História Outro Lado da História - Imagine Park Jimin - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin
Tags Bangtan Boys, Bts, Imagine, Imagine Bts, Jimin, Park Jimin, Sexo, Staygirl, Você
Visualizações 441
Palavras 1.602
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá Stayzitos, tudo bem com vocês?

Meus amores, queria pedir perdão pela grande demora para atualizar a fanfic, mas como quase metade de vocês sabem eu entrei de Hiatus, pois estava passando por alguns problemas pessoas. Mas já retornei e foi com tudo, estou atualizando várias fanfic e postando muitas outras rsrs.

Queria agradecer também, pelo carinho imenso que a fanfic recebeu apenas com Prologo, também queria agradecer pelos elogios de vocês sobre a escrita e talz. Sério, muito obrigada mesmo pelo amor que estão me dando.

Boa leitura =

Capítulo 2 - 1. Histórias que minha avó contava.


Fanfic / Fanfiction Outro Lado da História - Imagine Park Jimin - Capítulo 2 - 1. Histórias que minha avó contava.

— A tempos atrás a alcatéia do sul, entrou em guerra com do norte. As duas brigam sem parar, e estão com isso até hoje. O alfa da alcatéia do sul, matou uma das princesas alfas, e estão com uma rivalidade até hoje. Eles não sabem quando poderão deixar isso de lado, simplesmente foi uma vida a qual acabou.

— Porque isso aconteceu vovó? Porque ele matou a alfa?

—   A jovem pertencia a ele, mesmo sem ter uma mordida, eles dois se amavam, porém, ela conheceu outra pessoa. Outro alfa entrou em sua vida, e desde então, ela se apaixonou por ele. O que deixou ele magoado com ainda mais raiva, quando viu com seus olhos negros a mulher o traindo, ele não recuou em questão de matar ambos. Isso causou um conflito de alcateias poderosas, querendo ou não, a alcatéia do sul e do norte, são as mais fortes que tem.

— Ninguém nunca comentou nada sobre essa briga. Tipo, entrou em um acordo para se unirem?

— Não! E talvez continuará assim, por um longo tempo…

Lembrava das várias histórias que minha avó dizia, cada dia era uma diferente, mas sempre envolvendo coisas sobrenaturais, parecia que ela queria nos assustar com tais palavras. Mas a última história dela foi a que mais me intrigou.

Duas alcateias brigadas, dois alfas que não se falam. Eu jurava por tudo que era mais sarados que alcateias eram juntas, que defendiam cada um deles, mas por um simples amor, tudo mudou. Agora, me pergunto, como eles devem estar agora? Ou se os humanos já acabaram com ambas das alcatéia.

Ou se até mesmo, elas duas não tomaram direções diferentes, cada uma esteja para um lado. Pelo que me lembre, essa história foi passada em mil setecentos e oitenta e cinco, a vários anos atrás, essas pessoas não podem estar vivas até hoje, não depois de tanto tempo. Suas alcateias devem está correndo perigo agora, ou até mesmo não existindo mais. Dizem que alcateias forte, não se acabam facilmente, mas depois de quatro séculos, ela não deve mais existir.

Fecho o livro a qual ela tinha me entregado, deixando de volta na prateleira a qual tinha. Hoje vovó viria até minha casa novamente, pedi para não vim, mas como é teimosa, ela vem. Disse que gostaria de me contar outra história, falei para ela que não estava no ânimo de ouvir. Já fazia tempo que ela não me contava histórias, mas só agora está querendo me dizer algo.

Ouvi a campainha de minha casa ser ecoada pelos cômodos, ela chegou. Desço para o andar de baixo e assim que abro a porta, encontro ela com um imenso sorriso.

— Entra vovó. — Disse sorridente abrindo caminho para a mesma, assim que entra passa a admirar a casa. — Estar tudo como antes, não quis mudar nada na decoração.

— Gostaria bastante que deixasse a casa como gostaria que fosse, não é porque passei ela para o seu nome, que não deixarei mudar o que gostaria.

— Como sempre, teimosa. — Rimos. — O que gostaria de me contar? — Ofereço o sofá para se sentar.

— Não é nada demais. Pedi para passar uma noite com a neta que tanto amo, então como não gostaria de ficar sem nada para dizer, pensei em outra história a qual me contaram.

— Prossiga!

— Lembraste da história de lobos? A qual ambas das alcateias estavam em conflito? — Concordo. — Existe um dos lobos a qual vive na escuridão, ele não se revela, não se mostra para ninguém. Porém, acaba com a vida de todos aqueles que tocam em sua amada.

— Porque ele faz isso? E porque não se revela para ela?

— Por que ela é uma humana, a qual está destinada a ele desde que nasceu. Estão prometidos um para o outro, mas ele precisa ter a oportunidade perfeita para poder se mostra a ela.

— O que aconteceu com ele? O expulsaram da alcatéia?

— Ele é o alfa da alcatéia. Mas resolveu manter-se afastado de todos, pois não tem controle com sigo mesmo, seu lado alfa é forte de mais para ele se controla. Todos têm medo dele, pois seu lado lobo e o mais forte que existe.

— Ainda não entendo isso. Se ele é o alfa, não deveria se esconder, nem ao menos sair da alcatéia.

— Ele fez isso, para a segurança de todos. A única pessoa a qual pode torná-lo ele a pessoa de antes é sua amada. Ele estar se tornando uma pessoa sem controle por sua causa, enquanto ela não souber de nada, ele não pode se controlar.

— Mas vovó, se ele estar assim por causa que ela não estar com ele, então por qual motivo ele não diz tudo a ela?

— Porque a hora certa ainda não chegou, minha neta. — Vejo a mesma se levantar caminhando para a cozinha.

— Espera vovó, continua a história. Eu precisa saber o resto.

— Por hoje é só isso minha neta, amanhã te contarei mais.

— Amanhã estarei trabalhando, não ficarei em casa. — Comentei meio triste.

— Por isso que disse isso. — Ela riu para mim antes de subir para seu quarto. Reviro meus olhos.

Decido pegar algo a mais para comer, olho pela janela que estava aberta vendo o anoitecer cair. Estava tudo escuro lá fora, só o vento fazia algum sinal, vejo que deixei a luz da cabana aberta. Saio de casa caminhando para o fim da casa, desligo as luzes mas algo me chamou atenção.

Olho para o monte e lá mesmo vejo uma luz forte me chamar atenção. Como alguém consegue subir esse monte ainda por cima em um frio desse? A luz mudava de cor indo para o vermelho. Como isso foi possível? O vento forte bateu em meu corpo, decidi entrar para dentro quando meu corpo reagiu negativamente com o frio.



(...)



Saio de casa apressada ao notar os ponteiros marcarem sete em ponto. Mais uma vez, chegarei atrasada no emprego, preciso dormir cedo a partir de hoje, mais um atraso meu, e serei demitida. A floricultura era o que me mantia de pé, e o que me trazia dinheiro. Infelizmente, não pude fazer uma faculdade a qual desejava, mas depois de tudo, conseguiu um emprego e uma casa para morar. Mesmo a casa sendo de minha avó, isso ainda me permite dizer minha casa.

Mamãe achou melhor para ela ficar em casa de idosos que tem aqui perto. Eu disse que poderia ficar com ela, mas minha vó mesmo quis assim, então apenas concordei, entendendo sua privacidade. Depois que foi morar em outra casa, ela passou sua casa para meu nome, disse que eu merecia uma coisa em meu aniversário. Gostei bastante do presente, assim não precisava comprar uma casa.

Mesmo com meus vinte e um anos, ainda acho meio difícil viver sozinha ou ter que colocar minha vida de pé. Sinto falta de quando morava com meus pais, lá era meu porto seguro e eu não precisava viver isso tudo. Agora sim, eu entendo o que minha mãe falava quando eu fosse enfrentar tudo sozinha. Desço do ônibus assim que ele passou pela floricultura, ainda não comprei meu carro, mas pretendo. Corro para a loja que tinha aberto a pouco tempo.

— Outra vez atrasada _________? — Ela cruzou os braços ao me vê entrando na loja.

— Desculpe senhora. Garanto que não irá mais acontecer.

— Claro que não, pois a próxima você será demitida! — Pisou com força no chão, e foi saindo da loja.

— Porque tens se atrasado tanto esses dias? Está acontecendo algo com você? Problemas pessoais?

— Não é isso Nick, eu apenas não estou tendo um dos bons sonos esses dias. Não sei o que me vem acontecendo. — Passo as mãos pelos fios do meu cabelo.

— Tenta relaxar um pouco no trabalho e até mesmo quando estiver em sua casa. Isso vai melhorar. — Ela pisca para mim antes de voltar para seu trabalho. Sigo os passos da mesma voltando ao meu trabalho também.

Quando o relógio marcava sete da noite, já era a hora de fechamos a loja. Nick me ofereceu uma carona, porém não aceitei porque iria passar em uma livraria logo após. Termino de fechar a loja e vou até a livraria mais perto daqui. Estava com uma imensa vontade de ler algo relacionado a lobos, nesses dias para cá, essas coisas tem me chamado atenção.

Assim que entro em um becos que tinha para chegar lá, vejo algumas pessoas sentadas no chão. Pareciam estar fumando ou bebendo, dou meia volta antes que eles me notem. Porém, um deles gritou alto o que me fez virar de volta.

— Moça me ajuda. — Ele comentou em desespero. Sem muito pensar, corro até onde ele estava.

— Estar tudo bem com você? — Perguntou colocando as mãos em seu braço. Mas ele acabou me derrubando no chão, ficando por cima de mim. — O que estar fazendo? Me solte.

— Cala boca gatinha. Você é muito ingênua. — Riu enquanto outros homem cobriam minha boca.

Só o que fiz nessa hora foi fechar meus olhos, deixando as lágrimas saírem. Eles iria me violentar, ou chegar a coisas piores. Como sendo uma mulher sem muita força, não poderia fazer nada. Porém, ouvi barulhos fortes, e quando abro meus olhos novamente, eles já não encontrava mais lá.

Olho por todo os lugares sem acharem eles. Pego minha bolsa e saio correndo do lugar onde estava. Meu coração batia forte e minha respiração estava ofegante. O que aconteceu nesse lugar? Onde eles foram? Quem os tirou de lá? Eram tantas perguntas que minha cabeça não calculava tudo. Porém, minhas pernas ficaram bambas e meus olhos arderam muito.

Só o que vi foi a escuridão e o chão se fazendo presente contra meu corpo. 


Notas Finais


E então? Gostaram do primeiro capítulo? Estou pensando em transforma a fanfic em um Long-imagine. Se vocês quiserem é claro ^-^

Não sei se comentei para vocês, mas fiz a fic como presente para a Dii. Então, espero de coração que você também esteja gostando @_Supreme_Bitch_

Perfil: @StayGirl


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...