História Our New Fate - Capítulo 40


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kim Woo Bin, Lee Jong Suk, School 2013
Tags Binsuk, Heungsoon, Jongbin, School 2013, Woosuk, Yaoi
Visualizações 114
Palavras 2.852
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Disclaimer: A história original (na que essa fanfic é baseada) e seus personagens não pertencem a mim e sim aos responsáveis (Direção / produção / roteiro / etc) pelo drama "School 2013"

Música: “Youth” - Troye Sivan

Capítulo 40 - Apenas uma noite


Fanfic / Fanfiction Our New Fate - Capítulo 40 - Apenas uma noite

“E se, e se nós formos difíceis de encontrar?

E se, e se enlouquecermos?

E se a gente deixasse-os pra trás

E eles nunca forem encontrados?

 

Nam Soon não tinha certeza se o gosto de álcool estava vindo de sua boca ou da de Heung Soo, mas estava certo de que o cheiro pertencia a ambos quando Heung Soo fechou a porta daquela pequena cabine do banheiro.

"O que você tá fazendo?" Nam Soon sussurrou em um sibil baixo, suas palavras chegando ao ouvido de Heung Soo e lhe causando arrepios assim que se aproximou de Nam Soon dentro daquela cabine, sem dar a mínima para os olhares curiosos que os viram entrar. Embora, na cabeça de Heung Soo ele havia sido completamente discreto - ele definitivamente não notou o quão barulhento eles tinham sido no caminho até o banheiro.

Mas isso não importava agora - o que importava eram os dois dentro desse pequeno espaço, com a porta propriamente trancada atrás deles.

Aqueles lábios macios, Deus, Heung Soo simplesmente não conseguia ser racional nesta situação. Claro, provavelmente o álcool estava tendo uma grande influência nisso. No entanto, ele não iria mais discutir com Nam Soon. Pelo menos agora, ele nem ao menos se lembrava que havia brigado antes.

Nam Soon segurou o casaco de Heung Soo com as mãos, puxando-o para mais perto, movendo seu quadril ao seu encontro e mordendo os próprios lábios em resposta à excitação de Heung Soo.

Heung Soo sentiu quando Nam Soon desesperadamente começou a puxá-lo para baixo. Não com muita força, mas apenas o suficiente para que Heung Soo captasse seu sinal. E se ele estivesse um pouco menos bêbado, ele provavelmente teria percebido que este não era o lugar certo para isso.

Mas Heung Soo nem sequer pensou duas vezes, e seus joelhos já estavam no chão. Sim, ele estava dentro de um banheiro público, e provavelmente eles não entraram tão discretamente quanto Heung Soo pensava, mas ele nem pensou duas vezes quando levantou a camisa do mais jovem, tocando seus lábios em sua pele branca e macia, beijando-o e sentindo seu perfume, apenas a um passo de abrir suas calças nesse exato lugar.

Ele se perdeu naquela pele, suas mãos segurando sua calça com força, respirando sobre seus músculos magros e olhando em seu rosto, observando seus olhos fechados e lábios macios abertos enquanto Nam Soon respirava descompassadamente, suas mãos segurando o cabelo de Heung Soo, puxando-o para mais perto e curvando seus quadris.

Os lábios de Heung Soo estavam lhe causando pequenos arrepios, todo seu cabelo chacoalhando enquanto sua respiração quente roçava contra seu barriga.

E lentamente, as mãos de Heung Soo estavam abrindo seu zíper, certificando-se de tocar o máximo que pudesse de seu membro escondido por suas calças. O suspiro de Nam Soon veio baixo, mas fez o coração de Heung Soo acelerar três vezes mais.

O álcool estava provavelmente fazendo-o perder completamente o pudor, e as paredes ao seu redor já não estavam nem mais em foco. As vozes eram altas, mas Heung Soo não conseguia compreender nenhuma delas. Somente Nam Soon, seu sorriso, gemido sensual e olhos vivos eram as única coisas que estavam fazendo sentido para ele.

Entretanto, provavelmente deveria ser a décima vez que alguém batia na porta da cabine. Na verdade não estavam apenas batendo - era alguém a esmurrando e chamando pelo nome de Nam Soon.

Heung Soo realmente tentou ignorar a princípio - e também Nam Soon. Quem quer que estivesse batendo acabaria desistindo, certo?

As mãos de Heung Soo desceram pelo quadril de Nam Soon, tocando sua pele macia por baixo de sua camisa, segurando-o com força. Ele pressionou seus lábios contra sua barriga, sentindo seu perfume, tentando aproveitar cada segundo e ignorando as batidas insistentes na porta. Mas, ao contrário do que ele pensava, elas definitivamente não pararam.

"Nam Soon, abre a porta!", alguém o chamou, e Nam Soon estava muito perdido nos toques de Heung Soo para reconhecer a voz. Mas a este ponto, os dois já haviam percebido que teriam que abri-la.

Heung Soo levantou-se contra sua vontade, olhando profundamente nos olhos de Nam Soon antes de abrir a porta.

 

“E quando as luzes estão piscando

Como em uma cabine de fotos

E as estrelas explodirem, vamos ser à prova de fogo”

 

Yoon Jae estava os encarando através da porta. Seus olhos foram para o mais novo e então para Heung Soo, sem saber se ficava irritado ou ria da situação.

"Que merda vocês tão fazendo?" Ele perguntou, dando espaço para Heung Soo sair. Nam Soon se apressou em fechar o zíper de suas calças, e nem sequer tinha certeza se havia fechado corretamente quando ele saiu do cubículo atrás de Heung Soo, que se manteve inexpressivo enquanto ele se dirigia para a pia para lavar as mãos.

Joon Hee entrou no banheiro logo depois, e observou em silêncio enquanto os dois se afastavam.

Heung Soo secou as mãos na calça e olhou para eles antes de sair do banheiro, com uma nova ideia em mente.

"Vamos beber direito agora," ele disse, abrindo a porta, e olhou de volta para eles quando percebeu que não estava sendo seguido pelos amigos de Nam Soon. "Todo mundo," ele completou quando saiu do banheiro.

"Mais do que vocês já beberam?" Young Jae perguntou com um tom zombeteiro enquanto o seguia atrás do bar, com Joon Hee ao seu lado.

Nam Soon e Heung Soo pararam em frente ao bar, lado a lado, fingindo que nem sequer estavam bêbados quando todos podiam dizer por suas ações que a verdade era exatamente o contrário.

"Nos vê oito shots de tequila," Heung Soo pediu enquanto Joon Hee parava ao seu lado.

"Oito???" ele exclamou, olhando para Nam Soon e Heung Soo e depois para Young Jae em busca de apoio, "eu acho que vocês já beberam o suficiente, não acha?" ele disse desesperadamente, mas nenhum deles retrucou - eles apenas esperaram com expectativa pelas bebidas.

"São dois para cada um", explicou Heung Soo, empurrando os dois primeiros na frente de Joon Hee, que apenas observava sem palavras enquanto o barman os servia.

"De uma só vez," Nam Soon completou, antes de tomar seu primeiro shot, e sem dar tempo para Joon Hee tentar reclamar ainda mais.

 

“E se, e se fugirmos?

E se, e se sairmos hoje?

E se nós dissermos adeus são e salvo?”

 

Heung Soo acordou com um forte formigamento em seu braço. A luz do sol vinda da janela estava realmente incomodando - ele podia vê-la por baixo de sua pálpebra, e sua cabeça estava doendo muito para que ele conseguisse abrir os olhos confortavelmente. Ele sacudiu os braços outra vez tentando se livrar desse entorpecimento, mas havia alguma coisa pesada sobre ele.

"Nam Soon ah, por que você apagou as luzes?" ele murmurou, mas provavelmente foi o único que entendeu suas palavras. Ele ouviu um barulho ao seu lado, mas ninguém o respondeu direito, e o entorpecimento em seu braço estava ficando cada vez mais forte. Ele o levantou com mais força, mas agora já estava acordado o suficiente para entender que alguém provavelmente estava deitado sobre ele.

Ele abriu os olhos e ficou surpreso ao encontrar Nam Soo muito mais perto do que pensava, mas levou mais alguns segundos para perceber que ele não tinha ideia de onde eles estavam. Sentiu uma brisa gelada que provavelmente estava vindo da janela aberta da sala em que eles estavam dormindo, e notou que suas pernas estavam geladas, e só então percebeu que estava sem suas calças. Ele observou Nam Soon com mais atenção e notou que ele não estava vestindo nenhuma camisa, mas pelo menos não estava de cueca como Heung Soo, que murmurou alguns sons incoerentes antes de empurrar Nam Soon para longe dele.

"Onde a gente tá?" Heung Soo tentou perguntar novamente em voz baixa, seus olhos entreabertos enquanto se sentava. Nam Soon não teve tempo de impedí-lo, e uma reclamação alta ecoou naquela sala.

Foi só então que Heung Soo notou os outros dois meninos deitados sobre um cobertor no chão, e que ele tinha acabado de pisar nas pernas de Yoon Jae, que aparentemente acabara de acordar, assustado com o impacto súbito.

 

“A minha juventude, a minha juventude é sua

Tropeçando nos céus, bebendo das cachoeiras”

 

"O que é isso?" Heung Soo perguntou, olhando para Nam Soon que acabara de se sentar ao seu lado, ainda com um pouco de sono, e de volta para os dois meninos que estavam deitados sobre o cobertor no chão.

Mas Nam Soon não estava curioso a respeito disso. Na verdade, ele parecia mais curioso sobre o motivo pelo qual Heung Soo estava quase pelado sobre aquele sofá, que ele logo reconheceu pertencer à sala de estar de Yoon Jae.

"Por que você tá de cueca?" Nam Soon questionou, esfregando os olhos com as mãos enquanto olhava para Heung Soo, que começou a olhar ao redor, procurando por suas roupas.

"Você não se lembra?" Yoon Jae parecia estar devidamente acordado, uma vez que ele já estava sentado sobre o cobertor fazendo piadas. Mas Heung Soo não prestou muita atenção e continuou procurando por suas roupas.

Joon Hee resmungou algumas palavras não identificadas ao lado de Yoon Jae enquanto cobria o rosto com o cobertor, aparentemente ainda sonolento.

"Você decidiu que era uma boa idéia começar a fazer um strip na minha sala de estar," disse Yoon Jae casualmente, finalmente conseguindo a atenção de Heung Soo.

Heung Soo parou de olhar ao redor imediatamente, e olhou para Nam Soon antes de olhar novamente para Yoon Jae, com uma expressão desesperada em seu rosto.

"Não foi isso,” Joon Hee murmurou por baixo dos cobertores antes que Yoon Jae pudesse prosseguir com sua mentira.

Heung Soo suspirou aliviado, jogando as almofadas que estavam debaixo dele direto contra o rosto de Yoon Jae.

"Vá se foder, eu quase acreditei," Heung Soo xingou, deitando-se de costas novamente sobre o sofá e olhando para Nam Soon e Joon Hee, que finalmente saiu debaixo dos cobertores, esfregando suas mãos contra seu rosto.

"Sério, que merda que aconteceu?" Ele perguntou, olhando ao redor, tentando entender onde eles estavam. "Essa é sua casa?" Ele se certificou de perguntar a Joon Hee desta vez, sem sequer olhar para o outro, para não lhe dar a chance de enganá-lo novamente.

"Jogamos uns jogos com bebidas," Yoon Jae o interrompeu, por mais que Heung Soo tenha tentado ignorá-lo. "E sim, é a nossa casa." Ele disse, enquanto Heung Soon revirava os olhos, certificando-se de se prometer a nunca mais beber assim.

Ele sabia que não cumpriria. Mas, por enquanto, com sua cabeça doendo dessa forma, e a última coisa que ele se lembrava sendo eles bebendo tequila no bar, ele fingiu para si mesmo que seria a última vez. "Você viu minhas roupas?", Ele decidiu se prender a esta questão importante, se levantando para procurar por elas.

Yoon Jae deu de ombros, enquanto Heung Soo olhava em volta. Nam Soon olhou para o lado, mas não foi de muita ajuda - ele nem sequer se levantou do sofá. No entanto, Heung Soo as encontrou rapidamente, jogadas ao lado do sofá, junto com outras roupas que poderiam pertencer a qualquer um dos outros três.

"Onde é o banheiro?" Heung Soo perguntou um pouco mais educadamente agora, mesmo que estivesse vestindo suas calças - um pouco desesperado, considerando que ele não queria passar nem mais um segundo de cueca na frente de todos.

Yoon Jae não se deu o trabalho de falar - ele apenas apontou para uma porta ao lado direito da sala.

 

“Porque nós não temos tempo para envelhecer

Corpos mortais, almas eternas

Cruze os dedos, aqui vamos nós”

 

Foi uma sensação refrescante quando a água fria da pia trocou em seu rosto. A cabeça de Heung Soo estava doendo e ele ainda estava um tanto tonto, então, de fato, era uma sensação de alívio.

Ele deu espaço quando alguém entrou no banheiro, mas Nam Soon não veio para lavar o rosto. Ele tinha uma expressão apreensiva e, se Heung Soo pudesse adivinhar, ele arriscaria dizer que ele parecia um pouco envergonhado.

"Precisamos conversar," disse Nam Soon, num sussurro baixo. Heung Soo secou o rosto nas mangas e concordou, olhando para o mais novo.

Nam Soon mordeu o lábio, olhando para seus pés antes de encarar o outro novamente.

"Desculpa por não ter te perguntado antes," Ele murmurou, olhando para os pés novamente. Depois de todos esses dias, por algum motivo tornou-se mais difícil admitir que ele estava errado. Mas foi uma decisão terrível de sua parte agir dessa maneira, então não havia desculpas restantes para isso. "Eu fui bem idiota... Mas..." Nam Soon tentou olhar para cima, mas algo fez ele grudar seus olhos na pia em vez disso. "... onde você foi naquela noite?" Porque, mesmo que ele tenha agido como um imbecil, Heung Soo mentiu para ele primeiro. E agora, ele estava esperando por uma boa explicação da parte de Heung Soo.

Heung Soo suspirou, incapaz de esconder sua frustração. Ele realmente não queria que Nam Soon soubesse... Ele poderia estar em qualquer lugar naquela tarde, mas por que ele tinha que vê-lo chegar naquele minuto exato dentro do táxi?

Então ele provavelmente não tinha outra escolha agora, apenas lhe dizer toda a verdade. Ele só esperava que isso não fizesse Nam Soon mudar. Ele esperava que ele não fosse ficar ainda mais apreensivo quando Heung Soo agisse muito intimamente para seu gosto em público... Mas, honestamente, ele não tinha certeza nem de que ele próprio não havia mudado.

No entanto, quando olhou dentro dos olhos de Nam Soon naquele banheiro durante esses poucos minutos, sentiu que tudo que havia acontecido realmente não importava.

 

“A minha juventude, a minha juventude é sua

Fuja agora e para sempre

A minha juventude, a minha juventude é sua

A verdade fala tão alto que você não pode ignorar”

 

Joon Hee já estava completamente acordado quando eles voltaram para a sala de estar, juntando várias garrafas vazias que estavam espalhadas pelo apartamento.

"Realmente, o que aconteceu aqui..." Heung Soo reclamou, notando a bagunça só agora, e começando a ajudá-lo a juntar todas as garrafas que estavam jogadas no chão, ao redor do cobertor que Yoon Jae e Joon Hee dormiram.

"Você realmente não se lembra?" Joon Hee perguntou enquanto ele se aproximava com uma sacola nas mãos para jogar as garrafas. Heung Soo deu de ombros, olhando para Nam Soon, que apenas sacudiu a cabeça enquanto vestia seu casaco que acabara de encontrar jogado sob o sofá.

"Não tenho ideia," ele disse. Honestamente, ele mal se lembrava de quando beberam aquelas tequilas juntos. Foram apenas alguns flashbacks, como se realmente não tivesse acontecido com ele.

"Então você não se lembra de nada que aconteceu na balada?" Yoon Jae riu. Ele se lembrava de tudo que havia acontecido, embora não tivesse tanta certeza se se lembrava de tudo o que aconteceu aqui no apartamento. Ele bebeu muito, mas começou com os shots de tequila. Não foi como Nam Soon e Heung Soo, que já estavam bêbados naquele ponto.

"Eu lembro até começarmos a beber a tequila no bar..." Heung Soo murmurou, olhando para Nam Soon e tentando se lembrar de alguns fragmentos daquela noite, "mas depois disso, é como se eu tivesse tido um apagão..." ele disse, e Nam Soon apenas balançou a cabeça de acordo.

Yoon Jae mostrou um sorriso sarcástico e lançou um olhar para Joon Hee antes de encarar Heung Soo mais uma vez, "Então, você não se lembra quando você puxou Nam Soon de Pierre, quando ele não fez nada além de ficar lá nos olhando beber e disse que ele nunca teria a rola do Nam Soon?" Yoon Jae fez um som abafado, que se pareceu muito com uma risada reprimida, e logo ele não estava mais reprimindo nada, já que até Joon Hee estava rindo, aparentemente se lembrando da cena. Nam Soon não sentiu como se ele pudesse rir e olhou para Heung Soo em reprovação, mas não conseguiu pensar em nada para dizer, já que ele não se lembrava de nada. Até onde sabiam, poderia até ser os dois inventando coisas para tirar com a cara deles. Mas Heung Soo não pensou nessa possibilidade, e apenas encarou os três, estático.

"Ai, Deus, eu não quero saber", Heung Soo disse com vergonha quando jogou as três últimas garrafas fora. Ele olhou ao redor, finalmente percebendo que seu celular estava desaparecido desde que ele acordou.

"Algum de vocês viu o meu celular?" Ele perguntou quando olhou em volta. Nam Soon não prestou muita atenção e voltou ao sofá quando, aparentemente, Heung Soo o encontrou jogado debaixo da sua jaqueta sobre uma mesa ao lado do sofá.

E sua expressão que parecia um pouco divertida a princípio, mudou completamente para uma de preocupação. Ele olhou para algo em seu telefone e se virou para Nam Soon.

"Nam Soon ah ... Eu acho que temos que ir".

 

“E se, e se a gente começar a dirigir?

E se, e se nós fecharmos nossos olhos?

E se estivermos ultrapassando o sinal vermelho ao paraíso?”

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...