História Paixão Fora do Normal - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Keisashi, Kenki, Miki, Minachris, Minari, Romance, Yaoi, Yuchris, Yuri, Yuyu
Exibições 6
Palavras 1.484
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 11 - Garoto ou Garota?


Acordei com um pouco de dor de cabeça, abri os olhos lentamente e dei de cara com um par de olhos verdes me olhando atentamente.

-Ohayou, vossa majestade -Yuki me cumprimentou sorrindo.

-Yuki-kun? O que aconteceu? -perguntei me sentando na cama.

-Você caiu no sono -respondeu se sentando também.

-Você precisa ir embora, minha tia e a minha irmã podem abrir aquela porta a qualquer momento! -falei assustado.

-Fica tranquilo, a porta está trancada e aquelas duas saíram, só não sei que horas irão voltar -se levantou e se espreguiçou um pouco.- E eu não fiquei no tédio enquanto você dormia, eu fiquei lendo esses mangás bonitinhos que você comprou -lembrei dos mangás e corei instantâneamente, abaixei a cabeça e cobri o rosto com um travesseiro.

-É tão vergonhoso ter esse tipo de mangá -falei com a voz abafada pelo travesseiro.

-É não, eu também tenho -olhei pra ele incrédulo.

-Eu nunca imaginei que você tivesse mangás assim...

-É, a conversa está ótima, mas agora eu preciso ir -segurou meu queixo com as pontas dos dedos e me deu um beijo no canto da boca.- Até segunda -se despediu e pulou pela janela.

Ele...me beijou, foi no canto da boca, mas mesmo assim beijou... Quanto mais eu conheço o Yuki, mais eu fico intrigado.

POV's Yuki.

Que sentimento era esse que eu estava sentindo? Será que é o que chamam de amor? Será que eu me apaixonei pelo Yuri? Se eu estivesse apaixonado por ele, isso não seria um problema pra minha família, mas pra família dele...é um problemão.

POV's Minako.

-Minako, seu pai chegou -ouvi Chris me chamar, esfreguei os olhos e olhei pra ele.

-Mas já? -peguei minhas coisas no chão e descemos.

Eu nem sabia o que tinha acontecido com o Yuri e o Yuki, será que eles passaram a noite juntos? AAAAARRRGHHHHHH, EU PRECISAVA TIRAR AQUILO DA CABEÇA, A SEMANA DE PROVAS ESTAVA CHEGANDO E ERA NISSO QUE EU TINHA QUE PENSAR. Entrei no carro e pra minha surpresa, dormi outra vez.

POV's Ken.

Meu celular tocou, era o Chris. Larguei minha amada bebida e atendi.

-O que foi, seu bundão gay? -perguntei ao atender.

-Bom dia pra você também, Ken. -revirei os olhos.- Eu não encontrei o Yuri...

-1 × 0 pra mim, Chris. Eu encontrei o Yuri e de brinde encontrei o Yuki, ele realmente está crescido e magro -respondi brincando com uma mecha do meu cabelo.

-Não me interessa o Yuki, é o Yuri que me interessa!! -gritou tão alto que quase me deixou surdo.

-DÁ PRÓXIMA VEZ QUE VOCÊ GRITAR COMIGO EU VOU FAZER UMA GUILÂNDA DE NATAL COM SUAS TRIPAS, ME ENTENDEU CHRIS?!! -gritei em resposta.- E como é a casa da Brithney por dentro? Tem muitas coisas pra roubar? -perguntei bebendo outro gole da minha preciosa bebida.

-Sim, tem muitas coisas de valor, e ela é uma gata, você precisa vê-la.

-O corpo dela não me interessa, o que me interessa é a grana que vou ganhar com os órgãos dela -peguei um cigarro e acendi.- Mulheres não me interessam por enquanto, se não tiverem órgãos em perfeitas condições, não vale a pena matá-las.

-Você me dá calafrios, sabia Ken? -dei um sorriso de canto.

-Eu vim pra esse mundo pra dar calafrios mesmo, agora volta pro Vale dos Homossexuais com a Inês Brasil -desliguei o celular e joguei em cima da cama.

Vocês devem estar se perguntando qual é o meu interesse com o Yuri, simples: Eu vendo órgãos humanos e gaho muito dinheiro com isso, e os órgãos do Yuri são novos e completamente saudáveis, e tudo o que eu quero é matá-lo e ganhar dinheiro com seu coração, pulmões, rins e todo o resto. Ouvi baterem na porta, pendi a cabeça pra trás e me levantei, abri a porta e dei de cara com o Boris.

-E aí, Ken? Já tem o meu dinheiro? -dei alguns passos pra trás (qual é, eu sou valentão, mas 1,69 cm conta 2,10 cm não tem comparação, eu viraria pastel na hora).

-Ainda não, mas eu estou de olho num cara de 16 anos, e ele tem belos órgãos em perfeitas condições, quando eu vender os órgãos dele eu te pago tudo o que devo -apertou meu pescoço e me prendeu entre ele e a parede.

-Escuta aqui, Sakuragi: O chefe está cansado das suas desculpas, ele quer ver a cor do dinheiro até o final do mês, caso contrário, você e aquele seu irmãozinho gêmeo morrem -ameaçou com a testa encostada na minha.

-Faça o que quiser com o meu... Com o Yuki. E diz pro seu chefe que -olhei pra mesinha ao meu lado e vi que o meu lindo bisturi estava ali, peguei discretamente enquanto sorria pra ele.- Eu vou conseguir o dinheiro em pouco tempo! -enfiei o bisturi no pescoço dele que me soltou na hora, ver o sangue descendo por seu pescoço era uma bela visão, e o brilho das lágrimas dele realmente me deixou excitado.- Boris, acho que você esqueceu com quem está falando, o Eric Plisetsky pode ser chefe do tráfico de armas, mas eu sou o futuro chefe do tráfico de órgãos humanos, eu poderia muito bem matá-lo aqui e agora, mas eu preciso que alguém avise o Eric que eu vou pagá-lo antes do fim do mês -tirei o bisturi do pescoço dele e o guardei.

-Seu doente -dei um sorriso de psicopata.

-Você não faz nem ideia -ele saiu correndo.

Boris deveria me agradecer, pois foi um dos únicos que eu já deixei escapar com vida. Peguei minhas chaves e saí, como era sábado, eu precisava conseguir mais órgãos pra ter dinheiro suficiente pra pagar o Eric. Subi na minha moto, coloquei o capacete e saí em disparada. Depois de 5 minutos, finalmente cheguei ao bordel da Margareth. Bati na porta e pouco depois ela se abriu.

-Menino Ken, o que faz aqui? -perguntou arrumando o decote assim que me viu.

-Vim atrás de mais garotas -olhei pro seu decote.- E coloque essas tetas pra dentro, você sabe que eu não me interesso por mulheres bem mais velhas -entrei e fiquei olhando em volta.

-Acordou com o pé esquerdo hoje, Ken? Veio descarregar sua raiva em alguma das minhas meninas? -perguntou irônica.

-Não, não. Eu vim buscar uma das garotas pro meu chefe Eric, ele tá com saudade de comer uma puta altêntica -respondi de braços cruzados.

-Perfeito, eu tenho várias garotas no perfil que ele gosta -começou a massagear meus ombros.

-Eu sei que tem, mas ela precisa ter órgãos perfeitos.

-Mas...por quê? -olhei pra ela.

-Ele é muito exigente com o bem estar das garotas com quem ele transa, ele diz que a perfeita condição dos órgãos internos faz as mulheres serem uma máquina de prazer -respondi com um sorriso malicioso e dei um tapa em sua bunda.-, Se é que me entende -ela fez uma cara de velha assanhada.

-Bom, nesse caso, tenho uma garota com órgãos internos em perfeitas condições, vou levá-lo até ela -me guiou até o quarto da tal garota.

Margareth bateu uma, duas, três vezes. Até que na quarta vez, eu fiquei puto da vida e comecei a chutar a porta até arrombá-la.

-Stacie, acorde sua preguiçosa -a garota se levantou um pouco fraca.

-Já falei pra não me chamar de Stacie, velha caquética -era uma voz... MASCULINA?!! Fiquei de frente pra tal garota e percebi que era um garoto que mais parecia uma garota.

-TÁ DE BRINKS WITH ME, NÉ DEUS?!! TÁ BROTANDO VIADO ATÉ DO INFERNO PRA ME ARTOMENTAR?! -o tal Stacie fez uma cara de cu e colocou seus óculos.

-Primeiro: eu não sou gay, e segundo: Quem é essa garota, Margareth? Já falei que eu não atendo lésbicas -fiquei vermelho de raiva.

-LÉSBICA?! ESCUTA AQUI, GAROTA OU SEJA LÁ O QUE VOCÊ FOR: EU SOU MUITO MACHO TÁ OUVINDO?! AQUI É TESTOSTERONA PURA -segurei os braços dele ou dela com força.- Margareth, tem certeza que ele é o único no perfil que eu pedi?

-É, sim. Por ser menor de idade, ele não fuma e nem bebe. -explicou, eu voltei a olhar pro tal Stacie e coloquei as mãos no rosto.

-Tá bom, se arruma e vamos embora -falei com as mãos na cintura. -Aonde vamos? -ergueu uma das sombrancelhas em dúvida.

-NÃO INTERESSA, GAROTO!! LEVANTA ESSA BUNDA PREGUIÇOSA DAÍ E VAMOS EMBORA!! -sai do quarto irritado e Margareth veio atrás de mim.

-Ken, peço que tenha paciência com ele. O Nezumi é mal-criado, mas é um ótimo poço de dinheiro, eu recebo vários homens aqui que querem receber os serviços dele -olhei pra ela.

-Eu pedi uma GAROTA, e não um moleque que parece uma -cruzei os braços e abaixei a cabeça.- Mas, se ele tem órgãos perfeitos, pelo menos vai servir -o tal Nezumi apareceu na porta já vestido.

-Vamos? -perguntou vindo na minha direção.

-Se cuide -ela deu um beijo na testa dele e o abraçou, depois ele subiu na moto e segurou minha cintura.

-Até depois, mamãe -deu tchau sorrindo.

-MAMÃE?!! ESSA VELHA CAQUÉTICA É A SUA MÃE?!! -olhei pra ele incrédulo.

-É, por que? -balancei a cabeça tentando digerir aquela informação, coloquei o capacete e dei partida.

Pobre Nezumi, mal sabe ele que nunca mais vai ver a suposta mãe.

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...