História Paixão Atrevida - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Atrevida, Hetero, Paixão, Romance
Visualizações 3
Palavras 1.509
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 7 - Desejo


Fanfic / Fanfiction Paixão Atrevida - Capítulo 7 - Desejo

Sempre me pergunto "por que acontece essas coisas comigo." Vejo o pai da Camila discutindo com ela, e a Carol chorando ainda mais para piorar á situação, me sentir muito culpado pela Carol, e mais ainda por minha namorada que sensação horrível.

Vejo ela se aproximando cabisbaixa. - Tá tudo bem amor? - Digo tentando melhora ela.

Ela olha pra mim com lágrimas nos olhos, eu deslizo meus dedos em seu rosto enxugando elas e á abraço forte. - Esta tudo bem.

Ela fica em silêncio e não diz nada percebo que o pai dela olha para mim, encaro ele e noto sua aproximação, imaginando o que ele iria fala. - Olha rapaz preciso conversa com você. - Disse ele.

- Já falei pro senhor, foi um acidente ela não teve culpa.

- Eu sei disso, ela me explicou mais isso não justificar o que vocês fizeram á Carol é apenas uma criança, se tiram o olho dela olha no que deu! - Ele falava em alto e bom tom, sinto ela sinto ela me apertando aparentemente com medo.

- Já aconteceu senhor e isso não vai se repetir novamente, eu prometo. - Respondia no mesmo tom de voz.

- E acha que é simples assim? - Ele colocou á mão esquerda na cintura, Carol ficava abraçada na perna direita dele apenas observando com as lágrima enxutas.

- Reclamar com ela não vai resolver nada, só vai piorar as coisas.

- E quem você pensa que é? Pra se intrometer na minha relação com minhas filhas? - Ele acaricia á cabeça da Carol.

Fiquei em silêncio por um momento, Camila olhou para mim com o rosto vermelho, e virou as costas para mim.

- Gui deixa isso pra lá. - Disse ela.

- Vamos para casa agora! - Ele olhou diretamente para mim, como se estivesse vencido á discussão, e de fato venceu eu não posso me envolver em problemas principalmente com o pai dela.

- Á gente se ver depois Gui. - Ela me deu um selinho e foi embora ao lado da Carol e do pai dela.

Depois dessa voltei para casa e recuperar o tempo para estuda.

4 dias depois...

Madrugada passando, estava tentando aprender aquelas malditas fórmulas matemáticas, com os livros e canetas na mesa de janta, e uma xícara de café do lado, era o horário cansativo mais o único que tinha muito silêncio e um aproveitamento maior.

- A B = 34? O que? - Falava sozinho comigo mesmo tentando entende, odiava aquilo, matemática já é uma matéria bem chata e exigir muito mais de mim, olho pro relógio do micro ondas, já são 2:11 da madrugada.

- Preciso descansar. - Falo para mim mesmo, guardo os livros na bolsa e guardo no meu armário e me deito na cama exausto.

[...]

No dia seguinte recebir uma ligação...

Gui: Oi amor, tudo bem?

Camila:Oi amor olha eu preciso conversa com você, pode me encontra no hotel em frente á praia as 9? - Notei á voz dela diferente.

Gui:Algo ocorreu?

Camila:Só vem logo, preciso ir te espero beijos. - Fiquei preocupado com essa ligação mil pensamentos na hora, mais tentei evitar.

- Bom dia família! - Dou um beijo na bochecha da minha mãe.

- Bom dia meu filho, acordou cedo. - Pego uma faca e corto o pão rapidamente enquanto converso com ela, meu pai esta tomando café já fardado pronto para o serviço.

- Sim! - Meu pai olha para mim, e já abrir um sorriso.

- Cadê o Genário? - Perguntei.

- Foi fazer caminhada. - Minha mãe respondeu.

- Ata. - Corto o pão e coloco o ovo azado e a mortadela.

- Você esta com á pele mais clara meu filho. - Ela me observa comendo.

- Obrigado mãe, mais é só impressão estou normal.

- Depois de comer vai se olha no espelho.

- O que uma mulher não faz com o homem, tomara que ela te ajude á passa no concurso. - Ele deu um gole no café e saiu da mesa para trabalhar.

- Deixa meu filho com as coisas dele. - Minha mãe olhou para meu pai brava.

- Relaxa mãe tudo bem, eu não ligo. - Me sentei peguei uma xícara e começei á fazer meu café.

- Vem abrir á porta pra mim! - Disse meu pai gritando de longe.

- Já vai! Olha come mainha fez um café gostoso pra você.

- Ok mãe, tá perfeito. - Ela abriu um sorriso e saiu as pressas.

[...]

Fui ao local que ela marcou, um hotel cinco estrelas, já quando cheguei vi ela sentada em uma das mesas, sentada mexendo o cabelo, com um vestido vermelho destacando seu corpo, fui até ela um pouco nervoso por sinal.

- Oi amor, tudo bem? - Sentei no outro lado da mesa.

- Sim, eu estou bem e você? - Ela me olhou diretamente nos olhos com muito desejo.

- Você está vermelho denovo. - Ela deu uma risada.

 - Não, eu apenas fiquei preocupado, o que quer fala comigo? - Ela acaricio minhas mãos.


- Bem é sobre... não sei se posso. - Ela estava com dificuldade para fala, á respiração dela estava diferente, quase certeza que ela estava excitada.

"O que você vai fazer?" Pensei.

- Amor eu... - Ela me interrompeu, sentir sua perna deslizando na minha, por baixo da mesa.

- Gato. - Ela segurou minha mão me olhando nos olhos e mordendo os lábios.

Não pensei duas vezes e fomos juntos até o elevado, ficamos parados na frente enquanto esperavamos ele vim, ela me beijava como uma louca, algumas pessoas passavam por nós bastante constrangidas.

O elevado veio vazio, entramos rapidamente ela me envolvia em seus braços, eu á beijava com muita intensidade enquanto chegávamos no anda, quando finalmente chegamos, ela segurou minha mão e entramos no quarto.

Não conseguir ver muitos detalhes do quarto á não ser à linda vista da praia, e 9 banheiro ao lado da cama, ela me jogou na cama e pulou encima de mim, e deslizo os dedos nos meus me dominando completamente, ela beijava meu pescoço por inteiro.

Gemia um pouco enquanto ela brincava com meu corpo, desabutuando minha camisa, deslizando suas mãos no meu abdômen e arranhando o mesmo com desejo, fechava meus olhos enquanto ela tirava minha calça ela se aproximou do meu rosto e voltou á me beija.

Até que resolvi provocar, saindo da cama e tirando minha cueca, e deixando ela sozinha morrendo de desejo ao ver meu pênis ereto deslizando as mãos nos seios que os mamilos já estavam duros, mordia os lábios de desejo enquanto me olhava, eu me mastubei bem devagar e coloquei á camisinha.

Subir encima da cama ela estico á perna para mim, começei a beija os dedos do pé direito deslizava minha mão na sua perna, ela dava leves gemidos começava a beija á coxa dela, e deslizando com minha língua até sua calcinha rosa, que já estava molhada eu olhava para ela com uma cara de safado.

- Não brinque comigo seu safado! - Ela mordeu os lábios.

Começei a beija á vagina dela com o pano da calcinha por cima dela, Mila estava se contorcendo aos poucos, sentia seu líquido sair enquanto beijava.

Mordo o pano da calcinha e arranco ele com os dentes, mordo meus lábios à ver á vagina dela completamente visível, não aguento e chupo ela com intensidade aperto o clitóris dela com força, e ouço os gemidos cada vez mais intensos o que me deixa mais excitado.

- Seu gostoso, você ta me deixando louca! - Ela aperta minha cabeça e segura com força me conduzindo.

Beijo e chupo com mais intensidade sua vagina e deslizo com á ponta da língua no seu clitóris fazendo movimentos rotativos com á língua, ela não para de se contocer.

- Que delícia, eu não aguento mais.

Paro de chupa á vagina dela, e ela me joga na para trás olho assustador, ela sobe encima de mim esfregando sua vagina molhada no meu abdômen, ela gemi alto, seguro na cintura dela e mordo meus lábios.

- Você gosta disso? - Ela desliza o dedo no meu lábio.

- Sim! - Ela aumenta a intensidade, meu abdômen já estava todo molhado.

Ela esfregar tanto que acaba escorregando, caindo no meu pênis duro segurando ele e enfiando bem devaga, ela grita de tesão e começa a rebola encima dele.

- Você tá me deixando doido. - Gemo e aperto os seios dela.

Ela começa à subir e descer com vontade os gemidos se tornam mais intensos, ela volta á me beija eu abraço seu corpo suardo, sinto nossas línguas se entrelaçando e seu cabelo suardo encostando na minha testa, ambos se encarando, e aqueles olhos de esmeralda mais lindos que antes.

Sinto á respiração dela. - Eu te amo, mais que tudo! - Disse ofegante.

- Eu também, eu te amo muito! - Sentir os líquidos da vagina dela saindo e meu pênis soltando muito esperma, ela gemir alto junto comigo e cai exausta encima de mim.


Notas Finais


Não se esqueça de comenta e favorita.

Espero que tenha gostado😋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...