História Outro Mundo - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Academia de Vampiros (Vampire Academy), Danila Kozlovsky, Zoey Deutch
Personagens Adrian Ivashkov, Christian Ozera, Dimitri Belikov, Rosemarie "Rose" Hathaway, Stan Alto, Tasha Ozera, Vasilisa "Lissa" Dragomir
Tags Dimitri Belikov, Lissa Dragomir, Romitri, Rose Hathaway, Vampire Academy
Exibições 42
Palavras 3.180
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


olá olá amores
Aqui um extra com o pov do russo se explicando e ficando mais atordoado do que nunca.
Boa leitura <3

Capítulo 11 - Extra - Pov Dimitri - Confusões


    Suspirando com tamanha irritação, e pedindo a Deus paciência para lidar com Rose, eu saí do ginásio e resolvi ir atrás dela já que ela estava atrasada 20 minutos. Por que ela não era capaz de chegar no horário sem ter que ser arrastada pelo seu guardião? Com certeza ela iria chegar atrasada já que Tanaka teve que se ausentar da escola durante um dia para seguir uma pista sobre um Strigoi que foi pego rondando a mansão deles.

    Rose não sabia de nada, e ninguém tinha autorização para contar, mas Abe e o conselho de guardiões da corte já tinham descoberto algumas pistas significativas sobre alguns Strigois que estavam a mando do Strigoi que ameaçava a vida da minha protegida e de Rose. Como Vasilisa era minha protegida, eu ficava a par de tudo o que acontecia, mas não podia me ausentar da Academia, o que era no mínimo frustrante porque eu sentia falta de estar em ação. 

    Eu não fazia ideia de onde Rose poderia estar, mas quando eu passei por uns arbustos, eu ouvi a voz da princesa murmurar algo e depois a voz de Rose.

 -Derek Ryan. - Ela disse rápido, como se estivesse contando um segredo. Quem era esse? - Ele é da minha antiga escola, capitão do time de basquete. 

Como? 

Contrariando toda a minha ética, e até a minha dignidade, eu continuei parado e tentei visualizar as duas. Elas estavam em pé e agiam como verdadeiras cúmplices.

-Ah! - Lissa soltou alguns gritinhos e bateu palmas - Me conte tudo!

Um lado meu, o racional e de boa ética, me disse para seguir em frente e levar Rose para o treino, mas um outro lado, o irracional e que eu desconhecia e o odiava pelo simples fato dele parecer obcecado em escutar a conversa e saber mais sobre esse Derek Ryan, me instigou a continuar ali. 

  -Bem, nós tivemos que fazer par para um trabalho de química, ele era legal e rolou. Ele era o mais concorrido da escola. - Rose riu e tinha um tom de voz nostálgico - Ele era gentil, carinhoso, engraçado e sabia me respeitar. Ele nem se importou com o fato de na época terem espalhado um boato que eu dormi com o time inteiro de futebol americano quando na verdade eu só fiquei com dois, e esses dois eram justamente os que queriam apenas sexo. Até Dave gostava dele.

Espera! O que? Como assim ela ficou com dois garotos que só queriam sexo com ela? Como que... E por que diabos eu estou tão irritado com isso? A ideia de ter outro cara tocando em Rose despertou em mim uma pequena irritação. Oras, Dimitri, se poupe! É só uma garota, e ela pode fazer o que bem entender com o corpo dela. Mas, ela gostava desse Derek? Ele era o namorado dela? Eu só conseguia ficar cada vez mais irritado com esse pensamento. 

  -Como ele era fisicamente? - Lissa não se continha de empolgação.

  -Maravilhoso, da cor do pecado e com um bíceps de dar inveja! - Rose falou empolgada, como se verdadeiramente nutrisse alguma coisa por ele - Mas ele não... - Ela não continuou e a princesa completou a frase dela

  -Entendo. - Ela sorriu - Ele era tudo de bom mas não era o SEU tudo de bom.

  -Exatamente! - Ela riu e eu, já decidido a acabar com tudo ali mesmo, fui em direção ao campo de visão delas, fazendo com que Lissa me visse e ficasse nervosa - Lissa, você est... - Rose falou mas eu não deixei que ela completasse a frase.

  -Srta Hathaway! - Eu disse mais ríspido do que eu queria - Você está atrasada!

Eu sempre fui um homem com muito auto controle, mas naquela hora, por alguma razão que eu não sabia qual, eu perdi totalmente o meu senso e praticamente gritei com Rose por conta do seu atraso. Claro que ela não deixou barato, gritou mais alto ainda e aí eu percebi o quanto eu fui estúpido. Eu a chamei de fútil e mimada, mesmo sabendo que ela não era nada disso. 

Céus, Dimitri, o que está acontecendo com você? 

Rose não era do tipo que baixava a cabeça para ninguém, e enquanto ela falava várias coisas para mim, coisas que eu merecia escutar, eu lutava internamente para recuperar minha sanidade. Depois que ela parou de gritar, eu coloquei a minha máscara de indiferença, mas isso não ajudou em nada. Em um momento, que não passou de segundos, eu percebi ela olhando para a minha boca, e eu fiz o mesmo - E que boca linda ela tinha - Foram poucos segundos, mas eu percebi a fúria nos olhos dela dar lugar ao desejo. Ela me xingou e foi embora, me deixando na dúvida se eu ia atrás dela e exigia mais respeito ou simplesmente deixava ela ir.

Eu fui estúpido, eu sei, e sei também que eu não devia ter falado aquelas coisas para ela. Rose estava sendo ótima. Ela passou a vida toda acreditando que era humana e quando descobriu que não era, não foi de uma maneira muito boa. Apesar do esforço dela, eu percebia que ela tinha medo dos morois, percebi isso desde o primeiro dia dela aqui. Percebi também que ela se esforçava muito para parecer adaptada a esse lugar. E agora eu falei aquelas coisas sem sentido para ela como se ela fosse uma completa irresponsável. 

Respirei fundo e fui para o meu quarto pensar melhor nessa minha atitude insana. Comecei a andar de um lado para o outro, e percebendo que eu ficava cada vez mais nervoso com as conclusões que eu tomava, eu passei as mãos pelos meus cabelos e soltei um palavrão em russo. Não podia ser. Eu estava ficando louco. Ela só era uma menina que estava começando a sua vida agora e que certamente era de um mundo bem diferente do meu. 

Desde a primeira vez em que eu vi Rosemarie Mazur, eu soube que ela era linda, o tipo de menina que deixa muito adolescente descontrolado e que atrai a cobiça de caras mais velhos. No nosso segundo treino eu me repreendi por correr risco de estar classificado na lista dos caras mais velhos que a olham com cobiça, com desejo. Eu não era assim, e isso ia contra todos os meus princípios. Mas toda vez que ela aparecia para o treino eu notava a sua beleza exótica, notava no quanto seu corpo era lindo e seus cabelos perfeitos, notava as marcas de biquíni que se tornavam visíveis quando ela usava um top, abrindo caminhos indecentes para a minha imaginação. Por causa disso, de não querer ser classificado como um professor pervertido pela minha única aluna, eu procurava me manter distante, a tratando da mesma forma que eu tratava todos. Mas não era apenas o seu corpo que me atraía, era o seu humor variável e a sua capacidade de soltar piadas, era o seu esforço para cada dia melhorar e alcançar seus colegas de classe, era a forma como ela protegia seus amigos e soltava seus sorrisos irônicos e verdadeiros.

-Eu tive um ataque de ciúmes... - Eu murmurei para mim mesmo ao concluir que todo aquele descontrole se devia ao fato de eu ter escutado Rose falar de algum namorado seu - E o pior, eu estou...

Não.

Eu não ia me permitir falar isso em voz alta para mim mesmo. Eu só posso estar ficando louco. Eu consigo controlar isso, eu apenas exagerei nos meus pensamentos. Uma coisa é eu achar Rose bonita e desejá-la, outra é eu me permitir ter sentimentos por ela.

Organizei meus pensamentos depois de uma hora e meia, e decidido a cortar qualquer coisa que venha alimentar essa loucura, eu me dirigi para a sala dos guardiões, eu ainda tinha que verificar meus plantões. Cheguei lá e a sala estava um pouco agitada, nenhum dos guardiões estava dando aulas e o resto estava cuidando da segurança. Procurei Tanaka mas ele ainda não havia aparecido e ele passou o dia sem dar notícias, estranho.

-Belikov! - Eu escutei a voz de Stan e me virei na sua direção - Que bom que eu te encontrei, eu queria falar com você. Venha, por aqui.

Ele fez menção de irmos para um lugar mais afastado dos nossos colegas de trabalho e logo eu imaginei que fosse sobre Rose. Cada um sentou em uma poltrona que não era muito distante uma da outra e eu me pronunciei:

-Pode falar, Alto. - Eu fui direto.

-É sobre a Hathaway. - Ele não parecia que ia reclamar dela, mas estava com uma cara confusa - Ela estava calada na aula particular de hoje, quer dizer, você sabe... Ela não fez questão de me irritar. 

-Como? - Eu perguntei confuso. 

-Ela estava estranha, me perguntou se eu tinha visto o guardião dela hoje e eu respondi que não, e apesar de tentar esconder com maquiagem, ela parecia ter chorado antes de ir para a minha aula, e muito. - Ele disse cauteloso - Nem demonstrar interesse na aula ela demonstrou, apenas parecia concordar com tudo o que eu falava sem nem ao menos ouvir. Ela estava indo muito bem, parecia cada vez mais interessada nas aulas, apesar do comportamento dela. 

Eu não sei por qual motivo ele estava me falando isso, mas tenho quase certeza que era alguma espécie de castigo divino por eu ter despejado tudo aquilo em cima dela. Realmente eu fui um estúpido. Ela estava se segurando durante essa semana, ela podia não perceber, mas eu via isso, e eu só contribui para que ela se desse conta do quanto ela não estava no seu mundo. 

-Sim, - Eu tentei soar indiferente - Há dias em que os alunos realmente não estão bem e perdem o interesse em algumas aulas. - E também porque o mentor tem um ataque de ciúmes que ele mesmo desconhecia. Eu pensei - São os últimos dias que o guardião dela está passando e eles nunca se separaram, talvez ela já esteja sofrendo as consequências disso antecipadamente, e também as circunstâncias que a academia foi apresentada para ela não contribui muito. 

-Você está certo. - Ele sorriu e se levantou da poltrona - É que eu a vi antes de ir para a sua aula e ela não estava daquele jeito, apenas pensei que algo tivesse acontecido e você soubesse me responder. Apesar da Hathaway ter um comportamento completamente inapropriado, ela é uma aluna muito esforçada e o desinteresse dela me preocupou, até porque são as nossas últimas aulas.

-Eu entendo perfeitamente. - Falei neutro - Como mentor da Srta Hathaway, eu irei assumir a responsabilidade por ela assim que o guardião dela se for, e seria bom se mantivéssemos essa troca de avaliação sobre ela.

-Claro. - Ele fez um aceno com a cabeça e foi embora. 

Respirei fundo e fui na sala de Alberta ver alguns plantões e uns extras que eu iria tirar. Resolvi minha situação na escala da semana que vem e combinei de tirar alguns plantões para uns colegas, já que o fim de semana se aproximava novamente e os guardiões queriam se divertir por aí, e como era minha folga e eles sabiam que eu não tinha interesse em sair da academia, alguns sempre vinham me pedir para ficar no lugar deles.  Eu consegui me distrair durante um bom tempo, até que Spiridon, o guardião de Victor Dashkov, chega e toca no nome de Rose. 

-Dimitri! - Ele chega com sua mão estendida para um toque e eu retribuo - A sua aluna, Rosemarie Mazur - Ele olhou para os lados antes de falar o sobrenome verdadeiro dela - Ela está indo bem! Você está fazendo um belo trabalho com ela. Em menos de duas semanas e ela já conseguiu derrubar um aluno mediano nas aulas de combate. Tyler pediu para eu acompanhar a aula de hoje e ela estava lá, aí eu chamei ela para uma luta. Ela ficou um pouco receosa no começo, mas me deu belos golpes! 

-Obrigada, Spiridon. - Eu acenei com a cabeça - Rose precisa apenas de técnica e um pouco de conhecimento para ficar camuflada entre os alunos. - Eu disse na intenção de realmente reconhecer que ela tinha talento, mas procurando também não glorificá-la porque para ela estar em um nível de guardiões, mesmo que noviços, ela tinha que se esforçar muito ainda - O príncipe Dashkov ficará muito tempo na academia? - Eu perguntei tentando desviar do assunto Rosemarie.

-Ele partirá neste fim de semana e voltaremos para a corte, ele veio apenas para ver como a sua filha estava e conferir a situação da princesa Dragomir. 

Conversamos mais algumas coisas sem importância e depois fui ao refeitório e não demorei muito por lá. O toque de recolher para os alunos já tinha soado e não havia nenhum deles por lá, o ambiente ficava até mais agradável sem aqueles burburinhos e fofocas. Meu celular vibrou e quando eu desbloqueei a tela era uma mensagem de Tanaka. 

"Foi apenas um alarme falso. O Strigoi era um recém despertado atordoado, provavelmente humano e completamente confuso, mas perigoso. Depois de algumas horas de conversa eu tive que matá-lo. Chego aí no começo da manhã moroi."

Respondi apenas com "Ok." e fui para o meu quarto. O dia foi longo e eu tenho que aproveitar as horas de sono porque eu, como um guardião, sempre tenho que estar alerta e bem disposto quando estiver de serviço.

Tomei um banho e relaxei, me perguntei o que Ivan diria se me visse nessa situação, as vezes ele parecia saber mais dos meus sentimentos do que eu próprio. Vesti uma samba canção azul e procurei dormir, ato completamente sem sucesso porque a culpa sempre me vinha na cabeça, eu resolvi ler um livro para me distrair até que eu sinto minhas pálpebras pesarem e eu finalmente caio no sono. 

Acordei com batidas urgentes na porta e a abri só para me deparar com uma Rose encolhida nos próprios braços e olhando para os lados.

-Dave, onde vo... - Ela se interrompeu ao ver que eu não era o Tanaka. Rose correu seus olhos por todo o meu corpo e eu me senti constrangido pois me dei conta que estava praticamente pelado na frente da minha aluna, e esse olhar teve efeitos em mim. 

-Rose? - Eu falei e ela olhou para mim e corou - Aconteceu alguma coisa? Como deixaram você entrar aqui? 

-O quarto do Dave é esse - Ela olhou para o número na porta - Pelo menos foi o que ele me disse. - Ela voltou o seu olhar para baixo completamente envergonhada e evitando olhar para mim. 

-Espere aqui, e se alguém te ver diga que está comigo e eu autorizei a sua entrada no prédio. - Eu disse percorrendo os olhos rapidamente pelo vestido dela e demorando poucos segundos no seu decote, ela não percebeu pois ainda olhava para baixo - Eu não demoro. - Eu disse com a minha voz neutra e fechei a porta. 

Essa situação não foi muito agradável. Tsc Tsc Tsc. Esses olhares que trocamos hoje não são certos. São perigosos. E que roupa era aquela? Ela devia estar no mínimo morrendo de frio. Me troquei rapidamente vestindo uma calça jeans e uma blusa preta junto com o meu sobretudo, e peguei um casaco para ela. Abri a porta e Rose, milagrosamente, havia me obedecido e estava parada próximo a parede, ainda encolhida nos próprios braços. 

-O quarto do Tanaka é o b-4, esse é o d-4. - Eu disse e esperei um reação sua.

-Oh... Ok. - Ela disse se voltando para frente e começou a andar.

Claro que ela ainda está furiosa com você, Dimitri. Não seja tolo.

-Rose! - Eu tentei a chamar em um tom gentil, usar a máscara de indiferença só ia deixá-la mais furiosa.

-O que você quer?! - Ela se virou para mim e eu vi que ela ainda estava com raiva. 

-Ele não está na academia. - Eu disse ainda tentando manter meu tom gentil.

-M-mas... Ele ainda tem três dias comigo. - Ela gaguejou um pouco e eu confirmei o que eu conversei com Stan, com briga ou sem briga, ela já estava sofrendo antecipadamente por ter que se separar dele.

-Ele teve que resolver uns problemas pessoais. - Eu menti, até porque Rose não tinha autorização para saber como andava o andamento das investigações - Mas estará de volta assim que amanhecer. - Olhei no relógio e vi que não era nem 1 da tarde ainda. 

Ela assentiu e começou a andar novamente. Eu fui atrás dela e a alcancei.

-O que você pensa que está fazendo? - Ela olhou para mim com indiferença.

-É de madrugada e se te pegarem por esse lado do prédio, você estará bem encrencada.

-Tanto faz. - Ela revirou os olhos - Você não precisa perder seu tempo comigo, você já perde muito me treinando.

Ela apressou os passos dela na intenção de me deixar para trás mas foi inútil, na verdade nem fez diferença porque ela só me deixou no meu ritmo. 

-Te treinar não é perda de tempo. - Eu tentei soar neutro - Tome, você deve estar com frio. - Eu coloquei meu casaco nos ombros dela e ela hesitou um pouco, mas depois se aconchegou nele. Ela realmente estava com frio.

Passamos o resto do trajeto em silêncio, e eu ainda sentia que ela estava magoada comigo. Eu realmente passei dos meus limites. Onde foi parar todo aquele meu auto controle? Isso não era do meu feitio.

-Eu fui meio equivocado nessa tarde. - Eu disse mantendo meu olhar para frente. 

-Sim, você foi - Ela disse seca e mantendo seu olhar para frente - Mas não foi totalmente, não irei mais chegar atrasada. 

Chegamos no seu dormitório e ela tirou o casaco enquanto abria a porta. Seu vestido era solto, mas por conta do tecido leve se acomodava perfeitamente as suas curvas, e ele era de um modelo que deixava metade das suas costas nuas, exibindo as marcas de biquíni que sempre estavam escondidas. Deus, como ela era linda. Pare de olhar, Dimitri! Meu lado racional alertou e eu o atendi. 

-Obrigada. - Ela disse em um sussurro e me entregou o casaco.

-Fique. - Eu fiz um gesto negativo com a cabeça - Amanhã não vai nevar e você vai correr.

-Eu tenho meus próprios casacos, Camarada. - Ela sorriu e eu me senti aliviado, pelo menos ela não demonstrava que iria gritar comigo a qualquer minuto.

-Então não se esqueça de tirar os pingentes deles. - Eu dei um meio sorriso e ela apenas acenou com a cabeça, fechando a porta logo em seguida. 

Eu voltei para o meu quarto e deitei na minha cama derrotado. Pensei novamente em Rose e no seu corpo, imaginei como as marcas de biquíni eram na parte dos seus seios, e imaginei como eles eram. Deviam ser lindos. 

 Oh droga! Eu a desejava. Eu só podia estar ficando louco.


Notas Finais


Eu vi que a fic passou dos 20 faves e eu tô muito feliz!!! Mas apenas três leitoras se manifestaram no capítulo passado :(
Vamos migas, ou migos, se manifestem e conversem comigo! Eu não mordo, eu juro.
Beijos e até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...