História Pais por Acaso. - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Show Nu, Won Ho
Tags Changkyun, Hyungwon, Jooheon, Kihyun, Minhyuk, Monsta X, Pais, Showhyuk, Shownu, Wonho
Exibições 516
Palavras 2.137
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá amores ❤️
Explicação de não ter tido capítulo no fim de semana: eu não quero que essa fanfic acabe tão cedo. Nós estamos no capítulo 13 e se eu continuar postando atualização dupla na semana, nós vamos nos despedir super cedo, pelas minhas contas, a fanfic acabaria dia 7 de janeiro e eu não quero isso. Enfim, e porque eu não tinha escrito nada heuahuehaue
Bom, boa leitura ❤️

Capítulo 13 - Treze.


 

A velha saiu andando, me deixando sem chão. Hyungwon saiu correndo para dentro da casa e eu nem tive tempo de ir atrás dele. Não só eu, todos estavam em choque, até mesmo os convidados. Changkyun me olhava assustado e eu apontei para os coleguinhas dele, pedindo mentalmente pra ele continuar a festa. Kihyun me olhava tão cabisbaixo que eu quis morrer. Wonho chorava quieto e Jooheon apenas observava tudo.

Deixe-me cair de joelhos na grama e chorei. Senti Shownu me abraçar e desabei. Chorei como uma criança, pensando realmente como tudo aquilo iria causar uma merda enorme. Tentei imaginar a minha vida sem os meninos e nada fazia sentido. Eu me via triste em um quarto vazio, acordando e vivendo sem motivo algum. E não era isso que eu queria.

Me recompus e pedi para continuarem a festa. Eu iria atrás de Hyungwon. Antes que eu pudesse entrar na casa, Wonho me parou e pediu para ajudar, e eu concordei, começando a procurar. Olhei dentro de armários, procurei no quarto, onde encontrei apenas o Bolinha. Eu estava começando a entrar em desespero. Trombei com Wonho várias vezes e quando nos cansamos de procurar, sentamos na escada tristes e preocupados.

– Eu acho que tem um lugar que nós não procuramos... – me lembrei.

– Onde? – Wonho perguntou.

Fui até o quarto dos pais das crianças e abri a porta, olhando o ambiente escuro e a porta do armário aberta. Sorri fraco e andei até ali, me sentando em frente ao mesmo, ouvindo o chorinho baixo que eu tanto conhecia. Wonho se sentou ao meu lado e eu então abri a porta,  vendo Hyungwon todo encolhidinho ao lado de um cesto de roupas.

Toquei seus cabelos e o mesmo levantou a cabeça, olhando para mim. Nunca senti tanta vontade de chorar, quando Hyungwon pegou minha mão e a abraçou, chorando de soluçar. Como eu odeio aquela velha idiota.

– Ei meu Olaf... – chamei-o. – Está tudo bem?

Minuki... – ele suspirou. – Eu sou mesmo apontado?

– Adotado? – corrigi-o.

– É...

– Sim, Hyungwon... Na verdade, eu não sei. – fui sincero.

– Hyungwon. – Wonho chamou-o. – Mesmo que você seja adotado, nós te amaremos da mesma maneira.

– Nada muda Hyungwon, você vai continuar sendo o nosso pequeninho.

– Nada? – ele perguntou.

– Nadinha.

– A vovó vai levar os meus irmãos? – ele perguntou preocupado.

– Eu não sei Hyungwon... – meu coração apertou. – Ela me odeia... e é capaz de tudo pra tirar vocês de mim e do Shownu.

– Você não vai deixar, né? – Wonho me perguntou.

– Não. Eu vou fazer de tudo pra isso não acontecer. Eu prometo.

Hyungwon se levantou e veio até mim, abraçando-me. Sentei-o em meu colo e retribui o abraço pequenininho, prometendo a mim mesmo que o próximo que fizesse meu pequeno chorar irá chorar por ter nascido.

Voltamos para a festa e fingimos que estava bem. Senhora Lee brincava de esconde-esconde com as crianças, enquanto Shownu havia ido buscar o bolo. Arrumei a mesa com a ajuda de Kihyun e logo as crianças começaram a gritar, vendo o lindo bolo de cenoura com cobertura de chocolate e confeitos coloridos ser colocado na mesa. Chamei Changkyun e logo o mesmo estava atrás do bolo.

E lá estava minha mãe tirando foto de tudo, do bolo, dos docinhos, do Changkyun, da vela, da árvore, do telhado. Acendemos a vela de seis anos e começamos o parabéns. Hyungwon pediu-me colo e assim me coloquei do lado esquerdo de Changkyun, enquanto Shownu estava do lado direito e os irmãos perto dele. Changkyun ria envergonhado e quando a música acabou, ele parou e pensou muito bem.

– Faça um pedido! – Wonho gritou.

– Eu quero... – ele fez um bico pensativo. – Eu quero que nós fiquemos todos juntos para sempre. – e soprou a vela.

Sorri largo e fiquei até emocionado com o pedido de Changkyun. Procurei os pratinhos e os talheres descartáveis, indo atrás de uma faca para cortar o bolo e voltei para perto da mesa. Entreguei a faca para Changkyun rezando pra Buda que ele não me matasse ali mesmo. O mesmo cortou o bolo e eu o ajudei a colocar um pedaço no pratinho, adicionando dois brigadeiros.

– O primeiro pedaço você tem que dar para alguém especial. – minha mãe explicou.

– Especial? – ele perguntou. – Como assim?

Que você ame muito. – Kihyun simplificou.

Changkyun olhou em volta, encarou Hyungwon, e virou-se para mim, me estendendo o pratinho com o bolo. Mantive a pose de sorridente e peguei o pedaço de bolo, agradecendo por todo o amor. Mentira. Desatei a chorar, chorar e chorar, e não era de tristeza, e sim de felicidade, e talvez uma mistura de surpresa. Changkyun me abraçou e eu retribui, pedindo desculpas a mim mesmo todas as vezes que eu disse a mim mesmo que o odiava.

Shownu me olhava tão feliz que eu achei que me desintegraria ali mesmo. Sequei as lágrimas e comi o bolo com vontade, todo feliz. Hyungwon sentou-se ao meu lado, segurando o pratinho cheio de brigadeiros. Logo, todos estavam se deliciando com o bolo da senhora Lee, que não é por nada, mas estava maravilhoso.

 

Depois de uma tarde cheia de crianças, uma a uma foi embora, até só restarem as nossas. A festa havia terminado para os convidados, mas para nós ainda restava a parte de arrumar tudo. Minha mãe levou as crianças para dentro, para elas abrirem os presentes que Changkyun havia ganhado, enquanto eu e Shownu começamos a arrumar toda a bagunça do quintal. Havia tanto lixo jogado no gramado que eu abaixava mais do que dançarina de funk. Difícil essa vida de velho, cheio de dores nas costas.

– Acha que essa revelação sobre o Hyungwon vai afetar em algo? – Shownu me perguntou.

– Eu acho que não... – respondi.

– É que sei lá, foi um choque enorme até para mim. – Shownu disse.

– Eles são crianças, tenho certeza que vão continuar tratando o Hyungwon da mesma forma.

– Bom, assim esperamos. – Shownu concluiu.

Quando três sacos de lixos estavam cheios, havíamos – finalmente – terminado de arrumar todo o quintal. Voltamos para dentro da casa, encontrando todos os personagens do frozen na sala, observando Changkyun abrir o último pacote de presente. Peguei Hyungwon no colo para me sentar no sofá e o abracei, beijando o topo de sua cabeça.

– O Homem-Aranha! – Changkyun disse puxando o pacote.

– Dá ele pra mim Changkyun? – Jooheon pediu.

– Mas ele é meu! – Changkyun retrucou.

– Mas você tem um monte de brinquedos novos! – Jooheon choramingou.

– Changkyun, eu comprei uma coisa para você e eu acho que você vai gostar mais do que do Homem-Aranha. – Shownu disse.

– O que?

Shownu subiu as escadas e em pouco tempo voltou com um embrulho azul escuro. Entregou para Changkyun e o mesmo o olhou confuso, rasgando o pacote e fazendo a cara mais surpresa do mundo. Uma boneca da Elsa.

– Obrigado Shownu appa! – Changkyun correu e abraçou Shownu.

– Eu posso ficar com o Homem-Aranha? – Jooheon perguntou.

– Acho que sim. – respondi.

– E agora, o meu presente. – minha mãe sorriu.

– Cadê seu presente vovó? – Wonho perguntou, olhando para minha mãe.

– É porque ele não está aqui, ele está em outro lugar. – ela explicou.

– O que é? – Kihyun perguntou.

– Vou levar vocês ao parque de diversões, amanhã! – anunciou.

Todos gritaram comemorando, menos Hyungwon, ele estava quieto.

– Eu também vou? – Hyungwon perguntou.

– Claro que vai meu pequenininho. – ela apertou as bochechas do mesmo.

– Ela não é ruim como a nossa avó, Hyungwon. – Jooheon explicou.

– Eu vou poder levar o Bolinha?

– Acho melhor ele ficar aqui, lá é perigoso. – expliquei.

– E quem vai cuidar do Bolinha? – ele perguntou.

– Bom, eu posso ficar em casa, eu estou cansado e tenho trabalhos da faculdade para terminar. – me ofereci.

– E eu também, temos que terminar de limpar o quintal, podem ir as crianças e a vovó. – Shownu disse, me encarando.

– Melhor você ir pra ajudar a cuidar das crianças, eu posso limpar tudo sozinho... – tentei reverter a situação.

Eu sei que estou muito fodido.

– Ah vocês precisam de um tempo para vocês, vai ser até bom. – minha mãe ajudou.

– Vamos passar um dia todo com a vovó? – Changkyun perguntou.

– Sim. – Shownu respondeu.

YEAH! – os cinco comemoraram juntos.

 

Armação. Só pode. Eu sei das intensões do senhor Soo Hyunwoo e sei que meu bumbum não será perdoado. E o pior! Minha mãe ainda ajuda, bela mãe, melhor mamãe, obrigada omma, que Deus te elimine.

Naquela noite, Changkyun paparicou a boneca que ele havia ganhado como eu paparico o Hyungwon. Jooheon e Wonho jogavam vídeo game, Kihyun fazia sua tarefa e Hyungwon não parava de me seguir. Queria colo o tempo todo e quando algum dos meninos tentava se aproximar, ele se encolhia todo, ou então respondia seco e saia. Não só eu percebi isso, todos percebemos.

Minha vontade naquele momento era matar a avó dos meninos. Hyungwon foi afetado pela revelação que a bruxa havia feito, e eu não sei o que fazer diante disso. Enquanto lavava algumas coisas na pia, Wonho me chamou, oferecendo-me ajuda para lavar os pratos.

– Minhyuk... O Hyungwon está bem? – ele perguntou.

– Não Wonho, infelizmente... – suspirei triste.

– Ele não quer mais brincar comigo, e não deixa eu o abraçar.

– É que foi um choque para ele, Wonho, logo logo ele volta a ser o nosso Hyungwon. – acalmei-o.

– E tem algo que eu possa fazer? – ele parecia preocupado.

– Bom... – pensei por um momento. – Acho que por agora não.

Ele deu de ombros e saiu, indo para a sala. Senti um peso em meu coração, é a pior coisa do mundo ver pessoas que você ama tristes, ainda mais quando elas são crianças. Assim que terminei a louça, ajudei Kihyun com alguns exercícios e então fui levar Jooheon e Changkyun para tomarem banho.

Uma guerra. Jooheon entrou na banheira sem fazer drama, mas senhor Lim Changkyun começou com seu show.

– Eu sou a Elsa! Eu faço o que eu quiser. – ele ainda estava com o vestido.

– Changkyun... por favor vamos. – pedi, tentando tirar a roupa dele.

– Vou congelar você, uh! – ele esticou as mãos, fazendo barulhos, encenando que soltava gelo pelas mãos.

– Ai meu Deus nossa senhora estou morrendo congelado! – fiz um drama, me contorcendo todo.

– Livre estou! Livre estou! – ele cantou alto, correndo do banheiro. – EI! ME SOLTA! – ouvi o mesmo gritar do corredor.

Shownu apareceu segurando Changkyun no ombro, e o mesmo se debatia, tentando se soltar.

– Livre nada. – Shownu riu. – Tem que tomar banho, senhora Elsa.

– Eu vou congelar você! – Changkyun disse.

– Uhum, ok senhora, mas agora você tem que tomar banho, ou então seus poderes desaparecem. – Shownu brincou.

– Desaparecem?

– Uhum, a Elsa toma banho todos os dias, por isso os poderes dela são fortes e congelantes.

Changkyun desceu do colo de Shownu e tirou o vestido, entrando na banheira ao lado de Jooheon. Olhei para aquilo boquiaberto. Macumba, não é possível. Uma frase e ele obedece. Shownu saiu do banheiro e assim eu terminei de banhar os meninos, secando-os e procurando por seus pijamas. Jooheon estava caindo de sono, já Changkyun, ainda brincava de ser a Elsa.

– Changkyun, você tem que dormir! – chamei-o.

– Uma rainha não pode dormir, eu tenho que cuidar do reino!

– Ok, enquanto você cuida do reino, eu vou dar banho no senhor Olaf, quando eu voltar, quero você dormindo. – disse a ele.

Hyungwon estava tão quietinho que eu estava começando a ficar mal. Não brincou, não cantou, nem trouxe o Bolinha pra tomar banho. Não fez drama pra sair, e nem quis escolher o pijama que usaria. Simplesmente queria tomar leite e dormir.

– Hyungwon... – chamei-o, enquanto o mesmo tomava o leite na mamadeira. – O que foi meu pequeno?

– Eu não sei. – ele respondeu.

– Você está tão tristinho...

Minuki... Eu ainda sou da família? – ele perguntou.

– É sim. – sorri. – Você é e sempre será.

– Mas a vovó disse que...

– Não importa o que ela diz Hyungwon! – interrompi-o. – Você é o nosso bebê, sempre será e não é porque você veio de outra família que nós vamos te amar menos, ok?

– Então... Eu tinha outra família?

– Sim, provavelmente eles não tinham condições para te criar... Isso só sua mãe pode responder.

– Eu queria que a mamãe voltasse logo. – ele disse. – Quando ela volta?

Hyungwon ainda não sabia o que era morte, e eu descobri isso naquele momento.

– Ela... – suspirei. – Bom, terminou de tomar o leite?

Ele apenas concordou com a cabeça e me entregou a mamadeira vazia. Carreguei-o no colo até o quarto contando coisas aleatórias engraçadas, enquanto ele ria sem parar. Cinco minutos foram o necessário para que ele pegasse no sono. Conferi se todas as crianças dormindo e deixei o quarto, indo ao banheiro para tomar um banho rápido, e logo depois ir para o quarto.

Shownu dormia, ou pelo menos fingia, pois assim que eu deitei ele acabou apertando minha bunda, o que me fez pular do colchão e parar no chão.

– Seu maluco. – fiz bico.

– Amanhã temos a casa só pra nós. – ele sorriu malicioso.

– Quais seus planos? – perguntei.

Amanhã você saberá.

 

.


Notas Finais


E vocês só saberão sábado/domingo.

Obrigada pelos 287 favoritos, espero que cheguemos logo aos 300, assim eu posso coloca o capítulo 14 como especial. Bom, eu amo muito vocês e sério, obrigada por cada comentário, vocês são a razão de eu escrever cada vez mais. ❤️

Leiam a Trilogy D:
Dancer: https://spiritfanfics.com/historia/dancer-6920434
Desire: https://spiritfanfics.com/historia/desire-7059585
Diligent: https://spiritfanfics.com/historia/diligent-7059507

Leiam meu jornal sobre o Desafio das 100 Torções: https://spiritfanfics.com/perfil/yoongizzz/jornal/desafio-das-100-torcoes-7088546

Um beijo, um queijo e até ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...