História Paixão A Mil Por Hora (Camren) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren
Exibições 95
Palavras 2.692
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Luta, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Esse capitulo ta demais. Boa Leitura

Capítulo 6 - Por Pouco.


- Você está bem Camila? Você está meio verde.- Dinah me diz com preocupação em seu olhar.

- Estou bem. Foi só a adrenalina.- Ainda bem que tenho essa desculpa.

Lucy se aproxima de nós juntamente com a beijoqueira. Dinah continua falando toda empolgado por eu ter participado do racha.

- Foi tão emocionante de assistir, imagina pra você que participou! Deve ter sido muito emocionante.- Ela parecia mais animada pelo fato do que eu mesma.

- Hey DJ Queen.- Dinah se aproxima da namorada. Eu torço o nariz com o apelido carinhoso. Não quero nem saber porque ela a chama assim, espero que seja só porque ela gosta da Queen B.

- Hey amor.- Ela se aconchega em seus braços. – A Camila foi ou não foi corajosa?- Acho que ela está orgulhosa por eu ter feio algo assim. Ela não deve ter visto a Lauren me carregando e me obrigando a correr com ela. Vou deixar ela pensando que eu fiz de livre e espontânea vontade. Meio que foi, quer dizer, ela não apontou uma arma pra minha cabeça nem nada...e até que eu me diverti, mas é claro que eu não vou admitir isso pra Lauren.

- Realmente. Sua primeira vez no encontro, e eu acredito que é a sua primeira vez em qualquer encontro desse tipo, e já é mascote. Parabéns Camila.- Lucy me parabeniza.

- Obrigada.-

- Ela não ficou com medo porque eu sou uma ótima motorista.- Lauren entra na conversa.

- Contra isso eu não posso discutir, cara.- Lucy diz.

- Eu te disse que você precisava viver mais, não disse Camila? Aposto que isso foi mais divertido do que tomar sorvete com o Shawn.- Ela ri.

Lauren faz uma carranca.

- Quem é Shawn?- Ela pergunta.

- Ninguém.- Eu rapidamente digo.

- É só um carinha que é louco pela Mila. Acho que se ela pedisse pra ele saltar de uma ponte, ele não pensaria duas vezes.- Dinah diz.

- Não é assim, nós somos amigos.- Digo, um pouco irritada pela DJ estar falando sobre isso na frente das garotas.

- Ele está louco pra chegar na terceira base com você Camila. Amizade só se for com benefícios.- Ela diz maliciosamente.

Lauren ri. – Bom , ele vai ter que fazer melhor que isso. Sorvete? Sério? Quantos anos ele tem? Doze?- Ela diz e todos riem, menos eu.

- Shawn é um cara muito legal, e eu me diverti muito naquele dia. E eu amo sorvete, então se ele quer algo mais está indo pelo caminho certo.- Isso que eu acabei de dizer soa tão estupido, mas me sinto impelida a dizer algo para defende-lo, ele é tão legal comigo e ele nem está aqui pra se defender

Dinah e Lucy riem do meu comentário. Lauren dá um sorriso sem humor nenhum e me encara. Fico desconfortável e desvio meu olhar pro chão.

- Eu quero te apresentar a uns amigos.- Lucy de repente diz puxando a Dinah com ela em direção a um grupo de pessoas.

Ficamos só Lauren e eu.

Vou busca outra bebida, não porque eu esteja com sede mas porque não quero ficar perto dela, principalmente sozinha. Não adianta muito, sinto ela logo atrás de mim, me seguindo.

- Porque está me seguindo? Você não tem alguma loira peituda pra ir beijar?- Não consegui evitar, com certeza ela percebeu a acidez em minha voz.

Ela se coloca na minha frente me impedindo de passar.

- Porque? Está com ciúmes?- Ela levanta a sobrancelha naquele movimento que eu acho muito sexy.

Forço um risada. – Claro que não.-

- Pois eu acho que você está.- Ela diz chegando mais perto.

- Não diga besteira.- Digo revirando os olhos.

Ela se aproxima mais, seu corpo encostando com o meu. Essa proximidade deixa meu corpo todo em alerta, e uma parte em especial, uma parte que ninguém jamais tocou, além de mim mesma. O calor do seu corpo parece tão acolhedor que me dá vontade de puxa-la em um abraço. Quero senti-la mais próxima, seus braços em volta de mim.

Ela aproxima a sua boca da minha orelha.

– Mentirosa.-

A essa altura eu já perdi completamente a minha capacidade de falar, então apenas balanço a cabeça em negação.

- Mentirosa sim. Você está sendo uma menina má, Camila.-

Meu Santo Deus. Ela me dizendo isso com essa voz sexy que ela tem já seria muito, mas sussurrando assim no meu ouvido, é simplesmente...demais.

Acho que estou prestes a desmoronar quando escuto várias pessoas começarem a gritar.

– Policia!-

Eu acordo do meu transe ao ouvir essa palavra e olho assustada para Lauren.

- Caralho.- Ela xinga.

Ela pega minha mão e me puxa com ela pelo meio das pessoas correndo.

- Venha comigo. Não solte mão.- Ela grita

Escuto as sirenas e vejo as pessoas correndo, estou tão atordoada que apenas permito que Lauren me puxe e me leve com ela.

Quando me dou conta, ela está me colocando dentro do seu carro. Ela entra correndo e da partida na ignição.

- É Dinah e Lucy? Temos que pega-las.- Digo desesperada depois de escutar o disparo de um tiro, depois vem outro, e outro. Deus, eles estão atirando nas pessoas! Balas de borracha provavelmente, mas mesmo assim é aterrorizante.

- Não temos tempo.- ela diz acelerando – elas vão ficar bem. Lucy vai cuidar da Dinah.-

Por sorte, no meio de tantas pessoas fugindo a pé e em seus carros, nenhum policial nos seguiu. Já participei de um racha, uma perseguição policial seria emoção demais pra um dia.

Lauren parece não relaxar por não estarmos sendo seguidas, ela continua acelerando. Indo cada vez mais longe de onde estávamos e cada vez mais longe da direção onde esta minha casa.

Finalmente depois de dirigir por alguns minutos, ela para o carro perto de uma árvore em uma estrada de um bairro residencial. Todas as luzes das casas estão apagadas e depois que ela desliga o carro e os faróis apagam, as únicas luzes que nos impedem de ficarmos na escuridão total, são as fracas luzes amareladas nos poucos postes na rua.

Ela respira fundo e passa a mal pelo cabelo.

- Essa foi por pouco.- Ela diz. Eu não digo nada e ela me encara.

- Você está bem,Camila? Está machucada?- A preocupação na sua voz é quase tangível.

- Não, eu estou bem. Com medo como o inferno, mas bem.- Ela sorri aliviada.

- Primeiro racha da sua vida, primeira vez como mascote e primeira vez fugindo da policia. Que noite deve estar sendo pra você.- Eu aceno.

- Bom, pelo menos eu espero que seja a primeira vez que você foge da policia.- Ela diz e sorri.

- Primeira e última, eu espero.- Eu digo.

Ficamos uns dez minutos em silêncio, não um silêncio desconfortável, mas ambos precisamos nos recuperar do susto. Agora minha respiração e meus batimentos cardíacos estão de volta ao normal. Essa noite com certeza não será algo que eu vou esquecer. Nunca.

- Talvez seja melhor nós voltarmos agora.- Ela diz quebrando o silêncio.

- Acho que é melhor mesmo.- Concordo.

- Porque sabe...eu tenho uma loira peituda me esperando, e eu mal posso esperar pra colocar a minha língua em sua garganta.- Ela está rindo, eu a olho e reviro os olhos.

- Que seja.-

- Estou brincando, Camila. Não tem loira, morena ou ruiva. Não tem ninguém.- Ela diz séria.

Olho em seus profundos olhos Verdes.

- E aquela loira que você beijou na linha de chegada?- Não consigo evitar o tom de acusação na minha voz.

- Primeiro: Ela me beijou, não o contrário. Segundo: Eu nem conheço ela. Esse tipo de coisa sempre acontece, se você ganha então um monte de mulher cai em cima de você. Na próxima vez, se você perde, elas não pensam duas vezes antes de te dar um belo chute na bunda e ir fazer a próxima vitima. Você acha mesmo que eu iria querer alguma coisa com elas?-

- Tanto faz, isso não me importa.- Digo, torcendo pra que ela mude de assunto.

- Mesmo?- Ela pergunta me olhando nos olhos sem hesitação.

- Mesmo.- Respondo.

- Então você não se importa com quem eu beijo?- Ela pergunta divertido.

- Nem um pouco. Por mim você pode beijar quem você quiser.- Digo dando de ombros.

- Quem eu quiser?- Me pergunta, seus olhos estão em chamas.

- Quem você quiser, eu não me importo.-

- Ótimo.- Ela diz com um sorriso enorme e malicioso.

Então, antes que eu assimile qualquer coisa, sinto sua mão em minha nuca me puxando em sua direção. Meus lábios são esmagados pelo seus. Eles são macios e suaves.

Por um momento ela apenas permanece assim, com seus lábios encostados ao meu. Mas então ela começa com movimentos suaves, tentando me forçar a abrir a boca. Eu resisto bravamente.

Ela mordisca de leve meu lábio e depois chupa.

Eu tenho que resistir. Eu quero querer resistir.

Mas ao invés disso, abro minha boca dando-lhe livre acesso.

Eu não vou resistir, isso está tão gostoso. Ela é gostosa, a sensação de sua boca na minha é gostosa. A sensação de sua língua provando e brincando com a minha é gostoso.

A sensação é tão boa e tão plena, que um leve gemido me escapa por entre os lábios. Fico envergonhada que Lauren tenha escutado, que ela saiba que eu sou tão inocente e sem experiência que apenas com um beijo, estou gemendo.

Não que eu nunca tenha sido beijada antes, mas eu nunca fui dessa forma. Ela não está sendo gentil, talvez no começo, quando ela estava testando o território. Mas agora, seu beijo é feroz, cheio de desejo e paixão. Um beijo que reflete os meus próprios sentimentos.

Ao me ouvir gemer de novo, Lauren aprofunda o beijo, tornando-o mais desesperado. Ainda com sua mão em minha nuca, me impedindo de recuar. Ela me puxa pra mais perto, envolve minha coxa com sua outra mão e com um movimento rápido, me conduz para seu colo.

Posiciono minha perna ao lado da sua coxa esquerda e a outra ao lado de sua coxa direita, hesitantemente me sento em seu colo.

Oh meu Deus.

Sinto algo duro sob seu jeans. Se eu tinha qualquer duvida sobre como eu o faço sentir, aqui está a resposta. Sim, ela me deseja. E eu a desejo-a, tão forte que sinto minha barriga doer e o meio das minhas pernas latejar.

Suas mãos agora estão viajando pelas minhas costas, por meu cabelo, minhas coxas...Ela as move freneticamente, nunca parando muito tempo em um só lugar, como se quisesse memorizar todas as curvas do meu corpo.

Sinto essa necessidade gritante de fazer pressão no meio das minhas pernas, então começo a me esfregar contra a saliência na calça de Lauren. Esfrego para frente e para trás, aplicando a pressão necessária para me deixar em chamas.

Foi a vez de Lauren de gemer, foi um gemido de puro desejo, feroz, gutural, quase animalesco.

Continuo me esfregando nela e devorando sua boca, e deixando que ela devore a minha. Tenho certeza que quando terminar aqui os meus lábios estarão roxos.

Ela segura meu quadril me impedindo de continuar com o movimento que estava levando ambos a loucura. Ela para o beijo e me encara com um olhar repleto de luxuria, e eu sei que deve estar lhe custando muito do seu auto controle para não retomar nossas caricias.

- Eu te quero tanto,Camila. Você não tem idéia do quanto.- Ela esta ofegante depois do nosso beijo selvagem.

- Ou melhor, acho que você tem um pouco de noção do quanto eu te quero agora...- Ela diz olhando pra baixo, para a saliência em sua calça e que agora está enorme, parecendo pronta para rasgar o seu caminho para fora da calça de Lauren.

Nós dois rimos de sua observação.

-Mas não quero ter você assim, no meu carro.- Ela fecha os olhos e inclina a cabeça para trás, apoiando-a no banco.

- Eu quero você desde daquele dia que eu te vi pela primeira vez, na sua escola. Quando eu te vi aquele dia...no momento que eu coloquei meus olhos em você, eu sabia que eu precisava te ter. Eu senti, no fundo do meu coração, que não ter você não era uma opção. E vou admitir, isso me assustou como o inferno. Eu nunca senti essa conexão, esse desejo por ninguém antes. Nunca.- Ela abre os olhos e me encara, analisando minha reação as suas palavras.

Eu realmente não sei o que dizer. Agora que o fogo da paixão se acalmou, a intensidade do que acabou de acontecer me dá um tapa na cara. Que tipo de garota se esfrega contra a ereção de uma garota que acabou de conhecer? Sim, isso mesmo, uma vadia. Acontece que eu não sou e nem quero parecer ser uma vadia.

Sinto o constrangimento me dominar, tento me desvencilhar dos braços e do colo de Lauren , mas assim que ela percebe que eu pretendo me afastar ela me segura com mais força contra seu corpo.

- Eu te assustei, não é? Desculpa coração, não era a minha intenção.- Ela coloca a mão na minha bochecha e faz carinho com seu polegar.

-É só que eu precisava ser claro com relação a como eu me sinto, porque...- Ela coloca a outra mão no outro lado do meu rosto e me segura firmemente. -...eu sempre consigo o que eu quero, e eu quero você Camila. Eu não vou te perguntar se você me quer, porque isso sinceramente não vai fazer diferença nenhuma. Você é minha.- O tom possesiva em sua voz quando ela disse “minha” me dá calafrios, uma pontinha de medo e uma imensa sensação de satisfação e euforia.

O fato dela dizer que eu não tenho escolha nesse assunto que influência diretamente minha vida, deveria me deixar furiosa, mas a verdade é que me sinto aliviada. É como se minha consciência pensasse, que já como eu não tenho escolha, não adianta lutar contra e nem ficar pensando nas consequências. É só me jogar de cabeça.

Mas, será mesmo? Quer dizer, até uma hora atrás eu estava pronta para pular na jugular de Lauren e estraçalha-la, mas agora, depois de seus toques e suas palavras quentes e determinadas...

Ela pega um punhado do meu cabelo e puxa, expondo meu pescoço, não chegou a ser doloroso e sim sexy. Ela começa a depositar carinhosos e suaves beijos na minha clavícula, então sua trilha de beijos vai subindo, passando pelo meu pescoço e chegando até a pele atrás de minha orelha. Ela dá uma mordida no lóbulo da minha orelha, causando uma picada de dor e de prazer.

- Diga...- ela sussurra em meu ouvido. -...quero ouvir você dizendo que é minha.-

Tenho certeza que ela danificou a parte no meu cérebro que é responsável por formar pensamentos coerentes.

Abro minha boca mas não emito nenhum som. Ela morde meu pescoço e a picada de dor misturada com prazer está de volta.

- Diga.- Sua voz ainda um sussurro.

Ela deve saber que estou completamente incapaz de formar uma frase, quem dirá discutir com ela sobre a loucura do que ela propõe. Como eu poderia ser dela se nem ao menos nos conhecemos? E mesmo que o fizéssemos, ninguém é dono de ninguém.

Mas eu admito que eu quero ser dela, e eu gosto do fato dela querer que eu seja dela.

- Eu sou sua.- Digo sussurrando roucamente depois que encontro minha voz.

Ela se endireita para poder me olhar nos olhos.

- Diga de novo.- Ela pede.

- Eu sou sua Lauren.- Dessa vez sem hesitação ou duvida em minha voz e nem em meu coração. Olhando em seus profundos olhos, que parecem me tirar da realidade e me levar para outra dimensão toda vez que eu os olho, sinto o peso de minhas palavras.

Eu sou da Lauren.

Eu pertenço a ela. E eu gosto muito disso.

Ela sorri largamente e me abraça e eu sinto que estou onde deveria estar, onde é o meu lugar.

Um sorriso enorme se forma em meus lábios.

Sim, aqui é o meu lugar.


Notas Finais


Talvez tenha mais um hoje nao sei ainda se vou postar. Teve camren pegando fogo hahaha Thauzinho.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...