História Palhaço - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Drama, Hobi, Hoseok, Jikook, Jimin, Jin, Jung Kook, Rap Monster, Romance, Taehyung, Vhope, Yoongi
Exibições 6
Palavras 2.463
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hi! Adoro usar umas palavras inglês de vez em quando, conversar com um grjngo ngm quer, vou me embolar no Como você está? Mas enfim, voltei com mais um capitulo fresco, em breve vou ter um tempo certo de postagens, quais dias serão, estou aproveitando a epoca entre o final do Ensino médio e os resultados dos vestibulares( não lembra, pfv) espero que estejam gostando, se eu sou um pouco fria relevem meus vacilos e tenham a iniciativa de me dar sermão, não me ofender. E particularmente no meu ponto de vista Jikook vai ser mais avassalador que Jimin e Cindy, apenas esperem...

Capítulo 3 - Eu te avisei


E foi resumidamente assim o primeiro semestre, alguns trabalhos e provas, algumas saídas, fossem em grupo, com Cindy ou Jung Kook, conheci novos colegas, e já tinha começado a me familiarizar com o lugar. Logo nos primeiros dias do outro semestre eu consegui me atrasar, mas agora eu tinha um colega, Hoseok, não era muito diferente de mim, mas tagarelava muito e vivia rindo e me cutucando, porém quando não fazia isso era uma pessoas excepcional e por isso ele anotava tudo que havia acontecido na aula que eu perdia. 

- Como você vai passar faltando aula? – ele dizia enquanto estávamos lanchando no refeitório . 

- Não é de propósito, eu não sei o que aconteceu com o despertador. - Mas então, e Cindy? 

- Deve estar por ai.

 - Não idiota, vocês andam saindo? – eu realmente não tinha entendido.

 -Ah, sim, às vezes ela se confunde pra falar e mistura as duas línguas, é engraçado. Pena que ela vai ficar só mais esse semestre.

 - Vocês são casalzinho da faculdade que fofinho, ainda tem o drama da separação.

 - Não... só estamos deixando levar. 

- Que falta de química, até eu e esse sanduiche tem mais clima. 

- Olha quem fala, desde que chegou não ficou com ninguém. 

- Você sabe que isso não é o mais importante, eu tinha acabado de terminar com alguém quando vim pra cá.

 - Está “ se acostumando a viver sozinho antes de se entregar a um relacionamento”. Ok, ok. Depois do intervalo voltamos as aulas e ao final voltamos para o dormitório, Hoseok ficava no primeiro andar, eu o obrigava a descer para poder fazer os trabalhos ao invés de eu ter de subir, ele não reclamava então para mim estava bem.

 - Boa tarde... – Jung Kook estava sentado na sua cama com alguns materiais dele e segurando um livro com titulo de algum livro de um escritor famoso, talvez estivesse se preparando para interpretar algo ou simplesmente fazer um resumo.

 - Boa tarde – lhe respondi, agora a parede do lado dele estava repleta de fotografias, algumas comigo e várias outras junto com esboços. 

- Já temos metade de um ano aqui, nem dá pra acreditar, era ontem que eu estava chegando aqui.

 - Verdade, a dona da loja onde compramos os lanches já sabe até nossos nomes, isso soou muito criança, mas fazer o que né? 

- Eu pensei que você seria muito inconveniente, mas você até que é agradável. 

- Digo o mesmo, pensei que teríamos um tratamento de bom dias e obrigada, mas olha ai você usando uma camisa minha emprestada porque a sua está lavando, sendo que ela está suja também, mas não quis dizer.

 - Eu não tomei banho mesmo. 

- Que cumulo do absurdo.

 - Não me julgue, vai dizer que não passou pelo menos um dia inteiro assim. Tomei banho de manhã. 

- Tá, tá, eu me rendo. Mas e ai, como estão as coisas no curso? 

- Começaram a passar os trabalhos todos de uma vez, você pode estar pensando que artes é fácil, é, ainda por eu me dedicar, mas é muita coisa. E essas comunicações todas? O garoto é internacional mesmo até o relacionamento é com uma estrangeira.

 - Tem vez que odeio esse jeito que vocês falam, como se ela fosse uma raridade de material e eu fosse algum minerador de muita sorte. Só sou uma rapaz de muita sorte mesmo.

 - Está bem , não está mais aqui quem falou. 

- As aulas estão normais, como você falou, temos os trabalhos, Hoseok continua o mesmo. 

- Ah, um que fala com um tal de Jin que faz medicina? 

- Isso, e ele conhece Namjoon, o que festas e o tempo não faz né.

 - Eu já conversei com Jin, ele é veterano, ele me disse muita coisa que não sabia sobre a faculdade, o famoso filho perfeito, ele só não deve ter conseguido passar no processo seletivo de universidades melhores, mas pra que um titulo que não serve de nada num caixão.

 - Hum, sinto uma frustação no ar, vai tomar banho que passa.

 - Vá logo, não vou terminar isso tão cedo. 

(...) 

- Não pode me julgar mais, tomei banho, cumpri minhas tarefas sou um jovem seguindo as ordens – Jung Kook saiu do banheiro e pulou direto na cama, pegou o celular, levantou e veio em minha direção que já estava meio que no mundo de Hipnos, mas ainda conseguia escutar algo – vai ficar ai mesmo todo jogado, minutos atrás tava dando risada. 

Ele se sentou na beirada da cama pelo que pude ouvir do ruído e balançou meu braço, quando eu terminei de despertar, então para pará-lo segurei seu braço com muita firmeza pra mostrar que havia acordado e estava irritado por isso. O mais novo ficou parado olhando toda situação como se não esperasse essa reação e quando eu finalmente abri o olho ele se levantou repentinamente. 

 - Que ideia do inferno foi essa? Preciso acordar no horário amanhã. Xiu.

 - Jimin, acabou de anoitecer faz uma hora. 

- É muito cansaço- assim que eu recobri a consciência de toda a realidade, o vi meio cabisbaixo no seu canto – desculpa a reação, mas não me acorda quando eu não pedir.

 - Ok – ele pegou seu celular e fone de ouvido e deitou-se ouvindo suas músicas alto. Às vezes aquele cara sabia ser estranho. 

 Depois eu voltei a dormir, no outro dia depois que terminei de me vestir tirei os fones do seu ouvido pra que não se embolasse neles e sai pra aula, durante o intervalo enquanto Hoseok sentado comigo em um banco estava verificando algo no seu celular, eu fiquei observando Namjoon treinando uma música com seus colegas, ele parecia bem alegre, na época de ensino médio ele vivia lendo, e tirava notas boas, e agora fazia o que queria, mas particularmente, ele esnobava as pessoas, eu por exemplo, ou pelo menos deixava-me fazer isso. Depois Hoseok levantou-se e Cindy sentou-se onde ele estava.

 - Vamos tirar uma foto - ela me puxou e pegou seu celular da bolsa e acionou a câmera, ela adorava quando eu fechava os olhos e ria dizendo que não fazia diferença.

 - Temos tantas fotos e você nem posta – falei abraçando-a de lado. - Jimin, em algumas eu não estou bonita, já falamos sobre isso, você nem mexe na sua conta, como sabe?

 - Tenho meus contatos e meus amigos sempre falam algo pra me perturbar quando você posta alguma.

 - Me dá um beijo que eu já vou pra outra aula – ela fez um bico, eu ri da sua cara, mas depois lhe dei um selinho e ela saiu normalmente.


Flashback on

 

Eu tinha levado Cindy para conhecer alguns lugares da Coreia durante um dia todo, ela tirava tantas fotos de cenários que eu considerava não merecedor de tanta atenção, mas como ela era de fora e tinha só três meses por lá eu até entendia, se tivesse oportunidade de ir a Londres iria fotografar até o comissário do avião.

 Nós paramos para descansar perto de uma lagoa, tínhamos doces, sucos, estávamos um pouco agasalhados, era final de tarde, e vestíamos roupas de manga longa, sentados na grama descansando os pés, o vento e sol frio, lamento pela antítese, junto com imagem dela curtindo o lugar parecia uma foto de revista jovem, não aquelas cheias cores marcantes e arrumações extravagantes, e sim uma que demonstra a paz interior de alguém, foi o único momento que de forma irônica ela não mexeu em câmera ou celular. 

Não estávamos juntos ainda, apenas alguns flertes e saídas como essa, uma delas Jung Kook até estava, mas depois de uma hora precisou voltar para a república. Enquanto eu a observava ela se virou para pegar sua garrafa de suco e me flagrou ainda riu de mim, acabei por rir também.

 - Você é um fofo Jimin, esses seus olhinhos rindo, que vontade de apertar- ela disse me deixando envergonhado.

 - Obrigado, é involuntário. 

- Eu gostei muito de vir hoje, você é uma boa companhia, os lugares são tão bonitos e interessantes. 

- Lembrei da hora que o senhor achou que eu era da América também e falou em inglês comigo, e ele se assustou quando me ouviu responder na nossa língua, coitado, deve estar acostumado a encontrar gente de fora.

 - Foi um pouco engraçado, ele achou que éramos um casal.

 - Nada que eu não queira.

 - Eu já te disse que está muito cedo, eu gosto de você, sério, mas mudanças assim me pressionam, mas podemos continuar como estamos – ela pegou meu copo com guaraná e eu fui atrás dele, deixando os dois próximos, o que era sua intenção, e me devolveu logo depois. Como eu estava a sua esquerda ela estendeu seu braço direito e deslizou os dedos nos cabelos caídos na testa até os perto da raiz, me obrigando a olha-la e fazer uma expressão leve no meu rosto pelo toque, a ponta dos nossos narizes encostaram uma na outra antes que o beijo acontecesse, eu poderia juntar todos os clichês e não conseguiria definir esse momento, mesmo com os barulhos das conversas e dos calçados, parecia que só tinha nós dois, pelo menos para mim. 

Não demorou muito pra irmos para república, ficamos de mãos dadas o caminho todo, lá estava o Jimin conhecido por nunca se agarrar a uma pessoa por mais de um mês, literalmente acorrentado.



Flashback off 



 - Jimin, você esqueceu sua pasta – Jung Kook me entregou a pasta que continha um dos trabalhos que eu iria entregar no dia. 

- Obrigada, nem me lembrei disso, nossa.

 - Pois é, nem me escutou também, faz quase um minuto que te chamo.

 - Vaza daqui agora, já começou... – ele estava com aquela cara de novo. - Que seja, talvez eu chegue tarde hoje, então não fui sequestrado se não aparecer no horário de sempre. 

- Ok, ok. Ele ficou alguns segundos parado olhando pra mim, acho que ele se irritou comigo sobre a noite anterior, mas eu não tinha feito nada.

 

Jeon JungKook POV 


 Acordei atrasado, meu fone não estava mais nos meus ouvidos e sim na minha escrivaninha, olhei para a de Jimin e vi sua pasta, ele fala tanto nela e como deixa cair ou perder que me sensibilizei para entrega-lo. Na noite anterior, eu não queria lembrar... 

Peguei meus materiais logo após me arrumar sai para a faculdade, o sol estava mais forte devido a sua posição por causa da hora, mas aproveitei para tomar um banho de sol , e me escondi pra entrar na sala. No intervalo eu avistei Jimin sentado no banco e fui lhe entregar a pasta, o vento estava movimentando seu curto cabelo que deixava fios caídos na sua camisa branca enquanto ele fazia uma cara de boboca, o chamei umas cinco vezes e ele não escutou, de repente ele voltou pra terra e se assustou quando peguei seu ombro. 

- Jimin, você esqueceu sua pasta – ele virou pra saber quem o perturbava. - Obrigada, nem me lembrei disso, nossa.

 - Pois é, nem me escutou também, faz quase um minuto que te chamo.

 - Vaza daqui agora, já começou...

 - Que seja, talvez eu chegue tarde hoje, então não fui sequestrado se não aparecer no horário de sempre. 

- Ok, ok.

 Depois de uma conversa nada emocionante fui a aula, fomos para o auditório treinar algumas coisas, o espaço era enorme, e um pouco frio e o nervosismo vinha nos ensaios mesmo tendo só os colegas e professores na plateia e alguns alunos de outros cursos que iam pra lá dormir na última fileira. Depois de um tempo fomos a cidade comprar algumas coisas para preparar o cenário e o figurino da próxima apresentação, me despedi do resto do povo assim que terminamos e fui até um cinema perto dali, eu sempre ia pra fingir assistir um filme, mas na verdade gostava de ir pra pensar na vida, era um sentimento interessante ignorar a problemática do filme e pensar sobre a minha, às vezes até estudava lá, ou chorava. Mas naquele dia estava lá para pensar na vida mesmo, retroceder tudo e ir lembrando como cheguei onde estava, minhas escolhas, minhas consequências e quando cansava era exatamente a hora de acabar o filme. Na saída comprei um lanche e peguei o transporte pra voltar a república. Alguns alunos também voltavam de algum lugar quando eu cheguei, assim que puxei a chave para abrir a porta ouvi um barulho de dois pares de pé tocarem o chão, podia ser Hoseok e Jimin mais uma vez olhando meus esboços e as cartas que minha mãe insistia em usar e mandar. Assim que abri a porta me deparei com Jimin sem camisa e descalço e Cindy só de roupa intima, fechei a porta na mesma hora e sentei no banco no outro lado do corredor, minutos depois Cindy saiu vestida e tentando esconder o rosto com seu cabelo e andando apressada deixando porta aberta.

 - Esses jovens de hoje em dia... - eu disse entrando no quarto vendo Jimin catar algumas coisas dele no chão. 

- Por que você apareceu justamente agora?

 - Melhor eu que o vigilante - lá na república tínhamos a regra de meninos nos quartos de meninos e meninas obviamente no quarto de meninas, coisas padronizadas a muito tempo na cultura.

 - Finalmente ela aceitou um relacionamento e ai você aparece de surpresa. 

- Gosto de manter minhas propriedades sobre auto supervisão .

 - Ãnh? Não conta pra ninguém que ela esteve aqui. 

- Eu sei que ela já apareceu outras vezes, mas não contei a ninguém, porque você não sabe esconder ou lavar marcas de batom ou euforia.

 - Tá Sherlock, foi encontrar alguém? 

- Não, fui com uns colegas comprar algumas coisas para a apresentação. 

- Ah. 

Depois da cena constrangedora que eu presenciei, fui direto para o banheiro e tomei banho quente, queria relaxar um pouco, demorei um pouco pra sair, então quando abri a porta Jimin já estava deitado assistindo algo no celular, e eu só deitei mesmo e adormeci. Sonhei com várias coisas, algo triste, algo alegre, com os colegas do colegial, com os da faculdade, os familiares, me recordo do último em que minha mãe me consolava e estávamos em casa, e eu me afundava no seu abraço com aquele gostinho de “eu te avisei”. 

Melancolia, sempre fugi dela como os personagens de filme fogem de matadores ou monstros, mas no final ela acaba me atingindo de forma rápida, e a recuperação é gradual e decresce o desânimo, mas depois ela volta, num momento frágil, como uma comum DST, odeio que ela me faz criar metáforas que as outras pessoas adoram ouvir, irônico, odeio que o motivo é quem mais adora escutar.


Notas Finais


Queria ter dinheiro pra ir no cinema ter crise existencial enquanto o Dr. Etranho está negociando T.T mas a gnt se contenta com a netflix e o mega filmes.
Até o próximo capítulo o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...