História Paciente 73 - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, V
Tags Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Psicológico, Yaoi
Exibições 64
Palavras 2.061
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIEE ❤ Eu tô iniciando essa fanfic pq veio a ideia e tbm vai me dar mais tempo pra ajeitar uma fanfic jikook que tô fazendo :3 não sei quantos capítulos vai ter, mas serão menos de 15 :)))
A fanfic não era baseada em Blood, sweat and tears, mas se encaixou bem nela. Então sempre vou botar algum trecho dessa música ou de outras de wings :3

Boa leitura 😉😉😉

Capítulo 1 - Primeira sessão


Fanfic / Fanfiction Paciente 73 - Capítulo 1 - Primeira sessão

Pêssegos e creme 

Mais doce que o doce 

Bochecas de chocolate 

E asas de chocolate 

Mas suas asas são as asas do diabo 

Há um 'amargo' ao lado de seu 'doce' 

Blood, sweat & tears - BTS 



 O rapaz com seu jaleco branco, sorria para todos do local, e andava em direção à sua sala. Jimin era um psicólogo que já havia atendido pacientes com todos os problemas e confusões da vida, não existia um caso onde ele fosse o submisso, se assim podia dizer.


 Especialmente nesse dia, Jimin faria plantão. E acabou por pegar uma nova ficha, um novo paciente. O psicólogo sempre ''estudava'' a ficha do paciente antes da sessão, porém nesse dia o mesmo deixou para olhar depois. Seu colega de trabalho, Kim Namjoon iria atender esse novo paciente, mas o seu companheiro de expediente está no período de férias.


 Para Jimin um a mais ou um a menos não lhe atrapalharia em nada. Pelo menos era isso que o recente acinzentado pensava.


 - Boa tarde senhor Park, - Sua secretária, à qual cuidava de todas as suas papeladas, entra em sua sala. Jimin, que estava procurando seu celular, vira para olhar a ruiva. - Daqui à pouco o seu novo paciente será chamado. 


 - Tudo bem Sun, apenas me dê alguns minutos. Quando eu terminar, aviso. - O psicólogo dá um pequeno sorriso.


 - Com licença. - Sun se curva em reverência e sai da sala.


 - Aish, cadê esse celular? - Jimin abria todas as gavetas e nada do aparelho. O mesmo já estava desistindo, até escutar o típico som do aparelho quando recebe alguma mensagem. E o celular estava embaixo da poltrona. - Como você foi parar ai? - Jimin observou a mensagem e não era nada demais. 


Jogou o pequeno eletrônico emcima da sua mesa e ligou para Sun, permitindo a entrada do paciente. 


 Mais uma vez ouviu batidas na porta, e pode ver a família quando deu a permição para entrar. Esse era acompanhado por um casal, provavelmente seus pais. 


 - Boa tarde, sou Park Jimin. - Ele cumprimenta as três pessoas. Por mais que fosse estranho, Jimin se sentia incomodado pelo olhar disfarçado do moreno à sua frente. 


- Doutor, poderia vir conosco. Queríamos falar um pouco com o senhor. - Os pais do moreno pediram. Logo Jimin assentiu e se pôs do lado de fora da sala. - Bom...nosso filho é um ótimo menino, mas apenas sentimos não conhecê-lo muito bem. Então achamos boa a ideia de um psicólogo e através de você saber mais um pouco dele. - A mulher um pouco mais baixa de Jimin pronuncia.


 - Ele é um tanto tímido e fechado, mas acho que com o senhor irá se abrir. - Agora o marido da mesma falava. - Bom, era somente isso, até mais doutor. - Os pais do moreno se dirigiram para o elevador, e de lá dando um pequeno aceno para Jimin, que retribuiu com um sorriso.


 - Até mais. - Depois da pequena conversa, Jimin respira fundo antes de entrar na sala. Dentro dela Jungkook estava deitado confortavelmente na grande poltrona do local. Usava uma roupa simples, apenas um calça jeans clara e uma camisa branca. 


Jimin observa todos os detalhes da sala, mesmo a conhecendo inteira. Por mais que ele achasse estar prestando atenção em tudo, não observou o seu celular posto corretamente na mesa, não estando jogado como havia feito. 


 Jimin se senta na outra poltrona, de frente ao moreno. Esse era extremamente branco, usava um penteado onde cobria toda a sua testa. Jimin deduzia que a cor dos olhos do paciente eram negras, pois esse estava de olhos fechados e o psicólogo não lembrava da cor das orbes. 


 - Olá, sou Park Jimin, irei acompanhar você durante um certo tempo. - Jimin repetia a mesma frase cansativa de todas as novas sessões. 


 - Hum. - O moreno apenas resmungou para o acizentado. Esse decidiu por dar uma olhada na ficha do paciente. 


 Paciente 73 

 Nome: Jeon Jungkook

 Idade: 20 anos

 Cursa: Artes cênicas 

 Estado civil: Solteiro


 - Bom...Jungkook, poderia me dizer um pouco sobre você? - Jimin cruzou as pernas, pondo seus óculos. Juntamente pegando sua caneta e prancheta.


 - Como você mesmo me chamou, sou Jungkook. Tenho vinte anos e curso artes cênicas junto do meu amigo Taehyung. - O psicólogo fez uma nota mental do quanto a voz de Jungkook era gostosa de ser ouvir. Jimin ao voltar para a realidade iria comentar o fato do seu paciente repetir todas as informações inúteis da ficha. Porém focou no relacionamento que Jungkook citou, a amizade. 


 - Então me fale um pouco do seu amigo da faculdade. - Jimin desviou o seu olhar de Jungkook para a prancheta, onde o papel ainda estava em branco. Iria anotar sobre o amigo de Jungkook, porém Jimin forçou a ponta da caneta no papel por pura surpresa pela seguinte fala do moreno. 


 - A gente transou esses dias. - Jimin por mais experiente que fosse, sabia que foram poucos os pacientes que se sentiram tão confortáveis em falarem da sua vida na primeira sessão. E até agora, esse foi o mais inusitado. 


 O jovem acinzentado não queria perguntar como Jungkook havia se sentido e como foi, mas era necessário para saber um pouco mais da personalidade do seu novo paciente. 


 - E como se sentiu Jungkook? - O psicólogo teria de ser firme, e com muito esforço Park foi.


 - Tínhamos saído em grupo, e nesse dia jogamos basquete. Todos os homens do time estavam suados e extremamente apetitosos. Iria completar duas semanas que não transava Jiminie. - O psicólogo engoliu em seco com o apelido repentino. - Eu necessitava de alguém dentro de mim, e ainda necessito. Eu me sentia louco, com a respiração descompasada, e óbvio que meu amigo se preocupou. 


 - E ele fez o quê? - Jimin agora admitia estar se sentindo totalmente desconfortável com a presença de Jungkook.


 - Perguntou como eu estava. E a primeira coisa que fiz foi puxá-lo para dentro daquelas casinhas de árvore que ficam em parques. Estava de noite e não havia quase ninguém mais naquele lugar. Taehyung estranhou, mas não relutei em beijá-lo ali mesmo. E depois, transar. - Esboçou um sorriso travesso.


 - Como se s-sentiu Jungkook? - Droga! Havia gaguejado e aquele sorriso pervertido que Jungkook tinha nos lábios, aumentou ao saber que deixava o psicólogo desconfortável. E Jimin se repreendeu mentalmente por isso.


 - Pode ser famosa essa expressão, mas eu vi estrelas Jiminie. - O mais velho sentia a respiração falhar a cada vez que era chamado pelo apelido que recebeu de Jungkook, e aquilo não podia de maneira alguma acontecer. - A cada envestida que ele dava, me sentia ir do céu para o inferno, me sentia quente, como em todas as transas. - O moreno falava tranquilamente, sem vergonha nenhuma. Já Jimin não sabia se achava aquilo ruim ou bom.


 - Todas? - Jungkook abriu um olho para espiar Jimin. 


 - Sim, todas. - Deu de ombros.


 - Meu passatempo é transar, se assim estou sendo mais claro. - Agora Jungkook estava sentado na poltrona, observando o seu psicólogo da cabeça aos pés. Cada detalhe, desde aquela boca carnuda, à qual Jungkook gostaria de abusar. Ou os braços que estava louco para fincar com suas unhas mal cortadas, e por último as pernas. Desejava beijar a parte interna delas, morder e chupar. 


Ah! Jungkook queria ser fodido por seu psicólogo. 


 Jimin já não sabia mais que pergunta formular e contava os minutos para aquela sessão acabar, aquele olhar predador de Jungkook agora começava a deixar seu membro desconfortável dentro dos panos.


 - Não tem mais nenhuma pergunta Jiminie? - Jeon inclinou um pouco sua cabeça, pondo um semblante fofo no rosto. Mas aqueles olhos pareciam queimar em desejo, e não enganavam Jimin. 


 - E o que faz além de transar? - Jimin ainda estava atordoado com aquela situação, e até o momento não havia anotado nada sobre Jungkook, mas estava tudo bem guardado em sua mente. 


 - Persigo pessoas. - Agora Jimin suava frio, e por um breve período fechou os olhos, implorando aos quatro cantos do mundo o fim daquela sessão. Pena que era a primeira de muitas.


 - Jeon, me diga o motivo.


 - Não sei, apenas...gosto. Agora me permita fazer uma pergunta Jimin. - Ele havia o chamado pelo modo certo.


 - À vontade. 


 - Onde você mora? - Jungkook se levantou e ia com passos silenciosos e lentos até Jimin. - Sabe muito bem se não me responder, eu mesmo a encontro. - A distância era pequena e Jungkook estava perigosamente perto do psicólogo. Tão perto ao ponto dos narizes se roçarem e sentirem a respiração quente um do outro. A única diferença era que a respiração do acinzetado estava descompassada.


 O nervosismo que tomou conta da cabeça de Jimin não o permitiu responder, e agradeceu mentalmente quando sua prece foi ouvida. Sun deixou um recado avisando o fim da consulta.


 - Então...até a próxima sessão, psicólogo. - Jungkook se despediu do mais velho, e esse sentia os batimentos cardíacos mais rápidos. Principalmente por receber a despedida no pé do ouvido. E o modo como Jungkook o chamou apenas fez Jimin sentir aqueles panos mais apertados e o calor aumentar no ambiente.


 Jimin se concentrou e procurou acalmar aquela pequena ereção e logo depois foi falar com os pais de Jungkook. Esses já haviam ido embora, porém Sun comentou um pouco sobre.


 - Esse vai ser difícil não é Park? - Sun perguntou e Jimin engoliu em seco. Será que ela tinha escutado algo? - Ele é tão tímido...nem com os pais conversa direito. - Jimin após ouvir aquilo suspirou em alívio. Se aquilo era motivo de alívio. Apenas sentia pena dos pais não conhecerem o filho que tinham. 


 Jungkook era o oposto de tudo que se mostrava para os parentes. E Jimin sentia receio de conhecer o outro lado do moreno.



 (...) 



 O acinzentado agora era o último no hospital, seu expediente havia acabado muito tarde. Os corredores estavam escuros e Jimin por mais que estivesse com vinte e cinco anos, sentia medo.


 Terminou de arrumar tudo e pegou seu celular para checar a hora, 00:45. Jimin dava passos largos e apressados, queria sair logo daquele hospital. E correu quando ouviu sons suspeitos naquele corredor escuro.


 A rua se encontrava ainda mais escura, apenas iluminada pelos postes da cidade. Jimin xingava mentalmente não ter pego seu carro na oficina. Agora teria que voltar caminhando para casa. 


 Jimin passou sua digital no aparelho do hospital, deixando comprovado que havia ido e saído do hospital no horário certo. Se despediu do idoso vigilante e se encolheu no casaco. Seul estava extremamente fria. 


 O psicólogo era medroso, e por isso desviava seu olhar para cada canto que passava. Um medo que deixava a respiração do jovem ainda mais rápida, quase sempre vendo o ar branco que saía da sua boca e nariz. 


Congitava a possibilidade de que estava sendo vigiado, mas logo tirou essa ideia da cabeça. Coitado do mais velho, não sabia que era mais que um palpite. Havia realmente uma pessoa lhe seguindo. 


 E essa era o mesmo que encontrou mais cedo, o paciente setenta e três. Esse o seguiu até sua casa, e sem ter recebido a resposta do seu psicólogo, encontrou o endereço do mesmo. Observou Jimin fechar a porta na mesma velocidade que abriu. Ele estava apavorado, e Jeon sabia disso. E adorava. 


 O corpo de Jimin implorava por sua cama quente e confortável, e logo depois do banho Park procurou pular no colchão.


 No meio tempo do pulo, viu um vulto, mais especificamente um corpo, esse usava uma roupa inteiramente preta, junto a um capuz. Jimin foi checar e não viu ninguém.


 - Aish, para com isso Jimin. Ele não seria capaz de fazer isso. - Fechou com força e rapidez a cortina de seda branca. Procurou uma posição confortável para dormir, e expulsou todos os pensamentos que lhe atormentavam logo depois daquela sessão. Mas elas voltaram como um furacão na mente do psicólogo renomado.


 Jimin foi atrapalhado pelo seu celular.



 [Número desconhecido] 

Estou te observando. 

73 


 Suas mãos ficaram trêmulas e os olhos pequenos se arregalaram. O medo exalava naquele quarto. É, talvez esse fosse um caso diferente. 



 Jimin seria o submisso...


 E Jungkook o seu dominador...   


Notas Finais


Bom, esse foi o primeiro capítulo. Espero que esteja bom e que dê uma idéia do que pode acontecer na fanfic. 😁😁 beijocas e espero saber como está a fic 😘😘 amo vcs bjss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...