História Paixão Por acidente - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren
Visualizações 274
Palavras 5.771
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa tarde amores.

Chegamos ao fim de mais uma história, espero que gostem do capítulo.


Boa Leitura!
Boa Leitura!
Boa Leitura!
Boa Leitura!

Capítulo 21 - O recomeço


Fanfic / Fanfiction Paixão Por acidente - Capítulo 21 - O recomeço

Abri os olhos devagar, havia uma luz forte e intensa em cima de mim, era como acordar depois de um sono profundo. Pisquei diversas vezes para tentar enxergar alguma coisa, mas aquela luz estava incomodando, tentei me levantar um pouco e olhar em volta, mais uma dor aguda na barriga me fez gemer e voltar a me deitar, eu não conseguia falar nada, havia algo enfiado na minha boca, eu estava deitada, tentei raciocinar direito, fechei os olhos novamente e os abri bem devagar, fui piscando e forçando a vista até ter uma visão nítida de onde eu estava, em um hospital.

Haviam alguns aparelhos em minha volta, levantei um pouco a cabeça para ver melhor, então vi Camila sentada com os olhos fechados em uma poltrona não muito longe dali, tentei chama-la mais aquele tubo na boca não me deixava, eu precisava chamar a atenção dela de alguma forma, estendi um dos braços, mesmo sentindo um pouco de dor fiz um esforço e alcancei uma bandeja em cima de uma mesinha ao lado, bati a ponta dos dedos como pude, algumas coisas caíram no chão fazendo Camila “saltar” da poltrona e vir até mim.

-- Lauren meu amor você acordou. – Ela me olhava com os olhos marejados. – Espere um pouco eu já venho.  – Disse se distanciando e me deixando sozinha.                                            

Camila saiu do quarto e voltou acompanhada de um médico alguns minutos depois. Ele começou a falar um monte de coisas as quais eu não estava entendendo, colocava luzes nos meus olhos, pediu para eu acompanhar alguns de seus movimentos, até que finalmente pediu para eu tossir para que tirasse o tubo da minha boca, quando aquilo finalmente saiu, eu respirei fundo e tossi um pouco mais, antes de me acalmar. O médico ficou com nós por mais alguns minutos, me fazendo perguntas, anotando e olhando a prancheta. Quando ele finalmente pediu licença e saiu, eu consegui respirar um pouco mais aliviada.

 

-- Está tudo bem agora, eu estou aqui. – Camila comentou passando a mão pelo meu cabelo.

-- O que aconteceu? – Perguntei a olhando.

-- Amor calma, está tudo bem agora. – Ela me olhava com ternura.

-- Cadê Lara? Cadê ela? Eu quero ver ela, eu preciso ....

-- Amor olha para mim. – Camila segurou meu rosto entre as mãos. -- Lara está com as meninas em casa, eu já pedi para avisar que você acordou e elas vão vir até aqui, fica calma, está tudo bem.

Ainda deitada eu suspirei e fechei os olhos, fiquei sentindo os carinhos de Camila no meu cabelo e no meu rosto, ela me enchia de beijos enquanto eu sorria feito idiota e me sentia muito bem.

-- A quanto tempo estou aqui? – Eu a olhava.

-- Oito Dias. – Ela suspirou

--O que? AIIII. – Tentei me levantar depois do espanto, mas senti aquela pontada na barriga novamente.

-- Amor calma. – Camila segurou meus ombros e me fez deitar novamente. -- Você levou um tiro no meio daquela bagunça, a bala atingiu seu estomago, você passou por uma cirurgia delicada. – Seus olhos voltaram a ficar marejados. – Você ficou desacordada até agora, eu fiquei aqui com você o tempo todo e a Lara ficou com Ally e as meninas, Sara também ficou com ela. Eu preciso que se acalme.

-- E a Sibele e aquele crápula? O que aconteceu? – Perguntei curiosa.

-- Os dois morreram naquela confusão toda. – Camila sentou-se na beira da cama e suspirou. -- Ela ainda chegou a ser trazida para cá, mas não resistiu, Ally conseguiu falar com seu advogado e ele conseguiu converter a situação então seu nome foi envolvido apenas como vítima, apesar daquela história com seu pai. – Moveu os ombros.

Respirei um pouco mais aliviada com aquelas informações, então quer dizer que tudo havia acabado? Camila era uma mulher incrível e perfeita, nós trocamos beijos e carinhos o tempo todo, a TV do quarto era favorável e conseguíamos ver um pouco de qualquer programa ou filme repetido. Eu fiquei um pouco incomoda em ficar tanto tempo deitada, Camila deu um jeito para que eu ficasse meio inclinada na cama, de modo com que não forçasse a barriga. Camila estava sentada ao meu lado, ambas prestávamos atenção na TV, quando então ouvimos a porta do quarto se abrir a aquela mulherada toda entra, Nomrani, Ally e Dinah que carregava Lara.

-- Ei meu amor. - Falei pegando Lara com cuidado no colo – Minha princesa que saudade, como você está?

-- Achei que nunca mais fosse te ver mamãe. – Aqui me atingiu o peito. -- Você dormiu muito.

-- Desculpa meu amor, a mamãe gosta de dormir você sabe. – Comentei tentando minimizar a situação, mas meus olhos marejados denunciavam tudo. -- Mamãe nunca iria deixar você.

-- Sabe mamãe, a tia Mila chorou muito quando você dormiu. – Comentou inocentemente.

-- Ela chorou é? - Perguntei olhando para Camila.

-- Ela chorou e ficava falando algumas coisas. – Lara olhava para mim com toda inocência do mundo. –A tia Ally me disse que ela só queria que você acordasse logo, mais você dorme muito mamãe. – Cruzou os braços.

Apertei aquela garota não me importando com a pequena dor, quando notei, todas nós estávamos chorando, tamanha era a inocência da minha pequena. Camila então pegou Lara no colo, para que eu abraçasse cada uma das meninas. Depois de tudo, ficamos todas nós sentadas conversando e rindo, o tempo de visitas não era muito longe, então não demorou até que todos fossem embora me deixando ali mais uma vez. Como Camila havia dormido mal nas últimas noites, assim que anoiteceu ela pegou no sono, eu observava ela dormindo naquela poltrona, ela era tão linda. Antes dela dormir eu pedi meu celular, não queria passar a noite vendo TV, então aproveitei o oportunismo e liguei para Louis. 

-- Hello Louis. – Falei em voz baixa.

-- Lauren. – Comentou incrédulo. -- Ai meu Deus quer me matar? Que bom que você está bem.

-- Nem me fale, que loucura, não é? – Suspirei sorrindo -- Viu preciso de um favor e rápido.

-- É só dizer. – Disse animado.

Comecei a falar para ele tudo que eu tinha em mente, uma loucura, porém ele teria de se virar, pois depois do que aconteceu, eu não esperaria mais nem um minuto para fazer o que eu queria. Encerrei a ligação e mal consegui dormir de tão ansiosa que eu estava.

Na manhã seguinte, acordei mais animada, consegui me sentar na cama, a dor ainda existia porém menos intensa, Camila penteou meu cabelo e me ajeitou, estávamos tomando café, quando sem avisar e de uma só vez as meninas invadem o quarto, mais dessa vez acompanhadas de Louis e um outro homem. Fui educada, eles vieram até mim e comprometei uma a um, não era o horário de visitas, o relógio não assara das dez da manhã, Camila ficou curiosa e espantada com tudo aquilo.

-- Lauren. – Ela me chamou baixinho. – Quem são eles?

-- Me perdoa amor. – Comentei sorrindo. -- Esse é Louis um velho amigo meu e esse um amigo dele. 

-- Bom, então podemos começar? - Perguntou o homem ao lado de Louis.

Eu e as meninas nos olhamos e logo depois olhamos para Camila, que até então, não estava sabendo de nada. Não era bem isso que eu havia planejado, mas eu estava ansiosa demais e não quis esperar eu melhorar para então fazer isso.

-- Porque estão me olhando? O que foi? – Camila me olhava esperando uma resposta.

 -- Amor, lembra quando você aceitou se casar comigo? – Peguei em uma das mãos delas que estavam pousadas sob a cama.

-- Sim, eu lembro, mas o que tem. – Ela me olhava.

-- Você se casaria comigo, em qualquer lugar, a qualquer hora, sob qualquer circunstância. – Eu sorria.

-- Amor, eu me casaria com você em qualquer lugar desse mundo, até mesmo aqui e agora. – Suspirou. – Mas eu não estou entendendo nada.

-- Seu desejo é uma ordem.

Olhei para Louis e cutucou seu amigo, o mesmo pegou alguns papeis em uma pasta preta qual entrou carregando

-- Entes de mais nada peço que todos fiquem em silencio. – O homem começou a falar. – Eu me chamo Derick e hoje vim aqui para unir vocês. – Gesticulou para e para Camila.

-- Como você ... – Camila falava espantada. – Como?

-- Não era bem assim que eu havia planejado. – Falei chamando sua atenção. – Mas eu não posso esperar.

Olhamos para o tal Roberto, eu animada e ansiosa e Camila espantada e assustada com tudo, ele começou lendo um pequeno texto, disse algumas palavras, explicou tudo que havia naqueles papeis e antes de assinarmos, ele nos olhou e perguntou.

-- Senhorita Camila Cabello, você aceita Lauren Jauregui como sua legitima esposa?

-- Sim aceito.  – O olhar assustado dela deu lugar a um sorriso lindo.

-- Senhoria Lauren Jauregui, você aceita Camila Cabello como sua legitima esposa?

-- Sim eu aceito.  - Respondi sorrindo e olhando de volta para ela.

Em seguida Derick se aproximou, nos entregou os papeis e ambas o assinamos tento como os demais como testemunhas. Nos beijamos sem nos importar até mesmo com Lara que a essa altura do campeonato sabia exatamente o que estava acontecendo. Parei o beijo e ainda com a boca próxima a dela disso.

-- Amor, não é cômico, eu conheci você em um quarto de hospital e agora nos casamos em um.

-- É cômico. – Ela sorria. -- Porém perfeito.

Agora ela é minha, mesmo que da forma mais simples, ela era minha mulher, minha menina. O acidente que virou amor, o sem querer que virou paixão, o inesperado que virou a minha vida.

The next Morning

Na manhã seguinte eu já estava em pé, não 100% curada, mas estava bem, me levantei e Camila me ajudou a tomar banho, vestir a roupa e me arrumar para ir para casa. Nós havíamos acabado de nos casar em um hospital, quer prova de amor maior que essa mulher poderia ter me dado? Ela aceitou tudo, todas as consequências e apesar de tudo o que aconteceu, ela me aceitou assim e ficou aqui comigo.  Depois de receber alta, Camila e eu estávamos dentro de um taxi indo para a casa, eu olhava para ela, que desde que saímos do hospital olhava pela janela e suspirava a todo momento.

-- Amor está tudo bem? – Fiz ela olhar para mim

-- Está sim, porque? – Limitou-se a responder.

-- Camila eu te conheço e você não está bem, o que houve? – Fazia carinho em sua mão com a ponta do dedo.

-- Eu só estou aliviada por você ter saído, eu fiquei com tanto medo Lauren. – Suspirou. -- Eu prometo que vou cuidar de você.

Camila me deu um selinho e seguimos assim, abraçadas até em casa. Assim que chegamos Camila saiu e deu a volta no carro me ajudando a descer, as meninas apareceram na porta, fui recebida com muita alegria, principalmente pela minha pequena Lara, que vinha com uma pequena flor na mão, que havia pego do jardim.

-- Pra você mamãe.

-- O meu amor, você é minha flor. - Falei me abaixando com cuidado e dando um abraço nela.

Eu ainda não poderia carregar peso ou algo do tipo, então peguei na mãozinha dela e fomos entrando em casa, enquanto as meninas pegavam as malas e entravam em casa, não era muita coisa, mais alguém tinha de pegar.

-- Não se acostuma não Jauregui. - Falou Dinah colocando uma pequena bolsa no chão.

-- Porque?

-- Vai achando que eu vou te servir assim pra sempre, você se casou com Camila e não comigo. – Ela me fez rir com o comentário.

Deixamos as coisas para trás e nos reunimos na sala principal, era tão bom estar em casa, sentir aquela paz de novo, olhar para meu jardim e não sentir medo. Nós conversávamos e jogávamos conversa fora, eu dividia minha atenção com Lara e com Camila que balançava as pernas sem parar e cochichava com Ally.

-- Amor, está tudo bem? – Toquei sua perna atraindo sua atenção.

-- Está sim amor. – Sorria desconcertada.

-- Por favor não minta. – Comentei e ela perdeu o sorriso. -- Você veio calada o caminho todo e agora estou te vendo literalmente nervosa, você vai me falar?

Camila meio que olhou para as meninas e todas concordaram com a cabeça, Ally pegou a mão de Camila e deu um beijo. Todas se ajeitaram no sofá, Dinah pegou Lara do meu colo e colocou-a sentada perto dela, eu não estava entendendo nada, me ajeitei como pude, vi Camila se levantar do sofá e ficar em pé olhando todas nós.

-- Lauren ... – Falou meu nome e se calou, ela baixou a cabeça e suspirou antes de continuar. -- Primeiro eu quero te agradecer pela bagunça que você fez, sim eu sei é loucura minha, mas se você não tivesse me atropelado eu não estaria tão feliz como estou hoje. Foi uma bela bagunça. – Moveu a cabeça sorrindo.

-- Amor você não precisa ...

-- Por favor Lauren, me deixa terminar senão eu perco a coragem. – Chamou minha atenção me calando.  Ela então fechou os olhos e continuou. -- Em segundo lugar, eu nunca senti tanto medo na minha vida quando te vi deitada naquele hospital, eu estava de mãos atadas sem poder fazer nada, nunca me senti tão aflita, chega até ser pecado, mais nunca rezei tanto em toda minha vida, todos os dias era uma agonia nova, você não acordava e não voltava para mim. – Camila então baixou a cabeça deu um passo para frente, se abaixou e pego em minha mão. -- Amor, no meio dessa bagunça eu meio que já sabia que nós nos casaríamos. – Comentei.

-- O que? – Perguntei incrédula enquanto ela se sentava do meu lado. -- Como? Aquele linguarudo falou?

-- Amor calma. – Ela me olhava séria. -- Os médicos não acreditavam que você poderia acordar, você teve uma parada cardíaca durante a cirurgia, o quadro era sempre complicado, entenda por favor. – Ela suspirava. -- Achamos que você não voltaria, começamos a falar sobre você e foi então que ele me contou.

-- Droga, eu mato ele. – Esbravejei.

-- Não Lauren você não vai matar ninguém. – Ela me repreendeu. -- Graças a Deus você acordou e por fim nos casamos. – Me olhou com ternura. -- Agora eu sou sua e você é completamente minha.

-- Amor é por isso que você está nervosa assim? – Perguntei a olhando. -- Olha eu voltei para você, eu juro que nunca mais vou agir dessa forma e ....

-- Calma. – Me interrompeu novamente. -- Nesse meio tempo eu resolvi fazer uma coisa, algo que ... – Respirou bem fundo. – Eu e as meninas estávamos conversando e Ally me contou um segredo seu.

Nesse momento eu olhei para Ally, que fez cara de quem não sabia nada, fiquei olhando ela por um bom tempo querendo fuzilar ela com os olhos, logo em seguida voltei a olhar para Camila.

-- Por favor não brigue com ela, nós estávamos falando de você, matando a saudade e tentando curar a dor da incerteza que tínhamos. – Ela baixou o olhar antes de voltar a falar. – E com esse segredo eu resolvi fazer uma coisa, mesmo correndo o risco de você não acordar, eu sempre confiei em Deus e sabia que você voltaria para mim, então eu fiz e meu nervosismo é saber sua reação quanto a isso. – A perna dela começou a balançar novamente.

-- E o que você fez? - Perguntei curiosa.

-- Eu ... eu ... – Camila gaguejou um pouco e suspirou. -- Eu não consigo falar, amor por favor vá até nosso quarto e veja você mesma.

Eu sei que ainda estava debilitada, mas soltei a mão de Camila e fui até nosso quarto, subi as escadas o mais rápido que pude me apoiando no corrimão pois ao fazer esse “ esforço” senti a barriga voltar a doer. Assim que cheguei no segundo andar eu suspirei e esperei um pouco, recuperei o ar e fui devagar até o nosso quarto, abri a porta devagar, não havia nada diferente no quarto apenas um envelope e uma rosa branca em cima da cama. Me sentei com cuidado na cama, peguei a rosa e antes de tudo senti seu perfume, eu amava o perfuma das rosas, logo em seguida peguei o envelope, o abri e peguei o pedaço de papel que havia dentro, sem delongas comecei a ler.

Meu amor

Eu não queria estar escrevendo esta “carta”, pois tudo que desejo agora é que você acorde e eu possa dizer isto olhando em seus olhos e ...

Terminei de ler aquele papel com o coração nas mãos, eu não estava acreditando no que Camila havia feito. Me esquecendo da dor eu levantei rapidamente da cama e comecei a sentir minhas mãos suarem, minhas pernas bambas conseguiam se mover de um lado para o outro naquele quarto. Passei a mão pelo rosto e me abanei tentando fazer o ar voltar, ainda segurando o papel eu caminhei até o banheiro e tranquei a porta, encarei minha própria imagem no espelho, meus olhos estavam marejados, engoli o choro, eu não queria chorar.

Comecei a sentir um cala frio subindo desde os meus pés até o topo da cabeça, baixei o olhar respirando fundo e voltei a encarar meus próprios olhos no espelho, suspirei tentando me acalmar, fechei os olhos devagar e como um passe de mágica o passado “voltou”.

 Flashback on

Nós estávamos viajando, fomos de carro a uma pequena praia próxima, se é que poderíamos chamar de praia, havia areia, o começo do mar, mas não era bem aquela praia que conhecemos, mais era ali, que Ariana queria estar, ela passou duas semanas falando daquele lugar, até que conseguimos ir.

Ela estava no 6° mês de gravidez, sensível, toda cheia de desejos e vontades, eu me desdobrava para conseguir atender a todos, acreditem ou não, teve uma noite que tive de sair de casa as 2 horas da manhã, para comprar peixe, exato, a onde eu acharia peixe a essa hora? Rodei tudo que foi lugar e nada, mas depois de muito rodar eu consegui, e acreditem era 4 horas da manhã, ariana estava comendo um belo peixe de forno na mesa da cozinha, me olhando sentada ao seu lado, com cabelo preso impressionada com aquele apetite.

Estávamos poucos mais de uma hora sentamos soba a areia conversamos sobre como faríamos com a pequena Lara, até que Ariana resolveu ir no Mar, fomos caminhando devagar, peguei em sua mão e seguimos juntas, assim que nos aproximamos a primeira onda tocou nossos pés eu a olhei e ela sorriu, a água gelada me fez arrepiar, eu ainda olhava ela, ela pôs a outra mão delicadamente sobre a barriga. Ficamos alguns minutos em silencio, olhando nossos pés se afundarem na areia, dávamos um passo para não ficarmos presas ali, riamos e sorriamos, o céu estrelado, o barulho do mar e o vento combinaram com a situação.

-- Amor, posso te contar uma coisa? – Ela me olhava sorrindo.

-- Sim. – A olhava também sorrindo.

-- A um tempo atrás eu queria te fazer uma surpresa, mas não consegui.

-- Qual? – Fiquei curiosa

-- Quando ficávamos combinando sobre gravidez e formar família, meu maior desejo era fazer tudo escondido, sem que você soubesse. Chegar e só te contar que eu estava gravida e por fim formaríamos uma família, mas não deu certo, você participou de tudo.

Comecei a rir e abracei ela por trás, para minha sorte Ariana não era muito alta, o que facilitava, a única coisa que não me deixava agarrar ela, era a pequena Lara.

-- Uau, eu não sabia disso, então você iria esconder tudo de mim?

-- Não é esconder. – Reclamou. -- Era fazer uma surpresa.

-- E quem disse que você ainda não pode fazer isso para mim? Comentei fazendo ela se virar e ficar de frente para mim.

-- Amor agora você já sabe né. - Ela falou batendo o pé.

-- Sim eu sei que essa é a surpresa. – Sorri a olhando. -- Mas não sei quando e nem como, a única coisa que sei é que a pequena Lara, vai querer um irmão ou uma irmãzinha, não é.

-- Hun, bom saber disso. – Mordeu o lábio. -- Então você quer aumentar a família?

-- Com você, eu quero tudo. – Me aproximei dela e a beijei.

O beijo já não era como antes devido a barriga, mais era tão intenso quanto, um sentimento diferente, os dois amores da minha vida estavam ali comigo, nós não víamos a hora de tudo começar, de Lara chegar, eu vivia ansiosa esperando, escutei Ariana por duas vezes planejando em como e quando faria a tal surpresa, ela tinha um pequeno caderno e fazia umas anotações e contas, ela queria fazer a surpresa quando Lara estivesse com uma certa idade, onde entenderia e saberia lidar com uma irmãzinha ou irmãozinho, seria aproximadamente aos ...

Fim Flashback

Abri os olhos e voltei a me encarar no espelho, vi nitidamente as lagrimas que escorriam pelo meu rosto, enquanto me encarava tive um pequeno djavu, me lembrei do esconderijo do pequeno caderno, qual eu havia esquecido a anos. Olhei para mim mesma com cara de espanto, sai do banheiro e caminhei direto para o closet, Ariana e eu tínhamos cada uma o seu lado e eu me lembro que uma vez ela me mostrou esse esconderijo, mas disse que era secreto, eu nunca mexi, não me lembrava disso, até agora. Me abaixei a retirei a última gaveta, atrás da gaveta havia uma porta falsa, bastava empurrar para o lado e pronto, lá estava aquele caderno agora envelhecido. Me sentei ali no chão do closet, segurei o caderninho com força nas mãos e comecei a chorar, me lembrando de quando compartilhei isso com Ally.

Flashback on

Havia se passado apenas um mês, um mês desde que minha Ariana se foi, eu estava me acabando no choro sentada no sofá da casa da Ally, eu sentia suas mãos passando pelas minhas costas, enquanto eu debruçada sobre minhas próprias pernas soluçava e me afogava com aquela saudade.

-- Lauren, calma, você precisa ter força.

-- Eu não quero, eu a quero de volta, sem ela eu não vou continuar. – Eu falava chorando

-- A você não vai? E Lara como fica? - Ally me perguntou. – Lauren eu não sei o quanto deve estar sendo difícil para você, mas você tem que ser forte e não forte por você, mas sim por Lara, ela não entende e precisa de você. O que você acha que Ariana pensaria em te ver desistir assim e deixar tudo que construiu com você para trás?

-- Ally me ajuda, eu não quero, eu não consigo.

-- Eu vou te ajudar, mas primeiro se acalme, tente lembrar dos momentos bons. Lauren você vai conseguir, você não está sozinha.

Acho que eu e Ally ficamos nessa por um bom tempo, eu estava agarrada em mim mesma e não conseguia pensar em nada, como faria as coisas mais simples dos dias sem ela? Ir ao mercado, sem ter ela pulando de alegria por um chocolate, ir ao jardim e vê-la correndo regar as flores, aquele sorriso ao acordar, o abraço enquanto cozinhávamos, andar de carro sem um alguém ao lado, eu estava me afundando em tudo, eu me sentia completamente sozinha.

Eu acabei dormindo e acordei com Ally me chamando para comer, lavei meu rosto, respirei fundo e por incrível que pareça eu parecia mais calma, chorar faz bem, ter alguém com quem contar e conversar faz bem, voltei para junto de Ally, no silencio comemos e vemos um pouco de TV, até os programas me faziam lembrar dela. Depois de comermos, Ally foi ajeitar a cozinha e assim que voltou, sentou-se ao meu lado e ficou ali, me olhando com aquele sorriso.

-- Que foi? - Perguntei.

-- Vamos conversar. – Disse me olhando. -- Vamos me conte, me fale sobre você e Ariana, vamos lembrar dos bons momentos.

-- Ain Ally, jura? - Reclamei.

-- Você quer minha ajuda ou não?

-- Nossa, garota grossa! - Falei dando um pequeno tapa na perna dela.

-- Então vamos lá, me conte algo sobre ela, que você tem na memória, sei que muitas coisas, mais escolha duas, em especial, boas.

Respirei fundo, e minha cabeça entrou em ação, eram tantas coisas, Ariana era diferente de tudo e todos que se pudesse conhecer, ela era doce, gentil, sensata, companheira, amiga, e dentre outros milhares de adjetivos que eu poderia colocar aqui.

-- Bom, tenho duas coisas que guardo comigo, todos os momentos com ela eram únicos e especial, mas essas duas coisas são as que mais me fascinam.- Suspirei sorrindo com os olhos marejados. – É um momento e outra era um desejo dela, que agora é um segredo meu.

-- Pois bem, me conte.

-- O momento, foi quando estávamos no jardim de casa, em noites estreladas ela fazia eu apagar todas as luze, e me deitar com ela no gramado, ficávamos olhando as estrelas e contando histórias, um dia ela inventou uma história de uma mocinha que era salva por outra, em sua bicicleta branca. - Falei olhando para All, e rindo junto com ela, afinal eu e Ariana nos conhecemos no parque e eu tinha uma bicicleta branca. – Já o desejo dela, que agora é um segredo meu, vou compartilhar com você e por favor, que fique entre nós.

-- Tudo bem.- Ally concordou

-- Um certo dia, estávamos juntas lá na “praia”. Fiz entre aspas com as mãos para Ally entender. – E ela me contou algo que ela queria ter feito algo e não fez. Ela me disse que ....

Contei tudo a ela aos prantos ao me lembrar de tudo.

Fim Flashback 

Ainda sentada no chão do Closet chorando, eu abri o caderninho com cuidado e chorei com mais vontade, como eu havia dito, Ariana contava e planejava tudo certinho, ela calculou a data de nascimento de Lara com a próxima gravidez, onde Lara teria idade suficiente para entender e ser a grande irmã mais velha. No caderninho havia tudo anotado, conta por conta, número por número e no final, duas grandes observações, as quais me fizeram gritar abafado entre as mãos e chorar ainda mais ao ler.  

Ariana havia escrito, “4 Anos”, essa era a idade cerca qual ela engravidaria e que acreditava ser ótima para Lara entender, e ao lado um pequeno desenho de nós três, ela já grávida do nosso segundo filho. Guardei o pequeno caderno no mesmo lugar, me levantei e fui ao banheiro lavar o rosto. Lavei o rosto, parei por um momento na porta do quarto e respirei fundo antes de voltar para junto do pessoal.  Essa era minha chance, era um sinal, eu preciso recomeçar, Ariana me deu tudo que eu sempre quis e sonhei, mais eu preciso seguir, eu tenho que continuar, Camila foi a melhor coisa que me aconteceu desde então.

Eu queria sair correndo e gritar o que eu estava sentindo, mais resolvi fazer diferente. Abri a porta do quarto com cuidado, escondi o sorriso e tentei parecer séria, mesmo que meus olhos vermelhos e o nariz não negavam o choro, fui descendo as escadas, desci devagar, notei que a cada passo que eu dava a conversa diminuía, quando apareci na sala o silencio tomou conta.  Camila estava sentada no sofá, no meio de Dinah e Normani.

-- Cadê Ally e Lara? - Perguntei séria.

-- Ally levou ela no jardim, Lauren está ....

-- Alguém pode ir chamar elas por favor? – Perguntei interrompendo Dinah.

Mani se levantou e foi lá chamar Ally e Lara, Dinah e Camila estavam me olhando sem entender nada. Camila então se levantou rapidamente e começou a falar.

-- Lauren meu amor por favor me desculpa, eu não sei se fiz certo eu me empolguei e ....

-- Camila, por favor, só um minuto. – A interrompi olhando em direção a entrada do jardim.

-- Mamãe. – Lara me chamou assim que entrou em casa.

--Minha princesa. - Falei me abaixando e ficando de joelho.

-- Eu fui ver as flores lá no jardim, tia Ally e eu achamos um esquilo.

-- Jura? Que legal, e aí o que você achou, gostou dele? – Perguntei animada a olhando

-- Ele pegou minha bala. – Ela fez bico.  

-- A ele pegou foi? - Respondi rindo.

-- Eu fui mostrar pra ele e ele pegou e subiu assim na arvore. – Ela gesticulou com as mãos para o alto.  

Eu dava risada com toda essa inocência, Lara era inteligente até demais e não abandonava esse jeito de menina dela.  Mas apesar de tudo resolvi manter a postura, segurei na mãozinha dela, me levantei e estendi a mão na direção de Camila, que me olhava ainda espantada e esperando uma reação minha.

-- Vem aqui amor. – A chamei agora com um sorriso delicado.

-- Lauren, acho que precisamos conversar, não acha? – Comentou nervosa.

-- Vem amor. – Continuei com a mãos estendida.

Camila segurou em minha mão e eu a trouxe para perto de mim e Lara, Sentei Lara no sofá e fiz um gesto para que eu e Camila nos sentássemos uma de cada lado de Lara.  Eu tentei me manter forte, mas foi impossível segurar o choro quando olhei para os olhos da minha pequena.

-- Lara meu amor, mamãe tem algo para te contar. – Comecei falando.

-- Que foi mamãe, o que eu fiz?

-- Não fez nada meu amor, é que. – Respirei fundo sentindo as lagrimas rolarem pelo rosto. Segurei uma das mãos de Camila, trouxe até minha boca e dei um beijo com delicadeza, antes de voltar a olhar para Lara. -- Desculpa, mas eu não consigo. – Voltei a chorar.

-- Lauren, o que foi. – Ally perguntou calmamente.

-- Me desculpem, mas eu não consigo. - Falei um pouco mais alto e me levantei olhado agora para todas. – Eu tentei, eu tentei manter a postura, mas eu estou radiante, eu chorei, eu gritei sozinha, mais meu peito não me deixa ficar séria, eu quero gritar o quanto eu estou feliz. – Eu sorria animadamente entre o choro. – Filha a mamãe te ama. - Eu já estava falando mais alto. – Camila meu amor, eu te amo, me desculpa, eu tentei fingir estar séria para te enganar com minha reação, mas ao consigo enganar a mim mesma, eu te amo, eu amo você, eu amo Lara, eu amo essas meninas e … - Eu parei por um momento e respirei bem fundo – Eu amo nosso novo bebe. – Olhei diretamente para Lara – Meu amor, você vai ter um irmãozinho.

Eu não aguentei e comecei a chorar, Lara começou a pular de alegria e falava de um lado para o outro que iria ganhar um irmãozinho, ela pulou em Camila, então ela correu para o colo da Tia Ally e das meninas.

-- Lauren, você me assustou.  – Camila se levantou e veio em minha direção.

-- Porque meu amor? - Falei passando a abraçando ela pela cintura.

-- Eu não sei, isso é algo muito particular seu e eu sei que nunca serei Ariana, meu amor eu sei que eu nunca serei um terço da mulher que ela foi. – Camila já estava choramingando.  -- Mas eu prometo dar o melhor de mim, eu quis realizar esse seu “sonho”, olha, por favor me desculpe se você ficou chateada ou ...

-- Amor para. – Segurei seu rosto entre as mãos. -- Camila meu amor, a anos não me sinto bem assim, a anos não me sinto amada e completa. – Eu a olhava nos olhos. – Sim, você realizou esse sonho, que era meu e de Ariana, mas eu jamais iria realiza-lo se não compartilhasse com alguém e agora ele se realizou, eu vou compartilhar com a mulher da minha vida. Eu te amo meu amor.

Em meio ao choro Camila pelou no meu colo e me abraçou, acho que a rodei umas duas vezes até pararmos e colamos a testa uma na outra.

-- Eu vou ser mamãe. - Eu falei animada.

 -- Vai sim. - Ela respondeu.

-- Eu vou amor, vou ser mamãe. – Repeti

-- Vai meu amor, e mais uma vez a melhor mãe do mundo.

Camila e eu começamos e nos abraçar e nos cobrir de selinhos e apertos, então senti alguém me puxar pela camiseta, nos separamos e olhamos para baixo, era Lara nos olhando e querendo atenção.  

-- Mamãe, então a Tia Mila vai ter um bebe?

-- Vai sim meu amor. – Respondi sorrindo.

-- Então, você e tia Mila agora se casaram e vão ter um bebe e você disse que ele vai ser meu irmãozinho né? – Ela perguntava como se analisasse na própria cabecinha todas as informações.

-- Exato. – Respondi novamente.

-- Então você é minha mamãe também agora tia Mila? - Lara perguntou olhando para Camila.

-- Você me aceita como sua outra mamãe? - Camila se abaixou e segurou na mãozinha dela.

-- Siiiiiiim. - Lara falou gritando.

Nós três rimos e nos abraçamos, logo aquele abraço a três virou em seis, as meninas se juntaram a nós naquele abraço, elas faziam parte de toda essa história, aquele abraço foi o melhor de todos, aquele abraço foi um sinal de que a minha família estava renascendo, a minha nova vida estava começando.  Ally pegou Lara e saiu fazendo cócegas, acompanhada de Dinah e Normani me deixando a sós com Camila, que estava em pé na minha frente. Eu a agarrei e grudei meu corpo no dela e fixei meus olhos naqueles olhos castanhos perfeitos, delicadamente levei uma das mãos na barriga de Camila, que automaticamente me acompanhou com o olhar, e ainda com a mão ali, voltamos a nos olharmos.

-- Eu te amo minha Camila.

-- Eu te amo minha Lauren.

As palavras foram simples, foram delicadas. Quem disse que quando se ama precisa de textos lindos ou de poemas épicos para sentir-se única? O acidente que me fez recomeçar, a paixão que acidentalmente me trouxe de volta, a loucura mais linda que já vivi.  Hoje guardei o livro do passado e vou começar a escrever um novo, hoje meu coração sorri, meu coração grita e celebra.

Fim

“ O amor não é aquele que faz o coração bater mais rápido. O verdadeiro amor é aquele que faz nosso coração parar de bater, faz a barriga esfriar, o nervosismo tomar conta, é a gentileza, os carinhos, a compreensão, o cuidado. O amor é aquele que vem e nos domina aos poucos, é aquele que nos deixa confusa e quando damos conta já estamos tomados por um só sorriso, uma só voz, uma só pessoa. ”


Notas Finais


E então o que acharam da história? Espero que tenham gostado.

Para quem ainda não conhece, iniciei uma nova história, vou deixar o Link aqui, espero vocês lá.
Link: https://spiritfanfics.com/historia/breathe-9541414


Beijos :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...