História "Papai?" - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens Jackson, JB, JR, Personagens Originais, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Starter
Exibições 302
Palavras 4.550
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá! Aqui estou eu, escrevendo mais uma one shot 2jae hsusdudj
Essa daqui é pro projeto Starter (♡) então todo mês, estarei postando uma one shot no dia 14. (Bem, vocês me conhecem)
Espero que vocês gostem!
Beijinhos.

Capítulo 1 - Capítulo Único - Senhor Im.


Fanfic / Fanfiction "Papai?" - Capítulo 1 - Capítulo Único - Senhor Im.

Youngjae revirou os olhos mais uma vez, obsevando as crianças correndo e gritando por toda a sala. 

Estava trabalhando em uma creche fazia duas semanas. Duas míseras semanas aguentando crianças gritando no seu ouvido. No primeiro dia, Youngjae sentiu vontade de apertar as bochechas das crianças e roubar cada uma delas. Agora, achava que tinha pegado um pequeno trauma de crianças.

Mas pelo menos não estava sozinho nessa. Em duas semanas, tinha se aproximado de um dos jovens que trabalhava lá, Park JinYoung. As crianças amavam aquele garoto, e Youngjae só conseguia pensar em como ele era paciente. 

Também tinha Hani, filha da dona do local, mas essa não tinha paciência nenhuma. Até era engraçada, mas nenhuma das crianças da creche parecia gostar dela. Agora porque, ninguém sabia.

Youngjae agora estava no meio da tarde, observando JinYoung brincar com as crianças enquanto essas gritavam e interagiam com o menino chamando ele de tio. 

E foi quando ele entrou, com uma menininha fofa segurando forte em sua mão enquanto observava a salinha, como se estivesse com medo.

- Boa tarde. Ainda tem vagas? - O homem, que não parecia ser muito mais velho que Youngjae, perguntou a Hani com um sorriso no rosto. 

- Claro senhor. - Hani se aproximou e olhou para a menininha, lhe direcionando um sorriso. - Olá baixinha. 

A menina fez um bico como se fosse chorar e se escondeu atrás da perna do pai, que apenas riu sem graça.

- Então, este é o problema. Ela não se dá muito bem com as pessoas, não entendo o porque.

Hani olhou para Youngjae como se fosse chorar, por nenhuma criança gostar dela. Este apenas suspirou e saiu de trás do balcão, se agaixando até ficar do tamanho da criança.

- Oi princesa. Eu sou o Tio Jae, e você? - A menina não respondeu, mas continuou fitando Youngjae. - O Tio Jin está brincando com outros amiguinhos lá dentro. O que acha de irmos brincar também? 

A menina ficou alguns instantes em silêncio, mas logo assentiu e se pôs do lado de Youngjae, que segurou sua mão e a direcionou para dentro da sala. 

Tanto o homem quanto Hani estavam surpresos, e este acabou fazendo a inscrição da filha e agradecendo por cuidarem dela.

- Qual o nome do moço que levou minha filha? - O homem perguntou antes de sair.

- Youngjae, senhor Im. - Hani sorriu.

Enquanto isso, Youngjae estava dentro da sala com a menina sentada em seu colo. Tentou sai e deixar ela sozinha ali, mas assim que levantou, ela puxou sua camiseta e o olhou com uma carinha de choro, fazendo seu coração se despedaçar. Como aquele homem deixou sua filha sozinha com três jovens que mal sabiam se cuidar? Era uma creche, certo. Mas ela era tão fofa e indefesa. 

- Aquele é o tio Jin? - A menina apontou, com os olhos levemente arregalados. Youngjae percebeu que ela era extremamente semelhante ao seu pai, pelo menos fisicamente. 

- Sim, pequena. Qual seu nome, hm? - Youngjae sorriu vendo a menina prestar atenção em JinYoung.

- Im Yewon. Meu pai foi embora tio? - Agora, a criança dirigiu seu olhar a ele.

- Ele foi, mas ele vai vir te buscar mais tarde, não se preocupe. - Youngjae assegurou e beijou o topo da cabeça da menina, que pela primeira vez no dia, sorriu e voltou sua atenção a JinYoung, que agora contava uma história.

Youngjae se levantou e deixou a pequena ali, saindo da sala e encontrando Hani fazendo coraçõeszinhos cor de rosa na beirada do caderno.

- Ela gostou muito de você. - Hani comentou quando viu o mais novo se aproximar.

- Sim, ela é uma fofura.

- O pai dela também. - Hani sorriu e viu o olhar confuso de Youngjae. - Não, não uma fofura. O pai dela também gostou de você, até perguntou seu nome.

Youngjae ja ia questionar, quando sentiu uma mãozinha puxar suas calças. Era o primo de Yugyeom, e sinceramente, aquele menino era uma peste. Tanto Yugyeom quanto a criança, claro.

- Tio, eu to com fome. Não tem nada pra comer? 

- Menino, mas você lanchou quase agora, e…

- Você chama aquilo de lanche? Um pãozinho com queijo não me enche não tio!

Youngjae bufou, olhando a criança e indo procurar qualquer coisa pro mesmo comer, se bem que, aquele menino comia até pedra.

 

Mais tarde, a maioria das crianças já estavam indo embora. Youngjae achou que a creche tinha ficado vazia, pois do nada se silenciou, mas sentiu um outro puxãozinho na barra de seu avental.

- Tio… Cadê o meu pai? - Yewon apareceu, já com os olhinhos marejados.

Youngjae não resistiu aquela cena. Nem Hani, que estava lixando suas unhas e nem ligando pras crianças que iam embora, conseguiu resistir a pequena Yewon. 

- Hey pequena. - Youngjae pegou ela no colo e a sentou no balcão. - Não se preocupe, ele vem te buscar.

A menina abraçou Youngjae como se estivesse com medo. No mesmo instante, a porta da creche abriu, e o suposto Senhor Im entrou, se deparando com a cena e não deixando de sorrir.

- Filha? - Ele a chamou e a menina virou quase instantaneamente, abrindo os bracinhos e chamando ele.

Youngjae achou aquela cena adorável. 

- Obrigado por cuidar dela. Ela se deu muito bem com você pelo jeito. - O Senhor Im disse olhando Youngjae, com um sorriso sincero estampado no rosto.

- Ela é um anjinho, Senhor Im.

- Pode me chamar de Jaebum. Até amanhã. - Jaebum deu as costas aos funcionários e saiu.

No mesmo instante, JinYoung e Hani viraram para Youngjae com um sorriso que ele conhecia muito bem.

- Yah, parem com isso. - Youngjae resmungou, já tirando seu uniforme e fazendo os dois rirem de si.

~♡~

Um mês se passou. Youngjae agora já estava mais acostumado com a creche, que só enchia. Porém, não se importava mais como antes. Yewon o distraia na maior parte da tarde, já que por algum motivo, tinha um carinho especial pela menina.

E ela também tinha por ele. Sempre que Yewon chegava, pulava nos braços de Youngjae e depositava um beijo em sua bochecha cheinha, com um sorriso enorme no rosto.

Naquele dia não foi muito diferente. Yewon passou o dia inteiro grudada com ele, o seguindo em praticamente todos os lugares. E Youngjae nem percebeu quando o dia acabou, mas ao ver a creche vazia e Yewon ao seu lado com os olhinhos levemente arregalados, se deu conta de que já tinha passado do horário de Jaebum buscá-la. E como se fosse uma transmissão de pensamentos, o telefone tocou no mesmo instante.

- Boa noite. Com quem eu falo? - A voz de Jaebum soou extremamente rouca do outro lado da linha, fazendo arrepios percorrerem o corpo de Youngjae.

- Youngjae. Sua filha está te esperando, Jaebum.

- Youngjae, você conseguiria leva-la pra casa? Estou parado no trânsito e não sei que horas eu vou chegar. Pode fazer esse favor pra mim?

Youngjae suspirou e olhou para a pequena, que estava abraçada a uma de suas pernas como costumava ficar com o pai.

- Claro. Pode me passar o endereço?

~♡~

Youngjae descobriu que Jaebum morava muito perto de si, e por sorte, não morava tão longe da creche. Yewon ficou feliz com a ideia de passar a noite com Youngjae, mas ainda assim podia se ver o medo nos olhos da menina.

Youngjae queria saber o que tinha acontecido para a menina ter tanto medo relacionado a qualquer coisa.

Assim que chegou na casa de Jaebum, tocou a campainha e esperou. Esperava que uma mulher bonita atendesse a porta e Yewon pulasse para o colo dela, mas não foi bem assim.

Um homem loiro com um porte físico desejável (no ponto de vista de Youngjae) abriu a porta e olhou para Yewon e Youngjae, confuso com a situação.

- Yewon? Quem é você?

- Tio Jack? - Youngjae sentiu a menina apertar os bracinhos no pescoço dele. - Esse é o Tio Jae. Ele veio me trazer.

- Ér… - Youngjae engoliu seco. - Jaebum me disse que estava preso no trânsito.

- Ah sim. Pode entrar.

Youngjae agradeceu e entrou, colocando a pequena no chão e deixando a mochila dela em algum lugar. Yewon saiu correndo e subiu as escadas, provavelmente indo para seu quarto. Youngjae entretanto, olhou para Jackson que estava o encarando como se ele fosse uma nova espécie.

Youngjae começou a ligar os pontinhos. Jaebum e o tal Jack seriam namorados ou casados? 

Claro, Jaebum era extremamente lindo e ele não esperava que ele fosse pai solteiro. Além disso, era gentil e carinhoso. E sim, Youngjae sabia disso porque os dois já tinham conversado antes, e bem… Era Jaebum. 

- Perdão. - "Jack" se pronunciou. - Meu nome é Jackson. Eu sou amigo do Jaebum, estava esperando ele chegar, mas já que você está aqui, eu vou embora.

- M-Mas…

- Ah, não se preocupe. Você é o Youngjae certo? Ele não vai se importar. - Jackson sorriu, colocando uma blusa e pegando o celular e as chaves. - Até outro dia, Youngjae.

Youngjae assentiu e se despediu. Quando o loiro saiu, subiu as escadas e foi até o quarto de Yewon, onde a pequena assistia um desenho qualquer deitada.

- Papai vai demorar? - Ela se sentou assim que viu Jae.

- Espero que não. - Ele sorriu. - Você está cansada? - Ela assentiu. - Quer dormir? - Ela assentiu de novo.

Youngjae então, desligou a TV e ligou o abajur, cobrindo a menina e depositando um beijo em sua testa. Quando estava saindo, ouviu a voz de Yewon sair baixa, mas ainda assim, o fez parar antes de abrir a porta.

- Tio Jae. - Ela começou. - Promete não me deixar igual a mamãe?

Youngjae sentiu uma fisgada enorme no coração. Era por isso que a menina era tão medrosa. Ela tinha sido abandonada.

- Claro que sim, princesa. - Youngjae se aproximou novamente e acariciou seus cabelos. - Nunca vou deixar você, okay?

Youngjae sabia que não era uma coisa muito saudável para se prometer, mas era Yewon. Não a conhecia a tanto tempo, mas a amava. Faria tudo por aquela menina.

Ela assentiu e fechou os olhinhos, tentando dormir. Youngjae então saiu do quarto, e teve que sufocar um grito de susto. Jaebum estava de costas para si, aparentemente saindo de seu próprio quarto.

- Youngjae. - Ele sorriu, fazendo o coração do mais novo aquecer. - Ela dormiu?

- Acabou de deitar. - Youngjae coçou a nuca,sem graça. - Bem, eu…Acho que vou embora.

Youngjae desceu as escadas e ia pegar suas coisas, mas Jaebum o segurou, fazendo ele se assustar novamente. E Jaebum achou aquilo extremamente fofo, afinal, Youngjae era fofo.

- Coma alguma coisa comigo antes. Tenho certeza que você ainda não comeu nada.

O mais novo assentiu e seguiu Jaebum, indo para a cozinha. Jaebum pegou a pizza que provavelmente Jackson havia pedido e colocou sobre a mesa, conversando com Youngjae enquanto pegava os talheres.

- Yewon gosta muito de você. - Jaebum disse se sentando. Youngjae sorriu sem graça, pegando um pedaço da pizza. - Normalmente, ela não gosta de ninguém. Nem do Jackson ela gosta.

 Youngjae franziu o cenho. Jackson seria o namorado de Jaebum, mas porque Yewon não gostaria dele?

- Porque não? Digo, Yewon parece sentir muito a falta de uma mãe, então Jackson deveria cobrir ou…

Jaebum tentou entender o que Youngjae estava dizendo, e quando entendeu, começou a rir da ingenuidade de seu dongsaeng. Ele e Jackson? Juntos? Era loucura.

- Jackson é apenas meu amigo, Youngjae. Você entendeu errado.

- Amigo? - Youngjae respirou aliviado, disfarçando o quão feliz aquela palavra soava para si.

- Estou procurando alguém que eu goste de verdade e que se dê bem com Yewon.

Youngjae assentiu. No mesmo instante, terminou de comer e olhou para Jaebum, que o fitava a alguns instantes.

- Preciso ir pra casa. 

- Você trabalha amanhã?

A pergunta repentina quase fez Youngjae se engasgar. Por coincidência, era sua folga no dia seguinte. 

- Na verdade não...

- Certo. Passe aqui a tarde, vamos sair com Yewon. Quero levar ela em algum parque.

- Tudo bem. - Youngjae sorriu.

Ambos nem sabiam como se despedirem, mas logo Youngjae foi embora e deixou Jaebum sozinho em seus pensamentos. Porque seu coração estava acelerado? Ele também não sabia.

Talvez a resposta estava a algumas casas, em um moreno de sorriso radiante e com um sinalzinho perfeito embaixo de um dos olhos.

~♡~

Jaebum e Yewon esperavam no lugar de encontro sentados na grama, com a pequena no colo de seu pai enquanto brincava com seu cabelo. Jaebum teve que se virar para conseguir o número de Youngjae e falar com ele, e até temia que este não viesse, mas quando o viu se aproximar, sentiu seu sorriso aumentar involuntariamente.

- Achei que não viria. 

- Porque eu não viria?

- Tio Jae! - Yewon levantou do colo de Jaebum e estendeu os braços, sendo pega por este e abraçada.

- Oi pequena. - Youngjae sorriu e beijou a bochecha da criança, que estava agarrada em seu pescoço. Logo Yewon saiu de seu colo e se sentou novamente na grama, puxando ele pelo dedo pra sentar também. - Como conseguiu meu número? - Youngjae franziu o cenho e riu, olhando Jaebum.

- JinYoung. Ele é muito simpático quando quer. - Jaebum sorriu, se aproximando e entrelaçando suas mãos.

Youngjae não conteve o susto, muito menos o sorriso e acabou por desviar o olhar, já que acabaria corando a qualquer momento. E Yewon, notando o momento fofinho em que seu pai e Youngjae se encontravam, se levantou e se aproximou de Youngjae, brincando com seu cabelo.

- Tio Jae. - Ela o chamou, fazendo o garoto olhar pra ela com um sorriso contido. - Você quer ser meu pai? 

Youngjae arregalou os olhos e olhou para Jaebum, que estava tão surpreso e confuso como ele.

- Yewon, Jaebum é seu pai. - Youngjae sorriu e apertou a bochecha da menina com a mão livre.

- Eu sei. Mas todo mundo tem uma mãe, menos eu. - Ela disse baixinho, com os olhos marejados. - Eu queria ter mais um pai, e queria que você fosse meu pai. Você cuida de mim igual o papai, e eu amo você como amo o papai. 

Youngjae observou a garotinha quase chorando. Soltou a mão de Jaebum e abraçou a menina sem dizer nada, que sorriu e apertou Youngjae em um abraço.

Se as coisas fossem tão fácil assim, seria o pai da pequena sem dúvida alguma.

~♡~

Youngjae estava limpando o balcão junto com Hani enquanto ouviam uma música baixinha e dançavam no ritmo da mesma. Youngjae sentiu um puxãozinho em sua calça e direcionou seu olhar pra baixo, encontrando Yewon sonolenta e coçando os olhos. 

- Pai… Meu pai ja chegou? 

- PAI? - Hani gritou com os olhos arregalados e deu um puxão em Youngjae. - DESDE QUANDO VOCÊ É PAI DESSA CRIANÇA?

- Shh Hani noona, depois conversamos sobre isso. - Youngjae riu e foi até Yewon novamente. - Ele já deve estar chegando, não se preocupe. 

Dessa vez a menor não chorou ou ficou triste. Ela apenas assentiu e se sentou na cadeira de Youngjae, observando o "pai" terminar de limpar o balcão.

- Vai explicar ou não? - Hani cruzou os braços olhando para Youngjae.

- Hani noona… 

Youngjae não conseguiu completar, já que Jaebum entrou no estabelecimento. Porém, Jaebum estava acompanhado, e estava conversando, tanto que nem notou o menor com um sorriso bobo direcionado para si.

- Aqui é a creche onde a Yewon fica todos os dias. Ela gosta bastante daqui. - Jaebum sorriu para a mulher que o acompanhava. Depois, olhou para Youngjae, que já estava com um sorriso estranho no rosto. - Olá, Youngjae. Onde a Yewon está?

Nem um abraço sequer. Nem pareciam que tinham se beijado ontem, ou que Youngjae era o suposto pai da menor. 

- Finalmente pai. - A menina desceu da cadeira com ajuda de Hani e foi até o pai, estendendo os braços e sendo pega pelo mesmo.

- Cumprimente HyoJin, filha. - Jaebum tentou falar com a criança, mas essa já estava sonolenta e nem deu muita atenção. 

- Deixe ela, deve estar cansada. Já está tarde. - HyoJin sorriu para Jaebum, acariciando os cabelos de Yewon.

Youngjae queria cortar a mão daquela mulher. Ainda mais quando ela e Jaebum foram embora sem nem se despedir dele.

- Quem era a mulher? - Hani perguntou lixando as unhas.

- Que mulher? - JinYoung apareceu com outras roupas, arrumando os cabelos. 

- Não sei, e nem quero saber. - Youngjae suspirou e tirou o avental, pendurando no mesmo lugar e pegando sua mochila. - Vou indo. Até amanhã noona, hyung. - Fez uma reverência e saiu do local, deixando JinYoung e Hani preocupados.

Youngjae foi andando em passos lentos pra casa, enquanto o fone estava no último volume. Ver Jaebum com uma mulher tinha acabado com ele, e ambos pareciam tão próximos que só de pensar seu coração doía. Olhou para o celular esperando alguma mensagem ou ligação, mas não tinha nada. 

Ao chegar em casa, Youngjae não demorou para se jogar em sua cama e pensar no quão idiota tinha sido ao pensar que significava alguma coisa para Jaebum.

E no meio de toda aquela dor, teve a certeza de que gostava de Jaebum mais do que deveria.

~♡~

Quatro dias.

Faziam quatro dias que Yewon não aparecia, que Jaebum não mandava mensagens ou que um sinal de fumaça aleatório aparecesse no céu avisando que a menina estava bem. Bom, talvez ele não estivesse preocupado só com Yewon.

- Você vai enlouquecer. - JinYoung disse pela terceira vez. - É sério, vai atrás dele.

- Já disse que estou preocupado com Yewon, não com Jaebum. Ele que se ferre com aquela mulher! - Revirou os olhos e olhou para a porta, onde Yugyeom entrava procurando por seu primo. 

- Graças a Deus. - JinYoung correu pra buscar a criança reclamona, arrancando alguns risinhos de Yugyeom.

- Youngjae, quanto tempo. - Yugyeom se aproximou do garoto.

- Você cresceu? Me sinto cada vez menor do seu lado. Corte essas pernas, menino.

- Eu acho que sim. - Ele riu. - Você está bem? Está meio pálido, sei lá.

Youngjae arregalou os olhos. Achava que era exagero de JinYoung, mas agora já estava considerando a possibilidade de ir atrás de Yewon ou ir na praia no dia seguinte pegar uma corzinha. 

- Finalmente Yugyeom! Você não sabe a fome que eu to sentindo. Eles não me alimentam direito nesse lugar. 

- Talvez porque você come demais. - Yugyeom riu, pegando o priminho pela mão, que também era alto demais pra sua idade. - Obrigado por aturar essa criança, Jin.

- Ah, de nada. Só vá embora e alimente ele logo.

- Isso! Me alimente Yugyeom~ - A criança olhou para o primo com um bico enorme, quem via de longe achava que era um anjinho.

Yugyeom concordou e saiu com a criança, deixando JinYoung e Youngjae sozinhos. 

- Eu vou indo. - Youngjae se despediu de JinYoung e saiu logo depois, sentindo o vento extremamente gelado bater no rosto.

Youngjae levou um susto quando seu celular começou a tocar com o número de Jaebum. Pensou em ignorar e se fazer de difícil, mas ao pensar que poderia ser alguma coisa relacionada a Yewon, atendeu imediatamente.

- Alô?

- Papai? - A voz de Yewon saiu mais fina que o normal. - Estou com saudade.

Youngjae por um lado se sentiu aliviado. Como a menina tinha ligado pra ele provavelmente sem o consentimento de Jaebum, ele não sabia, mas agradecia aos céus por dar a ideia a menina.

- Yewon… Aconteceu alguma coisa?

- Não papai. Só fiquei em casa por que o outro papai está de folga, mas estou com saudade de você. Você não pode me ver agora?

Youngjae suspirou, pensando se ia ou não. Provavelmente ia encontrar Jaebum, e provavelmente ia se lascar.

- Estou indo ai, pequena.

Desligou o telefone e seguiu em passos largos para a casa de Jaebum. Assim que chegou, tocou a campainha e foi atendido… Por HyoJin.

- Boa noite. - Ela sorriu. 

- Oi… É, eu vim ver a Yewon.

- Você é o Youngjae, certo? - Ele assentiu. - Pode entrar. 

Youngjae entrou, sentindo o ciúmes lhe corroer por dentro. A mulher ja estava morando com ele? 

Ao se direcionar até a sala, encontrou Yewon mexendo no celular do pai. Assim que esta notou sua presença, correu e o abraçou, com um sorriso enorme no rosto.

- Oi pequena. - Youngjae pegou a menina no colo e foi até o sofá, se sentando com ela. - Eu disse que viria. 

- Estava com tanta saudade de você, pai. - Yewon sorriu, deitando sobre o peito de Youngjae.

Ter uma criança que conhecia a alguns meses o chamando de pai era tão estranho. Porém, ele não se importava, e por algum motivo, até gostava disso. 

- Eu também estava. - Youngjae beijou a testa da menina. 

- Ela se dá tão bem com você… - HyoJin atraiu a atenção dos dois, encostada no batente da porta.

- Vocês duas não se dão bem? - Youngjae sentiu a menina mexer em seu cabelo, costume dela. 

- Não, Yewon não gosta de mim. - HyoJin riu, ainda que estivesse realmente magoada.

- Quem está aqui, HyoJin? - Jaebum perguntou antes de entrar na sala e ver Youngjae, que estava junto a Yewon. - Jae? - Jaebum abriu um sorriso enorme.

- Oi Jaebum. - Youngjae suspirou e olhou para Yewon, que sorriu cúmplice e saiu de seu colo.

- Quero dormir. Tia Jin, me conte uma história? - A menina estendeu os braços para HyoJin, que extremamente confusa, pegou a criança e foi para o quarto com ela.

Um silêncio se fez presente na sala. Youngjae se recusava olhar para Jaebum, e Jaebum o olhava sem jeito, sabendo que estava errado.

- Porque está tão estranho Jae? - Jaebum se aproximou, ainda em pé.

- Eu estou estranho Jaebum? - Youngjae se levantou e o olhou nos olhos. - Você me descarta, aparece com outra e eu que estou estranho? Você não prestou nem pra me mandar uma mísera mensagem, Jaebum.

- Mas do que diabos você está falando? - Jaebum franziu o cenho confuso.

- Do que estou falando? HyoJin é uma miragem agora? 

Jaebum, ao entender o que estava acontecendo, se permitiu rir sem jeito. Isso deixou Youngjae ainda mais irritado, e se tivesse coragem, ja tinha mirado um tapa no mais velho. 

- Idiota, vai ficar rindo da minha cara? 

- Youngjae. - Jaebum sorriu segurando o mais novo pelos ombros. - HyoJin é minha amiga de infância. Ela voltou pra Coréia agora, eu só estava mostrando pra ela alguns lugares. E se quer saber, HyoJin gosta de mulheres.

Youngjae corou profundamente, envergonhado com suas próprias ações. Apesar de tudo, se sentia extremamente aliviado, mas a vergonha nem deixava ele pensar direito.

- Mas porque não me mandou nenhuma mensagem? - Youngjae cruzou os braços e fez um bico involuntário.

- Você estava bravo comigo e eu nem sabia o porque, fiquei com medo de te chamar e acabar falando besteira. - Jaebum mordeu o lábio e observou Youngjae resmungar. 

- Aish… Que vergonha. - Ele suspirou e olhou para Jaebum. - Desculpa. 

Jaebum riu e se aproximou de Youngjae, depositando um beijo em seus lábios. 

- Não se preocupe, também sou culpado. Mas porque ficou assim? - Jaebum sorriu, acariciando o rosto de Youngjae.

- Não é óbvio? Eu gosto de você. Acho que mais do que deveria. 

- Então temos um problema aqui, porque eu também gosto de você. Mais do que deveria. - Jaebum riu ao ver o mais novo arregalar os olhos.

E beijou seus lábios mais uma vez, iniciando um beijo lento, porém cheio de desejo. Não podiam nem tentar negar o quanto queriam aquele beijo, e também não podiam ocultar a saudade que sentiam um do outro.

- Hey, Youngjae… - Jaebum se afastou e mordeu seu lábio.

- Hm? - Youngjae o olhou nos olhos.

- Eu quero que seja meu namorado. Mais do que isso, quero que seja pai de verdade da Yewon. 

Youngjae riu e abraçou o mais velho, conseguindo ouvir as batidas aceleradas de seu coração.

- Sim, Senhor Im.

1 ano depois…

Era o aniversário de Yewon. Crianças corriam pra todos os lados no salão, deixando Youngjae maluco a cada instante. O primo de Yugyeom já tinha comido metade dos salgadinhos da festa, Jackson ja tinha quebrado uma mesa sem querer e uma criança desconhecida estava correndo sem as calças, e não tinha santo que fizesse o menino se vestir. Talvez seria algum parente do Jackson, talvez.

- Eu vou ficar maluco. - Youngjae passou a mão nos cabelos enquanto JinYoung ria de seu desespero. - Onde está Jaebum com Yewon? 

- Se acalma Youngjae. - JinYoung riu mais ainda, vendo o primo de Yugyeom correr enquanto comia duas coxinhas de uma vez só. 

- Eu to super calmo JinYoung, ta vendo não? - Youngjae cruzou os braços e revirou os olhos.

Ele reclamaria mais, se Yewon não chegasse acompanhada de Jaebum. A pequena estava vestida de princesa, enquanto Jaebum… Bem, Jaebum era a fada mais bonitinha que Youngjae já tinha visto, pra não queimar o filme do namorado. 

- Mas que… - Youngjae olhou para Jaebum e riu escandalosamente. - Poxa amor, você está linda. Até está usando batom. - Comentou ao ver o mesmo se aproximar, com uma careta no rosto.

- Você vai se ver comigo depois. - Jaebum colocou a mão na cintura.

- Papai. - Yewon chamou, fazendo os dois olharem, mas se referia a Youngjae. - Estou bonita?

- Você está linda. - Youngjae sorriu e beijou a testa de Yewon, que também sorriu e saiu correndo para brincar. - Mais linda que seu papai. - Disse ao ver a pequena se afastar e riu, olhando Jaebum.

- Aish, Youngjae! - Jaebum revirou os olhos irritado.

- Não se preocupe amor. - Youngjae riu mais uma vez, se aproximando e beijando o maior. - Você fica lindo de qualquer jeito.

Se Jaebum não estivesse tão ridículo, Youngjae até jogaria umas cantadas. Mas ele só conseguia rir do namorado, que apesar de irritado, sabia que estava ridículo.

- Aproveitando a oportunidade. - Jaebum segurou a mão de Youngjae. - Porque não casa com a fada aqui?

- Casar? - Youngjae riu, mas ao ver a expressão séria de Jaebum, se calou. - Está falando sério?

- Estou. Muito sério.

- Hm… - Youngjae sorriu, ainda olhando o namorado. - Claro que caso. Contando que você não vá pro nosso casamento vestido de fada…

Jaebum riu, puxando o mais novo e o beijando logo em seguida. Yewon observava os pais de longe e sorria. Finalmente, tinha uma família mais que completa.

E Jaebum, Youngjae e Yewon foram felizes para sempre… Claro, até Yewon arrumar um namoradinho. Mas aí é outra história. 

~♡~



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...