História Pacify Him - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Austin Mahone, Cameron Dallas, Cara Delevingne, Colton Haynes, Hayes Grier, Justin Bieber, Lucky Blue Smith, Nash Grier, Shawn Mendes
Personagens Austin Mahone, Cameron Dallas, Cara Delevingne, Colton Haynes, Hayes Grier, Justin Bieber, Lucky Blue, Nash Grier, Shawn Mendes
Tags Austin Mahone, Jaustin, Justin Bieber, Romance, Shawn Mendes
Exibições 145
Palavras 2.996
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Escolar, Hentai, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii
Capítulo curto mas tá valendo. Vejo vocês nas notas finais

Capítulo 6 - Capítulo 6


 

 

“Heard your boyfriend was away this weekend
Wanna meet at my place?
Heard that we both got nothin’ to do”


 

*** Justin ***

 

       - Cara, como você chupa gostoso. - Falei fechando meus os olhos enquanto Colton chupava o meu pau que estava duro como uma rocha.

 

   O único barulho alí era o da água caindo, e agora os meus gemidos se juntava ao som do chuveiro.

 

Quatro dias antes

 

   - Austin, por favor! - Falei me pondo na frente da mala dele.

 

   - Justin, você sabe muito bem que eu não posso te levar.

 

   - Austin, vão ser três dias longe de você. Longe do seu toque, do seu corpo, do seu calor.

 

   - Deixa de ser dramático. Eu vou na quinta à noite e volto no domingo também à noite. E volto com a taça do campeonato. E você vai ser uma distração.

 

   - É claro. Você vai precisar se distrair, não vai ficar só “na mão”. E também não vai arranjar um buraco para se enfiar.-  Eu sei, isso foi bem hipócrita.

 

   - Pela última vez. Eu fico “na mão” e você também. E o treinador não vai te admitir nessa viagem.

 

   - Eu vou no meu carro. Entro no seu quarto e a gente dorme todos os dias juntos e a gente pode até ficar um pouco mais para estender a vitória.

 

   Todo esse drama aí é porque não quero passar o final de semana sozinho. Eu já sabia dessa viagem para disputar a final do campeonato regional de hóquei no gelo, mas eu esperava ter uma distração durante esses três dias.

 

   Até agora os meus três dias serão em casa, talvez vá até a casa do Lucky fumar alguma coisa e ver o que rola depois. Não vou arranjar uma pessoa nova pra foder. Já tenho amantes demais.

 

   Colton não me ligou nesse final, nem apareceu lá em casa. Mas acho que ele pode precisar dos meus serviços. Benjamin e Shawn vão à um show junto com Nash, Cara, Cameron e o gostosinho do Hayes Grier, bem que ele poderia tirar aquela fachada de hetero. Contudo, eles vão passar o fim de semana fora.

 

   O único jeito é ligar para o Lucky e pedir para ele reservar uma boa quantidade da nossa velha amiga weed.

 

   - Então dorme lá em casa na quarta-feira ou eu posso dormir aqui, tanto faz.

 

   - Justin, não é como se fosse o nosso último dia juntos.

 

   - Mas eu só quero ficar com você. - Falei chegando perto dele e o abraçando.

 

   O beijei calmamente. Um beijo delicado, tímido até, no fim, beijo o alto de sua cabeça. - Sempre funciona.

 

   - Pode dormi aqui na quarta- Ele falou.

 

   - Yeah! Te amo.

 

   

**** Shawn ***

 

   - Cameron, quem te contou isso? - Perguntei enquanto ele entrava na minha casa sem cerimônia.

   

   - Nash. E pode ficar tranquilo, não vou contar nada a ninguém. - Falou enquanto se jogava no sofá da sala.

 

   Não acredito que o Nash contou. Ele disse com todas as letras que não iria contar nada a ninguém. E acaba dizendo tudo ao pior inimigo do Justin.

 

   - É o seguinte, eu te ajudo a separar os dois e em troca você me ajuda em algo.

 

   - E o que seria algo?

 

   - Eu estou gostando de alguém!

 

   Uou. Cameron Dallas está apaixonado. Ele não está só gostando de alguém, ele está realmente apaixonado, dá pra ver no brilho em seus olhos ou no pequeno sorriso que se formou no canto dos seus lábios ou no rubor que consumiu a sua face.

 

   - E quem é ela?

 

   - Bem, esse é o problema.

 

   - Não me diga que é a Cara, por favor.

 

   - Não, não. Mas também não vai deixar o Nash feliz.

 

   - A mãe dele? Cameron, você tá pegando a mãe do Nash? - Isso tá melhor do que eu pensava.

 

   - Do Hayes, cacete! Eu estou apaixonado por Hayes Grier.

 

   Muito, muito melhor do que eu imaginava.

   A remota possibilidade de Cameron Dallas ser gay nunca passou pela minha cabeça. Na verdade, gays tem a mania de imaginar que seus amigos heteros possam ser gay. Isso nunca aconteceu comigo e Cameron, sempre vi ele como um hétero convicto e agora isso?

 

   - Calma aí. Você e o Hayes? Vocês são os caras mais héteros que eu conheço. Até do Nash eu já desconfiei, agora, vocês?

 

   - Eu não sei o que me deu. Eu só me apaixonei. - Mas o assunto não sou eu, muito menos Hayes. O assunto é o fim de Jaustin.

 

   - Ei, ei, ei! Não tem nada a ver com o fim de “Jaustin”. Eu só estou curtindo o Justin e ele está me curtindo.

 

   - Qual é? Vai dizer que não quer ser o namorado fixo dele? Primeira opção. Único.

 

   Sim

 

   - Não. É só um passatempo, para ambos.

 

   - Mentira, Shawn! Você não é um garoto de se contentar com pouco, de ser a segunda opção de qualquer pessoa. Eu sei que você quer separar eles.

 

   - E o quê você tem a ver com isso?

 

   - Justin não merece ninguém, mas se você quiser ter ele só pra você… eu posso te ajudar.

 

   - Vai pra casa, Cameron. Você precisa, sei lá, dormir. Ou então contar ao Nash que tá pegando o irmãozinho dele.

   

   - Hayes já tem 16 anos, ele sabe muito bem o que faz e Nash não tem nada a ver com a vida amorosa dele.

 

   - Tudo bem. Mas você já pode ir.

 

   - Se precisar da minha ajuda, me liga. - Ele saiu e me deu um selinho.

 

   Cameron nunca fez isso antes. Mas agora que ele revelou esse segredo, não fico surpreso com essa atitude, ele sempre foi atirado mesmo.

 

   Mas o que está martelando a minha cabeça, é o fato de que Nash contou o nosso segredo a Cameron. A quem mais ele pode ter contado? Nash decididamente não é confiável e eu preciso dar um jeito nisso.

 

   Na segunda pela manhã Nash está esperando para me levar para a escola. Cameron e Hayes também estavam no carro, na parte de trás, sério que eu não percebi esses dois antes?

 

   Vou até o carro e entro colocando o cinto de segurança logo em seguida, como sempre faço desde que Nash ganhou o seu carro. Mas hoje foi diferente, tinha um clima tenso no ar.

 

   - Shawn!!! - Cameron me abraçou e deu vários beijos no meu rosto. Sério, por quê ele está fazendo isso?

 

    - Cam, para com isso. O que o Hayes vai achar da gente?

 

   Com essa pergunta ele voltou à real e parou o que estava fazendo. O clima no carrou ficou abaixo de zero.

 

   - Que nós somos grandes amigos. Eu poderia fazer o mesmo com Nash.

 

   - Não poderia não. - Disse Nash ao volante.

 

   Os olhos de Hayes me fuzilavam. Eu conheço esse garoto desde que ele era um bebê de colo, não acredito que ele está com ciúmes.

 

   - Bem, Shawn. Você pensou sobre o que eu te falei ontem?

 

   - O quê você falou pra ele ontem? - pergunta Nash.

 

   - Acho que eu deveria fazer essa pergunta a você também. - Na mosca

 

   Silêncio

 

   - Nada que você precise saber. - Respondi voltando atrás. - E não, Cameron. Não vou fazer isso.

 

   - Tudo bem, você que sabe.

 

   E assim foi a minha segunda-feira. Nash me julgando, Cameron me pressionando, Benjamin me beijando (disso não posso reclamar) e Justin me agarrando pelos corredores (disso também não posso reclamar).

 

   Na terça pela manhã Cameron estava me esperando. Ele estava encostado - muito sexy - em sua moto (sim ele tem uma moto). Usava uma calça jeans bem colada e uma camisa branca muito justa, além de óculos de sol.

 

   - O quê você quer? - Perguntei me aproximando dele.

 

    - Vim te levar para a escola.- Respondeu me entregando um capacete.

 

   - O quê Hayes acha sobre isso?

 

   - Hayes e eu somos muito bem resolvidos, ao contrário de você e Benjamin que nem um casal são de verdade.

 

   - Me lembra por quê eu continuo sendo seu amigo?

 

   - Você me ama. Se não me amasse não aceitaria a carona.

 

   - Eu só estou aceitando porque é um pretexto pra te agarrar.

 

   - Você poderia ter falado antes. - Ele falou passando o braço pela minha cintura.

 

   - Prefiro o Justin - Falei em seu ouvido e coloquei o capacete.

 

   - magoou.

 

   Na quarta Justin e Austin estavam insuportáveis. Não consegui ficar mais do que dez minutos ao lado deles. Só não foi pior porque estava com Benjamin, que ultimamente está cada vez mais insaciável mas ainda assim quer esperar um pouco mais para nossa primeira vez.

 

   Confesso que ele está sendo uma ótima distração. Ontem ele quase me fez gozar apenas esfregando seu corpo no meu. Antes de ter o Justin só pra mim, eu tenho que levar Benjamin pra cama.


 

*** Justin ***

 

   Austin viaja daqui a exatamente duas horas. Suas malas estão prontas e os outros membros do time já começaram a chegar à escola, mas estamos aqui, deitados em sua cama, abraçados, com o rosto colado e sentindo o calor da respiração um do outro.

 

   - Volta com a taça.

 

   - Claro que sim. Nós somos os favoritos.

 

   - Se algum idiota quiser bater em você…

 

   - Eu quebro o taco na cabeça dele. Eu já sei.

 

   - Eu ia dizer pra você me ligar. Mas se você quer fazer isso… tudo bem.

 

   - Eu te amo, sabia?

 

  - Também te amo, meu campeão.

 

   Levei Austin até a escola, onde o ônibus que o levaria até a cidade onde será realizado os jogos o esperava.

 

   Ficamos um bom tempo em seu quarto,por isso quando chegamos já estávamos em cima da hora e faltava apenas o Austin para completar o time.

 

   - Te amo. Vai lá meu campeão.

 

   Assim que ele entra no ônibus o meu celular toca. Espero um pouco, até que o ônibus dê a partida e só então tiro o aparelho do bolso.

 

   - Alô.

 

   - Justin, sou eu Colton.

 

   - Ah! Oi Colton.

 

   - Fiquei sabendo que o seu namorado vai passar uns dias fora. É verdade?

 

   - É sim. Você quer companhia?

 

   - Claro. Você pode passar esses dias no meu apartamento. Diz ao seu pai que vai passar esses dias na casa de algum amigo.

 

   - Ok. Vou falar com o meu pai e assim que tudo estiver acertado eu te ligo.

 

   - Ótimo. Você vai ser muito bem recompensado.

 

   Enrolar o meu pai foi a coisa mais simples. Assim que cheguei em casa à noite disse que ia para o show no final de semana com o Benjamin e ele acreditou. Me deu até uma grana que eu pretendo gastar hoje mesmo.

 

   São onze da noite e estou à caminho da casa de Lucky, meu fornecedor, saí de casa escondido então preciso estar de volta antes das doze e meia que é a hora em que minha mãe acorda para olhar os meus irmãos.

 

   Lucky Blue Smith é um cara bonito demais para estar envolvido com esse tipo de mercado e rico demais para precisar do dinheiro mas ainda assim ele insiste.

 

   Assim que chego em sua casa o vejo encostado à porta. Seus cabelos loiros jogados para trás, ele sorri com aqueles lábios grossos e convidativos.

 

    - Hey, Justin! Quanto tempo.- Falou enquanto me abraçava.

 

   - Desculpa. É que me namorado me proibiu de usar essas coisas.

 

   - Ah! Eu gostava mais de você quando namorava a Cara. Ela te deixava mais livre.

 

   - A gente pode mudar de assunto. Não vim aqui para falar da minha ex.

 

   - Claro. Não quer entrar?

 

   Ele morava em um pequeno prédio. Tinha apenas três andares e o dele ficava no térreo. Era um apartamento pequeno, apenas de fachada para ele fazer o seu comércio.

 

   Havia um enorme colchão no chão. Um toca discos a esquerda e um grande armário onde havia mais drogas do que roupa.

 

   Consumimos o que ele me havia fornecido e estávamos deitados, ainda sobre o efeito da maconha quando ele perguntou.

 

   - Posso te chupar?

 

   - Você ainda pergunta.

 

   Tirei meus sapatos e minha calça, Lucky estava apenas de cueca. Meu pau estava duro que nem pedra, coloquei-o para fora por uma das “pernas” da cueca e prontamente Lucky começou a chupar.

 

   Ele chupava o máximo que conseguia e não era pouco. Parecia que ele estava em parque de diversão. Ele chupava e eu levantava o quadril para que ele colocasse mais de mim em sua boca.

 

   Tirei minha cueca e camisa e boca de Lucky foi direto para as minhas bolas. Ele afastou minhas perna e começou a passar sua língua por minha entrada. Cara, isso é muito gostoso.

 

   - De joelhos - Falei ficando de pé enquanto Lucky ajoelhava na minha frente.

 

   Prontamente suas atenções voltaram para o meu pau. Não demorou muito e gozei em sua boca. Ele é claro, não engoliu mas eu estava satisfeito.

 

   Na sexta pela manhã acordo doente. Pelo menos foi isso que inventei para não ir à escola. Benjamin, Cara, Hayes e o que mais me interessava Shawn não iriam à escola hoje pois iriam viajar.

 

   Para todos os efeitos vou viajar com eles mas o meu pequeno problema de saúde pode ser resolvido até a noite.

 

   

***

 

   Estava no banho, era domingo a noite e a maratona de sexo com o colton estava no fim.

 

   Depois de quarenta e oito horas na super mansão do Colton eu estou acabado. Mas por outro lado, passar todo esse tempo com Colton foi legal, assim eu conheci um pouco mais da vida dele.

 

   Colton vem de uma família rica, nos conhecemos a vida toda, mas só nesses dias descobri que ele esconde de todos quem realmente é. Assim como Cameron ele tem medo de ser livre, de ser o verdadeiro Colton.

 

   Enquanto a água cai sobre o meu corpo escuto a porta do banheiro se abrir e em questões de segundos Colton estava em minha frente, nu e em toda a sua glória.

 

   Sua boca veio de encontro à minha sem cerimônia. Suas mãos exploravam todo o meu corpo e logo se abaixou colocando o meu pau em sua boca.

 

   Colton sabe chupar um pau como ninguém. Ele coloca todo o meu membro em sua boca, sinto a cabeça tocando a sua garganta.

 

   Ele desliza a boca por toda a minha extensão e lambe cada centímetro. Coloca apenas a cabeça e começa a chupá-la, com o resto ele masturbava.

 

   - Cara, como você chupa gostoso. - Falei fechando meus os olhos enquanto Colton chupava o meu pau que estava duro como uma rocha.

 

   O único barulho alí era o da água caindo, e agora os meus gemidos se juntava ao chuveiro.

 

   Colton parou de chupar e ficou de pé.

 

   - Vamos economizar água. - Falou desligando o chuveiro. - Sua vez. - Disse enquanto me empurrava para baixo.

 

   Abocanhei o seu pau e ele urrou de prazer. Cada vez que seu pau deslizava por minha boca ele gemia cada vez mais alto.

 

   Me levantei e o virei de costas para mim, fui até a pia, onde havia uma caixa de preservativos, peguei um e coloquei no meu pau. Voltei para trás do Colton e enfiei meu membro de uma só vez.

   

   Colton segurou o grito mas apertou com firmeza a minha coxa. Comecei as estocadas e nossos gemidos ficaram exaltados. Ele se masturba freneticamente enquanto beijo a sua boca.

 

   É uma rapidinha no chuveiro então acelero o ritmo das estocadas e Colton acelera o ritmo de sua mão. Mordo a sua orelha e começo a falar coisas sujas. É o suficiente.

 

   Chegamos ao clímax juntos. Ambos atingidos por um orgasmo satisfatório. Ambos consumidos pelo prazer.


 

   - Aqui está o seu pagamento. - falou colocando um pacote em cima da cama.

 

   À minutos atrás estávamos fazendo um rapinha, agora já estou me vestindo para voltar pra casa. Estou sem camisa e Colton não consegue tirar o olho do meu abdômen.

   - Não precisa. - Falei.

 

   - É claro que precisa. Tem mil e duzentos dólares aí. Você pode gastar com o Austin.

 

   - Muito obrigado Colton. - Ele veio até mim e me deu um beijo.

 

   - Eu faço qualquer coisa por você. Apesar de saber que nunca iremos ficar juntos.

 

   - Você vai encontrar alguém especial e não um garoto sujo como eu. Muito obrigado Colton. Foram 48 horas fantásticas.

 

   - Eu é que tenho que agradecer, garoto. Agora vai pra casa.


 

*** Cameron ***

 

   O Show foi num sábado a noite e no início da tarde de domingo já estávamos em casa. Ou melhor eu estava na casa do Nash mas ele não sabia disso.

 

   Estava no quarto do Hayes, era início da noite e estava a três horas alí, escondido de tudo e de todos. Até que alguém bate na porta do quarto.

 

    - Debaixo da cama. -  Falou Hayes e foi o que eu fiz.

 

   Me escondi debaixo da cama dele e esperei pelo pior. Hayes abriu a porta e escutei a voz da última pessoa que eu esperava escutar naquele momento.

 

   - Eu sei que o Cameron tá aqui. - Disse Shawn.

   

   - Não sei do quê você tá falando. - Disse Hayes.

 

   Eu saí de baixo da cama e fui até a porta, Hayes estava com uma cara impagável e Shawn tinha um sorriso debochado no rosto.

 

   - O quê foi? - Perguntei quase sussurrando para que Nash não escutasse a minha voz.

 

   - A sua proposta ainda está de pé?

 

   - Claro que sim. Você vai aceitar?

 

  - Sim. Mas com uma condição. - Shawn olhou para Hayes com o mesmo olhar que sempre olhei para Justin e depois olhou pra mim.

 

   - Hayes?

 

   - Sim.

 

   - Você confia em mim não é?

 

   - Sim.


   - O quê você acha de um sexo a três? Você, Shawn e eu?


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Prometo tentar fazer o próximo capítulo maior. Comentem e favoritem.
Bjs e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...