História Para Sempre? - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Escrita Criativa, Familia Maldonado
Visualizações 24
Palavras 723
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia)

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


A escolha da vez foi da @Inu-sama <33 que, embora tendo eu passado quase que as duas semanas, ouvindo a musica *errada* consegui de última hora algo com a música certa cujo link, vai estar nas notas finais :)

Capítulo 1 - Capítulo Único


"Estaremos juntos para sempre" era o que você sempre me dizia toda vez que eu, em crise, pensava em abandonar tudo e fugir. Que tola fui em acreditar que isso poderia de fato ser real um dia.

Me acostumei a ser sempre sozinha, já havia aceitado que ter uma vida "normal", era algo fora do meu alcance, até você aparecer. Com seu jeito doce e encantador, com seu sorriso largo e palavras sinceras, que pareciam vir do fundo de sua alma, me fez abrir a guarda e aceitá-lo ao meu lado. Agora estou sozinha outra vez e tendo experimentado o paraíso, por você proporcionado, o inferno se tornou pior do que sempre foi.

Queria que tudo não passasse de ilusão, que eu na verdade nunca tivesse realmente me entregado a você, queria ser capaz de voltar no tempo apenas para evitar tamanha dor ao descobrir que por minha causa, você foi levado deste mundo. Estávamos tão perto do nosso final feliz, eu realmente acreditei que tudo daria certo, mas o fim abrupto minou todas as esperanças que eu, como uma idiota, nutri.  

Quando vi o passado, do qual tanto fugi, alcançar-me através de você, surgiu em mim o ímpeto de vingar-me. Mas aquelas palavras pintadas com seu sangue na parede do nosso quarto, me prenderam ao chão, elas pesavam muito mais do que eu poderia suportar.

 

Para sempre?

 

O vermelho que outrora me lembrava as belas rosas que de você sempre recebi, tornara-se um líquido espesso no qual eu me sentia afogar. Para sempre carregaria comigo a culpa, a dor e o desespero de não ter sido capaz de consertá-lo. Quis te trazer de volta dos mortos e prometer que tudo ficaria bem, mas encarava seu corpo em nossa cama, banhado em sangue e era tudo frio... Um contraste tão grande com o calor que você sempre emanou. Um calor que eu nunca mais iria sentir.

Meu carrasco finalmente voltava para aplicar sua sentença, mas ao invés de levar-me, tirou de mim quem eu mais prezava, tal qual como tantas vezes fiz no passado. Era meu castigo, eu sabia, embora jamais fosse aceitar o fato de ter sido você a receber a parte mais definitiva deste.

Enquanto abraçava-me àquele corpo desprovido de vida e calor, chegava à compreensão de quem teria sido o algoz do meu amor. Recordei-me de cena semelhante, onde daquela vez, fiz o papel de executora. Restava a mim a decisão final, fazer daquilo meu fim ou o daqueles que maleficamente arquitetaram aquele plano para tirá-lo de mim.

Optei pelo segundo caminho. Levantei-me, deixando para trás o corpo do único que realmente amei e parti, tornei-me a principal suspeita de seu assassinato, uma vez que era assim que eles trabalhavam. Era vingança, das mais limpas e claras e estava tão óbvia que eu sabia que estava indo de encontro a uma armadilha quando subi no avião dois dias depois.

Meu alvo era o patriarca da família Maldonado, anos atrás, antes de aposentar-me de vez da vida de assassinatos, realizei um último trabalho para a referida família, meu maior erro. Todos sabiam que havia decidido parar, seguir uma vida “normal” em um local onde dominasse o sol, queria deixar de uma vez por todas a vida para a qual nasci e fui criada. Não queria para sempre sustentar o título de maior assassina da família e do país, quis ser livre e escolher meu próprio destino. Seria pedir muito?

A mim foi dado o trabalho mais difícil como derradeiro feito. O concluí da melhor forma possível, mas antes tivesse tudo dado errado, pois assim não teria conhecido a beleza de se viver num paraíso, só para tê-lo tirado de mim da forma mais brutal e tirana possível.

Meu maior pecado foi me deixar envolver, eu não poderia ter feito pior se tivesse pintado um alvo em suas costas e lhe entregue de mãos atadas àqueles que me culpavam por todas as perdas da família com a minha saída. O vermelho das rosas que de você ganhei tornaram-se seu sangue, mas tornariam-se também o deles e seria eu a responsável por derramá-lo até a última gota restante.

O que viria depois, mero detalhe que eu nem mesmo me dava ao trabalho de imaginar, pois simplesmente não era mais capaz de existir em um universo onde você não estivesse mais ao meu lado.

 


Notas Finais


Aqui o link com a tradução, essa foi dureza de escrever, até por que sou franca em dizer, eu tava mais satisfeita com a história que desenvolvi para a parte I :p
https://www.letras.mus.br/rwby/red-like-roses-part-ii/traducao.html


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...