História Our Truth - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cameron Dallas, Fifth Harmony, Shawn Mendes, Teen Wolf
Personagens Alan Deaton, Ally Brooke, Bobby Finstock, Breaden, Cameron Dallas, Camila Cabello, Chris Argent, Cora Hale, Derek Hale, Dinah Jane Hansen, Isaac Lahey, Jordan Parrish, Kira Yukimura, Lauren Jauregui, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Melissa McCall, Normani Hamilton, Peter Hale, Scott McCall, Shawn Mendes, Sheriff John Stilinski, Stiles Stilinski
Tags Laurek, Scira, Shawmila, Stydia
Exibições 16
Palavras 1.598
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oinheee
Ok, não aguentei esperar até quinta ou sexta :3
Espero q gostem!
Boa leitura!

Capítulo 2 - It's My Fault


Fanfic / Fanfiction Our Truth - Capítulo 2 - It's My Fault

P.O.V. Derek

Acordei nu no meio da floresta. Que diabos aconteceu aqui?

- Merda - sussurrei. Olhei para o lado e vi minha mochila. Abri-a imediatamente, à procura de roupas. – Graças à Deus!

Me vesti em menos de cinco minutos. Enquanto caminhava, encontrei uma garota deitada no chão, do lado de um carro. Seu tornozelo sangrava. Havia marcas de mordidas no mesmo. Meu coração batia mais forte. Eu posso ter mordido a garota. Aproximei-me dela. Seu coração ainda batia, seus olhos estavam fechados. Soltei um suspiro de alívio, tivemos sorte de ela ainda estar viva. Cutuquei seu ombro, nenhum movimento. Chamei-a e não tive resposta, estava desmaiada. Caminhei até a porta de uma casa, senti o cheiro da garota. Deduzi que esta seria sua casa. Peguei-a no colo cuidadosamente, e para minha sorte, a porta estava destrancada. Abri a mesma, deitei a garota em um sofá próximo e saí da casa. Após fechar a porta, imediatamente pensei em contatar Scott.

Enquanto ia para a casa dos McCall, vi um corpo. Estava negro, com os olhos inteiramente brancos e lábios roxos. Era mais uma vítima. Não sabíamos quem ou o quê havia matado trinta e sete pessoas, ou melhor, trinta e oito. Ignorei o corpo e segui em frente, não queria mais problemas com a polícia.

Eu finalmente havia chego na casa. Apertei a campainha e Melissa atendeu-me.

- Olá, Derek! – ela disse com um sorriso. Retribui o sorriso e respondi:

- Boa noite, Sra. McCall. Scott está?

- Sim, irei chamá-lo. – ela disse e subiu as escadas. – Scott! Derek está aqui!

- Ok, mãe! Valeu! – ele respondeu. Em seguida, Scott apareceu descendo as escadas junto a Stiles.

- O que aconteceu? – Scott perguntou.

- Eu simplesmente acordei na floresta e vi uma garota com o tornozelo sangrando, com marcas de mordida. Carreguei-a até sua casa, e no caminho até aqui, encontrei mais um corpo. Eu a mordi. Tenho certeza absoluta disso. – eu disse com remorso na voz.

- Derek, acalme-se. Você não sabe se faz isso ou não, não se culpe por isso. – disse Scott. – Mas ela estava viva?

- Sim, estava apenas desmaiada. – respondo.

- Menos mal. E o corpo? – Stiles perguntou.

- Estava como os outros. Mesma situação, mesmo assassino. Bom, vou indo, pois irei investigar o que aconteceu com a garota.

- Você irá vigiá-la a noite inteira, não é? – disse Scott.

- Me sinto muito culpado, de verdade. Preciso ao menos ver se está bem. – respondi.

- Ok, tchau. – disse Stiles.

- Até logo! – disse Scott.

- Adeus. – despedi-me e saí da casa de Scott. Eu nunca estive tão preocupado com alguém desde quando terminei com Breaden. O que ela fez machucou-me muito.

[Flashback on]

Liguei várias vezes para ela e ninguém atendeu. Será que está bem? Ou está correndo perigo? Estaria Breaden morta? Não aguento mais. Irei procurá-la. Assim que abri a porta de casa, me deparei com uma bela cena.

- Breaden?

-Oh, meu Deus! Derek, me desculpe! – ela disse. Não acredito no que acabei de ver. Breaden estava me traindo. Ela estava beijando outro homem. Era óbvio que estava bêbada. Retornarei para Beacon Hills.

- Não. – respondi e dei um passo para trás quando ela esticou o braço para tocar-me. – Não me toque. Não me procure. Finja que não existo. Esqueça tudo o que tivemos. E eu... – ri com desdém. – estava preocupado com você... sou um idiota, não é?

- Não! Por favor! Eu lhe suplico! – ela implorou em meio às lágrimas, se ajoelhou a mim, e abraçou minhas pernas. Se eu queria chorar? Sim. Mas eu iria? Não. Sou orgulhoso demais para fazer isso. Empurrei-a e soltei-a de minhas pernas. Olhei-a com repugnância, entrei na casa, arrumei minhas coisas rapidamente, peguei a chave do carro, saí de casa, abri a porta do carro e dei partida.

- Derek, não! – Breaden berrou enquanto eu saía. O indivíduo já havia ido embora. Eu me segurei para não espanca-lo. Normalmente, eu já teria batido muito nele. Eu estava preocupado com ela e recebi um par de chifres como retribuição. Deixei uma lágrima escorrer pelo meu rosto. Eu achei que já tinha sido machucado antes, com o assassinato de minha família. Mas nada me doeu tanto quanto a traição.

[Flashback off]

Só de relembrar o ocorrido, meu sangue começa a borbulhar. Mas agora nada disso me importa mais. Como dizem, não adianta chorar pelo leite derramado. Assim que avistei o telhado da casa de madeira no meio da floresta, ignorei todo os meus sentimentos negativos. Minha preocupação agora é outra. Estaria a garota bem? Viva? Não quero causar a morte de alguém inocente novamente. O que aconteceu com Paige me dói até hoje. Mas sou orgulhoso demais para demonstrar dor ou medo na frente dos outros.

A luz da casa estava acesa. Eram 01:24. Vi uma sombra pela cortina. Senti um alívio enorme ao ver que estava viva. Logo em seguida, a vi deixar a casa. Me escondi atrás de uns arbustos. Ela olhou em volta, para ver se não tinha alguém a vigiando. Desceu os quatro pequenos degraus de sua casa, andou em minha direção, mas passou pelo lado. Em menos de um minuto, ela havia sumido de vista. Levantei-me e passei as mãos nas calças sujas de folhas secas.

- O que quer comigo? – ela disse com uma faca na mão, imediatamente levei um susto e virei-me para trás, ficando face-a-face com ela. – Por que está me seguindo?

- Olhe... não é o que você pensa... – eu disse, ela revirou os olhos e arqueou uma sobrancelha, como se estivesse dizendo “ Uh-huh, acredito em você.” de um jeito sarcástico. – Vou lhe dizer a verdade. Te vi desmaiada há algum tempo atrás, e voltei para ver como estava.

- Então você me carregou para dentro? – perguntou e sua expressão mudou, como se eu estivesse em um interrogatório policial e ela era a policial.

- É... sim. – respondi.

- Agora me responda: quem é você? – ela perguntou. Caramba, que garota mais curiosa!

- Sou Derek Hale. E você é...

- Lauren Jauregui. Obrigada por ter me ajudado. Mas, por favor, não se esconda mais. Você realmente me assustou. Eu poderia ter te matado. Cuidado, Hale. – ela disse e com sua última frase, olhei-a como se perguntasse se estava falando sério. Abusada...

- De nada. E... cuidado, Jauregui. – disse e ela ficou boquiaberta. Me olhou com raiva e disse:

- Tchau, já pode ir.

- Tchau. Mas saiba que a floresta é um local público. – disse, virei-me e fui embora até meu loft.

Chegando lá, joguei minhas coisas em cima da mesa, sentei-me no sofá e fiquei pensando silenciosamente no que aconteceu na floresta. Em um momento, eu estava em minha antiga casa de dia e acordei no meio da floresta de noite. Havia alguma possibilidade de eu ter sido possuído. E havia também a possibilidade de ter mordido e transformado Lauren. Ela tinha sido cautelosa quando conseguiu me assustar, aparecendo do meu lado. Eu não havia percebido, não havia escutado algum barulho sequer. Deixei-me levar pelos pensamentos sobre ela. Ela tem uma personalidade forte, é desconfiada, curiosa e esperta. Seu jeito chamou minha atenção, além de ser linda .Devo estar louco. Por que diabos estou pensando em como ela era linda? Mas todos os pensamentos foram embora quando ouvi uma batida na porta. Suspirei, levantei-me e abri a porta.

- Lembra quando você encontrou um corpo? Então, encontraram mais um. – Stiles disse.

- Parece que há um padrão todos os corpos são de pessoas que mataram ou tiveram pessoas mortas na família. Eu e Stiles estávamos na casa dele e ouvimos o que o Xerife disse. Nisso, começamos a ler os dossiês e conseguimos fazer as relações entre as vitimas. – disse Scott. Minha expressão ficou sombria. Lauren.

- Eu fui possuído e transformei Lauren. – eu disse.

- Quem é Lauren? – pergunta Scott.

- A garota da floresta.- respondi

- Então vocês se conhecem? – pergunta Stiles.

- Ela percebeu que eu estava a vigiando. Veio sorrateiramente até mim para perguntar quem eu era e o que queria com ela. Expliquei o que aconteceu, mas o mais estranho, foi quando eu não ouvi os passos dela quando vi que ela saía de casa, ela havia me percebido.

- Bom, pelo menos ela está viva. – concluiu Scott e assenti com a cabeça.

- Minha única preocupação é se ela tem chances de ser possuída também. – eu disse.

- Derek! – Cora entrou correndo e logo veio me abraçar. – Como estão as coisas? Eu estava morrendo de saudades! E como Breaden está?

- Fora o fato de que algum demônio saí por aí possuindo pessoas, de eu ter sido possuído e ter transformado uma desconhecida, as coisas estão ótimas. Ah, terminei com Breaden. – respondi e ela fez uma cara triste. Lancei um olhar que dizia “não quero falar sobre isso”.

- Ok. Então... é... por que os dois estão aqui? – ela perguntou.

- Um demônio possui pessoas e blábláblá. Mata apenas assassinos e pessoas que têm um morto na família. A gente acha que seu irmão foi possuído. Fim da história. – Stiles disse. – Isso é tudo, pessoal! Vamos, MaScott.

- Só não te mato porque é meu melhor amigo. – Scott disse fuzilando-o com os olhos. Cora deu uma risadinha. Olhei os dois com raiva. – É melhor a gente ir. Tchau!

- Valeu, falou. – Stiles disse.

- Tchau! - Cora disse.

- Vão logo, senão eu que vou matar Stiles. E Scott também. – eu disse e eles saíram rapidamente. Ouvi Stiles dizer “Ele tá apaixonadinho na Lauren... Hehehehehe...” – Stiles, eu ouvi isso! Cale a boca ou irei cortar sua garganta com os meus dentes!


Notas Finais


E aí???
Gostaru???
Comentem, favoritem, comparthilhem pq assim vcs me ajudam mtooo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...