos pesados.

 

-A GENTE TEM PRA ONDE IR POR ACASO? - Ela perguntou em tom alto enquanto se segurava nas barras da cela.

 

-Nyah, não grite tanto. - Uma voz disse junto delas.

 

Lily recuou andando para frente e ficando ao lado de Daphne enquanto olhavam a Dona da Voz.

 

A cela onde elas estavam era de tamanho médio, escura e as paredes e chão eram havia um único banco de madeira velho e apenas uma fina cama que ficava pendurada por correntes na parede, e deitada nessa cama havia uma pessoa que se levantou se sentando na cama.

 

-Minhas orelhas são uma parte muito sensível do meu corpo, podem parar de gritar suas Escandalosas?

 

A Garota tinha uma aparência exótica, cabelos brancos, olhos heterocromático e orelhas e rabo de gato, vestia um uniforme sujo e “sexy” de empregada.

 

-V-V-Você… - Lily balbuciou assustada com os olhos arregalados.

 

-Q-Quem é você?... - Daphne perguntou tentando manter a calma.


-Sou quem vai rasgar a pele de vocês durante a noite se não calarem a boca. - A Neko disse em tom calmo enquanto lambia as costas da mão, sentiu que as Garotas se arrepiaram pelo medo e levantou o olhar para elas dando um maldoso sorriso de canto - Miau.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.

Elogios, Teorias, Ideias, perguntas e Críticas (Construtivas) são sempre bem vindos nos comentários, irei responder todos. ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...