História Papillons - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Suga
Tags Bts, Deathfic, Drama, Jungkook, Romance, Suga, Yoongi, Yoonkook
Exibições 24
Palavras 1.081
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Drogas, Homossexualidade, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Obrigada por dar uma chance a história~
Desculpa qualquer erro e boa leitura~!

Capítulo 1 - Capítulo Único - Broken Wings


Fanfic / Fanfiction Papillons - Capítulo 1 - Capítulo Único - Broken Wings

Às vezes eu achava engraçado minha química com você, Yoongi hyung.

Enquanto um tinha o coração repleto de ferimentos feitos por lâminas ardentes e afiadas, você tinha o coração tão murcho quanto uma flor sem vinda.

E bom... a gente tentava se concertar, eu lhe dava o consolo que nunca teve e você me dava os conselhos que eu nunca tive.

Mas por conta de estarmos machucados demais, criamos barreiras. Barreiras espinhosas que estouravam o pouco que seu coração murcho havia conseguido encher e afiadas o bastante para que reabrir os cortes do meu que ainda cicatrizavam.

Às vezes era tão rápido que eu me perguntava como havíamos chegado aquele ponto. Em uma hora felizes, aproveitando uma conversa suave e colecionando mais um momento aconchegante, enquanto você bebia sua xícara de chá de camomila que eu particularmente odiava, mas sempre que sentia aquele cheiro me lembrava de você. Para em menos de uma semana brigarmos e colecionarmos machucados em vez de memórias, na maioria das vezes com você bêbado e eu aos prantos, ao ponto de nos machucarmos fisicamente.

E foi naquela última noite de quinta-feira em que você chegou bêbado na minha casa mais uma vez, que conclui uma coisa que devia ter notado desde de início.

Não havíamos como dar certo, não do jeito que estávamos. Era como tentar juntar duas peças quebradas. Como uma iria se encaixar, sustentar a outra, se não tinha ao menos forças para se manter em pé?

Quando pedi para terminamos, você chorou como uma criança e por um momento eu quis voltar atrás, porque aquela decisão doía em você tanto quanto doía em mim. Foi ali que selamos uma promessa.

Cinco anos, hyung.

Cinco anos para tentarmos nos libertar das correntes que nós mesmos criamos, expandir nossos horizontes, explorar o que havia de mais profundo na nossa alma.

E posso lhe dizer que muitas coisas aconteceram hyung.

Lembra da faculdade de Artes?

Eu a larguei.

Decorar a memória da minha câmera com as mais belas paisagens do mundo, havia se tornado meu novo sonho.

Conheci tantas pessoas diferentes, tantas histórias diferentes, culturas diferentes. Desde de que me formei, viajar se tornou a segunda coisa na minha lista, porque a primeira sempre foi você. Não sei quantas vezes tive vontade de abrir seu número no chat e te enviar inúmeras mensagens dizendo o quanto sentia a sua falta. Ligar só para ouvir sua voz novamente, abandonar minhas viagens a trabalho e comprar uma passagem de volta para a Coreia, só para te ver.

Cinco anos se passaram hyung.

Nunca havia me sentido tão feliz por saber que iria vê-lo novamente.

Um dia antes da viagem, por mais que tentasse dormir... Eu não conseguia, a ansiedade me corroía de dentro para fora.

Quando entrei no avião, só desejava que aquelas 14 horas de Veneza até Seul, passassem logo. Durante o voo me pegava pensando em tudo que poderia lhe contar, quando colocasse meus pés em solo sul coreano e lhe abraçasse com as imensas saudades de cinco anos que era estar longe de você.

Mas você não estava lá hyung. Não estava no seu apartamento com o seu odiável cheiro de camomila, muito menos na casa de seus pais ou na biblioteca da cidade, com a cara enfiada em algum livro.

Você havia desistido hyung. No início não entendi porque os nossos amigos evitavam tocar no assunto, até que Namjoon hyung tomou a linha de frente e me contou.

Overdose Yoongi? Porque?

Eles me disseram que você havia aguentado três anos, você não podia ter esperado só mais um pouquinho hyung? Só mais dois anos? Por nós dois?

A realidade caiu de forma tão dura e grotesca nas minhas costas, meus planos foram picotados em pedacinhos, como folhas de papel, em seguida sendo levadas pelo vento, como se não tivessem nenhuma importância.

Aqueles anos me descobrindo foram incríveis, mas saber que se caso eu continuasse ao seu lado, aquilo poderia não ter acontecido, doeu muito, meu coração se apertava tanto ao ponto de me sentir sufocado. Os sorrisos que tinha dado naquele tempo, se tornaram lágrimas e uma viagem incessante as nossas memórias. Meses olhando tudo que me lembrava nós dois, como o colar dourado do nosso aniversário de dois anos de namoro e o rap que você escreveu para mim no ensino médio, tentando se confessar.

Mas você sempre pensou em tudo não é? Principalmente quando estava guardando suas coisas em várias caixas e achei aquele envelope escondido no fundo da sua gaveta de camisetas.

Ler aquilo me deixou perplexo, mesmo sendo tão pequeno eu sabia o que significava e mais um ataque de choro me atingiu. Você sempre soube como amolecer meu coração hyung e naquele momento não foi diferente.

"A cor de minhas asas já está desbotada, enquanto ainda tenho ambas as asas machucadas, porque prender esta borboleta formosa que ainda necessita conhecer o mundo a sua volta? Se para me largar precisou se afastar, o que me custa um pequeno sacrifício lhe dar?"

Eu queria que você não tivesse escolhido a pior forma de tentar me desprender de você, tivesse se dado mais uma chance, antes de abraçar a morte e ir embora com ela, havia formas melhores de se resolver isso hyung. Eu queria pelo menos ter te abraçado uma última vez, ter visto seu sorriso, ter beijado sua boca e reviver somente mais uma vez a sensação de estar no mesmo espaço com você, compartilhando nosso amor por meio de gesto e palavras.

Mesmo assim hyung, eu não poderia de deixar de te agradecer por tudo que nós vivemos juntos, por mais que tivessem momentos ruins no meio dessa trajetória toda, feridas, corações murchos, ás vezes que chorei e um pequeno fio de esperança. Você me fez pensar, me fez amadurecer, me fez enxergar o mundo de uma forma que eu nunca havia feito antes, me mostrou seus erros, se abriu para mim. Por isso todos os sorrisos, piadas sem graça, carinhos, conselhos e principalmente o amor que você me forneceu vão estar sempre guardados na minha mente. Todas as memórias preciosas que me fazem ter orgulho de contar para as próximas gerações que vierem.

Porque mesmo escolhendo a pior forma de me fazer seguir em frente, você sempre foi, é e será importante para mim. A borboleta de asas machucadas.

Acho que essa é a última e única carta que coloco no seu túmulo hyung. Porque agora vou lhe visitar todo ano para lhe mostrar minhas novas memórias.


Notas Finais


Papillon é uma raça de cachorros, mas significa borboleta em francês.
Realmente o tempo de voo de Veneza até Seul são 14 horas.
Obrigada se leu até aqui <3 E um alo pra @farytopia <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...