História Pact for Peace ABO - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sasuke Uchiha
Tags Narusasu
Exibições 3.105
Palavras 5.591
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


olá
me perdoem a demora. Mas, eu vi gente pedindo capítulos maiores e esse tá grandinho.

Esse capitulo já é um dos meus preferidos, muito fofo e muito fofo....
eu ainda queria colocar mais um parte nele, só que não deu tempo e eu não queria ficar mais uma semana sem postar. Mesmo assim, eu achei ele perfeito e espero que vocês gostem.


agradecer a ~Assunção por me ajudar.
chega! Boa leitura.

Capítulo 18 - Mais uma chance


Fanfic / Fanfiction Pact for Peace ABO - Capítulo 18 - Mais uma chance

Duas semanas... 

Exatamente duas semanas que estavam na mesma situação, ou talvez, tenha piorado.  

 

Naruto não dava aberturas para que Sasuke se aproximasse, as coisas só pioravam, o alfa tentava a todo custo falar um pouco com ele, mas Naruto estava impossível. O moreno tentava manter toda a paciência do mundo, só que o loiro não colaborava.  

 

— Você pode parar de amassar isso? —  Sasuke pergunta controlando a voz, Naruto tem feito de tudo para tirar a paciência dele. 

 

— Não, posso não. — responde debochado, se tem algo no mundo que irrita Sasuke é o barulho do pacote de salgadinho, ele sempre tirava o salgado do pacote, só para não escutar o barulho irritante do saco amassando.

 

 Naruto sabia disso e começou a reclamar que estava com vontade de comer salgadinhos. O alfa deixou ele na casa e foi até a cidade comprar, mas Naruto não tocou no maldito salgadinho e só ficava amassando o saco. 

 

Para irritar o alfa.  

 

Sasuke deu um sorriso de canto de boca e Naruto estranhou.  

 

O alfa saiu de casa, foi até o carro, voltou com seu celular conectado aos fones de ouvidos, cantarolando uma música que tocava. 

 

Naruto abriu a boca em um verdadeiro 'O', indignado, com raiva e agora com um bico de choro que fez o alfa parar de cantar na hora. 

 

— O que foi? — Sasuke perguntou preocupado.  

 

A verdade é que Naruto estava carregado de energia, não entendia como estava tão bem e com tanto apetite. 

 

Só que Naruto com energia era um problema. Ele só tinha o alfa para incomodar e tirar seu tédio. Mas, Sasuke o estava ignorando. O alfa apenas tinha desistido de tentar puxar assunto e levar patada todas as vezes. 

 

Estava enlouquecendo com tantas oscilações de humor do ômega. 

 

Ele passava a noite inteira acordado tendo que ficar concentrado para fazer a transferência, depois passa o dia inteiro acordado cuidando e enfrentando o terrível humor do loiro.  

 

Estava pagando todos os seus pecados, com juros e correções monetárias. 

 

— Faz dias que eu não escuto música — disse manhoso. 

 

 Sasuke no mesmo momento entregou o celular - sem chip - para ele. Sorriu junto ao ver o ômega sorrindo. 

  

Sasuke passou a tarde escutando o ômega cantarolar e amassar o maldito saco. 

 

,,, 

 

3 semanas... 

 

Sasuke olhou o tempo do lado de fora e voltou para dentro. 

 

— Vamos dar uma volta — chama. Naruto só olha e se embola ainda mais nas cobertas quentinhas — O tempo está ótimo, você tem que andar um pouco. 

 

Naruto ignorou totalmente o moreno esperando ser deixado em paz, mas não funcionou, Sasuke puxou as cobertas e ganhou um rosnado irritado do loiro.   

 

— Me deixa.  Não quero! — Sasuke não deu a mínima para a grosseria — Sou uma pessoa sequestrada, pessoas raptadas não ficam andando por aí.  

 

— Naruto tudo isso é preguiça? Não é possível. — ele puxou as cobertas de cima dele, Naruto cobriu o rosto com o travesseiro.  

 

— Estou gravido, preciso descansar e aqui está tão quentinho — falou manhoso.   

 

— Só descansar também não faz bem, você precisa fazer um pouco de exercícios e tem um lago aqui perto. — ele arrumou algumas coisas para levar.  

 

— Meus pés estão inchados — Naruto disse tão baixo que se o alfa não tivesse uma audição tão boa não tinha ouvido.   

 

Sasuke parou o que estava fazendo e olhou para os pés do ômega, cobertos por meias, o loiro encolheu eles.   

 

— Por que você não me disse? — perguntou. Naruto olhou para baixo e viu o alfa sentar na ponta da cama e tentar pegar seus pés. O loiro puxou eles rápido e Sasuke o olhou confuso.  

 

— Eles não estão como antes — respondeu. Sasuke pegou um deles e tirou a meia — Não olha. — puxou e sentou com eles cruzados por debaixo do corpo.  

 

— Naruto me conta qual é o problema — já começou a se preocupar. Naruto puxou os pés de volta e tirou a outra meia.  

 

— Eles não estão bonitos como antes — disse baixinho. 

 Sasuke antes passava uns bons minutos beijando os pés de Naruto, dizendo como eles eram tão pequeninos e lindinhos. O ômega estava sempre cuidando para eles ficarem bem cuidados e agradar o alfa.   

 

Sasuke sabia que quando Naruto ficasse grávido ia passar por essas inseguranças. Sempre foi vaidoso demais e ver seu corpo mudando tanto mexeria com sua autoestima.   

 

O alfa sorriu e depositou um beijo em cada um. — Eles continuam lindos — deu outro beijo — Você sabe como eu gosto deles, eu nunca os vi mais bonitos. Estão um pouco inchados por você ficar tanto tempo sem fazer nada, movimenta-los vai fazer melhorar a circulação e eu te carrego quando você ficar cansado.  

 

Naruto sentiu seu coração palpitar a cada palavra do alfa, Sasuke falou tudo enquanto admirava, fazia uma massagem gostosa e as vezes puxava para dar um beijo.  

 

Ele perdeu o sorriso enorme que Naruto deu vendo seus pés sendo massageados.  

 

Muitos dizem que é frescura todas essas inseguranças que vem de brinde com a gravidez, mas, imaginem todo seu corpo começando a se transformar, de uma hora para outra, os hormônios sendo liberados a todo vapor e você ter que adaptar a essa TPM constante.   

Uma gravidez planejada já é difícil de lidar com todas essas mudanças, uma de surpresa é muito pior. Não tem nem como preparar o psicológico para tudo que vai passar.  

— Vamos? — perguntou. Naruto levantou da cama e se esticou como um gatinho.   

 

Sasuke pegou o restante das coisas que ia levar e Naruto esperou do lado de fora da casa.  

 

O dia realmente estava maravilhoso e aquele lugar era muito gostoso, um paraíso pessoal, totalmente isolado de tudo e envolto por arvores.  

 

Naruto se sentiu até estupido por ainda não ter aproveitado nem um pouco aquele lugar. O máximo que fez até hoje, foi ir na porta gritar para o alfa ir para dentro fazer algo para ele comer. Sasuke convidou várias vezes dizendo que seria bom ele toma um sol. Mas, foi ignorado e xingado.  

 

O ômega até pensou em dar uma volta e explorar o local, mas tudo que sentia era sono, fome, raiva, sono, tristeza, fome, carência, sono, tédio, fome e um pouco de paz... 

 

Talvez esses sentimentos que estejam fazendo tão bem ao ômega, embora, toda essa bipolaridade constante, Naruto conseguia se sentir em paz e talvez um pouquinho feliz. Sasuke estava ao seu lado o tempo todo, não precisava ficar inseguro e nem paranoico por medo dele ficar com outro ômega.   

 

O alfa está sendo tão... adorável.  

 

Naruto inferniza tanto ele xinga, faz várias exigências, humilha, grita e desconta toda raiva nele. Mesmo assim Sasuke não desistia, era paciente, fazia tudo que o ômega pedia. Aguentava tudo calado por saber que merecia isso e muito mais. Ele fingia o tempo todo que as palavras que o ômega dizia não machucavam tanto, mas depois chorava escondido.   

 

Nada pior para um Uchiha que saber que seus filhotes correm perigo por sua culpa, que seu ômega nega cada aproximação, que diz não cada vez que tenta falar sobre a marca e principalmente que não quer mais ser seu.  

 

Naruto já escutou ele chorando e isso fez o se sentir mal, querendo ou não, o seu lado ômega ainda insiste em querer agradar a alfa. Estava controlando mais o que dizia para ele, curtindo mais seus cuidados e vendo seu esforço para tê-lo de volta.  

 

Não queria o alfa longe como nos primeiros dias.  

 

Agora só infernizava o necessário.   

 

,,,,,  

 

Naruto deu a volta na casa e viu para aonde o alfa ia quando fugia dele, uma rede pendurada nas arvores. Sentiu vontade de deitar ali e balançar tomando o sol do final da tarde.  

 

 Ele andou rápido até a rede abriu para sentar e comprovar que era tão confortável quanto parecia, virou-se e...  

 

— Naruto, vamos ou vai ficar muito tarde — Sasuke chama, vê o ômega com corpo curvado quase sentando, sorri, assistindo o loiro passar por ele bufando de raiva por ter seu momento interrompido.  

 

Mais uma vez, o Naruto hormonal aparece, ficando com raiva por motivo nenhum e xingado o alfa que vem sorrindo atrás dele. O loiro ouve o alfa chama-lo mas ignora, iria mostrar que não precisava do inútil do pai dos seus filhos, podia se virar perfeitamente bem. Nem sabia mais porquê ainda está convivendo com esse homem, que não deixava sequer ele sentar em uma rede.  

 

Nunca mais vai ficar com dó desse idiot...  

 

—Naruto.  

 

— O QUE É? — virou com raiva — NÃO É PARA IR PARA MERDA DESSE LAGO? ESTOU INDO. —gritou com raiva, voltou a andar pisando duro, escutou uma gargalhada do alfa e virou para falar umas verdades para ele.  

 

Sasuke já estava sabendo como lidar com essas mudanças repentinas dele. Naruto estava assim o tempo todo e chegava a ser cômico ver ele irritado por nada.  

 

— É para o outro lado — Sasuke avisa, as bochechas do loiro coram pelo mico, mas não perde a petulância de virar e ir para o outro lado com nariz empinado.  

 

Ambos pegam uma trilha, Naruto resmunga o tempo inteiro pelo caminho na mata não ser asfaltado, sente o alfa segurar sua mão de uma maneira tão natural indo do seu lado e escutando todas suas infinitas reclamações.  

 

— Por que você ficou nervoso? — Sasuke pergunta, enquanto andava um do lado do outro e o loiro parecia estar mais calmo.  

 

— Eu queria sentar na rede — respondeu fazendo bico, sentiu um vazio quando sua mão foi solta pelo alfa, mas logo sentiu ele segurar cada lado de suas bochechas, o fez ficar de frente para ele e levantar a cabeça para encarar seus olhos.  

 

— Naruto eu sei que você não tem culpa de sentir tanto estresse. Mas, é hora de começar a parar de gritar por tudo, ficar com raiva sem qualquer motivo e de agir assim. Eu iria deixar sentar lá e ficar quando tempo quisesse, você sabe disso e mesmo assim prefere ficar nervoso do que simplificar as coisas. Você acha que todo esse nervosismo faz bem para os bebes? — Naruto nega com a cabeça.  

 

— Não é porque eu quero — pela entonação da voz ômega, Sasuke percebeu que ele já estava prestes a chorar.  

 

— Eu sei que não é, você está gravido e isso deixa você assim. Podemos controlar todo esse estresse com diálogo é só você me dizer tudo que está te incomodando que podemos resolver juntos. Nossos filhos não podem crescer dentro de um lar cheio de confusões, até porque são dois filhotinhos e precisamos estar bem para cuidar deles — O alfa disse tudo olhando diretamente nos olhos de Naruto e deu um beijo na pontinha do seu nariz.  

 

Pegou na mão dele e ia volta andar, mas o loiro ficou parado, Sasuke olhou para trás e viu que cada lado da bochecha do ômega escorria uma lagrima.  

 

— V-ocê quer cuidar deles comigo? — Naruto perguntou inseguro. Suas pernas estavam bambas pelo o que o alfa tinha falado. Em sua cabeça o alfa cuidaria dele grávido por causa dos bebes, depois do nascimento não teriam necessidades de ficarem juntos. Não em um lar. 

 

 Isso tinha um significado muito forte.  

 

— O que mais desejo na vida é ver sua barriga crescer e poder beija-la sentindo eles mexerem, segurar sua mão quando chegar a hora deles virem ao mundo e te beijar quando escutar eles chorarem a primeira vez. Planejar juntos a primeira festinha de aniversario, levarmos no primeiro dia de aula e você vai ter que me controlar porque não quero nenhum alfa perto do meu filho ou filha ômega. E vamos ter outros filhos porque quero uma família enorme. — agora o ômega soluçava de chorar, Sasuke levantou seu rosto e limpou suas lagrimas — Eu não quero você aqui só pelos bebes, aquele dia que eu me ajoelhei pedindo para você voltar no meio de todos, eu nem tinha ideia que estava grávido. Eu quero porque você é a melhor coisa que já aconteceu na minha vida, só demorei tempo demais para perceber isso.  

 

— Mas eu posso morr...  

 

Sasuke interrompeu a frase do ômega com um selinho — Não quero que você fale isso, quando você estiver pronto e confiar em mim, eu vou marcá-lo e nada vai ser mais forte que isso. 

 

— Você está falando sério? — a insegurança dele chega a ser palpável, o alfa envolveu seu pequeno corpo em um abraço protetor e o pegou no colo. 

 

—Nunca falei tão sério na minha vida. Preciso que você me de uma chance para te mostrar isso. Agora precisamos ir antes que fique tarde. 

 

Naruto escondeu seu rosto na curva do pescoço do alfa, tentando processar todas essas informações e parar de chorar por isso. Ele só conseguia pensar no seu alfa sendo tão sincero com as palavras, na sensação de paz que isso trazia e que agora daria tudo certo. 

 

Aos poucos o barulho da água foi aproximando-se mais, Naruto olhou para frente e viu o riacho de água cristalina. Seus olhos brilharam com a ideia de se jogar lá dentro, apesar, de não ter trago nenhuma roupa de banho. 

 

—Gostou? 

 

— Muito — respondeu a pergunta do alfa, foi colocado no chão, tirou o calçado e andou até a beirada. 

 

A água gelada molhou seus pés trazendo vários arrepios, a areia macia fazia uma massagem gostosa, uma sensação maravilhosa e relaxante. 

 

Sasuke observou o sorriso do ômega sendo contido com seu lábio preso entre os dentes, os dedinhos dos pés se movimentando na areia molhada, os olhos curiosos percorrendo a água cristalina e os cabelos balançando com o vento. Naruto abaixou tocando a água deixando ela escorrer entre seus dedos. O alfa não se cansava de olhar para ele, como era possível que uma pessoa consiga ser tão perfeita fazendo até o mais simples dos gestos? Naruto era gracioso em tudo que fazia, mesmo que não percebesse, fazia tudo ao seu redor ser um show com tanto brilho que transmitia, seus movimentos tinham tanta leveza, suavidade e delicadeza.  

Naruto era muito mais que um corpo bonito.   

 

O ômega era sinônimo de alegria por onde passava, não existia ser humano capaz de resistir a esses olhos azuis que transbordavam doçura, ou essa boquinha pequena virando um sorriso enorme, o suficiente para seus olhos fecharem formando ruguinhas em volta, sua voz doce e seu perfume inebriante.   

 

Naruto era e é irresistível de todas as maneiras.   

 

Sasuke passou muito tempo observando suas ações, talvez, mas só talvez, ele tenha observado mais do que era necessário antes de toda essa história de casamento. Olhava a distância toda a ousadia que o ômega tinha com os outros alfas, como usava seu rosto inocente para ter todos na palma da sua mão, sempre exibindo seu corpo bem cuidado, principalmente as pernas bronzeadas e macias, quando desejou tocar nelas só para ter certeza que elas eram mesmo tão sedosas como aparentavam. Mas, nunca demonstrou nada disso, até porquê achava patético como todos caiam de amores por ele.  Sasuke não era como todos e definitivamente não ia cair de quatro por aquele baixinho abusado que vivia insinuado sobre seu Sasuke Jr.   

 

Só que com a convivência, Sasuke percebeu que havia muito mais coisas pelo o que faziam todos se derreterem pelo ômega. As pessoas viam a essência dele, a nobreza de ajudar alguém com problemas, saber ouvir e o que dizer nos momentos certos. A forma de proteger quem ama. Quantas vezes o loiro brigava com ele, na frente de todos, por causa de sua amiga, esquecendo de todas suas fraquezas e a submissão dos seus instintos.  

 

Definitivamente Sasuke foi estupido por julgar tanto os outros, quando ele mesmo era o que mais observava Naruto, dava tantos defeitos a ele, por saber que suas qualidades eram muito maiores e nunca ia admitir isso.   

 

Sua consciência pesava só de lembrar todas as vezes que julgou Naruto por ciúmes, claro que na época ele chamava isso de indignação e nunca contou para ninguém. O moreno sentia raiva cada vez que via Naruto chegar destruído depois de cada cio, na sua cabeça algum alfa tinha esgotado as energias dele e por isso ele chegava pálido. Praticamente todos os ômegas daquela escola já tinham pedido ajuda dele para saciarem o cio, menos Naruto que se achava a última bolacha do pacote e isso causava raiva, magoa e muito ciúmes. Sua vontade só aumentou depois de ter ido até a casa do Hokage e quase ter invadido o quarto do ômega no meio do cio.  

 

As vezes todos esses desejos reprimidos viravam tanta raiva, que ele ficava com a Sakura só para se vingar do loiro, sabia o quanto isso o magoava e fazia com essa intenção.   

 

Se perguntava a onde estava aquele ômega doce que via brincando no parquinho quando eram crianças. Adorava ir lá só para ver o loirinho de olhos azuis brincando com seu amigo Gaara, suas perninhas curtas ficavam suspensas no balanço, sempre fazia biquinho por seu amigo conseguir encostar os pés no chão e se balançar sozinho. Lee corria para balançar ele, por saber que Gaara ia descer do balanço e empurra-lo, mas o ruivo amava se balançar junto com o amigo e Lee amava ver o ruivo sorrindo.   

 

Sasuke queria criar coragem para ir lá empurra-lo só para ouvir a gargalhada dele de perto. Nunca esqueceu o dia em que viu um menino implicando com ele, todo o sangue do seu corpo ferveu ao ver o ômega chorando e nem pensou duas vezes antes de defende-lo. Naruto olhou para ele com um beicinho de choro e as bochechas coradas. A criança mais adorável de Konoha.  

 

Tão adorável que o alfa não consegui se aproximar mais, por agir tão debilmente diante daqueles olhinhos curiosos, o pequeno também não falava com ele, até se perguntava o que tinha de errado, já que Naruto sempre falava com todos e sempre abaixava a cabeça quando estava perto do moreno. Sasuke nunca contou isso para ninguém. 

E nunca admitiu que sempre sentiu algo.  

 

Até agora, porque hoje o que Sasuke mais tinha orgulho de admitir eram seus sentimentos pelo pequeno. Todo o desejo que guardou por de trás de um paredão de arrogância foi derrubado com um sopro pelo ômega.   

 

Em poucas horas de casado foi o suficiente para ver que aquela criança adorável e manhosa não tinha mudado nada.   

 

O alívio que sentiu quando Itachi contou que o ômega era virgem foi imenso. Pode parecer machismo dizer que todos seus pensamentos ruins sobre ele desapareceram por ficar sabendo da sua pureza. Sasuke sabia o quanto estava sendo ridículo em pensar assim, até porque Naruto continuaria sendo o ser mais incrível do mundo mesmo que tivesse se entregado para todos de Konoha. Mas, saber que ele se guardou para alguém, e que esse alguém era ele, fez seu ego quase explodir e nunca se sentiu tão leve.  

 

Naruto era seu ômega.  

 

Cada vez que olha para trás vê como todas suas ações foram estupidas. Como tentar ficar com Neji foi um enorme erro. Como tratar Naruto daquele jeito era crueldade. Nem em um milhão de anos seria o suficiente para arrancar toda essa culpa que sente.  

 

Neji, nenhum ômega merece ser tratado como um objeto de desejo, não que o alfa não tenha amado ele, amou muito, só que não era maior que a confusão de sentimentos que sentia por Naruto. Mesmo assim o alfa quis manter ele perto por capricho e por negar a si mesmo o que o loiro fazia com ele. O perolado sempre foi doce e o alfa é o único culpado por alimentar algo que não daria certo. 

Sasuke espera que um dia ele encontre alguém que mostre que amor é luz, não o mar de escuridão e sofrimento que está passando.

 

Todos os ômegas merecem serem tratados com dignidade, acariciados como a mais delicada de todas as rosas, desejados e amados das formas mais verdadeiras possíveis.  

 

 Ele olhou Naruto colocar a mão na barriga, fechar os olhos, ficar em silencio e dividir com seus filhotes o momento de paz.   

Admirou a cena por um tempo... 

 

— Você quer entrar? — perguntou, Naruto abriu os olhos e corou vendo o alfa arrancar as roupas.  

 

Negou com a cabeça, mordeu o lábio interior vendo o alfa só de boxers entrando na água, com seu corpo musculoso e sua pele quase transparente sendo iluminada pelos raios do sol. Naruto era um ômega gravido muito hormonal, muito mesmo, deveria ser crime deixa-lo ver esse Deus do sexo exibindo seu corpo. Enquanto o ômega estava feio, inchado e com uma barriguinha estufada.  

 

Quando tinha um corpo bem cuidado foi traído, imagina como seria agora que não tem nada de atraente, emagreceu e agora estava engordando de uma hora para outra, lógico que seu corpo tinha sofrido com as mudanças e o pior que só estava no começo.  

 

—Tem certeza?  A água está uma delícia — Naruto sabia que a água estava gostosa, sentia ela batendo nos seus pés.  

 

—Eu não estou com roupa de banho — respondeu baixinho que se não fosse pela audição apurada dos Uchihas ele não teria ouvido.  

 

— Não precisa, tira essa e vem, ou eu vou aí te buscar — insistiu.  

 

Naruto queria negar, mas não queria mostrar como estava, ridiculamente, inseguro. Se Sasuke virasse para o outro lado seria muito mais fácil, só que também não queria mandar ele virar o rosto e perder a intimidade que estão voltando a construir de novo.  

 

— Tá bom — ele foi até uma pedra e tirou suas roupas ficando só com uma boxers bem pequena. Virou timidamente para o alfa e o que viu fez seu corpo arrepiar inteiro.  

 

Desejo, muito desejo!   

 

Os olhos do alfa queimavam no mais puro desejo. Naruto chegou a pensar que perderia toda água do seu corpo com a secada que Sasuke deu. 

O menino andou sem jeito até a agua, vermelho como uma pimenta e sentiu seu corpo quente arrepiar por completo ao entrar em contato com a água gelada. 

— Tá gelada — disse, andou até onde seus pés alcançaram.  

— Logo seu corpo acostuma com a temperatura — o alfa ajudou ele a chegar mais no meio do riacho raso, Sasuke ainda consegue firmar os pés no fundo. Pegou ele no seu colo — Movimentar as pernas vai fazer bem para você. 

Naruto virou de costa, deitou sua cabeça no ombro do moreno, começou a bater as pernas devagar e com o apoio dos braços do alfa nas suas costas para não afundar. Logo sentiu seus músculos relaxarem com a agua fria, o sol fazendo a temperatura aumentar e deixando um clima perfeito. 

— Está tão gostoso — falou baixo num sussurro, com os olhos fechados sentindo toda a leveza da água. 

— Muito gostoso — Sasuke concordou, mas olhando para o corpo do ômega. 

Naruto quase perdeu o ritmo das pernas com a voz do alfa tão perto da sua orelha. 

.... 

"Konoha" 

Deidara foi proibido de ir até a casa dos seus pais. Minato continuava nervoso, procurando Naruto por todos os lados, mas o irmão escondeu muito bem aqueles dois. 

Kushina já tentou ir visitar o filho, mas o marido não deixou. Os dois brigaram novamente por causa dos filhos, mesmo que o alfa não tenha usado sua voz, ele quis impor o que a mulher tinha que fazer e a ruiva não admite ser tradada com inferioridade só por ser uma ômega. Agora Minato estava dormindo no quarto que era de Naruto. Kushina ignorou qualquer aproximação dele, enquanto, ele continuasse com essas atitudes estupidas de renegar Deidara. 

Minato estava velho demais para agir de uma forma tão infantil até porque ele era o Hokage e tinha que ser exemplo para toda cidade. A mulher entendia todo o desespero do marido, Minato sempre foi muito protetor com o filho, não ter qualquer notícia dele era uma tortura. Sentia que tinha falhado como pai. 

Seu filho estava em algum lugar do mundo, com uma gravidez de risco e correndo risco de morte. Era um ótimo motivo para estar com os nervos à flor da pele. 

Kushina também era mãe e não acha justo que o marido desconte o estresse nela, nem em Fugaku como ele fez assim que Naruto foi raptado, foi atrás do Uchiha exigir que ele achasse seu filho e os trouxessem de volta. Minato voltou para casa com um olho roxo. Esqueceu que Uchihas não são sinônimos de calmaria. 

Os cidadãos começaram a se preocuparem, os dois líderes brigaram, era como se todos os anos de adaptação de Uchihas com os restantes dos cidadãos estavam se desfazendo pouco a pouco. Estavam com medo de uma revolta e ninguém queria uma guerra de novo. 

Tobirama tinha dúvidas se tinha feito o correto em ajudar Sasuke. Caso tivesse acontecido algo de ruim na cidade ia ser culpa dele, de Deidade e Sasuke. Seu tio Jiraya quase arrancou suas orelhas quando ele contou o que fez, mesmo que tenha garantido que iria até Naruto cuidar da sua gravidez, deu um sermão de horas tanto no sobrinho quanto em Deidara.  

Agora os dois estão com medo de levarem o alfa até Naruto e ele contar para o Hokage. 

O médico era o único que podia acalmar Minato garantindo que Naruto estava bem. Tobirama e Deidara até tentaram falar com ele e garantir que o ômega estava melhor, depois do Sasuke informa-los. 

 Mas, Minato estava irredutível, Deidara perdeu a paciência e gritou com o pai dizendo que aquilo era falta de sexo. 

O hokage expulsou os dois da sala. 

Depois de uns dias as coisas deram uma melhora entre os líderes e Konoha estava tranquila novamente. 

Deidara devia está certo, porque Minato tranquilizou todos dizendo que a aldeia vai continua em paz e que o pacto com os Uchihas não foi quebrado apesar dos contratempos. Tudo isso depois de ter ficado uma semana fora ajudando a esposa com seu heat. 

.... 

 

"O silêncio é a mais perfeita expressão do desprezo." George Bernard não poderia estar mais certo nessa frase. Todos tratavam Neji com o mais absoluto silencio, sua família não falava com ele, seus vizinhos cochicham todas as vezes que ele saia de casa e tudo que ele tem das pessoas era um olhar de nojo.

Como nesse momento, cansado de ficar em casa sozinho — como sempre — decidiu tomar um pouco de ar, espairecer um pouco, sentado no banco da praça vendo as crianças brincarem.  

Só não esperava chegar lá e ver todas as mães levando seus filhos para casa, lançando olhares cheios de repulsa, como se só a presença dele ali fosse transmitir uma doença terrível. 

— Esse sorvete pelos seus pensamentos — Neji quase pulou do banco, com o susto que Tobirama deu, chegando de repente. 

— Que susto — colocou a mão no peito sentindo seu coração batendo rápido, quase saindo pela boca. Fazia tantos dias que estava sozinho, que não esperava alguém vir falar com ele. 

— Desculpa, é que eu vi você aqui com tão quietinho parecendo precisar de uma companhia — O alfa viu o ômega abaixar novamente o olhar. 

— Eu não preciso da sua pena — falou baixinho, Tobirama viu uma gota cair no colo do ômega. Envergonhado, ele correu e limpou sem querer ser tão patético na frente do alfa. 

— Eu não estou aqui por pena, eu... só fiquei preocupado — segurou no queixo do ômega fazendo ele levantar o rosto com as bochechas sendo olhadas pelas insistentes lagrimas. 

— Nós nem somos amigos para você ficar preocupado comigo. —fugou e tirou a mão do grisalho do seu rosto. 

— Mas podemos ser — insistiu. 

— Por que você ia querer isso? Ninguém quer ficar perto de mim — ele olhou para frente, depois abaixou o rosto deixando seus longos cabelos cobrirem sua vergonha.  

Tobirama ouviu tanta magoa na voz, seguiu o olhar dele para ver o que ele estava olhando, as pessoas que ainda estavam por perto olhavam de um jeito estranho para o perolado. 

— Eu quero — Tobirama falou e viu o ômega levantar o rosto com os olhos arregalados. 

— Você quer? Tem certeza? — o alfa riu do jeito surpreso que Neji reagiu. 

— Tenho! Vai ser ótimo ter um amigo com esses olhinhos tão lindo — Tobirama afinou a voz como se tivesse falando com um bebê. 

— Eu não sou criança para você falar assim comigo, sou muito mais velho que você. Um homem! — disse e logo formou um bico emburrado. 

 Foi como se o que ele disse fizesse cosquinhas no alfa, que gargalhou até sair lagrimas nos cantos dos olhos. 

Adorável... Você parece um bebê, ainda mais fazendo esse biquinho — o ômega ficou abrindo e fechando a boca, sem saber se xinga o alfa ou agradece — Muito lindo bebê. — dessa vez ele falou sério.

O ômega ficou com as bochechas coradas, abaixou o rosto envergonhado, deixando a sua longa franja cobrir suas bochechas e apertou as mãos no colo brincando com a barra do suéter. Resmungou um "Não sou bebê" arrancando mais uma risada do alfa. 

Neji viu Tobirama sair do banco e nem se despedir, pensou que não deveria ter sido rude e que só faz coisas erradas. Deveria levar um prêmio de pessoa mais burra do século, só faz merda, conseguiu afastar todo mundo e jogou fora a única chance de ter alguém para conversar. 

— Espero que goste do sabor de morango — ele levou outro susto — Você é muito assustado. — Tobirama sentou ao seu lado rindo e esticando o braço para que ele pegue o sorvete — Toma, ninguém é triste tomando sorvete. — comprou outro para ele e começou a tomar. 

— Eu achei que tinha ido embora — falou confuso e pegou o sorvete. 

— Sem me despedir, sou muito amável para isso — o ômega revirou os olhos para tanta modéstia — Não revire os olhos, bebê. — provocou.

— Eu sou um adulto! Chato, virou amável agora? — enfiou o sorvete na boca, escutou uma risadinha debochado do alfa. 

O celular de Tobirama tocou, ele atendeu e disse para Deidara que em poucos minutos chegaria em sua casa. 

— Agora preciso ir — antes de levantar do banco Neji segurou seu pulso. Quando viu o que tinha feito soltou envergonhado e ficou uma cerejinha de tão vermelho — O que foi? — Tobirama perguntou sentando de novo. 

— Você ainda vai continuar falando comigo? — perguntou sem olhar para o alfa. 

— Por que pararia? 

— Você sabe as coisas horríveis que eu fiz para o Naruto? — suas bochechas estavam como dois tomates maduros de tanta vergonha. 

— Sim eu sei! Você faria de novamente? — perguntou e o ômega negou com a cabeça. — Acho que você já pagou por seus erros, todos merecemos uma segunda chance. Podemos ir no Ichiraku hoje, as 19 horas?!  

— Sim — se Tobirama não abaixasse o rosto, não seria capaz de ver o sorriso envergonhado que o ômega deu. 

— Ótimo! — pegou o queixo do ômega e ergueu para cima — É um bebê mesmo — limpou o canto da boca que o ômega sujou de sorvete e foi embora. 

Eu sou um adulto! — sussurrou vendo o alfa ir. 

 

.... 

Sasuke não pensou que acharia uma forma de achar Naruto mais bonito ainda. Mas, estava enganado. Naruto com aquela barrinha ficando toda redondinha era a coisa mais linda desse mundo, fora que ele continua tão sensual, mesmo não sabendo disso e o alfa teve que se controlar para não avançar nele.

— Chega de água — falou e puxou o ômega para segurar em seu pescoço.  

— Você é muito mandão — Naruto resmungou.  

— Sou um alfa — Sasuke rebateu. Como se essa afirmação fizesse algum sentido. Naruto sempre foi mais mandão que ele.  

— Eu não sou seu ômega para ser submisso a você.  

— É logico que é, eu sou seu alfa e você está esperando nossos filhotes — Sasuke segurou no queixo do ômega e virou para ele. — Naruto, você me quer como seu alfa? — o loiro desviou o olhar envergonhado sem saber o que falar. — Eu vou aceitar tudo que você decidir e prometo não me meter mais na sua vida se sua resposta for não. Eu só não aguento mais magoar você, já não sei mais como me redimir, não quero mais te força a permanecer do meu lado se é algo que te magoe. — Sasuke deu um longo suspiro cansado.

 Blefou em cada palavra, porque sinceramente ele não iria mais desistir do loiro, sabia que mesmo sendo egoísmo não consegue mais ficar sem o ômega, muito menos deixar que outro alfa se aproximar dele e dos seus filhos.  

Naruto olhou para ele com um dos maiores bicos de choro que ele já viu, seus lábios tremiam, seus olhos encheram de lagrimas, fungou tentado se controlar para não chorar, abraçou o alfa escondendo seu rosto na curva do pescoço e suas pernas enlaçaram a cintura dele.  

— O que foi? — perguntou escutando um soluço estrangulado do pequeno.  

— Você quer me abandonar de novo — respondeu apertando ainda mais o abraço.  

Dizer que Sasuke não ficou feliz ouvindo isso seria mentira, foi como arrancar várias toneladas de suas costas.  

— Olha para mim babe — falou baixinho, Naruto levantou o rosto e olhou nos olhos do alfa — Eu nunca mais, ouça bem, nunca mais vou sair do seu lado — Sasuke juntou seus lábios ao do pequeno — Nunca — disse com os lábios colados e Naruto deu um breve sorriso logo sendo interrompido por outro beijo.  

Sasuke sentiu as borboletas no seu estomago fazendo festa, como sentiu falta dessa boquinha gostosa, da textura, do sabor e como se encaixa tão perfeita com sua. Seus braços apertaram envolta do ômega com possessividade, enquanto sua língua invadia sua boca e se enroscava com a dele, as mãos de Naruto subiram até os cabelos do alfa puxando e aprofundando o beijo. Sasuke desceu as mãos pela silhueta até a bunda e encheu as mãos apertando. Naruto engasgou-se no próprio gemido, aquelas mãos desencadearam uma combustão em seu corpo, a agua podia até estar fria. Mas, seu corpo estava quente como no inferno.

Ele não queria agir como um adolescente desesperado, no entanto, foi exatamente isso que ele fez. Começou a rebolar no colo do alfa, procurando um pouco de alivio ao se esfregar. O alfa apertou cada lado da sua bunda com força, trouxe o corpo do ômega para sua ereção e Naruto ofegou pelo contato. Sasuke fez de novo e o ômega gemeu alto.  

E gozou...  

Naruto poderia fazer cosplay de Tomate, ele ficou inteiramente vermelho e com vergonha.   

— É que eu... Faz muit... Eu... — tomou folego. E choramingou escondendo o rosto no pescoço do alfa.  

Ejaculação precoce, é sério?   

Ficou com vergonha de não ter durado nem cinco minutos, Sasuke nem fez tanta coisa assim e ele já se derramou de forma vergonhosa.

— Calma, eu sei que sou delicioso — Sasuke falou tentado quebrar o gelo, Naruto só chiou um "convencido" — Não precisa ficar envergonhado, você está com os hormônios a flor da pele e isso é perfeitamente normal.  

— Eu quero dormir — falou manhoso, enquanto o alfa saia da agua com ele no colo.  

Sasuke colocou ele em cima de uma pedra e vestiu as próprias roupas, foi até a bolsa que trouxe pegou uma toalha, uma cueca e uma maçã. Deu a fruta para o ômega comer enquanto secou seu corpo.

— Posso? — perguntou olhando para a cueca molhada do ômega. Naruto com vergonha concordou e levantou um pouco para que o alfa trocasse sua roupa. Seu corpo ficou fraco com o orgasmo e tremulo.  

O alfa o vestiu, pegou no colo e levou embora. Naruto dormiu antes de terminar de comer.    

Sasuke chegou em casa, o colocou em cima da cama e sentou do seu lado para transferir chakra.   

O ômega perde suas energias com muita facilidade.   

O moreno deitou na cama e se embolou inteiro nele, com a desculpa que assim a transferência poderia ser mais intensa.  

Sorriu quando Naruto se enroscou ainda mais nele, beijou seu beicinho formado por sua bochecha amassada e se concentrou em dar energia para seu ômega. 


Notas Finais


obrigado por ler ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...