História Paixão sem Limites - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Exibições 85
Palavras 3.055
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoal tudo bem?
Devem estar se perguntando o que esta acontecendo.
Aqui é a Cereijinha, ouvi alguns problemas e eu tive que excluir minha antiga conta, mas já está tudo resolvido e eu criei outra. Estou respostando minhas histórias nessa nova conta, e Paixão sem Limites esta sendo rescrita.
Sim eu estou rescrevendo a história, pelo fato de muitos erros de português e eu não estava gostando do rumo que ela estava tomando. Mas aqueles que estavam gostando não se preocupem não mudei quase nada, a história está praticamente a mesma.
Espero que gostem.
Boa leitura.

Capítulo 1 - Capitulo 1


 

Paixão sem Limites

*Sasuke*

 

Olhava para a janela em silêncio com os braços cruzados, o céu escuro parecia mais interessante do que ficar escutando lorotas.

— Sasuke você pode ser meu sobrinho e eu gosto muito de você, mas essa é a última chance que eu te dou. Se não parar de aprontar não vou poder te ajudar e terei que te prender. Estamos entendido? — Mandara terminou seu discurso de bom delegado.

Continuei calado apenas o encarando.

— Ele vai parar tio, obrigado mais uma vez. — Itachi se levantou e me lançou um olhar sério antes de seguir para a porta.

Me levantei e o segui a contra gosto.

— Estou de olho. — Ainda ouvi a voz de Madara antes de sair da sala.

Coloquei as mãos no bolso da minha jaqueta caminhando pra fora daquela delegacia, ao chegarmos no estacionamento Itachi destravou seu carro entrando no mesmo.

Abri a porta do carona e entrei.

— Não vai falar nada? — Quebrei o silêncio olhando para frente.

Ele estava muito calado pro meu gosto.

— Amanhã você irá para um internato. — Disse ligando o carro.

— O quê? — O olhei alarmado. 

Só posso ter escutado errado.

— Chega de brigas, chega de corridas clandestinas, chega de festas, chega de bebidas, chega de tudo. Não vou deixar você se matar e o papai já fez sua matricula. — Sua voz saiu séria e decidida, crispei os lábios cerrando os punhos.

— O que aquele velho têm haver com isso? 

— Ele se preocupa. 

— Preocupa o caralho, e eu não vou a lugar algum. — Passei a mão no rosto tentando manter a paciência.

— Não adianta relutar, você vai para o melhor internato de Los Angeles e irá terminar o terceiro ano.

— Você não manda em mim. — Retruquei olhando para a janela.

Eu não vou a lugar algum.

— Internato ou cadeia, qual você prefere? apesar deu achar que você deveria estar em um hospício. — ironizou me deixando mais irritado.

Babaca.

— Vai pro inferno.

— Quando você vai mudar em? já têm dezoito anos e ainda age como um garoto imaturo.

— Cala a boca.

— Cresça Sasuke, o mundo não gira ao seu redor. — Ele elevou o tom de voz me olhando com repreensão.

Preferi ficar calado para não fazer nenhuma merda, depois de longos quinze minutos chegamos em casa. 

— Amanhã tenho reunião cedo e deveria estar dormindo. — Ele resmungou saindo do carro.

— Problema seu. — Bati a porta com força e ele me reprendeu com o olhar.

— Deveria me agradecer por não ter deixado você passar a noite na cadeia.

Sabia que ele iria esfregar isso na minha cara. 

— Onde esta minha moto? — Perguntei vendo que ela ainda não estava em seu devido lugar.

Porcaria, se tiver acontecido alguma coisa com minha moto esse povo vai pagar muito caro.

— Você ficará sem moto por uns dias, não precisará mais dela mesmo.

— Cadê minha moto merda?

— Vai dormir Sasuke, amanhã você acordará cedo. Sua moto esta guardada, ninguém vai tocar nela e você só a pegará de volta quando aprender a se comportar como adulto. — Ele bocejou entrado em casa.

Bufei e entrei em casa seguindo para ao andar de cima, Itachi se acha o rei da razão, acha que pode mandar em mim só por que é mais velho. 

Mas ele esta muito enganado se pensa assim.

Entrei em meu quarto batendo a porta e comecei a tirar a roupa seguindo para o  banheiro.

Entrei em baixo do chuveiro apoiando o rosto na parede, não era pra essa noite ter terminado assim, eu deveria estar agora comemorando com os meus dez mil dólares. 

O maldito do Pain deve estar rindo da minha cara agora.

Droga.

Terminei meu banho e voltei para o quarto com uma toalha em volta da cintura. Apaguei a luz e me joguei na cama, estava morto de sono.

— Sasuke acorde. — Batidas fortes na porta me acordaram.

Mais que diachos.

— Vamos Sasuke levante. — Itachi gritou esmurrando minha porta.

Tentei ignorar cobrindo a cabeça com o travesseiro mas o desgraçado continuava a gritar.

— Sasuke.

— Que é porra? — Abri a porta irritado.

Ele tinha uma expressão calma e já estava arrumado com aquele terno ridículo.

— Se arrume ou vai chegar atrasado no internato. 

— Eu não vou.

— Se você for esperto você vai sim, têm dez minutos pra descer. — Disse com um sorriso sabe tudo e se virou indo embora.

Bati a porta com força a socando. 

Eu odeio Itachi.

— Coloque um sorriso no rosto, e faça amigos decente. — Disse depois de dez minutos dentro daquele carro.

— Se fode.

— Se tratar as pessoas desse jeito não vai conseguir nenhum amigo.

— E quem disse que eu quero fazer amizade com esses riquinhos mimados?

Ele me olhou e ergueu uma sobrancelha.

— Engraçado, pensei que você também fosse um riquinho mimado.

— Em primeiro lugar eu não sou rico e se me chamar de mimado outra vez eu quebro os seus dentes.

— Eu não poderia ter um irmão melhor. — Ele ironizou parando o carro em frente a porcaria do Internato.

Eu poderia abrir a porta e fugir, ele não vai conseguir me pegar.

— E mais uma coisa, nem pense em tocar nas garotas dessa escola, elas são todas moças de família sucedidas e não são as putas que você costuma usar e jogar fora. 

— Vai sonhando. — Murmurei olhando para as garotas que entravam na escola.

Até que elas são gostosinhas.

— Estou falando sério Sasuke, não arrume mais problema para seu lado e essa escola têm regras é melhor respeita-las. — Disse sério e saiu do carro.

Revirei os olhos e desci do carro, Itachi pegou minha mochila e jogou para mim que  a peguei no ar antes que acertasse meu rosto.

Ele entrou naquela porcaria e eu o segui atraindo olhares das pessoas em volta. Ele seguiu por vários corredores até que parou em frente a uma porta vermelha onde estava escrito "Diretoria".

— Entre. — Uma voz feminina saiu de dentro da sala.

Itachi abriu a porta entrando e eu o segui.

— Senhora Tsunade. — Itachi cumprimentou a mulher loira que estava sentada em uma mesa olhando alguns papeis.

Ela levantou o olhar e nos analisou.

— Vocês devem ser os Uchihas. — Se levantou fazendo dois melões sacudirem por baixo da blusa.

Isso que eu chamo de exagero.

— Sim, e esse é meu irmão Sasuke. — Itachi apontou para mim e a loira me olhou dos pés a cabeça.

— Vamos nos dar muito bem, não é mesmo Sasuke? — Ela ergueu uma sobrancelha me mandando um olhar superior.

Vai sonhando velha peituda.

— Podem se sentar — Ela apontou para as cadeiras em frente sua mesa.

Nos sentamos e a olhamos.

— Como todo colégio que se prese aqui nós temos regras e você rapaz vai segui-las corretamente, para mantermos a paz nesse Instituto precisamos da colaboração de todos, você estar de acordo em seguir as regras?  —  Ela disse me olhando.

Tive vontade de sorrir agora, iludida.

Itachi me deu uma cotovelada me olhando sério e eu revirei os olhos.

— De acordo. — Menti descaradamente.

Ela sorriu e concordou com a cabeça.

Depois que ela ditou todas as regras que — eu fingi que estava ouvindo — Itachi foi embora alegando estar atrasado para sua reunião e eu fui procurar meu novo quarto.

Fiquei rodando por aqueles corredores por horas até que perdi a paciência.

— Essa porcaria de lugar parece um labirinto. — Bufei passando a mão no rosto.

Quando iria voltar a andar para longe dali sinto algo bater em minhas costas me fazendo cambalear e ouço um grito feminino.

Mais que caralho.

Me virei irritado para trás e vi uma garota sentada no chão com uma carranca enorme na cara.

— Ai. — Ela resmungou me olhando raivosa.

A analisei por inteiro e sorri, acho que encontrei minha nova diversão.

— Olha por onde anda coisa rosa.
 


*Sakura*


           Passei as mãos pela saia de pregas preta que batia na metade das minhas coxas, arrumei o blazer preto com detalhes em branco que cobria a blusa rosa de alcinhas e dei uma volta em frente ao espelho.

Meus cabelos longos de cor rosa estavam lisos, e a maquiagem realçava meus olhos e lábios.

Peguei minha bolsa de lado e sai do quarto, seguindo para a porta no fim do corredor.

O quarto de meus pais.

— Mãe. — Abri a porta de seu quarto a encontrando sentada na cama, falando ao celular.

Seus olhar estava concentrado na agenda em seu colo e os fios loiros de seus cabelos caiam pelo seu rosto.

— Agora não Sakura. — Murmurou assim que ouviu minha voz.

Parecia mais interessada na pessoa do outro lado da linha.

— Eu já estou indo para o internato.

— Tudo bem, boa semana. — Ela me olhou rapidamente e acenou voltando a atenção para o celular.

Abaixei o olhar e fechei a porta, olhei para o corredor a minha frente e segui para o andar de baixo meio desanimada.

Mebuki Haruno era uma mulher muito ocupada, a minha família era dona da maior rede de hospitais de Los Angeles. Por isso meus pais nunca tinham tempo para mim, mas eu já havia me acostumado com isso.

— O motorista lhe espera menina Sakura, tenha uma boa semana. — Chiyo disse assim que cheguei ao andar de baixo.

— Obrigada Chiyo.

Chiyo era uma senhora de sessenta anos que cuida de mim desde que eu me entendo por gente, eu tinha um grande carinho por ela.

Passei pelo grande jardim seguindo em direção aos grandes portões de minha mansão.

— Bom dia Senhorita Haruno. — O porteiro cumprimentou abrindo o portão.

— Bom dia Hideo. — Acenei para ele seguindo para o carro da família.

O motorista me fez um comprimento com a cabeça e abriu a porta do banco traseiro para mim. Entrei no carro olhando as ruas de Los Angeles pela janela, eu estudava no melhor internato de toda Califórnia. 

Sou popular, tenho os melhores amigos que uma pessoa poderia ter. É parece que minha vida é perfeita, então por que sinto um vazio no peito?

— Chegamos senhorita. — O motorista me tirou dos meus pensamentos e eu olhei pela janela vendo a porta do Instituto.

Cheguei em minha casa, sim eu considero essa escola minha casa. 

Sai do carro e peguei minha mala adentrando pelos portões azuis.

— Oi Sakura.

— Bom dia Sakura.

As pessoas me cumprimentavam e eu acena de volta, sei que eram todos uns puxa sacos falsos.

— Ei Sakura. — Ouvi uma voz conhecida e olhei para trás vendo uma de minhas amigas vindo em minha direção.

— Tenten. — Sorri para a pucca do meu coração.

Ela usava um short jeans desbotado, uma blusa preta de mangas caídas e um tênis surrado. Os cabelos castanhos estavam amarrados em dois coques e a mesma segurava um saquinho de caramelo.

Ela era viciada em caramelo.

— Caramelo? — Ofereceu começando a andar ao meu lado.

— Não obrigada.

— Cara, eu tô morta de sono.

— Saiu ontem a noite?

— A bicha do Sai me arrastou para uma festa, acabei não avisando Neji e ele ta puto da vida comigo.

— Nem me chamou. — Fiz bico emburrada.

— Você não ia gostar, só tinha gay naquela merda. — Ela revirou os olhos.

— E dai?

— E dai que você precisa de um homem.

— Não começa. — Retruquei já sabendo onde aquele assunto iria parar.

— Você precisa seguir em frente Sakura, já fez um ano que o Sasori foi embora e você ainda não superou.

Mordi os lábios com força respirando fundo.

— Eu o amava tá.

— Falou certo amava, ele te deixou, parte pra outra Sakura todos os garotos dessa escola morrem por um sorriso seu. — Ela se exaltou e eu balancei a cabeça.

— Você não entende Tenten, eu não vou passar por isso de novo.

Garotos só nos fazem sofrer, eu não vou ser iludida de novo.

— Vai virar freira então?

— Será que podemos mudar de assunto? — Coloquei uma mecha de cabelo atrás da olheira.

Odeio tocar nesse assunto.
 
— Sakura Haruno, não seja covarde. — Ela parou de andar colocando as mãos na cintura.

— Você esta parecendo a Ino.

— Não me compare aquela loira burra. — Ela me olhou ofendida.

— Quem é loira burra? — Ino apareceu atrás de Tenten fazendo a mesma dar um pulo de susto.

Não aguentei e comecei a rir.

— É só falar na assombração que ela aparece. — Tenten olhou feio para a o loira.

— Tá chamando quem de assombração projeto de pucca? — Ino retrucou fuzilando Tenten com os olhos.

— Do que você me chamou?

— Meninas não vão discutir no meio do corredor.

— Têm razão, tava com saudades da minha MELHOR amiga. — Ino me abraçou beijando meu rosto.

Essa porca ama provocar.

— Foram só dois dias Ino. — Retruquei empurrando a loira.

— Loira oxigenada. — Tenten resmungou.  

Tenten e Ino não se bicam, talvez seja por causa de seus estilos completamente diferentes. Tenten tem um estilo mais despojado enquanto Ino é uma patricinha de primeira linha.

— Vamos que eu estou com fome. — Murmurei antes que elas voltassem a brigar.

— Duas.

— Vocês são duas gordas.

— Cala a boca Ino.

— Chatas, eu vou esperar o Gaara na porta, depois nos vemos. — Ela acenou dando as costas.

Dei de ombros e voltei a andar sendo seguida por Tenten.

— Neji quer falar comigo, que saco. — Tenten resmungou olhando para a tela do celular.

Tenten e Neji namoram desde o ano passado, os dois são como água e óleo, frio e calor, lua e sol. Mas se amam.

— Boa sorte. — Lhe dei leves tapinhas no ombro .

— Valeu. — Ela murmurou virando o corredor contrário.

Balancei a cabeça sorrindo e por um momento de distração trombei com alguém me fazendo cair de bunda no chão.

Não acredito.

— Ai.

Isso doeu.

Olhei rapidamente para cima encontrando o causador da minha humilhação, ainda bem que não tinha mais ninguém no corredor.

Eu seria zoada pelo resto da vida.

— Olha por onde anda coisa rosa. — Ele sorriu me analisando com os braços cruzando.

Lhe mandei o meu pior olhar irritado, como ele tem a coragem de falar algo assim e ainda rir de mim? a culpa foi toda dele. Se ele não estivesse parado no corredor eu não estaria nessa situação. 

O analisei por inteiro e franzi o cenho.

Ele tinha cabelos pretos rebeldes, olhos negros obscuros, vestia uma camisa preta e uma calça jeans da mesma cor.

Quem é esse babaca? 

— O que esta esperando? me ajude a levantar. — Ergui o braço para cima e ele ergueu uma sobrancelha.

— Acho que não, a visão daqui esta muito boa. — Disse com um sorriso sacana olhando para direção que seria minhas pernas.

Arregalei os olhos ao me lembrar que estava de saia e fechei as pernas rapidamente. Céus que vergonha eu quero morrer.

— Não precisa ficar constrangida rosada, vêm eu te ajudo. — Ele se aproximou estendendo a mão.

— Não se aproxime de mim. — Me afastei para trás escondendo o rosto.

Não consigo olhar em seu rosto.

— Não estou entendendo, você não queria ajuda?

— Eu consigo sozinha. — Murmurei sem olha-lo.

Eu devo estar vermelha igual um tomate. 

— Se você diz. — Ele debochou se afastando.

Fiquei esperando ele ir embora mas ele continuou parado.

— Não vai sair? 

— Aqui esta bom.

— Arg qual o seu problema? — O olhei irritada, será que ele não percebe que eu quero ficar sozinha e que sua presença esta incomodando?

— Eu tenho tantos problemas que precisaria listar.

Fechei os olhos respirando fundo, por que isso esta acontecendo comigo?

— Sakura, esta tudo bem? — Ouvi a voz de Hinata e suspirei aliviada.

— O que faz ai sentada? se machucou? — Ouvi a de Naruto e abri os olhos vendo meus amigos se aproximando de mim.

— Me ajuda. — Estiquei os braços e eles me ajudaram a levantar.

Obrigada Kami, por me mandarem esses anjos da guarda.

— Ai. — Resmunguei estralando as costas passando as mãos em minha bunda dolorida.

Meu dia não poderia ter começado melhor.

— O que aconteceu? — Naruto me olhou preocupado.

— Um acidente. — Murmurei olhando para o babaca a minha frente, ele continuava me encarando com um olhar divertido.

Ele estava se divertindo as minhas custas.

— Ei, você é o aluno novo? Sasuke Uchiha? — Naruto perguntou atraindo o olhar do babaca.

Uchiha?

— Seu nome esta na porta do meu quarto, acho que seremos novos colegas de quarto. 

Que ótimo.

— Hn. 

— Vêm eu te levo, você deve estar perdido. — Naruto o chamou seguindo para outra direção.

O babaca pegou sua mochila no chão e se virou para mim.

— A gente se vê por ai rosada, e só pra constar você fica muito bem de vermelho. — Ele piscou o olho pra mim e deu as costas seguindo Naruto.

Filho da puta, agora ele vai me infernizar pelo resto da vida.

— Não entendi, você nem esta de vermelho. — Hinata murmurou confusa ao meu lado.

Hinata é uma garota sensata, tímida e inocente nunca nem iria imaginar o que aquele depravado estava falando.

— Ignore Hinata, esse cara é louco. — Murmurei pegando minha mala.

— Ele é bem estranho mesmo. — Ela comentou vendo se distanciar.

— Vêm, vamos para o quarto estou com dor de cabeça. 

— Que um remédio?

— Sim por favor e de preferência um calmante.

Preciso me acalmar, respira Sakura, um estranho apenas viu sua calcinha e talvez te infernize pelo resto do ano, mas não é tão grave assim, não é? Ele vai se esquecer e nem vai lembrar que eu existo, sim ele vai se esquecer e eu não vou precisar me jogar de uma ponte.

 

 

 

 

 


Notas Finais


Sakura você esta muito enganada kkkk
O que acharam?
Até o próximo beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...