História Paixão sem limites - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Flavia Pavanelli, Jack & Jack, Magcon
Personagens Cameron Dallas, Flavia Pavanelli
Tags Cameron Dallas, Flavia Pavanelli
Exibições 129
Palavras 1.735
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Famí­lia, Festa
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 17 - 16



Cameron abriu a porta e recuou para eu poder passar. Entrei na casa e segui na direção da cozinha.
– Seu quarto agora é lá em cima – disse ele, rompendo o silêncio.
Eu sabia disso, mas estava distraída com outra coisa. Eu me virei e me encaminhei para a escada.
Ele não me seguiu. Quis olhar para trás e ver o que ele estava fazendo, mas não consegui.
– Eu tentei ficar longe de você.
As palavras dele soaram sombrias. Parei e tornei a me virar para encará-lo lá embaixo; ele estava
em pé no primeiro degrau da escada, com os olhos erguidos para mim. A expressão sofrida do seu
rosto me deu um aperto no coração.
– Naquela primeira noite, tentei me livrar de você. Não porque você me desagradasse. – Ele deixou
escapar uma risada dura e amarga. – Mas porque eu sabia. Sabia que ټcaria a ټm de você. Que não
conseguiria manter distância. Talvez eu a tenha detestado um pouquinho nessa hora, por causa da
fraqueza que você conseguiria encontrar em mim.
– O que há de tão errado em você ټcar a ټm de mim? – perguntei. Precisava que ele me
respondesse pelo menos isso.
– É que você não sabe tudo e eu também não posso contar. Não posso revelar os segredos de Sie.
São dela. Flavia, eu amo Sie. Durante a vida inteira eu a amei e protegi. Ela é a minha irmã mais
nova. É isso que eu faço. Mesmo que eu queira você como nunca quis nada na minha vida, não posso
revelar os segredos da Sie.
Cada palavra que saía da sua boca parecia estar sendo arrancada lá de dentro. Sie era mesmo a sua
irmã e esse tipo de lealdade e amor eu entendia. Se pudesse, teria morrido por Valerie. Ela era só
quinze minutos mais nova do que eu, mas eu teria feito tudo o que ela precisasse. Nenhum cara,
nenhuma outra emoção, poderia ter me levado a traí-la.
– Isso eu entendo. Tudo bem. Não deveria ter perguntado. Desculpe.
Eu estava arrependida. Tinha me intrometido na vida dele e na da sua irmã. É claro que o que
Bethy sabia, fosse o que fosse, era algo que eu não deveria saber. Se ela achava que a necessidade que
Cameron tinha de proteger a irmã seria uma questão entre nós, estava enganada.
Ele fechou os olhos com força e murmurou alguma coisa. Algo o estava atormentando. Talvez
aquela situação tivesse despertado uma lembrança ruim. Por mais que eu quisesse descer lá e lhe dar
um abraço, sabia que nesse exato instante não era bem-vinda. Tinha estragado tudo.
– Boa noite, Cameron – falei e subi a escada.
Dessa vez não olhei para trás. Fui direto para o meu quarto.
Com as janelas do andar de cima, não havia como não perceber quando amanhecia; não era
preciso nenhum despertador. O sol tinha me acordado uma hora antes do alarme tocar. Tomei uma
ducha e me vesti sem pressa, agora que tinha um banheiro contíguo e mais espaço para me mover.
Não estava com disposição para comer a comida de Cameron de manhã. Na verdade, não estava com
disposição para comer nada, mas tinha que trabalhar dois turnos, então precisava de comida. Daria
uma passada no café para uma dose de cafeína e um muffin. Era nossa responsabilidade manter
lavadas e passadas a saia de linho preta curta e a blusa de algodão branco de botão que usávamos
como uniforme ao trabalhar no salão do clube. Na véspera, eu dedicara algumas horas a passar a
ferro as poucas peças que tinha em casa.
Calcei os tênis e desci. Ainda não ouvira nenhuma atividade no andar de cima, por isso sabia que
Cameron não estava acordado. Pela primeira vez, ټquei grata por não ter que encontrá-lo. Depois de
uma noite de sono, os acontecimentos da véspera me deixavam envergonhada.
Eu não somente havia deixado Cameron me tocar em lugares que jamais deixara ninguém tocar como
depois tinha me comportado feito uma doida enxerida. Devia desculpas a ele, mas ainda não estava
pronta para me desculpar.
Fechei a porta da frente sem fazer barulho e fui até a picape. Pelo menos só voltaria para casa
depois de escurecer. Não precisava encarar Cameron pelas próximas doze horas.
Quando cheguei, Jimmy já estava na sala dos funcionários, de avental. Depois de sorrir para mim,
fez um biquinho com os lábios.
– Xi, parece que alguém não teve uma boa manhã.
Eu não podia contar os meus problemas para Jimmy; ele também conhecia os envolvidos. Tinha
que guardar tudo aquilo para mim.
– Não dormi muito bem – falei.
Ele fez um muxoxo.
– Que pena. Dormir é uma coisa tão bela.
Assenti e bati o meu ponto.
– Estou sozinha hoje? – perguntei.
– Claro. Bastou você me seguir por duas horas para aprender tudo. Deve tirar de letra o dia de
hoje.
Fiquei feliz por alguém pensar isso de mim. Peguei uma prancheta de pedidos e uma caneta e as
guardei no bolso do avental preto.
– Hora do café da manhã – disse Jimmy com uma piscadela antes de abrir a porta que dava para o
salão. – Epa, parece que o patrão está na mesa oito com amigos. Por mais que eu fosse adorar ir lá
manjar aquelas bundas bonitas, eles vão preferir você. Vou servir as mamães madrugadoras do tênis
na dez. Elas são boas de gorjeta.
O que eu menos queria nessa manhã era servir Woods e os seus amigos, mas não podia discutir
com Jimmy. Ele tinha razão: receberia gorjetas melhores das mulheres. Elas o adoravam.
Fui até a mesa dos rapazes. Woods ergueu os olhos para mim e sorriu.
– Você fica muito melhor aqui – falou quando parei na frente deles.
– Obrigada. É bem mais fresco – respondi.
– Flavia subiu na vida. Talvez eu tenha que vir comer mais aqui – disse o louro encaracolado cujo
nome eu ainda não sabia.
– Talvez isso seja muito bom para o movimento – concordou Woods.
– Como foi a sua noite com Bethy? – indagou Jace. Sua voz tinha um leve traço de agressividade.
Aparentemente, ele me culpava pelo comportamento dela, mas eu não estava nem aí. Para mim ele
era um zero à esquerda.
– Foi divertido. O que desejam beber? – perguntei, mudando de assunto.
– Café, por favor – entoou o louro.
– Ok, entendi. Assunto proibido. Código de amizade feminina, essas paradas. Vou querer um suco
de laranja – falou Jace.
– Café para mim também – disse Woods.
– Já volto com as bebidas – respondi e, quando virei as costas, vi que havia mais duas mesas
ocupadas.
Como Jimmy já estava atendendo uma delas, fui na direção da outra. Levei um segundo para
perceber quem estava sentado ali. Meus pés pararam de se mexer e ټquei olhando Sie jogar os
longos cabelos louros arruivados para trás do ombro e me olhar de cara feia. Procurei por Jimmy,
que terminava de anotar os pedidos de bebida da segunda mesa. Eu tinha que fazer aquilo. Estava
sendo boba. Ela era a irmã de Cameron.
Forcei os meus pés a se moverem e fui até lá. Sie estava acompanhada por outra menina que eu
nunca tinha visto antes, tão glamourosa quanto ela.
– Webster deve estar deixando qualquer um trabalhar aqui hoje em dia. Preciso dizer a Woods
para falar com o pai dele sobre ser mais seletivo com os empregados – disse ela devagar, e alto.
Senti o rosto esquentar e soube que estava vermelha. Nesse exato momento, precisava apenas
provar que era capaz de fazer aquilo. Sie me odiava por motivos que eu desconhecia. A menos, é
claro, que Cameron tivesse dito para ela que eu andara metendo o bedelho nos seus assuntos. Não
parecia algo que ele fosse fazer, mas eu não o conhecia tão bem assim. Não mesmo.
– Bom dia, em que posso ajudá-las? – perguntei o mais educadamente possível.
A outra menina deu uma risadinha sarcástica e abaixou a cabeça. Sie me lançou um olhar raivoso,
como se eu fosse algo repugnante.
– Em nada. Eu espero ser servida por alguém com mais classe quando venho comer aqui. Você não
serve.
Tornei a olhar para ver se achava Jimmy, mas ele tinha sumido. Sie podia até ser a irmã mais nova
de Cameron, mas era uma tremenda de uma vaca. Se eu não precisasse tanto daquele emprego, diria a
ela para ir se catar e iria embora.
– Algum problema aqui? – perguntou a voz de Woods atrás de mim.
Pela primeira vez desde que o conhecia, fiquei aliviada com a sua presença.
– Tem, sim. Você contratou uma vagaba. Quero que a mande embora. Eu pago caro demais como
sócia deste clube para tolerar esse tipo de serviço.
Seria porque eu estava morando na casa do seu irmão? Será que ela odiava o meu pai também? Eu
não queria que ela me odiasse, pois nesse caso Cameron jamais se abriria comigo.
– Sierra, você nunca pagou para ser sócia daqui. Só frequenta o clube porque o seu irmão
deixa. Flavia é uma das melhores funcionárias que já tivemos e nenhum outro sócio pagante
reclamou. Com certeza não o seu irmão. Sendo assim, querida, pode recolher as garras e descer do
salto. – Woods estalou os dedos e Jimmy se aproximou depressa da nossa mesa. Devia ter saído da
cozinha durante a discussão e eu não tinha percebido. – Jim, por favor, pode atender Sie e Lola?
Parece que Sie tem algum problema com Flavia e não quero que Flavia seja forçada a servi-la.
Jimmy assentiu. Woods me segurou pelo cotovelo e me conduziu de volta em direção à cozinha.
Eu sabia que estávamos chamando a atenção, mas não liguei. Estava apenas muito grata por me
afastar dos observadores curiosos e poder respirar um pouco.
Assim que a porta da cozinha se fechou atrás de mim, tornei a respirar normalmente.
– Flavia, só vou dizer isso uma vez. Você me deu um bolo outra noite na casa do Cameron e não
tive que perguntar o motivo: bastou saber que ele havia sumido para entender. Você tinha tomado a
sua decisão e resolveu recuar. Mas o que aconteceu aqui hoje foi só um gostinho. O veneno daquela
vaca é poderoso. Ela é amargurada e feroz e, quando chegar a hora de escolher, Cameron vai optar por
ela.
Eu me virei e o encarei, sem entender direito o que ele estava querendo dizer. Com um sorriso
triste, Woods soltou o meu cotovelo e voltou para o salão. Ele também conhecia o segredo; tinha
que conhecer. Aquilo ainda iria me deixar maluca. Que história tão importante seria aquela?
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...