História Paixão sem limites - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Flavia Pavanelli, Jack & Jack, Magcon
Personagens Cameron Dallas, Flavia Pavanelli
Tags Cameron Dallas, Flavia Pavanelli
Exibições 127
Palavras 1.650
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Famí­lia, Festa
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 20 - 19



Foi maravilhoso ouvir a respiração pesada de Cameron enquanto sentia o seu corpo sobre o meu. Eu
queria mantê-lo ali, ainda lá dentro. Exatamente daquele jeito.
Quando ele moveu os braços e saiu de cima de mim, abracei-o com mais força e ele deu uma
risadinha.
– Já volto. Primeiro tenho que cuidar de você – falou e me deu um selinho antes de me deixar
sozinha na cama.
Admirei a sua bunda nua e perfeita atravessar o quarto e entrar no que parecia ser o banheiro.
Ouvi água correr e, em seguida, ele tornou a aparecer, de frente e nu em pelo. Baixei os olhos na
hora. Ouvi-o dar uma risadinha e fechei os olhos, com vergonha de ter sido surpreendida espiando.
– Não vá bancar a tímida agora – provocou ele, então estendeu a mão para tornar a abrir os meus
joelhos. – Abra para mim – falou, suave, fazendo força nos meus joelhos para abri-los. Reparei pela
primeira vez na luva de banho que ele estava segurando. – Não precisa abrir demais – disse ele,
limpando entre as minhas pernas enquanto eu o observava, fascinada. – Está doendo? – perguntou
ele, preocupado, enquanto passava o pano delicadamente pela região sensível.
Neguei com a cabeça. Agora que não estávamos enlouquecidos de paixão, aquilo era
constrangedor. Mas o fato de ele me limpar também era fofo. Será que era assim que os caras agiam
depois do sexo? Nunca tinha visto isso em filme nenhum.
Parecendo satisfeito com a limpeza, ele jogou a luva de banho usada no cesto de lixo ao lado da
cama. Tornou a deitar ao meu lado e me puxou para junto de si.
– Ué, Cameron, pensei que você não ficasse abraçadinho – falei enquanto ele alisava o meu pescoço
com o nariz, sentindo o meu cheiro.
– Não ficava, mesmo. Só com você, Flavia. É a minha exceção – sussurrou ele.
Então aninhou a minha cabeça sob o seu queixo e puxou as cobertas por cima de nós dois. O sono
veio depressa. Eu me sentia segura e feliz.
Minha primeira sensação foram beijos lentos na parte interna da panturrilha e no arco do pé.
Forcei os meus olhos a se abrirem. Ajoelhado ao pé da cama, Cameron beijava os meus pés e ia subindo
pela lateral da minha perna com um sorriso travesso no rosto.
– Ah, finalmente. Eu estava começando a me perguntar o quanto teria que beijá-la para você
acordar. Na verdade, não me importaria em subir mais, mas com certeza isso iria levar a mais uma
transa incrível e você agora só tem vinte minutos para chegar ao trabalho.
O trabalho. Ai, merda. Sentei-me na cama e Cameron soltou a minha perna.
– Tem tempo ainda. Vou preparar alguma coisa para você comer enquanto se arruma –
tranquilizou-me ele.
– Obrigada, não precisa. Eu pego alguma coisa na sala dos funcionários quando chegar lá.
Eu estava tentando não deixar o constrangimento da manhã seguinte se instalar. Tinha transado
com aquele cara. Uma transa ótima, ou pelo menos era o que eu achava. Agora era dia e eu estava
pelada na cama dele.
– Quero que você tome café aqui. Por favor.
Ele queria que eu tomasse café com ele. Meu coração bateu com mais força no peito.
– Ok. Tenho que ir ao meu quarto tomar uma chuveirada.
Ele olhou para o seu banheiro, depois para mim.
– Estou dividido: quero que você tome banho no meu banheiro, mas acho que não vou conseguir
sair daqui sabendo que está nua e toda ensaboada dentro do meu boxe. Vou querer acompanhar
você.
Segurando o lençol na frente do peito, sentei-me e sorri para ele.
– Por mais atraente que essa possibilidade soe, eu iria chegar atrasada no trabalho.
Ele suspirou e concordou.
– É. Melhor tomar banho no seu quarto.
Olhei em volta à procura das minhas roupas, mas não as vi em lugar nenhum.
– Vista isto aqui. A Henrietta vem hoje. Vou pedir para ela lavar e passar as suas roupas de ontem.
Ele me lançou a camiseta que estava usando na noite anterior. Senti o seu cheiro quando a peça
bateu no meu peito. Seria muito difícil eu devolver aquilo. Um pouco envergonhada, tentei vestir a
camiseta sem deixar cair o lençol.
– Agora levante. Quero ver você – murmurou ele, recuando.
Usando apenas uma calça de pijama, ele se afastou da beirada da cama e esperou eu me levantar.
Deixei o lençol cair e me levantei. A camiseta dele batia logo acima dos meus joelhos.
– Não dá para você dizer que está doente? – perguntou, descendo os olhos pelo meu corpo.
Senti umas cócegas quentes me percorrerem.
– Eu não estou doente – retruquei.
– Tem certeza? Porque acho que estou com febre – disse ele, dando a volta na cama e me puxando
para junto de si. – Ontem foi sensacional – falou, com o rosto enterrado nos meus cabelos.
Eu não esperava aquele tipo de reação da parte dele. Estava preocupada que ele fosse me dispensar
de manhã, mas não. Ele estava sendo fofo. E era tão incrivelmente gostoso que fiquei mesmo
tentada a avisar no trabalho que estava doente.
Só que esse era o meu dia no carrinho de bebidas. Se eu não aparecesse, Boo teria que percorrer
o campo inteiro sozinha em plena sexta-feira. Seria uma crueldade. Eu não podia fazer isso.
– Tenho que trabalhar hoje. Eles estão contando comigo – expliquei.
Cameron deu um passo para trás.
– Eu sei. Corra, Flavia. Desça essa sua bundinha linda e fique pronta. Não posso prometer que vou
deixar você ir se ficar aí parada por mais tempo.
Rindo, passei por ele correndo e desci a escada. A risadinha bem-humorada que deixei no meu
rastro foi perfeita. Cameron era perfeito.
O calor só fazia piorar. Eu queria muito mesmo que Darla me deixasse prender os cabelos. Estava
prestes a pegar uma garrafa daquela água gelada e despejar em cima da cabeça. Com aquele calor,
estaria seca em segundos. Por que homens jogavam golfe com aquele tempo? Eles eram malucos?
Quando voltei com o carrinho ao primeiro buraco, reparei na cabeleira escura de Woods. Ai, que
saco. Eu não estava com a menor disposição para ele. Mas Jace devia mesmo estar querendo esperar
Boo passar. Não haveria problema se eu pulasse aquele buraco. Só que Woods se virou e me viu.
Um sorriso se insinuou nos seus lábios.
– Voltou ao carrinho hoje, é? Por mais que eu goste de vê-la no salão, o golfe fica muito mais
divertido com você aqui – disse ele em tom de provocação enquanto eu encostava o carrinho ao seu
lado.
Eu não iria dar corda para a sua azaração, mas ele era o meu chefe, então não podia deixá-lo
zangado.
– Para trás, Woods. Você está meio perto demais.
Ouvi a voz de Cameron atrás de mim. Quando me virei, eu o vi andando na nossa direção usando um
short azul-marinho e uma polo branca. Será que ele estava jogando golfe?
– Então foi por causa dela que você de repente quis jogar com a gente hoje? – indagou Woods.
Não tirei os olhos de Cameron enquanto ele se aproximava. Ele tinha ido lá por minha causa. Pelo
menos eu estava quase certa disso. Mais cedo, durante o café, ele tinha me perguntando onde eu iria
trabalhar.
Ele me segurou pela cintura. Puxou-me para junto de si, abaixou a cabeça e sussurrou no meu
ouvido:
– Está sentindo alguma dor?
Ele se mostrara preocupado que eu ficasse dolorida e tivesse que trabalhar em pé o dia todo.
Respondi que estava bem. Mas ele continuava preocupado, ao que parecia.
– Estou bem – respondi, baixinho.
Ele me deu um beijo na orelha.
– Está se sentindo dolorida? Dá para sentir que eu estive aí dentro?
Disse que sim, sentindo os joelhos bambearem um pouco com o tom da sua voz.
– Ótimo. Gosto de saber que você sente onde eu estive – disse ele, então se afastou de mim e
encarou Woods.
– Imaginei que isso fosse acontecer – disse Woods com um tom de irritação.
– A Sie já sabe? – perguntou Jace.
O lourinho deu um tapa no seu braço e fez uma cara feia para ele.
– Isso não é da conta dela. Nem da sua – retrucou Cameron com um olhar irado para Jace.
– Eu vim aqui jogar. Vamos deixar esse papo para outra hora. Flavia, por que não serve as bebidas
de todo mundo e segue para o próximo buraco? – sugeriu Woods.
Senti o corpo de Cameron ficar tenso ao meu lado. Woods estava nos testando. Queria ver se eu iria
agir diferente agora que Cameron estava alardeando publicamente o nosso envolvimento. Eu estava ali a
trabalho. O fato de ter transado com Cameron não modificava o meu lugar no contexto mais amplo. Eu
sabia disso.
Eu me afastei do abraço de Cameron, abri o cooler e comecei a distribuir as bebidas de cada um.
Minhas gorjetas não foram tão boas quanto costumavam ser com aquele grupo. Com exceção de
Woods, claro. Imaginei que isso também fosse mudar depois desse dia.
Pude ver a nota de 100 dólares que Woods pôs na minha mão, e tenho certeza de que Cameron
também viu. Fechei a mão depressa e enfiei o dinheiro no bolso. Eu me entenderia com ele mais
tarde, sem Cameron por perto. Cameron se aproximou e enfiou a sua gorjeta no meu bolso. Ele me deu um
beijo de leve e piscou o olho para mim antes de ir pegar um taco de golfe com o caddy.
Não dei motivo algum para Woods me repreender. Voltei rapidamente ao carrinho e segui para o
buraco seguinte. O celular vibrou no meu bolso e me assustou. Cameron o pusera ali antes de eu sair de
manhã. Eu vivia me esquecendo que tinha celular.
Parei o carrinho e peguei o aparelho.
Sinto muito pelo Woods. Cameron.
Sentia muito pelo quê? Ele não tinha motivo nenhum para sentir muito.
Está tudo bem. Ele é o meu chefe. Não foi nada de mais.
Depois de responder, tornei a guardar o celular no bolso e fui em direção da minha próxima
parada.
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...